Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Museu Bizantino

Museu Bizantino

PUBLICIDADE

O Museu Bizantino e Cristão, que tem sede em Atenas, é um dos museus nacionais da Grécia.

As suas áreas de competência são centradas em – mas não apenas – artefatos religiosos dos primeiros cristãos, bizantinos, Medieval, períodos pós-bizantina e depois que ela exibe, mas também adquire, recebe, conservas, conserva, registros, documentos, pesquisas, estudos, publica e aumenta a consciência.

O museu tem mais de 25.000 artefatos em sua posse.

Os artefatos datam entre os dias 3 e 20 do século dC, e sua proveniência engloba todo o mundo grego, bem como as regiões em que o helenismo floresceu.

O tamanho ea variedade das coleções e do valor das exposições do Museu faz um verdadeiro tesouro da arte e da cultura bizantina e pós-bizantina.

Bizâncio ( 330-1453)

Em 330 dC, o primeiro governante cristã do império romano, Constantino, o Grande (r. 306-337) (26,229), transferiu a antiga capital imperial de Roma para a cidade de Bizâncio situado no território oriental do continente europeu, a um cruzamento importante do comércio leste-oeste.

O imperador renomeado esta antiga cidade portuária Constantinopla (“a cidade de Constantine”) em sua própria honra (detalhe, 17.190.1673-1712); ele também foi chamado de “Nova Roma”, devido ao novo status da cidade como capital político do império romano. O cristão, em última análise, estado de língua grega governado daquela cidade viria a ser chamado de Bizâncio pelos historiadores modernos, embora os cidadãos medievais do império se descreveram como “Romaioi”, romanos, e consideravam-se os herdeiros do antigo império romano.

O Início de Bizâncio

A primeira era de ouro do império, o período bizantino, estende-se desde a fundação da nova capital em 700 (século 8).

O Cristianismo substituiu os deuses da antiguidade como a religião oficial do estado culturalmente e religiosamente diversa nos anos 300, tardias (2.006,569).

A prática do monaquismo cristão desenvolvido no século IV, e continuou a ser uma parte importante da fé bizantina, espalhando-se do Egito para todas as partes do império.

No período bizantino, a elite educada de Bizâncio usou a lei romana e grega e cultura romana, para manter um governo altamente organizada centrado na quadra e suas grandes cidades (1980.416; 1.998,69; 1.999,99).

Nas décadas posteriores, declínio urbano e as invasões de territórios ocidentais do império por tribos germânicas, principalmente, no século V, levou à diminuição dos centros ocidentais, incluindo Roma, demitido em 410 pelos godos e em 455 pelos vândalos.

Apesar dos ganhos territoriais do imperador Justiniano I, no século VI (17.190.52,53), muitas das províncias italianas do império foram ultrapassados pelos lombardos no final dos anos 500s.

Nos anos 600, invasões persas e árabes devastou grande parte dos territórios orientais de Bizâncio.

As tradições artísticas do estado rico estendido por todo o império, incluindo as províncias do sul do Egito e da África do Norte, que se manteve sob controle bizantino até a conquista árabe da região no século VII (17.190.1664).

O desenvolvimento do códice (ou codex, da palavra em latim que significa “livro”, “bloco de madeira”), ou manuscrito vinculado, substituindo o antigo pergaminho marcou uma grande inovação nestes primeiros séculos. Um número de manuscritos bizantinos primeiros ilustrados sobreviveram do quarto ao sexto séculos, incluindo Antigo e Novo Testamentos, edições da Eneida de Virgílio e Ilíada, de Homero, e tratados médicos, como Dioscurides ‘De Materia Medica.

Nas artes portáteis, embarcações e mobiliário de prata, tanto para uso secular e eclesiástica, sobreviver em número significativo para os primeiros séculos (17.190.147; 1.991,136; 17.190.396; 1986/03/01-0,15), assim como os objetos feitos de marfim , a presa do elefante (17.190.57).

Obras extraordinárias também foram criados em vidro para audiências seculares e religiosos, e fins utilitários e não utilitários (26,258).

Ao longo do período bizantino, a produção de escultura na rodada declinou, marcando uma mudança das antigas tradições de esculpir bustos e estátuas de corpo inteiro para comemorar figuras cívicas e religiosas (66,25). Alívio escultura em diversos meios de comunicação e das artes bidimensionais de trabalho de pintura e mosaico eram extremamente populares na arte secular e religioso (1.998,69; 1.999,99).

