Breaking News
Home / História Geral / História do Biquini

História do Biquini

PUBLICIDADE

biquini foi inventado na França em 1946 por um engenheiro Francês chamado Louis Réard. O biquini é uma peça de roupa feminina de banho, composto de um sutiã e uma calcinha.

Ele trabalhava na loja de lingerie de sua mãe. Ele previu que a reação do público seria como uma explosão para a sociedade.

Seu projeto era expor o umbigo pela primeira vez. O biquíni era tão escandaloso na época que nenhuma modelo quis usá-lo. Ele contratou uma dançarina de strip tease para estrea-lo.

Antes de invetar o biquini, as mulheres usavam maios ou roupas de banho inteiras. Os trajes de duas peças eram muito discretas, sempre cobrindo o umbigo, mostrando um pedacinho do abdômen.

Antes disso na virada do século as mulheres usavam trajes de banho volumosos e trocavam suas roupas em cabines de madeira.

Essas cabines eram arrastadas até o mar para as mulheres entrarem na água e ninguém poderia vê-las vestida com trajes de banho.

Os biquínis não foram um sucesso nos Estados Unidos. No começo quem usava era classificado como mulher vulgar.

Na década dos anos 60 com a revolução sexual e o movimento feminista o biquini ganhou sua popularidade sendo usado pelas mulheres sem constrangimentos.

Quem inventou o biquíni?

A palavra biquíni é um termo genérico para um maiô de duas peças que vem em muitos cortes, estilos, padrões e cores diferentes. No entanto, além de ser o termo aceito para um maiô de duas peças, o biquíni é na verdade o nome específico dado a um maiô específico inventado e lançado na França em 1946.

Historicamente, trajes semelhantes a biquínis foram retratados na arte greco-romana já em 1400 a.C. No entanto, a invenção do biquíni moderno é creditada ao engenheiro mecânico francês, Louis Réard, em 1946.

Embora Réard não tenha sido o primeiro a inventar um maiô de duas peças, ele inventou e patenteou o biquíni, que mudou totalmente a cultura do maiô.

Os primeiros maiôs de duas peças

Na década de 1930, os maiôs de duas peças começaram a aparecer na Europa, embora não sejam semelhantes aos usados hoje.

Eles consistiam em um short longo parecido com um tronco e um top comprido que revelava apenas a seção mais modesta da cintura.

Após a Segunda Guerra Mundial, nos Estados Unidos, o racionamento de tecidos da época da guerra encorajou os trajes de banho femininos a usar menos tecido, resultando em trajes de banho menores. No entanto, os ternos ainda não eram nem de perto tão reveladores quanto o nosso biquíni moderno.

Quem deu o nome ao biquíni?

Em maio de 1946, um estilista francês chamado Jacques Heim criou uma peça de roupa chamada atome, que ele declarou ser o menor maiô do mundo.

No entanto, em 5 de julho de 1946, o biquíni moderno foi oficialmente inventado por um engenheiro mecânico chamado Louis Réard.

Ele percebeu que as mulheres estavam enrolando as bordas de suas roupas de banho para melhorar o bronzeado e isso deu a elas o menor maiô do mundo até agora!

biquíni de Réard era menor que o atome de Heim, já que foi a primeira peça de maiô a mostrar o umbigo, o que chocou o público em geral.

Quem usou o primeiro biquíni?

biquíni de Louis Réard era tão pequeno que ele teve dificuldade em encontrar alguém ousado o suficiente para usar uma roupa tão reveladora.

Depois de ser rejeitado por muitas modelos da moda, ele encontrou Micheline Bernardini. Ela tinha 19 anos e era uma dançarina nua que trabalhava no Casino De Paris e concordou em ser a primeira a usar seu biquíni ousado.

Michelle Bernardini estreou esta peça escassa durante um evento de moda à beira da piscina no Piscine Molitor em Paris, e mudou a roupa de banho como a conhecemos.

O que é Atol de Biquíni?

Louis Réard chamou seu maiô de duas peças de biquíni (um termo que ele patenteou posteriormente). Louis Réard batizou o biquíni em homenagem ao Atol de Biquíni.

O Atol de Biquíni é um local nas Ilhas Marshall onde os Estados Unidos realizaram testes nucleares entre 1946 e 1958. Durante esse tempo, 23 armas nucleares foram testadas, e o primeiro teste ocorreu em 1º de julho de 1946, apenas quatro dias antes do lançamento de Réard do bikini.

