Breaking News
Home / História Geral / Calendário Islâmico

Calendário Islâmico

PUBLICIDADE

 

O calendário islâmico é um calendário puramente lunar.

Ele contém 12 meses, que são baseados no movimento da lua, e por 12 meses sinódicos é de apenas 12 x 29,53 = 354,36 dias, o calendário islâmico é sempre inferior a um ano tropical, e, portanto, se desloca em relação ao calendário cristão.

O calendário é baseado no Alcorão (Sura IX, 36-37) e sua devida observância é um dever sagrado para os muçulmanos.

O calendário islâmico é o calendário oficial em vários países do Golfo, especialmente a Arábia Saudita.

Mas outros países muçulmanos utilizam o calendário gregoriano para fins civis e só voltam para o calendário islâmico para fins religiosos.

O que é um ano islâmico?

Os nomes dos 12 meses que compõem o ano islâmico são:

1 Muharram 7 Rajab
2. Safar 8 Sha’ban
3. Rabi ‘al-awwal (Rabi’ I) 9 Ramadan
4. Rabi ‘al-Thani (Rabi’ II) 10. Shawwal
5. Jumada al-awwal (Jumada I) 11 Dhu al-Qi’dah
6. Jumada al-Thani (Jumada II) 12 Dhu al-Hijjah

Devido a transliterações diferentes do alfabeto árabe, outras grafias dos meses são possíveis.

Cada mês começa quando o crescente lunar é visto pela primeira vez (pelo olho de um observador humano) depois de uma lua nova.

Embora as novas luas pode ser calculado com bastante precisão, a visibilidade real do crescente é muito mais difícil de prever. Isso depende de factores tais como o tempo, das propriedades ópticas da atmosfera, e a localização do observador. Por isso, é muito difícil dar informações precisas com antecedência sobre quando um novo mês vai começar.

Além disso, alguns muçulmanos dependem de uma vista local, da lua, enquanto outros dependem de um avistamento por parte das autoridades em algum lugar do mundo muçulmano. Ambos são práticas islâmicas válidas, mas podem levar a diferentes dias de partida para os meses.

Então você não pode imprimir um calendário islâmico com antecedência?

Não um confiável. No entanto, os calendários são impressos para fins de planejamento, mas esses calendários são baseados em estimativas da visibilidade do crescente lunar, e no mês atual pode começar um dia mais cedo ou mais tarde do que o previsto no calendário impresso.

São utilizados diferentes métodos para estimar os calendários.

Algumas fontes mencionam um sistema bruto em que todos os meses ímpares têm 30 dias e todos os meses com números pares têm 29 dias, com um dia extra adicionado ao mês passado em “salto anos” (um conceito de outra maneira desconhecido no calendário).

Os anos bissextos poderia, então, ser anos em que o número de ano mod 30 é uma das seguintes opções: 2, 5, 7, 10, 13, 16, 18, ??21, 24, 26 ou 29 (Este é o algoritmo usado no programa de calendário do editor GNU Emacs.)

Tal calendário daria um comprimento médio mês de 29,53056 dias, que é bastante próximo do mês sinódico de 29,53059 dias, por isso, em média, seria bastante precisos, mas em um determinado mês, ainda é apenas uma estimativa aproximada.

Melhores algoritmos para estimar a visibilidade da lua nova foram criadas.

Como funciona contagem dos anos?

Os anos são contados a partir da Hégira, isto é, a emigração de Maomé para Medina, em 622 dC No dia 16 de julho (calendário juliano) daquele ano, AH um iniciado (AH = Anno Hegirae = ano da Hégira).

No ano AD 2003, temos testemunhado o início do ano islâmico AH 1424.

Observe que, embora apenas 2003-622 = 1381 anos se passaram no calendário cristão, 1.423 anos se passaram no calendário islâmico, porque o seu ano é sempre mais curto (por cerca de 11 dias) do que o ano tropical usado pelo calendário cristão.

Quando é que o calendário islâmico ultrapassa o calendário gregoriano?

Como o ano no calendário islâmico é cerca de 11 dias mais curto que o ano no calendário cristão, os anos islâmicos estão lentamente ganhando nos anos cristãs.

