Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Intifada

Intifada

PUBLICIDADE

Falsa acusação de atrocidades israelenses e instigação das mesquitas desempenharam um papel importante no ano de início da intifada.

Em 06 de dezembro de 1987, um israelense foi morto a facadas enquanto fazia compras em Gaza.

Um dia depois, os moradores do campo de refugiados de Jabalya forno em Gaza foram mortos em um acidente de trânsito.

Rumores que o forno se beens mortos por israelenses como um ato deliberado de vingança começou a se espalhar entre os palestinos. Missa tumultos eclodiram em Jabalya, na manhã de 9 de dezembro, em que um jovem de 17 anos, foi o soldado israelense morto no ano jogando um coquetel Molotov.

Após um ano na patrulha do exército. Isso logo desencadeou uma onda de agitação que tomou conta da Cisjordânia, Gaza e Jerusalém.

Durante a próxima semana, atirar pedras, estradas bloqueadas e incêndios de pneus foram relatados em todo o território. Até 12 de dezembro, seis palestinos morreram e 30 ficaram feridas na violência. No dia seguinte, manifestantes atiraram uma bomba de gasolina no consulado dos EUA em Jerusalém Oriental.

Ninguém ficou ferido no atentado.

Em Gaza, circularam rumores de que jovens palestinos feridos por soldados israelenses estavam sendo levados para um hospital do exército, perto de Tel Aviv e “acabaram”.

Outro boato, afirmou tropas israelenses envenenado um reservatório de água em Khan Yunis. Um funcionário da ONU disse que essas histórias eram falsas.

Somente os palestinos feridos mais graves foram levados para fora da Faixa de Gaza para tratamento, e, em alguns casos, isso provavelmente salvou suas vidas. A água foi também testada e verificou-se ser não contaminada.

A Intifada foi violenta desde o início. Durante os primeiros quatro anos do levante, mais de 3.600 ataques com coquetéis molotov, 100 ataques com granadas de mão e 600 assaltos com armas ou explosivos foram relatados pelas Forças de Defesa de Israel. A violência foi dirigida a soldados e civis. Durante este período, 16 civis israelenses e 11 soldados foram mortos por palestinos nos territórios; mais de 1.400 civis israelenses e 1.700 soldados israelenses ficaram feridos. Cerca de 1.100 palestinos foram mortos em confrontos com tropas israelenses.

Durante a Intifada, a OLP desempenhou um papel de liderança na orquestração da insurreição. A OLP, dominada por uma liderança unificada da Intifada (UNLI), por exemplo, freqüentemente emitido folhetos ditam que a violência dias era para ser escalado, e que era para ser o seu alvo. A liderança da OLP do levante foi desafiado pela organização fundamentalista islâmica Hamas, um grupo violentamente anti-semita que rejeita quaisquer negociações de paz com Israel.

Os judeus não foram as únicas vítimas da violência. Na verdade, como a intifada diminuiu em torno da época da Guerra do Golfo em 1991, o número de árabes mortos por motivos políticos e outros por esquadrões da morte palestinos ultrapassado o número de mortos em confrontos com tropas israelenses.

Presidente da OLP, Yasser Arafat defendeu o assassinato de árabes consideram-se “colaborar com Israel.” Ele delegada a autoridade para levar a cabo execuções para a liderança intifada. Depois dos assassinatos, o esquadrão da morte local, OLP enviou o arquivo sobre o caso para a OLP. “Nós estudamos os arquivos daqueles que foram executados, e descobriu que apenas dois dos 118 que foram executados eram inocentes”, disse Arafat. As vítimas inocentes foram declarados “mártires da revolução palestina” pela OLP (AlMussawar, 19 de janeiro de 1990).

Os palestinos foram esfaqueados, cortados com machados, tiro, baqueteamento e queimada com ácido. As justificativas oferecidas pelas mortes variadas. Em alguns casos, sendo empregados pela Administração Civil de Israel na Cisjordânia e Gaza era razão suficiente, em outros, entre em contato com os judeus merecia uma sentença de morte. Acusações de “colaboração” com Israel foram, por vezes usado como um pretexto para atos de vingança pessoal. Mulheres que se considere terem comportado “imoral” também estavam entre as vítimas.

Eventualmente, o reinado de terror se tornou tão grave que alguns palestinos expressaram preocupação pública sobre o distúrbio. A OLP começou a pedir um fim à violência, mas os assassinatos cometidos por seus membros e rivais continuou. De 1989-1992, essa intrafada custou a vida de cerca de 1.000 palestinos.