O teste nuclear foi predominante nas notícias, e Réard capitalizou sua notoriedade.

Ele sabia o quão explosivo sua roupa de banho seria para o cenário da moda e deu a ela um nome que se adequava ao seu impacto histórico – o biquíni.

Controvérsia do biquíni

A controvérsia do biquíni começou com seu tamanho – essa vestimenta minúscula media apenas 30 polegadas! Já que foi a primeira roupa de banho a expor o umbigo, e foi considerada por alguns como indecente.

O design revolucionário do biquíni demorou a ser amplamente aceito. Muitos lugares proibiram o uso de biquínis porque foram considerados muito indecentes.

Enquanto muitos questionavam a modéstia da roupa, Micheline Bernardini recebeu impressionantes 50.000 cartas de fãs com a estreia do biquíni no Piscine Molitor. Sem surpresa, a maioria das cartas foi escrita por homens.

Desde que Jacques Heim e Louis Réard lançaram seus trajes de banho com dois meses de diferença, ainda há algum debate sobre quem inventou o biquíni. No entanto, a patente de Réard garantiu o nome de “biquíni”, e ele é proclamado como o verdadeiro inventor do biquíni pela maioria das pessoas.

Biquíni – Primeiros momentos e evolução

História do Biquini
Marilyn Monroe em 1962

Quando Reard queria a apresentar na piscina do hotel Melitor, reuniu-se com a desvantagem de que nenhum modelo profissional se atreveu a usar em público, ter que recorrer finalmente para o descascador do Casino de Paris Micheline Bernardini, que lhe advertiu que o desfile previsto para 05 de abril de 1946 ia ser uma bomba mais poderosa do que cinco dias antes havia explodido no Atol de Bikini.

Micheline Bernardini, uma dançarina francesa de nudez, foi a única modelo
que o estilista de maiôs que Louis Réard encontrou para usar seu
biquíni quando estreou em 5 de julho de 1946, em Paris

Enquanto na França o uso generaliza quase imediatamente como um símbolo de libertação das mulheres, em outros países como o Estados Unidos ou Espanha, durante o regime de Franco, que vai levar anos para ser aceito.

Biquíni – O início

Enquanto você está em frente ao espelho, pondo seu biquíni, nem passa pela sua (no momento nenhum pouco fértil) imaginação como surgiram essas duas peças. Eu, por exemplo, nunca tinha parado para pensar nisso até um dia em que me indagava sobre coisas sem pé nem cabeça do tipo “quem pôs o nome de mesa na mesa?”. Então, fui procurar um livro que me desse informações e descobri que por trás de duas peças existe uma grande história.

As roupas de banho, acreditem ou não, já foram de lã. Sim, aquele tecido famoso por ser usado em casacos de inverno.

Morra de rir: tudo para que o banhista não pegasse um resfriado depois de cair em gélidas águas.

E não pára por aí… ainda por cima, os trajes incluíam, para as mulheres, toucas e, para ambos os sexos, sapatos (tamancos ou botinas).

Tendo em vista que essas coisas ridículas eram usadas entre 1800 e pouco fica mais fácil de perdoar… Em 1846 surgiu o calção, peça considerada justa e ousada, que acreditava-se, daria maior liberdade de movimentos aos nadadores.

No começo do século XX, a “ousadia” se limitava somente aos atletas, que podiam (ó!!!) mostrar braços e pernas. Já as mulheres, ridiculamente, cobriam o rosto com véus para não se queimarem – o bronzeado era associado a escravas e índias.

Em 1910, surgia a roupa-bóia (tente visualizar e a diversão será garantida): baseada num uniforme de então, consistia em uma veste larga e uma calça com uma câmara de ar embutida na bainha.

A invenção veio do Brasil e, graças a Deus, não vingou. Até porque, apesar de ter surgido para dar segurança aos banhistas que não se aventuravam a dar braçadas ainda que amadoras, apareceu numa época onde já se queria mostrar o corpo.

Biquíni – As guerras e os concursos de Miss

Com a primeira guerra, as mulheres se libertaram dos espartilhos (que serviram de inspiração para os trajes de banho) e das anáguas. E na segunda guerra, surgia o maiô de nylon, que afinava a cintura, realçava os quadris e ajustava-se melhor ao corpo, devido a um franzido interno. Mas uma roupa de banho feita deste tecido era privilégio das mais abastadas (era cara e geralmente feita sob medida), como as pin ups ou atrizes de Hollywood.

