Breaking News
Home / História Geral / Colonização Espanhola

Colonização Espanhola

PUBLICIDADE

Quatro décadas após a chegada de Cristóvão Colombo à América, o conquistador espanhol veio ao lugar que chamou de Novo Mundo, procurando ouro e riquezas para a Coroa.

Para os habitantes do Chile a imagem de homens montados a cavalo foi estranha além de invasora.

Colonização EspanholaColonização Espanhola

Para os europeus, provavelmente influenciados pelo espírito renascentista, o Chile representava o fim do mundo, o final da terra, e ao mesmo tempo um novo mundo.

O primeiro europeu que chegou ao Chile foi Fernão de Magalhães, quem liderou a primeira circunavegação ao globo enviado pela Coroa Espanhola.

O marinheiro de origem portuguesa se internou nos mares austrais e descobriu, em 1520, o estreito que depois levaria seu nome e que une os oceanos Atlântico e Pacifico.

Quinze anos depois, o espanhol Diego de Almagro –motivado pela busca de ouro- aventurou-se por terra desde o então vice-reinado do Peru com 500 homens.

O difícil cruzamento dos Andes na altura do deserto do Atacama, a ausência de ouro e cidades como as edificadas pelos incas, além da belicosidade dos aborígenes, acabaram frustrando a tarefa. Após avançar 400 quilômetros ao sul de Santiago, Diego de Almagro decidiu voltar ao Peru.

Em 1540, uma nova expedição comandada por seu compatriota Pedro de Valdivia voltou ao Chile com o objetivo de conquistar o território. Originalmente, foi um grupo de homens e mil serventes indígenas que caminharam para o sul e um ano mais tarde participaram da fundação de Santiago no pico do Cerro Santa Lucía.

Confrontação militar

Não muito tempo depois, a resistência mapuche se manifestou na Guerra de Arauco, um dos conflitos mais longos do mundo. Foi provocado com a chegada de Almagro e não acabou senão três séculos mais tarde.

Essa disputa estabeleceu a fronteira sul do território no rio Bío Bío, aproximadamente a 500 quilômetros da capital.

Com o objetivo de contrabalançar a tenacidade indígena, o conquistador decidiu fundar cidades na zona, como Concepción, La Imperial ou Valdivia. No entanto, perderia a vida em 1553 após ser vencido pelos mapuche na batalha de Tucapel.

O poema épico La Araucana testemunha a guerra e o espírito indomável dos mapuche. Foi escrito pelo soldado e cronista espanhol Alonso de Ercilla.

Diferentes episódios bélicos mostram a coragem e a inteligência estratégica desses indígenas, seus triunfos contra o conquistador e as derrotas que significaram a morte de seus principais líderes, Caupolicán, Galvarino e Lautaro. Precisamente um destes embates, a batalha de Curalaba (1598), marcou o fim da conquista e o princípio da Colônia para a história local.

O domínio dos espanhóis nunca foi total, os grupos indígenas se mantiveram ativos e se levantavam uma e outra vez contra o invasor.

A atividade agropecuária e a mineralogia de ouro, prata e cobre, em menor medida, deram impulso à economia.

A troca com outras possessões espanholas em ultramar foi favorecida pela abertura dos portos de Valparaíso e Talcahuano.

A partir do século XVII, nasceu a sociedade chilena, cujos principais cargos militares e públicos eram ocupados pelos espanhóis. Muitos deles tiveram descendência na América (os chamados crioulos), ao mesmo tempo em que aumentava a mestiçagem, fato observado até os dias de hoje.

Colonização Espanhola – História

De 1492 a 1800, os exploradores espanhóis foram os valentões do Novo Mundo.

Começando com Colombo em 1492 e continuando por quase 350 anos, a Espanha conquistou e colonizou a maior parte da América do Sul, Caribe e sudoeste americano.

Sim, eles se mantiveram ocupados.

Cristóvão Colombo e sua tripulação chegaram em 1492 depois de navegar no oceano azul em uma missão para encontrar uma rota comercial mais rápida para a Ásia.

