Breaking News
Home / História Geral / Império Árabe

Império Árabe

PUBLICIDADE

Império Árabe – História

Império que tem início em 630, com a unificação de tribos da Arábia por meio da doutrina islâmica e da língua árabe, e se prolonga até 1258, com a destruição de Bagdá pelos mongóis.

Na Arábia pré-islâmica, povos semitas, como os nômades conhecidos por beduínos, vivem dispersos em tribos de diferentes etnias, sem unidade política.

Cada grupo possui seus próprios deuses.

Realizam-se peregrinações periódicas ao Templo da Caaba, em Meca, reverenciada como cidade religiosa da Arábia Central (hoje Arábia Saudita) desde o século VI.

Império Árabe
Início do Império Árabe

Além de abrigar o culto de diversas divindades, Meca é um importante entreposto comercial, atraindo mercadores da Índia, da África Oriental e do Extremo Oriente.

Por volta de 610, Maomé (570-632), influenciado pelo monoteísmo judaico-cristão e pelas crenças pré-islâmicas, prega uma nova religião, o islamismo.

Perseguido em Meca, foge para Medina em 622. Esse acontecimento fica conhecido como Hégira. Ao retornar para Meca, em 632, a Arábia já possuía unidade política.

Abu Beker (573-634), o sucessor de Maomé, começa a expansão árabe em 634. Com a Guerra Santa (Jihad), combate em nome da difusão do islamismo e da necessidade de unificar o mundo árabe, transformando-o num verdadeiro Estado. O avanço faz-se, no começo, rumo à Síria. Seu sucessor, Omar (586-644), conquista o Egito e a Mesopotâmia. O Estado torna-se um Império teocrático militar, em que o rei é o chefe político, religioso e do Exército. Inicia-se então um período de crise, com a formação de várias seitas religiosas.

Uma nova dinastia, a dos Omíada, toma o poder em 660. Moaviá Omíada, governador da Síria, muda a capital do Império de Medina para Damasco e institui o princípio hereditário dos califas (sucessores de Maomé).

No período dos Omíada são conquistados o norte da África, a península Ibérica e a Sicília. Uma conspiração interna, em 750, destrona o último soberano Omíada, dando início à dinastia Abássida. Bagdá torna-se sede do Império.

Com o surgimento de Estados independentes, como o Emirado de Córdova, criado em 756 pelo Omíada Abder Raman em território espanhol, tem-se a desagregação do Império. A partir do século VIII, tribos turcas incorporam-se aos Exércitos árabes. Islamizados no século X, os turcos acabam por se tornar os homens fortes do Império, apoderando-se do trono dos Abássida, em 1058.

O rei recebe então o título de sultão. Mas disputas entre os sunitas e os xiitas, seitas religiosas do Império, provocam sua derrocada. Em 1258, os mongóis dominam Bagdá, pondo fim ao Império Árabe.

Sociedade Árabe

Os árabes criam um sistema de comércio único, que funciona como ligação entre o Ocidente e o Oriente.

Surgem assim grandes centros comerciais, como Bagdá, Cairo e Damasco. Essas cidades passam a ser também pólos de grande desenvolvimento cultural, com a fusão da cultura do mundo oriental e da do mediterrâneo.

Os árabes constroem ricas mesquitas espalhadas por todo o território muçulmano e desenvolvem arabescos para ilustração e decoração. Nas ciências, inventam o ácido sulfúrico e o álcool.

Produzem uma vasta literatura, em prosa e verso, da qual se destaca As Mil e Uma Noites.

Descolonização da Ásia

Processo de independência das colônias no continente asiático iniciado após a II Guerra Mundial. Desde então surgem novos países, a maioria originária dos antigos Impérios coloniais britânico e francês.

Os movimentos pela autonomia nacional assumem várias formas: guerras de libertação, resistência pacífica aos colonizadores ou gestões diplomáticas para a conquista da independência.

Oriente Médio

O Líbano e a Síria, domínios franceses desde o final da I Guerra Mundial, obtêm a independência respectivamente em 1941 e 1946.

