Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Cristianismo

Cristianismo

PUBLICIDADE

 

O cristianismo é a maior religião do mundo, com cerca de 2,1 bilhão de seguidores em todo o mundo.

Ele é baseado nos ensinamentos de Jesus Cristo, que viveu na Terra Santa há 2.000 anos.

Cristianismo, a maior religião do mundo, centrada em Deus e Jesus Cristo.

A palavra “Cristo” significa ungido. Cristo não é o sobrenome de Jesus. Jesus é o ungido de Deus Pai, que veio a este mundo, cumpriu as leis e profecias do Antigo Testamento, morreu na cruz e ressuscitou dos mortos fisicamente. Ele realizou muitos milagres que foram registradas nos Evangelhos por testemunhas oculares. Ele é divino em natureza, bem como humano. Assim, Ele tem duas naturezas e é digno de adoração e oração.

O cristianismo ensina que há apenas um Deus em toda a existência, que Deus criou o universo, a Terra, e criou Adão e Eva. Deus criou o homem à Sua imagem. Isso não quer dizer que Deus tem um corpo de carne e ossos. Imagem significa a semelhança do caráter de Deus, a racionalidade, etc. porque somos feitos à imagem de Deus, toda pessoa é digna de respeito e honra. Além disso, isto significa que nós não evoluímos através de processos aleatórios de um organismo unicelular, em seres emocionais racionais.

O cristianismo ensina que Deus é uma Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo – não três Deuses), que Jesus Cristo é a segunda pessoa da Trindade, que Jesus morreu na cruz e ressuscitou dos mortos fisicamente, e que todas as pessoas estão sob o justo juízo de Deus porque todas as pessoas pecaram contra Deus.

Ela ensina que Jesus é a única maneira de ser salvo da vinda do julgamento de Deus e que a salvação é recebida pela fé na obra de Cristo na cruz e não por qualquer coisa que podemos fazer para agradar a Deus.

Cristianismo em um relance

Cristianismo
Fachada de pedra gótica da Abadia de Westminster, um lugar de culto cristão

Os cristãos acreditam que Jesus era o Messias prometido no Antigo Testamento.

Os cristãos acreditam que Jesus Cristo é o Filho de Deus.

Os cristãos acreditam que Deus enviou o seu Filho ao mundo para salvar a humanidade das conseqüências de seus pecados.

Um dos conceitos mais importantes do cristianismo é o de Jesus dando a sua vida na cruz (a crucificação ) e ressuscitar dos mortos no terceiro dia (da Ressurreição).

Os cristãos acreditam que há apenas um Deus, mas que há três elementos a este único Deus:

Deus Pai
Deus o Filho
O Espírito Santo

Culto cristãos nas igrejas.

Seus líderes espirituais são chamados sacerdotes ou ministros.

O livro sagrado cristão é a Bíblia , e consiste dos Antigo e Novo Testamentos.

Christian dias santos , como Páscoa e Natal são marcos importantes no calendário ocidental secular.

Os fundamentos da fé cristã

Deus, Jesus e os santos

Cristianismo
A Bíblia é a base da fé cristã

Deus

Os cristãos acreditam que há apenas um Deus, a quem eles chamam de Pai, como Jesus Cristo ensinou-los.

Jesus

Cristãos reconhecem Jesus como o Filho de Deus, que foi enviado para salvar a humanidade da morte e do pecado.

Jesus Cristo ensinou que ele era o Filho de Deus. Seus ensinamentos podem ser resumidos, de forma breve como o amor de Deus eo amor ao próximo.

Jesus disse que veio para cumprir a lei de Deus, em vez de ensiná-lo.

Justificação pela fé

Os cristãos acreditam na justificação pela fé – que através de sua crença em Jesus como o Filho de Deus, e em sua morte e ressurreição, eles podem ter um relacionamento correto com Deus cujo perdão foi feito uma vez por todas através da morte de Jesus Cristo.

A Trindade

Os cristãos acreditam na Trindade – que é, em Deus como Espírito, Pai, Filho e Espírito Santo.

Alguns confundem isso e acho que os cristãos crêem em três deuses separados, o que eles não fazem.

Os cristãos acreditam que Deus tomou a forma humana, como Jesus Cristo e que Deus está presente hoje, através do trabalho do Espírito Santo e evidente nas ações dos crentes.

Vida após a morte

Os cristãos acreditam que há vida após a morte terrena.

Enquanto a natureza real desta vida não é conhecida, os cristãos acreditam que muitas experiências espirituais nesta vida, contribuem para dar-lhes uma idéia do que a vida eterna será como.

Os santos

Estes dias, a palavra santo é mais comumente usado para se referir a um cristão que viveu uma vida particularmente bom e santo na terra, e com quem os milagres são alegou ter sido associada após a sua morte.

O título formal de Saint é conferida pela Igreja Católica Romana e Ortodoxa Igrejas através de um processo chamado de canonização.

Os membros destas Igrejas também acreditam que os santos criados desta forma poderá interceder junto a Deus em nome de pessoas que estão vivas hoje.

Isso não é aceito pela maioria dos protestantes.

Na Bíblia , no entanto, a palavra santo é usado como uma descrição de quem é um crente comprometido, principalmente por São Paulo no Novo Testamento (por exemplo, Efésios 1.1. e 1.15).

Oração e ritual

Oração

Cristianismo
Velas acesas na igreja durante a oração cristã

A oração é o meio pelo qual os cristãos se comunicar com seu Deus.

Os registros do Novo Testamento que Jesus ensinou seus discípulos a orar e que ele encorajou-os a dirigir a Deus como pai. Os cristãos acreditam que eles continuam esta tradição.

Às vezes, as orações são formais e parte de um ritual estabelecido por centenas de anos.

Outros são pessoal e espontânea, e vem de uma necessidade pessoal ou de grupo.

Enquanto a oração é muitas vezes dirigida a Deus como Pai, como ensinado por Jesus, algumas tradições incentivar a oração a Deus através de intermediários, como santos e mártires.

Orações através de Maria , como a mãe de Deus, são fundamentais para algumas igrejas e formam uma parte tradicional de sua adoração.

A Igreja

A igreja cristã é fundamental para os crentes. Embora tenha muitas falhas, é reconhecido como o corpo de Deus na Terra.

A igreja é o lugar onde a fé cristã é cultivada e onde o Espírito Santo se manifesta na Terra.

É onde os cristãos são recebidos na fé e onde eles são reunidos em um corpo através da Eucaristia .

Batismo

A igreja cristã acredita em um batismo na igreja cristã, quer seja como uma criança ou como um adulto, como um sinal externo de um compromisso interior com os ensinamentos de Jesus.

Eucaristia

Eucaristia é uma palavra grega para ação de graças. Sua festa é para comemorar a última refeição que Jesus teve com seus discípulos antes de sua morte (a Última Ceia).

Este rito vem das ações de Jesus que, naquela refeição, tomou o pão e vinho e perguntou a seus discípulos para consumi-los e continuar a fazê-lo em memória dele.

Cristianismo
Mão cristã sacerdote segurando finas, wafers brancos Comunhão

Na refeição, o vinho representava o seu sangue eo pão o seu corpo.

A Eucaristia (também conhecido como uma refeição Comunhão em algumas igrejas) é fundamental para a Igreja e é reconhecido como um sinal de unidade entre os cristãos.

Igrejas diferentes entender e praticar a Eucaristia de diferentes maneiras. Como resultado, as ideias centrais da Eucaristia pode causar desarmonia vez que a unidade.

Por exemplo, a idéia de que Cristo está presente no pão e no vinho é interpretado literalmente por algumas igrejas e metaforicamente por outros. Isto deu origem a uma divergência substancial e muitas vezes inconciliáveis.

A Trindade

Crenças cristãs sobre Deus

Há um só Deus
Deus é uma Trindade do Pai, Filho e Espírito Santo
Deus é perfeito
Deus é onipotente
Deus está em toda parte
Deus sabe de tudo
Deus criou o universo
Deus mantém o universo vai
Deus intervém no universo
Deus ama a todos incondicionalmente (embora as pessoas têm de cumprir várias condições, a fim de alcançar a salvação)
Os seres humanos podem conhecer a Deus através da oração, adoração , amor e experiências místicas
Os seres humanos podem conhecer a Deus pela graça de Deus – que é através do seu amor e seu poder

Deus o Filho

Deus viveu na terra como Jesus
Jesus era Deus completa e totalmente humana
Jesus nasceu de uma mulher humana, Maria, mas concebido do Espírito Santo
Porque Jesus era totalmente humano que ele foi objeto de dor, sofrimento e tristeza como outros seres humanos
Jesus foi executado por crucificação , mas ressuscitou dos mortos na ressurreição
Vida de Jesus é um exemplo perfeito de como Deus quer que as pessoas vivam
Jesus morreu na cruz
para que aqueles que acreditam nele serão perdoados todos os seus pecados

Deus o Espírito Santo

Depois da Ressurreição, Jesus permaneceu na terra por apenas alguns dias antes de subir ao Céu
Jesus prometeu que ele iria ficar com seus seguidores, então depois que ele foi para o céu, enviou o seu Espírito para guiá-los
O Espírito Santo continua a guiar, conforto e encorajar os cristãos

Por que Jesus morreu?

Os cristãos acreditam que a morte de Jesus era parte de um plano divino para salvar a humanidade.

Mas exatamente como isso poderia funcionar?

Cristianismo
Atores representando soldado romano pregando Jesus na cruz

Expiação e reconciliação

Os acontecimentos que levaram à prisão e crucificação de Jesus são bem contada pelos escritores dos evangelhos, como são histórias da Ressurreição.

Mas por que Jesus morreu?

No final, as autoridades romanas e do conselho judeu queria Jesus morto. Ele era um político e social encrenqueiro.

Mas o que fez a morte de Jesus mais significativo do que as crucificações inúmeras outras realizadas pelos romanos e testemunhou fora dos muros da cidade pelos habitantes de Jerusalém?

Os cristãos acreditam que Jesus era muito mais do que um político radical. Para eles, a morte de Jesus era parte de um plano divino para salvar a humanidade.

A morte e ressurreição de este homem está no centro da fé cristã. Para os cristãos, é através da morte de Jesus de que a relação das pessoas quebrado com Deus é restaurada. Isto é conhecido como a Expiação.

Qual é a expiação?

A palavra expiação é usado na teologia cristã para descrever o que é conseguido através da morte de Jesus. William Tyndale introduziu a palavra em 1526, quando ele estava trabalhando em sua tradução popular da Bíblia , para traduzir a palavra Reconciliatio Latina.

Na Versão Internacional da palavra reconciliação substitui a palavra expiação. Expiação (at-one-ment) é a reconciliação dos homens e mulheres para Deus através da morte de Jesus.

Mas por que a reconciliação é necessária?

Teologia cristã sugere que, embora a criação de Deus foi perfeito, o diabo tentou o primeiro homem, Adão, e pecado foi trazido para o mundo. Todo mundo carrega esse pecado original com eles que os separa de Deus, assim como Adão e Eva foram separados de Deus, quando foram expulsos do Jardim do Éden.

Portanto, é uma idéia básica em teologia cristã que Deus e os homens precisam ser conciliadas. No entanto, o que é mais debatido é como a morte de Jesus alcançou esta reconciliação.

Não há doutrina única da expiação no Novo Testamento. Na verdade, talvez o mais surpreendente, não há uma definição oficial da Igreja também.

Mas, primeiro, o que o Novo Testamento tem a dizer?

Novas imagens Testamento

O Novo Testamento usa uma variedade de imagens para descrever como Deus alcançado reconciliação para o mundo através da morte de Jesus. O mais comum é a imagem do sacrifício.

Por exemplo, João Batista descreve Jesus como “o cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo”. (João 1:29).

Aqui estão algumas imagens utilizadas para descrever a expiação:

Um juiz e prisioneiro em um tribunal
Um pagamento de resgate para a liberdade de um escravo
Um rei estabelecer seu poder
Uma vitória militar

E aqui estão alguns exemplos de como o Novo Testamento explica a morte de Jesus:

“Porque o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos”. Palavras atribuídas a Jesus em Marcos 10:45
“Beba todos vocês a partir deste”, disse ele. “Porque este é o meu sangue, o sangue da aliança, que será derramado por muitos para remissão dos pecados.” Palavras atribuídas a Jesus em Mateus 26:28
Pois bem, em primeiro lugar, eu te ensinou o que eu tinha sido ensinado a mim mesmo, ou seja, que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras … Escrito por Paulo em 1 Coríntios 15:3

Como as posteriores escritores e teólogos interpretaram os relatos bíblicos e teologias?

De formas variadas, e por vezes conflitantes.

Teorias da Expiação

Teólogos agrupados teorias da expiação em diferentes tipos.

Por exemplo, no Christus Victor (1931) Gustaf Aulen sugeriu três tipos: clássicas, latim e subjetiva.

Mais recentemente, em seu livro Teologia Cristã: uma introdução Alister McGrath grupos E. sua discussão em quatro temas centrais, mas sublinha que estes temas não são mutuamente exclusivos.

Seus temas são quatro:

A cruz como sacrifício
A cruz como uma vitória
A cruz eo perdão
A cruz como um exemplo moral

A cruz como sacrifício

Cristianismo
Estátua de Jesus sofrendo na cruz

A imagem da morte de Jesus como sacrifício é o mais popular no Novo Testamento. O Novo Testamento usa a imagem do Antigo Testamento do Servo Sofredor (Isaías 53:5) e aplica-o a Cristo.

O tema da morte de Jesus como um sacrifício é mais puxado na Carta aos Hebreus. O sacrifício de Cristo é visto como o sacrifício perfeito.

No sacrifício tradição bíblica era uma prática comum ou ritual. Ao fazer uma oferta a Deus ou um espírito, a pessoa que faz o sacrifício espera fazer ou consertar um relacionamento com Deus.

Santo Agostinho também escreveu sobre o tema do sacrifício:

Com a sua morte, o que é de fato o único sacrifício e mais verdadeiro oferecido para nós, ele purgado, abolida e extinta qualquer culpa não foi por que os principados e potestades detida legalmente nos a pagar a multa. Agostinho – A Cidade de Deus
Ele ofereceu um sacrifício pelos nossos pecados. E onde ele encontrou que a oferta, a vítima pura que ele iria oferecer? Ele se ofereceu, em que ele poderia encontrar nenhum outro. Agostinho – A Cidade de Deus

A cruz como uma vitória

Cristianismo
Jesus na cruz contra um céu vermelho

O Novo Testamento freqüentemente descreve a morte de Jesus e sua ressurreição como uma vitória sobre o mal eo pecado como reprsented pelo Diabo.

Como foi a vitória alcançada?

Para muitos escritores a vitória foi alcançada por Jesus ter sido usado como um resgate ou uma “isca”. Em Marcos 10:45 Jesus descreve a si mesmo como “um resgate por muitos”. Esta palavra “resgate” foi debatido por escritores posteriores. O escritor grego Orígenes sugeriu a morte de Jesus foi um resgate pago ao diabo.

Gregório Magno usou a idéia de um anzol para explicar como o Diabo foi levado a desistir de seu poder sobre a humanidade pecadora:

A isca tenta, de modo que o gancho pode ferir. Nosso Senhor, portanto, ao vir para a redenção da humanidade, fez uma espécie de gancho de si mesmo para a morte do diabo. Gregório, o Grande

Embora a abordagem vitória tornou-se menos popular no século XVIII, entre os pensadores iluministas – quando a idéia de um Diabo pessoal e as forças do mal foi posta em causa – a idéia foi popularizada novamente por Gustaf Aulen com a publicação em 1931 do Christus Victor.

