Breaking News
Home / História Geral / Civilização Acadiana

Civilização Acadiana

PUBLICIDADE

Civilização Acadiana
Guerreiros de outros mundos
Oduarpa, o “Imperador do Sol da Meia-Noite”

As origens da civilização acadiana (cerca de 2700-2154 aC), pode ser rastreada até a liquidação dos beduínos árabes na Mesopotâmia por volta do terceiro milênio antes de Cristo.

Estes colonos semitas falavam sua própria língua acadiana, bem diferente do que a dos sumérios indígenas.

Os acadianos aprenderam muito com a sociedade suméria e até adotou o panteão sumério. Apesar disso, o acadianos guardaram a sete chaves suas tradições lingüísticas.

A Civilização Acadiana centrada em Kish prosperaram no centro de Mesopotâmia, coexistindo pacificamente por um longo tempo com os sumérios do sul nas cidades-estados de Lagash, Uruk e Ur.

Primeiro Império do Mundo

O primeiro império do mundo foi construído pelo rei Sargão de Akkad. Conquista de Sargon de Sumer no vigésimo terceiro século aC levou a uma anexação de Uruk, Ur, Lagash e Umma.

Por 2270 aC, Sargão anexou Kazalla, Ebla e Mari. Ele empurrou mais para o norte em direção às montanhas de Taurus e capturaram partes do Líbano dos hurritas. Para o leste, Sargon anexo Elam ocidental. Magan em Omã foi capturado por seus minérios de cobre.

Sarru-Kinu Sargon (Sargon o verdadeiro rei), como ele proclamou-se, governou toda a terra entre o Mar Mediterrâneo e do Golfo Pérsico, no momento da sua morte, em 2279 aC.

Império multi-étnico de Sargão governou toda a Mesopotâmia e do Crescente Fértil, e ele estabeleceu uma dinastia que governou por mais de cento e cinqüenta anos. Sargon acreditava que ganhou uma menção na Bíblia como o fundador da Babilônia, Nimrod.

Maldição da Acádia

Naram-Sin, neto de Sargão, levou para a promoção das fronteiras do Império acadiano.

A posterior queda do império é atribuída principalmente à quebra de safra e as invasões de Gutian e as tribos amorreus.

A Mitologia popular, no entanto, atribui a queda a conquista de Nippur de Naram-Sin.

Profanação do rei do Templo E-Kur disse ter invocado a ira do deus, Enlil.

Os textos antigos referem-se a uma maldição colocada sobre a Acádia pelos sacerdotes de Nippur.

Cientistas modernos acreditam que a seca e não de invasão, levou à queda do império.

Um aumento de poeira global causado pela mudança climática se acredita ter dizimado cidades inteiras na civilização.

“Seu amigo, meu amigo seu inimigo, meu inimigo.” – Acádio-hitita Tratado

Entre as primeiras alianças políticas conhecidas do mundo é o tratado acadiano com os hititas.

O tratado obrigado os acádios e os hititas em uma aliança política e militar bastante semelhante ao alianças modernas.

A aliança prometeu apoio militar para o outro em momentos de necessidade.

Invenção do Ábaco

Aos acadianos são creditados a invenção do ábaco.

Acredita-se que o ábaco foi aperfeiçoado pelos babilônios, que vieram após os acádios, e foi introduzido na China pelos comerciantes Rota da Seda.

Os chineses modificado ainda mais o ábaco e usou-a como a principal ferramenta para o cálculo.

Os acádios eram astrônomos prolífico e registrou seus cálculos em tabuletas de argila, utilizando a escrita cuneiforme.

Acádia (conhecido como Agade em sumério), a capital que emprestou a civilização do seu nome, foi fundada em 2340 aC pelo rei Sargon em honra da deusa Ishtar.

Embora se saiba que Agade foi localizado na margem ocidental do rio Eufrates, os arqueólogos não tiveram sucesso em localizar o seu site.

Uma das maiores contribuições da civilização acadiano era o idioma acadiano, que era a língua principal de intercâmbio comercial e cultural dos tempos.

Fonte: www.mapsofworld.com

Civilização Acadiana

Existem várias razões para tomar o ano de 2350 como um ponto de viragem na história da Mesopotâmia.

Pela primeira vez, um império surgiu em solo da Mesopotâmia.