A partir do final da II Guerra Mundial, os países de dominação britânica no Oriente Médio também conquistam sua independência: Jordânia (1946), Omã (1951), Kuweit (1961), Iêmen do Sul (1967), Barein, Catar e Emirados Árabes Unidos (1971).

Império Árabe – Origem

Império Árabe

Ativo comércio feito através de caravanas que seguiam em direções variadas. Os árabes de origem semita viviam em tribos independentes, governados pelo xeque (líder político) e pelo emir (chefe militar).

A religião primitiva era politeísta. Na cidade de Meca, havia a Caaba onde os ídolos eram reverenciados juntamente com a ?pedra negra?.

Império Árabe – Civilização

Era o ano de 661 dC.

A primeira civilização global estava prestes a ser estabelecida: o Império Árabe.

Depois de uma longa guerra civil em matéria de direitos sociais, os omíadas prevaleceu e eles teriam encontrado o primeiro império global. Os principais elementos do Império Árabe antiga são geografia, cultura, economia, militar e sistema político. Estes cinco aspectos da civilização árabe afetar mais de um bilhão de pessoas hoje.

Império Árabe – Geografia

A Geografia desempenhou um papel importante na expansão do Império Árabe.

Os árabes criativamente usado a sua localização, as características geográficas de lá, e suas idéias originais para expandir sua civilização. Com estas três componentes impactado toda a região mediterrânica há mais de 1000 anos.

Império Árabe – Localização

A localização do Império Árabe era o lugar perfeito para a divulgação da cultura árabe, bem como outras culturas.

No coração da diversificação, o Império Árabe teve uma vantagem que nenhuma outra civilização tinha: ser o centro da civilização na África Oriente Médio-conexão, da Ásia e da região do Mediterrâneo.

Como a cultura se espalhou em várias direções, pessoas, bens e ideias também fizeram. Isso ampliou o Império Árabe, bem como a Religião árabe.

Império Árabe – Movimento

O movimento de viajantes e comerciantes de muitas culturas diferentes através da área resultou também na diversidade da Península Arábica. Esta diversidade ainda hoje existe na região.

Uma vez que eles interagiam uns com os outros, povos diferentes desenvolvido semelhante, se não os mesmos ensinamentos e idéias. As idéias mais marcantes da estes têm a ver com religião.

Por exemplo Muhammad, último profeta de Deus reconheceu o Antigo e Novo Testamentos como as palavras de Deus.

Mesmo assim os árabes eram únicos, apesar do fato de que eles compartilhavam muitas crenças religiosas com os judeus e os cristãos, como eles tinham costumes diferentes culturais do que outros povos.

O principal exemplo disso é que as pessoas islâmicos celebram diferentes festivais e feriados do que as pessoas que seguem outras religiões, até mesmo o cristianismo e o judaísmo.

Império Árabe – Interação com o ambiente

O último fator no sucesso geográfico dos árabes era a sua capacidade de se adaptar a um ambiente seco.

O coração do Império Árabe localizava-se na maior península na terra. Era, uma área montanhosa muito seco, apesar de ter casos suficientes para suportar a vida vegetal.

A maioria das pessoas que viviam ali viveu estilo de vida nômade pastoreando ovelhas e cabras.

Império Árabe – Cultura

Religião

Império Árabe foi baseada em torno da religião islâmica, que se concentrou em torno da crença da existência de um único Deus todo-poderoso, Allah.

As pessoas deste império foram levados a acreditar em Deus pelo profeta Muhammad. Antes de Maomé, religião politeísta era adorado.

Maomé

Maomé era um profeta que acredita no Deus único, Alá. Este é o mesmo Deus que os judeus e os cristãos acreditam. Uma vez que as pessoas deste império na época adoravam a religião politeísta, Maomé foi jogado para fora da cidade de Meca para a pregação de Allah.

Ele se mudou de Meca para Medina, trazendo com ele seguidores de suas pregações. Pessoas em Medina aceitaram a crença e pregações de Allah de Maomé.

