Breaking News
Home / História Geral / Colonialismo

Colonialismo

PUBLICIDADE

Colonialismo – O que é

Colonialismo é a prática de um grupo de pessoas ou governo de tomar uma terra para agricultura ou para explorar suas riquezas naturais ou aniquilar o povo que nesta terra vive ou escraviza-los, na Roma Antiga eles definiam colônias as áreas agrícolas fora do meio urbano.

Para os povos que são invadidos por outro, resta a aniquilação como ocorreu nas Américas ou a luta pela sua independência na chamada descolonização.

Os povos que habitavam a Grécia entre os séculos VIII a.C. a VI a.C. colonizaram o sul da Itália e a Sicília na chamada Magna Grécia, estas colônias não perdiam a relação com suas cidades-estado na Grécia.

Os fenícios também fundaram muitas colônias ao redor do mar Mediterrâneo já no primeiro milênio antes de Cristo, sendo Cartago no norte da África a mais rica e próspera.

Durante os séculos XV ao XVIII a Expansão Marítima Europeia levou ao colonialismo mercantilista sobre a América e feitorias na África, Ásia e Oceania, destacando como metrópoles colonizadoras Portugal, Espanha, França, Holanda e Inglaterra.

Colonialismo
Colonialismo

No século XIX e XX a disputa por matérias-primas e mercados consumidores entre as potências industriais da Europa, mais os Estados Unidos e o Japão fez surgir o Neocolonialismo, este inserido como resultado da Segunda Revolução Industrial, a África e a Ásia foram partilhadas por estas potências industriais. O resultado desta concorrência imperialista levou em 1914 a Primeira Guerra Mundial que levaria em 1939 a Segunda Guerra Mundial.

Colonialismo – História

história do colonialismo é uma história de subjugação brutal dos povos indígenas.

O colonialismo é definido como “controle por um poder sobre uma área ou pessoas dependentes”. Ocorre quando uma nação subjuga outra, conquistando sua população e explorando-a, muitas vezes enquanto impõe sua própria língua e valores culturais ao seu povo. Em 1914, a grande maioria das nações do mundo havia sido colonizada por europeus em algum momento.

O conceito de colonialismo está intimamente ligado ao de imperialismo, que é a política ou ethos de usar o poder e a influência para controlar outra nação ou povo que está por trás do colonialismo.

Cristóvão Colombo partiu da Espanha em 1492 em três pequenos navios: o Santa María, o Pinta e o Niña.
A frota desembarcou nas Bahamas e reivindicou-a para a Espanha, conforme ilustrado nesta pintura

Na Antiguidade, o colonialismo foi praticado por impérios como a Grécia Antiga, a Roma Antiga, o Egito Antigo e a Fenícia. Todas essas civilizações estenderam suas fronteiras para áreas circunvizinhas e não contíguas a partir de cerca de 1550 a.C. em diante, e estabeleceram colônias que utilizaram os recursos físicos e populacionais das pessoas que conquistaram para aumentar seu próprio poder.

colonialismo moderno começou durante o que também é conhecido como a Era dos Descobrimentos. A partir do século XV, Portugal começou a procurar novas rotas comerciais e a procurar civilizações fora da Europa. Em 1415, os exploradores portugueses conquistaram Ceuta, uma cidade costeira no Norte da África, dando início a um império que duraria até 1999.

Logo os portugueses conquistaram e povoaram ilhas como Madeira e Cabo Verde, e sua nação rival, a Espanha, decidiu tentar a exploração também.

Em 1492, Cristóvão Colombo começou a procurar uma rota ocidental para a Índia e a China. Em vez disso, ele desembarcou nas Bahamas, dando início ao Império Espanhol.

Espanha e Portugal travaram competição por novos territórios e conquistaram terras indígenas nas Américas, Índia, África e Ásia.

Inglaterra, Holanda, França e Alemanha rapidamente começaram seu próprio império construindo no exterior, lutando contra Espanha e Portugal pelo direito às terras que já haviam conquistado.

Apesar do crescimento das colônias europeias no Novo Mundo, a maioria dos países conseguiu conquistar a independência durante os séculos 18 e 19, começando com a Revolução Americana em 1776 e a Revolução Haitiana em 1781. No entanto, o hemisfério oriental continuou a tentar as potências coloniais europeias.