Vários exemplos brilhantes da arquitetura secular sobreviveram a partir desses primeiros séculos, incluindo vestígios de um átrio no grande palácio em Constantinopla, decorado com um programa mosaico pródiga representando a vida diária e as riquezas do império.

Também sobreviveu da capital são os restos de duas casas aristocráticas, os palácios de Antíoco e de Lausos.

Outras grandes cidades antigas do império, incluindo Antioquia e Éfeso, também preservados permanece desta tradição secular edifício.

Para a arquitetura eclesiástica no período bizantino, igrejas de cúpula, o mais importante é a Igreja de Constantinopla de Hagia Sophia, e outros edifícios sagrados cúpulas começaram a aparecer em maior número ao lado de formas basílica tradicionais, visto pela primeira vez nas igrejas de grande escala patrocinado pelo Imperador Constantino I no início do século IV.

Entre os anos 700 e 800, a controvérsia iconoclasta travado sobre o uso adequado de imagens religiosas, resultando na destruição de ícones em todos os meios de comunicação, especialmente na capital de Constantinopla.

O Museu Bizantino

Nos primeiros tempos do Império Bizantino não houve, a bem dizer, unidade na cultura.

Museu Bizantino
Arcanjo Gabriel Monastério Chilandari , Mt. Athos, Grécia última metade de 1300 têmpera sobre madeira.

Uma infinita variedade de motivos, formas, coloridos, testemunhava uma prodigiosa miscelânea étnica: quadros egípcios, ornamentos sírios, mosaicos de Constantinopla, afrescos de Tessalônica, por todo o lado a marca profunda das tradições seculares. Placa giratória entre a Europa e a Ásia, Bizâncio sofreu a vigorosa influência das civilizações orientais.

A arte antiga e a cultura persa e árabe marcaram muitas obras-primas da arte bizantina com um toque inigualável. Durante séculos, Bizâncio foi um enorme cadinho onde se fundiram as correntes culturais de toda a Bacia mediterrânea e do Oriente Médio, mas que, por seu lado, exerceu a sua influência no desenvolvimento da cultura e da arte em diversos povos da Europa e da Ásia.

No século VI e princípio do século VII surgiram importantes obras históricas. Procópio de Cesareia, contemporâneo de Justiniano I, traçou um pormenorizado quadro da sua época. Na sua História secreta, ao contrário do que fizera nas suas outras obras, em que fazia o elogio do Imperador, Procópio relata os sofrimentos do povo e denuncia a venalidade dos funcionários e o deboche da corte.

Inúmeras obras de tradição oral cultivadas pelo povo não chegaram infelizmente até nós, mas os numerosos monumentos da arte bizantina que podemos admirar testemunham o gosto e mestria dos seus autores. Toda a riqueza da arte popular está revelada nos artigos de artesanato.

As sedas eram ornadas com motivos de cores vivas; os artesãos trabalhavam a madeira, o osso, a prata, a cerâmica ou o mármore, tirando a sua inspiração do mundo vegetal ou animal. As paredes das igrejas estavam cobertas de afrescos de cores vivas, ainda livres de estilização.

Os mosaicos do palácio imperial, por exemplo, reproduziam com muita verdade e calor certas cenas da vida rural. A iconoclastia deu um rude golpe na pintura religiosa acentuando ao mesmo tempo os assuntos profanos. Iluminuras cheias de dinamismo e de expressão ornavam as folhas dos livros.

Museu Bizantino
St. Cirilo de Alexandria Constantinopla São Salvador-in-Cora meados de 1350

Nos seus primórdios, os monumentos da arquitetura bizantina revelam uma forte influência da arte antiga. A maravilhosa igreja de Santa Sofia em Constantinopla é disso o mais perfeito exemplo. Foi construída no reinado de Justiniano, por Isidoro de Millet e Antêmio de Tralles e dedicada à Sabedoria Divina (Sophia). Esta basílica imensa é inundada pela luz que penetra pelas quarenta janelas rasgadas no contorno da alta cúpula.

A sua abóbada coroa o edifício à semelhança do céu. Simbolizava o poderio e unidade do império cristão. No interior, Santa Sofia está suntuosamente decorada com mármores polícromos, mosaicos, afrescos resplandecentes e magníficas colunatas.