Aulen escreveu sobre a idéia Christus Victor:

Seu tema central é a idéia da Expiação como um conflito Divino e vitória; Cristo – Christus Victor – lutas contra e triunfos sobre os poderes malignos do mundo, o ‘tiranos’ em que a humanidade está em Deus escravidão e sofrimento, e nele reconcilia o mundo consigo mesmo. Gustaf Aulen

A cruz eo perdão

Anselmo de Cantuária escrita no século XI, rejeitou a idéia de que Deus enganou o diabo através da cruz de Cristo. Em vez disso, ele apresentou uma visão alternativa, que é muitas vezes chamado de teoria da satisfação da expiação.

Nesta teoria Jesus paga a penalidade do pecado de cada indivíduo, a fim de direito, a relação entre Deus ea humanidade, um relacionamento danificado pelo pecado.

A morte de Jesus é a pena ou “satisfação” para o pecado.

A satisfação foi uma idéia usada na igreja primitiva para descrever as ações públicas – caridade peregrinação, – que um cristão se comprometem a mostrar que ele era grato por perdão.

Só Jesus pode fazer satisfação, porque ele é, sem pecado. Ele é sem pecado, porque na Encarnação de Deus tornou-se homem. A teoria é pensado por Anselmo em sua obra Cur Deus homo ou Por que Deus se fez homem.

A cruz como um exemplo moral

Cristianismo
Ícone religioso de Jesus

Teorias da influência moral ou teorias exemplares compreendem uma quarta categoria usada para explicar a expiação. Eles enfatizam o amor de Deus manifestado através da vida e morte de Jesus.

Cristo aceitou uma morte difícil e imerecido. Esta demonstração de amor por sua vez, move-nos a arrepender-se e voltar-nos une a Deus. Pedro Abelardo (1079-1142) está associado a esta teoria.

Ele escreveu:

O Filho de Deus assumiu a nossa natureza, e em que tomou sobre si para nos ensinar tanto pela palavra e pelo exemplo, mesmo ao ponto de morte, portanto, ligar-nos a si mesmo através do amor. Pedro Abelardo

Teoria de Abelardo e da chamada para o indivíduo responda a morte de Cristo com amor continua a ter um apelo popular hoje.

Nossa … redenção através do sofrimento de Cristo é que amor mais profundo dentro de nós, que não só nos liberta da escravidão do pecado, mas também garante para nós a verdadeira liberdade dos filhos de Deus, para que possamos fazer todas as coisas do amor ao invés de por medo – amor por ele que nos tem mostrado tanta graça que há maior pode ser encontrado. Pedro Abelardo

Substituição penal

Cristianismo
Uma linha de três cruzes escuras ao nascer do sol

Jesus levou o castigo pelos pecados da humanidade, quando ele morreu na cruz? Essa idéia é chamada de substituição penal e é resumida pelo reverendo Rod Thomas, a partir da Reforma grupo evangélico, como “Quando Deus castigou ele mostrou a sua justiça, punindo o pecado, mas ele mostrou o seu amor, tomando-se que a punição”.

Fonte: www.bbc.co.uk

Cristianismo

Esta “polêmica” história começa mais ou menos na época em que viveu Jesus Cristo ou Jesus de Nazaré, um judeu da Galiléia, nascido quando Roma domina parte do atual Oriente Médio e Augusto César é o imperador…

Foi primeiramente na Antióquia (Sírias) que os discípulos “por providência divina, foram chamados de Cristãos” (Atos 11:26).

O termo grego latinizado “Khristianós”, encontrado apenas 3 vezes nas Escrituras Sagradas Gregas Cristãs, designa os seguidores de Jesus, o Cristo, os exponentes do Cristianismo (Atos 11:26; 26:28; Pedro 4:16).

É possível, então, que este nome, Cristianismo, já tenha sido usado desde 44 EC., quando ocorreram os eventos que cercam este texto, embora a estrutura gramatical desta frase não torne isso obrigatório; alguns acham que foi um pouco mais tarde…

De qualquer modo, em 58 E.C. na cidade de Cesareia, quase 483 quilômetros ao sul de Antióquia, o termo era bem conhecido e usado, até mesmo por autoridades públicas, pois naquela ocasião o Rei Agripa II disse a Paulo: “Em pouco tempo me persuadirias a tornar-me Cristão” (Atos 26:28).

É muitíssimo improvável que os judeus tenham sido os primeiros a chamar os seguidores de Jesus de “cristãos” (grego), ou de “messianistas” (hebraico), pois não iriam rejeitar a Jesus como sendo o Messias, ou Cristo, e então reconhecê-lo tacitamente como o Ungido ou Cristo, por chamar seus seguidores de “cristãos”.

Alguns pensam que a população pagã talvez os tivesse apelidado de cristãos por zombaria ou escarnio, mas a Bíblia mostra que este foi um nome dado por Deus; eles “por providência divina, foram chamados cristãos” (Atos 11:26).

Ser Cristão é:

— Jesus estendeu o convite para as pesssoas serem seus seguidores, dizendo: “Se alguém quer vir após mim negue-se a si próprio e apanhe a sua estaca de tortura, e siga-me continuamente” (Mateus 16:24).
— Aqueles que são verdadeiros cristãos têm plena fé de que Jesus Cristo é o especialmente Ungido e Filho unigênito de Deus, o Descendente Prometido que sacrificou sua vida humana como resgate, foi ressuscitado e exaltado à direita de Jeová, e é aquele que recebeu autoridade para subjugar inimigos e vindicar o nome de Jeová, Deus (Mateus 20:28; Lucas 24:46; João 3:16; Aos Gálatas 3:16; Aos Filipenses 2:9-11; Aos Hebreus 10:12).
— Os Cristãos encaram a Bíblia como sendo a inspirada Palavra de Deus, a verdade absoluta, sendo proveitosa para ensinar e para disciplinar a humanidade (João 17:17; “ª. a Timóteo 3:16; 2ª. a Pedro 1:21).

Aos verdadeiros Cristãos exige-se mais que a simples fé, é mister que sua crença seja demonstrada por obras (Aos Romanos 10:10; Tiago 2:17; 2ª. a Timóteo 2:17, 26).

— Os Cristãos distinguem-se pelo amor que tem entre eles e emitam os exemplos de Jesus como o Grande Instrutor e Testemunha Fiel de Jeová (João 18:37; Revelação 1:5; 3:14).

Jesus não era filho de Maria e de José. Jesus é filho unigênito de Deus. Jeová utilizou Maria como “barriga de aluguel”, digamos assim, para transferir o Arcanjo Miguel para o útero de uma virgem (Daniel 10:13; 12:1; Judas 9: 1ª. Tessalonicenses 4:16).

O livro sagrado do cristianismo é a Bíblia Sagrada ou Escrituras Sagradas que contêm os Evangelhos que nos trazem a mensagem que Jesus nos deu.

Segundo o Catolicismo, acredita no Deus Pai, Deus Filho (Jesus Cristo) e no Espírito Santo como 3 em um só Deus.

Mas se os Apóstolos de Jesus fossem às casas dizer que o Deus era trino, como os indianos acreditam, os gauleses e muitos cultos pagãos crêem em deuses trinos, seriam corridos à pedrada… Pois eles conheciam as Escrituras Sagradas.

A doutrina fundamental das religiões católica, adventista, anglicana e ortodoxa foi elaborada segundo o Credo de Atanásio. Santo Atanásio foi o idealizador dessa doutrina.

No Judaísmo e no Cristianismo Primitivo, entretanto, não se fala em Trindade e nem em Espírito Santo. Mas os teólogos católicos, a exemplo dos pagãos, queriam também a sua trindade, a qual, porém, deveria ser diferente da das outras religiões, mas tornou-se numa cópia dos deuses trinos indianos e gauleses.

E, assim, instituíram a Santíssima Trindade, uma doutrina meio politeísta, pois tem três deuses antropomórficos (já que seriam pessoas), quando Deus é um só, e transcende as pessoas.

E o pior é que os teólogos impuseram-nos essa doutrina meio estranha, dizendo que ela é assim, porque é mistério de Deus, quando é mistério deles mesmos! Quantos ateus têm surgido no Ocidente por causa de idéias teológicas excêntricas…

E tudo começou com os polêmicos Concílios de Nicéia (325 E.C) e Constantinopla (38l E.C.). São Jerônimo adaptou a Bíblia a essas decisões, ao trabalhar a Vulgata. O Credo das missas foi também alterado. E Santo Atanásio foi o idealizador dessa doutrina.

Mas Ario, apoiado por mais de 300 bispos, contestou-a, veementemente. Já o Concílio de Lion (l274 E.C.) reafirmou-a, com a instituição de mais um dogma, o “Filioque”, que sustenta ser o Espírito Santo derivado não só do Pai, mas também do Filho, princípio esse para consolidar o da divinização de Jesus.

Porém o “Filioque” é rejeitado até hoje pela Igreja Ortodoxa Oriental. Santo Agostinho e Santo Tomás de Aquino divergem também sobre a Santíssima Trindade. E os catequistas estão tendo dificuldades para convencerem as crianças de hoje a aceitarem esse dogma…

Jesus significa na forma hebraica “Jeová É Salvação” e Cristo é o equivalente do hebraico “Ma-shi-ahh” (Messias), que significa “Ungido” e não é deus, pois Ele mesmo diz: “Eu sou a Verdade, o Caminho e a Vida e só vai ao Pai quem vier por mim”…

Mas podemos dividir o Cristianismo em grandes denominações religiosas:

Catolicismo
Ortodoxa
Anglicana ou Episcopal
Protestantismo ou Evangélicos

— O catolicismo tem como chefe supremo secular o Papa.

— O protestantismo (nome que se deve a Martinho Lutero, reformador religioso do século XVI), não tem chefe geral. As grandes igrejas são dirigidas por pastores, bispos, presbíteros, de um modo geral. Há excessões…

— A ordotoxa, muito parecida com o catolicismo, tem como chefe maior o Patriarca.

Segundo a tradição, aos 30 anos Jesus reúne discípulos e apóstolos e começa anunciar a boa nova (o evangelho, em grego): a realização das profecias sobre o Messias (Cristo, em grego) e a instauração do reinado de Deus sobre o mundo a partir de Israel.

Considerado blasfemo, é submetido a um processo religioso e acusado de conspirar contra César. É crucificado quando Tibério é o imperador de Roma e Pôncio Pilatos o procurador da Judéia.

Cinqüenta dias após sua morte, durante a festa de Pentecostes, os discípulos anunciam que ele ressuscitara e os enviara a pregar por todo o mundo a boa nova da salvação e do perdão dos pecados. Esse é considerado o início da difusão do Cristianismo…

Doutrina cristã

A fé cristã professa que o Deus revelado a Abraão, a Moisés e aos profetas envia à Terra seu filho como messias salvador. Ele nasce numa família comum, morre, ressuscita e envia o espírito santificador (Espírito Santo) para permanecer no mundo até o fim dos tempos.

A mensagem cristã se baseia no anúncio da ressurreição de Cristo, na garantia de que a salvação é oferecida a todos os homens de todos os tempos e na mensagem da fraternidade, à semelhança do amor que o próprio Deus dedica a todos os homens.

Bíblia cristã

A Bíblia é composta pelo Antigo Testamento e pelo Novo Testamento. Este é formado pelos quatro Evangelhos com relatos sobre a vida, mensagem e milagres de Jesus, escritos entre 70 e 100 d.C. e atribuídos aos discípulos Mateus, Marcos, Lucas e João; o livro dos Atos dos Apóstolos (enviados, em grego); as cartas atribuídas a Paulo e a outros discípulos; e o Apocalipse, que contém visões proféticas sobre o fim dos tempos, o julgamento final e a volta de Jesus.

Igreja cristã

Desde o início o cristianismo organiza-se como igreja (do grego ekklesía, reunião), sob a autoridade dos apóstolos e dos seus sucessores. Estes nomeiam anciãos (presbíteros, em grego) para dirigir as novas comunidades.

Muito cedo surgem os grupos de servidores (diáconos, em grego) para a assistência aos pobres das comunidades.

Aos poucos se estrutura uma hierarquia: os reponsáveis pelas comunidades são os bispos (do grego, episcopos, supervisor) auxiliados pelos presbíteros e diáconos.

Expansão do cristianismo

Os discípulos espalham-se pelas regiões do Mediterrâneo, inclusive Roma, e fundam várias comunidades. Nos três primeiros séculos, os cristãos sofrem grandes perseguições, primeiro das autoridades religiosas do judaísmo e, a partir do século I d.C., dos romanos.

Durante o reinado dos imperadores Nero, Trajano, Marco Aurélio, Décio e Diocleciano, milhares de cristãos são mortos por se recusarem a adorar os deuses do Império e a reconhecer a divindade do imperador.

Em 313 o imperador Constantino converte-se ao cristianismo, que expande-se por todo o Império.

Até o século XI, duas grandes tradições convivem no interior do cristianismo: a latina, no Império Romano do Ocidente, com sede em Roma, e a bizantina, no Império Romano do Oriente, com sede em Constantinopla (antiga Bizâncio e atual Istambul).

Em 1054, controvérsias teológicas, entre elas a da doutrina da Santíssima Trindade, provocam a ruptura entre as igrejas do Oriente e do Ocidente, que se excomungam mutuamente…

O ato só é anulado em 1965, em encontro entre o patriarca oriental Atenágoras I e o papa Paulo VI.

DIVISÃO DO CRISTIANISMO

No século XVI surge entre os católicos um movimento que reivindica a reaproximação da Igreja do espírito do Cristianismo Primitivo. A resistência da hierarquia da Igreja leva os reformadores a constituírem confissões independentes.

Os principais reformadores são Martinho Lutero e João Calvino, no século XVI. A Reforma difunde-se rapidamente na Alemanha, Suíça, França, Holanda, Escócia e Escandinávia.

No século XVI surge a Igreja Anglicana e, a partir do século XVII, as igrejas Batista, Metodista e Adventista. As igrejas nascidas da Reforma reúnem cerca de 450 milhões de fiéis em todo o mundo.

Reforma na Inglaterra

Começa em 1534 com o rompimento do rei da Inglaterra, Henrique VIII, com a Igreja Católica. O rei passa a ser o chefe supremo da Igreja Anglicana ou Episcopal e o seu líder espiritual é o arcebispo de Canterbury. Da Inglaterra, difunde-se para as colônias, especialmente na América do Norte.

As igrejas Católica e Anglicana são semelhantes quanto à profissão de fé, a liturgia e os sacramentos, mas a igreja episcopal não reconhece a autoridade do papa e admite mulheres como sacerdotes. A primeira mulher a exercer o ministério episcopal é a reverenda Barbara Harris, da diocese de Massachusetts (EUA), consagrada em 1989.

Doutrinas dos reformadores

Os pontos centrais da doutrina de Lutero são a justificação de Deus só pela fé e o acesso ao sacerdócio para todos os fiéis. Calvino acrescenta a doutrina da predestinação dos fiéis.

As diferenças doutrinais entre os dois dão origem a duas grandes correntes: os luteranos e os calvinistas.

A Reforma abole a hierarquia e institui os pastores como ministros das igrejas. As mulheres têm acesso ao ministério e os pastores podem se casar. A liturgia é simplificada e os sacramentos praticados são o batismo e a ceia.

LUTERANA

Martinho Lutero (1483-1546) nasceu em Eisleben (no atual Estado Saxônia-Anhalt), Alemanha, em uma família camponesa e morreu no mesmo lugar com 63 anos.

Em 1501 ingressa na Universidade de Erfurt (no atual Estado Livre da Turíngia), onde estuda artes, lógica, retórica, física e filosofia e especializa-se em matemática, metafísica e ética.

Entra para o mosteiro dos eremitas agostinianos de Erfurt em 1505, torna-se sacerdote e teólogo. Denuncia as deformações da vida eclesiástica em 1517.

Acusado de herege, é excomungado pelo papa Leão X e banido por Carlos V, imperador da Alemanha, em 1521.

Escondido no castelo de Wartburg e apoiado por setores da nobreza, traduz para o alemão o Novo Testamento. Abandona o hábito de monge e casa-se com a ex-freira Catarina von Bora, em 1525.

