Breaking News
Home / História Geral / História da Internet

História da Internet

PUBLICIDADE

 

Uma breve história da Internet

Internet começou na década de 1960 como uma forma de os pesquisadores do governo compartilharem informações. Os computadores nos anos 60 eram grandes e imóveis e, para fazer uso das informações armazenadas em qualquer computador, era necessário ir até o site do computador ou receber fitas magnéticas de computador enviadas pelo sistema postal convencional.

Outro catalisador na formação da Internet foi o aquecimento da Guerra Fria.

O lançamento do satélite Sputnik pela União Soviética estimulou o Departamento de Defesa dos Estados Unidos a considerar as maneiras pelas quais as informações ainda poderiam ser disseminadas, mesmo após um ataque nuclear. Isso acabou levando à formação da ARPANET (Rede de Agências de Projetos de Pesquisa Avançada), a rede que acabou evoluindo para o que hoje conhecemos como Internet.

A ARPANET foi um grande sucesso, mas a adesão foi limitada a certas organizações acadêmicas e de pesquisa que tinham contratos com o Departamento de Defesa. Em resposta a isso, outras redes foram criadas para fornecer compartilhamento de informações.

1º de janeiro de 1983 é considerado o aniversário oficial da Internet. Antes disso, as várias redes de computadores não tinham uma maneira padrão de se comunicarem.

Um novo protocolo de comunicação foi estabelecido, denominado Protocolo de Controle de Transferência/Protocolo de Rede (TCP/IP). Isso permitiu que diferentes tipos de computadores em diferentes redes “conversassem” entre si. A ARPANET e a Defense Data Network mudaram oficialmente para o padrão TCP/IP em 1o de janeiro de 1983, daí o nascimento da Internet.

Todas as redes agora podem ser conectadas por uma linguagem universal.

A imagem acima é um modelo em escala do UNIVAC I (o nome significa Universal Automatic Computer) que foi entregue ao Census Bureau em 1951.

Ele pesava cerca de 7257 quilogramas, usava 5.000 tubos de vácuo e podia realizar cerca de 1.000 cálculos por segundo. Foi o primeiro computador comercial americano, bem como o primeiro computador projetado para uso comercial. (Computadores comerciais como o UNIVAC processavam dados mais lentamente do que as máquinas do tipo IAS, mas eram projetados para entrada e saída rápidas.) As primeiras vendas foram para agências governamentais, a A.C. Nielsen Company e a Prudential Insurance Company.

O primeiro UNIVAC para aplicativos de negócios foi instalado na General Electric Appliance Division, para fazer a folha de pagamento, em 1954. Em 1957, a Remington-Rand (que havia comprado a Eckert-Mauchly Computer Corporation em 1950) havia vendido quarenta e seis máquinas.

História da Internet – Computador

Internet revolucionou o mundo dos computadores e das comunicações como nada antes.

A invenção do telégrafo, do telefone, do rádio e do computador preparou o terreno para essa integração de capacidades sem precedentes.

A Internet é, ao mesmo tempo, uma capacidade de transmissão mundial, um mecanismo de disseminação de informações e um meio de colaboração e interação entre indivíduos e seus computadores, independentemente da localização geográfica.

Internet representa um dos exemplos mais bem-sucedidos dos benefícios do investimento sustentado e do compromisso com a pesquisa e o desenvolvimento da infraestrutura da informação.

Internet hoje é uma infraestrutura de informação difundida, o protótipo inicial do que é freqüentemente chamado de Infraestrutura de Informação Nacional (ou Global ou Galáctica). Sua história é complexa e envolve muitos aspectos – tecnológicos, organizacionais e comunitários. E sua influência atinge não apenas os campos técnicos das comunicações por computador, mas por toda a sociedade à medida que avançamos em direção ao uso crescente de ferramentas online para realizar comércio eletrônico, aquisição de informações e operações comunitárias.

Internet – Origem

A primeira descrição registrada das interações sociais que podem ser ativadas por meio de redes foi uma série de memorandos escritos por J.C.R. Licklider do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) em agosto de 1962 discutindo seu conceito de “Rede Galáctica”.

