Breaking News
Home / História Geral / Protestantismo

Protestantismo

PUBLICIDADE

Protestantismo – O que é

Protestantismo criou uma nova divisão no mundo cristão, uma divisão que provocaram o uso do termo secular, ‘Ocidente’, como uma categoria não contenciosa para o que já foi chamado de ‘cristandade’.

protestantismo é uma das principais divisões da fé cristã.

Tradicionalmente, o protestantismo inclui todas as igrejas fora dos católicos romanos e da Igreja Ortodoxa tradições.

Igrejas protestantes afirmam os princípios da Reforma Protestante colocadas em movimento por Martinho Lutero 95 Teses em 1517. protestantes foram os primeiros chamados por esse nome porque “protestou” contra o papado e domínio romano no seio da Igreja.

Protestantismo contém muitas denominações diferentes. Elas incluem a Igreja Luterana (em homenagem a Martin Luther), a Igreja Presbiteriana (associado com John Knox), e os batistas (também chamados do movimento da Igreja Livre e associado a igrejas que batizam somente os crentes).

A tradição protestante tem sido historicamente representada pelos cinco solas: fé, somente Cristo, somente a graça, somente a Escritura, e da glória de Deus.

Os cinco solas enfatizar os seguintes três pontos doutrinais:

Em primeiro lugar, os protestantes defendem a Bíblia Sagrada como a única autoridade sobre assuntos de fé e prática. A Igreja Ortodoxa, ao contrário, reconhece a tradição sagrada como igualmente autênticas. A Igreja Católica Romana inclui sagrada tradição e da autoridade do Papa. Os reformadores expressa essa distinção com a sola scriptura prazo (“Somente a Escritura”). Protestantes enfatizar a palavra inspirada de Deus como a nossa autoridade perfeito (2 Timóteo 3: 16-17; 2 Pedro 1: 20-21).
Em segundo lugar, os protestantes manter a fé para a salvação, independentemente de obras. A Igreja Católica Romana exige a manutenção de sete sacramentos e muitas vezes fala de obras como parte da salvação de uma pessoa. No entanto, Efésios 2: 8-9 apoia claramente a doutrina protestante de que a salvação é pela graça somente através da fé em Cristo: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus, não de obras, para que ninguém se glorie. ”
Em terceiro lugar, os protestantes acreditam em viver para a glória de Deus. Enquanto o ensino católico romano concorda com essa crença, muitas vezes é expresso em conjunto com fiel obediência à Igreja e seus líderes. Em contraste, os protestantes ensinam o sacerdócio de todos os crentes, como afirmado em 1 Pedro 2: 9: “Vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, possessão especial de Deus, que você pode declarar as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz “Protestantes rejeitam o sistema de sacerdócio católico e, em vez jurar lealdade a Deus e Sua glória, afirmando a super dotação de todo seguidor de Jesus Cristo (Romanos 12, 1 Coríntios 12: 1-8).

Protestantismo – Movimento

O protestantismo é um movimento mundial que deriva das reformas do cristianismo ocidental do século XVI. Como movimento, é ao mesmo tempo um conjunto de órgãos da igreja e um ethos, espírito e conquista cultural menos bem definidos. Assim, alguém fala das igrejas reformadas ou metodistas como sendo protestantes, assim como se pode falar de uma “ética protestante” ou de uma “nação protestante”.

Ao longo dos anos, diferentes necessidades ocasionaram uma variedade de tentativas de determinar os limites de definição do protestantismo. Às vezes, pode haver motivos teológicos ou litúrgicos para restringir esses limites. Alguns anglicanos, ou membros da Igreja da Inglaterra, por exemplo, que enfatizam o quão intimamente eles são identificados com a antiga tradição católica, muitas vezes se ressentem de serem classificados como protestantes.

O mesmo acontece com os luteranos de perspectiva semelhante, embora o termo protestante tenha sido aplicado pela primeira vez em 1529 em solo luterano. Em outro extremo, muitos protestantes se recusam a incluir movimentos como as Testemunhas de Jeová ou os mórmons em suas fileiras, embora essas novas tradições religiosas do século XIX florescessem em solo protestante e mantivessem algo do impulso protestante em sua vida da igreja.

O Protestantismo é um Movimento: A História do Protestantismo

Martinho Lutero

protestantismo pode ser pensado em termos de história, mas também é uma questão de cada crente e sua resposta a Deus. O protestantismo é um movimento dentro da Igreja de nosso Senhor Jesus Cristo que é alimentado por uma preocupação preeminente por um relacionamento pessoal com Deus por meio de Jesus Cristo, de acordo com as Escrituras. A base teológica para o relacionamento é “justificação pela fé, pela graça de Deus, em Jesus Cristo, de acordo com as Escrituras, e tudo para a glória de Deus”.

