Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Babilônia

Babilônia

PUBLICIDADE

 

De muitas maneiras, a Bíblia é “um conto de duas cidades”.

Duas grandes cidades dominaram o teatro da revelação bíblica, Jerusalém e Babilônia. Ambas as cidades um lugar de destaque nos eventos do final dos tempos.

Sua história é maravilhosamente entrelaçada nas Escrituras. A ascensão de um inevitavelmente significou o declínio e queda do outro.

Hoje a Babilônia é um pequeno povoado no Iraque. Tem sido mais notável nos últimos tempos como a sede de um dos palácios extravagantes de Saddam Hussein.

As Escrituras têm muito a dizer sobre esta cidade e compreensão do propósito de Deus para a Babilônia é fundamental para compreender o seu propósito para estes últimos dias. Não é um exagero do caso de insistir em que o povo de Deus a viver como deveriam nessa idade, e ter uma visão correta do retorno de Cristo, eles devem ter uma visão correta do que Deus revela sobre Babilônia e Babilonianismo.

Origens enraizada na Religião

A origem da cidade de Babilônia é revelado em Gênesis 10: 8-10.

Inicialmente foi a sede do poder para Nimrod, o bisneto de Noah. Ele é conhecido na Bíblia como um saqueador, rebelde sanguinário contra Deus ea ordem divina.

As palavras de Gênesis 10: 9, pelo que se diz … indicam que a oposição de Nimrod de Deus tornou-se proverbial.

Babilônia
Torre de Babel

O princípio do seu reino foi Babel. Assumindo Nimrod ter nascido ao mesmo tempo que seu primo Salah (Gn 11:12), ele teria nascido apenas cerca de 38 anos depois do dilúvio.

Babilônia
Torre de Babel

Babel é logo revelado como um centro de adoração falsa-em essência, Antichristianity. Gênesis 11: 1-9 registra a finalidade de homens para construir a torre de Babel como um santuário idólatra. Deus entra em cena para confundir a linguagem da humanidade e assim suspender essa tentativa concertada para derrubar a ordem de Deus na adoração, e apostasia recebe um grande retrocesso.

No entanto, até ao fim da época a genealogia de todas as formas de religião falsa pode ser rastreada para a Babilônia!

Essa cidade é a mãe das prostituições e abominações da terra!

Apocalipse 17: 5. Babilônia gerou toda forma de erro espiritual conhecido pelo homem e todas estas falsidades voltará convergem e amalgamar na final da manifestação, único de Babilonianismo-visto em Apocalipse 17 como a grande prostituta.

A era dourada da Babilônia

A Babilônia desaparece da cena bíblica quase inteiramente até os dias de Nabucodonosor 1700 anos posteriores. A terra de Sinar, aparece em Gênesis 14: 1, como sendo o reino de um dos reis que invadiram Canaã, nos dias de Abraão e subjugou as cidades da planície, uma das quais era Sodoma.

Há referência comovente à sua influência contaminando em Josué 07:21. Claramente, as tribos de Canaã tinha sido afetada por modas da Babilônia e como Achan rendeu ao seu apelo e tomou a capa babilônica, ele agarrou o que foi maldito de Deus e trouxe a censura de Deus sobre toda a nação de Israel.

Quando os caldeus assumiu o status de superpotência dos assírios e tornou-se a cabeça de ouro (Daniel 2:38) Babilônia, já tendo sido objeto de contínua power-lutas no Oriente Médio, se tornou a sede desse poder e formou o centro da nova e maior império que o mundo já viu.

A história secular nos informa sobre os esplendores que a Babilônia realizadas durante este período caldeu de sua história.

Tornou-se a sede de riqueza fabulosa e poder que ostenta uma das maravilhas do mundo antigo: os jardins suspensos.

Babilônia e Jerusalém são os primeiros colocados em contacto direto durante o reinado de Ezequias, II Reis 20:12.

Neste ponto, é um subserviente crescente poder da Assíria, mas está prestes a desafiar os assírios pela supremacia.

Os diplomatas babilônicos cortejada Ezequias por causa de sua recente derrota do exército assírio e talvez a partir de uma curiosidade astronômica para o milagre do sol vai voltar dez graus (2 Reis 20: 9-10). Com a sucessão de Nabucodonosor ao trono da Babilônia e sua meteórica ascensão ao status de superpotência, Babilônia e Jerusalém em breve entrar em maior contato e conflito. Esse contato leva ao aumento da subjugação de captive-o Judá reino do norte de Samaria tinha sido levado pelos assírios e os presos foram “herdados” por Nabucodonosor, quando ele derrotou os assírios. Contato da Babilônia com Judá culmina no cativeiro faseada (Jeremias 52: 28-30) de muitos judeus que passou um total de 70 anos em cativeiro e saque de Jerusalém.

Glória de curta duração

A queda da Babilônia, a partir deste pináculo da glória foi predito pelo profeta Jeremias (25:12), falando mesmo antes de ter realizado toda a sua glória.

Tanto Jeremias e Isaías abordar com alguma profundidade a questão da queda de Babilônia. Veja Isaías 13 e 14, Jeremias 51 e 52 Assim como antes em Babel, Deus interveio e podadas o crescimento da influência da cidade sobre o mundo.

No entanto, um estudo cuidadoso dessas previsões revelará que a queda de Babilônia na mão dos medos e persas, sob o comando de Ciro (Daniel 5:31) não cumprem totalmente as previsões feitas pelos profetas e torna-se claro que não é, obviamente, um cumprimento dessas profecias que é o futuro e, portanto, supõe uma ascensão para a proeminência e glória novamente para Babilônia.

Fonte: www.standstillawhile.net

Babilônia

Origens da Babilônia

Gênesis 10:10 – E o início de seu reino foi Babel …

A Torre de Babel – o início deste Sistema

A história da Babilônia é monumental e de grande significado histórico, mas, considerando-se as circunstâncias do mundo de hoje, foi rebaixado para, provavelmente, um dos eventos mais obscuras e insignificantes em nossa história.