Ele imaginou um conjunto globalmente interconectado de computadores por meio do qual todos poderiam acessar rapidamente dados e programas de qualquer local. Em espírito, o conceito era muito parecido com a Internet de hoje. Licklider foi o primeiro chefe do programa de pesquisa de computador na DARPA, começando em outubro de 1962. Enquanto estava na DARPA, ele convenceu seus sucessores na DARPA, Ivan Sutherland, Bob Taylor e o pesquisador do MIT Lawrence G. Roberts, da importância desse conceito de rede

Leonard Kleinrock no MIT publicou o primeiro artigo sobre a teoria de comutação de pacotes em julho de 1961 e o primeiro livro sobre o assunto em 1964.

Kleinrock convenceu Roberts da viabilidade teórica das comunicações usando pacotes em vez de circuitos, o que foi um grande passo no caminho para o computador networking.

A outra etapa importante foi fazer com que os computadores conversassem. Para explorar isso, em 1965, trabalhando com Thomas Merrill, Roberts conectou o computador TX-2 em Mass. Ao Q-32 na Califórnia com uma linha telefônica dial-up de baixa velocidade, criando a primeira (embora pequena) rede de computadores de longa distância de todos os tempos construído.

O resultado desse experimento foi a constatação de que os computadores de tempo compartilhado podiam funcionar bem juntos, executando programas e recuperando dados conforme necessário na máquina remota, mas que o sistema de telefonia comutado por circuito era totalmente inadequado para o trabalho. A convicção de Kleinrock da necessidade de comutação de pacotes foi confirmada.

No final de 1966, Roberts foi para a DARPA para desenvolver o conceito de rede de computadores e rapidamente montou seu plano para a “ARPANET”, publicando-o em 1967.

Na conferência onde ele apresentou o artigo, havia também um artigo sobre um conceito de rede de pacotes de o Reino Unido por Donald Davies e Roger Scantlebury do NPL.

Scantlebury contou a Roberts sobre o trabalho do NPL, bem como o de Paul Baran e outros na RAND.

O grupo RAND havia escrito um artigo sobre redes de comutação de pacotes para voz segura nas forças armadas em 1964. Aconteceu que o trabalho no MIT (1961-1967), na RAND (1962-1965) e no NPL (1964-1967) tinha todos prosseguiram em paralelo, sem que nenhum dos pesquisadores soubesse do outro trabalho. A palavra “pacote” foi adotada do trabalho no NPL e a velocidade de linha proposta para ser usada no projeto da ARPANET (Rede de Agências de Projetos de Pesquisa Avançada) foi atualizada de 2,4 kbps para 50 kbps.

Em agosto de 1968, depois que Roberts e a comunidade financiada pela DARPA refinaram a estrutura geral e as especificações da ARPANET, uma RFQ foi lançada pela DARPA para o desenvolvimento de um dos componentes principais, os switches de pacote chamados Interface Message Processors (IMP’s). A RFQ foi vencida em dezembro de 1968 por um grupo liderado por Frank Heart em Bolt Beranek and Newman (BBN).

Enquanto a equipe da BBN trabalhava no IMP com Bob Kahn desempenhando um papel importante no projeto arquitetônico geral da ARPANET, a topologia e a economia da rede foram projetadas e otimizadas por Roberts trabalhando com Howard Frank e sua equipe na Network Analysis Corporation e o sistema de medição de rede foi preparado pela equipe de Kleinrock na UCLA.

Devido ao desenvolvimento inicial da teoria de comutação de pacotes de Kleinrock e seu foco em análise, projeto e medição, seu Centro de Medição de Rede na UCLA foi selecionado para ser o primeiro nó na ARPANET. Tudo isso aconteceu em setembro de 1969, quando a BBN instalou o primeiro IMP na UCLA e o primeiro computador host foi conectado. O projeto de Doug Engelbart sobre “Augmentation of Human Intellect” (que incluiu NLS, um sistema de hipertexto antigo) no Stanford Research Institute (SRI) forneceu um segundo nó. A SRI apoiou o Network Information Center, liderado por Elizabeth (Jake) Feinler e incluindo funções como a manutenção de tabelas de nome de host para mapeamento de endereços, bem como um diretório de RFCs.