A partir de Medina, os missionários levaram esta nova fé em toda a Arábia.

Maomé se tornou famoso e respeitado como um governante e um guia religioso.

Em 630, Maomé finalmente reuniu o apoio e seguidores o suficiente para viajar de volta para Meca. Depois que ele chegou, ele assumiu o controle da cidade.

Maomé governou com muito sucesso e trouxe paz e Islã para Meca. Infelizmente, no topo de sua carreira, Muhammad morreu dois anos mais tarde, em 632 deixando Meca sem um governante.

Embora Maomé foi uma grande influência sobre a propagação do Islã, ele não era o único.

Cultura e religião Islam tinha sido uma Cultura Árabe até 750 quando os abássidas tomou o poder e trouxe uma reviravolta.

Em seguida, o Islã se tornou uma religião mundial e tornou-se além de diferentes nações.

A religião era muito importante no império árabe.

O Alcorão foi o livro sagrado do Islã. Ele incluía palavras reais de um só deus Alá, ou. O povo destinado a viver pelo Alcorão e até mesmo memorizado. Ele incluía 114 capítulos.

Há cinco requisitos fundamentais do Islã. Eles são chamados os Cinco Pilares do Islã.

O primeiro pilar é ter fé a Deus a um deus. O segundo pilar é estar comprometido com a oração. A mesquita é um edifício de oração onde muitos iria rezar. Foi também um bom lugar para ler e meditar.

O terceiro pilar é a esmola, o que significa que dá para aqueles que são pobres e necessitados. O quarto pilar é o jejum, ou evitar alimentos e bebidas. E o quinto pilar final é ter peregrinação a Meca.

Educação

Durante todo o império árabe, a maioria das pessoas se esforçam para o conhecimento, mas nem todos tiveram a oportunidade de aprender ou ser educados nos mesmos níveis como os outros.

Os meninos foram enviados às instituições de ensino superior.

Os alunos devem memorizar o Alcorão. Quando era memorizado, os alunos seriam elegíveis para o ensino superior.

A educação no império árabe teve uma base religiosa. Ele incluiu uma ampla gama de assuntos.

Três temas principais que foram ensinadas eram matemática, medicina e ciências naturais.

Ciência

Muitas contribuições foram feitas nas ciências por cientistas e acadêmicos de muitos credos e origens diferentes.

A partir de vários observatórios astronômicos do império, o mais famoso em Istambul, os astrônomos foram capazes de fazer numerosas observações e descobertas. Com os observatórios, os astrônomos estudaram objetos celestes e validado novas descobertas e teorias. O astrolábio também foi inventado pelos astrônomos.

Os árabes foram influenciados pelos gregos e chineses e correções feitas e melhoramentos em muitas idéias científicas gregas e teorias. Com a ajuda de tradutores, os cientistas árabes foram capazes de corrigir erros em algumas das teorias de Ptolomeu.

A prática da alquimia foi amplamente divulgado para os confins do Império Árabe. Isto levou à invenção de equipamentos de laboratório como o que os químicos usam hoje.

Os itens incluídos inventadas várias taças e pratos de vidro.

O cientista médico Muhammad al-Razi, que é considerado o cientista mais importante da antiga Arábia, publicou uma enciclopédia da medicina que mais tarde foi amplamente utilizado na Europa. al-Razi foi o primeiro a descrever os sintomas de doenças como a varíola e sarampo.

O campo da matemática também floresceu durante este período de tempo Idade de Ouro do Islã. Adaptado de os índios, o sistema numeral árabe foi desenvolvida por matemáticos.

Muitos avanços em áreas de álgebra e trigonometria também foram feitas.

Arquitetura

Uma vez que muitas cidades sob domínio árabe eram caldeirões culturais, arquitetura árabe era uma mistura de estilos de diferentes culturas.

Na Arquitetura islâmica ideias foram incorporadas da arquitetura romana, bizantina e persa e fundindo-se.

Arcos romanos, telhados em cúpula apoiada colunas bizantinas, e projetos detalhados poderiam ser encontrados na arquitetura árabe.