Mitchell Bard

Fonte: www.jewishvirtuallibrary.org

Intifada

Em 1987, tem início a Intifada – choques diários entre palestinos e tropas israelenses de ocupação.

Em dezembro de 1987, a população palestina na Cisjordânia e Gaza começaram um levante em massa contra a ocupação israelense.

Essa revolta, ou intifada (que significa “sacudir” em árabe), não foi iniciado ou orquestrado pela liderança da OLP em Túnis.

Ao contrário, foi uma mobilização popular que atraiu sobre as organizações e instituições que se desenvolveram sob a ocupação.

A intifada envolveu centenas de milhares de pessoas, muitos sem qualquer experiência de resistência anterior, incluindo crianças, adolescentes e mulheres. P

ara os primeiros anos, ele envolvia várias formas de desobediência civil, incluindo grandes manifestações, greves gerais, a recusa de pagar impostos, boicotes de produtos israelenses, o graffiti político e à criação de escolas clandestinas (desde escolas regulares foram fechadas pelos militares como represálias para a revolta). Também incluiu arremesso de pedra, coquetéis molotov e na construção de barricadas para impedir a circulação de forças militares israelenses.

Ativismo Intifada foi organizada através de comitês populares, sob a égide da Direção Nacional Unidos da Revolta.

O Unlu era uma coligação de quatro partidos da OLP que operam nos territórios ocupados: Fatah, a FPLP, o FDLP eo PPP. Esta resistência ampla chamou a atenção internacional sem precedentes para a situação dos palestinos na Cisjordânia e Gaza, e desafiou a ocupação como nunca antes.

Sob a liderança do ministro da Defesa, Yitzhak Rabin, Israel tentou esmagar a intifada com “força, poder e golpes.” Os comandantes do Exército instruiu as tropas para quebrar os ossos dos manifestantes. De 1987 a 1991, as forças israelenses mataram mais de 1.000 palestinos, incluindo mais de 200 menores de dezesseis anos. Em 1990, a maior parte do Unlu líderes foram presos eo intifada perdeu sua força de coesão, embora tenha continuado por mais alguns anos.

Divisões políticas ea violência no seio da comunidade palestina aumentou, especialmente a rivalidade crescente entre as várias facções da OLP e organizações islâmicas (Hamas e Jihad Islâmica). Militantes palestinos mataram mais de 250 palestinos suspeitos de colaborar com as autoridades de ocupação e cerca de 100 israelenses durante este período.

A intifada deslocou o centro de gravidade da iniciativa política palestina a partir da liderança da OLP em Tunes para os territórios ocupados.

Embora a intifada não trouxe um fim à ocupação, deixou claro que o status quo era insustentável.

A intifada deslocou o centro de gravidade da iniciativa política palestina a partir da liderança da OLP em Tunes para os territórios ocupados.

Ativistas palestinos nos territórios ocupados exigiu que a OLP adotar um programa político claro para orientar a luta pela independência.

Em resposta, o Conselho Nacional Palestino (a governo palestino no exílio), convocada na Argélia em novembro de 1988, reconheceu o estado de Israel, proclamou um Estado palestino independente na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, e renunciar ao terrorismo.

O governo israelense não respondeu a estes gestos, alegando que nada havia mudado e que a OLP era uma organização terrorista com o qual ele não iria negociar.

Os EUA fizeram reconhecer que as políticas da OLP havia mudado, mas fez pouco para encorajar Israel a abandonar a sua posição intransigente.

Fonte: www.merip.org

Intifada

Os grupos radicais

As principais facções terroristas palestinas, seus líderes e seus objetivos no conflito

Hamas

Fundador: Ahmed Yassin (morto em 2004)
Características:
grupo com um braço militar e outro político. O político faz trabalhos sociais em campos de refugiados e chegou ao poder em 2006. O militar foi o primeiro a usar homens-bomba na região, em 1992.
Objetivo:
destruir Israel e criar um Estado islâmico na região, sob o controle dos palestinos.
Efetivo:
entre 200 e 300 militantes no braço armado. Milhares de simpatizantes no braço político.
Tem facilidade em recrutar voluntários porque é atualmente a facção mais popular entre os palestinos.

Jihad Islâmica

Líder: Ramadan Shallah, ex-professor da Universidade do Estado da Flórida.
Características:
é a mais independente das facções extremistas. Recebe financiamento principalmente do Irã.
Objetivo:
destruir Israel e criar um Estado islâmico na região, sob o controle dos palestinos.
Efetivo:
entre setenta e 100 terroristas. Tem dificuldade para recrutar colaboradores por contar com apoio restrito da população.