Um mês depois, quando o SRI foi conectado à ARPANET (Rede de Agências de Projetos de Pesquisa Avançada), a primeira mensagem host-a-host foi enviada do laboratório de Kleinrock para o SRI.

Mais dois nós foram adicionados na UC Santa Bárbara e na Universidade de Utah. Esses dois últimos nós incorporaram projetos de visualização de aplicativos, com Glen Culler e Burton Fried em UCSB investigando métodos para exibição de funções matemáticas usando displays de armazenamento para lidar com o problema de atualização na rede, e Robert Taylor e Ivan Sutherland em Utah investigando métodos de 3 -D representações na rede. Assim, no final de 1969, quatro computadores host foram conectados juntos na ARPANET inicial, e a Internet emergente havia decolado. Mesmo nesse estágio inicial, deve-se notar que a pesquisa de rede incorporou tanto o trabalho na rede subjacente quanto o trabalho de como utilizá-la.

Essa tradição continua até hoje.

Os computadores foram adicionados rapidamente à ARPANET durante os anos seguintes, e o trabalho continuou na conclusão de um protocolo Host-to-Host funcionalmente completo e outro software de rede.

Em dezembro de 1970, o Network Working Group (NWG) trabalhando sob o comando de S. Crocker finalizou o protocolo ARPANET Host-to-Host inicial, denominado Network Control Protocol (NCP).

Quando os sites da ARPANET concluíram a implementação do NCP durante o período de 1971-1972, os usuários da rede finalmente puderam começar a desenvolver aplicativos.

Em outubro de 1972, Kahn organizou uma grande e bem-sucedida demonstração da ARPANET na International Computer Communication Conference (ICCC).

Esta foi a primeira demonstração pública desta nova tecnologia de rede ao público. Também foi em 1972 que o aplicativo inicial “quente”, o correio eletrônico, foi introduzido.

Em março, Ray Tomlinson, da BBN, escreveu o software básico de envio e leitura de mensagens de e-mail, motivado pela necessidade dos desenvolvedores da ARPANET de um mecanismo de coordenação fácil.

Em julho, Roberts expandiu seu utilitário escrevendo o primeiro programa utilitário de e-mail para listar, ler, arquivar, encaminhar e responder seletivamente às mensagens. A partir daí, o e-mail decolou como o maior aplicativo de rede em mais de uma década. Este foi um prenúncio do tipo de atividade que vemos na World Wide Web hoje, ou seja, o enorme crescimento de todos os tipos de tráfego “pessoa a pessoa”.

Os conceitos iniciais de Internet

História da Internet
Internet

A ARPANET (Rede de Agências de Projetos de Pesquisa Avançada) original cresceu e se tornou a Internet. A Internet foi baseada na ideia de que haveria várias redes independentes de design bastante arbitrário, começando com a ARPANET como a rede pioneira de comutação de pacotes, mas logo incluiria redes de pacotes por satélite, redes de pacotes de rádio baseadas em terra e outras redes.

A Internet como a conhecemos agora incorpora uma ideia técnica fundamental subjacente, a saber, a rede de arquitetura aberta. Nessa abordagem, a escolha de qualquer tecnologia de rede individual não foi ditada por uma arquitetura de rede particular, mas poderia ser selecionada livremente por um provedor e feita para interagir com as outras redes por meio de uma “Arquitetura de Internetworking” de meta-nível. Até aquele momento, havia apenas um método geral para federar redes. Esse era o método tradicional de comutação de circuito, em que as redes se interconectavam no nível do circuito, passando bits individuais em uma base síncrona ao longo de uma parte de um circuito ponta a ponta entre um par de localizações finais. Lembre-se de que Kleinrock havia mostrado em 1961 que a comutação de pacotes era um método de comutação mais eficiente. Junto com a comutação de pacotes, arranjos de interconexão de propósito especial entre redes eram outra possibilidade.

