Breaking News
Home / História Geral / Cristianismo

Cristianismo

PUBLICIDADE

Cristianismo – Definição

cristianismo é um movimento sectário judaico monoteísta, deontológico, popular, que se concentra na vida, nos ensinamentos e na missão de Jesus de Nazaré (também conhecido como Jesus o Cristo).

Tudo começou em Jerusalém, na Judéia, no primeiro século EC, e se moveu para o norte e para o oeste na região do Mediterrâneo por meio dos esforços e atividades dos discípulos e apóstolos escolhidos pessoalmente por Jesus – Pedro, Paulo, Tiago e João (entre outros).

Outrora uma pequena seita judaica messiânica, no século 4 dC, o cristianismo dominou todas as outras religiões da sociedade greco-romana e se espalhou por todo o Império Romano, até mesmo ao norte até a antiga Grã-Bretanha e possivelmente ao leste até a Índia. Ao contrário de outros movimentos gnósticos da época, a mensagem cristã deveria ser aberta e honestamente compartilhada com qualquer um que a ouvisse – independentemente de raça, sexo, condição econômica ou social. A narrativa do cristianismo é complexa, assim como as primeiras doutrinas cristãs, que são mais bem compreendidas nos contextos culturais e históricos do movimento cristão e por meio das decisões e ações fundamentais de seus adeptos.

Cristianismo – O que é

cristianismo é a maior religião do mundo, com cerca de 2,1 bilhão de seguidores em todo o mundo.

Ele é baseado nos ensinamentos de Jesus Cristo, que viveu na Terra Santa há 2.000 anos.

Cristianismo, a maior religião do mundo, centrada em Deus e Jesus Cristo.

A palavra “Cristo” significa ungido. Cristo não é o sobrenome de Jesus. Jesus é o ungido de Deus Pai, que veio a este mundo, cumpriu as leis e profecias do Antigo Testamento, morreu na cruz e ressuscitou dos mortos fisicamente. Ele realizou muitos milagres que foram registradas nos Evangelhos por testemunhas oculares. Ele é divino em natureza, bem como humano. Assim, Ele tem duas naturezas e é digno de adoração e oração.

O cristianismo ensina que há apenas um Deus em toda a existência, que Deus criou o universo, a Terra, e criou Adão e Eva. Deus criou o homem à Sua imagem. Isso não quer dizer que Deus tem um corpo de carne e ossos. Imagem significa a semelhança do caráter de Deus, a racionalidade, etc. porque somos feitos à imagem de Deus, toda pessoa é digna de respeito e honra.

Além disso, isto significa que nós não evoluímos através de processos aleatórios de um organismo unicelular, em seres emocionais racionais.

cristianismo ensina que Deus é uma Trindade (Pai, Filho e Espírito Santo – não três Deuses), que Jesus Cristo é a segunda pessoa da Trindade, que Jesus morreu na cruz e ressuscitou dos mortos fisicamente, e que todas as pessoas estão sob o justo juízo de Deus porque todas as pessoas pecaram contra Deus.

Ela ensina que Jesus é a única maneira de ser salvo da vinda do julgamento de Deus e que a salvação é recebida pela fé na obra de Cristo na cruz e não por qualquer coisa que podemos fazer para agradar a Deus.

Cristianismo em um relance

Cristianismo
Fachada de pedra gótica da Abadia de Westminster, um lugar de culto cristão

Os cristãos acreditam que Jesus era o Messias prometido no Antigo Testamento.

Os cristãos acreditam que Jesus Cristo é o Filho de Deus.

Os cristãos acreditam que Deus enviou o seu Filho ao mundo para salvar a humanidade das conseqüências de seus pecados.

Um dos conceitos mais importantes do cristianismo é o de Jesus dando a sua vida na cruz (a crucificação ) e ressuscitar dos mortos no terceiro dia (da Ressurreição).

Os cristãos acreditam que há apenas um Deus, mas que há três elementos a este único Deus:

Deus Pai
Deus o Filho
O Espírito Santo

Culto cristãos nas igrejas.

Seus líderes espirituais são chamados sacerdotes ou ministros.

O livro sagrado cristão é a Bíblia , e consiste dos Antigo e Novo Testamentos.

Christian dias santos , como Páscoa e Natal são marcos importantes no calendário ocidental secular.

Os fundamentos da fé cristã

Deus, Jesus e os santos

Cristianismo
A Bíblia é a base da fé cristã

Deus: Os cristãos acreditam que há apenas um Deus, a quem eles chamam de Pai, como Jesus Cristo ensinou-los.

Jesus

Cristãos reconhecem Jesus como o Filho de Deus, que foi enviado para salvar a humanidade da morte e do pecado.