A força motriz desse império era os acádios, os chamados após a cidade de Acádia, que Sargão escolheu para sua capital (que ainda não foi identificado, mas foi, presumivelmente, localizado às margens do Eufrates entre Sippar e Kish).

O nome de Acádia se tornou sinônimo de um grupo populacional que estavam lado a lado com os sumérios.

O Sul da Mesopotâmia tornou-se conhecida como a “terra da Suméria e Acádia”; Acadiano tornou-se o nome de uma linguagem; e as artes subiu para novas alturas. No entanto, mesmo neste momento decisivo não foi a primeira vez que os acadianos haviam surgido na história.

Semitas – se acadianos ou um grupo de línguas semíticas, que se tinha estabelecido antes deles – podem ter tido um papel na urbanização que ocorreu no final do quarto milênio.

Os primeiros nomes e palavras acadiano ocorrem em fontes escritas do século 27.

Os nomes de vários escribas acadiano são encontrados nos arquivos do Alto Abu Salabikh, perto de Nippur, no centro de Babilônia, síncrono com os de Shuruppak (pouco depois de 2600).

A lista de reis sumérios coloca a primeira dinastia de Kish, juntamente com uma série de reis com nomes acadiano, imediatamente após o Dilúvio.

Em Mari linguagem acadiana provavelmente foi escrito desde o início. Assim, os fundadores da dinastia de Akkad eram presumivelmente membros de um povo que tinha sido familiares durante séculos com a cultura mesopotâmica em todas as suas formas.

Ascendência de Acádia

Sob Acádia, o idioma acadiano adquiriu um prestígio literário que fez igual a suméria.

Sob a influência, talvez, de uma guarnição acadiano em Susa, espalhou-se para além das fronteiras da Mesopotâmia. Após ter empregado durante vários séculos um script indígena padronizada após a escrita cuneiforme.

Eles adotaram roteiro da Mesopotâmia durante o período acadiano e com algumas exceções usado ainda ao escrever em elamitas, em vez de sumério ou acadiano.

A chamada forma acadiano antigo de escrita é extremamente atraente do ponto de vista estético; tão tarde quanto o período babilônico antigo que serviu de modelo para inscrições monumentais.

Da mesma forma, as artes plásticas e gráficas, especialmente escultura na rodada, o trabalho de socorro, e selos cilíndricos, chegou a um ponto alto da perfection.Thus o reinado de cinco reis de Akkad pode ser considerado um dos períodos mais produtivos da história da Mesopotâmia.

Embora as forças separatistas contrário todas as tendências unificadoras, Akkad trouxe uma ampliação de horizontes políticos e dimensões.

O período da Acádia fascinado historiadores como fez algumas outras eras. Tendo contribuído a sua parte para o armazém de lenda, que nunca desapareceu da memória. Com frases como “Virá o rei dos quatro cantos da terra”, presságios de fígado (adivinhação feito analisando a forma de um fígado de ovelhas) do período babilônico antigo expressar os anseios de unidade num momento em que a Babilônia teve uma vez novamente se desintegrou em uma dúzia ou mais pequeno estados.

Civilização Acadiana
Governante acadiano – 2350-2000 aC

O reinado de Sargão

De acordo com a lista de reis sumérios, os cinco primeiros governantes de Acádia (Sargon, Rimush, Manishtusu, Naram-Sin, e Shar-kali-sharri) governado por um total de 142 anos; Sargon só governou por 56.

Embora estes números não podem ser verificados, provavelmente, são dignos de confiança, porque a lista de reis de Ur III, mesmo 250 anos depois, fez transmitir datas que se mostraram precisas.

Como declarou em uma anotação de seu nome na lista de rei, Sargão começou como copeiro do rei Ur-Zababa de Kish. Há uma lenda sobre acadiano Sargão, descrevendo como ele foi exposto após o nascimento, criado por um jardineiro, e mais tarde amado pela deusa Ishtar. No entanto, não existem dados históricos sobre a sua carreira. No entanto, é possível supor que, no seu caso um escritório de tribunal superior serviu como trampolim para uma dinastia de sua autoria.

As inscrições originais dos reis de Acádia que vieram para a posteridade são breves, e sua distribuição geográfica, geralmente é mais informativa do que é seu conteúdo.