Em 13 de abril de 1204, os cruzados, vindos da Terra Santa, decidiram invadir Constantinopla. A cidade sucumbiu e sofreu um bárbaro saque. Metade da capital estava em escombros, enquanto a outra era devastada e pilhada. Os habitantes foram dizimados; dezenas de monumentos de arquitetura antiga, de inigualável beleza, perderam-se para sempre.

Os cruzados saciaram-se com o sangue. Avaliou-se em mais de 400 000 marcos de prata a parte do saque que foi sistematicamente partilhada entre os cruzados, sem contar com as riquezas roubadas arbitrariamente e com o que ficou para os Venezianos. Um escritor bizantino, testemunha do saque de Constantinopla, dizia que os muçulmanos tinham sido mais misericordiosos e menos ferozes do que os cruzados.

O Império Bizantino desfez-se em pedaços. Os cruzados criaram o Império Latino. Surgiram Estados Gregos no Epiro e na Ásia Menor, que iniciaram imediatamente a luta contra os conquistadores.

Depois da partilha de Bizâncio, os cavaleiros ocidentais recusaram-se a continuar a cruzada. Já não fazia qualquer sentido que se enfrentassem novos perigos. Só o Papa manifestou algum descontentamento, que não durou muito tempo; perdoou este “licenciamento” aos cavaleiros, na esperança de poder submeter a Igreja Bizantina à Santa Sé (os cruzados achavam os bizantinos uns hereges porque não aceitavam a autoridade do Papa).

Museu Bizantino
São João Crisóstomo Dumbarton Oaks, Washington, D.C. Constantinopla 1350-1400 mosaico miniatura 18 x 13 cm, 7 x 5 in

Muitos artistas estavam entre os milhares de refugiados de Constantinopla. Vários desses artistas foram aproveitados nos impérios gregos que se formaram em Nicéia, em Trebizonda e em Mistra. Nestas cortes, especialmente em Nicéia, as artes floresceram rapidamente.

Um estilo novo da arte bizantina emergiu nos Balcãs, Grécia e Ásia Menor. O ícone ao lado do Arcanjo Gabriel é um bom exemplo. Os destaques brilhantes no rosto e na roupa são típicos desse tempo e adicionam um movimento, quase nervoso, ao ícone. O estilo é do período dos Paleólogos.

Mas o Império Bizantino não podia voltar a ter o seu antigo vigor. Os seus recursos materiais tinham sido completamente pilhados. Incendiada, meia deserta, com os seus palácios em ruínas e as praças cheias de mato, Constantinopla já nada tinha da sua magnificência passada. A “rainha das cidades” já não existia.

O capital comercial italiano triunfava sobre os ofícios locais e sobre o comércio. Veneza estava solidamente estabelecida no rico arquipélago e em algumas cidades do Peloponeso.

O ícone abaixo de São Cirilo é de São João Crisóstomo, um bispo de Constantinopla que viveu no século V. Sua testa ampliada, olhos minúsculos e rosto comprimido, são mostrados em uma forma exagerada e maneirista, características típicas da arte do período dos Paleólogos. Abaixo do ícone de São João, um detalhe de um mosaico grande de São Jorge que fica na abóbada da igreja de São Salvador-in- Cora.

Embora o rosto tenha o mesmo olhar suave e idealista do santo que tinha sido aceito pelos Cânones artísticos bizantinos por quase 1000 anos, determinados elementos na figura, tal como a cabeça ovalada, e as vestes excessivamente decoradas são marcas do período dos Paleólogos mostrado aqui em seu apogeu.

Museu Bizantino
A Virgem Eleousa São Salvador-in-Cora meados de 1300 afresco (detalhe)

A imagem seguinte ao lado mostra a Virgem Theotokos que segura Cristo firmemente contra seu rosto. É uma pintura angular que talvez mostre a maestria do artista, que desenhou provavelmente a figura à mão livre, sem referência aos livros padronizados usados freqüentemente pelos artistas mais ou menos certos de seu talento.

É um ícone curioso; o olhar indireto da Virgem parece distraído. Conscientemente ou inconscientemente, a representação do artista do Theotokos reflete a incerteza do tempo em que foi pintada.