Reformador religioso, viveu e fez suas pregações em 33 cidades, entre elas Wittenberg onde ensinou por 36 anos; Leipzig, onde a famosa disputa teve lugar; Erfurt, onde lutero estudou e ensinou, enquanto era monge; Worms, onde foi convocado perante a Dieta Imperial e declarado apóstata; Coburgo, onde viveu em sua fortaleza; Augsburg, onde foi publicada a profissão de fé luterana; e Nuremberg, a primeira cidade imperial a aceitar a Reforma.

João Calvino (1509-1564) nasce em Noyon, França, filho de um secretário do bispado da cidade. Em 1523 ingressa na Universidade de Paris, estuda latim, filosofia e dialética.

Forma-se em direito e, em 1532, publica Dois livros sobre a clemência ao imperador Nero, obra que assinala sua adesão à Reforma.

Em 1535, já é considerado chefe do Protestantismo francês. Perseguido pelas autoridades católicas refugia-se em Genebra.

Organiza uma nova igreja, com pastores eleitos pelo povo, e o Colégio Genebra, que se torna um dos centros universitários mais famosos da Europa.

Pentecostalismo surge em 1906 no interior das igrejas reformadas dos EUA e difunde-se rapidamente pelos países do Terceiro Mundo. Os primeiros missionários do pentecostalismo chegam ao Brasil em 1910 e rapidamente conquistam grande número de fiéis.

As igrejas pentecostais são as que mais crescem na América Latina. Dão ênfase à pregação do Evangelho, s orações coletivas, feitas em voz alta por todos os fiéis; aos rituais de exorcismos e de curas, realizados em grandes concentrações públicas.

A seita mais difundida no Brasil é a Igreja Universal do Reino de Deus.

CRISTIANISMO ORTODOXO

Menos rígido nas formulações dogmáticas, valoriza a liturgia, não aceita uma centralização excessiva e é mais flexível na concepção da estrutura hierárquica da igreja.

É porém menos aberto ao diálogo com a filosofia e com as ciências e mais rigoroso nas exigências morais.

A partir da ruptura com a igreja ocidental, passa a chamar-se Cristianismo ortodoxo (em grego, reta opinião) e se afirma mais fiel à mensagem cristã primitiva.

Os ortodoxos se desenvolvem em torno das quatro sedes antigas, chamadas de patriarcados: Jerusalém, Alexandria, Antióquia e Constantinopla.

Mais tarde, são incorporados os patriarcados de Moscou (1589), de Bucareste (1925) e da Bulgária (1953), além das igrejas autônomas nacionais da Grécia, Sérvia, Geórgia, Chipre e da América do Norte.

As igrejas ortodoxas reúnem mais de 170 milhões de fiéis em todo o mundo.

Liturgia do cristianismo ortodoxo

Os rituais da igreja ortodoxa são cantados, mas não se usam instrumentos musicais. Veneram-se os ícones e as relíquias dos santos, mas são proibidas imagens esculpidas, exceto o crucifixo.

Os sacramentos pelos quais os fiéis entram em comunhão com Deus e entre si são os mesmos (com pequenas diferenças), tanto na Igreja Romana como na Igreja Ortodoxa:

Batismo
Eucaristia
Crisma (ou confirmação da fé)
Penitência (ou confissão)
Matrimônio
Ordenação Sacerdotal
Unção dos Enfermos

Na Ortodoxa o Sacramento do Crisma é dado junto ao Batismo e a Penitência é dada antes da Eucaristia. Já na Católica o Sacramento do Crisma e a Penitência são ministrados separadamente do Batismo e da Eucaristia.

Os sacramentos dados na Igreja Ortodoxa são válidos na Romana, e vice-versa. Os sacerdotes podem casar-se (antes da Ordenação), mas não os monges. Os bispos são escolhidos entre os sacerdotes e monges celibatários.

Fonte: www.sergiosakall.com.br

Cristianismo

Cristianismo Primitivo

Os ensinamentos do personagem que dividiu a História.

INTRODUÇÃO

Levando-se em consideração o grande número de adeptos do Cristianismo, ocorreu-me fazer uma pesquisa sobre sua origem. Onde e como surgiu, o contexto histórico, sócio-econômico e religioso da época, quem eram os personagens existentes, como viviam sua religiosidade, em que acreditavam, e em que perspectiva esperavam o Salvador de Israel, conforme previam os profetas através dos escritos do Antigo Testamento.

A linha de pesquisa deste trabalho é a História das Religiões, que se desenvolveu no século XIX, e cujo “método se voltava para determinar a precisão dos textos religiosos, comparar os discursos sagrados e comparar as próprias religiões através de seus mitos, símbolos e instituições”. (Albuquerque, 2003).

Ainda segundo Albuquerque:

A História das Religiões tem sido praticada de diversas maneiras: seja para reafirmar a superioridade de uma religião sobre as demais, seja para demonstrar que a religião é parte de um passado a ser ultrapassado pela razão, seja para demonstrar que a religião é parte de um sistema de opressão e de poder, seja para simples conhecimento acadêmico das religiões ou para reivindicar a perenidade da experiência religiosa (ALBUQUERQUE, 2005, p. 15).

Levando em consideração o estudo de Albuquerque, a intenção desta pesquisa é o conhecimento acadêmico sobre o Cristianismo.

Segundo Eliade, que defende a História das Religiões como a disciplina que trata de uma experiência irredutível a outras diz:

Parece-me, mesmo, que um dado religioso revela seu significado profundo quando é considerado sobre seu próprio plano de referência, e não quando é reduzido a um ou outros de seus aspectos secundários ou de seus contextos. (ELIADE, 1978, p. 26, apud ALBUQUERQUE, 2005, p. 16).

Minha intenção nesta pesquisa é tratar do Cristianismo, de maneira geral, sem me deter em pormenores ou aspectos específicos, conforme afirma Eliade no texto supra citado.

O Cristianismo é tratado como um movimento, doutrina ou instituição religiosa originários das pregações de Jesus e seus discípulos. Dentre as numerosas seitas messiânicas desenvolvidas no mundo judeu, surge o Cristianismo, resultado do reagrupamento dos discípulos de Jesus, que primeiramente, foram reunidos dentre os discípulos de João Batista. As classes existentes à época, como as dos fariseus, saduceus, zelotas e essênios, rejeitaram a comunidade dos cristãos, que deriva do latim Christus, “Cristo”, e este do grego Khristós, “ungido”. A aceitação do Cristianismo pelos judeus ocorreu até o ano 65 d.C., ano em que se concretizou a ruptura entre as duas facções religiosas.

A convicção dos cristãos de que Jesus Cristo, era o messias que havia sido anunciado pelos profetas de Israel, era inadmissível para os judeus. Repudiado em seu lugar de origem, o Cristianismo difundiu-se no mundo pagão. Mesmo com as perseguições do Império romano, em 61 d.C. já se encontrava em Roma, e após as perseguições o mundo romano abriu-se à nova religião, passando daí para os bárbaros, sobretudo no Ocidente.

A seita nascida no judaísmo tornou-se a religião de maior amplitude dentre todas as conhecidas, cujo universalismo ela mesma se atribui desde a sua origem. Esse universalismo explica a importância de que o Cristianismo se reveste, do ponto de vista de sua influência tanto nos domínios da cultura, da vida social e da política, como nos da moral.

Para os historiadores latinos, como Suetônio, Tácito, Plínio, o Cristianismo era considerado como uma das numerosas religiões vindas dos confins do império, da qual Jesus de Nazaré, fora o fundador. Para a maioria das religiões, a sua origem é atribuída a uma divindade, e cuja revelação é recebida por homens privilegiados, mas para os cristãos, Jesus, foi desde o início, muito mais que um intermediário divino, encarregado de uma mensagem, e, em virtude dessa mensagem, tomou a iniciativa da fundação de uma nova religião.

Oscar Cullman, afirma que:

Estudando, do ponto de vista da ciência histórica, o alcance de modificações políticas e culturais que o Cristianismo ocasionou, é certo que o historiador moderno pode, a rigor, reconhecer como legítima esta afirmação: O surgimento de Jesus de Nazaré deve ser considerado como uma curva decisiva da História. (CULLMAN, 2003, p. 91)

Será mesmo que Jesus Cristo se preocupou em fundar uma nova religião? Não seria Ele o personagem da história que quebraria todos os paradigmas religiosos, até então aceitos? Se Cristianismo é referente a Cristo e sua doutrina, qual sua origem? De onde veio? Qual sua ascendência humana?

A importância de Jesus não advém, fundamentalmente, de seus ensinamentos religiosos, mas de sua pessoa, introdutora do absoluto divino na história da humanidade.

A fé cristã professa que o Deus revelado a Abraão, a Moisés e aos profetas envia à terra seu filho como messias salvador. Ele nasce numa família comum, morre, ressuscita e envia o Espírito Santo para permanecer no mundo até o fim dos tempos. Desde o início o Cristianismo organiza-se como Igreja, sob a autorizada dos apóstolos e dos seus sucessores. Os discípulos espalham-se pelas regiões do Mediterrâneo, inclusive Roma, e fundam várias comunidades. Nos três primeiros séculos, os cristãos sofrem grandes perseguições, primeiro das autoridades religiosas do judaísmo e, a partir do século I d.C., dos romanos. Milhares de cristãos são mortos durante o reinado dos imperadores Nero, Trajano, Marco Aurélio, Décio e Diocleciano, por se recusarem a adorar os deuses do Império e a reconhecer a divindade do imperador.

Em 313 o imperador Constantino converte-se ao cristianismo, que expande-se por todo império.

As questões levantadas no início da introdução serão tratadas no primeiro capítulo do presente trabalho. No segundo capítulo a pesquisa abordará as seitas existentes na época de Jesus e no terceiro capítulo versará sobre a romanização da doutrina cristã e sua expansão até se tornar a “religião” oficial do Império Romano.

1. O CONTEXTO: HISTÓRICO, ECONÔMICO, SOCIAL E RELIGIOSO

1.1 NO MUNDO ORIENTAL

A história do Cristianismo, teve início no Oriente, há cerca de quatro mil anos. Desde aquela época, o povo hebreu, que habitava a região da Palestina, uma faixa de transição entre a Ásia e a África, já acreditava na futura vinda de um Messias à terra. Essa profecia constava das páginas do Antigo Testamento, que continha os preceitos transmitidos por homens como Isaias, Moisés e Abraão, segundo os quais viviam os hebreus.

Regozijai-vos, juntas lançai gritos de alegria, ruínas de Jerusalém! Porque Iahweh consolou o seu povo, ele redimiu Jerusalém. Iahveh descobriu o braço santo aos olhos de todas as nações, e todas as extremidades da terra viram a salvação do nosso Deus. (ISAIAS, 52, 9-10).

O Messias solucionaria não somente os problemas do povo da Palestina, mas traria a justiça aos homens, de modo que todos tivessem os mesmos benefícios.

Para compreender o tamanho da expectativa gerada por essa profecia no mundo hebreu, é necessário conhecer um pouco melhor a situação da Palestina nesse período. Era uma região aparentemente bastante próspera, já que era palco de constantes negociações envolvendo especiarias e artigos de luxo, embora a riqueza produzida concentrasse nas mãos da camada rica da sociedade, enquanto a maioria vivesse em condições precárias.

Eis que dias virão – oráculo de Iahveh – em que suscitarei a Davi um germe justo; um rei reinará e agirá com inteligência e exercerá na terra o direito e a justiça. Em seus dias, Judá será salvo e Israel habitará em segurança. Este é o nome com que o chamarão: Iahveh, nossa justiça. (JEREMIAS, 23, 5-6).

Por isso as pessoas menos favorecidas depositavam grandes esperanças na vinda do Messias, que instauraria uma nova ordem no mundo oriental, em que prevalecessem a compaixão e a fé. O nome do Salvador, em hebraico, é Jehoshuà, que quer dizer “Javé é salvação” ou “Deus que salva”.

Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, ele recebeu o poder sobre seus ombros, e lhe foi dado este: Conselheiro-maravilhoso, Deus-forte, Pai-eterno, Príncipe-da-paz, para que se multiplique o poder, assegurando o estabelecimento de uma paz sem fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reino, firmando-o consolidando-o sobre o direito e sobre a justiça. Desde agora e para sempre, o amor ciumento de Iahveh dos Exércitos fará isto. (ISAIAS, 9, 5-6).

As mensagens das Sagradas Escrituras espalham-se por todo o Oriente, tanto em língua oficial, o hebraico, como em aramaico, que predominava entre as classes populares. Dessa maneira o judaísmo fixou-se e expandiu-se. Um fator que fortalecia o poder do Messias entre os hebreus, é que ele viria somente para os hebreus e não para o resto do mundo, razão pela qual essa religião fosse aceita na Palestina, ainda que pudesse ameaçar a estrutura econômica vigente. Em face da ansiedade da espera, muitas pessoas reivindicavam a identidade de Messias, saindo em peregrinações para pregar palavras de fé e salvação.

Segundo Flávio Josefo: ‘Em outros povos, outros critérios permitem determinar a nobreza. Entre nós, em compensação, é a posse do sacerdócio que é prova de origem ilustre’ (MORIN, 1988, p. 75).

A classificação social, em função dessa pureza de origem, é elaborada por Hillel, escriba que vivia no tempo de Herodes, o Grande, cuja escola tinha grande influência, na época do ministério público de Jesus.

A população era distribuída em três grupos, ou seja, a pirâmide social interna de Israel era assim:

a) O Israel puro – composto pelos sacerdotes e pelos levitas
b) Famílias ilegítimas atingidas por uma mancha leve –
composto pelos descendentes ilegítimos de sacerdotes, prosélitos e escravos pagãos libertos
c) Famílias atingidas por uma mancha grave –
são os bastardos, os escravos do templo e os filhos de pai desconhecido e as crianças expostas, considerados o lixo da comunidade.

Além destes três grupos, havia a população estrangeira, ou seja, os escravos pagãos, pouco numerosos, pois custavam caro; e os samaritanos, que embora considerassem o Pentateuco como a Escritura Sagrada no século I, estavam completamente excluídos da comunidade judaica, pois eram considerados desde o berço, como impuros, em último grau.

Veja o que o apóstolo Paulo, considerado o apóstolo dos pagãos, escreveu a respeito aos romanos:

A ira de Deus se manifesta do céu contra toda impiedade e injustiça dos homens, que com a injustiça sufocam a verdade. Pois aquilo que é possível conhecer de Deus foi manifestado aos homens; e foi o próprio Deus quem o manifestou. De fato, desde a criação do mundo, as perfeições invisíveis de Deus, tais como o seu poder eterno e sua divindade, podem ser contempladas, através da inteligência, nas obras que ele realizou. Os homens, portanto, não têm desculpa, porque, embora conhecendo a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças. Pelo contrário, perderam-se em raciocínios vazios, e sua mente ficou obscurecida. Pretendendo ser sábios, tornaram-se tolos, trocando a glória do Deus imortal por estátuas de homem mortal, de pássaros, animais e répteis. Foi por isso que Deus os entregou, conforme os desejos do coração deles, à impureza com que desonram seus próprios corpos. Eles trocaram a verdade de Deus pela mentira, e adoraram e serviram à criatura em lugar do Criador, que é bendito para sempre. Amém. Por isso, Deus entregou os homens a paixões vergonhosas: suas mulheres mudaram a relação natural em relação contra a natureza. Os homens fizeram o mesmo: deixaram a relação natural com a mulher e arderam de paixão uns com os outros, cometendo atos torpes entre si, recebendo dessa maneira em si próprios a paga pela sua aberração. Os homens desprezaram o conhecimento de Deus; por isso, Deus os abandonou ao sabor de uma mente incapaz de julgar. Desse modo, eles fazem o que não deveriam fazer: estão cheios de todo tipo de injustiça, perversidade, avidez e malícia; cheios de inveja, homicídio, rixas, fraudes e malvadezas; são difamadores, caluniadores, inimigos de Deus, insolentes, soberbos, fanfarrões, engenhosos no mal, rebeldes para com os pais, insensatos, desleais, gente sem coração e sem misericórdia. E apesar de conhecerem o julgamento de Deus, que considera digno de morte quem pratica tais coisas, eles não só as cometem, mas também aprovam quem se comporta assim. (Rm 1, 18-32)

Falando um pouco das estruturas políticas da sociedade judaica, é preciso não esquecer que o modelo organizacional da sociedade, na Palestina ocupada pelos romanos, permanece real e, mesmo, imperial. A ordem fiscal, a ordem pública, o direito e a justiça constituem os três setores básicos em que o poder é exercido.