Mas serão necessários muitos anos antes que os dois coincidem. O primeiro dia do quinto mês do CE 20874 no calendário gregoriano também será (aproximadamente) o primeiro dia do quinto mês de AH 20874 do calendário islâmico.

Fonte: www.webexhibits.org

Calendário Islâmico

O Calendário islâmico começou no Ano 0 da Hégira (Hijra), 622 E.C. data da saída do Profeta Muhammad de Meca para Medina.

Com menos 10-11 dias do que o Calendário Gregoriano, tem 12 meses lunares.

Em cada ciclo de 30 anos, há 11 anos com 355 dias e os restantes com 354 dias.

Os anos que têm 355 dias são chamados «anos intercalares». O ano atual para os islâmicos é o de 1435 (15 de novembro de 2013 a 4 de novembro de 2014).

O Calendário Islâmico (Hégira)

1. História e Motivação

O calendário islâmico, que se baseia no ciclo lunar, foi introduzido pela primeira vez no ano 638 d.C pelo companheiro próximo do Profeta e segundo califa, ‘Umar ibn al-Khattab (592-644 d.C). Ele tomou essa decisão, numa tentativa de racionalizar os vários sistemas de datas usados naquela época. ‘Umar consultou seus conselheiros sobre a data de início da nova cronologia muçulmana e finalmente foi acordado que o acontecimento de referência mais adequado para o calendário islâmico era a Hégira. Para a data do início verdadeiro do calendário foi escolhido (com base no ano lunar, contando-se para trás) o primeiro dia do primeiro mês (1° de Muharram) do ano da Hégira. O calendário islâmico (Hégira) (com datas que caem dentro da era muçulmana) é normalmente abreviado pela letra H., tirado das línguas ocidentais derivadas do latim, Anno Hegirae. Portanto, 1° Muharram, do ano 1, corresponde ao dia 16 de julho do ano de 622 da era cristã.

A Hégira, que narra a migração do Profeta Mohammad (saw) de Meca para Medina, em setembro de 622 d.C., é o acontecimento histórico central dos primórdios do Islam e que teve como consequência o estabelecimento da primeira cidade-estado muçulmana, um ponto decisivo na história mundial e islâmica. Para os muçulmanos o calendário com base na Hégira não é só um sistema afetivo de contagem de tempo e de datas de acontecimentos religiosos importantes (por exemplo, o jejum e a peregrinação a Meca). Tem uma importância histórica e religiosa muito mais profunda.

Mohammad Ilyes (Ilyes 84) menciona Nadvi, que escreveu:

“(O advento do século 15) é, na verdade, uma ocasião ímpar para se meditar que a Era Islâmica não teve início com base em vitórias das guerras islâmicas, nem com o nascimento ou a morte do Profeta (saw), ou com a própria Revelação. Ela começa com a Hégira, ou o sacrifício pela causa da Verdade e pela preservação da Revelação. Foi uma escolha inspirada divinamente. Deus quis ensinar ao homem que a luta entre a Verdade e o Mal é eterna. O ano islâmico lembra aos muçulmanos, anualmente, não as honrarias ou as glórias do Islam e sim o seu sacrifício, preparando-os para fazer o mesmo.”

De um ponto de vista histórico, Ilyes cita Samiullah que escreve:

“Todos os eventos da história islâmica, principalmente aqueles que aconteceram durante a vida do Santo Profeta e posteriores, são mencionados com base no calendário da Hégira. Mas nossos cálculos no calendário gregoriano nos afasta daqueles acontecimentos que estavam repletos de lições educativas e instruções orientadoras.

… E este estudo cronológico só é possível com a adoção do calendário com base na Hégira para indicar o ano e o mês lunar de acordo com nossas mais estimadas tradições.”

2. Especificação e Método

O ano islâmico (Hégira) consiste de 12 meses (lunares).

São eles:

(1) MuHarram
(2) Safar
(3) Raby` al-awal
(4) Raby` al-THaany
(5) Jumaada al-awal
(6) Jumaada al-THaany
(7) Rajab
(8) SHa`baan
(9) RamaDHaan
(10) SHawwal
(11) Thw al-Qi`dah
(12) Thw al-Hijjah

As datas mais importantes do ano islâmico (Hégira) são: 1° de Muharram (ano novo islâmico); 27 de Rajab (Isra e Miraj); 1° de Ramadhan (primeiro dia do jejum); 17 de Ramadhan (Nuzul al-Qur’an); os últimos dez dias do mês de Ramadhan, que inclui o Laylatu al-Qadar; 1° de Shawwal (Eid ul-Fitr); 8-10 deTw al-Hijjah (a peregrinação a Meca); e 10 de Tw al-Hijjah (Eid al-Adha).

