Breaking News
Home / História Geral / História da Maquiagem

História da Maquiagem

PUBLICIDADE

A história da maquiagem

Para entender as tendências em constante mudança dos cosméticos, é interessante dar uma olhada na evolução da maquiagem.

Mulheres e homens usam cosméticos há séculos, embora os estilos certamente tenham sofrido algumas mudanças dramáticas ao longo do tempo. Vamos dar uma olhada em como os cosméticos evoluíram.

O registro histórico mais antigo de maquiagem vem da 1ª Dinastia do Egito (c.3100-2907 aC). As tumbas dessa época revelaram potes de unguento, que em períodos posteriores eram perfumados.

O unguento era uma substância amplamente utilizada por homens e mulheres para manter a pele hidratada e flexível e evitar rugas com o calor seco.

As mulheres egípcias também decoravam seus olhos aplicando a cor verde escuro na parte inferior da pálpebra e enegrecendo os cílios e a pálpebra superior com kohl, que era feito de antimônio (um elemento metálico) ou fuligem. Acredita-se que os judeus adotaram o uso de maquiagem dos egípcios, já que referências à pintura de rostos aparecem na seção bíblica do Novo Testamento.

O filósofo romano Plauto (254-184 aC) escreveu: “Uma mulher sem tinta é como comida sem sal.” Claro, Plauto era um dramaturgo, o que explicaria sua preferência pelo look de uma “mulher pintada” na época.

Os romanos usavam amplamente os cosméticos em meados do século I dC. Kohl foi usado para escurecer cílios e pálpebras, giz foi usado para clarear a pele e rouge foi usado na bochecha. Depilatórios eram usados naquela época e pedra-pomes era usada para limpar os dentes.

As mulheres usavam chumbo branco e giz em seus rostos na sociedade greco-romana. As mulheres persas usavam tinturas de hena para manchar seus cabelos e rostos, acreditando que essas tinturas lhes permitiam invocar a majestade da terra.

Durante a Idade Média européia, a pele clara era um sinal de riqueza. As mulheres do século VI buscaram medidas drásticas para conseguir esse visual sangrando-se, embora, em contraste, as prostitutas espanholas usassem maquiagem rosa. As mulheres ricas do século XIII usavam batom rosa como prova de que podiam comprar maquiagem sintética.

Durante o Renascimento italiano, a dor com chumbo era usada para iluminar o rosto, o que era muito prejudicial para o usuário. Aqua Tofana era um pó facial popular que recebeu o nome de seu criador,

Signora Toffana. Feito de arsênico, a signora Toffana instruiu sua rica clientela a aplicar a maquiagem apenas quando seus maridos estivessem por perto.

É interessante notar que Tofana foi executado cerca de seiscentos maridos mortos depois.

Os cosméticos eram vistos como uma ameaça à saúde na Inglaterra elizabetana, embora as mulheres usassem claras de ovo sobre o rosto para uma aparência vidrada.

Durante o reinado de Carlos II, maquiagem pesada começou a surgir como um meio de contradizer a palidez de estar por dentro devido a epidemias de doenças.

Durante a restauração francesa no século 18, rouge vermelho e batom foram usados para dar a impressão de um espírito saudável e amante da diversão.

Eventualmente, pessoas em outros países ficaram repelidas por maquiagem excessiva e afirmaram que os franceses “pintados” tinham algo a esconder.

Durante a era da Regência, o item mais importante era o rouge, que era usado por quase todo mundo. Naquela época, as sobrancelhas eram escurecidas e os cabelos tingidos. Para evitar a formação de cabelos curtos, foi usada uma bandagem na testa mergulhada em vinagre, com esterco de gato mergulhado. A maioria das receitas de maquiagem dos camponeses usava ervas, flores, gordura, conhaque, vegetais, água mineral e, claro, morangos amassados. Durante essa época, a pele branca significava uma vida de lazer, enquanto a pele exposta ao sol indicava uma vida de trabalho ao ar livre. Para manter a tez pálida, as mulheres usavam gorros, guarda-sóis e cobriam todas as partes visíveis do corpo com branqueadores e removedores de manchas. Infelizmente, mais do que alguns desses remédios eram letais.

Os auxiliares de beleza mais perigosos durante essa época eram o chumbo branco e mercúrio. Eles não apenas arruinaram a pele, mas também causaram queda de cabelo, problemas de estômago, tremores e até mesmo a morte.

