Breaking News
Home / História Geral / Fascismo

Fascismo

PUBLICIDADE

Fascismo – Sistema de Governo

fascismo é um sistema governamental liderado por um ditador com poder total, suprimindo à força a oposição e as críticas, arregimentando toda a indústria, comércio, etc., e enfatizando um nacionalismo agressivo e freqüentemente racismo.

O século XX foi marcado por uma série de conflitos armados de grandes proporções, mas em especial pela 2ª Guerra Mundial.

O trauma gerado pela violência desse conflito se estende até os dias atuais e desperta a atenção de políticos e estudiosos quanto aos motivos que levaram ao surgimento de pensamentos pregados por regimes totalitários conhecidos como fascismo.

definição do que é o fascismo não é única. Pode-se determinar que o fascismo é uma vertente política de extrema direita surgida na Itália no século XX, cujo auge foi nas décadas de 1920 e 1940,  e que foi criado pelo líder político Benito Mussolini.

Seu nome advém fasces, um conjunto de varas atadas ao redor de um machado usado na República Romana por magistrados para punir fisicamente escravos e cidadãos “indisciplinados”. Benito associou o símbolo do fascio  ao seu partido, sugerindo a ideia de que apenas a união da nação traria força ao povo italiano.

FascismoImagem representando o símbolo do fascismo

Neste período a Itália passava pela pior crise econômica de sua história devido a sua malfadada participação na 1ª Guerra Mundial (1914-1918) e da Crise de 1929, eventos que arrasaram também as bases políticas e sociais italianas e, do desespero, o fascismo surgiu como uma opção para solucionar tais problemas.

Quanto as suas características, podemos afirmar que se destacam no fascismo:

Culto ao líder: a figura central do comando do país se baseava apenas em uma pessoa, um grande líder idolatrado pelas massas.
Totalitarismo:
  o país possuía apenas um partido político, ou seja, era naturalmente antidemocrático, concentrando assim todas as decisões nas mãos do governo.
Nacionalismo:
 no fascismo, apenas a “cultural nacional oficial” era válida; as que estavam fora desse campo deveriam ser eliminadas. Os símbolos nacionais e a população seriam engrandecidos aqui através da propaganda política.
Militarismo:
 os regimes fascistas pregavam investimentos vultuosos na produção de equipamentos bélicos e na militarização de grande parte da sociedade, visando a expansão territorial.  Havia o culto à força física, em especial dos homens  jovens que, aos poucos, iam sendo treinados e preparados fisicamente para combates futuros.
Propaganda e censura:
 o controle do pensamento e dos meios de comunicação era fortemente manipulado pelos fascistas para inibir quaisquer críticas ao regime. Nesse período foram desenvolvidas diversas propagandas no cinema, no rádio, na TV, etc. para “vender o fascismo” como uma ideia única e coletiva, que visava apenas o bem de todos.
Ódio contra as minorias:
 dado ao fato de buscar unidade nacional, o fascismo buscar eliminar o diferente, perseguindo, prendendo e eliminando minorias em seus territórios, tais  como ciganos, minorias étnicas (o caso mais emblemático é a perseguição dos judeus na Alemanha Nazista) homossexuais,  intelectuais críticos ao regime, deficientes físicos, etc.
Antisocialismo
 ou antimarxismo: os fascistas eram totalmente contrários ao sistema socialista. Defendiam amplamente o capitalismo, tanto que obtiveram apoio político e financeiro de banqueiros, ricos comerciantes e industriais alemães e italianos.

Os dois maiores exemplos de fascismo foram os governos de Benito Mussolini e Adolf Hitler, na Itália e Alemanha, respectivamente.

Outros países europeus nos anos que mediaram a primeira para a segunda guerra também viveram experiências parecidas, como Portugal no governo de Antônio de Oliveira Salazar e na Espanha no governo de Francisco Franco.

Após 1945, com a vitória dos Aliados, os regimes fascistas entram em colapso, em especial devido aos crimes contra a dignidade humana cometidos por tais vertentes. No entanto, atualmente, existe uma nova leva de políticos e grupos sociais que se baseiam no ideário fascista, em especial devido aos problemas com imigrantes vividos por países europeus.

