Breaking News
Home / História Geral / Teocracia

Teocracia

PUBLICIDADE

Teocracia – Definição

Teocracia é uma forma de governo em que Deus ou uma divindade é reconhecido como o supremo governante civil, as leis de deus ou deuses sendo interpretadas pelas autoridades eclesiásticas.

O governo teocrático era típico das civilizações iniciais. O Iluminismo marcou o fim da teocracia na maioria dos países ocidentais.

Na prática, o termo se refere a um governo operado por autoridades religiosas que reivindicam poder ilimitado em nome de Deus ou de forças sobrenaturais.

Muitos líderes governamentais invocam a Deus e afirmam ser inspirados por Deus ou obedecer à vontade de Deus. Isso não torna um governo uma teocracia, pelo menos na prática e por si só.

Um governo é uma teocracia quando seus legisladores acreditam que os líderes são governados pela vontade de Deus e as leis são escritas e aplicadas com base nessa crença.

Teocracia – Forma de Governo

Uma teocracia é uma forma de governo em que uma pessoa ou um grupo de pessoas governa em nome de uma deidade ou deus (ou deidades múltiplas e/ou deuses).

Na maioria das teocracias, os funcionários do governo são considerados guias divinamente, e a maioria das leis são derivadas de textos sagrados e ensinamentos religiosos.

Embora seja de origem antiga, esta forma de governo ainda prevalece em algumas partes do mundo.

Teocracia – O que é

O termo “teocracia” vem da palavra grega theokratia, que é uma palavra composta que combina theos, que significa “deus” e kratein, o que significa “governar”.

Uma teocracia, portanto, é uma forma de governo em que a regra é dirigida pela crença em um deus ou por certas crenças religiosas.

Também pode ser o caso de o chefe de um governo teocrático ser o chefe de uma religião específica, como no caso da Cidade do Vaticano.

Os governantes teocráticos são guiados especificamente por suas crenças religiosas e podem se ver como emissários de seu deus, destinados a governar seu povo.

Teocracia – Significado

A palavra foi cunhada pela primeira vez na língua grega (theokratia) pelo historiador judeu Josefo Flávio por volta de 100 dC. Josefo observou que, embora as nações do mundo fossem governadas por monarquias, oligarquias e democracias, a política dos judeus era a teocracia. Isso, pensava ele, remontava a Moisés, que não se sentia atraído pelo modelo desses outros sistemas políticos e, portanto, “designou seu governo uma teocracia – como alguém poderia dizer, forçando uma expressão – atribuindo assim o governo e o domínio a Deus”.

Da cunhagem de Josefo, o termo encontrou seu caminho para as línguas modernas, embora a maioria dos primeiros usos fossem referências ao governo do antigo Israel e, portanto, fiel ao contexto original.

O poeta John Donne, em um sermão de 1622, afirmou que os judeus haviam estado sob uma teocracia, e o bispo anglicano William Warburton, em sua Divina Legação de Moisés Demonstrada (1737-1741), engajou-se em uma longa discussão sobre a teocracia israelita.

O ímpeto para um uso mais amplo da palavra veio da Filosofia da História de G. W. F. Hegel, onde o termo foi empregado para descrever aquela fase inicial da antiga civilização oriental em que não havia distinção entre religião e Estado. No final do século XIX e no início do século XX, o termo tornou-se o que Karl Mannheim chamou de Kampfbegriff, pelo qual o desprezo “esclarecido” pelas sociedades “dominadas por padres” podia ser expresso. Foi com algo dessa força que foi usado por W. E. H. Lecky em sua História do Racionalismo (1865) e por Brooks Adams em The Emancipation of Massachusett s (1887).

Teocracia não se tornou um conceito rigorosamente definido nas ciências sociais ou na história das religiões, embora o termo seja frequentemente usado na escrita histórica.

Isso provavelmente porque não nomeia um sistema ou estrutura governamental, paralela à monarquia ou à democracia, mas designa certo tipo de colocação da fonte última da autoridade estatal, independentemente da forma de governo. Nos estudos bíblicos, onde a noção de teocracia teve sua mais longa vigência, provavelmente também foi usada com a maior consistência e fecundidade.

Teocracia X Ecclesiocracia

Teocracia

No sentido mais estrito, uma teocracia tem um governante que afirma ser guiado por seu deus, como por meio da revelação direta. Quando este é o caso, as leis e as declarações feitas pelo governante são consideradas pelos seguidores do governante como sendo divinamente reveladas ou inspiradas.