Herodes, o Grande (37-4 a.C.), tinha implantado um regime de terror fiscal. No ano 6 depois de Cristo, quando seu filho Arquelau foi deposto, o judaísmo da palestina trocou um poder opressor por outro, pois o primeiro ato da nova administração foi ordenar um recenseamento geral de pessoas e bens. A administração fiscal dos romanos se revelou de grande criatividade para descobrir novos objetivos sujeitos a taxas regulares e extraordinárias.

Um século depois da queda de Jerusalém em 70 d.C., Caius Pescennius Niger Justus, pretenso imperador romano, declarou aos palestinenses chorosos: ‘Em verdade, se dependesse só de mim, eu cobraria imposto do ar que vocês respiram’ (Baron). Na Palestina, os impostos romanos não eram mais pesados que em outros lugares, mas eram particularmente irritantes para os judeus.

Os impostos romanos eram cobrados da seguinte maneira: o imposto de terra que atingia todos os produtores, devendo ser pago “in natura” e se elevava até 20 a 25% da produção. O imposto pessoal proporcional à situação econômica de cada um. Estes dois eram os impostos diretos. Havia ainda os impostos indiretos, como; direitos de alfândega, impostos de barreira em certas pontes, em certas encruzilhadas de grandes estradas, nas entradas de cidades e mercados.

Plínio lembra estas barreiras fiscais:

Ao longo de toda estrada, eles (os transportadores de incenso da Arábia) não cessavam de pagar, aqui pela água, acolá pela forragem ou despesas de hospedagem nas pousadas e nas diversas barreiras. As despesas chegavam a 688 denários por camelo, antes de se chegar à costa do Mediterrâneo. (MORIN, 1988, p. 34)

Além dos impostos romanos, havia também os impostos judaicos. Os rabis especificavam 24 tipos de tributos a título religioso. O templo tinha grande importância econômica. Depois do exílio, pouco a pouco, o poder da aristocracia sacerdotal substituiu o poder real, mas não modificou o modo de produção da Palestina. Tudo, no templo, desfrutava de considerável sacralização. As receitas, como por exemplo, a didracma , os dízimos, os resultados do comércio de animais consagrados ao altar, as ofertas regulares, os donativos de peregrinos vindos de todo o mundo romano.

As despesas, como: renda dos chefes dos sacerdotes, gastos com o culto público, os pagamentos pelos trabalhos no templo e as despesas públicas com a beneficência. Segundo Flavio Josefo, o tesouro do templo sempre suscitou a cobiça dos conquistadores. Este poder econômico se justificava por ser o templo o lugar privilegiado da presença de Deus em seu povo. O símbolo deste comprometimento é a enorme quantidade de ouro que entrou na decoração do edifício. A propósito da ruína da cidade Santa, no ano 70 d.C., J.

Jeremias escreve:

O ouro era tão abundante, em Jerusalém e, especialmente, no templo que depois da tomada da cidade, uma imensa oferta de ouro inundou toda a Província da Síria. Resultou disso, no dizer de Josefo, que aí se vendia a libra de ouro pela metade de seu antigo preço. (MORIN, 1988, p. 40)

A ordem pública era assegurada, internamente, pelos romanos, mas deixavam iniciativa à polícia judaica do templo para questões ordinárias entre os judeus. As legiões romanas estacionavam na Síria.

Na Palestina havia cinco coortes de infantaria e uma ala de cavalaria: cerca de 3.000 homens, porém o grosso da tropa residia em Cesaréia, onde morava o próprio governador. Em Jerusalém, entre 44 e 46 antes de Cristo, havia uma coorte comandada por um tribuno romano. Na Galiléia, Herodes Antipas tinha poucas tropas e, provavelmente, estrangeiras, como no tempo de Herodes, o Grande, seu pai. Roma tentava controlar as suscetibilidades judaicas, especialmente a religiosa, através dos governadores, delegados do imperador, mas a lei judaica não era outra que a Lei de Moisés, considerada como recebida de Javé, no Sinai, para todos os israelitas. Os fariseus acrescentavam à Lei a Tradição oral de seus escribas. As questões internas do judaísmo eram, portanto, tratadas sob a autoridade bastante direta do Sinédrio de Jerusalém. O Sinédrio se compunha de 71 membros, entre eles, os chefes dos sacerdotes, dos anciãos ou representantes da aristocracia leiga, dos escribas ou representantes da aristocracia intelectual. A assembléia era presidida pelo sumo sacerdote. A competência do Sinédrio, diminuída sob Herodes, o Grande, foi mais ampla sob os governadores. Roma admitia a competência desta assembléia para todos os judeus do mundo.

Na Judéia, ocupava-se, principalmente, das relações com o poder romano: ver, por exemplo, a processo de Jesus e de Paulo.

Ocupava-se, também, da entrada em Jerusalém do imposto do templo e dos dízimos. Cuidava da interpretação da Lei e, zelava sobretudo pela guarda de seu depósito. Enfim, funcionava como corte de justiça, e para condenar alguém à morte era preciso reunir um tribunal de 23 membros, e a sentença de morte só era executada depois de ratificada pelo representante de Roma, embora haja controvérsias sobre isso, já que as autoridades romanas, às vezes, fechava os olhos.

De acordo com o testemunho de Flávio Josefo,

…alguns povos colocaram o poder político supremo nas monarquias, nas oligarquias e outros ainda no povo. Mas, nosso legislador não foi seduzido por nenhuma dessas formas de governo. Ele deu à sua constituição a forma que se poderia chamar teocracia. Colocou toda soberania e toda autoridade nas mãos de Deus.(JOSEFO apud MORIN, p. 105)

O poder político judaico no tempo de Jesus, tinha sua origem no templo. Certo que a Judéia estava ocupada pela força militar romana, e Pilatos, o governador, representava o imperador Tibério, porém, os romanos costumavam respeitar a organização interna dos países ocupados, e no caso dos judeus mais ainda, já que eram bastante radicais em seu modo de vida. O templo, então, com seu mais alto funcionário, o sumo sacerdote, permanecia como sede do Estado judaico.

Todos os israelitas, 600 a 700 mil na Palestina; 6 a 7 milhões no império romano, dependiam da legislação de Jerusalém. Mas, como se escolhia o sumo sacerdote? Na época herodiana e romana, o princípio da hereditariedade para atribuição desta alta função, em parte, fora abandonado. Os sumos sacerdotes foram tirados de famílias sacerdotais comuns. Rivalidades, nepotismo, intervenções do poder romano decidiam a escolha. A família de Anás foi particularmente hábil, por suas intrigas, para conseguir ocupar o posto durante 50 anos. Vários de seus membros, entre os quais o famoso Caifás (18 a 36 dC) ocuparam o cargo. Deus governava, pois, de muito longe, esta teocracia.

Apesar de ocupar um papel central e importante na vida do povo hebreu, a religião não era vista da mesma maneira por todos os judeus, distinguindo assim alguns grupos, como:

a) Fariseus – um dos grupos mais conhecidos, que seguia rigidamente as palavras das Antigas Escrituras. Acreditam na onipotência de Deus e na chegada do redentor.
b) Saduceus –
eram um grupo menor, porém, mais ricos que os demais. Seguiam somente as leis da Bíblia hebraica, em especial o Pentateuco, e não aceitavam novidades religiosas. Como participavam da elite sacerdotal, eram muito influentes na sociedade.
c) Zelotas –
podem ser considerados os mais radicais da sociedade judaica, uma vez que tratavam a questão religiosa com a determinação de quem abraça a vida militar.
d) Essênios –
tinham um modo de vida bastante tranqüilo, formando uma comunidade monástica assentada na região de Qumrãn. Eram um grupo muito fechado e consideravam-se o exército santo de Deus.

Apesar dos conflitos entre esses grupos, havia um ponto em comum entre eles; a freqüência ao templo de Jerusalém, onde resolviam questões administrativas, econômicas, religiosas e jurídicas., e também a religião judaica era um grande elo de união entre os hebreus, por causa da profecia da vinda do Messias, servindo também como ponto de esperança entre os mais pobres, que não se rebelavam com a situação de desigualdade.

1.2 DO OUTRO LADO DO MUNDO

Deixemos um pouco, por ora, a vida da palestina, para saber o que estava acontecendo do lado ocidental do mundo. Na época, vigorava o domínio do Império Romano no Ocidente. A sociedade romana não apresentava muitos grupos sociais, não adorava um Deus específico e não tinha regras como as que orientavam os hebreus. No campo religioso predominava o paganismo, que permitia a crença de diferentes deuses, sendo que o único elemento que unia os indivíduos era a devoção ao imperador.

Por que apresentar o perfil da sociedade romana antes do prosseguir com a história da religião judaica na Palestina? Para apontar as causas que levaram os caminhos dessa religião a se cruzarem com os do domínio romano.

Ao longo dos séculos V a.C. a V d.C., antes de se tornar o grande Império Romano, Roma foi, sucessivamente, uma monarquia, um república e um império militar. O sistema militar romano durou de I a.C. a IV d.C., que dispondo de um forte exército e uma população acalentada por espetáculos públicos, o Império Romano lançou-se à expansão territorial, e no seu trajeto estava a Palestina, região promissora por causa do comércio, já citado anteriormente neste trabalho.

Sob o comando de Otávio Augusto, no século I a.C., a Palestina foi invadida, e seu território divido em regiões governadas cada qual por um governador. Nas cidades de Judéia e Samaria, o governo era de Pôncio Pilatos e o controle geral do território conquistado foi delegado a Herodes.

Naturalmente a vida dos hebreus alterou-se drasticamente. Houve certa liberdade para que eles mantivessem seus costumes, mas em alguns casos, os romanos impuseram seu modo de vida à população dominada, imbuídos das influências gregas disseminadas por Alexandre Magno. Assim, embora o exercício da religião judaica fosse permitido, o culto aos imperadores passou a ser obrigatório. Cada grupo judeu reagiu de uma maneira diferente à dominação cultural. Os Saduceus aceitaram o processo de helenização para evitar o extermínio de todo o povo. Os Fariseus não aceitavam a presença dos romanos, e os Zelotas assumiram uma postura ainda mais radical, apontando levantes armados como a solução para escapar do domínio romano. Em pouco tempo, a situação estava altamente conflituosa, e viria a se agravar quando da chegada do tão esperado Messias.

Os governadores romanos na Palestina conheciam a profecia da vinda do Messias e sabiam do impacto que esse evento exerceria sobre a sociedade judaica, se ocorresse.

2. AS SEITAS MESSIÂNICAS

O messianismo é a crença no caráter salvador e redentor de um personagem que aparecerá no futuro, designado por messias, palavra que, no antigo Testamento, significava inicialmente “o ungido” em geral. No judaísmo intertestamentário, o termo ganha o sentido de “ungido” por excelência, identificado como o futuro rei da casa de Davi, prometido por Deus, predito pelos profetas e esperado pelo povo, que libertará do jugo estrangeiro, restaurando a antiga glória de Israel.

O Cristianismo está relacionado de maneira estreita com esse conceito; porém, enquanto para a tradição judaica o Messias ainda é esperado, para a tradição cristã já se manifestou como Jesus de Nazaré, sendo todos os outros personagens messiânicos considerados falsos messias.

Na tradição rabínica, entre o séc. II a.C. e o séc. II d.C., é construído um conceito de messias que se conserva até hoje, ou seja, um redentor humano para Israel, eleito por Deus e, por meio de Israel, para toda a humanidade. Um mensageiro de Deus e instrumento humano de sua vontade, que libertará Israel de sofrimentos, humilhação e opressão seculares, vindo da linhagem de Moisés, como o maior de todos os profetas.

Vale lembrar que o povo judeu, desde o tempo de sua volta do exílio babilônico (586-539 a.C.), fora condenado à existência de pequena nação numa terra distante e pobre, se tornado uma comunidade religiosa, reunida em torno do Templo de Jerusalém e privado de sua independência política, depois de uma série de dominações estrangeiras. Graças à sua religião conseguira isolar-se das potências estrangeiras, resistindo à influência de suas culturas e religiões.

Com efeito, o povo judeu não procura sua realização da mesma maneira que os outros povos da terra. A Aliança e a condição de povo eleito por Javé, um povo santo, que foi separado deste mundo, de seus interesses e ideais, e cujo centro de existência encontra em Javé, determinam-lhe a vida.

Assim, o povo hebreu, durante séculos, subjugado por impérios opressores, possuía uma grande e consoladora esperança: a da redenção, por um Messias divino anunciado insistentemente por todos os grandes profetas, desde a mais remota antiguidade judaica. O exílio marca profundamente a alma dos judeus. Sua humilhação aumenta com o domínio estrangeiro e a esperança numa intervenção direta de Deus – através do Messias prometido – torna-se obsessão, visão utópica ou escatológica.( ) Nesse sentido, os profetas exerceram papel relevante, mas, também, às vezes desconcertante, anunciando o abandono de Deus e a destruição, cada vez que o povo judeu desobedecia a Ele ou ia em busca de outros deuses. Institucionalizou-se a crença na retribuição divina – uma recompensa, porém, de caráter essencialmente político, de obediência à Lei, obrigação permanente, regulamentada pelos escribas .

Acostumados à estrita fidelidade à letra dos textos imemorais, os intérpretes dos livros santos, somente poderiam imaginar um Messias político, que libertasse Israel do jugo romano e estabelecesse, em todo o seu explendor, a pujança do povo de Deus. A imagem desse Messias poderoso e invencível não podia conferir com a realidade do pobre carpinteiro que nem mesmo dava importância às tradições da raça. Além do mais, e para encerrar qualquer debate sobre a autenticidade do Messias, bastava dizer que o carpinteiro morrera crucificado, morte infamante e ignominiosa. Todos pensavam numa figura carismática que mudasse o rumo da História num segundo, ao sopro de sua vontade poderosíssima, para ocupar o trono do mundo, no exercício de um poder temporal incontestável, com sede em Jerusalém, a mais sagrada das cidades. Todos os gentios seriam submetidos a Israel, aceitariam Javé e obedeceriam à Torá . Daí em diante, a paz se instalaria na terra fértil e abundante para sempre.

Feita esta breve explanação a respeito da expectativa do povo judeu em relação à vinda do Messias, vamos nos deter nas principais correntes messiânicas que precederam e/ou deram origem ao Cristianismo.

O judaísmo se diversificava ao tempo de Jesus em quatro seitas, às quais é preciso atentar para melhor compreensão da fundação do cristianismo: saduceus (conservadores); fariseus (nacionalistas e reformistas moderados); zelotas (ativistas, subversivos, guerrilheiros) e essênios (escatologistas, celibatários, rurais).

Estas seitas já foram mencionadas neste trabalho, em sua introdução, porém vamos nos deter em uma análise mais profunda para entendermos a partir de qual delas poderia ter surgido o Cristianismo.

Flávio Josefo reduzia as seitas messiânicas a apenas três, considerando que os zelotas eram apenas ativistas, arrolando seu membros entre as demais seitas.

Dizia ele: “Havia entre os judeus apenas três gêneros de filosofia: um era seguido pelos fariseus, outro pelos saduceus e o terceiro, que todos pensam ser o mais aprovado, era o dos essênios, judeus naturais, porém muito unidos pelo amor e amizade” (Guerra Judaica, II, 7).