Fascismo – O que é

Fascismo

fascismo é uma forma de governo que foi popular entre 1919 e 1945, mas se tornou tabu após o Holocausto e a derrota das potências do Eixo em 1945. Desde 1945, poucos grupos aplicaram o termo a si mesmos, e o termo se tornou um epíteto universal para qualquer coisa ruim. Em 2005, o estudioso Richard Griffiths afirmou que a palavra é o termo mais “mal usado e excessivamente usado de nossos tempos”. Em particular, o fascismo é frequentemente considerado sinônimo de poder branco, embora muitos países não brancos e mestiços tenham tido governos fascistas em um momento ou outro, incluindo Brasil, México, Japão e Zaire.

Em seu significado original, “fascismo” se referia aos fascistas italianos sob o comando de Benito Mussolini. O documento oficial sobre o assunto é “A Doutrina do Fascismo”, que apareceu como entrada para o termo na Enciclopédia Italiana publicada em 1932. O autor foi listado como Mussolini, mas o autor mais provável é o filósofo Giovanni Gentile, que ajudou Mussolini formulou sua filosofia política.

As características definidoras da filosofia são nacionalismo (incluindo nacionalismo econômico), corporativismo (incluindo planejamento econômico), totalitarismo (incluindo ditadura e intervencionismo social) e militarismo. De acordo com a Doutrina do Fascismo, “A concepção fascista do Estado é abrangente; fora dela, nenhum valor humano ou espiritual pode existir, muito menos ter valor. Assim entendido, o fascismo é totalitário, e o Estado fascista – uma síntese e uma unidade que inclui todos os valores – interpreta, desenvolve e potencializa toda a vida de um povo. ” A filosofia é resumida pelos lemas “Tudo no Estado, nada fora do Estado, nada contra o Estado”, “Acredite, Obedeça, Lute”, “O livro e o mosquete – faça o fascista perfeito” e “A guerra é para o homem como a maternidade está para a mulher. ”

Durante seu apogeu, o fascismo foi comercializado como a “Terceira Posição” entre o comunismo e o capitalismo. Na Itália, seu símbolo era um feixe de varas amarradas em torno de um machado, que simbolizava a solidariedade e a força do Estado. A palavra “fascista” vem da palavra italiana fascio, que significa feixe ou união.

Esses regimes respeitam o poder acima de tudo e alcançam proeminência política por meio de intimidações, ameaças e tortura.

Quase todo mundo está ciente de que o fascismo é um sistema político ruim, mas nem todo mundo sabe exatamente o que o sistema é, e o consenso sobre os elementos centrais da filosofia nem mesmo foi alcançado entre os estudiosos até os anos 1990. Para entender por que o fascismo é ruim, é preciso primeiro entender o que exatamente é. Este é um amplo tópico acadêmico, e existem vários outros exemplos interessantes dele fora das potências do Eixo durante a Segunda Guerra Mundial.

Fascismo – História

Como sistema econômico, o fascismo é o socialismo com um verniz capitalista.

A palavra deriva de fasces, o símbolo romano do coletivismo e do poder: um feixe de varas amarrado com um machado protuberante.

Águia Imperial Romana

Em sua época (décadas de 1920 e 1930), o fascismo era visto como o meio-termo feliz entre o capitalismo liberal propenso a expansão e queda, com seu alegado conflito de classes, competição perdulária e egoísmo voltado para o lucro, e o marxismo revolucionário, com seu violento e perseguição socialmente divisionista da burguesia.

O fascismo substituiu a particularidade do nacionalismo e do racismo – “sangue e solo” – pelo internacionalismo tanto do liberalismo clássico quanto do marxismo.