Os historiadores da arte concluíram que as últimas décadas da arte de Bizâncio – aqueles anos que conduzem à conquista da cidade pelo sultão otomano Mehmet II, em 29 de maio de 1453 – foi um período difícil para a proteção da arte, considerando que uma tentativa válida foi feita para conservar o legado antigo de Bizâncio.

Em um dos últimos estágios do império tentaram reacender a cultura que tinham herdado da Grécia, Roma e Bizâncio medieval. Por alguns anos a chama queimou-se brilhantemente.

Museu Bizantino
Natividade Igreja Pantanassa Mistra início de 1400 afresco (detalhe)

A última imagem ao lado mostra o detalhe de uma pintura da Natividade que decorava uma das igrejas de Mistra antes da invasão turca. A imagem da Virgem Theotokos é uma das mais intensas que temos do Império Bizantino. Mostra o gênio artístico que a cultura de 1100 anos de Bizâncio manteve em seus anos crepusculares.

San Vitale de Ravena

Museu Bizantino
Igreja de San Vitale de Ravena

A igreja de San Vitale de Ravena, construída entre os anos 526 e 547 d.C., é considerada como um dos melhores exemplos da arquitetura bizantina. Sua planta centralizada, de núcleo octogonal copulado, foi traçada seguindo modelos da arquitetura bizantina mais antiga de Constantinopla, capital do Império. Os mosaicos de seu interior mostram temas religiosos e profanos, entre eles, o imperador Justiniano I e sua corte.

Bizâncio (aprox. 330-1453 d.C.)

Museu Bizantino
Muralhas de Bizâncio – Constantinopla

As antigas muralhas de Bizâncio estavam localizadas no estratégico estreito de Bósforo, que liga o Mediterrâneo ao mar Negro.

Teve o nome mudado para Constantinopla (330 d.C.) e mais tarde passou a se chamar Istambul (1453). Bizâncio foi a capital do Império Bizantino e Otomano e reinou com supremacia como a mais magnífica cidade do mundo Ocidental por quase 1000 anos.

O Ícone de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

História

Museu Bizantino
Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Segundo uma antiga inscrição colocada ao lado do ícone com um resumo histórico da imagem, a origem deste quadro é da Ilha de Creta, no Mar Egeu. Um mercador roubou o ícone de uma igreja, o escondeu na sua bagagem e embarcou rumo a outras terras. Durante a viagem acontece uma grande tempestade e os passageiros começam a rezar a Deus e a Nossa Senhora. Conta a lenda que o mar se acalmou e a viagem continuou tranquila até o próximo porto.

Pouco depois, por volta do ano de 1499, no reinado do Papa espanhol Alejandro VI, o mercador chega a Roma com o quadro e, depois de algumas resistências da família, o ícone passa a ocupar um lugar destacado na igreja de São Mateus, administrada pelos Agostinianos. A igreja de São Mateus era um templo menor entre as grandes basílicas de São João de Latrão e Santa Maria Maior. Ali permanece a imagem do Perpétuo Socorro durante anos.

Os escritores da época falam maravilhas desta devoção mariana:é a imagem milagrosa por excelência. O século XVII parece ser o mais intenso na devoção e culto a mãe do Perpétuo Socorro

Mas em fevereiro de 1798, com a invasão de Napoleão, suas tropas se apoderam da Itália e em Roma demolem mais de trinta igrejas da cidade, entre elas a antiga São Mateus. Os religiosos Agostinianos salvam o quadro milagroso e o levam consigo. Contudo, o ícone cai em esquecimento por mais de 88 anos.

O Ícone do Perpétuo Socorro antes de sua restauração

Em 1855, os Redentoristas compram uns terrenos ao lado da Via Merulana, e bem perto de Santa Maria Maior. Antes se chamava Villa Caserta e nesse lugar estava erguida a igreja de São Mateus. Através do Pe. Miguel Marchi, foi descoberto o paradeiro do ícone de Nossa Senhora. No dia 11 de dezembro de 1865, os filhos de Santo Alfonso Maria de Ligorio, o grande cantor das Glórias de Maria, solicitam ao Santo Padre a concessão do Perpétuo Socorro. E em 19 de janeiro de 1866 a imagem de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro volta para a igreja de Santo Alfonso, no mesmo local onde havia estado três séculos.