Eles queriam riquezas e a glória eterna de serem realmente legais descobrindo a melhor estrada de água para a Ásia. Eles também queriam espalhar o que achavam ser a melhor religião de todos os tempos, o catolicismo.

Talvez os exploradores pensassem que estavam trazendo algo grande (religião e catolicismo) para as tribos locais, mas na verdade trouxeram doenças que mataram milhões de nativos americanos.

Para adicionar um insulto à varíola, os exploradores espanhóis escravizaram os nativos americanos que não foram mortos e, em seguida, tomaram seus recursos naturais.

Foi um período de tempo muito feio para os nativos americanos, que lutaram e venceram algumas batalhas importantes, mas no final eles estavam lidando com tantas doenças que não estavam exatamente em sua melhor forma de lutar.

Parece bom demais para ser verdade?

(Para a Espanha, claro.) Bem, era.

O crescimento de uma sociedade racialmente mista acabou causando o surgimento de rachaduras entre a Espanha e suas colônias americanas e, em 1824, todas as colônias do Novo Mundo da Espanha, exceto Cuba e Porto Rico, lutaram e conquistaram sua independência.

Então, é difícil dizer que algo “bom” saiu da conquista, mas isso é o que acontece com a história. Acontece quer você goste ou não.

Odeie ou odeie menos, os exploradores espanhóis deixaram uma marca profunda e duradoura nas Américas. Para ver o legado espanhol, tudo o que você precisa fazer é olhar ao seu redor.

Vê aqueles cavalos e aquele trigo?

A conquista trouxe isso.

Você já percebeu que há mais de 400 milhões de pessoas que praticam o catolicismo na América Latina hoje?

A conquista fez isso.

A frase “língua espanhola” lembra alguma coisa?

Claro que sim, porque mais de 8% do mundo o fala como primeira língua.

Essa é a conquista novamente. Diga o que quiser sobre os conquistadores, mas não pode dizer que eles não eram importantes.

Colonização Espanhola – Espanha

A Espanha enriqueceu com o ouro e a prata que encontrou após conquistar civilizações nativas no México e na América do Sul. No entanto, o conflito com os índios e o fracasso em encontrar grandes depósitos de prata ou ouro dificultaram persuadir os colonos a colonizarem lá. A colonização espanhola naquela região foi em grande parte confinada a missões religiosas, algumas pequenas cidades civis e postos militares destinados a evitar a invasão da Rússia, França e Inglaterra. Não foi até 1749 que a Espanha estabeleceu a primeira cidade civil no Texas, uma cidade que acabou se tornando Laredo; e não antes de 1769 a Espanha estabeleceu assentamentos permanentes na Califórnia.

Fixada na conversão religiosa e no controle militar, a Espanha inibiu o desenvolvimento econômico de suas colônias americanas. Seguindo os ditames de uma filosofia econômica conhecida como mercantilismo, destinada a proteger seus próprios fabricantes, a Espanha restringiu o comércio, proibiu a manufatura, sufocou a indústria e o artesanato locais, impediu o crescimento das cidades e impediu que os civis vendessem aos soldados.

O governo exigia que todo o comércio fosse conduzido por meio de Veracruz e cobrava altos impostos de consumo que aumentavam muito o custo do transporte.

Exerceu o monopólio do fumo e da pólvora e proibiu a captura de cavalos selvagens. Ainda assim, a Espanha deixou uma marca duradoura no sudoeste.

Instituições como o rodeio e o vaqueiro (o vaquero) tiveram suas raízes na cultura espanhola. Os nomes de lugares também testemunham a herança espanhola da região. Los Angeles, San Antonio, Santa Fe e Tucson foram fundados pelos espanhóis. Até hoje, o padrão espanhol de organizar cidades em torno de uma praça central cercada por igrejas e edifícios oficiais é encontrado em toda a região.

Os estilos arquitetônicos espanhóis – paredes de adobe, telhados, vigas de madeira e mosaicos complexos – continuam a caracterizar o sudoeste.