É considerado um mandamento divino usar o calendário (Hégira) com os 12 meses lunares sem intercalação (Ilyes 84), conforme se depreende dos versículos alcorânicos a seguir:

“Perguntar-te-ão sobre os novilúnios. Dize-lhes: Servem para auxiliar o homem no cômputo do tempo e no conhecimento da época da peregrinação.” (Alcorão 2:189)

“Para Deus, o número dos meses é de doze, como reza o Livro Divino, desde o dia em que Ele criou os céus e a terra. Quatro deles são sagrados; tal é o cômputo exato. Durante estes meses não vos condeneis, e combatei unanimemente os idólatras.” (Alcorão 9:36)

“A transposição do mês sagrado é um excesso de incredulidade, com que são desviados,ainda mais,. os incrédulos; permitem-no num ano e o proíbem noutro, para fazerem concordar o número de meses feitos sagrados por Deus, de maneira a tornarem lícito o que Deus vedou. Suas más ações os iludiram. Sabei que Deus não guia os incrédulos.” (Alcorão 9:37)

Considerando que o calendário islâmico é lunar, quando comparado com o ano solar ou luni-solar, ele é mais curto do que o ano gregoriano em cerca de 11 dias e os meses do ano islâmico não têm qualquer ligação com as estações, que estão relacionadas com o ciclo solar. Por isto, as festividades muçulmanas que sempre caem no mesmo mês do ano com base na Hégira podem ocorrer no verão ou no inverno. Somente após 33 anos do ciclo é que os meses lunares completam uma volta e caem na mesma estação.

Por razões religiosas, o início de um mês no calendário da Hégira não é marcado pelo começo de uma nova lunação e sim pela visão da lua crescente em um dado local. Do ponto de vista do Fiqhi, uma pessoa pode começar o jejum do Ramadan, por exemplo, baseado na visão “local” (ikhtilaf al-matale’) ou na visão da lua em qualquer lugar do mundo muçulmano (ittehad al-matale’). Embora diferentes, tanto uma como outra são posições Fiqhi válidas .

Astronomicamente, alguns dados são definitivos e conclusivos (isto é, o tempo do nascimento de uma lua nova). No entanto, determinar a VISIBILIDADE do crescente não é definitivo ou conclusivo;depende de uma série de fatores, principalmente de natureza ótica. Daí a dificuldade em se confeccionar calendários islâmicos que sejam confiáveis (no sentido de que eles sejam consistentes com a visibilidade real do crescente).

Esforços para se obter um critério astronômico de se predizer o momento da primeira visibilidade lunar remontam ao período babilônico, com importantes melhorias e estudos feitos mais tarde por muçulmanos e outros cientistas. Estes esforços resultaram no desenvolvimento de vários critérios de se predizer a primeira visão possível de um crescente. No entanto, ainda permanece uma medida de incerteza. Além do mais, houve muito pouco trabalho no sentido de se estimar a visibilidade do crescente em escala global. Enquanto isto durar, não existe qualquer programa de calendário da Hégira que seja 100% confiável e a visão real do crescente permanece fundamental, principalmente para fixar datas importantes como o início do Ramadan e dos dois eids.

As ligeiras diferenças nos calendários islâmicos impressos no mundo, portanto podem apresentar dois aspectos:

1) a ausência de um critério global para a primeira visibilidade; e

2) o uso de diferentes critérios de visibilidade (ou método de cálculo). As condições metereológicas e as diferenças na localização do observador também explicam porque algumas vezes existem diferenças na observância das datas islâmicas no mundo.

Aqueles que quiserem informações adicionais sobre o assunto devem consultar o excelente livro de Mohammad Ilyas, “A Modern Guide to Astronomical Calculations of Islamic Calendar, Times & Qibla”, Berita Publishing, 1984, (ISBN: 967-969-009-1). O livro contém uma discussão cuidadosa do sistema islâmico de calendário e fatos históricos e científicos relacionados. Também apresenta uma proposta válida para um Calendário Islâmico universal, baseado no critério de visibilidade global e no conceito de um Dia Lunar.