Da luta nacionalista, com inspiração messianista, resultou a divisão dos judeus em seitas.

Vejamos:

2.1 OS SADUCEUS E O CRISTIANISMO

Os saduceus tomam o nome possivelmente de Sadoq, sumo-sacerdote do tempo de Davi, em cima do qual os saduceus queriam se perpetuar. Nos documentos do Mar Morto reencontrados em 1947 fala-se de “Filhos de Sadoc” Segundo Hoornaert, os saduceus eram um grupo composto de sacerdotes que não aceitavam a Tora oral, ou seja, a livre interpretação da Bíblia praticada pelos fariseus, seus inimigos. (HOORNAERT, 1994, p. 58).

Não eram os saduceus uma seita organizada e definida, nem muito numerosa, razão pela qual, não podiam alcançar a extensão de massa popular. Era uma classe social, ou seja, a dominante, rica, mentalmente evoluída e ajustada ao desenvolvimento helênico. Eles controlavam diretamente o Templo, o culto divino e as finanças do Templo, uma das maiores fontes de poder na Palestina. Identificavam religião e culto, segundo Hoornaert, e não davam valor a certos conceitos religiosos transmitidos pela Tora oral, como a ressurreição dos mortos ou o reino de Deus a ser estabelecido na Terra. (HOORNAERT, 1994, p. 61)

Do ponto de vista político, eram pacifistas, mesmo porque não tinham razões ideológicas profundas de oposição ao espírito helênico-romano. Tinham a visão ampla do homem cosmopolita, pois tinham já há tempos superado os conceitos de Estado-cidade.

O espírito não messianista dos saduceus permitiu que fossem ao mesmo tempo capazes de abertura para o helenismo. Conserva como inspirados apenas os livros da Lei (Torá) e não os Profetas. Como conseqüência disso, conservam o judaísmo vago, como veio até os tempos de Davi, ou até o final do reino em 487 a.C..

Os acrescentamentos posteriores, mais especializantes como a ressurreição, vida futura, anjos, culto de ritual muito rigoroso, etc., são rejeitados, visto que não procedem de Moisés, facilitando aos saduceus a acomodação com a modernidade helenística.

O conceito saduceu de Deus é mais filosófico, ou metafísico, que o das seitas inovadoras. Deus seria pessoa distante e de raras interferências no mundo, contrastando com a concepção de Jesus a respeito de Deus, mais antropomorfista, na descrição dos evangelistas. Deus é o Pai ao modo familiar, cheio de solicitude e carinho, persuasivo para reconduzir o pecador, irado e disposto para cobrar justiça, castigando severamente aos maus, e cumulando de bem-aventuranças os bons.

A idéia messiânica dos saduceus é igualmente comedida ou mesmo inexistente, porque não tem o sentido de salvador do povo, como a pregava as outras seitas.

O povo que não era saduceu, sendo a maioria, via com escândalo a acomodação filosófica dos sumos sacerdotes, sendo que eles, com a sua conceituação moderada de Messias não estimulava a subversão e que nenhum governo instituído reprimiria e castigaria. Dentro desta mentalidade está coerente a narrativa de que os saduceus entregaram Jesus a Pilatos, uma vez que era acusado de subversão, e isso, lhes escapava das mãos.

Ainda que as relações entre os saduceus e o cristianismo sejam de distanciamento doutrinário, a abertura do cristianismo para o mundo gentio foi preparada por eles. As doutrinas de elevação espiritual de Jesus se prestam para uma abertura entre os gentios, cujo caminho aberto pelos saduceus será válvula de escape para a espiritualidade nova, que será desenvolvida posteriormente.

2.2 OS FARISEUS E O CRISTIANISMO

Os fariseus buscavam manter a identidade do judaísmo na fidelidade à lei e aos profetas, num momento em que a simpatia pelo humanismo helênico levava muitos a um posicionamento mais liberal. Os fariseus tomaram seu nome da palavra peroukim, que tem o sentido de separados, definindo-os como separados dos judeus helenizantes, e portanto, também contrários aos saduceus.

De acordo com Hoornaert:

Trata-se do grupo religioso que detinha a maior autoridade na sociedade civil. Embora sendo composto em grande parte por sacerdotes, o movimento fariseu se proclamava leigo e defendia a idéia de que todos, e não só os sacerdotes, eram chamados à santidade e à fidelidade à Torá. (HOORNAERT, 1994, p. 60).

O ideal dos fariseus era a santidade, pela fiel observância da Lei de Moisés, dividida em 613 mandamentos, sendo 248 prescrições e 365 proibições.

Como oposição situam-se fora do círculo dos sumos sacerdotes, os quais dependem diretamente dos governantes. São geralmente leigos, nas funções de escribas e rabinos. A influência dos fariseus se estendeu especialmente às sinagogas, modalidade associativa originada nos tempos do cativeiro babilônico, e agora difundida pelas cidades da Palestina e mundo helênico-romano. Os fariseus tiveram algumas influências no Sinédrio, o colegiado mais alto do povo judeu.

Muito mais que os saduceus, os fariseus se organizavam em sociedade, precedida de um noviciado, antes da admissão definitiva, de sorte que eles tinham a aspecto de uma sociedade, com caráter de escola religiosa, podendo ter chegado a seis mil membros no tempo de Jesus.

Ainda que os escritos cristãos os descrevam com cores negativas, os fariseus representam em todas as épocas, uma categoria religiosa de bom nome, que dava a eles ampla influência popular.

Encabeçaram os fariseus a oposição a Jesus, como mostra o trecho bíblico a seguir:

Os pontífices e os fariseus convocaram o Conselho e disseram: “Que faremos? Este homem multiplica os milagres. Se o deixarmos proceder assim, todos crerão nele, e os romanos virão e arruinarão a nossa cidade e toda a nação.” Um deles chamado Caifás, que era o sumo sacerdote daquele ano, disse-lhes: “Vós não entendeis nada! Nem considerais que vos convém que morra um só homem pelo povo, e que não pereça toda a nação.” (JOÃO, 11, 47-50).

Jesus tinha os fariseus como hipócritas, conforme mostra o trecho evangélico seguinte:

Enquanto Jesus falava, pediu-lhe um fariseu que fosse jantar em sua companhia. Ele entrou e pôs-se à mesa. Admirou-se o fariseu de que ele não se tivesse lavado antes de comer. Disse-lhe o Senhor: “Vós, fariseus, limpais o que está por fora do vaso e do prato, mas o vosso interior está cheio de roubo e maldade! Insensatos! Quem fez o exterior não fez também o conteúdo? Dai antes em esmola o que possuís, e todas as coisas vos serão limpas. “Ai de vós, fariseus, que pagais o dízimo da hortelã, da arruda e de diversas ervas e desprezais a justiça e o amor de Deus. No entanto, era necessário praticar estas coisas, sem contudo deixar de fazer aquelas outras coisas. “Ai de vós, fariseus, que gostais das primeiras cadeiras nas sinagogas e das saudações nas praças públicas! “Ai de vós, que sois como os sepulcros que não aparecem, e sobre os quais os homens caminham sem o saber.” (LUCAS, 11, 37-44)

A palavra fariseu tinha vários alcances, pois havia segundo o Talmud , sete tipos de fariseus, dos quais um apenas seria bom. Um certo equilíbrio entre o severo e o moderado caracterizou o farisaísmo, o que torna difícil o uso dos termos para qualificar o farisaísmo e avaliá-lo. Referente às doutrinas e às prescrições morais, herdou o cristianismo muito do farisaísmo, com algumas diferenças essenciais.

Os fariseus no que se refere à doutrina, admitem os livros sagrados da Lei (Torá), e também os Profetas, além de valerem das tradições, cujo depósito é o Talmud por eles criado. Mantiveram os Profetas e as tradições como doutrina, a qual desenvolveu após o exílio babilônico, onde tiveram contato com os persas e sua religião, e deles tomaram conhecimento da doutrina sobre os anjos, os demônios, a ressurreição, incorporando-as ao seu elenco doutrinário, passando-as posteriormente aos cristãos.

No que concerne às prescrições legais, foram praticadas com rigor pelos fariseus, como o jejum, a observância do sábado, etc., e também o rigor em relação às prescrições bíblicas de não contaminação com os gentios, levando as comunidades judias fora da Palestina a viverem isoladas, em função deste nacionalismo religioso apregoado nas sinagogas. Em que pese tudo isto, os fariseus foram mais inovadores que os saduceus, haja vista, que eles procuraram a conversão dos gentios para o judaísmo, o que neste aspecto, tem muita afinidade com o cristianismo.

Quando se inicia a pregação cristã fora da Palestina, ela se fez nas sinagogas, e sempre tiveram um caráter fariseu. O contato com as sinagogas e a adesão do fariseu Paulo, fizeram o cristianismo muito mais ritualista do que Jesus poderia imaginar. Os fariseus admitiam alguns aspectos da filosofia helênica, tanto é que Paulo aparenta ser estóico , sobretudo em filosofia moral. Não é de se estranhar que Jesus ataque, sobretudo os fariseus por causa de seu excessivo formalismo.

Ele tinha afinidades com o grupo, por isso mesmo se degladiava com ele, tanto é que, o uso de formas literárias simples e imaginosas como as parábolas, por exemplo, eram usadas pelos fariseus e que Jesus também adotou como estilo.

Diz por exemplo o rabino Hillel, do século I a.C.: ‘Aquilo que não queres que te faça, não faças a outro. Esta é toda a lei e o resto é apenas comentário’.

Jesus repetiu o mesmo pensamento em forma de mandamento: ‘Tudo o que quereis que os outros vos façam, fazei também por eles; porque esta é a Lei e os Profetas’.(Mateus, 7, 12).

Não podemos dizer que Jesus era fariseu, mas como quase um fariseu era mestre, ou seja, rabino. Os conhecimentos de Jesus se devem em parte pela sua inteligência acima do vulgar e em parte pela freqüência às sinagogas, nas quais se liam e se explicavam as escrituras, função que era exercida de modo especial pelos fariseus. Daí também as constantes discussões com os fariseus em virtude das inovações doutrinárias de Jesus.

2.3 OS ZELOTAS E O CRISTIANISMO

A seita dos zelotas seria a ala esquerda do farisaísmo, ativista, subversiva, guerrilheira, talvez até mesmo terrorista. Não tinha organização definida e contava com elementos de todos os demais grupos, na medida em que rivalizavam com as tropas dos procuradores romanos. A simpatia popular crescia em relação ao movimento nacionalista ativista dos zelotas, solidificando a doutrina de que o poder maior de Deus dará aos judeus a possibilidade de vitória sobre as forças romanas. O messianismo foi, portanto, a principal idéia clara dos zelotas. Não apresentavam como os fariseus, uma doutrina de escola, mas tinham em torno de uma idéia-força um objetivo. Não faziam oposição direta às demais seitas, mas julgavam que estas, ao preferirem a paz e a concórdia, seriam coniventes com os romanos.

Em vista do caráter não organizado dos zelotas, ligados apenas a uma idéia-força messiânica, de onde decorriam suas relações fáceis com os demais grupos ideológicos, resultava que também poderiam existir cristãos zelotas.

Segundo Hoornaert:

Os zelotes eram movidos por uma profunda inquietação religiosa, associada a um compromisso não menos sério de ordem social. Eles uniam a religião à realidade social e política em que viviam. O zelo ardente pelas coisas de Deus os caracterizava como, aliás, diz o termo “zelote”. Segundo eles, os Sacerdotes e demais líderes do povo não seguiam o primeiro mandamento da lei de Deus ao “adorarem” o princípio do poder e permitirem o domínio estrangeiro sobre o “povo de Deus”. (HOORNAERT, 1994, p. 62).

A origem e o desenvolvimento da seita dos zelotas como partido político-religioso se encontra nos primeiros anos de quando a Judéia no ano 6 foi posta sob a administração direta dos procuradores romanos. Foram vários os procuradores da Judéia, que obedeciam ao governador da Síria, e em virtude da obrigação de recenseamento e pagamento de impostos, era natural que surgissem grupos descontentes.

Por ocasião de um recenseamento presidido por Quirino no ano 6 d.C., um certo Judas de Gamala, da Galiléia, auxiliado por um fariseu chamado Saduque, organizou um levante nacionalista, mas Judas foi morto, assim como outros também o serão, conforme descrito em Atos: ‘Depois deste levantou-se Judas, o Galileu, nos dias do recenseamento, e arrastou o povo consigo, mas também ele pereceu e todos quantos o seguiam foram dispersados’. (Atos, 5, 37).

O descontentamento continuou, outros líderes continuaram a resistência oculta, consolidando-se desta maneira o partido dos zelotas.

Outra revolução de cunho messiânico foi comandada por Teudas, mas foi sufocada, conforme Atos: ‘Faz algum tempo apareceu um certo Teudas, que se considerava um grande homem.

A ele se associaram cerca de quatrocentos homens: foi morto e todos os seus partidários foram dispersados e reduzidos a nada.’(ATOS, 5, 36)

Tiago e Simão, filhos de Judas, o Galileu, fomentam uma revolução, mas são condenados à cruz. A soma desses incidentes tornam o partido dos zelotas cada vez mais forte e o povo mais sensível ao nacionalismo messiânico. Com assaltos sistemáticos, saindo de seus refúgios no deserto, alcançam um ativismo eficiente.

Eleazar era o principal chefe zelota. Após ele, surgiu um pregador exaltado, judeu egípcio, que reuniu mil seguidores no monte das Oliveiras, para atacar os romanos, porém foram dispersados pela guarnição e cerca de quatrocentos foram mortos e mais duzentos presos. Grande parte da população, sobretudo jovens, aderiram definitivamente aos zelotas, formando o partido da Revolução, onde se firmou a convicção coletiva, de que uma intervenção extraordinária do poder divino lhes daria a vitória sobre os romanos, em que pese o grande poderio destes. Este movimento insuflado pelos zelotas – a guerra de 67 a 70 foi um desastre para a nação e mais uma vez a crença no messianismo fracassava quanto aos resultados.

O estado de luta, no reino messiânico, é em que ocorrem semelhanças entre zelotas e cristãos, porém com a diferença que para os zelotas a luta é política, enquanto que para os cristãos se trata também de luta moral, contra o pecado e as tentações do demônio. Pelo exposto, os zelotas contribuíram para o messianismo cristão, o qual progressivamente reafirmou a tendência espiritual essênia, desde o início mais peculiar ao pensamento de Jesus e que a crença na ressurreição de Jesus também sugere.

Segundo o teólogo protestante Oscar Cullman, a expressão de Jesus: ‘Todos aqueles que vieram antes de mim são ladrões e bandidos’ (JOÃO 10, 8), supõe uma clara alusão aos chefes ativistas zelotas, concebidos como messias, pelo fato de serem rebeldes, e que psicologicamente um chefe messiânico terrorista não poderia despertar uma retificação moral. Os zelotas arregimentavam seus seguidores no proletariado rural e na população flutuante das cidades, que não tinham nada a perder se nada lhes fosse bem. Já os cristãos tinham entre seus seguidores uma população menos flutuante e menos disposta ao ativismo aventureiro. Os zelotas estão presentes no grupo cristão, mesmo tendo Jesus descrito que seu reino não seria temporal, alguns viam nele a possibilidade de um líder temporal que os libertaria de Roma. Até mesmo um apóstolo leva o nome de Simão, o Zelota. (Mt. 10, 4). Há a possibilidade de Judas Oscariotes ter sido um zelota esclarecido, que percebendo que a direção espiritual de Jesus, dele tivesse se desviado, além de o entregar aos seus inimigos. Ainda segundo Cullmam o nome Iscariotes é uma deformação do termo latino sicarius (=sicário), que deriva de sica (=faca). Para os romanos, sicários eram os terroristas e assaltantes como os zelotas. Como exemplo disso, coloca-se Barrabás como um zelota preso e que foi trocado por Jesus no episódio do julgamento deste por Pilatos.