As cinco “Solae” articulam as poderosas doutrinas que alimentam a fé protestante: Sola Scriptura, Sola Gratia, Sola Fides, Solus Christus e Soli Deo Gloria. Seguidos cuidadosamente, os cinco Solae mantiveram o movimento no “caminho certo, fiéis à Palavra e fiéis à Reforma da Igreja”.

protestantismo é um movimento eclesial da Igreja e um impulso devocional dentro do crente. Historicamente, aquilo que pode ser chamado de “fé protestante” surgiu de abusos percebidos e inegáveis dentro da Igreja Católica Romana durante o final dos séculos XV, XVI e XVII nas Ilhas Britânicas e no Norte da Europa. Os “protestos” contra o ensino e a práxis não se limitaram aos luteranos, calvinistas e anabatistas. Até mesmo a Igreja Católica Romana respondeu aos “protestantes” com uma “Contra-Reforma” para trazer transformação.

O termo, Protestantismo, permanece uma realidade histórica, pois o movimento manteve seus princípios básicos, mas assumiu novas formas no Sul Global e no Oriente Global. O protestantismo é uma resposta pessoal a si mesmo ou a uma comunidade cristã específica, com sua preocupação básica pela salvação pessoal por meio de Cristo, de acordo com as Escrituras. A frase ecclesia reformata, semper reformanda (a igreja reformada, sempre reformando) é uma descrição apropriada do batimento cardíaco da fé protestante para uma determinada comunidade (ou seja, uma denominação, uma igreja local ou mesmo um corpo nacional), bem como para o indivíduo.

Quase um bilhão de pessoas, no momento em que este artigo foi escrito, pertencem àquela parte vital da fé cristã chamada protestantismo. A palavra, é claro, vem da palavra “protesto”. E enquanto “protesto” remonta a Lutero – a John Wycliffe de Oxford e John Hus da Boêmia antes de Lutero (e até mesmo a outros líderes e grupos semelhantes antes das “luzes da manhã da Reforma”) – o significado de protestante era, é, e, sem dúvida, continuará a ser um impulso para a reforma na Igreja. O protestantismo que começou na Inglaterra no século 15 e na Europa Ocidental no século 16 não era apenas sobre a reforma de inegáveis abusos de fé e prática dentro do remanescente da Igreja medieval, ou seja, a Igreja Católica Romana.

Reforma Protestante – O que foi

Reforma Protestante foi um movimento cristão na Europa do século 16 que se formou a partir da oposição à percepção de corrupção e transgressões dentro da Igreja Católica Romana. A reforma é vista popularmente como começando em 1517, o ano em que Martinho Lutero pregou suas 95 teses sobre o poder e a eficácia das indulgências na porta da Igreja do Castelo em Wittenberg, Saxônia.

Os historiadores afirmam que o movimento terminou em 1648 com o Tratado de Westfália, que ajudou a pôr fim à sangrenta guerra que havia ocorrido entre católicos e protestantes como resultado do período da Reforma. A Reforma é vista como um dos eventos mais importantes da história ocidental por sua troca revolucionária de idéias e reestruturação política.

Martinho Lutero é considerado o homem que iniciou a Reforma Protestante em 1517

Teólogos haviam argumentado contra a visão da Igreja Católica Romana sobre a autoridade do Papa antes das ações de Lutero. No século 15, os teólogos John Wycliffe e John Huss argumentaram que a autoridade do Papa não era válida de acordo com as escrituras. Acreditando que suas opiniões eram heréticas, a Igreja Católica Romana queimou Huss na fogueira em 1415.

Lutero, um monge agostiniano alemão, postou suas 95 teses sobre o poder e a eficácia das indulgências para comunicar suas queixas à Igreja Católica e para convidar outros cristãos ao debate sobre questões teológicas. No momento em que ele estava preparando seus argumentos, muitos outros cristãos também estavam descontentes com as práticas dentro da Igreja Católica Romana, particularmente a venda de indulgências.

As indulgências eram dadas pelos padres e ofereciam a remissão da punição temporal por pecados pelos quais o paroquiano já havia sido perdoado.

Lutero e outros cristãos protestantes não necessariamente tinham problemas com a doutrina das indulgências da Igreja Católica, mas sim com a maneira como eram vendidos para obter lucro.

O Papa Leão X estava planejando a construção da Basílica de São Pedro e permitiu a venda de indulgências para arrecadar fundos para a construção. Isso enfureceu Lutero e outros, que viam a penitência e o perdão como algo vendido de forma grosseira aos melhores licitantes.

Críticos, incluindo Lutero, perguntaram por que o Papa simplesmente não pagou ele mesmo pela construção da Basílica de São Pedro, já que era extremamente rico.