Ramadan

Ramadan é um mês lunar, no qual Deus iniciou a revelação do Alcorão ao Seu Mensageiro, tendo a terra se iluminado com a luz de Seu Criador, essa noite é chamada por “A Noite do Decreto”.

Situa-se no último terço do mês de Ramadan, por isso os Muçulmanos fazem vigilias nessa noite, com orações, preces, e na recordação de Deus, e a isso está a referência do Profeta Muhammad:

“Quem velar a noite do Decreto por fé e amor a Deus, terá perdoados todos os seus pecados passados”.

Deus diz no Alcorão:

“Mês de Ramadan, em que foi revelado o Alcorão guia para a humanidade.” Não foi apenas o Alcorão o revelado nesse mês, pois Deus revelou todos os livros celestiais no mês de “Ramadan”.

Disse o Profeta Muhammad: “As páginas de Abraão foram reveladas no primeiro dia de Ramadan, e o Evangelho foi revelado aos treze dias do Ramadan.”

Evidenciam-se as graças do mês de Ramadan através dos importantes acontecimentos que se registraram na história dos Muçulmanos e do Islamismo. No dia dezessete de Ramadan, no segundo ano da Hegira, Deus deu a vitória aos Muçulmanos, que em número de trezentos, sob o comando do Profeta Muhammad; sobre aproximadamente mil combatentes infiéis que vieram agredi-los na batalha de “Badr”. Deus igualmente, proporcionou ao Profeta Muhammad; a conquista da cidade de Makka aos vinte e dois dias do mês de Ramadan, no oitavo ano de Hegira. O Profeta Muhammad; entrou em Makka vitorioso e destruiu seus ídolos com suas mãos honradas, recitando o Alcorão. Tendo Makka retornado ao Monoteísmo após ter sido um baluarte da “IDOLATRIA”, e purificou-se com isso ” A casa antiga” a Kaaba das impurezas e dos ídolos.

E sucederam-se os acontecimentos culminando com a denominação: “O mês da vitória” ao mês de Ramadan.

O Profeta Muhammad; disse sobre as graças do Ramadan:

“Abrem-se nele, as portas do Céu, fecham-se nele as portas do Inferno e acorrentam-se nele os Demônios.”

O período diário do jejum começa antes da alvorada despontar e acaba logo depois do pôr do sol. Normalmente, existem calendários exatos, elaborados pelas comunidades islâmicas locais (com dados fornecidos pelos Observatórios Astronômicos dos respectivos países Islâmicos), indicando as horas precisas, mas na falta de tais facilidades, deverá consultar-se o relógio e as posições do Sol, assim como os jornais locais, os boletins metereológicos, etc.

O jejum de Ramadan é obrigatório para qualquer Muçulmano responsável e apto (Mukallaf). Mas também se recomenda com insistência o jejum noutras alturas, conforme as Tradições do Profeta Muhammad; por exemplo, todas as semanas à segunda e quinta-feira, alguns dias em cada um dos dois meses precedentes ao Ramadan, (Rajab e Chaaban), seis dias após o Ramadan, a seguir ao Id-al-Fitr.

Além disso, é sempre recomendado fazer jejum em qualquer dia de qualquer mês do ano, porém nos dias de “Ide” (Festa Islâmica) e às sextas-feiras, nenhum Muçulmano deverá jejuar. No entanto, repetimos que o único jejum obrigatório é do Ramadan, que pode durar 29 ou 30 dias, conforme as posições da Lua. Este é um dos pilares do Islam, e quem deixar de o fazer, sem escusa razoável, comete um pecado.

Waleed Muhanna

Fonte: sbmrj.org.br

Veja também

Populista

Populista

PUBLICIDADE Definição Populista, em geral, é uma ideologia ou movimento político que mobiliza a população …

Corrida Espacial

Corrida Espacial

PUBLICIDADE Definição A corrida espacial da Guerra Fria (1957 – 1975) foi uma competição na exploração do …

Caso Watergate

Caso Watergate

PUBLICIDADE Watergate Watergate pode ser a história mais famosa na história americana de jornalismo investigativo. Isso …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.