Esta história muito importante raramente é mencionado em textos de história moderna, quase intencionalmente esquecido.

Quando ouvimos o nome de Nimrod, tendemos a pensar de uma pessoa desastrada de pouca inteligência. Na realidade, o Nimrod de idade foi um poderoso líder, o fundador do primeiro grande império da civilização pós-dilúvio – o reino de Babilônia.

O dilúvio de Noé devastou o mundo Noé viveu. Depois da águas baixaram e Noé e sua família deixaram a arca, Deus ordenou a sobreviventes para “espalhar-se, e enchei a terra” (Gênesis 9: 7 KJV).

Infelizmente, as pessoas da época optou por não obedecer a Deus. Quase dois cem anos além do dilúvio, os descendentes de Noé começou a multiplicam-se, em grande número. Parentes próximos de Noé se tornaram os patriarcas um número de famílias que se uniram em nações. Isso iria definir o palco para o Império Babilônico e babilônico Religião.

O neto de Noé Cush era um desses antigos patriarcas, aquele que se tornou o líder de muitos. Ele não seguir o mandamento de Deus para “preencher o terra “, mas fez muito pelo contrário -. ele trouxe o povo Ele começaram a unir todos em uma só nação, começando assim a unificação movimento centrado na Torre de Babel.

A Bíblia dá-se pouca informação sobre Cush, Nimrod e da Torre si. Lemos em Gênesis 10: 8 que Cush era o pai de Nimrod – período. Embora a Bíblia não nos dá muito mais, aprendemos com outros textos antigos que Cush e Nimrod ambos se tornaram lendários em todo o mundo secular / Gentile.

A Bíblia, no entanto, dizer-nos sobre o início da apostasia no Torre de Babel – uma grande rebelião contra Deus e os Seus mandamentos:

E era toda a terra de uma mesma língua e de uma mesma fala … encontraram um vale na terra de Sinar, e habitaram ali …. E eles disseram: Vá para, vamos construir para nós uma cidade e uma torre cujo cume toque nos céus; e façamo-nos um nome; para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra …

Gênesis 11: 1-4 (KJV)

Como vamos descobrir no Giants das Escrituras , as pessoas da era pós-enchentes começou a perseguir o que seus antepassados desejado antes do dilúvio – qualquer forma de “Fazer um nome para si mesmo!” Depois do dilúvio, mais uma vez, eles intencionalmente desobedeceu as maneiras que Deus queria que eles vivessem. Por quê? Por que eles se tornam tão rebelde tão rapidamente? Um dos motivos foi que muitos pessoas ainda lembrou as histórias de como seus ancestrais se rebelaram contra Deus antes do dilúvio, e pensei muito de seus esforços. Muitas dessas pessoas se preocupava mais com os seus antepassados do que eles fizeram sobre Deus. Eles também parecia estar mais preocupado para o seu próprio animada capuz.

Os líderes desse movimento queria ter certeza de que, se Deus jamais iria tornar-se zangado com eles, Ele nunca seria capaz de arrebatá-los por um ! dilúvio.

Esta foi uma das principais razões para a construção desta torre – rebelião pura. De acordo com uma variedade de textos antigos, o povo de Babel, sob a autoridade de Cush, estavam tentando construir uma estrutura tão alto que seria não precisa se preocupar com qualquer julgamento que Deus tinha reservado para eles.

Eles queriam ser capaz de subir ao céu, marcha-se a Deus, e destruí-lo com suas próprias espadas.

O seu poder, pelo menos, na sua mente, estava em sua própria unidade. Seu desejo era tão forte que nada, pelo menos em suas mentes, ia parar a sua vontade de “liberdade”. É por isso difícil entender por que essas pessoas iriam desviar de Deus justo maneiras tão rapidamente, mas o mais entendemos como eles viviam mais ele pode começar a fazer sentido.

Como sempre, Deus tinha um plano perfeito para frustrar seus caminhos rebeldes:

E o Senhor desceu para ver a cidade ea torre que os filhos dos homens edificavam. E disse o Senhor: Eis que o povo é um, e todos eles têm uma mesma língua; e isso eles começaram a fazer: e agora não haverá restrição para tudo o que eles haviam imaginado fazer. Vá para, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não pode entenda um a língua do outro. Assim o Senhor os espalhou dali sobre a face de toda a terra, e cessaram de edificar a cidade. Portanto, o nome dele foi chamado Babel; porque o SENHOR fez ali confundiu a linguagem de toda a terra, e dali fez o Senhor espalhá-los no exterior sobre a face de toda a terra.

Gênesis 11: 5-9 (KJV)

Isto é, tanto quanto a Bíblia vai para ele, mas o que aconteceu em torno deste tempo que preparou o terreno para a criação de um dos mais influentes estabelecimentos de poder e controle na história.

Depois que Deus confundiu as línguas destes povos, ninguém podia compreender mais ninguém ao seu redor. A construção chegou a uma moagem impasse.

Cush, seu ex-líder, foi forçado a desistir de sua construção torre projeto. Ele abaixou a cabeça em desgraça. Os grupos de famílias / nações uma vez unidos neste projeto agora começou a se dispersar no exterior, de acordo com sua próprias línguas – assim como Deus pretendia. Mesmo que eles tinham separadas, as pessoas ainda queriam manter seus modos rebeldes.

Como alguns desses estados estabelecidos formar em impérios, as pessoas continuou as influências e conhecimentos adquiridos a partir de Cush e Nimrod em suas próprias formas de vida!

Embora a maioria das pessoas deu-se na Torre de Babel projeto, alguns continuou com outra empreitada: a conclusão de uma cidade no local. Não já fez eles se concentram sobre a Torre de Babel.