Brigada dos Mártires de Al-Aqsa

Líder: Marwan Barghouti.
Características:
em tese, é uma dissidência do grupo do antigo líder Yasser Arafat, a Fatah.
Apareceu recentemente, depois do fracasso das negociações de paz. Responde hoje por cerca de 70% dos atentados contra israelenses.
Objetivo:
assustar os israelenses de modo a obter novas concessões em negociação de paz.
Efetivo:
cerca de 1.000 homens.

Hezbollah

Líder: Xeque Hassan Nasrallah.
Características:
grupo fundamentalista xiita do Líbano que existe desde 1982. Foi criado para combater as tropas israelenses que ocupavam o sul do país. É sustentado pelos iranianos e apóia a causa palestina.
Objetivo:
criar um Estado islâmico no Líbano, destruir o Estado de Israel e transformar Jerusalém numa cidade totalmente muçulmana.
Efetivo:
800 combatentes ativos e 2.000 reservistas.

O ABC do conflito palestino

Os grupos, cidades, siglas, termos e fatos históricos, listados em ordem alfabética.

‘Muro da Vergonha’: crianças palestinas caminham ao lado da barreira.
Al-Fatah –
Movimento pela Libertação da Palestina. Sob a liderança de Yasser Arafat, o Al-Fatah se tornou a mais forte e mais organizada facção palestina. As autoridades israelenses têm acusado o movimento de ataques terroristas contra Israel desde o início da nova Intifada. As Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa, responsáveis por vários atentados nos últimos meses em Israel, são os mais radicais membros da organização.
ANP –
A Autoridade Nacional Palestina, ou Autoridade Palestina, presidida por Yasser Arafat, é a organização oficial que administra a Cisjordânia e a Faixa de Gaza. Foi criada a partir de um acordo firmado em 1993 entre a OLP (Organização pela Libertação da Palestina) e Israel. Na primeira eleição para o legislativo e executivo da ANP, realizada em janeiro de 1996, Yasser Arafat foi eleito presidente. O acordo previa um mandato de cinco anos, que expiraria em 1999, quando então Israel e palestinos voltariam a negociar o status das áreas palestinas – o que não aconteceu, com a deterioração das relações entre os dois lados.
Belém –
Cidade localizada na Cisjordânia, é importante na história de três religiões: cristã, judaica e islâmica. Em Belém foi erguida a igreja da Natividade, templo cristão que marca o suposto local de nascimento de Jesus Cristo.
Brigada de Mártires Al-Aqsa –
Ala do Al-Fatah, grupo liderado por Yasser Arafat, responsável por 70% dos atentados terroristas contra israelenses. Criada recentemente, depois do fracasso das negociações de paz, tem como líder Marwan Barghouti. Seu efetivo é de cerca de 1.000 homens.
Cisjordânia –
Com uma área de 5,860 quilômetros quadrados localizada a oeste do Rio Jordão e do Mar Morto, esteve sob controle da Jordânia entre 1948 e 1967. Atualmente está dividida entre a Autoridade Nacional Palestina de Yasser Arafat e colônias e bases militares israelenses. As cidades que têm população acima de 100.000 habitantes são Jerusalém, Ramallah, Hebron, Nablus e Belém.
Há duas universidades:
Bir Zeit, em Jerusalém, e An-Najah, em Hebron.
Faixa de Gaza –
É um estreito território com largura que varia de 6 quilômetros a 14 quilômetros às margens do Mar Mediterrâneo. Seus cerca de 360 quilômetros quadrados de área são limitados ao sul pelo Egito e ao norte por Israel. A Autoridade Nacional Palestina administra as cidades da Faixa de Gaza, mas boa parte das áreas rurais está sob controle de militares israelenses e de 6.000 colonos judeus. A principal cidade do território é Gaza.
Hamas –
Grupo fundamentalista palestino que possui um braço político e outro militar. A sigla significa Movimento de Resistência Islâmica, mas também é a palavra que pode ser traduzida como “devoção” em árabe. O movimento nasceu junto com a Intifada. Seu braço político faz trabalhos sociais em campos de refugiados. O braço armado foi o primeiro a usar atentados com homens-bomba na região, em 1992. Seu efetivo é de cerca de 300 militantes.
Hezbollah –
Organização armada terrorista formada em 1982 por xiitas libaneses. Inspirada e orientada pelo Irã e apoiada pela Síria, tem base no Sul do Líbano. Seu objetivo é criar um Estado islâmico no Líbano, destruir Israel e transformar Jerusalém em uma cidade muçulmana.
Igreja da Natividade –
Construída em Belém, no suposto local de nascimento de Jesus Cristo.