Um tipo de governo semelhante é uma ecclesiocracia, que é quando o governo é controlado por uma igreja ou religião, mas os líderes não afirmam estar em comunicação direta com a revelação de Deus. Em vez disso, os líderes do governo eclesiocrata podem governar com base em crenças religiosas, princípios e interpretações.

Apesar das diferenças entre esses tipos de governos, as eclesiocracias tipicamente são consideradas teocracias em um sentido geral.

Teocracia – História

Teocracia
Teocracia

Durante a Idade Média, muitas monarquias eram pelo menos parcialmente teocráticas. As decisões dos governantes em países católicos, por exemplo, muitas vezes foram questionadas e descartadas se os papas da época não concordassem com eles. Os líderes religiosos frequentemente aconselharam os governantes em questões de governo e religião.

Isso começou a mudar à medida que o protestantismo e outras religiões não-católicas ganharam influência em certos países.

Muitos países ainda podem ter religiões oficiais ou têm líderes que são orientados por figuras religiosas, mas essas condições, por si só, não atendem à definição de teocracia. Além disso, os governos nos países onde a população é esmagadoramente constituída por membros de uma determinada religião podem se assemelhar a teocracias, mesmo que eles realmente usem outras formas de governo.

As teocracias mudaram com o tempo, assim como as próprias religiões mudaram. No entanto, várias sociedades antigas são registradas como tendo sido teocracias. Por exemplo, antigos imperadores em vários reinos em todo o mundo eram considerados extensões dos próprios deuses, predestinados a governar. Então, na Idade das Trevas da Europa, os bispos frequentemente governavam na ausência de “verdadeiros monarcas”, usando os ensinamentos religiosos como lei da terra. Na Idade Média, vários reis se apresentaram reivindicando o direito divino ao trono.

Também vale a pena mencionar que não foi até 1924 que os imperadores chineses não foram mais considerados como tendo poderes celestiais.

Muitos governos asiáticos foram influenciados por suas histórias religiosas, mas atualmente não são teocracias.

Teocracias modernas

Teocracia

A partir de 2011, a maioria dos governos do mundo que eram considerados teocracias eram estados islâmicos. Entre estes foram os governos do Irã, Afeganistão, Paquistão e Arábia Saudita.

A Cidade do Vaticano é uma teocracia católica com o papa como chefe do governo.

A Cidade do Vaticano é a teocracia cristã mais famosa, com o Papa como chefe de estado e a votação limitada aos bispos.

Também existem inúmeras teocracias islâmicas, como Afeganistão, Mauritânia, Iêmen, Irã e Somália, onde os ensinamentos islâmicos da “Sharia” são considerados lei. A Arábia Saudita é outro exemplo, chegando a ter uma “polícia religiosa” que garante o cumprimento por parte dos cidadãos.

Teocracia – Características

A maioria dos governos teocráticos também são estruturados como uma monarquia ou ditadura.

Além disso, as teocracias são semelhantes na medida em que as pessoas com poder político primeiro servem o deus de sua religião e depois os cidadãos do país.

Esses indivíduos são geralmente parte do clero e da religião e não são escolhidos pelo voto popular. Líderes futuros ganham suas posições através da herança familiar, ou são escolhidos pelos líderes anteriores.

Esses indivíduos mantêm seus cargos governamentais sem limites de mandato.

Em uma teocracia, tanto as leis como os regulamentos e as normas culturais do país se baseiam em textos religiosos. Questões como casamento, direitos reprodutivos e punições penais também são definidas com base em textos religiosos.

Sob uma teocracia, os moradores de um país tipicamente não têm liberdade religiosa e não podem votar nas decisões governamentais.

Comparações com outras formas de governo

Uma teocracia é diferente de outras formas de governo (nomeadamente repúblicas e democracias) que fazem questão de não se guiar pela religião.

Por exemplo, o governo dos Estados Unidos não observa nenhuma religião em particular para permitir liberdade religiosa aos cidadãos individuais.

O Juramento de Fidelidade diz “Uma nação, sob Deus”, mas isso foi adicionado em 1954 e tem sido atribuído a tudo, desde uma resposta automática ao comunismo a corporações que querem que o público acredite que foram “abençoados”. Isso não indica necessariamente que o governo observa algum deus em particular.

É importante notar também que as teocracias diferem muito de governos que têm uma religião oficial ou são religiosamente filiados.

Por exemplo, os monarcas do Reino Unido têm uma longa história de prática do cristianismo. No entanto, o próprio governo não faz leis de acordo com a Bíblia, nem vê seus funcionários como divinamente guiados ou escolhidos.

Fonte: www.dictionary.com/www.wisegeek.org/followmyvote.com/www.encyclopedia.com/www.worldatlas.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.