Ao introduzir o gado e a vegetação europeus, os colonos espanhóis transformaram a economia, o meio ambiente e a aparência física do sudoeste. Os espanhóis introduziram cavalos, vacas, ovelhas e cabras, bem como tomates, pimentões, bluegrass de Kentucky e uma variedade de ervas daninhas. À medida que o gado devorava as altas gramíneas nativas da região, surgiu um ambiente novo e distinto do sudoeste, um ambiente de cactos, artemísia e algaroba. Os espanhóis também introduziram doenças temperadas e tropicais, que reduziram a população indígena em cinquenta a noventa por cento.

Colonização EspanholaA ação dos espanhóis sobre a população indígena

É igualmente importante que nas atitudes em relação à classe e à raça as possessões espanholas diferissem das colônias inglesas.

A maioria dos colonos tinha origens raciais mistas e a mistura racial continuou durante todo o período colonial espanhol. Em geral, os mestiços (pessoas de ascendência mista indiana e espanhola) e os índios concentravam-se nos níveis mais baixos da estrutura social.

Mesmo no período colonial, a fronteira norte da Nova Espanha serviu como um farol de oportunidade para os mexicanos mais pobres.

Os primeiros colonizadores hispânicos criaram caminhos que atrairiam imigrantes mexicanos no futuro.

Colonização Espanhola – Cristóvão Colombo

Após a chegada de Colombo a um território até então ignorado pelos europeus, o interesse espanhol se manifestou em mais uma série de viagens, das quais resultou a notícia da existência de minerais preciosos.

Tal situação levou à conquista do território americano e das nações que nele habitavam. Os soldados de Cortéz venceram os astecas; Pedro de Alvarado e seus homens dominaram a região da Guatemala;

Francisco Pizarro e seus comandados destruíram o poderoso Império Inca. A Colômbia dos Chibchas foi arrasada pelas tropas de Jimenez de Quesada; Pedro de Vadivia e Diego de Almagro conquistaram o Chile aos araucanos e Pedro de Mendonza com suas tropas aniquilou os Charruas, dominando a vasta região do Rio da Prata.

Terminada a conquista, a Coroa espanhola peocupu-se com a afetiva posse e domínio de seu vasto império americano.

Organização político-administrativa.

Ao contrário das demais nações que colonizaram outras partes da América, a Espanha conseguiu localizar e dominar vastas áreas mineratórias, onde a população já trabalhava na extração de metais preciosos.

Era necessário ampliar esta capacidade de extração, com a finalidade de abastecer a metrópole. Tomaram-se, então, algumas medidas que engendraram uma poderosa máquina burocrática. No entanto, na maioria das vezes, esta máquina emperrava, devido às distâncias e à cobiça dos funcionários.

Durante a fase da conquista, a Coroa não dispendeu recursos maiores. Os ” adelantados ” eram pessoas que ficaram encarregadas de conquistar vários territórios, apropriando-se de suas riquezas e de sua população, podendo utilizá-las como bem o aproivessem, desde que estavam obrigados a pagar determinados impostos à Coroa.

Para fazer frente aos desmandos e à cobiça dos ” adelantados “, a Coroa, já na metade do século XVI, procurou substituí-los por funcionários nos quais pudesse confiar um pouco mais.

Foram então criados os Vice-Reinados e as Capitanias Gerais. A “audiência “, que primitivamente era um tribunal, passou a acumular funções ao lado das judiciárias.

A ” auduência ” era formada pelo Vice-Rei ( quando sua sede era a mesma sede do Vice-Reinado ) e vários ouvidores, isso é, juizes. Suas funções podem ser resumidas numa palavra: fiscalização e vigilância sobre todos os funcionários.

As cidades eram administradas pelos cabildos, que poderíamos definir como sendo uma câmara municipal, formada pelos elementos da classe dominante.

Era presidida por um alcaide e composta por um número variável de regidores.

Na metrópole ficavam os departamentos encarregados das decisões finais: a Casa de Contratação e o Real Supremo Conselho das Índias.

A Casa de Contratação foi criada em 1503, para ter todo o controle da exploração colonial. Teve sua sede em Sevilha, um dos portos privilegiados pela Coroa para receber, com exclusividade, os navios que chegassem da América. Outro porto também privilegiado foi o de Cádiz, para onde se transferiu a Casa de Contratação posteriormente.