Embora esses perigos tenham se tornado conhecidos com a morte da cortesã Kitty Fisher, a maioria das mulheres continuou a usar esses branqueadores mortais.

Durante o século 19, as mulheres usavam a beladona para fazer seus olhos parecerem mais luminosos, embora soubessem que era venenoso. Muitos cosméticos eram feitos por farmacêuticos locais, conhecidos como boticários na Inglaterra, e os ingredientes comuns incluíam mercúrio e ácido nítrico. A tintura de cabelo era feita de alcatrão de carvão, que agora é ilegal na América.

Pode interessar a você saber que os homens usavam maquiagem até a década de 1850. George IV gastou uma fortuna com creme frio, pós, pastas e aromas. No entanto, nem todos os homens usavam maquiagem, pois muitos olhavam para um homem com as bochechas vermelhas como um dândi.

Aqui estão algumas receitas de dicas de beleza utilizadas no final dos anos 1800:

Para remover as sardas: machuque e esprema o suco da erva-de-bico, acrescente três vezes a quantidade de água mole e depois lave a pele por cinco a dez minutos de manhã e à noite.
Como banho para a tez: uma colher de chá de farinha de enxofre e um copo de vinho de água com cal, bem agitado e misturado com meio copo de glicerina e um copo de água de rosas. Esfregue no rosto todas as noites antes de ir para a cama.
Para evitar que os cabelos fiquem grisalhos: quatro onças de cascas de nozes foram infundidas com um litro de água, à qual foi adicionada meia onça de cobre. Isso deveria ser aplicado com uma escova macia a cada dois ou três dias.
Para a remoção de rugas: derreta uma onça de cera branca, adicione duas onças de suco de bulbos de lírio, duas onças de mel, duas doses de água de rosas e uma gota ou duas de ottar de rosas e use duas vezes ao dia.

Os vitorianos detestavam a maquiagem e associavam seu uso a prostitutas e atrizes (muitos as consideravam uma e a mesma). Qualquer indício visível de alteração da cor natural de alguém seria visto com desdém.

Naquela época, uma mulher respeitável usava máscaras caseiras, a maioria das quais à base de alimentos como aveia, mel e gema de ovo. Para a limpeza, usava-se água de rosas ou vinagres perfumados.

Como um regime de beleza, uma mulher arrancava as sobrancelhas, massageava os cílios com óleo de rícino, usava pó de arroz para espanar o nariz e lustrava as unhas até que brilhassem. Batom não foi usado, mas uma pomada transparente seria aplicada para adicionar brilho. No entanto, alguns desses produtos continham um corante para realçar discretamente a cor natural dos lábios. Para uma aparência saudável, o suco de beterraba vermelha seria esfregado nas bochechas, ou as bochechas seriam beliscadas (fora da vista, é claro). Para olhos brilhantes, uma gota de suco de limão em cada olho resolveria.

Quando a maquiagem começou a ressurgir, a maquiagem completa ainda era vista como pecaminosa, embora tons naturais fossem aceitos para dar uma aparência saudável e rosada.

A verdadeira evolução realmente começou durante os anos 1910. Naquela época, as mulheres faziam sua própria forma de rímel adicionando gotas quentes de cera nas pontas dos cílios.

Algumas mulheres usariam vaselina para esse fim. O primeiro rímel formulado recebeu o nome de Mabel, irmã de seu criador, T. L. Williams, que utilizou esse método. Este rímel é conhecido hoje como Maybelline.

Em 1914, Max Factor lançou sua maquiagem em forma de panqueca. A Vogue apresentou mulheres turcas usando hena para delinear os olhos, e a indústria do cinema imediatamente se interessou.

Esta técnica fez os olhos parecerem maiores, e a palavra “vamp” passou a ser associada a essas mulheres, sendo vampiro diminutivo.

Durante esta década, foram introduzidos os primeiros pós prensados, que incluíam um espelho e puff para retoques. O blush em pó pressionado veio logo em seguida. A caixa de metal para batom, inventada por Maurice Levy, tornou-se popular. Além disso, durante esse tempo, o batom foi tatuado nos lábios por George Burchett, que também era conhecido como o “Médico da Beleza”.

Esse método nem sempre funcionou e você pode imaginar as terríveis consequências.