Enquanto o socialismo buscava o controle totalitário dos processos econômicos de uma sociedade por meio da operação direta dos meios de produção pelo Estado, o fascismo buscava esse controle indiretamente, por meio da dominação de proprietários nominalmente privados. Onde o socialismo nacionalizou a propriedade explicitamente, o fascismo o fez implicitamente, exigindo que os proprietários usassem sua propriedade no “interesse nacional” – isto é, como a autoridade autocrática o concebia. (No entanto, algumas indústrias eram operadas pelo Estado.)

Onde o socialismo aboliu todas as relações de mercado de uma vez, o fascismo deixou a aparência das relações de mercado enquanto planejava todas as atividades econômicas.

Onde o socialismo aboliu o dinheiro e os preços, o fascismo controlou o sistema monetário e fixou todos os preços e salários politicamente. Ao fazer tudo isso, o fascismo desnaturou o mercado.

O empreendedorismo foi abolido. Os ministérios estaduais, em vez dos consumidores, determinavam o que era produzido e em que condições.

fascismo deve ser distinguido do intervencionismo, ou economia mista. O intervencionismo busca orientar o processo de mercado, não eliminá-lo, como o fascismo fez. As leis de salário mínimo e antitruste, embora regulem o mercado livre, estão muito longe dos planos plurianuais do Ministério da Economia.

Sob o fascismo, o estado, por meio de cartéis oficiais, controlava todos os aspectos da manufatura, comércio, finanças e agricultura. Os conselhos de planejamento definem linhas de produtos, níveis de produção, preços, salários, condições de trabalho e o tamanho das empresas. O licenciamento era onipresente; nenhuma atividade econômica poderia ser realizada sem a permissão do governo.

Os níveis de consumo eram ditados pelo estado, e as rendas “excedentes” tinham que ser entregues na forma de impostos ou “empréstimos”. A consequente sobrecarga dos fabricantes proporcionou vantagens às firmas estrangeiras que desejavam exportar.

Mas, uma vez que a política governamental voltada para a autarquia, ou auto-suficiência nacional, o protecionismo era necessário: as importações eram barradas ou estritamente controladas, deixando a conquista estrangeira como a única via de acesso a recursos indisponíveis internamente. O fascismo era, portanto, incompatível com a paz e a divisão internacional do trabalho – marcas do liberalismo.

fascismo personificava o corporativismo, no qual a representação política se baseava no comércio e na indústria, e não na geografia. Nisso, o fascismo revelou suas raízes no sindicalismo, uma forma de socialismo originada na esquerda. O governo cartelizou empresas do mesmo setor, com representantes do trabalho e da administração servindo em uma miríade de conselhos locais, regionais e nacionais – sempre sujeitos à autoridade final do plano econômico do ditador. O corporativismo pretendia evitar divisões perturbadoras dentro do país, como bloqueios e greves sindicais. O preço dessa “harmonia” forçada era a perda da capacidade de barganhar e circular livremente.

Para manter um alto nível de empregos e minimizar o descontentamento popular, os governos fascistas também empreenderam enormes projetos de obras públicas financiados por altos impostos, empréstimos e criação de moeda fiduciária. Embora muitos desses projetos fossem domésticos – estradas, edifícios, estádios – o maior projeto de todos foi o militarismo, com enormes exércitos e produção de armas.

O antagonismo dos líderes fascistas ao comunismo foi mal interpretado como uma afinidade com o capitalismo. Na verdade, o anticomunismo fascista foi motivado pela crença de que no meio coletivista da Europa do início do século XX, o comunismo era seu rival mais próximo pela fidelidade do povo. Como no comunismo, sob o fascismo, todo cidadão era considerado um empregado e inquilino do estado totalitário dominado pelo partido. Consequentemente, era prerrogativa do estado usar a força, ou a ameaça dela, para suprimir até mesmo a oposição pacífica.

Se um arquiteto formal do fascismo pode ser identificado, é Benito Mussolini, o ex-editor marxista que, tomado pelo fervor nacionalista, rompeu com a esquerda quando a Primeira Guerra Mundial se aproximava e se tornou o líder da Itália em 1922.