Jesus Cristo ensinou que ele era o Filho de Deus. Seus ensinamentos podem ser resumidos, de forma breve como o amor de Deus e o amor ao próximo.

Jesus disse que veio para cumprir a lei de Deus, em vez de ensiná-lo.

Justificação pela fé: Os cristãos acreditam na justificação pela fé – que através de sua crença em Jesus como o Filho de Deus, e em sua morte e ressurreição, eles podem ter um relacionamento correto com Deus cujo perdão foi feito uma vez por todas através da morte de Jesus Cristo.

Vida após a morte

Os cristãos acreditam que há vida após a morte terrena.

Enquanto a natureza real desta vida não é conhecida, os cristãos acreditam que muitas experiências espirituais nesta vida, contribuem para dar-lhes uma idéia do que a vida eterna será como.

Os santos

Estes dias, a palavra santo é mais comumente usado para se referir a um cristão que viveu uma vida particularmente bom e santo na terra, e com quem os milagres são alegou ter sido associada após a sua morte.

O título formal de Saint é conferida pela Igreja Católica Romana e Ortodoxa Igrejas através de um processo chamado de canonização.

Os membros destas Igrejas também acreditam que os santos criados desta forma poderá interceder junto a Deus em nome de pessoas que estão vivas hoje.

Isso não é aceito pela maioria dos protestantes.

Na Bíblia, no entanto, a palavra santo é usado como uma descrição de quem é um crente comprometido, principalmente por São Paulo no Novo Testamento (por exemplo, Efésios 1.1. e 1.15).

Oração e ritual

Oração

Cristianismo
Velas acesas na igreja durante a oração cristã

A oração é o meio pelo qual os cristãos se comunicar com seu Deus.

Os registros do Novo Testamento que Jesus ensinou seus discípulos a orar e que ele encorajou-os a dirigir a Deus como pai. Os cristãos acreditam que eles continuam esta tradição.

Às vezes, as orações são formais e parte de um ritual estabelecido por centenas de anos.

Outros são pessoal e espontânea, e vem de uma necessidade pessoal ou de grupo.

Enquanto a oração é muitas vezes dirigida a Deus como Pai, como ensinado por Jesus, algumas tradições incentivar a oração a Deus através de intermediários, como santos e mártires.

Orações através de Maria, como a mãe de Deus, são fundamentais para algumas igrejas e formam uma parte tradicional de sua adoração.

A Igreja

A igreja cristã é fundamental para os crentes. Embora tenha muitas falhas, é reconhecido como o corpo de Deus na Terra.

A igreja é o lugar onde a fé cristã é cultivada e onde o Espírito Santo se manifesta na Terra.

É onde os cristãos são recebidos na fé e onde eles são reunidos em um corpo através da Eucaristia.

Batismo: A igreja cristã acredita em um batismo na igreja cristã, quer seja como uma criança ou como um adulto, como um sinal externo de um compromisso interior com os ensinamentos de Jesus.

Eucaristia

Eucaristia é uma palavra grega para ação de graças. Sua festa é para comemorar a última refeição que Jesus teve com seus discípulos antes de sua morte (a Última Ceia).

Este rito vem das ações de Jesus que, naquela refeição, tomou o pão e vinho e perguntou a seus discípulos para consumi-los e continuar a fazê-lo em memória dele.

Cristianismo
Mão cristã sacerdote segurando finas, wafers brancos Comunhão

Na refeição, o vinho representava o seu sangue e o pão o seu corpo.

A Eucaristia (também conhecido como uma refeição Comunhão em algumas igrejas) é fundamental para a Igreja e é reconhecido como um sinal de unidade entre os cristãos.

Igrejas diferentes entender e praticar a Eucaristia de diferentes maneiras. Como resultado, as ideias centrais da Eucaristia pode causar desarmonia vez que a unidade.

Por exemplo, a idéia de que Cristo está presente no pão e no vinho é interpretado literalmente por algumas igrejas e metaforicamente por outros.

Isto deu origem a uma divergência substancial e muitas vezes inconciliáveis.

A Trindade

Os cristãos acreditam na Trindade – que é, em Deus como Espírito, Pai, Filho e Espírito Santo.

Alguns confundem isso e acho que os cristãos creem em três deuses separados, o que eles não fazem.

Os cristãos acreditam que Deus tomou a forma humana, como Jesus Cristo e que Deus está presente hoje, através do trabalho do Espírito Santo e evidente nas ações dos crentes.