Embora houvesse outras maneiras limitadas de interconectar redes diferentes, elas exigiam que uma fosse usada como um componente da outra, em vez de atuar como um par da outra na oferta de serviço ponta a ponta.

Em uma rede de arquitetura aberta, as redes individuais podem ser projetadas e desenvolvidas separadamente e cada uma pode ter sua própria interface única que pode oferecer aos usuários e/ou outros provedores. incluindo outros provedores de Internet. Cada rede pode ser projetada de acordo com o ambiente específico e os requisitos do usuário dessa rede. Geralmente, não há restrições quanto aos tipos de rede que podem ser incluídos ou ao seu escopo geográfico, embora certas considerações pragmáticas ditem o que faz sentido oferecer.

A ideia de rede de arquitetura aberta foi introduzida pela primeira vez por Kahn logo após ter chegado à DARPA em 1972. Este trabalho era originalmente parte do programa de rádio de pacote, mas posteriormente tornou-se um programa separado por direito próprio. Na época, o programa era denominado “Internetting”.

A chave para fazer o sistema de rádio de pacote funcionar era um protocolo final confiável que pudesse manter uma comunicação eficaz em caso de congestionamento e outras interferências de rádio, ou resistir a um apagão intermitente, como o causado por estar em um túnel ou bloqueado pelo terreno local.

Kahn primeiro contemplou o desenvolvimento de um protocolo local apenas para a rede de pacotes de rádio, uma vez que isso evitaria ter que lidar com uma infinidade de sistemas operacionais diferentes e continuar a usar o NCP.

No entanto, o NCP não tinha a capacidade de endereçar redes (e máquinas) mais abaixo do que um IMP de destino na ARPANET e, portanto, também seria necessária alguma alteração no NCP. (A suposição era que a ARPANET não era mutável a esse respeito). A NCP confiava na ARPANET para fornecer confiabilidade de ponta a ponta.

Se algum pacote fosse perdido, o protocolo (e presumivelmente todos os aplicativos que ele suportava) seria interrompido. Neste modelo, o NCP não tinha controle de erro de host fim-fim, uma vez que a ARPANET deveria ser a única rede existente e seria tão confiável que nenhum controle de erro seria necessário por parte dos hosts. Assim, Kahn decidiu desenvolver uma nova versão do protocolo que pudesse atender às necessidades de um ambiente de rede de arquitetura aberta. Esse protocolo eventualmente seria chamado de TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol). Enquanto o NCP tendia a agir como um driver de dispositivo, o novo protocolo seria mais como um protocolo de comunicação.

Quatro regras básicas foram essenciais para o pensamento inicial de Kahn:

1) Cada rede distinta teria que ser independente e nenhuma mudança interna poderia ser necessária para qualquer rede para conectá-la à Internet.
2) As comunicações seriam feitas com base no melhor esforço. Se um pacote não chegasse ao destino final, em breve seria retransmitido da origem.
3) Caixas pretas seriam usadas para conectar as redes; mais tarde, eles seriam chamados de gateways e roteadores. Não haveria nenhuma informação retida pelos gateways sobre os fluxos individuais de pacotes que passam por eles, mantendo-os assim simples e evitando adaptação e recuperação complicadas de vários modos de falha.
4) Não haveria controle global no nível de operações.

Outras questões importantes que precisaram ser abordadas foram:

1) Algoritmos para evitar que pacotes perdidos desabilitem permanentemente as comunicações e permitam que sejam retransmitidos com êxito da fonte.
2) Fornecer “pipelining” host-a-host para que vários pacotes possam ser encaminhados da origem ao destino, a critério dos hosts participantes, se as redes intermediárias permitirem.
3) O gateway (Porta de entrada ) funciona para permitir o encaminhamento de pacotes de forma adequada. Isso incluiu a interpretação de cabeçalhos de IP para roteamento, manipulação de interfaces, divisão de pacotes em pedaços menores, se necessário, etc.
4) A necessidade de somas de verificação de ponta a ponta, remontagem de pacotes a partir de fragmentos e detecção de duplicatas, se houver.
5) A necessidade de endereçamento global
6) Técnicas para controle de fluxo host-a-host.
7) Interface com os vários sistemas operacionais
8) Havia também outras preocupações, como eficiência de implementação e desempenho de internetwork, mas no início essas eram considerações secundárias.