A cidade “sairam fora para construir “(em Gênesis 11: 8) teve um novo nome: a Babilônia.

A palavra Babilônia significa simplesmente confusão: a confusão que resultou de Deus mudar os idiomas das pessoas que lá viviam. Mesmo embora Cush foi desonrado, ele acabou sendo olhado com alta estima, por seus descendentes, por causa de sua posição outrora poderoso.

De Cush filho Nimrod, no entanto, assumiu as rédeas depois de seu pai queda. Nimrod continuou com a construção de Babilônia, e seria em breve trazer de volta a dignidade eo respeito que ele pensou que seu pai era devido.

Ele também levou a rebelião de Cush um passo adiante.

Somente a Bíblia menciona-o em um par de versos:

“E Cuxe gerou a Ninrode, que começou a ser poderoso na terra Ele. era um poderoso caçador diante do Senhor … E o início de sua reino foi Babel, e Erech, e Acade, e Calné, na terra de Sinar “.

Gênesis 10: 8-10 (KJV) (também Miquéias 5: 1)

Nimrod foi o primeiro “Poderoso” do mundo pós-dilúvio. Também conhecido como O Dominador dos leopardos, ele ganhou fama através da conquista de grandes, animais selvagens.

Ele era muito forte: um gigante em nome e estatura. Eventualmente, depois de conquistar todos os animais perigosos na área, ele virou sua mira para as pessoas ao seu redor.

Ele finalmente começou o primeiro império do mundo pós-dilúvio – a Assíria / Império Babilônico. Nimrod trouxe o esplendor original do projeto de construção da torre de seu próprio império. Em última análise, ele trouxe-o em um religião deste mesmo fundamento. A partir daí, seu controle e manipulação das pessoas estavam prestes a tomar posse -. em grande escala.

Cush e Nimrod eram conhecidos por sua “canalização” – comunicação com os do mundo espiritual. Estes foram realidade os espíritos dos mortos de sua antepassados antediluvianos. Apartir deles, os dois adquiriram uma grande quantidade de conhecimento oculto, permitindo-lhes a capacidade de realizar grandes feitos de construção, tais como a construção da Torre. Assim como seus ancestrais antes do dilúvio, Nimrod e Cush “fez um nome para si” depois. Em verdade, seus descendentes admirava tanto que começou a reverenciar-los como “deuses”.

Os nomes Cush e Nimrod tornou-se incorporado as culturas e mitologias de muitos impérios desde a torre. Por exemplo, Cush também ficou conhecido como os deuses Thoth, Hermes e Mercúrio; Nimrod como Júpiter, Osíris, e Marte.

A Bíblia mesmo referencia-los como deuses Baal e Merodach (Juízes 6: 25-8, Jeremias 50: 2). Em consequência, o pensei de haver um só Deus – um e somente um – estava prestes a ser desafiado.

Mais uma vez, Deus tinha um plano para o Upstart suas crenças apóstatas.

Fonte: mystery-babylon.org

Babilônia

Babilônia (em babilônio: Bab-ilu, “porta de Deus” persa antigo, abirush), antigo reino da Mesopotâmia, conhecido originalmente como Sumer e depois como Sumer e Acad, entre os rios Tigre e Eufrates, ao sul da atual Bagdá, Iraque.

A civilização babilônica, que existiu do século XVIII ao VI a.C., era, como a Suméria que a precedeu, de caráter urbano, embora baseada mais na agricultura do que na indústria. O país compunha-se de 12 cidades, rodeadas de povoados e aldeias. No alto da estrutura política estava o rei, monarca absoluto que exercia o poder Legislativo, Judicial e Executivo. Abaixo dele havia um grupo de governadores e administradores selecionados.

Os prefeitos e conselhos de anciãos da cidade eram encarregados da administração local. Os babilônios modificaram e transformaram sua herança suméria para adequá-la a sua própria cultura e maneira de ser e influenciaram os países vizinhos, especialmente o reino da Assíria, que adotou praticamente por completo a cultura babilônica. Mais de 1.200 anos se passaram desde o glorioso reinado de Hamurabi até a conquista da Babilônia pelos Persas. Durante esse longo período, a Estrutura Social e a Organização Econômica, a Arte e a Arquitetura, a Ciência e a Literatura, o Sistema Judicial e as Crenças Religiosas babilônicas, sofreram considerável mudança.

Baseados na cultura do Sumer, os feitos culturais da Babilônia deixaram uma profunda impressão no mundo antigo e particularmente nos Hebreus e Gregos.

A influência babilônica é evidente nas obras de poetas gregos como Homero e Hesíodo, na Geometria do matemático grego Euclides, na Astronomia, Astrologia, Heráldica e na Bíblia. Babilônia se rendeu a Alexandre o Grande em 331 a.C., que depois de reconstruir alguns de seus monumentos, morreu no palácio de Nabucodonosor, quando voltava da Índia em 323 a.C.

O Sátrapa persa Mazaios foi designado o governador da Babilônia pelo conquistador macedônio e foi inaugurada uma distinta série de moedas, os Tetradrachmas de Attica que continuou sendo emitidos até a metade do próximo século. Uma série contemporânea, baseada nas “Corujas” atenienses e nos velhos tipos de “Aquemênida”, dinastia persa, também foram produzidos. Babilônia foi eclipsada em última instância por Selêucia no Tigre, fundada em 312 a.C. pelo primeiro dos monarcas dos Selêucidas, e durante o período Helenístico declinou gradualmente.

Babilônia

Didrachma prateado (23,0 mm/8,60 gr) , cunhado em 331/328 a.C. na Babilônia, sob o domínio de Alexandre o Grande, tendo como governador o sátrapa persa Mazaios.

Anverso: Deus Baal sentado no trono, à esquerda, segurando um cetro vertical com a mão direita.

Inscrição: BALL TARZ (em aramaico).