A versão mais antiga de um peeling de ácido foi utilizada nessa época, que era uma combinação de ácido e correntes elétricas aplicadas à pele. Além disso, uma agulha seria usada para inserir parafina na área dos olhos e nas bochechas, embora isso também não fosse muito bem-sucedido. O creme Nivea surgiu na Alemanha e as empresas, para competir, começaram a criar cremes compostos de vaselina misturada com fragrância.

Para ajudar com bochechas flácidas e queixo duplo, as mulheres podiam comprar para usar uma engenhoca de aparência estranha com tiras de queixo, o que obviamente não funcionava.

No entanto, o visual vitoriano permaneceu na moda até o surgimento do marketing de massa de maquiagem na década de 1920.

A mulher recém-emancipada da América começou a exibir sua independência pelo uso gratuito de batom vermelho, que muitas vezes tinha cheiro de cereja.

No final dos anos 20, maquiagem visível era considerada uma obrigação pelas mulheres do campo, mas ainda era desaprovada pelas garotas do interior. Durante esta década, o brilho labial foi introduzido pela Max Factor.

Novos tons de batom vermelho foram desenvolvidos, embora fossem à base de sabão e muito ressecantes. O primeiro curvex entrou em cena, chamado Kurlash. Mesmo sendo caro e difícil de usar, isso não diminuiu sua popularidade. O rímel em forma de bolo e creme estava extremamente em voga.

De 1930 a 1950, várias estrelas de cinema provaram ser os modelos das tendências atuais em maquiagem.

Lembra dos olhos de gato profundamente delineados de Audrey Hepburn?

Com os anos 60 e os hippies, veio um look de maquiagem mais liberado, de lábios brancos e olhos com linhas egípcias a imagens pintadas em rostos. Olhos fortemente delineados continuaram nos anos 70 e 80 com uma ampla gama de cores de sombras. A tendência de hoje parece ter revertido para um visual mais natural com uma mistura de estilos do passado.

No mundo de hoje, uma mulher tem literalmente centenas de cosméticos para escolher, com uma grande variedade de cores e usos. Para uma aparência mais jovem, as opções disponíveis são tão simples como hidratantes e rejuvenescedores da pele, avançando para os peelings químicos, o agora popular Botox, injeções de colágeno e terminando com um lifting cirúrgico mais drástico.

É importante refletir sobre a própria beleza interior como a verdadeira beleza de uma mulher. A beleza exterior não permanecerá para sempre, não importa quais medidas drásticas sejam tomadas.

Todos nós já ouvimos o ditado: “Os olhos são as janelas da alma”. Observe suas próprias órbitas, faça um balanço da mulher dentro de você e seja feliz com quem você é. Isso se refletirá em sua visão de vida, que enviará uma mensagem a outras pessoas e retornará a você por meio de suas reações ao belo você.

História da Maquiagem – Cosméticos

 Maquiagem

história dos cosméticos abrange pelo menos 6000 anos e está presente em quase todas as sociedades na terra. Alguns argumentam que a arte no corpo cosmético foi a primeira forma de ritual na cultura humana, datando mais de 100.000 anos atrás a partir do Africano Middle Stone Age.

A evidência para isso vem na forma de pigmentos minerais vermelhos utilizados (ocre vermelho), incluindo pastéis associados com o aparecimento de Homo sapiens na África.

Arqueológico evidência de cosméticos certamente data do antigo Egito e Grécia. De acordo com uma fonte, principais desenvolvimentos iniciais incluem o uso de óleo de rícino no antigo Egito como um bálsamo e protetora da pele cremes feitos de cera de abelha, azeite e água de rosas descrito pelos romanos.

Os gregos antigos também usaram cosméticos. Cosméticos são mencionados no Antigo Testamento -2 Reis 9:30 onde Jezebel pintou suas pálpebras-aproximadamente 840 BC-e o livro de Esther descreve vários tratamentos de beleza também.

Cosméticos também foram usados na antiga Roma, embora grande parte da literatura romana sugere que foi desaprovada.

Sabe-se que algumas mulheres na Roma antiga inventado compõem incluindo fórmulas à base de chumbo, para branquear a pele, e Kohl foi utilizada a linha dos olhos.

Egito

O uso de cosméticos no antigo Egito está bem documentado. Remédios para tratar rugas que contenham ingredientes como a goma de incenso e moringa fresco.

Para cicatrizes e queimaduras, uma pomada especial foi feito de ocre vermelho, Kohl, e suco de sicômoro. Um tratamento alternativo foi um cataplasma de motivos alfarrobeiras e mel, ou uma pomada feita de knotgrass e raiz em pó de absinto.

