Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A

Petra

PUBLICIDADE

Petra é considerado o local mais famoso e lindo localizado a cerca de 262 km ao sul da Jordânia em Amã e 133 km ao norte de Aqaba .

É o legado dos nabateus, um industriosos povos árabes que se estabeleceram no sul da Jordânia mais de 2000 anos atrás.

Admirado então pela sua cultura refinada, arquitetura maciça e engenhoso complexo de barragens e canais de água, Petra é agora um patrimônio mundial da UNESCO e uma das 7 Novas Maravilhas do Mundo, que encanta os visitantes de todos os cantos do globo.

Petra é um importante enclave arqueológico na Jordânia, situado na bacia entre as montanhas que formam o flanco leste de Wadi Araba, o grande vale que vai do Mar Morto ao Golfo de Aqaba.

Em 7 de Julho de 2007 foi considerada, numa cerimônia realizada em Lisboa (Portugal), uma das Novas sete maravilhas do mundo.

Petra é uma cidade no sul da Jordânia governadoria de Ma’an que é famosa por sua arquitetura de rock de corte e sistema de canalização de água.

Outro nome para Petra é a Cidade Rosa, devido à cor da pedra de que é esculpido.

Fundada possivelmente já em 312 aC como a capital dos Nabateus, é um símbolo da Jordânia, bem como a mais visitada atração turística da Jordânia.

Situa-se na encosta de Jebel al-Madhbah (identificado por alguns como o bíblico Monte Hor em uma bacia entre as montanhas que formam o flanco leste de Arabá (Wadi Araba), o grande vale que vai do Mar Morto ao Golfo de Aqaba.

História

A região onde se encontra Petra foi ocupada por volta do ano 1200 a.C. pela tribo dos Edomitas, recebendo o nome de Edom. A região sofreu numerosas incursões por parte das tribos israelitas, mas permaneceu sob domínio edomita até à anexação pelo império persa. Importante rota comercial entre a Península Arábica e Damasco (Síria) durante o século VI a.C., Edom foi colonizada pelos Nabateus (uma das tribos árabes), o que forçou os Edomitas a mudarem-se para o sul da Palestina.

Fundação

Fundada em tempos antigos até o final do século VII. AC pelos edomitas, foi ocupada no século VI. AC pelos nabateus que o fizeram prosperar graças à sua localização na rota de caravanas levando incenso, especiarias e outros bens de luxo entre Egito, Síria, Arábia e do sul do Mediterrâneo.

Até o século VIII, alterando as rotas de comércio e terremotos sofridos, levou ao abandono da cidade pelos seus habitantes. Foi esquecido na era moderna, eo local foi redescoberto pelo mundo ocidental pelo explorador suíço Johann Ludwig Burckhardt em 1812 .

O ano 312 a.C. é apontado como data do estabelecimento dos Nabateus no enclave de Petra e da nomeação desta como sua capital.

Durante o período de influência helenística dos Selêucidas e dos Ptolomaicos, Petra e a região envolvente floresceram material e culturalmente, graças ao aumento das trocas comerciais pela fundação de novas cidades: Rabbath ‘Ammon (a moderna Amã) e Gerasa (atualmete Jerash).

Devido aos conflitos entre Selêucidas e Ptolomaicos, os Nabateus ganharam o controlo das rotas de comércio entre a Arábia e a Síria. Sob domínio nabateu, Petra converteu-se no eixo do comércio de especiarias, servindo de ponto de encontro entre as caravanas provenientes de Aqaba e as de cidades de Damasco e Palmira.

O estilo arquitetônico dos Nabateus, de influência greco-romana e oriental, revela a sua natureza ativa e cosmopolita. Este povo acreditava que Petra se encontrava sob a proteção do deus dhû Sharâ (Dusares, em grego).

Época Romana

Entre os anos 64 e 63 a.C., os territórios nabateus foram conquistados pelo general Pompeu e anexados ao Império Romano, na sua campanha para reconquistar as cidades tomadas pelos Hebreus. Contudo, após a vitória, Roma concedeu relativa autonomia a Petra e aos Nabateus, sendo as suas únicas obrigações o pagamento de impostos e a defesa das fronteiras das tribos do deserto.

No entanto, em 106 d.C., Trajano retirou-lhes este estatuto, convertendo Petra e Nabateia em províncias sob o controlo direto de Roma (Arábia Petrae).