Reverso: Leão sagrado da Babilônia andando, à esquerda.

Inscrição: MAZDAI (em aramaico).

Fonte: www.nomismatike.hpg.ig.com.br

Babilônia

História

Babilônia se refere à capital da antiga Suméria e Acad, na Mesopotâmia.

No moderno Iraque, localiza-se a aproximadamente 80 km ao Sul de Bagdád. O nome vem do grego Babel, que significa “confusão”. Essa palavra semítica é uma tradução do sumério Kadmirra.

Foi provavelmente fundada por volta de 3800 a.C. Teve um papel significativo na história da Mesopotâmia. Iniciou sua era de império sob o amorita Hamurabi, por volta de 1730 a.C., e manteve-se assim por pouco mais de mil anos.

Os Arameus, assírios e os Caldeus lutaram durante séculos pelo controle da Babilônia. O rei assírio Assurbanipal venceu a luta em 648 a.C., e foi sucedido por Nabucodonosor II.

Liderados por Nabucodonosor (que também construiu os Jardins Suspensos da Babilônia, uma das sete maravilhas do mundo antigo), os babilônios destruíram Jerusalém em 587 A.C., levando os judeus ao exílio babilônico. O rei persa Ciro, o Grande, derrotou os babilônicos em 539 A.C., e libertou os judeus de seu exílio.

Na cultura hebraica, a Babilônia se tornou um inimigo arquétipo do povo de Deus. Várias referências à Babilônia ocorrem na Bíblia. No Novo Testamento, especialmente no livro Apocalipse, referências à Babilônia são comumente interpretadas por algumas religiões cristas como referências a Roma, como metáfora do poder do Império Romano. Outras denominações cristãs, fazem outras leituras.

‘A grande torre dos homens’ (retirado do livro “Meu livro de histórias biblicas”

Todos, naquele tempo, falavam apenas uma língua. Ninrode quis que todos ficassem juntos, para que pudesse governá-los. Ele mandou que construíssem uma cidade, com uma grande torre. Jeová Deus não se agradou desta construção. Deus queria que as pessoas se espalhassem e vivessem em toda a Terra.

Mas eles disseram: Vamos! Façamos uma cidade e uma torre tão alta, que tocará nos céus. Assim ficaremos famosos!” Por isso, Deus impediu que construíssem a torre.

Ele fez com que todos, de repente, falassem línguas diferentes, e não apenas uma. Os construtores não se entendiam mais. Por isso, o nome da cidade ficou sendo Babel, ou Babilônia, que significa “Confusão”. Aquele povo começou então a afastar-se de Babel. Grupos de pessoas que falavam a mesma língua passaram a viver juntos em outras partes da Terra.

Babilônia – A capital da Mesopotâmia

A capital da Mesopotâmia foi famosa por seu poderio e esplendor cultural e por seus belos edifícios e construções monumentais, entre elas os jardins suspensos, uma das sete maravilhas do mundo antigo. Fundada pelos acadianos (ou acádios) fora da zona de poderio sumério, a Babilônia ficava às margens do Eufrates, ao sul da futura Bagdá. Na origem, foi uma colônia comercial dentro do âmbito econômico sumério; mas, graças ao intenso tráfico mercantil e a sua estratégica posição geográfica, transformou-se, depois da queda da Suméria, em cidade independente e próspera, capaz de impor seu poder sobre o resto da Mesopotâmia, antes da era cristã. No começo do segundo milênio a.C., vários povos de origem semita, procedentes do oeste, estabeleceram-se na Babilônia. Um desses povos foi o amorreu (ou amorrita, amorreano), que levou a Babilônia a seu máximo poder imperial, comparável apenas ao que conseguiu posteriormente com os caldeus.

O nome Babilônia parece proceder do acádico Bab-ilu, que significa “porta de Deus”. A cidade sagrada, descrita pelo historiador grego Heródoto no século V a.C., foi descoberta por arqueólogos alemães no fim do século XIX da era cristã. Espalhava-se em torno do Eufrates e era protegida por altas muralhas, nas quais se abriam diversas portas de acesso. Dessas portas só se conservaram sete, entre as quais se destaca a de Ishtar.

A cidade possuía numerosos palácios e templos, construídos sobre terraços de terra batida ou de adobe. Os palácios eram grandes edifícios com muitos aposentos, dispostos em torno de um pátio central e adornados com jardins, entre os quais se destacavam os chamados jardins suspensos, construídos em terraços sobre salas com tetos de pedra.

Em meio aos edifícios dessa monumental cidade, os de caráter religioso sobressaíam pela imponência e elevado número. O principal era o grande templo dedicado a Marduk, Esagila (“casa de teto alto”), decorado com ouro e pedras preciosas. Ao norte desse ficava o Etemenanki (“templo dos alicerces do céu e da terra”), templo escalonado que possivelmente seria a torre de Babel citada na Bíblia.

Dinastia amorrita

O fundador da dinastia real amorrita foi Sumu-abum, que governou de 1894 a 1881 a.C. Seus sucessores ampliaram os domínios da Babilônia mediante uma política de pactos e alianças com as cidades mais poderosas e ricas do território.

Na primeira metade do século XVIII a.C., Hamurabi empreendeu a conquista da Mesopotâmia e criou o primeiro império babilônico. O caráter desse rei, conforme documentos que chegaram até nós, mostra traços de um homem astuto, prudente, diplomático, alheio a impulsos passionais e, fundamentalmente, grande conhecedor de sua época. Político hábil, Hamurabi conseguiu consolidar seu estado, alternando conquistas militares com reformas legislativas internas.