A partir da década de 1880, as nações europeias se concentraram em conquistar terras africanas, competindo umas com as outras pelos cobiçados recursos naturais e estabelecendo colônias que manteriam até o início de um período internacional de descolonização por volta de 1914, desafiando os impérios coloniais europeus até 1975.

Colonialismo – Benefícios e danos

Os governos coloniais investiram em infraestrutura e comércio e disseminaram conhecimento médico e tecnológico. Em alguns casos, eles encorajaram a alfabetização, a adoção de padrões ocidentais de direitos humanos e plantaram as sementes para instituições democráticas e sistemas de governo. Algumas ex-colônias, como Gana, experimentaram um aumento na nutrição e saúde com o domínio colonial, e a colonização europeia foi associada a alguns ganhos de desenvolvimento.

No entanto, a coerção e a assimilação forçada muitas vezes acompanharam esses ganhos, e os estudiosos ainda debatem os muitos legados do colonialismo. Os impactos do colonialismo incluem degradação ambiental, disseminação de doenças, instabilidade econômica, rivalidades étnicas e violações dos direitos humanos – questões que podem durar muito mais que o domínio colonial de um grupo.

Colonialismo – Definição

O colonialismo não é um fenômeno moderno.

A história mundial está repleta de exemplos de uma sociedade que se expande gradualmente ao incorporar um território adjacente e estabelecer seu povo em um território recém-conquistado.

Os antigos gregos estabeleceram colônias, assim como os romanos, os mouros e os otomanos, para citar apenas alguns dos exemplos mais famosos. O colonialismo, então, não se restringe a uma época ou lugar específicos. No entanto, no século XVI, o colonialismo mudou decisivamente devido ao desenvolvimento tecnológico da navegação que passou a conectar partes mais remotas do mundo.

Os velozes barcos à vela permitiam chegar a portos distantes e manter laços estreitos entre o centro e as colônias. Assim, o projeto colonial europeu moderno surgiu quando se tornou possível mover um grande número de pessoas através do oceano e manter a soberania política apesar da dispersão geográfica.

Esta entrada usa o termo colonialismo para descrever o processo de colonização europeia e controle político sobre o resto do mundo, incluindo as Américas, Austrália e partes da África e da Ásia.

A dificuldade de definir colonialismo decorre do fato de que o termo é frequentemente usado como sinônimo de imperialismo.

Tanto o colonialismo quanto o imperialismo eram formas de conquista que deveriam beneficiar a Europa econômica e estrategicamente.

O termo colonialismo é freqüentemente usado para descrever a colonização da América do Norte, Austrália, Nova Zelândia, Argélia e Brasil, lugares que eram controlados por uma grande população de residentes europeus permanentes.

O termo imperialismo freqüentemente descreve casos em que um governo estrangeiro administra um território sem assentamento significativo; exemplos típicos incluem a corrida pela África no final do século XIX e a dominação americana nas Filipinas e em Porto Rico. A distinção entre os dois, no entanto, não é totalmente consistente na literatura.

Alguns estudiosos distinguem entre colônias para assentamento e colônias para exploração econômica.

Outros usam o termo colonialismo para descrever dependências que são governadas diretamente por uma nação estrangeira e contrastam isso com o imperialismo, que envolve formas indiretas de dominação.

A confusão sobre o significado do termo imperialismo reflete a maneira como o conceito mudou ao longo do tempo. Embora a palavra inglesa imperialismo não fosse comumente usada antes do século XIX, os elisabetanos já descreviam o Reino Unido como “o Império Britânico”. À medida que a Grã-Bretanha começou a adquirir dependências no exterior, o conceito de império foi empregado com mais frequência.

imperialismo era entendido como um sistema de dominação militar e soberania sobre territórios.

O trabalho diário do governo pode ser exercido indiretamente por meio de assembleias locais ou governantes indígenas que pagam tributos, mas a soberania fica com os britânicos.