Intifada – Nome do levante nos territórios palestinos contra a política e ocupação israelense, caracterizado por protestos, tumultos, greves e violência, tanto na Faixa de Gaza quanto na Cisjordânia.

A primeira intifada estendeu-se de 1987 a 1993, estimulada principalmente por três grupos: Hamas, OLP e Jihad. Ficou marcada pelo apedrejamento de soldados israelenses por jovens palestinos desarmados. Em setembro de 2000, quando recomeçou a violência entre palestinos e israelenses, depois de uma visita de Ariel Sharon a um local santo para os muçulmanos, o conflito violento recomeçou, sendo chamado de segunda intifada. O estopim foi uma provocação deliberada do então candidato a primeiro-ministro Ariel Sharon, líder da oposição ao governo de Ehud Barak e porta-voz da linha dura israelense. Cercado de guarda-costas, ele visitou a Esplanada das Mesquitas, na parte murada de Jerusalém, onde ficam as mesquitas de Al-Aksa e de Omar, um conjunto que é o terceiro entre os lugares santos do Islã.

Israel – Estado criado em 1948 na região histórica da Palestina, é um dos menores países do Oriente Médio e tem 60% de seu território coberto por deserto. O fato de ser o único país judeu em um área predominantemente islâmica marcou cada aspecto de suas relações diplomáticas, econômicas, políticas e demográficas.

Nos últimos anos, tornou-se um grande pólo de tecnologia e informática.

Tem um presidente, com poder mais simbólico que efetivo, e um poderoso primeiro-ministro, que passou a ser escolhido por eleições diretas a partir de 1996. As origens do atual conflito são anteriores à criação do país. Já no início do século XX , a Palestina, por ser considerada o berço do povo judeu, estimulou a imigração de judeus, inspirados por um movimento conhecido como sionismo, que entraram em disputa com os povos árabes da região. Nos anos que se seguiram à II Guerra Mundial (1939-1945), a Organização das Nações Unidas (ONU) desenvolveu um plano para dividir a Palestina entre árabes e judeus. Os árabes rejeitaram o plano, que foi aceito pelos judeus, criando-se então um Estado independente em 1948. Imediatamente, cinco nações árabes atacaram Israel.

No fim da guerra, em 1949, e nos anos seguintes, Israel ampliou seu território e anexou Golã.

Também ocupou a Cisjordânia e a Faixa de Gaza. Mesmo Jerusalém, que os judeus consideram capital do país, continua sendo alvo de disputa.

Jihad Islâmica – Grupo terrorista palestino de orientação fundamentalista.Tradicionalmente, ela tenta realizar ações terroristas contra alvos israelenses no aniversário da morte de seu líder, Fathi Shaqaqi, assassinado em Malta, em outubro de 1995. Financiada pelo Irã, é a mais independente das facções extremistas e conta com apoio restrito da população. Seu líder é Ramadan Shallah, exprofessor da Universidade da Flórida. Seu objetivo é destruir Israel e criar um Estado islâmico na região, sob controle de palestinos.

Jerusalém – Local de peregrinação para três religiões: católica, judaica e islâmica. Para os católicos, é o local onde Jesus Cristo foi crucificado e ressuscitou. Para os judeus, é a cidade que o rei Davi transformou em capital do reino unificado de Israel e Judá. Para os muçulmanos, é a cidade dos profetas que precederam Maomé.

Likud – Partido político conservador de Israel formado 1973 em torno da proposta de anexar ao Estado de Israel os territórios ocupados durante a Guerra dos Seis Dias: Sinai, Faixa de Gaza, Cisjordânia e Colinas de Golã. Menachim Begin foi seu primeiro líder. Desde 1999 o partido é liderado por Ariel Sharon, atual primeiro-ministro de Israel. Likud é a palavra em hebreu para unidade.

Muro de Proteção – nome dado à atual operação militar de ataque às cidades palestinas. ‘Muro da Vergonha’ – forma como é conhecida, entre os palestinos e parte da comunidade internacional, a barreira que Israel vem construindo para separar suas próprias cidades da Cisjordânia. Os israelenses dizem que a medida é legítima, já que o muro tornaria muito difícil a entrada de palestinos em seu território – assim, o número de atentados terroristas cairia de forma drástica. Os críticos, contudo, dizem que a construção da barreira tira território palestino, acentua as diferenças econômicas entre os povos e não contribui para a paz.

Nablus – Localizada no norte da Cisjordânia, entre as montanhas de Gerizim e Ebal, é a maior cidade palestina. Região bíblica, onde Abraão e Jacó teriam vivido e onde estariam enterrados, é também um importante centro comercial da região produtor de azeite e vinho.