Quando Hamurabi subiu ao trono, o reino babilônico limitava-se a noroeste com a Assíria, ao norte com a região de Eshnuna e a leste e sudeste com os domínios de Larsa. O monarca tornou a Babilônia potência hegemônica da Mesopotâmia. Aproveitando a morte de seu inimigo assírio Shamsi Adad I, enfrentou e venceu o rei de Larsa, Rim-Sin, arrebatando seus domínios. Depois combateu encarniçadamente e derrotou uma coalizão de povos e cidades (elamitas, assírios, gutis). Dessa forma a Mesopotâmia tornou-se submissa ao poder babilônico e Hamurabi reuniu sob sua autoridade toda a região compreendida entre o golfo Pérsico e o rio Habur. Estadista inteligente e civilizado, não se impôs de modo arbitrário ou violento, conservando os monarcas derrotados, na qualidade de vassalos, em seus respectivos tronos.

Hamurabi foi o primeiro legislador conhecido da história. Deu impulso à organização judicial e ao trabalho legislativo. O famoso Código de Hamurabi, baseado na lei de talião, indica a preocupação do monarca em estender o direito sumério a todos os povos que habitavam os territórios do império.

Com a morte de Hamurabi, a unidade mesopotâmica desapareceu. Seu filho Samsu-iluna combateu as sublevações de Elam, Suméria e Assur e enfrentou as invasões de povos como os hurrianos e os cassitas. Estes últimos, repelidos depois de uma primeira tentativa de colonização, penetraram depois lentamente em território babilônico.

Apesar dos denodados esforços de Samsu-iluna para manter o império do pai, a unidade política se desintegrou. Alguns de seus descendentes, como Ammiditana e Amisaduqa, conseguiram esporádicas vitórias sobre as cidades rivais, mas com Samsuditana o poderio babilônico decaiu por completo. Apesar disso, a cidade continuou sendo um centro cultural, artístico e comercial de primeira ordem, para onde acorriam viajantes e peregrinos de todo o Oriente Médio.

Em 1595, o rei hitita Mursilis I atacou a Babilônia. A cidade foi arrasada e incendiada e seu rei, o último da dinastia amorrita, morreu na luta.

Dinastia cassita

No início do século XVI a.C., os cassitas, procedentes dos montes Zagros, ocuparam a Babilônia e introduziram o cavalo e o carro como armas de guerra. Não conheciam a escrita mas aceitaram e assimilaram a superior cultura babilônica. Agum II soergueu o estado. Conquistou Eshnuna, dominou Assur, submeteu os gutis e estendeu seu poder do Eufrates à cordilheira dos Zagros. Seus descendentes consolidaram o reino no terreno econômico, graças ao comércio, embora no aspecto político a Babilônia se tenha conservado apenas como mais um estado dentro do universo mesopotâmico.

A partir da segunda metade do século XIV a.C., os assírios começaram a intervir na política interna da Babilônia, atraídos por sua prosperidade. Depois do reinado de Burnaburiash II, que conseguiu manter a estabilidade política na cidade, as relações com a Assíria começaram a deteriorar-se. O rei assírio Salmanasar I iniciou uma política expansionista e, ao norte da Babilônia, os hititas também pretenderam imiscuir-se nos assuntos internos do império. Sob o reinado de Kashtiliash, a paz, que já durava três séculos, foi interrompida pela invasão de Tukulti Ninurta I, em 1234 a.C., que arrasou a próspera cidade, destruiu seus templos e palácios e prendeu seu rei.

Crises no império assírio (assassinato de Tukulti Ninurta I), e no reino hitita (agressões externas) deram ao rei babilônico Adad-shun-natsir a oportunidade para reconstruir seu maltratado império e submeter o estado assírio. Depois de um período de paz, em que Meli-Shipak devolveu a prosperidade à Babilônia, os elamitas invadiram e saquearam a cidade, em 1153 a.C, levando para Susa a famosa pedra do Código de Hamurabi.

O novo império babilônico

O fim do período cassita anunciou uma época obscura para a Babilônia, dominada sucessivamente por elamitas e assírios até o século VII a.C., quando os caldeus ascenderam ao poder. O fundador da dinastia caldéia foi Nabopolassar (reinou de 626 a 605), que, inspirado pelos deuses locais, Marduk e Nabu, empreendeu uma política expansionista orientada para a recuperação do antigo poderio da Babilônia. Nabopolassar, auxiliado pelo rei meda Ciaxares, moveu uma campanha contra Assur, que pretendia dominar o território mesopotâmico. Depois da vitória, os dois monarcas partilharam as terras conquistadas, e a Babilônia pôde reconstruir seu antigo império. Em seguida, Nabopolassar ordenou a conquista da Síria a seu filho Nabucodonosor, que, depois de cruzar rapidamente o Eufrates, destruiu Carchemish, conseguindo para a Babilônia a maior parte da Síria e da Palestina, anteriormente em poder dos egípcios.

Após a morte do pai (605 a.C.), Nabucodonosor II assumiu o trono. Durante seu reinado (604-562), empreendeu várias campanhas militares que lhe renderam avultados butins e glória pessoal. Uma sublevação do reino de Judá obrigou-o a manter uma guerra cruenta que durou de 598 a 587 a.C., ano em que destruiu Jerusalém e deportou milhares de judeus (o “cativeiro da Babilônia” mencionado no Antigo Testamento).

Nos anos seguintes, Nabucodonosor promoveu um intenso trabalho de reconstrução, reparando as cidades devastadas pela guerra. Com sua morte (562), sucederam-se as lutas internas pelo trono. Nabonido conseguiu o poder em 555 e governou até 539, mas, como não era de estirpe real, encontrou férrea oposição entre os sacerdotes de Marduk e alguns comerciantes ricos, que lideraram uma sublevação, com o apoio do rei persa Ciro II. Derrotado e prisioneiro dos persas, Nabonido foi, no entanto, tratado com moderação por Ciro, que lhe concedeu o cargo de governador de uma região da Pérsia.

Decadência

A queda da Babilônia em 539 a.C. e sua incorporação ao império persa acarretou o fim da Mesopotâmia como região histórica independente.