Jesus apresenta alguns indícios de comportamento que o aproxima dos zelotas, como por exemplo, a expulsão dos vendilhões do templo, a pregação da libertação dos oprimidos, no episódio da tentação no deserto, a motivação do demônio era o poder: ‘Todos os reinos do mundo dar-te-ei se prostrado me adorares’, ‘se és o Messias, converte as pedras em pão’, etc.. São apenas alguns comportamentos com pontos de aproximação entre zelotas e cristãos, visto que, em 66 os zelotas vão à guerra e os cristãos se declaram neutros, rompendo definitivamente a possível relação entre eles.

No tempo de Cristo, a palavra Messias se assimilava mais aos zelotas, que eram ativistas e subversivos. Ao canalizar sua liderança numa direção espiritual, Jesus converteu a idéia de reino, até então entendido como material, em reino espiritual. Com a derrota dos judeus em 70, vingou definitivamente a idéia de Messias espiritual, deixando a idéia de religião messiânica para ser chamada de religião cristã, no entanto deve-se dizer que a idéia vingou em parte, já que para a maioria dos judeus, o Messias historicamente idealizado é aquele que ainda não veio.

2.4 OS ESSÊNIOS E O CRISTIANISMO

Os essênios merecem especial atenção no estudo das origens do cristianismo, pois os primeiros cristãos se confundem com eles, haja vista, que os documentos cristãos não citam os essênios, assim como os que tratam dos essênios não citam os cristãos como uma das seitas havidas entre os judeus.

Quem dá informações sobre os essênios é o historiador Flávio Josefo (Guerra Judaica, livro 2, 7), que os chama de Essene. O filósofo Filon de Alexandria, os chamou de Essaens. Há algumas referências em Plínio (História Natural) e nos escritos rabínicos. Mais recentemente foi descoberto em 1947, às margens do Mar Morto, escritos dos essênios. (Aguilar, 1956).

Os essênios eram uma espécie de monges ascetas , termo derivado do sírio khasi (=piedade), no plural, khasem e khasuya,e que pela grecização ficou essênio.

Hoornaert, escreve:

O último movimento que nos faz conhecer a realidade da Palestina religiosa é o dos essênios ou “piedosos” (hasidim, em hebraico), os eremitas. O eremitismo sempre exerceu uma certa atração sobre o imaginário humano: edificar um convento em cima de um rochedo para viver aí na reclusão, na oração e na penitência fascina as pessoas. Depois das descobertas de 1948 em Qumram, sabemos que também o judaísmo tinha seus monges ou eremitas. (HOORNAERT, 1994, p.65)

Segundo Flávio Josefo, os essênios surgiram 150 anos a.C., de origem proletária rural, como os zelotas, chegaram a ter quatro mil membros, e tiveram seu fim marcado pela destruição da nação judia com a queda de Jerusalém em 70 d.C., onde foram dispersados, tendo alguns aderido ao judaísmo farisaico e outros à igreja cristã. Há a crença de que existiam comunidades essênias na Síria, as quais teriam se transformado em igrejas cristãs. Os escritos do Mar Morto reforçam a teoria de que o cristianismo foi um movimento surgido em interação com o essenismo. Externamente os essênios teriam contato e afinidades com os pitagóricos.

Surge no século I a.C. e prossegue nos imediatos um movimento místico e religioso que leva o nome de neopitagorismo, que é um movimento de inspiração nova e intensamente religiosa, e envolveu-se com todas as religiões da época, influenciando sobretudo as novas formas, como os essênios e através destes o cristianismo.

Alguns pontos a serem analisados do neopitagorismo:

a) O dualismo é o ponto de partida: dualismo de espírito e matéria, em que a alma sente ao mesmo tempo, algo de elevado, mas apegada à matéria, da qual procura se desprender.
b)
Revelação: formula o princípio de autoridade em forma de revelação divina, passa a ser uma teologia sobrenatural e é invocada como princípio de autoridade doutrinária. Depois crescerá dentro de outras religiões a teologia da revelação divina.
c)
Purificação pelo sofrimento e pelos ritos: a purificação da alma se processa pela repressão da sensualidade, e essa purificação é esclarecida pela revelação divina. O batismo era o principal rito do neopitagorismo, rito que se conserva até hoje em muitas religiões.
d)
Deus: é o lugar das idéias, é uma unidade anterior na qual se situam as idéias, não sendo reais, como propôs Platão, mas pensamentos apenas, ainda que protótipos do que se vá criar. Deus é um ser imaterial, transcendente.

Explicado os princípios básicos do neopitagorismo, continuemos a falar dos essênios e suas influências sobre o cristianismo. Jesus certamente teve um contato fácil com os essênios, já que existiam em toda a Palestina, e por motivo familiar, já que João Batista, seu primo tinha indícios claros de ter sido um essênio. A proximidade com João Batista, deixando-se batizar por ele, sugerem relações com os essênios, já que era peculiar a eles pregar sobre a penitência dos pecados e usar o batismo como símbolo de purificação dos mesmos. Jesus teria freqüentado no deserto uma comunidade essênia, onde fez sua penitência e jejum, costume dos judeus, mas destacada pelos essênios e onde teria desenvolvido seus conhecimentos da escritura.

Que peculiaridades seriam comuns entre os essênios e os cristãos?

Segundo Evaldo Pauli são as seguintes:

Os essênios e os cristãos chamavam-se a si mesmos de santos.
Uns e outros tinham os bens em comum.
Eram dirigidos por conselhos de doze membros.
Praticavam a virtude, rejeitando a riqueza e os prazeres.
Eram celibatários e exerciam o curandeirismo.
Batizavam.
Perdoavam pecados
Supunham ter revelações dos segredos de Deus.
Os essênios seguiam o calendário litúrgico antigo, não o oficial, de modo que a Páscoa poderia incidir em qualquer dia da semana. Comiam uma ceia sagrada em número de doze pessoas sob a presidência de um, como o fez Jesus com seus apóstolos. Quanto ao número doze, além dos apóstolos, doze eram os filhos do patriarca Jacó, doze eram as tribos de Israel, etc..
Pregavam a justiça, a caridade, céu e o inferno, a ressurreição dos mortos.
Tinham um conceito espiritualístico do Messias, como os cristãos. (PAULI, 1997)

Economicamente os essênios eram organizados de forma comunista, conforme afirma Flávio Josefo: ‘Os essênios vivem juntos, organizados em corporações, uniões livres, associações de hospedagem, e se acham usualmente ocupados de várias tarefas da comunidade.’

De acordo com Filon: ‘O dinheiro, que obtêm por seus vários trabalhos, o confiam a um fideicomissário eleito, que o recebe e compra com ele o que é necessário, provendo-os com abundantes alimentos e com tudo o que é preciso para a vida.’

A comunidade essênia de Qumram era dirigida por um conselho de doze membros, presidido por três sacerdotes, apresentando aqui, mais uma curiosa semelhança com os doze apóstolos de Jesus, que tinham, mais próximos dele, Pedro, Tiago e João. O espírito de partilha de bens da comunidade dos primeiros cristãos não se deve necessariamente a Jesus, porém atuando sobre eles que já praticavam, passou a fazer parte do novo grupo. Daí a idéia de que a transformação do judaísmo para o cristianismo, teria ocorrido a partir do essenismo, mais do que do farisaísmo e dos zelotas, já que as idéias de Jesus e dos essênios eram mais afins.

Era certo que os essênios praticavam o exorcismo, o perdão dos pecados e o curandeirismo.

Fazem estudos das Escrituras dos antigos, tirando delas principalmente aquilo que convém para suas alma e corpos, e portanto, costumam saber a virtude de muitas ervas, plantas, raízes e pedras, sabem a força de todas e o investigam com grande diligência (JOSEFO, Guerra Judaica 2, 7).

De novo evoca-se a figura de Jesus e dos primeiros cristãos, quando se fala em curandeirismo, já que tinham a preocupação com a cura dos doentes.

Na epístola do Apóstolo Tiago há uma recomendação:

Está alguém doente entre vós? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o enfermo, e o aliviará o Senhor, e se estiver em pecado ser-lhe-ão perdoados’ (TIAGO, 5, 14-15).

A expressão de Jesus quando acabava de curar um enfermo – “vai teus pecados te são perdoados” – não deixa de ser um ritual essênio. Quanto aos rituais, os dos essênios também se assemelham aos dos cristãos. Em relação aos sacrifícios do templo, divergiam os essênios e os cristãos, em relação aos judeus. Por exemplo; os essênios praticavam uma cerimônia à parte, com destaque para a ceia sagrada, com a participação de pelo menos dez pessoas e presidida por um sacerdote, enquanto que na liturgia judaica a ceia era presidida pelo pai da família. Também na ceia dos essênios, participavam somente os iniciados, superando a idéia de família, sugerindo que eram celibatários, e nela se benzia o pão e o vinho, não sendo simples transformação da antiga ceia do cerimonial doméstico da páscoa judaica.

Outra semelhança entre essênios e cristãos, diz respeito ao calendário litúrgico oficial do templo de Jerusalém. Os essênios praticavam a ceia da páscoa em outro dia, e Jesus também teria praticado a chamada Santa Ceia antes da data oficial. Annie Jeubert, uma erudita católica, procurou demonstrar em livro de farta documentação que Jesus obedecia ao calendário de Qumram, o qual celebra a Páscoa na tarde de terça-feira, e que a quinta-feira santa não faz parte da tradição cristã primitiva.

A expectativa da vinda imediata de um Messias dominava mais os essênios do que os fariseus, sendo este outro ponto em comum entre essênios e cristãos, que suspeitavam e depois acreditaram que Jesus era o Messias prometido.

Quanto aos fariseus, basta tomar conhecimento do conselho de um rabino: ‘Se estás para fazer uma cerca e se, neste momento, te anunciam a chegada do Messias, termina a tua cerca: terás bastante tempo para ires ao seu encontro’.

Dentro do doutrinário cristão, os essênios já exerciam várias, dentre elas, imortalidade, céu, inferno, justiça, caridade, ceia, messianismo espiritual. O celibato era praticado pelos essênios, além da abstinência, banhos frios e outros rigores.

Flávio Josefo diz: ‘Rejeitam os prazeres como um mal, estimando que a continência e o império sobre as paixões constitui a virtude’.

Vai mais fundo ainda com relação ao celibato dos essênios, quando diz:

Depreciam o matrimônio, porém adotam crianças estranhas… Não desejam abolir o matrimônio e a propagação do homem, porém dizem que se deve estar prevenido da pouca castidade das mulheres, pois não há mulher que esteja satisfeita com um homem só. (JOSEFO, Guerra Judaica 8. L.2).

Outra citação que não deixa dúvida em relação ao assunto: ‘Não tomam esposa e não tem escravo. Pensam que este último não é justo, e que a primeira dá lugar a discórdias’. (JOSEFO, Antiguidades Judaicas 18, 1).

A explicação mais detalhada é dada por Filon quando diz: ‘O esposo, encantado pelos sortilégios de sua esposa ou preocupado com os filhos por necessidade natural, não mais será o mesmo para os outros, e, pelo seu separatismo, torna-se um escravo e não um homem livre’.

A doutrina essênia sobre o celibato é enfatizada por Jesus, quando diz: ‘Há aqueles que se fazem de eunucos pelo Reino de Deus. Aquele que puder compreender que compreenda’. (MATEUS, 19, 12).

Paulo apóstolo que abandonará o farisaísmo em troca do cristianismo é um celibatário e diz: ‘É bom para o homem não ser tocado por mulher’.

Vejamos algumas normas rígidas do manual de disciplina dos essênios, dando destaque à modéstia, recato e respeito à autoridade:

Quem caminhar nu perante o próximo, sem que tal seja necessário, será castigado com seis meses.
Quem cuspir no meio da assembléia dos chefes, será punido com trinta dias.
Quem tirar a mão de sob o vestuário, quando este se encontrar rasgado, ao ponto de aparecer sua nudez, será punido com trinta dias.
Quem rir estupidamente, fazendo ouvir sua voz, será punido com trinta dias.
Quem tirar a mão esquerda para gesticular, será punido com dez dias.
Quem maldizer do seu próximo será privado, durante um ano, da alimentação sagrada, e será castigado.
Quem maldizer dos chefes será mandado embora para nunca mais voltar.
Aquele que murmurar contra a instituição da comunidade será afastado e não voltará; e se murmurar, sem razão, do seu próximo, será castigado com seis meses. (PAULI, 1997)

Para os essênios a vida na terra tem pouca importância, o que conta mesmo é céu e inferno e sobretudo a luta entre ambos, e que terá desfecho com a vitória definitiva de Deus sobre o mal, e que o sentido da vida consiste em apoiar o lado do bem.

É nesse pano de fundo dos quatro principais movimentos religiosos existentes entre os Judeus, descritos por Flávio Josefo, que dá início o projeto de Jesus, chamado por alguns autores de “o movimento de Jesus” do qual trataremos no próximo e último capítulo desta pesquisa, falando de seus personagens e de sua expansão.

3. A EXPANSÃO DO CRISTIANISMO

A expansão do Cristianismo primitivo é favorecida pelas estruturas de comunicação do Império Romano, cuja rede de estradas chegava a 140 mil quilômetros, pelas rotas marítimas mediterrâneas e pelos rios e canais navegáveis. A nova fé em geral chega primeiro às cidades, ao passo que o campo, em latim “Pagus”, continua a ser habitado por pagãos.

A difusão do Cristianismo inicia-se no seio da comunidade judaica de Jerusalém, escolha arriscada, porém justificada já que os primeiros discípulos de Jesus acreditavam no seu retorno iminente.

Outro fator importante, é que em Jerusalém a cada festa acorria de toda Palestina peregrinos e os apóstolos podiam melhor cumprir o que achavam ser sua missão: convencer os judeus devotos de que Jesus era de fato o Messias, já que a esperança messiânica estava muito disseminada entre os judeus.

Segundo Aimé Savard:

O relato de Pentecostes, nos atos dos Apóstolos, traduz a ambição missionária dos companheiros de Jesus. Era a segunda das três grandes festas judaicas: 50 dias depois da Páscoa, comemorava a entrega das Tábuas da Lei a Moisés. Na ocasião os judeus piedosos, oriundos de todas as comunidades da diáspora , peregrinavam a Jerusalém. O autor de Atos – Lucas, companheiros de Paulo, também redator do terceiro Evangelho – conta que esses apóstolos receberam missão do Espírito Santo. (SAVARD, 2005, p. 31)

Mais adiante, Savard assevera que:

Os apóstolos pregavam o que Atos põe na boca de Pedro, o chefe do grupo inicial dos 12 instituídos por Jesus. Os exegetas consideram esse texto a síntese da primeira pregação cristã, o querígma em linguagem teológica: “A este Jesus, Deus o ressuscitou, e disso nós todos somos testemunhas. Portanto, exaltado pela direita de Deus, ele recebeu do Pai o Espírito Santo prometido e o derramou, e é isto o que vedes e ouvis”.

Apoiado em citações, Pedro mostra que tudo foi anunciado pelos profetas e que, por conseguinte, Jesus é o Cristo, o equivalente grego, língua em que Atos dos Apóstolos foi escrito, do termo hebreu “Messias”. E conclui: “Saiba, portanto, com certeza, toda a casa de Israel: Deus o constituiu Senhor e Cristo, este Jesus a quem vós crucificastes”. (IBID., p. 31)

Segundo o Atos dos Apóstolos, cerca de 3000 pessoas se converteram atendendo ao apelo de Pedro que pediu o arrependimento dos pecados e o batismo como condição para receberem os dons do Espírito Santo.

Depois de Pentecostes, aqueles que tinham abraçado a nova fé se reuniam e partilhavam tudo o que tinham em favor dos pobres e das viúvas da comunidade, embora isso já fosse praticado nas sinagogas.