Criado em 1511, o Real e Supremo Conselho das Índias tinha sede em Sevilha e sua função era administração das colônias, cabendo-lhe nomear os funcionários coloniais, exercer tutela sobre os índios e fazer leis para a América.

Não se pode esquecer de mencionar a Igreja Católica, no que se refere aos aspectos político-administrativos, visto que ela desempenhou papel relevante também nesse setor, atuando de forma a equilibrar e garantir o domínio metropolitano.

A economia colonial girava em torno dos princípios mercantilistas. Tais princípios, expressos no ” Pacto Colonial ” imposto pela metrópole às colônias, priorizava acima de qualquer outro interesse, o fortalecimento do Estado Espanhol, em detrimento de uma possível acumulação de capitais nas áreas americanas.

Assim, a estruturação imposta visava essencialmente o envio dos metais preciosos à Espanha, sob a forma de tributos ou de simples pagamento das utilidades necessárias aos colonos e que estes eram obrigados a adquirir através dos ccomerciantes metropolitanos.

Mas não se deve pensar que todo império espanhol se limitava a fornecer ouro e prata para a Espanha.

De fato, pode-se verificar três grandes momentos ao longo da evolução econômica colonial:

a) O saque inicial, ocorrido principalmente na região do México e Peru
b) 
A agricultura, com a instalação de numerosas fazendas, produtoras de gêneros alimentícios ou matérias-primas. Tais propriedades tiveram início em função das necessidades das áreas mineradoras, mas quanto estas se esgotavam, passavam a ter vida própria.
c) 
Das grandes unidades produtoras de artigo para o mercado externo, principalmente na região do Rio da Prata e no Caribe.

Cobravam-se impostos variados dos colonos, o mais importante dos quais era o quinto, incidente sobre a extração metálica. Mas havia também impostos de importação e exportação, além de ” contribuições ” forçadas que, periodicamente, o governo metropolitano impunha.

Aspecto de capital importância é o da organização da mão-de-obra, onde se destacaram os sistemas da ” encomienda ” e ” mita “.

Com o sistema de ” encomienda “, os encomendores recebiam da Coroa direitos sobre vastas áreas. Podiam cobrar tributos em dinheiro ou em trabalho dos índios, mas eram obrigados a ampará-los e protegê-los, instuindo-os na fé católica. Isto dizia a lei, mas a realidade normalmente era bastante diferente.

A ” mita ” era uma forma de escravidão ligeiramente dissimulada, empregava sobretudo nas áreas de mineração As tribos indígenas eram obrigadas a fornecer um determinado número de pessoas para trabalhar nas minas. Os ” mytaios ” eram obrigados, constantemente,a fazer deslocamentos de centenas de quilômetros, desgastando-se fisicamente e trabalhando arduamente na extração mineral.

Analisando as manifestações do comércio colonial, evidencia-se o papel do monopólio. O comércio das colônias com a metrópole realizava-se em ocasiões pré-determinadas, ligando dois ou três portos americanos ao porto de Sevilha. Os comboios eram fortemente policiados, para evitar a presença dos corsários, principalmente ingleses.

A sociedade das colônias em muito se assemelha á da Espanha, no que se refere ao seu caráter fechado e aristocratizante.Nas áreas coloniais, além dos convencionados critérios econômicos de diferenciação de classes, temos também o caráter racial ou étnico.

A base da pirâmide social era formada pelos escravos africanos, aqui introduzidos desde o primeiro quartel do século XVI. Ao longo do período colonial entraram cerca de 1,5 milhões de africanos, principalmente para as áreas da grande lavoura de exportação. Na mineração foram empregados preferencialmente os indígenas.

A seguir vinha uma enorme massa de ìndios, sobreviventes do massacre inicial, e um pouco acima, os mestiços, na sua maioria artesãos ou vagabundos.

Os ” criollos ” eram os brancos nascidos na América, grandes proprietários de terras e de minas, profissionais liberais, intelectuais. Havia restrições a esse grupo, pelo fato de serem nascidos na América.

No vértice da pirâmide, os ” chapetones “, espanhois que vinham para colônias, normalmente como altos funcionários ou comerciantes privilegiados.