Adriano, seu sucessor, rebaptizou-a de Hadriana Petrae, em honra de si próprio.

Petra
Petra

Época Bizantina

Em 313 d.C., o Cristianismo converteu-se na religião oficial do Império Romano, o que teve as suas repercussões na região de Petra. Em 395, Constantino fundou o Império Bizantino, com capital em Constatinopla (atual Istambul).

Petra continuou a prosperar sob o seu domínio até 363, ano em que um terramoto destruiu quase metade da cidade.

Contudo a cidade não morreu: após este acontecimento muitos dos edifícios “antigos” foram derrubados e reutilizados para a construção de novos, em particular igrejas e edifícios públicos.

Em 551, um segundo terramoto (mais grave que o anterior) destruiu a cidade quase por completo. Petra não se conseguiu recuperar desta catástrofe, pois a mudança nas rotas comerciais diminuíram o interesse neste enclave.

Redescoberta de Petra

As ruínas de Petra foram objeto de curiosidade a partir da Idade Média, atraíndo visitantes como o sultão Baybars do Egipto, no princípio do século XIII. O primeiro europeu a descobrir as ruínas de Petra foi Johann Ludwig Burckhardt (1812), tendo o primeiro estudo arqueológico científico sido empreendido por Ernst Brünnow e Alfred von Domaszewski, publicado na sua obra Die Provincia Arabia (1904).

Petra nos dias de hoje

A 6 de Dezembro de 1985, Petra foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Em 2004, o governo jordano estabeleceu um contrato com uma empresa inglesa para construir uma auto-estrada que levasse a Petra tanto estudiosos como turistas.

A 7 de Julho de 2007, foi eleita em Lisboa, no Estádio da Luz uma das Novas sete maravilhas do mundo.

Curiosidades

O edifício da Câmara do Tesouro, em Petra, foi utilizado como cenário no filme Indiana Jones e a Grande Cruzada.
O interior mostrado no filme não corresponde, no entanto, ao interior do dito edifício, tendo sido fabricado em estúdio.
Petra é famosa principalmente pelos seus monumentos escavados na rocha, que apresentam fachadas de tipo helenístico (como o célebre El Khazneh).
Peritos no domínio da hidráulica, os Nabateus dotaram a cidade de um enorme sistema de túneis e de câmaras de água.
Um teatro, construído à imagem dos modelos greco-romanos, dispunha de capacidade para 4000 espectadores.
Tintim, herói da banda desenhada belga, visita Petra no álbum Perdidos no Mar (ou Carvão no Porão).

Fonte: www.caravanaterrasanta.com.br

Petra

Petra, Jordânia

Petra é o tesouro do mundo antigo, escondido atrás de uma barreira quase impenetrável de montanhas íngremes, apresentando cenas incomparáveis que tornam o local mais antigo majestoso e imponente ainda de pé nos dias de hoje ..

Tem sido dito “talvez não há nada no mundo que assemelha-se a isso “, na verdade, com certeza, não há nada no mundo que se lhe assemelha.

A lenda de Petra

Evidências arqueológicas revelam que uma deusa ainda mais antiga, dos tataravós beduínos dos nabateus, continuava sendo cultuada em Petra muitos séculos depois de esses antepassados terem abandonado as tendas. Seu nome, al-Uzza, corresponde à estrela vespertina (na realidade, o planeta Vênus), que, segundo a mitologia beduína, habitava uma árvore identificada como a acácia.

Relevos em alguns monumentos de Petra mostram que al-Uzza estava associada a Ísis e Afrodite.

A primeira, claro, é a deusa egípcia que reviveu o marido (e irmão) assassinado, Osíris, para copular com ele e gerar um herdeiro, Hórus; mais tarde, tornou-se a protetora dos mortos no antigo Egito, chamada por Plutarco de “deusa da Lua”, grande mestra dos segredos da magia e da arte de invocar espíritos.

Afrodite, por sua vez, é a deusa grega da beleza e do amor (Vênus, para os romanos) também protetora dos viajantes. Seu culto é pré-grego e é possível que ela tenha entrado no mundo clássico vinda da Ásia via nabateus. Registros mostram que, em Corinto, os templos dedicados a ela eram locais de prostituição ritual.

A deusa também é associada a Astarte, a divindade semita do amor e da fertilidade adorada em especial na Síria e Palestina (e na Babilônia, como Ishtar) e cultuada com orgias sexuais. Não é de admirar que Cleópatra tenha tentado (sem sucesso) convencer César a dar-lhe Petra como prova de amor.

