Breaking News
Home / História Geral / Feudalismo

Feudalismo

PUBLICIDADE

Feudalismo – O que é

Podemos classificar o feudalismo como um sistema socioeconômico que se desenvolveu na Europa, em países como Alemanha, França, Itália e Inglaterra, durante os séculos V e X – ou seja, durante a Idade Média.

Seu entendimento é muito importante, pois foi através do feudalismo que ocorreram as principais relações sociais, políticas e econômicas da Idade Média.

Primeiramente devemos ter em mente que todo período histórico deve alguma coisa ao passado, ao seu período anterior. Assim, o feudalismo está nitidamente ligado a crise do Império Romano bem como às Invasões Bárbaras.

Feudalismo – Definição

O feudalismo era o sistema das sociedades medievais europeias dos séculos X a XIII, onde uma hierarquia social era estabelecida com base no controle administrativo local e na distribuição de terras em unidades (feudos). Um proprietário de terras (senhor) deu um feudo, junto com uma promessa de proteção militar e legal, em troca de algum tipo de pagamento da pessoa que o recebeu (vassalo).

O pagamento do vassalo ao senhor normalmente vinha na forma de serviço feudal, que poderia significar serviço militar ou o pagamento regular de produtos ou dinheiro.

Tanto o senhor quanto o vassalo eram homens livres e o termo feudalismo geralmente não é aplicado à relação entre o campesinato não-livre (servos ou vassalos) e a pessoa de posição social mais elevada em cujas terras trabalhavam.

Embora os termos ‘feudalismo’ e ‘sociedade feudal’ sejam comumente usados em textos de história, os estudiosos nunca concordaram sobre o que esses termos significam precisamente. Os termos foram aplicados à sociedade medieval europeia a partir do século 16 e, posteriormente, a sociedades em outros lugares, notadamente no período Zhou da China (1046-256 aC) e no período Edo do Japão (1603-1868).

O termo feudalismo não foi usado pelas pessoas que viveram na Idade Média. Nem pode o sistema feudal, uma vez definido, ser aplicado uniformemente em diferentes estados europeus, pois havia variações nas leis e costumes em diferentes áreas geográficas e em diferentes séculos. Como consequência, muitos historiadores acreditam que o termo feudalismo tem uso limitado na compreensão das sociedades medievais.

Feudalismo – Características

Uma de suas principais características era a baixa modalidade social, justificada pela ideia de que a posição social de cada indivíduo era escolhida por Deus e, assim, ela não poderia ser modificada.

É muito famosa a frase que sintetiza a divisão social no feudalismo: os que oram os que trabalham e os que guerreiam.

Os primeiros eram os membros da Igreja Católica; os segundos os servos e, por fim, os terceiros eram os cavaleiros medievais, os responsáveis pela proteção em uma época muito violenta.

É muito importante ter em mente que na Idade Média não existiam escravos! Havia os servos: pessoas livrem que abriam mão de sua liberdade em troca de proteção e de lugar para morar e garantir a sua subsistência.

Feudalismo
Imagem representando a configuração social da Idade Média

A principal relação social do período medieval era a relação de  suserania vassalagem.  Nela o servo recebia o direito de utilizar as terras do senhor, trabalhando, plantando e colhendo os gêneros alimentícios, pagando impostos por isso; este direito se estenderia a seus filhos. Em troca jurava fidelidade ao senhor e poderia ser chamado por seu mestre para o defender em momentos de dificuldade.

Havia várias obrigações que os servos deveriam pagar para o seu senhor, tais como:

Corveia: o servo era obrigado a cultivar terras exclusivas do senhor durante alguns dias da semana, geralmente três.
Talha: 
essa obrigação impunha ao servo pagar parte de sua produção ao seu senhor.
Mão Morta: 
os filhos de determinado senhor recorriam à mão morta para manter a relação estabelecida por seu pai após a sua morte.
Banalidades: 
o servo deveria pagar pelo uso das instalações que existiam no feudo, tais como moinho, forno, tonéis, etc. ao senhorio.

Feudalismo
Pintura retratando o trabalho de alguns servos.

Assim, quase nem é preciso dizer que a economia na Idade Média era baseada praticamente nas atividades agrícolas de subsistência, o que só mudaria a partir do momento de sua desintegração.