Restaurada, ocupa o centro do altar-mor da igreja de Santo Alfonso e sua devoção e influência se estende aos cinco continentes. Centenas de milhares de ícones do Perpétuo Socorro se espalham pelas igrejas, casas e capelas do mundo inteiro. Seus melhores propagadores são os missionários redentoristas e as missões populares. Com eles Maria chegará a todas as partes abrindo caminhos para o Redentor. Ela é a primeira missionária.

Assim se cumpre aquela frase de Pio IX aos Redentoristas na audiência ao Superior Geral Pe. Mauron em 11 de dezembro de 1865:“Dada a conhecer a todo o mundo”.

A Virgem do Perpétuo Socorro é hoje cidadã do mundo. Grandes santuários a celebram permanentemente com grande afluência de peregrinos, como o de Baclaran (Filipinas), Belém (Brasil), Bombaim (Índia), Singapura, etc. Catedrais, paróquias e igrejas a têm como padroeira. Numerosas editoras, livros, revistas, emissoras de rádio mantêm e propagam sua devoção. Maria é e sempre será Perpétuo Socorro.

Descrição do Ícone

A imagem do ícone original do Perpétuo Socorro está pintada em têmpera sobre madeira. Mede 53 cm de altura por 41,5 cm de comprimento. Sobre um fundo de ouro se destacam quatro figuras. No centro, aparecendo todas como protagonistas, a Virgem e o Menino; e em segundo plano, os dois arcanjos, Miguel e Gabriel com os instrumentos da Paixão.

Segundo costume oriental, cada personagem está identificado por uma inscrição grega abreviada.

A Virgem é mostrada em meio corpo e com aparência piedosa. Veste uma túnica e um manto azul marinho que a cobre desde a cabeça, encobrindo seus cabelos. Tem sobre a fronte duas estrelas douradas.

O Menino Jesus está sobre o braço esquerdo de sua Mãe e segura com ambas as mãos a mão direita da Virgem, buscando proteção, como se estivesse contemplando os momentos da Paixão que o aguarda. Sua figura é de corpo inteiro, vestido com uma túnica verde, e de seu ombro direito pende um manto mesclado de amarelo dourado e marrom. Têm as pernas entrecruzadas e está calçado com sandálias, sendo que a do pé direito aparece pendurada.

Os instrumentos mostrados por São Gabriel são a cruz grega de duplo travessão e quatro cravos. São Miguel, apresenta a lança e a esponja. Ambos os arcanjos escondem suas mãos que seguram um frasco com os símbolos da Paixão. As inúmeras dobras e sombreados das vestes são profusamente marcados em ouro.

Com estes sensíveis elementos e símbolos o inspirado artista bizantino conseguiu modelar neste belíssimo Ícone sua fé e devoção e legar-nos um objeto para o culto e veneração, rico em conteúdo teológico, como veremos a seguir.

As abreviaturas gregas que estão escritas sobre o ícone significam:

MP ØY:Mãe de Deus (nos ângulos superiores do Ícone)
AP M:
O Arcanjo Miguel (sobre o arcanjo que está à esquerda de quem olha).
AP G:
O Arcanjo Gabriel (sobre o arcanjo que está à direita de quem olha).
IC XC:
Jesus Cristo (à direita da cabeça do Menino Jesus).3

Mensagem do Ícone

Maria do Perpétuo Socorro é um ícone bizantino, uma imagem representativa da Virgem da Paixão. A interpretação geral é clara. Os Arcanjos Gabriel e Miguel apresentam ao Menino Jesus os instrumentos de sua Paixão futura. Ao contemplar esta dramática visão, o menino, em sua condição de homem mortal, se assusta e se estremece e num brusco movimento busca socorro nos braços de sua Mãe, a cuja mão aperta com força. O susto e o movimento brusco do Menino estão expressos pela contorção das pernas, as dobras do manto e a sandália pendurada.

O ícone representa a realidade teológica completa da Redenção pela Paixão Gloriosa. Os instrumentos da Paixão não significam apenas presságios de dor e morte, aparecem nas mãos ‘veladas’ como troféu e símbolo de vitória conquistada.