Mussolini distinguiu o fascismo do capitalismo liberal em sua autobiografia de 1928:

O cidadão no Estado Fascista não é mais um indivíduo egoísta que tem o direito anti-social de se rebelar contra qualquer lei da Coletividade. O Estado Fascista com sua concepção corporativa coloca os homens e suas possibilidades no trabalho produtivo e interpreta para eles os deveres que devem cumprir. (p. 280)

Antes de sua incursão no imperialismo em 1935, Mussolini era frequentemente elogiado por proeminentes americanos e britânicos, incluindo Winston Churchill, por seu programa econômico.

Da mesma forma, Adolf Hitler, cujo Partido Nacional Socialista (nazista) adaptou o fascismo à Alemanha a partir de 1933, disse:

O estado deve manter a supervisão e cada proprietário deve considerar-se nomeado pelo estado. É seu dever não usar sua propriedade contra os interesses de outros entre seu próprio povo. Este é o ponto crucial. O Terceiro Reich sempre manterá seu direito de controlar os proprietários de propriedades. (Barkai 1990, pp. 26-27)

Ambas as nações exibiram esquemas de planejamento elaborados para suas economias, a fim de realizar os objetivos do estado. O estado corporativo de Mussolini “considerou a iniciativa privada na produção o instrumento mais eficaz para proteger os interesses nacionais” (Basch 1937, p. 97). Mas o significado de “iniciativa” diferia significativamente de seu significado em uma economia de mercado. O trabalho e a administração foram organizados em vinte e duas “corporações” industriais e comerciais, cada uma com membros do Partido Fascista como participantes importantes. As corporações foram consolidadas em um Conselho Nacional de Corporações; no entanto, as decisões reais foram tomadas por agências estatais, como o Instituto per la Ricosstruzione Industriale, que detinha ações em empresas industriais, agrícolas e imobiliárias, e o Instituto Mobiliare, que controlava o crédito do país.

O regime de Hitler eliminou as pequenas empresas e tornou obrigatória a adesão a cartéis.

A Câmara Econômica do Reich estava no topo de uma burocracia complicada que abrangia quase duzentas organizações organizadas ao longo das linhas de indústria, comércio e artesanato, bem como vários conselhos nacionais. A Frente Trabalhista, uma extensão do Partido Nazista, dirigia todas as questões trabalhistas, incluindo salários e designação de trabalhadores para empregos específicos.

O recrutamento trabalhista foi inaugurado em 1938. Dois anos antes, Hitler havia imposto um plano de quatro anos para colocar a economia do país em pé de guerra. Na Europa durante esta época, Espanha, Portugal e Grécia também instituíram economias fascistas.

Nos Estados Unidos, a partir de 1933, a constelação de intervenções governamentais conhecida como New Deal apresentava características que sugeriam o estado corporativo.

A Lei de Recuperação Industrial Nacional criou autoridades de código e códigos de prática que regiam todos os aspectos da manufatura e do comércio.

A Lei Nacional de Relações Trabalhistas fez do governo federal o árbitro final em questões trabalhistas. A Lei de Ajuste Agrícola introduziu o planejamento central para a agricultura.

O objetivo era reduzir a competição e a produção, a fim de evitar que os preços e a renda de grupos específicos caíssem durante a Grande Depressão.

É uma questão controversa se o New Deal do presidente Franklin Roosevelt foi diretamente influenciado pelas políticas econômicas fascistas. Mussolini elogiou o New Deal como “ousadamente. . . intervencionista no campo da economia ”, e Roosevelt elogiou Mussolini por seu“ propósito honesto de restaurar a Itália ”e reconheceu que ele manteve“ contato bastante próximo com aquele admirável cavalheiro italiano ”. Além disso, Hugh Johnson, chefe da Administração de Recuperação Nacional, era conhecido por carregar uma cópia do livro pró-Mussolini de Raffaello Viglione, O Estado Corporativo, com ele, apresentou uma cópia à secretária do Trabalho, Frances Perkins e, na aposentadoria, prestou homenagem a o ditador italiano.

Fonte: Vinicius Carlos da Silva

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.