As principais fontes para o reinado de Sargão, com seus pontos altos e catástrofes, são cópias feitas por escribas babilônicos velhas em Nippur dos originais muito extensas que presumivelmente foram mantidos lá.

Eles são, em parte, acadiano, em parte, os textos sumérios-acadianos bilíngües. De acordo com esses textos, Sargon lutou contra as cidades sumérias do sul da Babilônia, jogou muros da cidade, aprisionou 50 ensis, e “limpou suas armas no mar.” Ele também disse ter capturado Lugalzagesi de Uruk, o ex-governador de Umma, que atacou vigorosamente Urukagina em Lagash, forçando seu pescoço sob o jugo e levando-o, assim, para a porta do deus Enlil em Nippur. “Os cidadãos de Acádia” cheio os escritórios de ensino “mar inferior” (no Golfo Pérsico) para cima, o que foi, talvez, um dispositivo usado por Sargon para alcançar seus objetivos dinásticas.

Além das 34 batalhas travadas no sul, Sargon também fala de conquistas na Mesopotâmia setentrional: Mari, Tuttul no Balikh, onde veneravam o deus Dagan (Dagon), Ebla (Mardikh alto na Síria), a “floresta de cedros” ( Amanus ou no Líbano), e as “montanhas de prata”; batalhas em Elam e os contrafortes da Zagros são mencionados. Sargon também relata que os navios de Meluhha (região do Indo), Magan (possivelmente da costa de Omã), e Dilmun (Bahrain) fez rápido no porto de Acádia.

Impressionante como eles são, à primeira vista, estes relatórios têm apenas um valor limitado, porque não podem ser organizados em ordem cronológica, e não se sabe se Sargon construiu um grande império. Própria tradição acadiano viu a esta luz, no entanto, e um tratado soube da tarde 8 ou as 7 listas século não menos do que 65 cidades e terras pertencentes a esse império. No entanto, mesmo se Magan e Kapturu (Creta) são dados como os limites leste e oeste dos territórios conquistados, é impossível de transpor isso para o terceiro milênio.

Sargão nomeou uma de suas filhas sacerdotisa do deus da lua em Ur. Ela tomou o nome de Enheduanna e foi sucedido no mesmo escritório por Enmenanna, filha de Naram-Sin. Enheduanna deve ter sido uma mulher muito talentosa; dois hinos sumérios por ela foram preservadas, e ela também disse ter sido fundamental na criação de uma coleção de canções dedicadas aos templos de Babylonia.Sargon morreu em uma idade muito avançada. As inscrições, também preservados apenas em cópias de seu filho Rimush estão cheios de relatos sobre batalhas travadas na Suméria e no Irã, como se nunca tivesse havido um império Sargonic.

Não se sabe em detalhes como rigorosamente Acádia desejava controlar as cidades ao sul e quanta liberdade havia sido deixado para eles; mas eles provavelmente agarrado tenazmente a sua autonomia local herdado. De um ponto de vista prático, foi provavelmente em qualquer caso impossível organizar um império que ia abraçar toda a Mesopotâmia.

Uma vez que os relatórios (ou seja, cópias de inscrições) deixadas por Manishtusu, Naram-Sin, e Shar-kali-sharri falar uma e outra vez de rebeliões e batalhas vitoriosas e desde Rimush, Manishtusu, e Shar-kali-sharri estão se diz ter tiveram mortes violentas, o problema do que restava de se impõe a grandeza de Acádia.

Guerras e tumultos, a vitória de um ea derrota de outro, e até mesmo constituir regicídio apenas alguns dos aspectos sugeridos a nós por as fontes. Sempre que eles estenderam para além da vizinhança imediata da Babilônia, as campanhas militares dos reis acadiano foram ditadas principalmente por interesses comerciais, em vez de ser destinado a servir a conquista e salvaguarda de um império.

Acádia, ou mais precisamente, o rei, a mercadoria necessária, dinheiro e ouro para financiar guerras, edifícios, e do sistema de administração que ele havia instituído.

Por outro lado, as inscrições originais que foram encontrados até agora de um rei como Naram-Sin estão espalhados em locais que cobrem uma distância de cerca de 620 milhas em linha recta, na sequência do Tigre rio abaixo: Diyarbakr na parte superior Tigre, Nínive, Alto Birak (Tell Brak), no Rio Khabur superior (que tinha uma fortaleza acadiano e guarnição), Susa no Elam, bem como Marad, Puzrish-Dagan, Adab (Bismayah), Nippur, Ur e Girsu na Babilônia. Mesmo se tudo isso não fazia parte de um império, certamente constituía uma esfera de influência impressionante.