Politicamente, este período era caracterizado pela fragmentação política, em que as decisões ficavam a cargo dos senhores feudais. O rei existia, mas como não existiam países e nações tal qual conhecemos na atualidade, seus poderes eram muito limitados frente à violência que existia no período e a distância entre um feudo e outro.

Por fim, temos que comentar a importância política e cultural da Igreja Católica para o medievalismo.

Feudalismo – Sistema Feudal

feudalismo, também chamado de sistema feudal ou feudalidade, é uma construção historiográfica que designa as condições sociais, econômicas e políticas na Europa ocidental durante o início da Idade Média, o longo período entre os séculos V e XII. Feudalismo e o termo sistema feudal relacionado são rótulos inventados muito depois do período ao qual foram aplicados.

Eles se referem ao que aqueles que os inventaram percebem como as características mais significativas e distintivas da Idade Média inicial e central.

As expressões féodalité e sistema feudal foram cunhadas no início do século XVII, e as palavras inglesas feudalidade e feudalismo (assim como pirâmide feudal) eram usadas no final do século XVIII.

Derivam das palavras latinas feudum (“feudo”) e feodalitas (serviços ligados ao feudo), ambas usadas durante a Idade Média e, posteriormente, para se referir a uma forma de posse de propriedade.

O uso dos termos associados ao feudum para denotar as características essenciais do início da Idade Média conferiu ao feudo uma proeminência exagerada e enfatizou indevidamente a importância de um modo especial de posse da terra em detrimento de outros aspectos sociais mais significativos. vida econômica e política.

Feudalismo – Origem

Os termos feudalismo e sistema feudal eram geralmente aplicados à Idade Média central e inicial – o período do século V, quando a autoridade política central no império ocidental desapareceu, até o século 12, quando reinos começaram a emergir como unidades centralizadas de governo eficazes. Por um período relativamente breve, de meados do século 8 ao início do século 9, os governantes carolíngios, especialmente Pippin (reinou de 751-768) e Carlos Magno (reinou de 768/771-814), tiveram notável sucesso na criação e manutenção de um país relativamente unificado Império. Antes e depois, no entanto, as unidades políticas foram fragmentadas e a autoridade política difusa. O mais poderoso dos carolíngios posteriores tentou regular os magnatas locais e alistá-los em seu serviço, mas o poder das elites locais nunca foi apagado. Na ausência de reis e imperadores poderosos, os senhores locais expandiram o território sujeito a eles e intensificaram seu controle sobre as pessoas que viviam lá.

Em muitas áreas, o termo feudum, bem como os termos beneficium e casamentum, passaram a ser usados para descrever uma forma de posse de propriedade.

As participações que esses termos denotaram muitas vezes foram consideradas mandatos essencialmente dependentes, sobre os quais os direitos de seus detentores eram notavelmente limitados.

Como as palavras foram usadas em documentos do período, no entanto, as características das propriedades às quais foram aplicadas são difíceis de distinguir daquelas de posse designadas por palavras como allodium, que geralmente foi traduzido como “propriedade perfeita”.

Os feudos ainda existiam no século 17, quando o modelo feudal – ou, como os historiadores contemporâneos o chamam, a construção feudal – foi desenvolvido. Naquela época, o feudo era um pedaço de propriedade, geralmente terra, que era retido em troca de serviço, o que poderia incluir deveres militares. O detentor do feudo jurou fidelidade à pessoa de quem o feudo era mantido (o senhor, dominus ou seigneur) e tornou-se seu homem. A cerimônia em que o juramento foi feito foi chamada de homenagem (do latim, homo; “homem”). Essas instituições sobreviveram na Inglaterra até serem abolidas pelo Parlamento em 1645 e, após a Restauração, por Carlos II em 1660. Até sua erradicação pela Assembleia Nacional entre 1789 e 1793, tiveram considerável importância na França, onde foram empregadas para criar e reforçar os laços familiares e sociais. Sua difusão fez com que os alunos do passado ficassem ansiosos para entender como haviam surgido.

Semelhanças de terminologia e prática encontradas em documentos que sobreviveram da Idade Média – especialmente o Libri feudorum (“Livro dos Feudos”), uma compilação italiana de costumes relativos à posse de propriedade, que foi feita no século 12 e incorporada ao direito romano – levaram historiadores e advogados em busca das origens das instituições feudais contemporâneas na Idade Média.

Fonte: Vinicius Carlos da Silva

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Um comentário

  1. Ana Luiza Ferreira

    Legal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.