Crenças cristãs sobre Deus

Há um só Deus
Deus é uma Trindade do Pai, Filho e Espírito Santo
Deus é perfeito
Deus é onipotente
Deus está em toda parte
Deus sabe de tudo
Deus criou o universo
Deus mantém o universo vai
Deus intervém no universo
Deus ama a todos incondicionalmente (embora as pessoas têm de cumprir várias condições, a fim de alcançar a salvação)
Os seres humanos podem conhecer a Deus através da oração, adoração, amor e experiências místicas
Os seres humanos podem conhecer a Deus pela graça de Deus – que é através do seu amor e seu poder

Deus o Filho

Deus viveu na terra como Jesus
Jesus era Deus completa e totalmente humana
Jesus nasceu de uma mulher humana, Maria, mas concebido do Espírito Santo
Porque Jesus era totalmente humano que ele foi objeto de dor, sofrimento e tristeza como outros seres humanos
Jesus foi executado por crucificação, mas ressuscitou dos mortos na ressurreição
Vida de Jesus é um exemplo perfeito de como Deus quer que as pessoas vivam
Jesus morreu na cruz
 para que aqueles que acreditam nele serão perdoados todos os seus pecados

Deus o Espírito Santo

Depois da Ressurreição, Jesus permaneceu na terra por apenas alguns dias antes de subir ao Céu
Jesus prometeu que ele iria ficar com seus seguidores, então depois que ele foi para o céu, enviou o seu Espírito para guiá-los
O Espírito Santo continua a guiar, conforto e encorajar os cristãos

Mas exatamente como isso poderia funcionar?

Cristianismo
Atores representando soldado romano pregando Jesus na cruz

Expiação e reconciliação

Os acontecimentos que levaram à prisão e crucificação de Jesus são bem contada pelos escritores dos evangelhos, como são histórias da Ressurreição.

Mas por que Jesus morreu?

Os cristãos acreditam que a morte de Jesus era parte de um plano divino para salvar a humanidade.

No final, as autoridades romanas e do conselho judeu queria Jesus morto. Ele era um político e social encrenqueiro.

Mas o que fez a morte de Jesus mais significativo do que as crucificações inúmeras outras realizadas pelos romanos e testemunhou fora dos muros da cidade pelos habitantes de Jerusalém?

Os cristãos acreditam que Jesus era muito mais do que um político radical. Para eles, a morte de Jesus era parte de um plano divino para salvar a humanidade.

A morte e ressurreição de este homem está no centro da fé cristã. Para os cristãos, é através da morte de Jesus de que a relação das pessoas quebrado com Deus é restaurada. Isto é conhecido como a Expiação.

Qual é a expiação?

A palavra expiação é usado na teologia cristã para descrever o que é conseguido através da morte de Jesus. William Tyndale introduziu a palavra em 1526, quando ele estava trabalhando em sua tradução popular da Bíblia, para traduzir a palavra Reconciliatio Latina.

Na Versão Internacional da palavra reconciliação substitui a palavra expiação. Expiação (at-one-ment) é a reconciliação dos homens e mulheres para Deus através da morte de Jesus.

Mas por que a reconciliação é necessária?

Teologia cristã sugere que, embora a criação de Deus foi perfeito, o diabo tentou o primeiro homem, Adão, e pecado foi trazido para o mundo.

Todo mundo carrega esse pecado original com eles que os separa de Deus, assim como Adão e Eva foram separados de Deus, quando foram expulsos do Jardim do Éden.

Portanto, é uma idéia básica em teologia cristã que Deus e os homens precisam ser conciliadas. No entanto, o que é mais debatido é como a morte de Jesus alcançou esta reconciliação.

Não há doutrina única da expiação no Novo Testamento. Na verdade, talvez o mais surpreendente, não há uma definição oficial da Igreja também.

Mas, primeiro, o que o Novo Testamento tem a dizer?

Novas imagens Testamento

O Novo Testamento usa uma variedade de imagens para descrever como Deus alcançado reconciliação para o mundo através da morte de Jesus. O mais comum é a imagem do sacrifício.

Por exemplo, João Batista descreve Jesus como “o cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo”. (João 1:29).

Aqui estão algumas imagens utilizadas para descrever a expiação:

Um juiz e prisioneiro em um tribunal
Um pagamento de resgate para a liberdade de um escravo
Um rei estabelecer seu poder
Uma vitória militar

E aqui estão alguns exemplos de como o Novo Testamento explica a morte de Jesus:

“Porque o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate por muitos”. Palavras atribuídas a Jesus em Marcos 10:45
“Beba todos vocês a partir deste”, disse ele. “Porque este é o meu sangue, o sangue da aliança, que será derramado por muitos para remissão dos pecados.” Palavras atribuídas a Jesus em Mateus 26:28
Pois bem, em primeiro lugar, eu te ensinou o que eu tinha sido ensinado a mim mesmo, ou seja, que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras … Escrito por Paulo em 1 Coríntios 15:3

Como as posteriores escritores e teólogos interpretaram os relatos bíblicos e teologias?