COLONIZAÇÃO ESPANHOLA E INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA

Na colonização espanhola da América, a estruturação político-administrativa era basicamente a mesma do reino. A Casa de Contratación, em Sevilha, era a responsável pela gestão dos negócios coloniais, nomeando os funcionários para as colônias, funcionários estes que comumente lesavam a coroa por meio de corrupção sempre protegida pela impunidade. Constituía-se, também, na mais alta corte espanhola o Supremo Tribunal de Justiça, estância máxima de apelação para questões relacionadas ao processo de colonização.

O transporte e a distribuição adotados pelos espanhóis era composto por dois sistemas que se interligavam e se completavam. O sistema de Porto Único, instituído em 1503, determinando que a frota sairia e chegaria na Espanha somente através do porto de Sevilha (mais tarde este monopólio é quebrado ao incluir também o porto de Cádiz).

A idéia era centralizar a entrada e saída de mercadorias para facilitar a fiscalização e impedir o contrabando, coisas muito difíceis de se fazer até os dias de hoje.

O outro sistema utilizado era o de Frota Anual, surgido em 1540, estabelecia que as viagens de transporte marítimo deveriam acontecer em comboios de galeões que eram escoltados pela “invencível armada” espanhola.

O intuito era impedir a ação de piratas protegidos pelos interesses ingleses. Estas frotas atravessariam o Atlântico no mínimo duas vezes ao ano.

O início da exploração se deu através da distribuição de adelantados, cargos de nobreza que advinham da posse de terras a serem conquistadas em regiões fronteiriças pelo senhor-guerreiro.

Os poderes eram teoricamente ilimitados e a exploração econômica era por conta do senhor que pagava um quinto de imposto ao estado. Também era responsabilidade do adelantado a cristianização do índio.

Conforme se desenvolvia uma estrutura produtiva e consumidora na América espanhola, a corte teve que melhorar sua estrutura burocráticoadministrativa. Para tanto dividiu as suas posses americanas em Vice-reinos, que eram administrados pela Audiência, órgão deliberativo composto pela alta nobreza espanhola e presidida pelo vice-rei que, além de incentivar a colonização, era também responsável pela justiça e pela catequese.

Além dos Vice-reinos, a estrutura administrativa colonial ainda dividiu a América espanhola em cinco Capitanias Gerais, quais foram: Cuba, Venezuela, Guatemala (Nicarágua, Honduras e Costa Rica), Chile e Flórida. O poder local nos Vice-reinos e nas Capitanias Gerais era exercido pelos Cabildos, espécies de Câmaras Municipais que os portugueses introduziram no Brasil.

Os Cabildos possuíam uma certa autonomia política e econômica. Neles, os altos cargos ficavam por conta dos Chapetones – elite espanhola de nascimento (primogênito) que se dedicava exclusivamente à mineração e às atividades agro-pecuárias.

Os cargos mais baixos da administração eram preenchidos com membros da elite criolla – de origem espanhola, porém nascidos na América e que se dedicavam mais às atividades comerciais do que a mineração e a agro-pecuária.

A sociedade colonial da América espanhola, além das duas classes sociais acima citadas, possuía também as demais classes em ordem de importância social:

Mestiços – vaqueiros, artesãos, capatazes de minas e fazendas, vagabundos etc.
Índios – 
obrigados aos serviços pesados em minas e fazendas, trabalho este justificado pela maioria dos padres católicos (o serviço forçado ajudava a expiar a culpa dos nativos e os aproximava do perdão de suas almas) com exceção dos jesuítas brasileiros e paraguaios.
Negros – 
mão de obra utilizada em menor quantidade, principalmente após o declínio da mineração nas plantations, que se espalharam por entre as terras espanholas na América.