Savard declara que:

Depois da descoberta dos Manuscritos do Mar Morto, percebeu-se que esse “comunismo cristão primitivo”, como o qualificaram alguns, já era praticado no mosteiro essênio de Qunran, fundado em pleno deserto, dois séculos antes da época de Cristo, por sacerdotes que queriam reagir contra a opulência do alto clero ligado ao Templo de Jerusalém. (IBID., p. 32)

A confirmação da conversão ao cristianismo era através do ritual do batismo, provavelmente semelhante ao praticado por João Batista no deserto, sendo este por imersão na água. Em Jerusalém a comunidade cristã passou a se chamar em grego de ecclesia, ou seja, igreja, que significa reunião, servindo também para qualificar as reuniões do povo cristão no deserto. O termo igreja depois de alguns anos serviu para designar o conjunto das comunidades cristãs da diáspora judia que aceitavam a autoridade da igreja de Jerusalém.

Ninguém teria profetizado que a nova religião duraria muito, visto que, quando da morte de Jesus, um pequeno grupo de homens pobres e incultos, membros de uma raça oprimida que habitava remota província do Império e renegados pelos próprios judeus. No entanto, dentro de uma geração após a morte de Jesus, seus ensinamentos eram conhecidos em todo o mundo mediterrâneo.

Devido à perseguição aos cristãos movida por Saulo, e a morte do primeiro mártir, Estevão, de acordo com o livro Atos dos Apóstolos, capítulo 7, versículos de 54 a 60, e capítulo 8, versículos de 1 a 3, o Cristianismo conquista os judeus dispersos por todo o Império Romano, ganhando as províncias orientais – o Egito, a Ásia Menor e a Grécia. Ao converter os judeus de Alexandria, Éfeso, Antioquia, Corinto e outros centros, lança as primeiras bases para se fazer ouvir pelos pagãos. Até meados do século II d.C., o número de seus seguidores cresce em Roma, penetra na Gália e no norte da África. Apesar de submetido a duras perseguições, por parte dos romanos e dos judeus, o Cristianismo adquire, no decorrer dos séculos II e III, grande força política que se consolida no governo de Constantino (306-337).

A primeira vez em que os discípulos foram chamados de cristãos foi em Antioquia, conforme Atos dos Apóstolos, capítulo 11, versículo 26, e cuja designação os seguidores de Cristo começam a aplicar a si mesmos por volta do século II.

Mas para falar em expansão do Cristianismo vamos nos deter no personagem principal desta tarefa árdua, perigosa e, sobretudo corajosa que é Paulo, assim chamado depois de sua conversão ao Cristianismo, visto que antes era conhecido como Saulo. Nascido em Tarso da Cilícia pelo início da nossa era Saulo era de uma família judaica da tribo de Benjamim, mas ao mesmo tempo cidadão romano, recebeu desde a infância, em Jerusalém, de Gamaliel, séria formação religiosa segundo as doutrinas dos fariseus, defensor radical da Tora, e que ao tornar-se discípulo de Jesus, pregaria o fim da Lei em seus escritos aos Romanos.

Cuvillier o descreve assim:

Seguro e convencido de sua nova fé, Saulo transformado em Paulo, “o humilde”, tomou o bastão de peregrino e se fez missionário, percorrendo o Império Romano: ele passou a ser o verdadeiro promotor do cristianismo. Finalmente, e mais do que tudo, Paulo teorizava. Sua reflexão sobre o acontecimento central da fé crist㠖 a morte e a ressurreição do Cristo – fez dele o primeiro teólogo e escritor do cristianismo nascente. (CUVILLIER, 2005, p. 38)

A conversão de Saulo se deu por volta dos anos 33 ou 34 d.C., sem a pregação do evangelho por parte de outro homem, conforme descrito por Paulo em Gálatas, capítulo I, versículos 11 e 12: “Com efeito, eu vos faço saber, irmãos, que o evangelho por mim anunciado não é segundo o homem, pois eu não o recebi nem aprendi de algum homem, mas por revelação de Jesus Cristo”.

A partir desde momento, consagrará toda sua vida ao serviço de Cristo que o conquistou. Depois de uma temporada na Arábia e do regresso a Damasco, onde já prega, sobe a Jerusalém por volta do ano 37; depois retira-se para a Síria-Cilícia, de onde é reconduzido à Antioquia por Barnabé, com o qual ensina.

Na carta aos Gálatas, Paulo apresenta todo seu itinerário de viagens para pregar o Evangelho de Jesus Cristo.

3.1 A PRIMEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA DE PAULO

A primeira viagem de Paulo se deu entre os anos 47 e 49 d.C., conforme Atos dos Apóstolos, capítulos 13 e 14.

Primeiramente Paulo se estabeleceu na Arábia, permanecendo por volta de 10 anos, partindo dali em companhia de Barnabé e João Marco na direção oeste, para sua primeira viagem missionária: Antioquia da Síria, Ilha de Chipre (Salamina e Pafos). Antioquia da Psídia, Icônio, Listra, Derbe, Perge e Antioquia da Síria; sendo que Marcos abandonou o grupo voltando à Jerusalém. Pregavam a palavra de Deus nas sinagogas dos judeus e nas praças públicas, sendo sempre acolhidos por muitas pessoas. Sempre que deixavam uma cidade onde tinham pregado e fundado um núcleo cristão, deixavam também um encarregado preparado para continuar a missão de evangelizar. Muitos gregos, judeus e prosélitos (pagãos que abraçaram o judaísmo) e mesmo pagãos ouviam Paulo e Barnabé, ficavam admirados com a pregação a aproximavam, buscando relacionamento com os missionários. Foram apedrejados diversas vezes, encarcerados e expulsos de muitas localidades, mas a palavra de Deus ficava no coração de muita gente.

Em 49 d.C., Paulo foi a Jerusalém para participar do que seria o primeiro concílio apostólico, com o objetivo de resolver questões que estavam interferindo no êxito da missão de evangelizar, entre elas, a questão sobre o que deveria ser exigido dos gentios convertidos em relação à observância da lei mosaica.

3.2 SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA DE PAULO

Esta segunda viagem de Paulo aconteceu entre os anos 50 e 52 d.C., conforme narração de Atos, capítulos de 15 a 18, em que Paulo percorreu a Síria e a Cilícia, confirmando as igrejas que cresciam em número de fiéis, exortando-as a perseverarem na fé. Paulo tinha como companheiro nesta viagem Silas, e em Listra juntou-se a eles Timóteo, os quais chegaram a Trôade, cidade em que Lucas entrou na equipe de Paulo, e por onde passavam recomendavam a observância dos decretos dos Apóstolos e dos anciãos de Jerusalém. Dali partiram para a Macedônia, onde trabalharam intensamente nas cidades de Filipos, Tessalônica, Beréia, Acaia, e pelos muitos problemas acontecidos ali, Paulo foi forçado a fugir para Atenas, escoltado por alguns cristãos, ficando Silas e Timóteo, só encontrando Paulo no dia seguinte em Atenas. Lá Paulo se indignou com o grande número de ídolos que encontrou pela cidade e pregava na Sinagoga e na Ágora tentando converter os que a freqüentavam.

Alguns filósofos interessados em conhecer a religião que ele pregava, levaram-no até o Areópago , e ali, ele falou:

Cidadãos atenienses! Vejo que, sob todos os aspectos, sois os mais religiosos dos homens. Pois, percorrendo a vossa cidade e observando os vossos monumentos sagrados, encontrei até um altar com a inscrição: ‘Ao Deus desconhecido’. Ora bem, o que adorais sem conhecer, isto venho eu anunciar-vos. (ATOS, 17, 23).

Paulo falou sobre a criação, a bondade de Deus, que somos da graça de Deus e que não devemos pensar que a divindade seja semelhante ao ouro, à prata, ou à pedra trabalhada pela mão do homem, porém quando falou da obra do Filho de Deus em favor da humanidade, que tinha sido crucificado pelos judeus, mas que tinha ressuscitado para a vida eterna, zombaram dele, pois não acreditavam na ressurreição dos mortos. Porém, alguns homens aderiram à fé cristã.

De Atenas, Paulo e seus companheiros partiram para Corinto, onde encontraram um judeu com o nome de Áquila, recém chegado da Itália com sua esposa, devido ao edito do Imperador Cláudio ordenando o afastamento dos judeus de Roma. Em Corinto sofreram ferrenha oposição dos judeus que tentaram expulsá-los da cidade, mas, mesmo assim permaneceram lá por um ano e meio. De Corinto, Paulo viajou para Éfeso, Cesaréia e Jerusalém, retornando para Antioquia na Síria.

3.3 TERCEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA DE PAULO

Realizada entre os anos de 53 e 58 d.C., conforme Atos, 18, 23 e 21, 17, Paulo percorreu a Galácia e a Frigia, visitando e estimulando as comunidades cristãs a perseverarem na fé. Partiu daí para Éfeso, onde encontrou alguns discípulos, impondo-lhes as mãos, batizou-os no Espírito Santo, e eles puderam falar em línguas e profetizar. Evangelizou por dois anos na região da Ásia, que tem Éfeso como centro e forma um grupo com sete cidades, as mencionadas sete igrejas no apocalipse de São João, capítulo 1, versículo 11, ou seja, Èfeso, Ermirna, Pérgamo, tiatira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia. Dessa forma todos os habitantes gregos e judeus puderam ouvir a Palavra do Senhor.

Seguindo sua missão, partiu em direção à Macedônia, onde trabalhou por um bom tempo, partindo depois para a Grécia, onde permaneceu evangelizando por três meses. De volta para a Macedônia, já com novos companheiros, como Sópatros, Aristarco, Segundo, Gaio, Tíquico e Trófimo, além de Timóteo, evangelizaram Trôade e Mileto.

Paulo queria estar em Jerusalém no dia de Pentecostes, razão pela qual, mandou chamar os anciãos da igreja de Éfeso, para se despedir dos amigos e irmãos na fé, fazendo um emocionado discurso, já que tinha um presentimento de que esta seria sua última viagem à Ásia.

Disse:

Agora, acorrentado pelo espírito, dirijo-me a Jerusalém, sem saber o que lá me sucederá. Senão que, de cidade em cidade, o Espírito Santo me adverte dizendo que me aguardam cadeias e tribulações. Mas de forma alguma considero minha vida preciosa a mim mesmo, contanto que leve a bom termo a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus: dar testemunho do Evangelho da graça de Deus. Agora, porém, estou certo de que não mais vereis minha face, vós todos entre os quais passei proclamando o reino. Eis porque eu o atesto, hoje, diante de vós: estou puro do sangue de todos, pois não me esquivei de vos anunciar todo o desígnio de Deus para vós. (ATOS, 20, 22-25)

3.4 VIAGEM DE PAULO A JERUSALÉM

Chegando em Jerusalém Paulo encontrou-se com diversos Apóstolos e anciãos da comunidade cristã da cidade, na casa de Tiago Menor, onde relatou seu ministério junto aos gentios. Visitando o Templo, Paulo foi reconhecido por judeus que viveram na Ásia e que não gostavam dele, dos quais ouviu que era traidor do povo judeu e pregava contra a lei e o Templo. Arrastaram Paulo para fora do Templo e bateram nele. Devido a essa agitação Paulo foi algemado e levado à Fortaleza Antonia, onde ficava o Tribunal Romano, porém pediu ao tribuno que o levava para falar ao povo das escadarias do tribunal.

Paulo impressionou pela sua retórica, falando em hebraico e lembrou ao povo que antes de sua conversão, era um fariseu zeloso que perseguia e matava os cristãos, mas que Jesus o tinha mandado sair de Jerusalém para pregar aos gentios, enquanto rezava no Templo. Ao ouvir isso o povo se enfureceu e pediu a morte de Paulo.

Querendo saber de que Paulo era acusado, este foi levado às autoridades judaicas, porém os judeus prepararam testemunhas falsas para incriminá-lo.

Paulo voltou para a prisão, por ordem do tribuno Cláudio Lísias, temendo que o matassem, e na prisão, à noite o Senhor e disse-lhe: “Coragem! Assim como prestastes testemunho de mim em Jerusalém, deverás também testemunhar em Roma”. (ATOS, 23, 11).

3.5 PRISÃO EM CESARÉIA

Como os judeus continuassem a tramar contra a vida do apóstolo, no ano de 58 foi enviado para Cesaréia para lá ser julgado pelo procurador Antonio Félix. Ficou preso no pretório de Herodes e continuou sendo incriminado pelo Sumo Sacerdote Ananias, o advogado Tertulo e alguns anciãos vindos de Jerusalém. Antonio Félix não achando culpa em Paulo, dispensou os acusadores e o manteve preso. Após dois anos, Antonio Félix foi substituído por Pórcio Festo, que recebeu os judeus que insistiam em caluniar Paulo.

Trazendo o Apóstolo em sua presença, Festo fez alguns questionamentos baseados nas mentiras dos judeus contra ele.

Perguntou-lhe se queria ser enviado à Jerusalém para lá ser julgado, ao que Paulo respondeu:

Estou perante o Tribunal de César, e é aqui que devo ser julgado. Nenhum crime pratiquei contra os judeus, como tu perfeitamente reconheces. Mas, se de fato cometi injustiça, ou pratiquei algo que mereça a morte, não recuso morrer. Se, ao contrário, não há nada daquilo de que me acusam, ninguém pode entregar-me a eles. Apelo para César! (ATOS 25, 11-11)

3.6 PAULO ENVIADO À ROMA

No ano 60, o governador Festo enviou Paulo e outros prisioneiros com destino a Roma, porém a embarcação a tempestade enfrentada entre a Grécia e a Itália aportaram forçosamente na ilha de Malta, onde permaneceram por noventa dias. Paulo aproveitou para evangelizar o povo, curando doentes da ilha, e quando partiram os habitantes da ilha os proveram do necessário para a viagem.

Os cristãos de Roma, sabendo da chegada de Paulo, foram ao seu encontro dando-lhe força para enfrentar a prisão, porém num regime especial de custódia, as autoridades romanas permitiram-lhe residir numa casa particular, que a comunidade cristã de Roma alugou. Após dois anos de cativeiro, de 61 a 63, já que não podia se ausentar da casa, seu processo terminou e ele foi libertado, não permanecendo em Roma por muito tempo. É provável que tenha viajado para evangelizar a Espanha, conforme era seu desejo, manifestado em sua Carta aos Romanos, capítulo 15, versos 24 e 28.

Nero no ano de 64 incendiou Roma e colocou a culpa nos cristãos, e por isso os perseguiu caçando homens, mulheres e crianças para serem presos e lançados aos leões na arena do Coliseu Romano. Paulo deixou a Espanha, percorrendo as Igrejas do Oriente, onde nomeou Tito, bispo de Creta, em Éfeso nomeou para bispo Timóteo. Quando em Nicópolis, voltou à Roma na primavera de 67 acompanhado por Lucas, empenhado em reconstruir a comunidade cristã dizimada pelas perseguições do imperador Nero.

Paulo foi preso perto da ilha Tiberina, e ao contrário da primeira prisão em Roma, era tratado com pesados grilhões e completamente isolado. No calabouço escreveu sua última carta ao seu discípulo Timóteo, a segunda Epístola a Timóteo, a quem nomeou executor do seu testamento.

Embora haja controvérsia entre os estudiosos, Paulo teria sofrido o martírio, tendo sido decepada sua cabeça por um golpe de espada, no mesmo dia em que Pedro sofreu o martírio.

Tendo traçado um panorama da vida e das viagens de Paulo, o Apóstolo dos gentios, convém fazer um apanhado do que dizem suas Cartas e o Atos dos Apóstolos sobre ele.

É uma alma apaixonada que se consagra em limites a um ideal. Trabalhos fadigas, sofrimentos, privações, perigos de morte, prisões, nada lhe importa, desde que possa cumprir a missão pela qual se sente responsável.