Lutero também acreditava que a graça e a misericórdia vinham somente da fé, não pela compra e venda de indulgências. Essa crença veio a ser conhecida como teologia da graça livre.

As 95 teses de Lutero rapidamente se espalharam pela Alemanha e nações europeias vizinhas, em grande parte graças ao uso revolucionário da imprensa. O monge foi rapidamente excomungado pela Igreja, e o movimento que ele representava foi condenado pelo Papa. Forçado a se esconder, a vida de Lutero pode ter sido poupada pelo eleitor alemão da Saxônia, Frederico III, também conhecido como Frederico, o Sábio.

Frederico durante anos desempenhou um papel fundamental na vida de Lutero. Ele fundou Wittenberg, a universidade onde Lutero ensinou e publicou suas teses, e protegeu o monge, embora ele permanecesse um católico devoto. Frederico acreditava que Lutero não havia cometido nenhum crime real, mesmo que não tivesse certeza se concordava ideologicamente com a Reforma Protestante.

Os comentários de Lutero ajudam a trazer à luz outros teólogos influentes. João Calvino, em particular, desempenhou um papel significativo na formação do movimento protestante.

Ele talvez seja mais conhecido por sua doutrina da predestinação, a crença de que Deus predestinou quem será salvo pela graça e quem sofrerá a condenação eterna. A teologia é ainda mais controversa do que complicada, e é uma das doutrinas que os protestantes tiveram dificuldade em concordar durante a Reforma.

Conforme o movimento progrediu por toda a Europa, ele começou a se dividir em diferentes facções. Em última análise, essas facções deram origem às denominações protestantes dos dias modernos, como luteranos, calvinistas e presbiterianos. A Reforma também deu lugar a uma guerra sangrenta entre católicos e protestantes, e a Guerra dos Trinta Anos – que na verdade foi uma série de guerras – devastou partes da Europa.

Para acabar com a luta, o Tratado de Westfália foi criado em 1648. Ele acabou com o domínio político do Papa sobre a Europa e proporcionou alguma indulgência para que diferentes facções cristãs praticassem sua fé.

Em última análise, da maneira como levou a uma estrutura política inteiramente nova na Europa e da maneira como revolucionou o cristianismo, a Reforma Protestante se destaca como um dos eventos seminais da história ocidental.

Reforma Protestante – Século 16

Reforma Protestante do século 16 foi deflagrada por Martinho Lutero, um monge alemão cujos estudos da Bíblia o levaram a atacar a liderança da Igreja Católica. Primeiro, Lutero insistiu que a autoridade religiosa não estava principalmente nas tradições da igreja, nem na hierarquia dos bispos e papas, mas apenas na Bíblia.

O ensino da igreja e seus líderes devem ser julgados pelo padrão e ensino da Bíblia, que é a única fonte autorizada da fé cristã. Além disso, Lutero insistiu que a Bíblia e a vida de adoração da igreja fossem traduzidas do latim para a língua do povo, para que todos pudessem ouvi-la e entendê-la.

A partir de sua leitura do Novo Testamento, Lutero também concluiu que a salvação é apenas pela graça de Deus, não em virtude de qualquer coisa que se possa fazer para merecê-la. E a salvação é somente pela fé, pela disposição do coração, não por qualquer penitência que um sacerdote possa prescrever. Lutero se opôs especialmente ao que era conhecido como “indulgências” vendidas pela igreja para garantir o próprio bem-estar na vida após a morte ou o bem-estar daqueles que já haviam morrido. Lutero pregou que a salvação não pode ser conquistada, muito menos comprada, pois é um presente. Em sua ruptura com Roma, Martinho Lutero deixou a vida monástica e se casou, estabelecendo assim o precedente para o clero casado nas igrejas protestantes. Ele enfatizou a fé dos leigos, a vida cristã na sociedade e o “sacerdócio” de todos os crentes. Lutero foi excomungado da Igreja Católica em 1521.

Reforma Protestante marcou o início do que se tornaria um novo movimento na tradição cristã. Seus líderes e formas eram muitos, mas o espírito da tradição protestante continuou a enfatizar a importância da fé pessoal, o dom da graça e a autoridade da Bíblia. Na Alemanha, a tradição luterana foi construída sobre a herança de Martinho Lutero.

Igrejas nacionais luteranas também se desenvolveram na Suécia, Dinamarca, Noruega e Finlândia. As igrejas luteranas da América hoje incluem descendentes de todas essas igrejas.

As igrejas “reformadas” têm suas raízes na Suíça, onde Huldrych Zwingli lançou um movimento de reforma da igreja em Zurique em 1522. Ao mesmo tempo, em Genebra, João Calvino, de certa forma o mais influente dos reformadores, liderou um movimento que ajudou encontrou igrejas reformadas na Holanda, Hungria, Inglaterra e Escócia.