A cidade permaneceu sob controle do Império Romano, que acabou causando sua ruína ao transferir as rotas das caravanas mais para o norte (Palmira, na Síria) e para o sul (o Golfo de Ácaba, entre Jordânia e Israel). Duzentos anos depois, Petra foi conquistada pelo Império Bizantino, que a ocupou durante quatro séculos, acrescentando aos monumentos nabateus duas igrejas cristãs, entre outras construções.

No ano 363 de nossa era, Petra perdera sua importância e estava sendo abandonada. Com seu sistema de abastecimento de água em ruínas, servia agora mais como fortificação, tendo trocado de mãos diversas vezes nos combates entre cristãos e muçulmanos durante as Cruzadas. No século 16, o golpe final – o Império Otomano a conquista e a cidade desaparece dos mapas, literalmente.

Tendo se transformado numa lenda, Petra era conhecida somente pelos beduínos que continuavam vivendo na área e a guardavam zelosamente por acreditar que as tumbas cavadas na rocha escondiam tesouros.

Em 1812, o aventureiro e explorador anglo-suíço Johann Ludwig Burckhardt, que viajava disfarçado de xeque árabe pela região, ouviu rumores a respeito de ruínas fabulosas e convenceu seu guia beduíno a levá-lo até lá, sob a alegação de que precisava cumprir a promessa de sacrificar uma cabra numa montanha próxima. Assim Petra foi redescoberta.

Os beduínos estão até hoje no local, embora tenham sido removidos pelo governo jordaniano e relocados na periferia do Parque Nacional de Petra.

Eles retornaram para vender lembrancinhas e atuar como guias em troca de baksheesh, ou gorjetas. O acordo de paz assinado entre Jordânia e Israel no início da década de 90 chegou a dar a esperança de um surto turístico, nunca concretizado por causa da instabilidade política da região. Em tempos mais pacíficos, a cidade recebe turistas europeus, americanos e japoneses, vindos de Amã (a 260 quilômetros de distância) ou do porto de Ácaba (a 180 quilômetros), que apenas passam o dia. Não é o meu caso.

Petra
Khazneh (“Tesouro”): cenário de Indiana Jones e a Última Cruzada

Petra
Local Elevado de Sacrifícios: origem nos templos bíblicos

Fonte: www.geocities.com

Petra

Ruínas de Petra – Jordânia

Petra
Petra

Petra (9 a.C. – 40 d.C), Jordânia

Na extremidade do Deserto árabe, Petra era a capital reluzente do império dos Nabateus, na época do Rei Aretas IV (9 a.C. – 40 d.C.).

Mestres em tecnologia para o abastecimento de água, os nabateus construiram grandes túneis e câmaras com esse propósito, além de um teatro, calcado em protótipos grego-romanos, para uma audiência de 4.000 pessoas.

Hoje, as Tumbas do Palácio de Petra, com uma fachada de 42 metros de altura (El-Deir Monastério), são um exemplo impressionante de cultura do Oriente Médio.

Fonte: www.mulherdeclasse.com.br

Petra

Por que visitar – Petra

Petra
Petra

Não é à toa que alguns bares em Wadi Musa, pequena cidade perdida no sul da Jordânia, exibam todas as noites o filme Indiana Jones e a Última Cruzada, de Steven Spielberg.

Ali ao lado, a poucos quilômetros, esconde-se um dos cenários mais fascinantes já utilizados pelo diretor em seus filmes.

Encravada no deserto da Jordânia, um país pobre de população beduína, fica a magnífica cidade de Petra, a antiga capital do povo nebateu, que viveu na região há 2000 anos.

A visão de Petra é uma dessas coisas surpreendentes que você guardará para contar aos netos quando estiver bem velhinho.

Entre penhascos e desfiladeiros espalham-se construções impressionantes de uma cidade que, no seu apogeu, chegou a ter 30000 habitantes.

E o mais fantástico é que as principais obras foram esculpidas na própria rocha do deserto.

Petra já seria inesquecível apenas por isso mas, para chegar até ela,é preciso caminhar pela estonteante trilha Siq, num desfiladeiro de 1,2 km de extensão e 100 metros de altura, que torna a jornada ainda mais espetacular..

E quando você menos espera, surge a sua frente o monumento mais importante do lugar: o Tesouro.

Trata-se de uma fachada em estilo helenístico com 43 metros de altura encravada na rocha.