De formas variadas, e por vezes conflitantes.

Teorias da Expiação

Teólogos agrupados teorias da expiação em diferentes tipos.

Por exemplo, no Christus Victor (1931) Gustaf Aulen sugeriu três tipos: clássicas, latim e subjetiva.

Mais recentemente, em seu livro Teologia Cristã: uma introdução Alister McGrath grupos E. sua discussão em quatro temas centrais, mas sublinha que estes temas não são mutuamente exclusivos.

Seus temas são quatro:

A cruz como sacrifício
A cruz como uma vitória
A cruz eo perdão
A cruz como um exemplo moral

A cruz como sacrifício

Cristianismo
Estátua de Jesus sofrendo na cruz

A imagem da morte de Jesus como sacrifício é o mais popular no Novo Testamento. O Novo Testamento usa a imagem do Antigo Testamento do Servo Sofredor (Isaías 53:5) e aplica-o a Cristo.

O tema da morte de Jesus como um sacrifício é mais puxado na Carta aos Hebreus. O sacrifício de Cristo é visto como o sacrifício perfeito.

No sacrifício tradição bíblica era uma prática comum ou ritual. Ao fazer uma oferta a Deus ou um espírito, a pessoa que faz o sacrifício espera fazer ou consertar um relacionamento com Deus.

Santo Agostinho também escreveu sobre o tema do sacrifício:

Com a sua morte, o que é de fato o único sacrifício e mais verdadeiro oferecido para nós, ele purgado, abolida e extinta qualquer culpa não foi por que os principados e potestades detida legalmente nos a pagar a multa. Agostinho – A Cidade de Deus
Ele ofereceu um sacrifício pelos nossos pecados. E onde ele encontrou que a oferta, a vítima pura que ele iria oferecer? Ele se ofereceu, em que ele poderia encontrar nenhum outro. Agostinho – A Cidade de Deus

A cruz como uma vitória

Cristianismo
Jesus na cruz contra um céu vermelho

O Novo Testamento freqüentemente descreve a morte de Jesus e sua ressurreição como uma vitória sobre o mal eo pecado como reprsented pelo Diabo.

Como foi a vitória alcançada?

Para muitos escritores a vitória foi alcançada por Jesus ter sido usado como um resgate ou uma “isca”. Em Marcos 10:45 Jesus descreve a si mesmo como “um resgate por muitos”. Esta palavra “resgate” foi debatido por escritores posteriores. O escritor grego Orígenes sugeriu a morte de Jesus foi um resgate pago ao diabo.

Gregório Magno usou a ideia de um anzol para explicar como o Diabo foi levado a desistir de seu poder sobre a humanidade pecadora:

A isca tenta, de modo que o gancho pode ferir. Nosso Senhor, portanto, ao vir para a redenção da humanidade, fez uma espécie de gancho de si mesmo para a morte do diabo. Gregório, o Grande

Embora a abordagem vitória tornou-se menos popular no século XVIII, entre os pensadores iluministas – quando a idéia de um Diabo pessoal e as forças do mal foi posta em causa – a idéia foi popularizada novamente por Gustaf Aulen com a publicação em 1931 do Christus Victor.

Aulen escreveu sobre a idéia Christus Victor:

Seu tema central é a ideia da Expiação como um conflito Divino e vitória; Cristo – Christus Victor – lutas contra e triunfos sobre os poderes malignos do mundo, o ‘tiranos’ em que a humanidade está em Deus escravidão e sofrimento, e nele reconcilia o mundo consigo mesmo. Gustaf Aulen

A cruz e o perdão

Anselmo de Cantuária escrita no século XI, rejeitou a idéia de que Deus enganou o diabo através da cruz de Cristo. Em vez disso, ele apresentou uma visão alternativa, que é muitas vezes chamado de teoria da satisfação da expiação.

Nesta teoria Jesus paga a penalidade do pecado de cada indivíduo, a fim de direito, a relação entre Deus ea humanidade, um relacionamento danificado pelo pecado.

A morte de Jesus é a pena ou “satisfação” para o pecado.

A satisfação foi uma ideia usada na igreja primitiva para descrever as ações públicas – caridade peregrinação, – que um cristão se comprometem a mostrar que ele era grato por perdão.

Só Jesus pode fazer satisfação, porque ele é, sem pecado. Ele é sem pecado, porque na Encarnação de Deus tornou-se homem. A teoria é pensado por Anselmo em sua obra Cur Deus homo ou Por que Deus se fez homem.

A cruz como um exemplo moral

Cristianismo
Ícone religioso de Jesus

Teorias da influência moral ou teorias exemplares compreendem uma quarta categoria usada para explicar a expiação. Eles enfatizam o amor de Deus manifestado através da vida e morte de Jesus.