Sob o domínio dos persas aquemênidas, a cidade manteve seu esplendor. Em 522 a.C., Dario I sufocou uma revolta popular; mais tarde, Xerxes reprimiu outra insurreição e ordenou a destruição da estátua de Marduk, símbolo religioso da Babilônia. Alexandre o Grande a conquistou em 331 a.C. e, depois de reconstruir alguns de seus monumentos, morreu no palácio de Nabucodonosor, quando voltava da Índia. Durante a época selêucida, a cidade decaiu rapidamente, até desaparecer.

Cultura e sociedade

Os babilônios estenderam seus conhecimentos a todos os ramos do saber, mas se destacaram principalmente pelas grandes descobertas matemáticas e astronômicas. Também cultivaram as artes e as letras com singular mestria. A epopéia de Gilgamesh, obra-prima da literatura babilônica, é um poema cujas primeiras compilações remontam a 2500 a.C.; misto de epopéia e alegoria, seus personagens principais são Enkidu e Gilgamesh. O primeiro representa a passagem do estado natural ao civilizado, enquanto Gilgamesh simboliza o herói que busca a imortalidade. O dilúvio universal também aparece mencionado nesse poema, quando Gilgamesh encontra Utnapishtim, o Noé babilônico, que lhe descreve a técnica de fabricação da nave que, a conselho de Ea, construiu para salvar-se do cataclismo. Outro poema épico conhecido é o Enuma elish (Quando no alto…), que trata da origem do mundo.

A religião babilônica compreendia um grande número de deuses que, venerados nos templos, em muitos casos se assemelhavam aos homens. Para os babilônios, o homem foi criado por Marduk, a sua imagem, com barro e seu próprio sangue. O templo era a morada da divindade, enquanto o zigurate (torre) era o lugar destinado ao culto. Cada templo era administrado pelo sumo sacerdote, que, ajudado por sacerdotes menores, magos, adivinhos e cantores, devia prestar contas ao rei, representante do deus Marduk.

A sociedade babilônica tinha estrutura piramidal, com o rei, vicário (substituto) da divindade, no topo. O poder e as riquezas do soberano tornavam-no um homem respeitado e temido. Os funcionários reais, os sacerdotes e os grandes proprietários constituíam o suporte do monarca e formavam a categoria superior dos homens livres. Os escravos eram adquiridos por compra ou como resultado de butim de guerra. Numa terceira categoria social estavam os cidadãos humildes, cuja falta de recursos lhes impedia o acesso às categorias superiores, embora fossem livres.

O homem livre podia possuir bens, terras ou dedicar-se à indústria ou ao comércio. Sua condição lhe permitia pertencer ao conselho da cidade, embora pudesse cair na escravidão se não pagasse no prazo devido as dívidas contraídas.

A família era monogâmica e a instituição matrimonial se regia por um contrato, realizado pelo marido diante de testemunhas, no qual se estabeleciam os direitos e obrigações da esposa. O chefe de família exercia a autoridade e dispunha de total independência no manejo dos bens. Todas essas normas, contidas no código legislativo de Hamurabi, consolidaram a sociedade de forma estável e duradoura.

Com o fim da próspera civilização babilônica, a Mesopotâmia deixou de ser terra de grandes impérios e converteu-se em objeto de conquistas das novas potências do mundo antigo. Sua cultura exemplar e sua organização legal são comparáveis ao brilho mais tarde alcançado por Atenas e Roma.

Fonte: civilizacoes.ahistoria.com

Babilônia

Antiga Babilônia

“O Fato da multiplicidade de interpretações dos caracteres babilônicos e assírios não pode ser explicado por si mesmo.Tal sistema mostra os sinais de um desenvolvimento demorado.Podia somente tratar-se de um produto de segunda mão…” (C.W.Ceram) .

Afinal, como podemos realmente compreender a história da antiga Babilônia ? Qual a chave para essa compreensão ?

Ficamos maravilhados com a cultura, a tecnologia, os templos e palácios encontrados nessa civilização, sem no entanto entender como foi possível a construção de toda aquela estrutura há milhares de anos.

Na verdade, o grande problema que surge quando tentamos compreender a história dos povos antigos como a Babilônia, é a nossa superficialidade na pesquisa.

Como assim? O problema é que procuramos entender a civilização em questão sem nos aprofundarmos seriamente nas origens desse povo.

Nos sentimos, também, impossibilitados de prosseguir com esse maior aprofundamento. Os dados são escassos e no meio de tantas teses e suposições nos vemos como que paralisados diante de tantas perguntas que surgem em nossa mente. Parece-nos impossível decifrar os segredos e mistérios dessas civilizações.

Qual a origem da Babilônia?

Apesar de todos os obstáculos encontrados no estudo sobre a origem da antiga Babilônia , podemos destacar aqui algumas pesquisas e livros que podem nos ajudar a compreender o que realmente aconteceu há milhares de anos na região da Mesopotâmia.

Até o século XIX nada havia de materialmente certo a respeito do império babilônico. Depois de muito trabalho, correndo perigos e lutando com enormes dificuldades, exploradores franceses e ingleses se certificaram de que sob os montículos que existem naquela região jaziam sepultados restos da vida da antiguidade , por tanto tempo julgados perdidos.

Até aquele momento, o conhecimento sobre a Babilônia era baseado em notícias provenientes das lendas transmitidas de geração em geração, aos supostos feitos dos reis do país , estreitamente relacionados com a história dos judeus, e também aos escritos de autores gregos , tais como Heródoto, que visitaram a Ásia Ocidental em épocas diferentes.

Assim, com as sucessivas escavações e pesquisas , a história daquela civilização veio a ser melhor compreendida pela humanidade .