Nos anos 50, eram os concursos de Miss que apresentavam as tendências do verão. Os maiôs das beldades (cujas medidas eram 90-60-90 e tornozelo 21) eram escuros e feitos de Helanca (aquela malha grossa das roupas que usávamos para fazer educação física, lembra?). A lã, finalmente, perdeu terreno.

Em 1946, um pouco antes da euforia dos concursos de Miss, o biquíni foi inventado, pelo estilista Louis Réard. A invenção foi batizada com este nome, porque Louis acreditava que o efeito seria tão explosivo quanto a bomba nuclear (na época em teste no atol de Bikini, no sul do Pacífico). Acertou. Brigitte Bardot foi uma das primeiras adeptas do modelo, que somente só foi virar item básico nos anos 70.

A evolução – do maiô ao biquíni

Nos anos 60, o jogo revela/esconde começou a conquistar garotas de praia. O engana-mamãe, (que quer, mas não consegue voltar) ganhou as areias. Enquanto de frente, parecia um maiô inteiro, a lateral era aberta, o que fazia o maiô parecer de costas um biquíni.

Detalhe: no bumbum havia um fecho-éclair.

No Rio, Zilda Maria Costa resolver reduzir seu biquíni, puxando-o para a cintura, enrolando onde podia. Assim foi criada a tanga, que trouxe para o Brasil a fama de criador da moda-praia. Em meio a muita maconha, esteiras, adeptos do Jacaré, palmas para o pôr-do-sol e pentelhos ao léu, as tangas tomavam conta da praia. Quem nunca viu a clássica foto de Fernando Gabeira à la Tarzan?

E enfim, a lycra! Criado pela indústria química Dupont, o tecido que gruda ao corpo ganhou a preferência de todos os fabricantes de moda-praia e de todos os freqüentadores da praia.

Nos anos 80, moldavam o corpo nos modelos asa-delta, de cavas pronunciadas. Muitas vezes esses biquínis (que cá entre nós, não é dos mais propícios ao corpo brasileiro) tinham estampas florais e abstratas, hibiscos havaianos e debruns.

A saída de praia passava do camisão social ou camisetão, para a canga de tear. No final da década (hoje considerada breguérrima), aparecia o fio-dental (sem comentários)….Os surfistas já contavam com o neoprene e os homens usavam sunga.

Depois de tantas mudanças, ainda continuamos fazendo a história do biquíni.

Apesar do lacinho-e-cortininha ainda ser o preferido, a praia tornou-se um espaço democrático: vale desde o meia-taça e tomara-que-caia até o sungão e a calcinha com tiras fininhas.

Estampados ou lisos, dividem as praias como os maiôs e os sungões-de-três-dedos usados pelos rapazes que não querem pagar o mico de usar aquelas sungas paga-popinha dos anos 80.

Os tecidos também podem ser os mais variados – laise, algodão, crochê – em 99% das vezes aliados à lycra, porque tudo bem que biquíni foi inventado há mais de cinqüenta anos, mas fundo de areia é coisa do século passado!

Uma história escandalosa do biquíni

O verão de 1946 foi uma temporada de liberdade em Paris. A Europa tinha acabado de emergir da Segunda Guerra Mundial, as praias estavam limpas e os liberados franceses estavam prontos para levar a libertação um pouco mais longe – um pouquinho mais longe, na forma de um traje de banho feminino que poderia caber em um vidro de tiro.

biquíni nasceu em uma sessão de fotos à beira da piscina em Paris em 5 de julho de 1946, uma semana antes do Dia da Bastilha e em meio a uma escassez global de têxteis. O estilista, ex-engenheiro Louis Réard, contratou a única modelo disposta a expor tanto modelo, uma dançarina nua de 19 anos do Casino de Paris chamada Micheline Bernardini.

Ela colocou os quatro pequenos remendos que ele amarrou e mostrou ao mundo da moda o umbigo feminino.

A inovação de Réard não foi a primeira a dividir os trajes de banho tradicionais femininos em dois. Ícones de Hollywood e modelos pinup há muito usavam ternos de duas peças, como ficava evidente sob as tampas de milhares de armários GI que ainda eram enviados da Europa para casa. Mas aquele umbigo era uma novidade.