OLP – A Organização pela Libertação da Palestina é um grupo político criado em 1964 com o objetivo de criar um Estado palestino independente. Em 1994, a Autoridade Nacional Palestina assumiu muitas das funções administrativas e diplomáticas relativas aos territórios palestinos que antes eram desempenhadas pela OLP.

Esta passou a ser uma espécie de guarda-chuva político e militar, abrigando facções como Al Fatah, As-Saiga e a Frente de Libertação da Palestina.

A OLP tem três corpos: o Comitê Executivo, com 15 membros, que inclui representantes dos principais grupos armados; o Comitê Central, com 60 conselheiros e o Conselho Nacional Palestino, com 599 membros, que historicamente tem sido uma assembléia dos palestinos. A OLP também tem serviços de saúde, informação, saúde, finanças, mas desde 1994 passou estas responsabilidades para a ANP.

Palestina – É uma região histórica situada na costa leste do Mar Mediterrâneo, no cruzamento entre três continentes, que foi habitada por diversos povos e é considerado local santo para cristãos, judeus e muçulmanos. Sua extensão tem variado muito desde a Antigüidade. Atualmente, as áreas palestinas são a Cisjordânia e a Faixa de Gaza.

Ramallah – Cidade palestina com cerca de 180.000 habitantes, é dividida em dois setores, de tamanhos semelhantes: Ramallah, que é predominantemente cristão, e Al Birah, de maioria islâmica. Fica a 872 metros acima do nível do mar e 1.267 metros acima do Mar Morto, distante 15 quilômetros ao norte de Jerusalém. É a sede da Autoridade Nacional Palestina e abriga a principal universidade palestina, Bir Zeit.

Sionismo – movimento político e religioso pela criação de um Estado judeu que surgiu no século XIX e culminou na criação do Estado de Israel em 1948. O nome vem de Zion, a montanha onde foi construído o Templo de Jerusalém . O termo sionismo foi usado pela primeira vez para nomear um movimento em 1890, pelo filósofo austríaco judeu Nathan Birbaum.

Por que a violência voltou a crescer entre israelenses e palestinos nos últimos meses?

As relações entre Israel e a Autoridade Nacional Palestina (ANP) voltaram a se agravar depois da vitória do movimento islâmico radical Hamas nas eleições de 25 de janeiro deste ano. Mesmo eleito legitimamente e obtendo maioria parlamentar, o Hamas continuou a ser temido como uma entidade terrorista. O primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, chegou a afirmar que não permitiria que o grupo extremista – autor de cerca de 70 atentados contra Israel desde o início da segunda intifada, em 2000 – se integrasse à ANP, presidida por Mahmoud Abbas, ligado ao Fatah.

Qual a posição do Hamas como partido político?

Ao se tornar governo, o grupo palestino não abandonou suas concepções de milícia guerrilheira e continuou a não reconhecer o direito à existência do Estado de Israel, insuflando ataques terroristas contra israelenses e duras respostas militares do governo de Israel contra rebeldes e civis palestinos.

O grupo também busca recuperar territórios ocupados por Israel e considera plausível a idéia de formar um exército nacional palestino. Em diversas declarações públicas, líderes políticos do Hamas contrários ao presidente da ANP propuseram ataques suicidas contra civis israelenses.

Qual foi a reação internacional com a chegada do Hamas ao poder?

Com a ineficácia dos pedidos diplomáticos para que o Hamas renunciasse à violência, o governo dos Estados Unidos aprovou uma sanção econômica contra a ANP, interrompendo o repasse anual de verbas. A medida também foi seguida pela União Européia, que deixou de enviar milhões de euros à entidade.

Duramente afetada, já que se mantém por intermédio de doações financeiras internacionais, a ANP pediu socorro econômico e o Hamas suavizou o discurso anti-semita. O repasse de dinheiro para atender a necessidades médicas e alimentícias dos palestinos foi retomado.

O que motivou a retomada da violência na região?

A tensão na região da Faixa de Gaza, território desocupado pelo governo israelense em agosto de 2005, aumentou após a recente intensificação dos ataques aéreos israelenses contra extremistas palestinos que lançam foguetes de fabricação caseira em alvos judaicos. O clima de confronto piorou depois que ao menos 14 civis palestinos, incluindo crianças, foram mortos por mísseis israelenses em junho. Em reação, rebeldes palestinos seqüestraram o soldado israelense Gilad Shalit, de 19 anos. Em troca pela liberação do militar, os rebeldes exigem que cerca de 1.500 prisioneiros palestinos sejam libertados de prisões israelenses.