A segunda principal atração de Petra fica à distância de uma escalada de 800 degraus a partir da praça central, por uma trilha de terra e pedra: é o Monastério.

O esforço vale a pena, mas para os mais comodistas, os beduínos oferecem carona em seus “táxis”, burricos que, de tanto subir e descer, sabem o caminho de cor e salteado.

As ruínas da cidade construída pelo Império Romano também estão lá, para comprovar um marcante período histórico para a região.

Fonte: viajeaqui.abril.com.br

Petra

Petra (Aretas IV, 9 a.C.-40 d.C.) – Petra (duas horas de carro da capital Amã), Jordânia – Símbolo de Engenharia e Proteção

A cidade de Petra é a principal atração turística da Jordânia e abriga o imponente templo helênico “O Tesouro” (El-Khazneh).

Com 42 metros de altura e 30 de largura, em sua fachada esculpida com pedra rosada há representações de mulheres, cavalos e soldados…

Peritos no domínio da hidráulica, os nabateus dotaram a cidade de um enorme sistema de túneis e de câmaras de água.

Um teatro, construído à imagem dos modelos greco-romanos, dispunha de capacidade para 4000 espectadores.

Atualmente, os túmulos reais de Petra, o templo, o mosteiro de El-Deir, constituem exemplos impressionantes da cultura do Oriente Médio.

Fonte: www.girafamania.com.br

Petra

Petra, sinfonia inacabada dos nabateus

Das mãos de um povo nômade surgiu uma das maravilhas da Antigüidade: uma cidade esculpida em arenito que resistiu à ação do tempo

Por 600 anos, uma cidade encravada no deserto da Jordânia foi considerada lenda, como Atlântida ou Tróia. Apesar de dezenas relatos ancestrais, que descreviam com precisão os monumentos grandiosos esculpidos em rocha, ninguém foi capaz de localizá-la até o início do século XIX.

Segundo essas mesmas narrações, Petra surgiu pelas mãos dos nabateus, que apareceram no Oriente Próximo por volta do século VI a.C., durante o Império Persa. Segundo os historiadores Estrabão e Diodoro da Sicília, os nabateus eram cerca de 10 mil beduínos que viviam do transporte de especiarias, incenso, mirra e plantas aromáticas. Eles levavam a carga da Arábia Feliz, atuais Iêmen e Omã, até o Mediterrâneo.

Esses nômades, “desejosos de preservar sua liberdade chamando de ‘sua pátria’ ao deserto, não plantavam trigo e não construíam casas”, como conta-nos Jeremias, no Velho Testamento, iriam surpreender a todos criando um império e esculpindo sua capital – Petra.

Os nabateus instalaram-se nas terras de Edon, a sudeste do mar Morto. Lá, dispunham de um entreposto “sobre uma rocha extremamente forte, que tinha uma só encosta”, segundo Diodoro. Tratava-se certamente do monte Umm el Biyara, em pleno centro do maciço de Petra. Ainda em nossos dias, o acesso ao seu cume é muito difícil. Com suas sete cisternas e as vertentes verticais, essa montanha é uma fortaleza inexpugnável.

Petra
A Câmara do Tesouro, ou El-Khazneh, marca a primeira de muitas edificações suntuosas de Petra

Fonte: www2.uol.com.br

Petra

Petra
Petra

Petra, na Jordânia, é uma das sete novas maravilhas do mundo e foi cenário das aventuras de Indiana Jones

Eleita uma das sete novas maravilhas do mundo – ao lado do nosso Cristo Redentor, em 2007, Petra é o principal destino turístico da Jordânia e um dos mais importantes do Oriente Médio. Não por acaso. Escondida por cânions e montanhas, a cidade antiga preserva imponentes templos e tumbas esculpidos na rocha pelas tribos do deserto que habitaram a região há milhares de anos.

Petra é conhecida como “a cidade rosa” por conta da principal cor das rochas, mas esta denominação não faz jus à miríade de tonalidades que se pode observar nas paredes, criando verdadeiras obras de arte naturais. Junte-se isso ao constante jogo de luz e sombras que resultam da ação do sol do deserto passando por entre as gretas do cânion e se tem um espetáculo que mescla natureza, história e boas doses de mistério.

Petra

Petra – ou “pedra”, em grego – teve seu apogeu com os nabateus, uma tribo árabe nômade que se fixou na região do século 6 a.C. a 106 d.C. Eles prosperaram ao transformar a cidade em um ponto de estratégico das rotas de caravanas que transportavam incenso, mirra e especiarias pelo Oriente Médio.