AS DESCOBERTAS

Com as intensas pesquisas feitas na região, foram descobertos vários vestígios e inscrições que levaram os pesquisadores a concluírem que uma cultura até mesmo mais antiga que a egípcia tinha se desenvolvido naquela parte da Terra.

Foi a partir dessas descobertas que se descobriu a história dos Sumerianos, o “povo misterioso” que antecedeu os assírios e babilônios.

O descobrimento de um mundo anterior foi de tão grande importância para a compreensão da Babilônia, quanto foi o descobrimento da cultura de Creta e Tróia para se compreender a antiguidade grega .

Foram os sumerianos que melhoraram as condições da região, construindo um grande sistema de canais e fazendo o saneamento e o cultivo do terreno. Construíram também muitos templos, como atestam os tijolos, pórticos e colunas encontrados nas ruínas das cidades de Ur, Shirpurla, Erech e outras.

Não esqueçamos, também, que foi esse povo que criou a tão conhecida Escrita Cuneiforme , que se constituiu na primeira escrita de que a humanidade teve conhecimento .

Alguns estudiosos chegaram a dizer que quase tudo que tinha sido apresentado pela Babilônia remontava ao trabalho dos sumerianos.

Consideramos importante destacar aqui um trecho bastante interessante do livro “Deuses,Túmulos e Sábios “do historiador C.W.

Ceram , mostrando as conclusões dos pesquisadores sobre a origem da Babilônia e os sumerianos:

“Juntaram-se centenas de pesquisas isoladas , convergindo na afirmação de que não podiam ser nem os babilônios semíticos, nem os assírios, os inventores da escrita cuneiforme , mas um outro povo , não semita, cuja existência , aliás, ainda não pôde ser provada por um único achado sequer. Tal hipótese não deixava nada a desejar em ousadia.Contudo, os pesquisadores tornaram-se tão seguros, no decorrer dos anos, que, apesar de apenas afirmar a existência de tal povo, deram-lhe um nome. O franco-alemão Jules Oppert falou em sumerianos. É deduzido do título dos mais antigos soberanos da parte mais austral do país dos Dois Rios, os reis de Sumer e Akkad. Não demorou muito e descobriu-se que quase tudo que tinha sido apresentado por Babilônia e Nínive remontava ao trabalho preparatório do misterioso povo sumeriano.”

OS QUATRO ANIMAIS-HUMANOS E OS JARDINS SUSPENSOS

É difícil não citar os chamados “animais-humanos” e os Jardins Suspensos quando se está falando da história da antiga Babilônia .

Os animais-humanos são os tão conhecidos “quatro gênios” que são bastante citados na Bíblia.

São chamados de animais-humanos, pois, segundo as antigas escrituras, são seres que possuem expressões humanas e corpos de animais.

Podemos aqui citar algumas passagens da Bíblia que falam dos “quatro gênios”.

Citemos alguns trechos da mensagem do profeta Ezequiel:

“E do meio dela saía a semelhança de quatro seres viventes. E esta era a sua aparência: tinham a semelhança de homem…”

“(…) cada um tinha quatro rostos, como também cada um deles quatro asas”

“(…) e a semelhança dos seus rostos era como o rosto de homem; e à mão direita todos os quatro tinham o rosto de leão, e à mão esquerda todos os quatro tinham o rosto de boi; e também tinham todos os quatro o rosto de águia”

E cada um tinha quatro rostos: o primeiro rosto era rosto de querubim, o segundo era rosto de homem, o terceiro era rosto de leão, e o quarto era rosto de águia.”

Podemos também mostrar alguns trechos do Apocalipse de João:

“(…) também havia diante do trono como que um mar de vidro, semelhante ao cristal; e ao redor do trono, um ao meio de cada lado, quatro seres viventes cheios de olhos por diante e por detrás”

“Os quatro seres viventes tinham, cada um, seis asas, e ao redor e por dentro estavam cheios de olhos…”

“Um dos quatro seres viventes deu aos sete anjos sete taças de ouro, cheias da ira do Deus que vive pelos séculos dos séculos. “

Foi com grande espanto e admiração que os pesquisadores encontraram os restos dessas gigantescas figuras que foram construídas na região da Babilônia há milhares de anos. Quando o explorador Henry Layard,explorando aquela região, pôs a descoberto uma das estátuas, foram necessários mais de trezentos homens para tirá-la do enorme carro em que havia sido colocada.

É bastante interessante observar essa relação entre as escrituras antigas e os achados. Isso mostra que as obras de arte encontradas tinham um grande significado, não sendo apenas produtos da fantasia desses povos antigos.

Existe também uma certa polêmica que diz respeito aos construtores dos animais-humanos e ao significado dessas obras. Alguns falam que esses seres eram “deuses austrais” dos assírios, protetores dos palácios dos reis. Outros estudiosos falam que as obras são bem mais antigas e provavelmente tenham sido construídas pelo antigo povo Sumeriano. Neste último caso, as construções teriam um significado totalmente diferente, espiritual .

Recomendamos, no final deste texto, alguns livros, para que as pessoas interessadas em se aprofundar neste assunto, possam tirar suas próprias conclusões .

OS JARDINS SUSPENSOS

Os famosos “Jardins Suspensos da Babilônia” se constitui em uma das sete maravilhas do mundo antigo.

Existem muitas hipóteses e polêmicas sobre os Jardins Suspensos. Não se sabe ao certo quem foi o responsável por sua construção e nem porque foram construídos.

Muitos estudiosos disseram que os Jardins foram construídos em 600 a.C. por ordem do poderoso Nabucodonosor II, para “agradar e consolar sua esposa preferida, Amitis, que sentia saudade das montanhas e do verde de sua terra natal”, a Média.