Depois disso o governo de Israel autorizou uma ofensiva militar ainda maior

Qual é a importância do resgate do soldado para a resolução do impasse?

Apesar do governo de Israel legitimar a violenta campanha militar aérea “Chuvas de Verão” e novas incursões por territórios palestinos pela necessidade de resgatar o combatente seqüestrado, a ofensiva israelense tem outros objetivos.

Entre eles, destacam-se a intenção de intimidar o Hamas e de atender a uma demanda interna: a população israelense não aceita pacificamente os atentados palestinos. Dificilmente o resgate do soldado interromperia a ação das forças armadas de Israel.

Outros motivos para ataques mútuos seriam elaborados.

Quais são as conseqüências locais da ofensiva militar israelense?

O maior impacto da operação militar de Israel recaiu sobre os civis palestinos residentes na zona de combate. Com o fechamento das fronteiras da Faixa de Gaza pelas forças armadas israelenses, organizações internacionais de ajuda como a Cruz Vermelha não conseguem entrar para suprir a carência de alimentos e remédios que mata a população local. A ONU já lançou um alerta sobre a crise humanitária advinda da escalada de violência no Oriente Médio, mas o governo israelense ainda não se manifestou favorável a uma nova desocupação de territórios palestinos e reabertura de Gaza.

Como os dois governos se manifestaram diante da crise atual?

O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, responsabiliza o premiê palestino, Ismail Haniya, e o presidente da ANP, Mahmoud Abbas, pelo recrudescimento da violência. O presidente da ANP, por sua vez, classifica a incursão militar israelense nos territórios palestinos como “grave crime contra a humanidade” e também “massacre coletivo”. Abandonando possibilidades de resolução diplomática, o premiê palestino declara que as ações militares israelenses em Gaza não visam apenas resgatar o soldado seqüestrado, mas fazem parte de um “plano premeditado” para derrubar o atual governo do Hamas.

Fonte: www.heliorocha.com.br

Intifada

1987 – INÍCIO DA INTIFADA

Intifada: Guerra das Pedras

Revolta popular palestina contra a ocupação israelense na Faixa de Gaza e na Cisjordânia (Organizada pelo Hamas).

ACORDO DE OSLO – 1993

Local: Noruega
Intermediação:
Diplomatas Noruegueses
Partes:
OLP-Yasser Arafat e Israel-Ytizak Rabin
Acordo:
Autonomia para os Palestinos por 5 anos na Faixa de Gaza e na cidade de Jericó, Cisjordânia.
Após 5 anos forma-se o Estado Independente da Palestina.

ACORDO DE OSLO II – 1995

Local: EUA
Intermediação:
Presidente Bill Clinton
Partes:
ANP – Autoridade nacional Palestina (Yasser Arafat) e Israel (Ytizak Rabin)

Acordo: Aumenta as áreas sob controle dos Palestinos:

Seis cidades: Jenin, Naplouse, Tulkaren, Kalkiya, Rammallah e Belém
Nablus controle parcial

1995: Assassinato de Ytizak Rabin, por um radical Judeu.
1995-1996:
Ondas de atentados terroristas em Israel

Os Acordos de Paz

A partir de 1988, a OLP mudou seu discurso radical. Arafat renunciou ao terrorismo e aceitou participar de negociações com representantes israelenses e a intermediação dos Estados Unidos.

Em 1992, o governo trabalhista moderado de Itzhak Rabin passou a dialogar diretamente com a OLP e, em 1993, foi assinado em Washington um acordo histórico entre Arafat e Israel, após negociações realizadas em Oslo, na Noruega, onde foram firmados os Acordos de Oslo.

Nessas negociações, Itzhak Rabin concordou com uma gradual devolução dos “territórios ocupados” Gaza e Cisjordânia, para o controle palestino, em troca do reconhecimento do Estado de Israel e o fim das hostilidades.

Pelos acordos de Oslo, os territórios palestinos são formados por duas regiões separadas por 40 km de distância, nas quais estão assentados colonos israelenses.

Após 27 anos de exílio, Arafat voltou à Palestina para formar um governo autônomo, a Autoridade Palestina, da qual seria eleito presidente dois anos mais tarde, em 1996.

A Autoridade Palestina, não reconhecida pela ONU, significa o primeiro passo rumo ao Estado Palestino.

Atualmente os palestinos ocupam 40% do território da Cisjordânia e quase toda a Faixa de Gaza.

Em junho de 2002, os israelenses começaram a construir, entre Israel e Cisjordânia, um “muro de proteção” destinado a impedir ataques palestinos. O muro foi requisitado pelos israelenses, após onda de atentados suicidas que atingiu Israel desde o início da segunda Intifada, no fim de setembro de 2000.