Kahn começou a trabalhar em um conjunto de princípios de sistema operacional orientado para comunicações enquanto estava na BBN e documentou algumas de suas primeiras idéias em um memorando interno da BBN intitulado “Princípios de Comunicação para Sistemas Operacionais“. Nesse ponto, ele percebeu que seria necessário aprender os detalhes de implementação de cada sistema operacional para ter a chance de incorporar quaisquer novos protocolos de maneira eficiente. Assim, na primavera de 1973, após iniciar o esforço de internet, ele pediu a Vint Cerf (então em Stanford) que trabalhasse com ele no projeto detalhado do protocolo.

Cerf esteve intimamente envolvido no projeto e desenvolvimento do NCP original e já tinha conhecimento sobre a interface com os sistemas operacionais existentes. Então, armados com a abordagem arquitetônica da Kahn para o lado das comunicações e com a experiência do NCP de Cerf, eles se uniram para explicar os detalhes do que se tornou o TCP/IP.

O dar e receber foi altamente produtivo e a primeira versão escrita da abordagem resultante foi distribuída como INWG # 39 em uma reunião especial do International Network Working Group (INWG) na Sussex University em setembro de 1973. Posteriormente, uma versão aprimorada foi publicada em 19747 O INWG foi criado na Conferência Internacional de Comunicações de Computadores de outubro de 1972, organizada por Bob Kahn, et al, e Cerf foi convidado para presidir esse grupo.

Algumas abordagens básicas surgiram desta colaboração entre Kahn e Vint Cerf:

A comunicação entre dois processos consistiria logicamente em um fluxo muito longo de bytes (eles os chamavam de octetos). A posição de qualquer octeto no fluxo seria usada para identificá-lo.
O controle de fluxo seria feito usando janelas deslizantes e reconhecimentos (acks). O destino poderia selecionar quando reconhecer e cada confirmação retornada seria cumulativa para todos os pacotes recebidos até aquele ponto.
Foi deixado em aberto como exatamente a origem e o destino concordariam com os parâmetros das janelas a serem usadas. Os padrões foram usados inicialmente.
Embora a Ethernet estivesse em desenvolvimento no Xerox PARC naquela época, a proliferação de LANs não estava prevista na época, muito menos de PCs e estações de trabalho. O modelo original era de redes de nível nacional como a ARPANET, das quais se esperava que existisse apenas um número relativamente pequeno. Assim, um endereço IP de 32 bits foi usado, dos quais os primeiros 8 bits significaram a rede e os 24 bits restantes designaram o host nessa rede. Essa suposição, de que 256 redes seriam suficientes no futuro previsível, claramente precisava ser reconsiderada quando as LANs começaram a aparecer no final dos anos 1970.

O artigo original de Cerf/Kahn na Internet descreveu um protocolo, chamado TCP, que fornecia todos os serviços de transporte e encaminhamento na Internet.

Kahn pretendia que o protocolo TCP suportasse uma gama de serviços de transporte, desde a entrega sequenciada de dados totalmente confiável (modelo de circuito virtual) até um serviço de datagrama em que o aplicativo fizesse uso direto do serviço de rede subjacente, o que poderia implicar em perdas ocasionais, pacotes corrompidos ou reordenados. No entanto, o esforço inicial para implementar o TCP resultou em uma versão que só permitia circuitos virtuais. Este modelo funcionou bem para transferência de arquivos e aplicativos de login remoto, mas alguns dos primeiros trabalhos em aplicativos de rede avançados, em particular pacotes de voz na década de 1970, deixaram claro que em alguns casos as perdas de pacotes não deveriam ser corrigidas pelo TCP, mas deveriam ser deixadas para o aplicativo para tratar. Isso levou a uma reorganização do TCP original em dois protocolos, o IP simples, que fornecia apenas para endereçamento e encaminhamento de pacotes individuais, e o TCP separado, que se preocupava com recursos de serviço, como controle de fluxo e recuperação de pacotes perdidos.