Cristo aceitou uma morte difícil e imerecido. Esta demonstração de amor por sua vez, move-nos a arrepender-se e voltar-nos une a Deus. Pedro Abelardo (1079-1142) está associado a esta teoria.

Ele escreveu:

O Filho de Deus assumiu a nossa natureza, e em que tomou sobre si para nos ensinar tanto pela palavra e pelo exemplo, mesmo ao ponto de morte, portanto, ligar-nos a si mesmo através do amor. Pedro Abelardo

Teoria de Abelardo e da chamada para o indivíduo responda a morte de Cristo com amor continua a ter um apelo popular hoje.

Nossa … redenção através do sofrimento de Cristo é que amor mais profundo dentro de nós, que não só nos liberta da escravidão do pecado, mas também garante para nós a verdadeira liberdade dos filhos de Deus, para que possamos fazer todas as coisas do amor ao invés de por medo – amor por ele que nos tem mostrado tanta graça que há maior pode ser encontrado. Pedro Abelardo

Substituição penal

Cristianismo
Uma linha de três cruzes escuras ao nascer do sol

Jesus levou o castigo pelos pecados da humanidade, quando ele morreu na cruz?

Essa idéia é chamada de substituição penal e é resumida pelo reverendo Rod Thomas, a partir da Reforma grupo evangélico, como “Quando Deus castigou ele mostrou a sua justiça, punindo o pecado, mas ele mostrou o seu amor, tomando-se que a punição”.

Cristianismo – História

Esta “polêmica” história começa mais ou menos na época em que viveu Jesus Cristo ou Jesus de Nazaré, um judeu da Galiléia, nascido quando Roma domina parte do atual Oriente Médio e Augusto César é o imperador…

Foi primeiramente na Antióquia (Sírias) que os discípulos “por providência divina, foram chamados de Cristãos” (Atos 11:26).

O termo grego latinizado “Khristianós”, encontrado apenas 3 vezes nas Escrituras Sagradas Gregas Cristãs, designa os seguidores de Jesus, o Cristo, os exponentes do Cristianismo (Atos 11:26; 26:28; Pedro 4:16).

É possível, então, que este nome, Cristianismo, já tenha sido usado desde 44 EC., quando ocorreram os eventos que cercam este texto, embora a estrutura gramatical desta frase não torne isso obrigatório; alguns acham que foi um pouco mais tarde…

De qualquer modo, em 58 E.C. na cidade de Cesareia, quase 483 quilômetros ao sul de Antióquia, o termo era bem conhecido e usado, até mesmo por autoridades públicas, pois naquela ocasião o Rei Agripa II disse a Paulo: “Em pouco tempo me persuadirias a tornar-me Cristão” (Atos 26:28).

É muitíssimo improvável que os judeus tenham sido os primeiros a chamar os seguidores de Jesus de “cristãos” (grego), ou de “messianistas” (hebraico), pois não iriam rejeitar a Jesus como sendo o Messias, ou Cristo, e então reconhecê-lo tacitamente como o Ungido ou Cristo, por chamar seus seguidores de “cristãos”.

Alguns pensam que a população pagã talvez os tivesse apelidado de cristãos por zombaria ou escarnio, mas a Bíblia mostra que este foi um nome dado por Deus; eles “por providência divina, foram chamados cristãos” (Atos 11:26).

Ser Cristão é:

Jesus estendeu o convite para as pessoas serem seus seguidores, dizendo: “Se alguém quer vir após mim negue-se a si próprio e apanhe a sua estaca de tortura, e siga-me continuamente” (Mateus 16:24).
Aqueles que são verdadeiros cristãos têm plena fé de que Jesus Cristo é o especialmente Ungido e Filho unigênito de Deus, o Descendente Prometido que sacrificou sua vida humana como resgate, foi ressuscitado e exaltado à direita de Jeová, e é aquele que recebeu autoridade para subjugar inimigos e vindicar o nome de Jeová, Deus (Mateus 20:28; Lucas 24:46; João 3:16; Aos Gálatas 3:16; Aos Filipenses 2:9-11; Aos Hebreus 10:12).
? Os Cristãos encaram a Bíblia como sendo a inspirada Palavra de Deus, a verdade absoluta, sendo proveitosa para ensinar e para disciplinar a humanidade (João 17:17; “ª. a Timóteo 3:16; 2ª. a Pedro 1:21).

Aos verdadeiros Cristãos exige-se mais que a simples fé, é mister que sua crença seja demonstrada por obras (Aos Romanos 10:10; Tiago 2:17; 2ª. a Timóteo 2:17, 26).

Os Cristãos distinguem-se pelo amor que tem entre eles e emitam os exemplos de Jesus como o Grande Instrutor e Testemunha Fiel de Jeová (João 18:37; Revelação 1:5; 3:14).