Mestres na engenharia, construíram uma rede de cisternas, represas e canais na cidade, além de edifícios que mesclavam influências dos estilos grego, romano e a própria arquitetura nabateia.

Porém, depois do século 19, Petra caiu no esquecimento completo. Tanto que passou a ser chamada de “cidade perdida” e apenas os beduínos locais sabiam sua localização exata. Ela foi “redescoberta” em 1812 pelo explorador suíço Johan Ludwig Burckhardt, que teve que se disfarçar de beduíno para driblar a desconfiança local com os estrangeiros e conseguir chegar a Petra.

São necessários pelo menos dois dias para desbravar com tranquilidade as principais atrações que se distribuem nos 5,2 quilômetros quadrados da cidade antiga.

Em parte porque há dezenas de locais históricos imperdíveis, mas também para poupar o corpo: para chegar a muitas tumbas e templos é necessário encarar bons trechos de caminhada e subida.

Caso a visita seja feita no verão, o sol abrasante também castiga o corpo. Mas conhecer Petra vale todo o esforço. Já de início se percorre o sinuoso e belo desfiladeiro Siq, com paredes até 200 metros de altura.

O caminho de 1,2 quilômetro leva até a grande atração da cidade: Al-Khazneh, ou, simplesmente, o Tesouro.

Trata-se de um monumental templo em estilo helênico esculpido em um penhasco de 40 metros de altura. Ambos foram cenário de umas das cenas mais clássicas do filme “Indiana Jones e a Última Cruzada” – informação que você vai cansar de ouvir por lá.

Depois de trilhar o mesmo caminho feito pelo aventureiro americano, entra-se, verdadeiramente, na cidade de Petra. Caminhando – ou sobre o lombo de um burrico, em um riquixá ou até mesmo sobre um dromedário -, percorrem-se as trilhas e ruas que conduzem a teatros, templos, igrejas, avenidas adornadas com colunas de inspiração romana e uma infinidade de tumbas escavadas na rocha.

Uma penosa escadaria de mais de 800 degraus leva até a outra estrela da cidade: o Monastério, um impressionante templo de 50 metros de largura por 45 de altura, esculpido em um paredão. Vale fazer o percurso perto do fim da tarde, quando o sol já não castiga tanto e há locais com sombra para um merecido descanso.

O ponto base para todos que desejam visitar Petra é o povoado de Wadi Musa. A cidade se desenvolveu em função do turismo gerado pelo sítio arqueológico, principalmente depois da década de 1990.

Ela não chega a ser um primor de organização e beleza, mas cumpre seu papel: tem restaurantes com comida típica, lan houses, bancos para troca de dinheiro, lojinhas de suvenires, além de hotéis para todos os bolsos que garantem uma boa noite de descanso – algo mais que necessário depois passar o dia desbravando o passado.

Fonte: viagem.uol.com.br

Petra

Uma cidade de um vermelho rosado quase tão velha como o próprio tempo

Petra
Petra

As montanhas gigantes vermelhas e vastos mausoléus de uma raça extinta nada têm em comum com a civilização moderna e nada mais suscitam a não ser contemplação pelo seu valor genuíno: uma das maiores maravilhas da Natureza e do Homem.

Não obstante muito se escrever sobre Petra, não há nada que o prepare para este local impressionante. Ver para crer.

Petra, maravilha do mundo, é, sem sombra de dúvida, o tesouro mais valioso da Jordânia e a maior atração turística. É uma cidade vasta e singular esculpida na própria face rochosa pelos Nabateus, um engenhoso povo árabe que aqui se fixou durante mais de 2000 anos e que a transformou num local importante para as rotas da seda, das especiarias e outras rotas comerciais que ligavam a China, a Índia e a Arábia do Sul ao Egipto, Síria, Grécia e Roma.

A entrada para a cidade é feita pelo “Siq”, um estreito com mais de 1 quilómetro de comprimento, ladeado por imponentes penedos com 80 metros de altura.

Caminhar pelo Siq é, por si só, uma experiência única. As cores e as formações rochosas são impressionantes. À medida que nos aproximamos do fim do Siq, começamos a ver Al-Khazneh (Tesouro).