Também deve ser considerado são outros fatos que pesam mais do que os relatórios altissonantes de vitórias que não podem ser verificadas.

Depois dos primeiros reis da dinastia tinha dado o título de rei de Kish, Naram-Sin assumiu o título de “rei dos quatro cantos da terra” – isto é, do universo.

Como se ele fosse de fato divino, ele também teve seu nome escrito com o sinal cuneiforme “deus”, o determinante divina que era habitualmente utilizado na frente dos nomes de deuses; Além disso, ele assumiu o título de “deus da Acádia.” É legítimo perguntar se o conceito de deificação pode ser usado no sentido de elevação a uma posição igual à dos deuses. No mínimo, deve-se reconhecer que, em relação à sua cidade e seus súditos, o rei viu-se no papel desempenhado pela divindade local como protetor da cidade e garante o seu bem-estar.

Em documentos judiciais contemporâneos de Nippur, o juramento é frequentemente tomada “por Naram-Sin,” com uma fórmula idêntica à usada na tomada de posse por uma divindade.

Documentos de Girsu contêm fórmulas data acadiano do tipo “no ano em que Naram-Sin lançou as bases do templo Enlil em Nippur e do templo Inana em Zabalam.” Como evidenciado pelos procedimentos habituais de namoro em Ur III e no período babilônico antigo, o uso de tais fórmulas pressupõe que a respectiva cidade reconheceu como seu suserano o governante cujo nome é invocado.

Robert A. Guisepi

F. Roy Williams

Fonte: history-world.org

Civilização Acadiana

Os acadianos originam-se de tribos semitas que habitam o norte da Mesopotâmia a partir de 2400 a.C.

Sob o reinado de Sargão, conquistam e unificam as cidades-estados sumérias, inaugurando o I Império Mesopotâmico.

Formam os Estados de Isin e Larsa.

O império desmorona-se em 2180 a.C., após as invasões dos gutis, povos asiáticos das montanhas da Armênia.

O Estado é centralizado e tem no rei o chefe supremo.

De religião politeísta, constroem monumentais palácios ao lado dos templos sumérios.

Avançam na arte militar, com tropas de grande mobilidade no deserto e armamentos leves, como o venábulo (lança).

Dão forma silábica à escrita cuneiforme e transcrevem obras literárias sumérias.

Fonte: EncBrasil

Civilização Acadiana

A Acádia – Mesopotâmia

A Acádia (ou Ágade, Agade, Agadê, Acade ou ainda Akkad) é o nome dado tanto a uma cidade como à região onde se localizava, na parte superior da baixa Mesopotâmia, situada à margem esquerda do Eufrates, entre Sippar e Kish (no atual Iraque, a cerca de 50kms a sudoeste do centro de Bagdá). Geralmente, contudo, é comum referir-se à cidade como Ágade (ou Agade), e à região como Acádia.

A cidade/região alcançou seu cume de poder entre os séculos XX e XVIII a.C., antes da ascensão da Babilônia, além de representar o núcleo do reino de Nimrod na terra de Sinar.

A língua acádia teve seu nome proveniente da própria Acádia, um reflexo do uso do termo akkadû (“da, ou pertencente à, Acádia”) no antigo período babilônico antigo para designar as versões semíticas de textos sumérios. O vocábulo foi cunhado no século XXIII a.C..

HISTÓRIA

Os acádios, grupos de nômades vindos do deserto da Síria, começaram a penetrar nos territórios ao norte das regiões sumérias, terminando por dominar as cidades-estados desta região por volta de 2550 a.C.. Mesmo antes da conquista, porém, já ocorria uma síntese entre as culturas suméria e acádia, que se acentuou com a unificação dos dois povos. Os ocupantes assimilaram a cultura dos vencidos, embora, em muitos aspectos, as duas culturas mantivessem diferenças entre si, como por exemplo – e mais evidentemente – no campo religioso.

A maioria das cidades-templos foi unificada pela primeira vez por volta de 2375 a.C. por Lugal-Zage-Si, soberano da cidade-estado de Uruk. Foi a primeira manifestação de uma idéia imperial de que se tem notícia na história.