Jesus não era filho de Maria e de José. Jesus é filho unigênito de Deus. Jeová utilizou Maria como “barriga de aluguel”, digamos assim, para transferir o Arcanjo Miguel para o útero de uma virgem (Daniel 10:13; 12:1; Judas 9: 1ª. Tessalonicenses 4:16).

O livro sagrado do cristianismo é a Bíblia Sagrada ou Escrituras Sagradas que contêm os Evangelhos que nos trazem a mensagem que Jesus nos deu.

Segundo o Catolicismo, acredita no Deus Pai, Deus Filho (Jesus Cristo) e no Espírito Santo como 3 em um só Deus.

Mas se os Apóstolos de Jesus fossem às casas dizer que o Deus era trino, como os indianos acreditam, os gauleses e muitos cultos pagãos creem em deuses trinos, seriam corridos à pedrada…

Pois eles conheciam as Escrituras Sagradas.

A doutrina fundamental das religiões católica, adventista, anglicana e ortodoxa foi elaborada segundo o Credo de Atanásio. Santo Atanásio foi o idealizador dessa doutrina.

No Judaísmo e no Cristianismo Primitivo, entretanto, não se fala em Trindade e nem em Espírito Santo. Mas os teólogos católicos, a exemplo dos pagãos, queriam também a sua trindade, a qual, porém, deveria ser diferente da das outras religiões, mas tornou-se numa cópia dos deuses trinos indianos e gauleses.

E, assim, instituíram a Santíssima Trindade, uma doutrina meio politeísta, pois tem três deuses antropomórficos (já que seriam pessoas), quando Deus é um só, e transcende as pessoas.

E o pior é que os teólogos impuseram-nos essa doutrina meio estranha, dizendo que ela é assim, porque é mistério de Deus, quando é mistério deles mesmos!

Quantos ateus têm surgido no Ocidente por causa de idéias teológicas excêntricas…

E tudo começou com os polêmicos Concílios de Nicéia (325 E.C) e Constantinopla (38l E.C.). São Jerônimo adaptou a Bíblia a essas decisões, ao trabalhar a Vulgata. O Credo das missas foi também alterado.

E Santo Atanásio foi o idealizador dessa doutrina.

Mas Ario, apoiado por mais de 300 bispos, contestou-a, veementemente. Já o Concílio de Lion (l274 E.C.) reafirmou-a, com a instituição de mais um dogma, o “Filioque”, que sustenta ser o Espírito Santo derivado não só do Pai, mas também do Filho, princípio esse para consolidar o da divinização de Jesus.

Porém o “Filioque” é rejeitado até hoje pela Igreja Ortodoxa Oriental. Santo Agostinho e Santo Tomás de Aquino divergem também sobre a Santíssima Trindade.

E os catequistas estão tendo dificuldades para convencerem as crianças de hoje a aceitarem esse dogma…

Jesus significa na forma hebraica “Jeová É Salvação” e Cristo é o equivalente do hebraico “Ma-shi-ahh” (Messias), que significa “Ungido” e não é deus, pois Ele mesmo diz: “Eu sou a Verdade, o Caminho e a Vida e só vai ao Pai quem vier por mim”…

Mas podemos dividir o Cristianismo em grandes denominações religiosas:

Catolicismo
Ortodoxa
Anglicana ou Episcopal
Protestantismo ou Evangélicos

? O catolicismo tem como chefe supremo secular o Papa.

? O protestantismo (nome que se deve a Martinho Lutero, reformador religioso do século XVI), não tem chefe geral. As grandes igrejas são dirigidas por pastores, bispos, presbíteros, de um modo geral. Há exceções…

A ordotoxa, muito parecida com o catolicismo, tem como chefe maior o Patriarca.

Segundo a tradição, aos 30 anos Jesus reúne discípulos e apóstolos e começa anunciar a boa nova (o evangelho, em grego): a realização das profecias sobre o Messias (Cristo, em grego) e a instauração do reinado de Deus sobre o mundo a partir de Israel.

Considerado blasfemo, é submetido a um processo religioso e acusado de conspirar contra César. É crucificado quando Tibério é o imperador de Roma e Pôncio Pilatos o procurador da Judeia.

Cinqüenta dias após sua morte, durante a festa de Pentecostes, os discípulos anunciam que ele ressuscitara e os enviara a pregar por todo o mundo a boa nova da salvação e do perdão dos pecados.

Esse é considerado o início da difusão do Cristianismo…

Doutrina cristã

A fé cristã professa que o Deus revelado a Abraão, a Moisés e aos profetas envia à Terra seu filho como messias salvador. Ele nasce numa família comum, morre, ressuscita e envia o espírito santificador (Espírito Santo) para permanecer no mundo até o fim dos tempos.