Kelly Killoren Bensimon, que registrou a história do vestuário em “O Livro do Biquíni”, disse que o último centímetro da barriga era a “zona de contenção” final da moda.

“Tínhamos visto Jayne Mansfield e muitas outras atrizes vestindo maiôs de duas peças”, disse Bensimon em uma entrevista. “Mas nunca com o umbigo à mostra. Esse foi o escândalo. ”

Além de algumas evidências artificiais de que atletas femininas competiam em trajes de duas peças na Grécia e Roma antigas, a história dos trajes de banho femininos é um longo encobrimento.

As mulheres vitorianas que ousavam tomar banho em público o faziam com batas compridas que só se distinguiam de seu uso diário pelo fato de estarem ensopadas.

Mas as bainhas lentamente subiram, os decotes caíram e as mangas se retraíram sobre o ombro. A natação feminina foi introduzida nos Jogos Olímpicos de 1912 em Estocolmo, e um fabricante de lã de Portland, Oregon, chamado Carl Jantzen, começou a comercializar uma peça única sem mangas que deixava as pernas nuas, embora sua vestimenta de malha de lã viesse com boné e meias combinando.

Rayon e outros novos tecidos sintéticos feitos para ternos mais confortáveis e justos, o que foi bom para Busby Berkeley e outros coreógrafos dos números de dança da piscina sincronizada que se tornaram um grampo do filme. Na década de 1940, a estrela da natação Esther Williams estava nas telas e pôsteres em ternos de duas peças que mostravam uma faixa de barriga acima do botão e os abdominais que a tornavam uma campeã nacional nos 100 metros livres.

Coisa chocante, mas uma vez que a guerra terminasse, as linhas de bronzeado estavam destinadas a ficar mais emaranhadas ainda.

Em 1946, Réard deixou a engenharia automotiva para trabalhar no negócio de lingerie de sua mãe. Nos estonteantes meses após o armistício, ele estava em uma corrida armamentista com outro estilista para criar o menor maiô do mundo.

O rival, Jacques Heim, conquistou o sucesso com um projeto que chamou de “o Atom”. Mas Reard, costurando um guardanapo de tecido estampado com papel de jornal, conseguiu algo menor do que o Atom de Heim, que ele batizou em homenagem ao Atol de Biquíni, a ilha remota onde os átomos estavam sendo divididos em testes de bomba atômica naquela mesma semana.

“Vimos isso depois de muitas guerras”, disse Bensimon. “No tempo mais seguro a seguir, teremos essas celebrações da liberdade e do corpo humano.”

No início, o biquíni foi mais uma sensação do que um sucesso. Alguns fotógrafos e modelos se atreveram a fotografar os ternos, e Réard construiu seu próprio negócio em torno do design.

Mas demorou a romper as barreiras da modéstia nas praias europeias, muito menos nos Estados Unidos do pós-guerra. Muitos comentaristas condenaram o visual, e muitas comunidades o baniram. Ainda hoje, o maiô é o centro do debate em alguns locais ocidentais; Barcelona proibiu o uso de biquíni nas ruas em 2011.

Mas as celebridades começaram suas próprias manobras de umbigo. Seis anos depois de Bernardini ser a primeira garota de biquíni, Bridgette Bardot fez “A Garota do Biquíni”. Em 1962, Ursula Andress saiu das ondas em “Dr. Não ”em nada além de uma faca e biquíni como a Bond girl original.

Foi a Idade do Jato que realmente impulsionou a sorte do vestuário reduzido, de acordo com Bensimon. Os ricos e glamorosos começaram a entrar e sair da Riviera, trazendo novos padrões de moda praia para praias – e logo piscinas – ao redor do mundo.

Nos Estados Unidos, foi necessário um ex-Mousketeer para que a grande revelação pudesse ser vista pela família, disse Bensimon. Quando Annette Funicello, uma estrela infantil do Clube do Mickey Mouse, conseguiu permissão para usar um biquíni na maioria de seus filmes de praia malucos, não foi apenas Frankie Avalon que ficou surpreso.

“Todos notaram”, disse Bensimon. “Ela só queria ser uma das crianças legais.”

O mesmo aconteceu com muitas das crianças que a viram. Naquela época, a adoção do biquíni de cima para baixo na América era irreversível.

Fonte: www.washingtonpost.com/es.wikipedia.org/www.cenaurbana.com.br/alwaystheholidays.com/colegiosaofrancisco.com.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.