Para melhorar a respiração os antigos africanos mastigado ervas, incenso ou vara raiz de alcaçuz, que ainda está em uso hoje. Frascos do que poderia ser comparada com a “fixar loção ‘foram encontrados para conter uma mistura de cera de abelha e de resina. Estes duplicou como remédios para problemas tais como a calvície e cabelos grisalhos.

Maquiagem – Composição

A composição é a prática de decorar a pele e outras partes visíveis do corpo para destacar-los.

Também é definido como qualquer produto usado para decorar ou corrigir características faciais ou corporais de uma pessoa, este é constituído por vários elementos com funções específicas para cada parte (olhos, lábios, etc.). Ele é nomeado em honra de Vênus, a deusa romana do amor.

Nas artes também é usado para corrigir as distorções causadas pela iluminação ou para caracterizar um ator ou atriz como uma personagem de teatro específico.

Por extensão, o termo também se refere a os cosméticos que são utilizados para esta prática, como batons e sombras. Também para esconder algumas feridas ou outros problemas de pele.

Cinema, Televisão e Maquiagem

No filme, televisão ou mesmo no teatro, maquiagem é essencial, uma vez que as condições de iluminação afetam a percepção e é também essencial para as pessoas para colorir a cor, a pele é necessário.

Em alguns casos extremos, essa aparente perda de pigmentação pode dar um ar espectral pessoas.

Ela tem dois componentes principais:

Talco, representando de 60 a 80 por cento da fórmula;
Amido, uma substância mucilaginosa (substância capaz de absorver água) extraída a partir de cereais.

Eles podem ser adicionados algumas matérias-primas:

Carbonato de magnésio, para corrigir o perfume e obter leveza, por sua textura em pó;
Estearatos de magnésio ou zinco, sabões metálicos que permitem a uniformidade de pós e apego aos epiderme ;
Antioxidantes: para melhorar a conservação e estabilidade;
Pigmentos, envolvidas em três por cento da composição dos pós;
Cheiro neutro ou algum tipo.

Caracterização

Em além de minimizar a perda de cor, maquiagem ajuda a criar o personagem e também contribui para a sua caracterização externa, adequada à aparência física e as exigências do script.

Ele vem para transformar as características do ator e mudar completamente o seu rosto, do envelhecimento leve ou rejuvenescimento para colocar uma cicatriz inexistente ou, no extremo oposto, transformar uma pessoa em um monstro, um personagem fictício de um lobisomem, etc.

A composição usada por palhaços é um dos exemplos mais claros de caracterização

A história da maquiagem – Origem

Maquiagem egípcia antiga

Antes de transformar no instrumento de valorização da beleza feminina, a maquiagem palavra que vem do Francês ‘’maquillage’’, teve funções interessantes, como espantar insetos e diferenciar classes sociais.Hoje ela auxilia na beleza da mulher.s

No antigo Egito, os faraós usavam perucas coloridas como distinção social e a maquiagem dos olhos era ponto de destaque para evitar olhar diretamente para Rá, o Deus Sol.

A Cleópatra representou muito bem o ideal de beleza daquela época.  Ela imortalizou seu tratamento banhando-se e leite, cobrindo as faces com argila e maquiando seus olhos com carvão vegetal e óleo mineral.

Evolução da maquiagem

Nas sociedades primitivas, as pessoas usavam extratos de plantas e animais, terras e pedras para se pintarem.

Pintavam também os corpos, para ocasiões especiais como adorar os deuses, participar de festas, para caçar, ir para batalhas.

Atualmente

Hoje em dia a maquiagem é muito mais makeup fotográfico que se difundiu no começo do século XX.

Este início de milênio, do culto a saúde e a longetividade, a maquiagem se transformou em mais um dos cuidados com a pele, com a beleza e com o bem-estar.

História da maquiagem e cosméticos

Maquiagem

Desde os tempos antigos, a maquiagem tem sido usada para realçar a beleza. Veja os antigos egípcios, por exemplo, que usavam maquiagem feita de minério de chumbo e cobre.

As mulheres do mundo antigo costumavam ser inovadoras quando se tratava de suas necessidades cosméticas. Bagas eram usadas para escurecer os lábios, as cinzas de fósforos queimados eram usadas para escurecer os olhos e muito mais.