A mensagem cristã se baseia no anúncio da ressurreição de Cristo, na garantia de que a salvação é oferecida a todos os homens de todos os tempos e na mensagem da fraternidade, à semelhança do amor que o próprio Deus dedica a todos os homens.

Bíblia cristã

A Bíblia é composta pelo Antigo Testamento e pelo Novo Testamento. Este é formado pelos quatro Evangelhos com relatos sobre a vida, mensagem e milagres de Jesus, escritos entre 70 e 100 d.C. e atribuídos aos discípulos Mateus, Marcos, Lucas e João; o livro dos Atos dos Apóstolos (enviados, em grego); as cartas atribuídas a Paulo e a outros discípulos; e o Apocalipse, que contém visões proféticas sobre o fim dos tempos, o julgamento final e a volta de Jesus.

Igreja cristã

Desde o início o cristianismo organiza-se como igreja (do grego ekklesía, reunião), sob a autoridade dos apóstolos e dos seus sucessores. Estes nomeiam anciãos (presbíteros, em grego) para dirigir as novas comunidades.

Muito cedo surgem os grupos de servidores (diáconos, em grego) para a assistência aos pobres das comunidades.

Aos poucos se estrutura uma hierarquia: os responsáveis pelas comunidades são os bispos (do grego, episcopos, supervisor) auxiliados pelos presbíteros e diáconos.

Expansão do cristianismo

Os discípulos espalham-se pelas regiões do Mediterrâneo, inclusive Roma, e fundam várias comunidades. Nos três primeiros séculos, os cristãos sofrem grandes perseguições, primeiro das autoridades religiosas do judaísmo e, a partir do século I d.C., dos romanos.

Durante o reinado dos imperadores Nero, Trajano, Marco Aurélio, Décio e Diocleciano, milhares de cristãos são mortos por se recusarem a adorar os deuses do Império e a reconhecer a divindade do imperador.

Em 313 o imperador Constantino converte-se ao cristianismo, que expande-se por todo o Império.

Até o século XI, duas grandes tradições convivem no interior do cristianismo: a latina, no Império Romano do Ocidente, com sede em Roma, e a bizantina, no Império Romano do Oriente, com sede em Constantinopla (antiga Bizâncio e atual Istambul).

Em 1054, controvérsias teológicas, entre elas a da doutrina da Santíssima Trindade, provocam a ruptura entre as igrejas do Oriente e do Ocidente, que se excomungam mutuamente…

O ato só é anulado em 1965, em encontro entre o patriarca oriental Atenágoras I e o papa Paulo VI.

DIVISÃO DO CRISTIANISMO

No século XVI surge entre os católicos um movimento que reivindica a reaproximação da Igreja do espírito do Cristianismo Primitivo.

A resistência da hierarquia da Igreja leva os reformadores a constituírem confissões independentes.

Os principais reformadores são Martinho Lutero e João Calvino, no século XVI. A Reforma difunde-se rapidamente na Alemanha, Suíça, França, Holanda, Escócia e Escandinávia.

No século XVI surge a Igreja Anglicana e, a partir do século XVII, as igrejas Batista, Metodista e Adventista. As igrejas nascidas da Reforma reúnem cerca de 450 milhões de fiéis em todo o mundo.

Reforma na Inglaterra

Começa em 1534 com o rompimento do rei da Inglaterra, Henrique VIII, com a Igreja Católica. O rei passa a ser o chefe supremo da Igreja Anglicana ou Episcopal e o seu líder espiritual é o arcebispo de Canterbury.

Da Inglaterra, difunde-se para as colônias, especialmente na América do Norte.

As igrejas Católica e Anglicana são semelhantes quanto à profissão de fé, a liturgia e os sacramentos, mas a igreja episcopal não reconhece a autoridade do papa e admite mulheres como sacerdotes.

A primeira mulher a exercer o ministério episcopal é a reverenda Barbara Harris, da diocese de Massachusetts (EUA), consagrada em 1989.

Doutrinas dos reformadores

Os pontos centrais da doutrina de Lutero são a justificação de Deus só pela fé e o acesso ao sacerdócio para todos os fiéis. Calvino acrescenta a doutrina da predestinação dos fiéis.

As diferenças doutrinais entre os dois dão origem a duas grandes correntes: os luteranos e os calvinistas.

A Reforma abole a hierarquia e institui os pastores como ministros das igrejas. As mulheres têm acesso ao ministério e os pastores podem se casar.

A liturgia é simplificada e os sacramentos praticados são o batismo e a ceia.

LUTERANA

Martinho Lutero (1483-1546) nasceu em Eisleben (no atual Estado Saxônia-Anhalt), Alemanha, em uma família camponesa e morreu no mesmo lugar com 63 anos.