O amor pela causa de Jesus Cristo lhe inspirou imensas e santas ambições: quando confessa sua solicitude por todas as Igrejas; quando declara haver trabalhado mais que os outros; quando piedosamente exorta os fiéis a imitá-lo, não por orgulho humano, mas segundo ele, unicamente pela graça do Criador as grandes coisas aconteceram por seu intermédio.

A pregação de Paulo é o verdadeiro querígma apostólico. Sua pregação, embora tenha falado aos gregos e judeus, foi direcionada à conversão dos pagãos de todas as raças, na linha universalista inaugurada em Antioquia. Embora as Epístolas de Paulo não sejam Tratados de Teologia, mas resposta e soluções para situações concretas que ocorriam nas comunidades cristãs que ele fundou e sabiamente soube orientar, serve para além delas, a todos os fiéis cristãos. São ensinamentos preciosos e luzes que esclarecem e fundamentam pontos da doutrina cristã, sobretudo colocando em evidência, o Espírito Santo. A teologia de Paulo não foi elaborada em cima de tratados de religião e nem construída somente sobre o acontecimento de sua conversão.

3.7 CONTINUAÇÃO DA EXPANSÃO DO CRISTIANISMO ATÉ O SÉCULO III

A Diáspora judaica foi de início a primeira intermediária da mensagem cristã, haja vista, que Paulo se dirigia em primeiro lugar aos judeus espalhados pelo império romano. A mensagem de Paulo tocou primeiramente aos que primeiro aderiram ao judaísmo, para depois chegar aos pagãos. Embora pouco sabemos, os outros Apóstolos também exerceram atividade missionária, embora fosse Paulo o grande responsável por ter o Cristianismo se espalhado pelas zonas periféricas do Mediterrâneo, e avançado pelos mais recônditos lugares do império romano.

A par da missão específica de Paulo e outros apóstolos, outros cristãos ajudaram a espalhar a mensagem do Evangelho de Jesus Cristo em seu derredor, como por exemplo, comerciantes, soldados e pregadores, ao longo das estradas do império.Dessa maneira, até o século II, protegidos pela Pax Romana, o Cristianismo ganhou raízes em todo o mundo civilizado.

3.8 EXPANSÃO NO ORIENTE

O Oriente era o centro de difusão do Cristianismo. Plínio, o Jovem, pagão que governou a Bitínia, na Ásia Menor, entre 101 a 113, vai se deparar com um grande número de cristãos, tanto no seu território como no Ponto, que resolve consultar o Imperador Trajano, de como se comportar em relação a eles.

“O assunto pareceu-me justificar uma consulta”, escrevia então, “particularmente em função do elevado número daqueles que poderiam ser envolvidos num processo. Pois muitas pessoas de qualquer idade, estado social e sexo estarão em perigo. Esta superstição contagiante (o Cristianismo) não só contaminou as cidades, como as aldeias e a planície. É praticamente impossível suste-la ou remediá-la, uma vez que se pode já verificar que se começa a visitar, de novo, os templos que estavam quase desertos, que ressurgem as festividades solenes há muito não praticadas e que se volta a comprar comida para os animais destinados ao sacrifício, para o que até agora só raramente se encontrava compradores. Daqui se pode facilmente concluir quantas pessoas poderiam ser reconduzidas, se lhes fosse dada a oportunidade de conversão.” (Plínio, epístola 96). FRANZEN, p. 32-33).

Já existiam no século II, cidades com população em sua maioria cristãos, com extensão da conversão também ao campo. Na segunda metade do mesmo século II, houve a evolução do montanismo , na Frigia, para uma espécie de movimento popular, atingindo todo seu território.

No século III, nem mesmo as perseguições de Diocleciano, impediram que cidades inteiras se tornassem cristãs, penetrando através da Ásia Menor e da Síria, na Mesopotâmia. Em Edessa, por exemplo, o rei Abgar se converteu com sua família ao Cristianismo, e a cidade se transformou num centro missionário por volta do ano 200. No Eufrates, na cidade de Dura-Europos, foi encontrada a capela cristã mais antiga conservada até hoje, remontando ao ano de 232, e onde existem conteúdos bíblicos em seus afrescos.

Há poucas fontes em relação a cristianização do Egito, porém Alexandria constituiu seu ponto de partida, através de sua escola de teologia, e pelo fato do bispo Demétrio de Alexandria ter organizado a Igreja egípcia.

3.9 EXPANSÃO NO OCIDENTE

Roma era o centro da Igreja no Ocidente. Em meados do século III, o papa São Fabião, reorganizou a comunidade urbana romana, provavelmente com números múltiplos de dez mil em seus membros.

Franzen afirma:

As enormes proporções da comunidade romana surgiam já de tal forma ameaçadoras ao imperador Décio (249-251), que este terá afirmado que reagia de forma mais tranqüila e serena face à sublevação de um rival imperial do que à notícia da eleição de um novo bispo de Roma (Cipriano, epístola 55, 9). (FRANZEN, p. 34).

Em relação a África, a primeira fonte segura de sua cristianização é o relato do martírio de Cílio na Numídia por volta de 180, e a partir dos escritos de Tertuliano em Cartago por volta de 220 podemos concluir um número grande de cristãos no continente africano. Em Cartago no ano de 220, o bispo Agripino de Cartago reuniu um sínodo de mais de 70 bispos; vinte anos mais tarde, já eram 90 e em fins do século III, a predominância nas cidades, eram de cristãos.

Na Gália no século III, cresce o número de comunidades em cidades como Marselha, Lião, Vienne. Na Germânia, as mais recentes escavações provam a existência de locais de cultos cristãos em Trier, Colônia, Bona e Augsburgo, datados do século III.

Concluindo este pequeno histórico da expansão do Cristianismo, apresentamos números apresentados por Ludwig von Herling, onde ele divide o império ocidental e o oriental.

Sua conclusão é de que no ano 100 no Ocidente, existiam cerca de poucos milhares de cristãos; por volta do ano 200, várias dezenas de milhar e no ano 300, cerca de dois milhões. Já no Oriente, nos primeiros três séculos, não se pode esboçar vagas suposições, mas afirma que no ano 300 poderiam existir de 5 a 6 milhões de cristãos.

4. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O Cristianismo surgiu da junção do misticismo oriental, do messianismo judeu, do pensamento grego e do universalismo romano. Para entender o surgimento do Cristianismo, estudamos antes o que os autores chamam de o Acontecimento-Jesus, situando-o e percebendo-o no aspecto econômico, social, política e religiosa do mundo judaico do século I. Como eram as estruturas econômicas, as estruturas familiares, as estruturas sociais em função da pureza de origem, as estruturas políticas e as estruturas culturais e cultuais, ou seja, religiosas do tempo em que precede o nascimento de Jesus.

Quando falamos em estrutura, utilizamos para falar de disposição e organização das coisas. E é estudando essas estruturas do povo judeu, que vamos perceber com mais clareza a implosão que o Acontecimento-Jesus produziu nesta sociedade.

Rememorando os assuntos abordados no primeiro ano do curso de História, que ora concluímos, um assunto muito debatido foi o dos paradigmas. E num dado momento da explanação do professor de Metodologias do Ensino de História sobre paradigmas, pensei comigo mesmo, se Jesus Cristo não teria quebrado todos os paradigmas religiosos até então aceitos pelo povo judeu.

As profecias eram claras em relação a chegada de um Messias, e por isso mesmo, muitos “messias” surgiram; lunáticos e fanáticos se diziam um deles. Várias seitas messiânicas existiam, e que acabaram de um modo ou de outro, servindo de base para o surgimento da filosofia que ganharia o mundo e se estabeleceria até os dias de hoje.

O Messias esperado por eles tinha conotação política, capaz de libertar o povo judeu subjugado e cativo, fazendo dele uma grande nação capaz de enfrentar qualquer império. Além dessa expectativa não ter se concretizado, o Messias recém-chegado, ainda prega o amor aos inimigos, a tolerância, a caridade sem limites, quebrando inclusive costumes tradicionais do povo, única e exclusivamente com a intenção de mudar o interior do homem. Exemplos disso, podemos citar, a cura de doente no sábado que era proibido pela Torá, comer em casa de pecadores e sem lavar as mãos, dar lugar às mulheres excluídas da sociedade judaica, dar vez aos doentes com doenças infecto-contagiosas de se aproximarem dele e receberem a cura, e outras situações que quebravam todas as regras conhecidas e praticadas pelos judeus.

Esse Cristo que pregava e vivia o amor universal não interessava à sociedade judaica, razão pela qual foi desprezado, perseguido, preso, humilhado e condenado à morte mais humilhante conhecida na época; a morte de cruz. O povo para o qual fora enviado para salvar, condenou-o por afrontar seus costumes e suas posições privilegiadas exercidas sobremaneira no Templo de Jerusalém.

Porém o Cristianismo se funda, nos ensinamentos de amor ao próximo, na partilha dos bens, na vida de comunidade, mas, sobretudo na paixão, morte e ressurreição de Cristo. Foi a partir de sua ressurreição, de sua volta ao Pai e da sua promessa de enviar o Espírito Santo, que o Cristianismo toma corpo na pessoa dos apóstolos, que assumem o compromisso de espalhar a Boa Nova a todos os cantos da terra.

Pelas pesquisas por mim realizadas, em nenhum momento me deparei com a afirmação de que Jesus teria tido a intenção de fundar uma nova religião. Sua intenção, pelos escritos bíblicos era levar os homens a olharem para dentro de si mesmos e perceberem a centelha divina que cada um traz dentro de si. Que a vida não é só comer, beber, dormir, galgar posições sociais e tudo o mais, mas viver de uma maneira que inclua o próximo, seja ele de que cor, posição, raça ou filosofia for.

Foi acreditando nesses ensinamentos que os Apóstolos partiram em busca de adeptos para essa filosofia cristã, mesmo que custasse suas vidas, como aconteceu com a maioria. Foi em Antioquia que o nome Cristão foi utilizado pela primeira vez, como aqueles que seguiam a Cristo, e embora se questione uma série de coisas dentro do Cristianismo, o fato concreto é que ele atravessou vinte séculos e está vivo nos dias atuais em todo o mundo.

O que as pesquisas nos permitem questionar, é que o Cristianismo vivido hoje, não tem nada a ver com o Cristianismo primitivo.

Esta mesma conclusão levou Gandhi a afirmar ao ler os Evangelhos: “Como pode uma árvore com esta dar os frutos que conhecemos?”

Kalil Gibran Kalil viu metafisicamente numa colina do Líbano Jesus de Nazaré conversando com o Jesus dos Cristãos, e retirar-se murmurando: “Não podemos nos entender”.

São conjecturas que nos remete ao Cristianismo dos primeiros tempos, às primeiras comunidades cristãs descritas em Atos, capítulo 2, versículos 42 a 47, que diz:

Eles mostravam-se assíduos ao ensinamento dos Apóstolos, à comunhão fraterna, à fração do pão e às orações. Apossava-se de todos o temor, pois numerosos eram os prodígios e sinais que se realizavam por meio dos apóstolos. Todos os que tinham abraçado a fé reuniam-se e punham tudo em comum: vendiam suas propriedades e bens, e dividiam-nos entre todos, segundo as necessidades de cada um. Dia após dia, unânimes, mostravam-se assíduos no Templo e partiam o pão pelas casas, tomando o alimento com alegria e simplicidade de coração. Louvavam a Deus e gozavam da simpatia de todo o povo. E o Senhor acrescentava cada dia ao seu número os que seriam salvos. (ATOS, 2, 42-47).

Ao provável leitor deste trabalho, deixo os questionamentos que também me faço:

1. Se Cristianismo vem de Cristo, porque tantos ensinam tantas coisas diferentes em nome Dele?
2.
Se Cristo veio para que todos tivessem vida e vida em abundância, por que tantos mataram e morreram em nome Dele?
3.
Se Cristo ensinou que o importante é o interior do homem, por que tantos se destroem e destroem seu próximo para acumular o que não levarão a lugar nenhum?
4.
Se Cristo é um só, e veio para salvar a todos, por que se disputam fiéis nas Igrejas ditas cristãs, cada um enaltecendo a sua e desmerecendo a do outro?
5.
Se Cristo voltasse hoje à Terra, o que diria aos que falam em nome Dele?
6.
E nós que acreditamos que os Judeus mataram o seu Messias, como agiríamos se Cristo aparecesse e dissesse para nós que veio nos salvar?

O homem tem o poder de criar mitos e o poder de destruí-los. Este trabalho se encerra, abrindo caminho para pesquisas mais profundas a respeito do Cristianismo; de seu surgimento, de sua expansão, de sua evolução, enfim de sua história através dos séculos.

Deixo para reflexão a afirmação de José Carlos Reis, num discurso teleológico da conquista romana do mundo:

O cristianismo, inicialmente combatido, foi depois reconhecido e incorporado como religião oficial, pois apoiaria com o sentimento religioso e o discurso teológico a conquista romana do mundo. Havia uma aparente tensão entre os projetos de história universal dos romanos e dos cristãos. Os romanos queriam subjugar politicamente os povos não-romanos e só encara-los como “humanos” depois de despojá-los de sua diferença; os cristãos, por serem originariamente “religiosos orientais”, tinham uma idéia mais radical de “humanidade”: para eles, a ela também pertenceriam os pagãos, que mereciam conhecer a Verdade. Essa tensão se dissolveu no curso da conquista do mundo pelos romanos, que se apresentavam como cristãos e portadores da Verdade, tendo portanto, o direito divino de subjugar e catequizar os “pagãos”, que, coincidentemente, eram todos os povos não-romanos. A Igreja Romana e o Império Romano formaram o verso e o anverso de uma mesma (e primeira) idéia de “história universal”, como vontade de potência universal legitimada por um discurso de salvação da humanidade. (REIS, 2003, p. 19)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALBUQUERQUE, Eduardo Basto de, Manual de introdução à História das Religiões. Laboratório de História das Religiões do Departamento de Historia da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP, Assis/SP, 2005.
BURROWS, Millar. Os documentos do Mar Morto, comentários e textos. Tradução: Irondino Teixeira de Aguilar. Porto, 1956.
CHALLAYE, Félicien. As Grandes Religiões. Tradução de Alcântara Silveira. São Paulo: IBRASA, 1981.
CULLMAN, Oscar. Conceito cristão de História. IN: Antologia Teológica. Org: Júlio Andrade Ferreira. Novo Século. São Paulo, 2003.
DUFFY, Eamon. Santos & Pecadores – História dos Papas. Tradução: Luiz Antonio Araújo. Cosac & Naify Edições Ltda. São Paulo, 1998.
FRANZEN, August. Breve História da Igreja. Tradução: Manuela Ribeiro Sanches. Org. Remigius Bäumer. Editorial Presença.
História das Religiões – Cristianismo. Companhia dos Livros Editora, 2004.
HOORNAERT, Eduardo. O movimento de Jesus. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.
KOESTER, Helmut. Introdução ao Novo Testamento, volume 2: história e literatura do Cristianismo primitivo. Tradução: Euclides Luiz Calloni. Editora Paulus: São Paulo, 2005.
MCDOWELL, Josh. Cristianismo: fraude ou fato Histórico. Tradução Neyd Siqueira. São Paulo: Editora Candeia, 1999.
MEEKS, Wayne A. Os primeiros cristãos urbanos: o mundo social do apóstolo Paulo. Tradução: I.F.L. Ferreira. Edições Paulinas, São Paulo, 1992
MORIN, Émile. Jesus e as Estruturas de seu tempo. Tradução: Vicente Ferreira de Souza. São Paulo: Paulus, 1988.
PAULI, Evaldo. Fundação do Cristianismo. Enciclopédia Simpózio, 1997.
THEISSEN, Gerd. Sociologia do Movimento de Jesus. Editora Sinodal. São Leopoldo-RS, 1989.

Fonte: api.ning.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+