Em 2004, a ONU condenou, com o apoio de 150 países, a construção da barreira.

1996 – ELEIÇÕES EM ISRAEL

Vitória do Likud – Partido de Direita, elegendo o Primeiro Ministro: Binyamin Netaneahu.

Fim das Negociações.

1999 – NOVAS ELEIÇÕES

Vitória do Partido Trabalhista/Esquerda elegendo o Primeiro Ministro: Ehud Barak.

Retomada das Negociações/Devolução do Sul do Líbano.

Levante de Jerusalém ou Nova Intifada – 2000

A crise começou no dia 28 de setembro, quando o político israelense Ariel Sharon visitou um local sagrado para os muçulmanos (Esplanada das Mesquitas). Os palestinos ficaram irados com a visita, e responderam com a destruição de um local sagrado judeu.

Nas três semanas de conflito que se seguiram, mais de 100 pessoas foram mortas -a grande maioria palestinas.

2001 – Novo Primeiro Ministro em Israel: Ariel Sharon: Ações de Sharon

Separação do território de Israel das áreas habitadas pelos palestinos: Muro da Vergonha ou Novo Muro de Berlim.
Invasão de cidades palestinas:
repressão ao terrorismo – “Guerra Contra o Terror”.
Retirada das colônias judaicas da Faixa de Gaza e da Cisjordânia.

2004 – Morre Yasser Arafat

Problemas que dificultam a Paz

Destino de Jerusalém:

Judeus consideram Jerusalém sua capital eterna e indivisível
Palestinos querem a parte oriental de Jerusalém como a capital de um futuro Estado Palestino.

Grupos radicais entre os árabes e judeus.

Refugiados Palestinos: Israel se recusa a aceitar o retorno de três milhões de palestinos refugiados.

Água: Palestinos querem uma divisão eqüitativa dos lençóis freáticos; Israel quer ter controle sobre 80% dos lençóis freáticos.

Fonte: www.colegioalaor.com.br

Intifada

A Intifada e a situação no Oriente Médio

A Intifada, reação palestina à ocupação israelense de territórios em Gaza e na Cisjordânia, está “comemorando” seu terceiro aniversário. Entretanto, a escalada da violência na região não trouxe alento à nenhuma das partes.

A última semana desse mês de setembro foi marcada por análises mais profundas, surgidas em todo o mundo, acerca do conflito entre Israel e Palestina. A Intifada, reação palestina à ocupação israelense de territórios em Gaza e na Cisjordânia, está “comemorando” seu terceiro aniversário.

Para os palestinos, as reivindicações políticas da Intifada – a conquista de um território palestino que inclua as terras tomadas por Israel desde a guerra árabeisraelense de 1967- são legítimas. Segundo eles, Israel estaria desrespeitando os limites territoriais estabelecidos quando de sua criação no fim da década de 40, ao ocupar territórios na Cisjordânia. Os palestinos alegam que essa ocupação seria impulsionada por motivos estratégicos – como o acesso a recursos naturais – e imperialistas por parte de Israel, intolerante para com seus vizinhos árabes.

A forma de ação adotada pelos palestinos não prioriza as negociações de planos de paz, mas a violência sem tréguas contra os israelenses.

Por outro lado, os israelenses argumentam que os territórios alegados invadidos foram conquistados na guerra de 67, e que ali há assentamentos e colônias judaicas expressivos que têm que ser protegidos.

Devido à escalada da violência na região, os israelenses iniciaram a construção de um muro entre Israel e Cisjordânia que, segundo eles, ajudará na contenção da entrada de terroristas palestinos em seu país. Esse muro -que já tem 150 km de extensão aos quais se juntarão mais 40kmé alvo de críticas por parte da comunidade internacional, que argumenta que ele constitui um empecilho às negociações de paz entre os dois países.

Nesses três anos de acirramento do conflito, os objetivos palestinos não foram alcançados: não só os territórios em questão não foram desocupados, como ainda houve o fortalecimento de tais ocupações. As duas economias encontram-se em recessão, a insegurança e a intolerância são generalizadas e a escalada da violência na região, calcada tanto nos diversos atentados suicidas palestinos quanto nas reações por parte de Israel já vitimou, nos últimos três anos, aproximadamente 3500 pessoas. Estima-se que, desse número, três quartos são palestinos e, o outro quarto, israelense.