Em 1501 ingressa na Universidade de Erfurt (no atual Estado Livre da Turíngia), onde estuda artes, lógica, retórica, física e filosofia e especializa-se em matemática, metafísica e ética.

Entra para o mosteiro dos eremitas agostinianos de Erfurt em 1505, torna-se sacerdote e teólogo. Denuncia as deformações da vida eclesiástica em 1517.

Acusado de herege, é excomungado pelo papa Leão X e banido por Carlos V, imperador da Alemanha, em 1521.

Escondido no castelo de Wartburg e apoiado por setores da nobreza, traduz para o alemão o Novo Testamento. Abandona o hábito de monge e casa-se com a ex-freira Catarina von Bora, em 1525.

Reformador religioso, viveu e fez suas pregações em 33 cidades, entre elas Wittenberg onde ensinou por 36 anos; Leipzig, onde a famosa disputa teve lugar; Erfurt, onde lutero estudou e ensinou, enquanto era monge; Worms, onde foi convocado perante a Dieta Imperial e declarado apóstata; Coburgo, onde viveu em sua fortaleza; Augsburg, onde foi publicada a profissão de fé luterana; e Nuremberg, a primeira cidade imperial a aceitar a Reforma.

João Calvino (1509-1564) nasce em Noyon, França, filho de um secretário do bispado da cidade. Em 1523 ingressa na Universidade de Paris, estuda latim, filosofia e dialética.

Forma-se em direito e, em 1532, publica Dois livros sobre a clemência ao imperador Nero, obra que assinala sua adesão à Reforma.

Em 1535, já é considerado chefe do Protestantismo francês. Perseguido pelas autoridades católicas refugia-se em Genebra.

Organiza uma nova igreja, com pastores eleitos pelo povo, e o Colégio Genebra, que se torna um dos centros universitários mais famosos da Europa.

Pentecostalismo surge em 1906 no interior das igrejas reformadas dos EUA e difunde-se rapidamente pelos países do Terceiro Mundo. Os primeiros missionários do pentecostalismo chegam ao Brasil em 1910 e rapidamente conquistam grande número de fiéis.

As igrejas pentecostais são as que mais crescem na América Latina. Dão ênfase à pregação do Evangelho, s orações coletivas, feitas em voz alta por todos os fiéis; aos rituais de exorcismos e de curas, realizados em grandes concentrações públicas.

A seita mais difundida no Brasil é a Igreja Universal do Reino de Deus.

CRISTIANISMO ORTODOXO

Menos rígido nas formulações dogmáticas, valoriza a liturgia, não aceita uma centralização excessiva e é mais flexível na concepção da estrutura hierárquica da igreja.

É porém menos aberto ao diálogo com a filosofia e com as ciências e mais rigoroso nas exigências morais.

A partir da ruptura com a igreja ocidental, passa a chamar-se Cristianismo ortodoxo (em grego, reta opinião) e se afirma mais fiel à mensagem cristã primitiva.

Os ortodoxos se desenvolvem em torno das quatro sedes antigas, chamadas de patriarcados: Jerusalém, Alexandria, Antióquia e Constantinopla.

Mais tarde, são incorporados os patriarcados de Moscou (1589), de Bucareste (1925) e da Bulgária (1953), além das igrejas autônomas nacionais da Grécia, Sérvia, Geórgia, Chipre e da América do Norte.

As igrejas ortodoxas reúnem mais de 170 milhões de fiéis em todo o mundo.

Liturgia do cristianismo ortodoxo

Os rituais da igreja ortodoxa são cantados, mas não se usam instrumentos musicais. Veneram-se os ícones e as relíquias dos santos, mas são proibidas imagens esculpidas, exceto o crucifixo.

Os sacramentos pelos quais os fiéis entram em comunhão com Deus e entre si são os mesmos (com pequenas diferenças), tanto na Igreja Romana como na Igreja Ortodoxa:

Batismo
Eucaristia
Crisma (ou confirmação da fé)
Penitência (ou confissão)
Matrimônio
Ordenação Sacerdotal
Unção dos Enfermos

Na Ortodoxa o Sacramento do Crisma é dado junto ao Batismo e a Penitência é dada antes da Eucaristia.

Já na Católica o Sacramento do Crisma e a Penitência são ministrados separadamente do Batismo e da Eucaristia.

Os sacramentos dados na Igreja Ortodoxa são válidos na Romana, e vice-versa. Os sacerdotes podem casar-se (antes da Ordenação), mas não os monges.

Os bispos são escolhidos entre os sacerdotes e monges celibatários.

Fonte: www.bbc.co.uk/api.ning.com/www.worldhistory.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.