O trabalho utilizado nas regiões coloniais espanholas obedecia à seguinte divisão:

Mita: comum nas regiões dos países andinos e no México (com o nome de cuatéquil), era um serviço obrigatório, insalubre, temporário e gratuito (embora recebam um pouco de dinheiro para a compra de fumo e álcool), no qual o indígena era superexplorado até a morte, que não tardava a chegar.
Encomienda:
 comum na extração de metais e na agricultura nas haciendas (plantations para o mercado intercolonial e metropolitano ou subsistência do próprio mercado local); também era um trabalho, servil porém o fazendeiro ou minerador era obrigado a promover o processo de catequese, sendo também obrigado a pagar imposto pelo número de indígenas utilizados.
Escravo: 
no Caribe (Cuba e Porto Rico), nas plantations de produtos tropicais e nos serviços domésticos. No restante da América espanhola, em pequena escala. O tráfico negreiro era realizado por holandeses, ingleses, portugueses e italianos.

Uma das conseqüências mais importantes para a economia européia foi a entrada de ouro e prata em grandes quantidades na Espanha, espalhando-se por quase toda a Europa e desvalorizando as moedas dos outros países e produzindo uma elevação generalizada dos preços no século XVI e XVII em toda a Europa.

Este período inflacionário ficou conhecido como revolução dos preços.

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA ESPANHOLA

“Os movimentos de rebeldia do século XVIII não reivindicavam a ruptura com o sistema colonial. Foram mobilizações de protesto contra as autoridades da corte. Reivindicavam o afastamento de funcionários e a reparação de injustiças, principalmente no setor econômico. A manutenção deste espírito de rebelião atingiu seu ápice no século XIX, quando a elite criolla assume definitivamente as rédeas do processo de independência”.

Os Movimentos de Libertação Colonial

A elite criolla, proprietária de latifúndios, de minerações e detentora da atividade comercial, impossibilitada de desfrutar dos avanços do capitalismo industrial, foi diretamente influenciada pelas idéias iluministas e pelo liberalismo econômico propagados pelas lideranças criollas (que eram membros da maçonaria como Simon Bolívar, San Martin e Bernardo O’Higgins) puderam se espelhar nos movimentos da independência dos EUA e na própria Revolução Francesa, para detonarem as revoltas emancipacionistas.

Os interesses ingleses e norte-americanos estavam no fim do monopólio e no livre cambismo, fato que propiciou o total apoio destas duas potências industriais.

A consolidação do poder político na América Latina para os criollos estava diretamente ligada à autonomia política, sem a ruptura com a ordem vigente, mantendo-se os plantations.

A causa imediata da independência foi o aumento das medidas restritivas com a diminuição das liberdades conseguidas no campo político e econômico.

Esta reação colonizadora da Espanha se deve ao processo de decadência econômica da coroa espanhola.

Outro fato importantíssimo que auxilia nas independências da América espanhola foi, assim como na colônia portuguesa, a ocupação, por parte de Napoleão Bonaparte, da península Ibérica e a prisão dos reis da dinastia Bourbon. Não reconhecendo a intervenção francesa, os Vice-reinos organizam suas juntas governativas, embriões dos futuros governos independentes.

A difusão do sentimento nacional em diversos seguimentos sociais, de forma particularizada, demonstrava que cada elite regional via suas vantagens próprias no separatismo.

Esta visão regional iria dificultar bastante a unidade latino americana pósindependência. Os movimentos emancipacionistas tiveram um caráter urbano espalhando-se pelo interior.

Os Cabildos se transformaram em veículos de expressão das elites locais.

A elite criolla, vinculada ao capital externo, vai assumir a função de fornecedora de matérias-primas, alimentos e minérios, além de permanecer consumindo produtos industrializados. Percebemos, então, que a independência da América Ibérica significou a passagem do domínio externo da Espanha para a Inglaterra e, mais tarde, para os EUA.

Os generais dos exércitos das elites coloniais foram importantíssimos nas guerras de independência.

San Martin liderava o exército do sul, promovendo a libertação da Argentina, em 1816, e do Chile, em 1818. Simon Bolívar era responsável pelo exército do norte que libertou, por sua vez, a Colômbia (1819) e a Venezuela (1821). Já o Peru foi libertado em 1824 pelas forças de San Martin e Simon Bolívar, enquanto o Equador (1822) e a Bolívia (1825) foram libertados por Simon Bolívar e Sucre.

Fonte: www.thisischile.cl/www.ahistoria.com.br/www.shmoop.com/variasvariaveis.sites.uol.com.br/www.digitalhistory.uh.edu

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.