Todo Ícone é motivo de culto e contemplação espiritual. Por isso a Virgem não está olhando o Menino para consolá-lo, como seria o mais natural, senão que se sobrepõe à dor de seu Filho e a sua própria e suaviza benignamente seu rosto, para oferecer a quem a contempla um olhar cheio de amor e de ternura e uma mensagem de esperança. Cada detalhe possui um simbolismo próprio.

Olhá-la com amor é o melhor modo e nos fará lembrar o que um enamorado dessa linda imagem, escreveu:“Não me canso de contemplá-la, porque cada vez que a vejo, sempre descubro nela algo novo”.

Lindo isso, não?!

Esta grande riqueza de conteúdo teológico, além da arte pictórica, converte este ícone em uma bela síntese visual dos evangelhos. A pintura é mensagem, fé e iluminação em imagem.

Por isso, com o coração contrito, rezemos:

Ó minha Virgem Mãe querida,
Esteja sempre junto a nós!
Nossa Senhora pura e abençoada,
Livrai-nos de todo mal.
Ó gloriosa e sempre Virgem Maria,
Mãe de Cristo, nosso irmão,
Receba as nossas orações e leve-as
Ao vosso Filho e ao nosso Deus.
Que Eles, pela sua intercessão,
Nos ilumine e salve nossas almas.
Amém! Salve Maria!

Museu Bizantino
Ascensão de Jesus

Museu Bizantino
Cristo Pantocrator – Detalhe de um mosaico da Igreja de Santa Sofia (Hagia Sophia), Constantinopla, Século XIII

Museu Bizantino
Gradual, Próprio e Comum dos Santos (fol. 84) Bolonha, cerca de 1285; 290 fols.; 51.5 x 35.5 cm Texto de abertura: Gaudeamus (Alegremo-nos). Musei Civici d’Arte Antica, Bolonha, Itália

Museu Bizantino
Basílica de São Marcos, Veneza

Em sua origem, a basílica de São Marcos foi construída, entre os anos 829 e 832, para receber o corpo do apóstolo Marcos quando foi levado de Alexandria para Veneza no ano 828. Os arcos de médio ponto e as cúpulas estão claramente influenciadas pelo estilo arquitetônico bizantino.

Museu Bizantino
San Vitale de Ravena

A igreja de San Vitale de Ravena, construída entre os anos 526 e 547 d.C., é considerada como um dos melhores exemplos da arquitetura bizantina. Sua planta centralizada, de núcleo octogonal copulado, foi traçada seguindo modelos da arquitetura bizantina mais antiga de Constantinopla, capital do Império. Os mosaicos de seu interior mostram temas religiosos e profanos, entre eles, o imperador Justiniano I e sua corte.

Museu Bizantino
Antigas muralhas de Bizâncio

As antigas muralhas de Bizâncio estavam localizadas no estratégico estreito de Bósforo, que liga o Mediterrâneo ao mar Negro. Teve o nome mudado para Constantinopla (330 d.C.) e mais tarde passou a se chamar Istambul (1453). Bizâncio foi a capital do Império Bizantino e Otomano e reinou com supremacia como a mais magnífica cidade do mundo Ocidental por quase 1000 anos.

Museu Bizantino
Basílica de San Marco, Veneza, Itália

Theotokos Nikopoios, um dos mais preciosos ícones da Virgem Santíssima. Muitos pesquisadores afirmam que o ícone foi levado de Constantinopla para Veneza.

Museu Bizantino
Basílica de San Marco, Veneza, Itália A Entrada Triunfal em Jerusalém. Detalhe do Pala d’oro.

Museu Bizantino
Cabeça do imperador Constantino (337-350). Bizantino

Museu Bizantino
Pingente placa, Bizantino

Museu Bizantino
Fragmento de um mosaico com a personificação de Ktisis. Bizantino

Museu Bizantino
Ícone com a apresentação de Cristo no Templo. Bizantino

Museu Bizantino
Colar com moedas e medalhas. Bizantino; encontrado em 1902, em Karavás, Chipre

Museu Bizantino
Capitel com busto do Arcanjo Miguel. Bizantino; feito em Constantinopla

Museu Bizantino
Pingente Cruz. Bizantino; feito em Constantinopla

Nota: O busto do Arcanjo Miguel é, possivelmente, do Monastério da Virgem Peribleptos; agora o Sulumanastir, uma mesquita muçulmana.

Fonte: www.metmuseum.org/www.angelinicoins.com/www.starnews2001.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+