Para aquelas aplicações que não queriam os serviços do TCP, uma alternativa chamada User Datagram Protocol (UDP) foi adicionada a fim de fornecer acesso direto ao serviço básico de IP.

A principal motivação inicial tanto para a ARPANET quanto para a Internet foi o compartilhamento de recursos – por exemplo, permitir que os usuários nas redes de rádio de pacote acessem os sistemas de compartilhamento de tempo anexados à ARPANET.

Conectar os dois era muito mais econômico do que duplicar esses computadores muito caros. No entanto, embora a transferência de arquivos e o login remoto (Telnet) fossem aplicativos muito importantes, o correio eletrônico provavelmente teve o impacto mais significativo das inovações daquela época.

O e-mail forneceu um novo modelo de como as pessoas podiam se comunicar umas com as outras e mudou a natureza da colaboração, primeiro na construção da própria Internet (como será discutido abaixo) e depois para grande parte da sociedade.

Houve outras aplicações propostas nos primórdios da Internet, incluindo comunicação de voz baseada em pacotes (o precursor da telefonia da Internet), vários modelos de compartilhamento de arquivos e discos e os primeiros programas “worm” que mostravam o conceito de agentes (e, de claro, vírus). Um conceito-chave da Internet é que ela não foi projetada para apenas um aplicativo, mas como uma infraestrutura geral na qual novos aplicativos poderiam ser concebidos, conforme ilustrado posteriormente pelo surgimento da World Wide Web.

É a natureza de propósito geral do serviço fornecido pelo TCP e IP que torna isso possível.

Quem inventou a Internet?

História da Internet
Internet

Como você pode esperar de uma tecnologia tão expansiva e em constante mudança, é impossível creditar a invenção da Internet a uma única pessoa. A Internet foi o trabalho de dezenas de cientistas, programadores e engenheiros pioneiros, cada um deles desenvolvendo novos recursos e tecnologias que eventualmente se fundiram para se tornar a “superestrada da informação” que conhecemos hoje.

Muito antes de existir tecnologia para realmente construir a internet, muitos cientistas já haviam antecipado a existência de redes mundiais de informação. Nikola Tesla brincou com a ideia de um “sistema mundial sem fio” no início de 1900, e pensadores visionários como Paul Otlet e Vannevar Bush conceberam sistemas de armazenamento de livros e mídia mecanizados e pesquisáveis nas décadas de 1930 e 1940.

Ainda assim, os primeiros esquemas práticos para a Internet não chegariam até o início dos anos 1960, quando J.C.R. do MIT Licklider popularizou a ideia de uma “Rede Intergalática” de computadores. Pouco depois, os cientistas da computação desenvolveram o conceito de “comutação de pacotes”, um método para transmitir dados eletrônicos de maneira eficaz que mais tarde se tornaria um dos principais blocos de construção da Internet.

O primeiro protótipo viável da Internet surgiu no final dos anos 1960 com a criação da ARPANET, ou Rede de Agências de Projetos de Pesquisa Avançada.

Originalmente financiado pelo Departamento de Defesa dos EUA, a ARPANET usava comutação de pacotes para permitir que vários computadores se comuniquem em uma única rede.

Em 29 de outubro de 1969, a ARPAnet entregou sua primeira mensagem: uma comunicação “nó a nó” de um computador para outro. (O primeiro computador estava localizado em um laboratório de pesquisa na UCLA e o segundo em Stanford; cada um era do tamanho de uma pequena casa.)

A mensagem – “LOGIN” – era curta e simples, mas derrubou a rede ARPA incipiente de qualquer maneira: O computador de Stanford recebeu apenas as duas primeiras letras da nota.

A tecnologia continuou a crescer na década de 1970 depois que os cientistas Robert Kahn e Vinton Cerf desenvolveram o Transmission Control Protocol e Internet Protocol, ou TCP/IP, um modelo de comunicação que estabelece padrões de como os dados podem ser transmitidos entre várias redes.

A ARPANET adotou o TCP/IP em 1º de janeiro de 1983, e a partir daí os pesquisadores começaram a montar a “rede de redes” que se tornou a Internet moderna.