As igrejas presbiterianas também fazem parte dessa tradição reformada e se desenvolveram inicialmente sob a liderança do reformador escocês do século 16, John Knox.

Os batistas e congregacionalistas de hoje traçam sua linhagem de volta às idéias de Zwínglio e Calvino também.

Os anabatistas mais radicais discordaram de Zwingli e dos reformadores em Zurique sobre duas questões: o estabelecimento de uma igreja estatal e o batismo infantil. Eles sustentavam que a fé cristã é um compromisso consciente e voluntário do coração. Assim, eles rejeitaram a coerção de qualquer igreja estatal e também rejeitaram o batismo infantil em favor do batismo de crentes adultos.

Os anabatistas também moldaram a formação das igrejas batistas, bem como das históricas “igrejas da paz”, como os quakers e os menonitas – todos os quais foram amplamente influentes no cristianismo americano.

A Reforma Inglesa começou no século 16, quando o Rei Henrique VIII declarou a independência da Igreja da Inglaterra da autoridade do Papa.

Alguns protestantes na Inglaterra foram ainda mais longe do que Henrique VIII e pediram uma purificação completa da igreja. Mais tarde conhecidos como “puritanos”, esses dissidentes radicais da Igreja da Inglaterra partiram para a América do Norte no início do século XVII. Eles imaginaram estabelecer uma comunidade cristã, uma “comunidade sagrada” no novo mundo.

Em 1700, John Wesley, um sacerdote da Igreja da Inglaterra, lançou um movimento de reforma devocional enérgico, enfatizando o perdão e a graça de um Deus amoroso.

Este movimento eventualmente se tornou conhecido como Metodismo. Aqueles que permaneceram dentro da Igreja da Inglaterra espalharam sua versão do Cristianismo à medida que o Império Britânico circundava o mundo. Após a dissolução do Império, essas igrejas se uniram para formar a Comunhão Anglicana Mundial.

Os evangélicos também têm desempenhado um papel fundamental nos esforços de reforma em andamento. Originalmente, o termo foi usado para descrever os movimentos de reforma religiosa dos séculos 18 e 19 e denominações que resultaram dos avivamentos que varreram o mundo anglo-americano do Atlântico Norte. Esses avivamentos eram freqüentemente liderados por figuras como John Wesley (1703-1791); o evangelista inglês itinerante George Whitefield (1715-1770); e o pregador e teólogo americano Jonathan Edwards (1703-1758). Na década de 1820, os evangélicos dominaram a comunidade protestante americana e desempenharam um papel importante nos movimentos de reforma, como o abolicionismo e a proibição. No início do século 20, os evangélicos conservadores (conhecidos como fundamentalistas) que rejeitaram o darwinismo e a crítica bíblica moderna se retiraram da vida pública após o Julgamento de Scopes em 1925, apenas para ressurgir na cena política e social nacional décadas depois.

Durante a era Reagan, organizações conservadoras como a Moral Majority e Concerned Women for America foram motivadas pelo que consideravam uma preocupação com os chamados valores familiares tradicionais. Como resultado, muitos evangélicos se concentraram em questões como homossexualidade, aborto e a direção da mídia de massa. Outras correntes dentro do evangelicalismo incluem Sojourners, um grupo comprometido com a promoção da paz e da justiça social desde os anos 1970 e comunidades intencionais como o Simple Way na Filadélfia, que busca reformar a fé adaptando as práticas monásticas tradicionais para um contexto moderno, trazendo questões como cuidar da criação e desafiar os sistemas que oprimem os pobres e marginalizados.

A Reforma Protestante, portanto, lançou não uma Igreja Protestante, mas um movimento Protestante – um movimento dinâmico de muitas igrejas, engajado em uma reforma enérgica e contínua, ainda hoje.

Protestantismo no Brasil

Afora a efêmera tentativa, por parte de huguenotes franceses, para fundar uma colônia no Rio de Janeiro no século XVI, a única manifestação do protestantismo no Brasil, até inícios do século XIX, se deu durante a ocupação holandesa de Pernambuco, no período 1630-1654.

Data de 1824 o surgimento das primeiras igrejas luteranas no Brasil. Na década de 1850 instalaram-se no país igrejas congregacionais e presbiterianas, fundadas por missionários americanos.

A esses grupos seguiram-se metodistas, batistas e episcopais.

Na segunda metade do século XX difundiram-se sobretudo grupos de caráter pentecostal.

Fonte: www.gotquestions.org/escola.britannica.com.br/www.encyclopedia.com/www.wisegeek.com/www.christianity.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.