Esta é uma experiência que suscita admiração. Uma fachada imponente com 30 metros de largura e 43 de altura esculpida na própria face rochosa de um rosa poeirento e que faz com que tudo a seu lado pareça minúsculo. Foi esculpida em inícios do século primeiro para ser o túmulo de um importante rei nabateu e representa o génio deste povo ancestral.

Dicas úteis

Certifique-se de que calça sapatos confortáveis e que traz um chapéu para se proteger contra o sol e ainda de que traz bastante água potável.

Petra
O Mosteiro Ad-Deir acima de Petra. Vale bem a pena subir

O Tesouro é apenas uma das maravilhas que compõem Petra. Vai precisar de, pelo menos, quatro ou cinco dias para explorar todo este local. À medida que entra no vale de Petra, vai ficar assombrado com a beleza natural deste local e com os notáveis feitos arquitetônicos.

Há centenas de túmulos esculpidos na rocha com gravações intrincadas – ao contrário das casas que, em grande parte, foram arrasadas pelos terramotos, os túmulos foram esculpidos para durarem até à outra vida e 500 sobreviveram, vazios, mas impressionantes quando vistos pelas suas escuras aberturas. Aqui há também uma imponente construção dos Nabateus.

Petra
O local de grande sacrifício

Teatro romano com 3000 lugares sentados. Há obeliscos, templos, altares para oferta de sacrifícios e ruas com colunatas e, lá no alto, sobranceiro ao vale, encontra-se o impressionante Mosteiro Ad-Deir – para lá chegar há uma escadaria com 800 degraus cortados na rocha.

No local, há também dois excelentes museus; o Museu Arqueológico de Petra e o Museu Nabateu de Petra ambos com achados das escavações na região de Petra e que dão a conhecer o passado vivo de Petra.

Um tempo do século XIII, mandado construir pelo sultão mameluco Al Nasir Mohammad para comemorar a morte de Aarão, irmão de Moisés, pode ser visitado no Monte Aarão na Cordilheira de Sharah.

No local, há vários artesãos da cidade de Wadi Musa e um acampamento beduíno nas proximidades com bancas montadas e a vender artesanato local, como por exemplo cerâmica e jóias beduínas e garrafas de areia multicolor e estriada, características da região.

Petra
As carruagens puxadas por cavalos são uma boa maneira de andar pela zona, se não lhe apetecer caminhar

Os veículos a motor não podem circular no local. Mas, se não quiser andar a pé, pode alugar um cavalo ou uma carruagem puxada por cavalos para percorrer os mil metros do Siq.

No caso de idosos e/ou deficientes, o Centro de Visitantes, perto da entrada do Siq, irá emitir uma autorização especial (com taxa extra) para que a carruagem entre em Petra, para visitar as principais atrações. Depois de chegar ao local, pode alugar um burro, ou para os mais aventureiros, um camelo. Ambos têm tratador e percorrem rotas definidas no local.

Dicas úteis

A melhor altura para ver Petra, em especial se estiver a pensar tirar fotos, é no início ou meio da manhã ou então à tardinha, quando o sol inclinado faz sobressair as fantásticas cores naturais das rochas.

Petra foi fundada por volta do século VI a.C. pelos árabes nabateus, tribo de nômadas que se fixaram na zona e construíram um império comercial que ia até à Síria.

Petra
Rocha com estrias dentro de alguns túmulos

Apesar das sucessivas tentativas do rei Antígono de Selêucia, do imperador romano Pompeu e de Herodes o Grande para controlarem Petra nos seus respectivos impérios, Petra ficou praticamente nas mãos dos nabateus até 100 d.C., quando os romanos a conquistaram. Ainda era habitada durante o período bizantino, quando o império romano passou para oriente, para Constantinopla, mas diminuiu de importância daí para a frente.

Os Cruzados construíram lá um forte no século XII, mas em breve partiram, deixando Petra aos habitantes locais até inícios do século XIX, quando foi descoberta pelo explorador suíço, Johann Ludwig Burckhardt, em 1812.

Parque Arqueológico de Petra

O Parque Arqueológico de Petra (PAP) compreende uma área de 264 metros quadrados em Wadi Musa, considerado um local turístico e arqueológico e Patrimônio Mundial registado na lista de Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1985. A área tem uma paisagem de cortar a respiração com montanhas de tez rosa cujo ponto principal é a fantástica cidade nabateia de Petra, que foi esculpida na rocha há mais de 2000 anos.

Dean Burgen

Fonte: pt.visitjordan.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+