O mundo online então assumiu uma forma mais reconhecível em 1990, quando o cientista da computação Tim Berners-Lee inventou a World Wide Web. Embora seja frequentemente confundida com a própria internet, a web é na verdade apenas o meio mais comum de acessar dados online na forma de sites e hiperlinks.

A web ajudou a popularizar a internet entre o público e serviu como um passo crucial no desenvolvimento do vasto acervo de informações que a maioria de nós acessa diariamente.

Histórico da Internet no Brasil

A rede nacional de pesquisas foi criada em julho de 90, como um projeto do Ministério da Educação, para gerenciar a rede da academia brasileira, até então dispersa em iniciativas isoladas. A RNP em 92, foi instalada a primeira aespinha dorsal conectada à internet nas principais universidades e centros de pesquisas do país, além de algumas organizações não-governamentais, como o ibase.

Em 95 foi liberado o uso comercial da internet no Brasil. O Ministério das Comunicações e o Ministério da Ciência e Tecnologia criaram um Comitê Gesto Internet, com nove representantes, para acompanhar a expansão da rede no Brasil.

história da Internet no Brasil começou bem mais tarde, só em 1991 com a RNP (Rede Nacional de Pesquisa), uma operação acadêmica subordinada ao MCT (Ministério de Ciência e Tecnologia).

Até hoje a RNP é o “backbone” principal e envolve instituições e centros de pesquisa (FAPESP, FAPEPJ, FAPEMIG, etc.), universidades, laboratórios, etc.

Em 1994, no dia 20 de dezembro é que a EMBRATEL lança o serviço experimental a fim de conhecer melhor a Internet.

Somente em 1995 é que foi possível, pela iniciativa do Ministério das Telecomunicações e Ministério da Ciência e Tecnologia, a abertura ao setor privado da Internet para exploração comercial da população brasileira.

A RNP fica responsável pela infra-estrutura básica de interconexão e informação em nível nacional, tendo controle do backbone (Coluna dorsal de uma rede, backbone representa a via principal de informações transferidas por uma rede, neste caso, a Internet).