As cidades-estados incluiu uma ampla gama de edifícios públicos e privados, que juntos criaram uma comunidade viável e confortável. Uma dessas estruturas foi um minarete. Normalmente fora das mesquitas, minaretes eram como torres sineiras e foram usados para chamar as pessoas para orações. Muitos observatórios astronômicos também foram construídas pelos árabes.

Impacto na vida diária

Muitos princípios norteadores dos árabes giravam em torno da igualdade de tratamento e oportunidades para os seguidores do Islã. Ao contrário dos princípios de muitas outras culturas, o Alcorão deu às mulheres muitos direitos jurídicos e económicos. Na sociedade islâmica, as mulheres apreciamos as liberdades de herança de propriedade e controle de propriedade. Artistas do sexo feminino, médicos e estudiosos da religião teve uma grande influência sobre a sociedade e do governo do Império Árabe.

Ao longo do tempo, no entanto, as mulheres perderam muitas de suas liberdades anteriores como ideologia islâmica começou a mudar.

Mulheres eram limitadas à vida em torno de casa e se tornou dependente de parentes do sexo masculino.

Eles foram dotados com as tarefas de cuidar de seus filhos, a gestão de seus lares, cuidando de seus cônjuges (cozinha, limpeza, etc.).

Apesar destes inconvenientes sobre as liberdades das mulheres na sociedade islâmica, as mulheres ainda tinham acesso a educação e foram tratados de forma igual para participar no hajj

Economia

Comércio

império árabe estava localizado em um local conveniente para que as suas rotas de comércio estendessem por toda a Europa, África, China, e no Oceano Índico.

Este foi um benefício para o império desde o comércio foi fundamental.

Como muitas cidades na Arábia teve acesso a rotas comerciais, o equilíbrio de poder foi afetada.

Depois de uma guerra entre os governantes, o comércio em terra diminuiu e as pessoas começaram a navegar em longas viagens através do Oceano Índico rotas comerciais.

O comércio também ajudou a propagação da fé do Islã.

Os comerciantes normalmente viajavam em camelos e cavalos para atravessar a terra, e eles usaram também navios. Os mercadores do império árabe negociavam qualquer coisa, de uma variedade de alimentos como damascos e folhas de chá, a produtos estrangeiros, tais como o ouro Africano ou porcelana chinesa.

Transporte

As pessoas no império utilizavam animais e embarcações para o transporte de informação, mensagens, e as pessoas. Animais que eles usaram para viagens de pessoas foram camelos, cavalos, mulas e, às vezes.

Para enviar mensagens, o povo árabe utilizavam pombos-correio.

Sistema Político

O sistema político dos árabes era muito semelhante aos de outras civilizações. Uma autocracia, o império tinha um líder que detinha o poder absoluto sobre o povo.

As ações e decisões dos califas levou a bom e ruim para a sociedade.

Governantes

Os governantes do império árabe, depois da morte de Maomé foram chamados califas.

Os dois eram os líderes políticos e religiosos. Muhammad foi sucedido pelo primeiro califa, Abu Bakr. Outros quatro califas seguido Abu Bakr o último dos quais foi Ali (Muhammad do filho-de-lei).

Eles foram seguidos pelos califas da dinastia Umayyad em 661 CE.

1258 EC, quando os mongA dinastia Umayyad, começou por Muawiyah, governador da Síria, á mais de 100 anos, até 750 dC.

Os omíadas movido capital para Damasco e expandiu o império significativamente. O império atingiu toda a África do Norte e na Espanha, a oeste, e na Índia, a leste. Persia foi capturado em 660 dC, seguido pelo norte da África em 680 dC, e atual Afeganistão em 700 CE. Por 720 DC, grande parte Iberia (Espanha e Portugal) estava sob controle árabe.

Em meados do século 8 dC, as divergências de sucessão dividiram os árabes em dois grupos: os sunitas e os xiitas.

A maioria sunita apoiado a Umayyad califas, enquanto os xiitas descendentes de Maomé filho-de-lei (Ali) suportado.