Na verdade, nenhum vestígio concreto dos jardins permanece. Mas, enquanto as mais detalhadas descrições dos Jardins vêm dos historiadores Gregos como Berossus e Diodorus, escrituras babilônicas não falam nada sobre o assunto. Nos documentos do tempo de Nabucodonosor não há uma simples referência aos Jardins Suspensos, embora descrições dos palácios, da cidade da Babilônia e das muralhas são encontradas. Mesmo os historiadores que deram descrições detalhadas dos Jardins Suspensos nunca os viram. Historiadores modernos argumentam que quando os soldados de Alexandre, o Grande, conquistaram a fértil terra da Mesopotâmia e viram a Babilônia, eles ficaram impressionados. Mais tarde, quando eles retornaram para terra natal deles, contavam história sobre fantásticos jardins e palmeiras da Mesopotâmia… sobre o palácio de Nabucodonosor… sobre a Torre de Babel e os zigurates (espécie de templo).

Até hoje, arqueologistas ainda estão trabalhando para juntar evidências suficientes antes de alcançar as conclusões finais sobre a localização dos Jardins, seu sistema de irrigação e sua verdadeira aparência.

Alguns pesquisadores consideram também que a data de construção dos Jardins é mais antiga que a data hoje aceita ( 600 a.C.). Talvez tivessem sido, também, os próprios sumerianos os construtores dessa maravilha do mundo antigo.

Fonte: www.socultura.com

Babilônia

Primeiro Império Babilônico

No decorrer do século XX, as descobertas arqueológicas no Oriente Próximo, ampliaram a possibilidade de estudos acerca das sociedades antigas.

Entre novas abordagens, figuram maiores revelações sobre as civilizações da Mesopotâmia. Esses povos apareceram no vale mesopotâmico por volta do quinto milênio antes de Cristo, provavelmente vindos de uma região montanhosa ao norte do Mar Cáspio.

Os sumérios foram a primeira civilização a se estabelecer na Baixa Mesopotâmia, através da cidade de Susa, à leste do vale, e desenvolveram uma civilização grandiosa em feitos e descobertas que serviram de base para outros povos da Antigüidade.

Desde a chegada dos sumérios até a formação do primeiro Império Babilônico (em 2003 a.C.), uma série de outros povos ocuparam a região e contribuíram para a composição do que hoje conhecemos da história mesopotâmica.

Enuma Elish: o poema de criação Babilônico

Os babilônios consideravam o início da criação do universo a partir de dois deuses primordiais – Apsu, que representava as águas primordiais abaixo da terra, e Tiamat, a personificação do mar.

Esses deuses estavam confundidos em um só e originaram quatro gerações de outros deuses: Lahmu, Lahamu, Anshar e Kishar. Estes últimos conceberam Anu, o deus do céu, e Ea. Contudo, esses deuses se tornaram muito barulhentos e perturbadores, revoltando Apsu que tenta matá-los. Porém, Ea (deus da sabedoria) acaba intervindo e mata Apsu.

Essa ação perturba Tiamat que, enraivecida, cria uma tropa de monstros assustadores:

Ela criou uma serpente com chifres, um dragão mushussu e um herói lamu,

Um demônio ugalu, um cão furioso e um homem-escorpião,

Demônios umu agressivos, um homem-peixe e um homem-louro.

O principal entre os seus monstros é Quingu, a quem ela confere a liderança de seu exército. A deusa o coloca em um trono e lhe entrega a Tábua dos Destinos.

Em assembléia, os deuses estão discutindo como poderão derrotar Tiamat e sua legião de monstros. Esse é o momento da entrada de Marduk, o qual promete vencer a deusa, desde que lhe seja conferido assumir como deus supremo. Os deuses da assembléia acataram a condição de Marduk e prepararam-no para a guerra. Marduk parte à procura de Tiamat mas, ao encontrá-la, seus seguidores hesitam e ele não consegue decidir o que fazer.

Nessa parte do poema, é possível identificar um dispositivo mítico comum para aumentar a tensão (também usado na Epopéia de Gilgamesh): colocar a vitória inevitável, temporariamente em risco. Tiamat ri com desprezo e a coragem de Marduk retorna. Desafia, então, Tiamat para um combate entre os dois.

Aqui acontece o clímax do mito: a grande cena da batalha para a qual se voltavam todos os fatos:

Face a face eles vieram, Tiamat e Marduk, com a prudência dos deuses.

Entraram em combate, se aproximando para a batalha.

O Senhor lançou a sua rede e conseguiu prendê-la,

Para a sua face despachou o vento Imhulu para que ela não conseguisse fechar seus lábios.
Os ventos ferozes distenderam sua barriga;

Suas entranhas estavam revoltas e ela acabou abrindo por inteiro sua boca.

Marduk atirou uma flecha que perfurou a barriga de Tiamat,

Dividiu-a ao meio e também fendeu seu coração,

Derrotando-a e extinguindo sua vida.

Atirou o corpo de Tiamat por terra e postou-se sobre seu corpo.

Os deuses que formavam parte do terrível exército de Tiamat entraram em pânico e tentaram fugir, mas foram capturado por Marduk e colocados na sua rede, onde curvaram-se de vergonha. Quingu [Kingu] é deposto e a Tábua dos Destinos é tirada de seu poder. Em seguida, Marduk cortou Tiamat na metade “como um peixe que seria posto para secar”; com metade de Tiamat, Marduk criou o firmamento do céu e com a outra metade, construiu a terra que mantém afastadas as águas subterrâneas inferiores. Sobre essa terra construiu o grande templo de Esharra, onde fundou centros de culto para Anu, Enlil e Ea.

A seguir, Marduk continua a organização de todo o universo: dando nomes aos meses do ano, dedicando a cada um deles três estrelas, montando locais para os grandes deuses, fazendo aparecer a lua crescente e a designando como a “jóia da noite para marcar o final dos dias”. Da saliva de Tiamat, fez nuvens, ventos e a chuva, de seu veneno, criou um nevoeiro encapelado e com os seus olhos, abriu os rios Tigre e Eufrates.

Fonte: www.galeon.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+