Cronologia da Internet no Brasil

1987 – Na Universidade de São Paulo é realizada a reunião entre pesquisadores de todo País para discutir o estabelecimento de uma rede nacional para fins acadêmicos, ede pesquisa, com compartilhamento de acesso a redes internacionais, além de representantes do governo e da Embratel.
1988
 – No Rio de Janeiro, o Laboratório Nacional de Computação Científica consegue o acesso à BITNET, através de uma conexão de 9,600 bps (Bits por seg) estabelecida com a universidade de Maryland. Em São Paulo é a vez da Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (FAPESP) ligar-se a BITNET e à Hepnet (High Energy Physics Network), com uma conexão de 4,800 bps com a Fermi National Accelerator Laboratory (FERMILAB), em Chicago EUA.
1989
 – A UFRJ (Unviversidade Federal do Rio de Janeiro) também consegue a sua conexão com a Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA). A Secretatira Especial de informática (SEI) defende soluções OSI para uma eventual rede nacional de comunicações. Betinho (Hebert de Souza) e o economista Carlos Alberto Afonso, colocam em operação a ALTERNEX. Foi o primeiro serviço internacional de correio e conferências eletrônicos do País operado por uma entidade privada.
1990
 – É fundada a Assosiação para o Progresso das comunicações (APC). O Objetivo dessa associação era apoiar o desenvolvimento de sistemas de troca de informação via computador e facilitar a conexão internacional desses sistemas. Um membro internacional da Coordinating Committee fot international Research Networks (CCIRN) visita o País para avaliar a instalação de múltiplas conexões internet entre Brasil e os EUA.
1991
 – Aumentada a conexão da FAPESP para 9,600 bps e começa a transportar tráfego IP, além de Decnet e Bitnet. Esta foi a primeira conexão à internet realizada no Brasil. Desde então, a Fapesp encarregou-se da administração do domínio ??br?? e da distribuição dos números IP em todo o País.
1992
 – Muitas redes regionais foram desenvolvidas em vários estados do Brasil para facilitar uma estrutura nacional para a comunicação de dados. O Alternex passou a ser o primeiro serviço de rede de computadores fora da comunidade acadêmica a oferecer todos os serviços na internet no Brasil.
1993
 – A primeira conexão de 64 kbps a longa distância é estabelecida, entre São Paulo e Porto Alegre. A revista VEJA publica uma matéria sobre a internet, falando sobre os serviços BBSs e os serviços online. E abordam temas como o mal uso da internet na época.
1994
 – Ao longo de 1994, um grupo de estudantes da USP criou centenas de páginas Web. Em novembro de 94, estimaram que metade das páginas Web do País estavam na USP (500 Páginas). Os BBSs já ofereciam serviços de e-mail internet e acesso à rede de mensagens.
1995
 – Apesar do mercado ter futuro, as coisas continuam mal por todo ano de 95. A Embratel e o Ministério das Comunicações não facilitam as iniciativas dos provedores privados.
1996
 – A internet cresceu demais em 96. Usuários e provedores apareceram rápidamente e isso ajudou muito a internet no Brasil. Na fenasoft a BOL (Futura UOL) começa a vender assinaturas para acesso à internet. O número de hosts já é de 9.000.000. O MCI aumenta seu backbone para 622Mbps.
1997
 – No ano de 97 a internet Brasileira alcançou grandes números.Varias centenas de provedores novos, vários sites em língua portuguesa na rede e isso tudo não parava de crescer. Pela primeira vez o imposto de renda foi entregue via internet. O número de hosts na internet já passa dos 16.000.000. O 2000th RFC titulado de ‘Internet Official Protocol Standards’ é lançado.
1998
 – Um brasileiro inventa o acesso à internet via ondas de rádio. O número de internautas no Brasil já ultrapassa 1,8 milhão. Provedor paulistano Internetcom lança o ZipMail, serviço de e-mailgratuito via web. Tribunal Superior Eleitoral, em parceria com 11 sites de notícias brasileiros, divulga na internet os resultados das apurações das eleições em tempo real.Os sites têm recorde de acessos. America Online anuncia sua entrada no Brasil. A AOL (America Online) anuncia que irá comprar a NETSCAPE Communications Corporation, a transição foi de $4.2 Bilhões.
1999
 – O número de internautas já ultrapassa a marca dos 2,5 milhões. ZipMail é o maior em seu gênero (No Brasil) mais de 2 milhões de usuários inscritos. PSINet compra o provedor paulistano STI e torna-se o terceiro maior do Brasil. Yahoo! Brasil entra em operação. A UOL lança o software de conversação instantânea COMVC, duas horas após, é registrado mais de 5 mil downloads.

O surgimento de um Mercado Comercial

No meio dos anos 80, havia um interesse suficiente em relação ao uso da Internet no setor de pesquisas, educacional e das comunidades de defesa, que justificava o estabelecimento de negócios para a fabricação de equipamentos especificamente para a implementação da Internet. Empresas tais como a Cisco Systems, a Proteon e, posteriormente, a Wellfleet (atualmente Bay Networks) e a 3Com, começaram a se interessar pela fabricação e venda de roteadores, o equivalente comercial dos gateways criados pela BNN nos primórdios da ARPANET.

Só a Cisco já tornou-se um negócio de 1 bilhão de dólares.

A Internet está tendo um crescimento exponencial no número de redes, número de hosts e volume de tráfego.

Outro fator primordial que existe por trás do recente crescimento da Internet é a disponibilidade de novos serviços de diretório, indexação e pesquisa que ajudam os usuários a descobrir as informações de que precisam na imensa Internet.

A maioria desses serviços surgiu em função dos esforços de pesquisa das universidades e evoluíram para serviços comerciais, entre os quais se incluem o WAIS (Wide Area Information Service), o Archie (criado no Canadá), o YAHOO, de Stanford, o The McKinley Group e o INFOSEEK, que são empresas privadas localizadas no Vale do Silício.

Fonte: www.usg.edu/www.internetsociety.org/www.vas-y.com/sites.google.com/www.vas-y.com/www.history.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.