Hoje, desenvolvemos maquiagem para praticamente todas as aplicações que você possa imaginar. Desde fazer os olhos se destacarem com paletas de sombra até esconder poros indesejáveis, a maquiagem percorreu um longo caminho (até temos maquiagem vegana). Para realmente apreciar onde estamos hoje em vez de onde costumávamos estar, vamos dar uma olhada na rica história da maquiagem.

História da Maquiagem – Resumo

Maquiagem

Durante séculos, as mulheres usaram maquiagem. Ela passou por algumas mudanças drásticas entre como a maquiagem é usada, o que é usado para fazer a maquiagem e quem usa a maquiagem.

O primeiro registro conhecido de uso de maquiagem vem da 1ª Dinastia (3100-2907 a.C.) do Egito. Frascos de unguento foram encontrados em tumbas desse período e eram perfumados.

O unguento era uma substância usada por homens e mulheres para ajudar a hidratar a pele e evitar rugas. Nessa época, as mulheres decoravam seus olhos aplicando uma cor verde escura na parte inferior das pálpebras e escurecendo os cílios e a pálpebra superior com kohl, que era feito de fuligem e antimônio.

Os egípcios acreditavam que a limpeza e a beleza agradavam aos deuses, por isso usavam óleos perfumados, banhavam-se diariamente no rio ou em suas casas e usavam tintas diferentes para colorir a pele, o corpo e o cabelo.

Em meados do século I d.C., a maioria dos romanos usava cosméticos. Para escurecer cílios e pálpebras, eles usariam kohl. Os romanos usavam giz para clarear a pele e usavam ruge nas bochechas.

A pele pálida era um sinal de riqueza durante a Idade Média europeia. As mulheres do século VI tomariam medidas drásticas para conseguir esse visual sangrando-se, usando clara de ovo na pele ou usando uma combinação de hidróxido de carbonato e óxido de chumbo como pó facial.

Durante a era da Regência, a pele branca significava uma vida de lazer, enquanto a pele bronzeada era um sinal de uma vida de trabalho ao ar livre. As mulheres usavam gorros, carregavam guarda-sóis e cobriam todas as partes visíveis de seus corpos com branqueadores e removedores de manchas para obter uma tez pálida.

As mulheres usariam a venenosa beladona para fazer seus olhos parecerem mais luminosos no século XIX. Nessa época, a maquiagem era feita por farmacêuticos e incluía ingredientes de mercúrio e ácido nítrico.

As atrizes e prostitutas durante a era vitoriana eram desprezadas porque usavam maquiagem. Durante esse tempo, se alguém mexesse com sua cor natural, era visto com desdém.

As mulheres usariam produtos em casa como maquiagem. Eles criariam máscaras faciais de aveia, mel e gemas de ovo. Além disso, usavam pó de arroz para espanar o nariz, arrancar as sobrancelhas e massagear os cílios com óleo de rícino. As mulheres beliscavam ou esfregavam suco de beterraba vermelha nas bochechas para dar-lhes uma aparência saudável.

maquiagem facial ainda era considerada pecaminosa quando os cosméticos deviam ressurgir, mas tons naturais eram aceitos para dar uma aparência saudável.

O primeiro rímel formulado por volta de 1910 recebeu o nome de Mabel, irmã do criador T.L. Williams. Este rímel é conhecido hoje como Maybelline. Os primeiros pós prensados com espelho e estojos de metal com puff e batom foram introduzidos nessa época.

Na década de 1920, as mulheres americanas começaram a mostrar sua independência recém-descoberta usando batom vermelho e uma cara cheia de maquiagem.

De 1930 a 1950, as estrelas de cinema foram os modelos para as tendências de maquiagem.

A década de 1960 trouxe um look liberado com lábios brancos e imagens pintadas nos rostos. As mulheres usavam maquiagem pesada nos olhos com uma ampla gama de cores de sombras nos anos 70 e 80.

Hoje, a maquiagem tende a ser mais natural e pegar diversos elementos do passado e incorporá-los aos looks do dia a dia. A maquiagem vem em centenas de variedades, tanto em cores quanto em variedades para homens e mulheres. Existem opções de hidratantes para a pele, peelings químicos para a pele e Botox.

Fonte: viverdemaquiagem.com.br/u.osu.edu/en.wikipedia.org/medusasmakeup.com/es.wikipedia.org/www.bhcosmetics.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.