Império de Sargão.Depois, quando Sargão I, patési da cidade de Acádia, subiu ao poder, no século XXIII a.C., ele levou esse processo cooptativo adiante, conquistando muitas das regiões circumvizinhas, terminando por criar um império de grandes proporções, cobrindo todo o Oriente Médio e chegando a se extender até o Mar Mediterrâneo e a Anatólia, .

A Sargão I, guerreiro e conquistador, foi-se aplicado tal título, sendo reconhecido como “soberano dos quatro cantos da terra”, em alusão às “quatro cidades” bíblicas (Acádia, Babel, Erech e Calné), e em reconhecimento ao sucesso da unificação mesopotâmica. O rei tornou-se mítico a ponto de ser tradicionalmente considerado o primeiro governante do novo império (que combinava a Acádia e a Suméria), deixando o Lugal-Zage-Si de Uruk perdido por muito tempo nas areias do tempo, sendo redescoberto apenas recentemente. É interessante notar, contudo, que, apesar da unificação, as estruturas políticas da Suméria continuaram existindo. Os reis das cidades-estados sumerianas foram mantidos no poder e reconheciam-se como tributários dos conquistadores acadianos.

O império criado por Sargão desmoronou após um século de existência, em conseqüência de revoltas internas e dos ataques dos guti, nômades originários dos montes Zagros, no Alto do Tigre, que investiam contra as regiões urbanizadas, uma vez que a sedentarização das populações do Oriente Médio lhes dificultava a caça e o pastoreio. Por volta de 2150 a.C., os guti conquistaram a civilização sumério-acadiana. Depois disso, a história da Mesopotâmia parecia se repetir. A unidade política dos sumério-acadianos era destruída pelos guti, que, por sua vez, eram vencidos por revoltas internas dos sumério-acadianos.

O domínio intermitente dos guti durou um século, sendo substituído no século seguinte (cerca de 2100 a.C.–1950 a.C.) por uma dinastia proveniente da cidade-estado de Ur. Expulsos os guti, Ur-Nammur reunificou a região sobre o controle dos sumérios. Foi um rei enérgico, que construiu os famosos zigurates e promoveu a compilação das leis do direito sumeriano. Os reis de Ur não somente restabeleceram a soberania suméria, mas também conquistaram a Acádia. Nesse período, chamado de renascença sumeriana, a civilização suméria atingiu seu apogeu.

Contudo, esse foi o último ato de manifestação do poder político da Suméria: atormentados pelos ataques de tribos elamitas e amoritas, o império ruiu. Nesta época, os sumérios desapareceram da história, mas a influência de sua cultura nas civilizações subseqüentes da Mesopotâmia teve longo alcance.

Origens do Nome

O nome Acádia é provavelmente uma invenção suméria, aparecendo, por exemplo, na lista de reis sumérios, donde possivelmente deriva a forma semítica assírio-babilônica tardia akkadû (“da, ou pertencente à, Acádia”).

É bastante provável que o nome não-semítico “Agade” signifique “coroa (ago) de fogo (de)”em alusão a Ishtar, a “deusa brilhante” ou “refulgente”, a divindade tutelar da estrela da manhã e do entardecer e deusa da guerra e do amor (cf. Vênus, Afrodite, Lúcifer), cujo culto era praticado nos absolutos primódios da Acádia. Esse fato também é comprovado por Nabonido (ou Nabonidus), que relata como a adoração a Ishtar terminou sendo suplantada pela da deusa Anunit, uma outra personificação da idéia de Ishtar, cujo santuário ficava em Sippar (ou Sipar).

É crucial deixar claro que havia duas cidades de nome Sippar: uma sob a proteção de Shamash, o deus do sol; e uma sob a de Anunit, fato que vigorosamente indica uma provável proximidade entre Sippar e Ágade. Uma outra teoria, surgida em 1911, sugere que Ágade postava-se em frente a Sippar, do lado esquerdo da margem do rio Eufrates, e que era provavelmente a parte antiga da cidade de Sippar.