Durante este conflito, os abássidas, fundada por um dos tios de Maomé, assumiu o Império Árabe. Eles se mudaram para a capital Bagdá e é feita em um centro principal de aprendizagem, cultura e comércio no Império Islâmico.

O império abássida, eventualmente dividida em muitas regiões menores governados por diferentes governantes fora do controle abássida.

império islâmico finalmente deixou de existir em 1258 EC, quando os mongóis invadiram e destruíram Bagdá.

O Império Árabe – 632-1258

Ásia, África, Europa

Império Árabe

Um dos eventos mais significativos da história aconteceu no início do século sétimo no interior profundo da Península Arábica. A introdução de uma nova religião, o Islã, ao mundo pelo Profeta Maomé unido numerosas tribos árabes guerreando. Com seu novo fervor religioso encontrado, os exércitos árabes marchar adiante para espalhar a palavra do Islã.

Invasões árabes de terras ao redor resultou na criação de um dos maiores impérios da história, o Império Árabe.

Na maior cidade comercial árabe de Meca, Maomé nasceu por volta de 570. Um membro da tribo Quraysh, Maomé significa “muito elogiado” em árabe.

Maomé nunca conheceu seu pai e sua mãe morreu quando ele tinha seis anos de idade. Abu Talib, tio paterno de Maomé ressuscitou para a vida adulta.

Sem uma família normal e apoio financeiro limitado, Maomé foi forçado a trabalhar duro em seus primeiros anos para se sustentar. Ele realizou vários trabalhos, como cuidando de ovelhas, limpeza edifícios e vender diferentes produtos comerciais. Ele finalmente foi contratado como agente de comércio por uma viúva rica chamada Khadija. Representando os interesses empresariais, Maomé viajou por toda a Arábia e terras vizinhas. Durante suas viagens, Maomé entrou em contato com e se interessou por povos estrangeiros e religiões.

Maomé se reuniu cristãos católicos na Síria, que fazia parte do bizantino (Eastern Roman) Empire. Em outras áreas ele conheceu judeus e Abissínia (Etiópia) cristãos.

Durante as discussões com os povos destas religiões, ele veio a saber de Deus e os profetas da Bíblia; Jesus, Moisés, Abraão e outros do Christian e religiões judaica.

Maomé casado Khadija e foi fiel a ela para os restantes 25 anos de sua vida. Seu casamento com o rico Khadija permitiu Maomé tempo de lazer mais pessoal. No ano 610, Maomé viajou para Hira e enquanto dormia em uma caverna nas proximidades, foi acordado por um anjo de acordo com o primeiro biógrafo de Maomé Ibn Ishaq.

Maomé alegou que ele falou com o anjo, e que mais tarde foi falado pelo anjo Gabriel. Maomé estava convencido de que ao longo do tempo que ele estava destinado por Deus (árabe para Deus), para honrar a Deus e que ele deveria compartilhar a palavra de Deus com o mundo. Maomé começou a pregar publicamente em Meca em 613. Aos poucos e com muito trabalho e tumulto, a nova religião do Islã cresceu em aceitação, força e poder.

A morte de Maomé

Após a morte de Maomé, em 632, os crentes do Islão, em busca de novos convertidos ao Islã e pilhagem, subiu para fora da Arábia para conquistar as terras circunvizinhas.

Territórios governou por séculos pelo poderoso bizantino (Romano do Oriente) e Empires persas foram rapidamente sobrecarregado.

Terras-chave, como Síria, Egito, Pérsia, África do Norte, Palestina, Iraque, Armênia, Afeganistão, Índia e Espanha ficou sob controle do novo Império Árabe.

Por 600 anos, o Islã foi a mais potente e vital da religião, da cultura e da força militar do mundo.

Império Árabe era governado por sucessores de Maomé.

Estes novos líderes foram chamados califas e o Estado político-religioso da comunidade muçulmana e os povos e terras sob seu controle era conhecido como o Califado. Os primeiros califas eram Abu Bakr, Umar, Uthman e Ali.