O afastamento dessa compreensão tradicional do império foi influenciado pela análise leninista do imperialismo como um sistema orientado para a exploração econômica. Segundo Lenin, o imperialismo era o resultado necessário e inevitável da lógica de acumulação do capitalismo tardio. Assim, para Lenin e os marxistas subsequentes, o imperialismo descreveu um estágio histórico do capitalismo em vez de uma prática trans-histórica de dominação política e militar. O impacto duradouro da abordagem marxista é aparente nos debates contemporâneos sobre o imperialismo americano, um termo que geralmente significa hegemonia econômica americana, independentemente de tal poder ser exercido direta ou indiretamente.

Dada a dificuldade de distinguir consistentemente entre os dois termos, este verbete usará o colonialismo como um conceito amplo que se refere ao projeto de dominação política europeia dos séculos XVI ao XX, que culminou com os movimentos de libertação nacional dos anos 1960.

O pós-colonialismo será usado para descrever as lutas políticas e teóricas das sociedades que vivenciaram a transição da dependência política para a soberania.

Esta entrada usará imperialismo como um termo amplo que se refere à dominação econômica, militar e política que é alcançada sem um assentamento europeu permanente significativo.

Colonialismo – Resumo

colonialismo é uma prática de dominação, que envolve a subjugação de um povo a outro.

Uma das dificuldades em definir o colonialismo é que é difícil distingui-lo do imperialismo. Freqüentemente, os dois conceitos são tratados como sinônimos.

Como o colonialismo, o imperialismo também envolve controle político e econômico sobre um território dependente. A etimologia dos dois termos, entretanto, fornece algumas pistas sobre como eles diferem.

O termo colônia vem da palavra latina colonus, que significa agricultor.

Essa raiz nos lembra que a prática do colonialismo geralmente envolvia a transferência da população para um novo território, onde os recém-chegados viviam como colonos permanentes, mantendo a fidelidade política ao seu país de origem.

Imperialismo, por outro lado, vem do termo latino imperium, que significa comandar. Assim, o termo imperialismo chama a atenção para a forma como um país exerce poder sobre outro, seja por meio de assentamentos, soberania ou mecanismos indiretos de controle.

A legitimidade do colonialismo tem sido uma preocupação de longa data para os filósofos políticos e morais na tradição ocidental. Pelo menos desde as Cruzadas e a conquista das Américas, os teóricos políticos têm lutado com a dificuldade de reconciliar idéias sobre justiça e direito natural com a prática da soberania europeia sobre povos não ocidentais. No século XIX, a tensão entre o pensamento liberal e a prática colonial tornou-se particularmente aguda, quando o domínio da Europa sobre o resto do mundo atingiu o seu apogeu. Ironicamente, no mesmo período em que a maioria dos filósofos políticos começou a defender os princípios do universalismo e da igualdade, os mesmos indivíduos ainda defendiam a legitimidade do colonialismo e do imperialismo.

Uma forma de reconciliar esses princípios aparentemente opostos era o argumento conhecido como “missão civilizadora”, que sugeria que um período temporário de dependência política ou tutela era necessário para que sociedades “incivilizadas” avançassem até o ponto em que fossem capazes de sustentar instituições liberais e autogoverno.

O objetivo desta entrada é analisar a relação entre a teoria política ocidental e o projeto do colonialismo. Depois de fornecer uma discussão mais completa do conceito de colonialismo, esta entrada irá explicar como os pensadores europeus justificaram, legitimaram e desafiaram a dominação política. A terceira seção enfoca o liberalismo e a quarta seção discute brevemente a tradição marxista, incluindo a própria defesa de Marx do colonialismo britânico na Índia e os escritos anti-imperialistas de Lenin. A quinta seção fornece uma introdução à “teoria pós-colonial” contemporânea.

Essa abordagem tem sido particularmente influente nos estudos literários porque chama a atenção para as diversas maneiras como as subjetividades pós-coloniais são constituídas e resistidas por meio de práticas discursivas. A seção final irá apresentar uma crítica indígena do colonialismo colonizador que emerge tanto como uma resposta às práticas coloniais de dominação e expropriação de terras, costumes e história tradicional quanto às teorias pós-coloniais do universalismo. O objetivo da entrada é fornecer uma visão geral da vasta e complexa literatura que explora as questões teóricas emergentes da experiência da colonização europeia.

Fonte: Frederico Czar (Professor de História)

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.