Na literatura babilônica que surgiria posteriormente, o nome Acádia, bem como Suméria, aparece como parte de títulos de nobreza, como o termo sumério lugal Kengi (ki) Uru (ki) ou o termo acádio šar mat Šumeri u Akkadi (ambos traduzidos como “rei da Suméria e da Acádia”), que terminaram significando simplesmente “rei da Babilônia”.

Mencionada uma única vez, no Antigo Testamento (cf. Gênesis 10:10 – O princípio do seu reino foi Babel, Ereque, Acade e Calné, na terra de Sinar, também como Acade, dependendo da tradução), a Acádia é, em hebraico, como, ak-kad, a palavra em si provindo duma raiz infreqüente que provavelmente significa “fortificar” ou “reforçar”, ou ainda “fortaleza”. Em variantes do grego antigo, como achad, archad, ou ainda, apesar de raro, axad; em grego moderno, como Akkad.

No Antigo Testamento, é descrita como uma das cidades principais: Acádia, Babel, Erech (ou Ereque ou Uruk) e Calné (ou Calneh), constituindo o núcleo do reino de Nimrod (ou Nimrud, Nimrude, Ninrode, Nemrod, Nemrude, Nemrode), presente em textos como a lista de reis sumérios. A forma semítica assírio-babilônica posterior, Akkadu, ou Accadu (“de ou pertencente à Acádia”), é provavelmente uma forma derivada de Ágade.

Fonte: www.conhecimentosgerais.com.br

Civilização Acadiana

A LÍNGUA ACADIANA

O acadiano é uma das grandes línguas culturais da humanidade.

Os primeiros textos em acadiano datam do III milênio a.C., com a chegada dos semitas na Mesopotâmia. A literatura acadiana é uma das mais ricas da Antigüidade.

A língua acadiana pertence ao grupo Oriental das línguas semíticas, fazendo parte da grande família lingüística hamito-semítica. O termo “acadiano”, na verdade, se refere a um grupo de dialetos usados pelos assírios e babilônios na Mesopotâmia. O dialeto usado durante o primeiro Império Babilônico (1800 – 1600 a.C.) é conhecido como Antigo Babilônico. É nessa língua que está escrito o famoso Código de Hamurábi. Nestas páginas, no entanto, trataremos principalmente do dialeto Assírio, predominante durante o Novo Império Assírio (883 – 612 a.C.).

Vale lembrar também que, durante muito tempo, o acadiano foi usado como língua internacional por todo o Oriente Médio (incluindo o Egito).

ESCRITA CUNEIFORME

Civilização Acadiana
Tablete cuneiforme assírio (séc. VIII a.C.)

A escrita cuneiforme recebe esse nome do latim cuneus “cunha”, ou seja, “em forma de cunha”. Isso porque era feita pressionando-se um estilete contra uma tábua de argila, dando aos caracteres o aspecto de cunha .

Essa escrita foi criada pelos sumérios e aperfeiçoou-se por volta de 3000 a.C. Durante o período assírio, os caracteres foram reformados e ganharam uma aparência mais retilínia e regular.

Os sinais mais freqüentes são aqueles que representam sílabas:

Civilização Acadiana

Civilização Acadiana

Civilização Acadiana

Civilização Acadiana

 

Existem muitos sinais representando palavras inteiras (ideogramas), dos quais mostraremos apenas os mais freqüentes.

Civilização Acadiana

Os sinais conhecidos como “determinativos” eram escritos antes ou depois da palavra para esclarecer seu sentido (como na escrita hieroglífica).

Exemplos:

Civilização Acadiana

GRAMÁTICA ACADIANA

1. Substantivos

O substantivo acadiano possui, como em português, 2 gêneros (masculino / feminino), porém 3 números (singular / plural / dual). O dual é usado para substantivos que aparecem normalmente em par (como “os dois olhos” ou “as duas mãos”).

Cada substantivo é também declinado em 3 casos: nominativo (sujeito da oração), acusativo (objeto direto) e genitivo (possessivo ou depois de preposições).

Masculino
  sg. pl. dual
Nom. -u(m) -ân
Acus. -a(m) -în
Gen. -i(m) -în

 

Feminino
  sg. pl. dual
Nom. -atu(m) -âtu(m) -ân
Acus. -ata(m) -âti(m) -în
Gen. -ati(m) -âti(m) -în

Os casos, no entanto, perdem a regularidade no período Assírio e se tornam confusos, às vezes sendo usados sem qualquer lógica.