O assassinato de Uthman e ineficaz e tumultuado reinado de Ali contribuiu para a primeira divisão importante dentro da comunidade muçulmana que resultou em dois grandes grupos de crentes muçulmanos; os xiitas e os sunitas.

Império de Umayyad

Muawiyah, um membro do clã de Umayyad Uthman, levou habilmente sobre o Califado e estabeleceu o Império Umayyad, que durou até 750. Muitos consideram os anos de governo pelos omíadas ser a idade de ouro da religião do Islã. A religião foi minuciosamente analisado, embelezada, documentada e amplamente traduzida.

Povos das terras recém-conquistadas foram convertidos à nova fé aos milhões.

Os abássidas eram uma nova facção político liderado por Abbas, um descendente de um dos tios de Maomé. Base de poder Os abássidas ‘foi na Pérsia, que se irritou sob o controle dos Omíadas. Cerca de 750 os Abássidas substituiu os omíadas como o novo califado. A dinastia abássida iria durar 500 anos.

Época dourada do Islã

califa abássida Harun al-Rashid (r.786-809), presidiu a Idade de Ouro do Islã. Os abássidas mudou a capital do Império Árabe de Damasco a uma antiga vila chamada Bagdá, cerca de 20 quilômetros da antiga capital persa de Ctesifonte. Este local foi escolhido como ele dominou as interseções das grandes rotas comerciais ao longo do Império e além. Commerce, comércio e riquezas foram fluindo para o império abássida. Comércio, prédio novo e o estudo das artes, medicina e muito mais floresceu. Grandes caravanas e navios chegaram ao Império. Silk, pavões, tinta, porcelanas e especiarias veio da China.

Rubies, corantes, ébano, prata chegou da Índia. Perfumes, ouro, pérolas e escravos chegaram do Golfo Pérsico e da África.

Prosperidade nascer uma nova profissão de bancário e gestão de negócios, que atingiu um nível de sofisticação no Islã que não seria alcançado pelo Ocidente durante mais de 300 anos. Medicina, escrita, matemática, arte, arquitetura, filosofia e muito mais, tudo se expandiu para novos patamares desconhecidos para o resto do mundo. Estudiosos árabes absorvida grego antigo escritos, filosofia, medicina e matemática e dramaticamente melhorada e ampliada este conhecimento.

Mesquitas magníficas, lugares de culto muçulmano, foram erguidas em todo o Império, ricamente decorada para comemorar a submissão a Alá.

O Fim do Império Árabe

Ao longo dos anos, a enormidade do Império Árabe revelou-se difícil de controlar de Bagdá.

Facções políticas e religiosas rivais lutaram pelo controle de escapar da dominação dos abássidas. Buyids persas, tribos turcas recém-convertidos ao Islã, seitas islâmicas muçulmanos rivais e cruzados cristãos desceu sobre os abássidas.

Em 1055, os turcos seljúcidas conquistaram Bagdá, mas deixou os abássidas como governantes. Os cruzados cristãos da Europa recapturaram a cidade santa de Jerusalém, em 1099, roubada dos cristãos pelos árabes quase três séculos anteriores. Mais preocupante, a ameaça do Leste que iria quebrar quase todas as civilizações do mundo apareceu. Os mongóis poderosos e, aparentemente, sem concorrência aumentou em território abássida.

Em 1221, o Grande Khan, líder dos exércitos mongóis, ordenou a invasão e destruição de Abbasid Persia.

Sua ordem foi alcançado com grande ferocidade.

Em 1258, o Mongol Khan Hulagu apreendidas e destruídas Bagdá e da dinastia abássida desabou completamente. Este prazo reconhece o fim do Império Árabe.

De 1258 em diante, o islamismo e da cultura árabe, conhecimento e influência continuaria a crescer, mas sob novos governantes muçulmanos.

Eventualmente, os turcos otomanos que controlam a maior parte do mundo muçulmano e o califa otomano iria governar a partir de Constantinopla na Turquia até 1918.

Fonte: www.historybits.com/cbmssancientcivilizations.wikispaces.com/www.tendarabe.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.