Assim é que, no dialeto Assírio, o plural era geralmente formado pelo sufixo -ânû ou -ânî, e o dual já caía em desuso.

2. Verbos

Os verbos podem parecer simples no começo, pois possuem apenas dois tempos e são todos regulares. No entanto, cada verbo é formado por uma raiz consonantal (geralmente de três consoantes), que pode ser ajustada para derivar novos verbos.

Se isso parece confuso, damos um exemplo com o verbo kaSâdu “conquistar”, cuja raiz é k-S-d.

Se duplicarmos a consoante média, teremos kuSSudu (k-SS-d) “conquistar violentamente”.

Se acrescentarmos um S- à raiz, teremos SukSudu (S-k-S-d) “fazer conquistar”. Se acrescentarmos n-, teremos nakSudu (n-k-S-d) “ser conquistado”.

Antes de tudo, veremos a conjugação da 1ª raiz, usando o mesmo verbo k-S-d como exemplo.

Verbo k-S-d “conquistar”
Raiz I 1
Perfeito (pretérito)
 

sg.

pl.

1

akSud

nikSud

2 m

takSud

takSudû

2 f

takSudî

takSudâ

3 m

ikSud

ikSudû

3 f

takSud

ikSudâ

Imperfeito (presente)

 

sg.

pl.

1

akaSad

nikaSad

2 m

takaSad

takaSadû

2 f

takaSadî

takaSadâ

3 m

ikaSad

ikaSadû

3 f

takaSad

ikaSadâ

Infinitivo: kaSâdu

Particípio: kaSidu

Forma estativa*
 

sg.

pl.

1

kaSdâku

kaSdâni

2 m

kaSdâta

kaSdâtunu

2 f

kaSdâti

kaSdâtina

3 m

kaSid

kaSdû

3 f

kaSdat

kaSdâ

* A forma estativa corresponde a um estado ou ao resultado de uma ação: “estando conquistado”, “tendo sido conquistado”.

3. Preposições e Conjunções

ina “em”

ana “para”

eli “com, para”

u “e”

-ma “e” (sufixado)

inuma “quando”

4. Pronomes pessoais

Pode-se distinguir, nos pronomes, os casos reto e oblíquo, cuja função é a mesma do português.

Pronomes no caso reto (nominativo)

anâku “eu”

anîni “nós”

atta “tu” (m.)

attunu “vós” (m.)

atti “tu” (f.)

attina “vós” (f.)

Sû “ele”

Sûnu “eles”

Sî “ela”

Sîna “elas”

 

Pronomes no caso oblíquo (acusativo, genitivo)

iâti “me, mim”

niâti “nos”

kâtu “te, ti” (m.)

kâtunu “vos” (m.)

kâti “te, ti” (f.)

kâtina “vos” (f.)

SâSu “lhe” (m.)

SâSunu “lhes” (m.)

SâSa “lhe” (f.)

SâSina “lhes” (f.)

Quando o pronome cumpre a função de possessivo, é sufixado ao substantivo:

-î, -ia “meu” -ni “nosso”
-ka “teu” (m.) -kunû “vosso” (m.)
-ki “teu” (f.) -kinâ “vosso” (f.)
-Su “dele” -Sunu “deles”
-Sa “dela” -Sina “delas”

Por fim, há os pronomes usados como objeto direto após os verbos, os quais também são sufixados:

-(an)ni “me” -(an)nâSi “nos”
-(ak)ka “te” (m.) -(ak)kunûSi “vos” (m.)
-(ak)ki “te” (f.) -(ak)kinâSi “vos” (f.)
-(aS)Su “lhe” (m.) -(aS)Sunu “lhes” (m.)
-(aS)Si “lhe” (f.) -(aS)Sina “lhes” (f.)

Fonte: www.geocities.com

Veja também

Populista

Populista

PUBLICIDADE Definição Populista, em geral, é uma ideologia ou movimento político que mobiliza a população …

Corrida Espacial

Corrida Espacial

PUBLICIDADE Definição A corrida espacial da Guerra Fria (1957 – 1975) foi uma competição na exploração do …

Caso Watergate

Caso Watergate

PUBLICIDADE Watergate Watergate pode ser a história mais famosa na história americana de jornalismo investigativo. Isso …

Um comentário

  1. Muito interessante

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.