Aparentemente, não há grande abertura para a negociação e implementação de um plano de paz eficaz, já que os prérequisitos exigidos pelos dois lados são conflitantes. Por um lado, os palestinos exigem que Israel se retire de territórios ocupados e que considere a criação de um Estado palestino. Já Israel exige que os grupos terroristas sejam controlados, e que a negociação não seja feita com o líder palestino Yasser Arafat, quem eles consideram dar apoio às ações terroristas.

Arafat está confinado em seu quartelgeneral na Cisjordânia há mais de um ano e meio.

A situação é realmente delicada. Como os grupos palestinos que realizam atentados agem à margem de qualquer determinação estatal e têm reivindicações diversas, tornam-se impassíveis de ser controlados. Como colocar sob um mesmo guarda-chuva palestinos que estão dispostos a negociar e aqueles que sequer admitem a legitimidade do Estado de Israel e defendem seu fim? Como fazer com que qualquer líder arregimente interesses tão divergentes e obtenha legitimidade e respaldo por parte da população –heterogênea- que representaria? E ainda, como criar uma situação de real cooperação e confiança entre dois povos que, devido a desavenças históricas, se combatem e,conseqüentemente, se odeiam?

Pode-se dizer que o ódio mútuo entre israelenses e palestinos é retroalimentado por suas próprias ações. Verifica-se então um círculo vicioso, onde um ato terrorista gera reações da outra parte que, então, levam a outros atos terroristas e assim por diante. Tanto os atos terroristas quanto as reações a eles são motivados e motivam raiva e rancor, vitimam inocentes e sedimentam uma situação na qual a paz – almejada pelos dois lados, diga-se de passagem- torna-se cada vez mais distante. Sob esse círculo vicioso fortalecem-se tanto os grupos extremistas quanto o argumento de que a negociação é impossível.

“Se as guerras nascem na mente dos homens, então ali devem ser erguidas as defesas da paz”, declara o ato constitutivo da criação da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO). É com base nessa premissa que diversos analistas do “aniversário da Intifada” argumentam que se deve tentar semear as sementes da paz nas gerações vindouras, criando-se assim uma cultura de tolerância e compreensão mútua que asseguraria uma paz duradoura. Mas isso só aconteceria se houvesse uma tomada de consciência – urgente-, por ambos os lados, de que a paz somente será alcançada por meio da diplomacia e da cooperação mútua, e não da violência.

Alice Andrés Ribeiro

Fonte: www.pucminas.br

Intifada

Origem

Intifada foi uma revolta iniciada em dezembro de 1987.

Os árabes palestinos para protestaran contra a ocupação da Cisjordânia e da Faixa de Gaza de Israel.

Intifada é uma palavra árabe que significa literalmente “inundação” ou “inundação”, embora seja popularmente traduzida em Inglês como ” revolta “,” resistência “, ou” rebelião “e que envolve grandes números de pessoas, daí o termo “inundação”. Ele é frequentemente usado como um termo para a resistência popular à opressão.

ORIENTE MÉDIO HOJE

Intifada é o termo que representa a insurreição dos palestinos contra os abusos promovidos pelos israelenses.

Originalmente, a palavra árabe “intifada” tem um significado geral de revolta.

O termo pode ser utilizado para exemplificar, então, qualquer tipo de revolta de um grupo contra outro de atitudes opressoras. Entretanto o termo ganhou destaque e especial atribuição aos movimentos de resistência promovidos pelos palestinos contra a política de Israel que é apoiada pelos Estados Unidos.

Mas além da mais famosa Intifada, o termo já foi usado para designar, por exemplo, três outros momentos: o levante dos clérigos xiitas contra a ocupação americana no Iraque, em 2003; por ocasião do domínio de Marrocos na região do governo exilado do Saara Ocidental, em 2005; e no protesto e expulsão das tropas sírias do Líbano, também em 2005.

O povo palestino é representado pela Autoridade Nacional Palestina e ocupa os territórios da Faixa de Gaza e da Cisjordânia, regiões teoricamente de propriedade dos palestinos. Isso porque a Faixa de Gaza, por exemplo, é considerado um território sem a soberania oficial de um Estado. De toda forma, os palestinos constituem um povo, com características culturais próprias e soberanas, como tal necessitam de um território que dê conta de suas especificidades.

O Estado de Israel desenvolve uma política opressora nos territórios de ocupação palestina, suas ações são apoiadas pelos Estados Unidos. Os israelenses forçam os palestinos a consumirem seus produtos, restringem os direitos de ir e vir, censuram e impedem outros tipos de liberdade da comunidade palestina. Por esses motivos, os palestinos se revoltam em defesa de seus direitos e da liberdade de sua cultura no Oriente.

Intifada
Yasser Arafat

A Intifada surgiu como movimento palestino no ano de 1987 quando, a partir do dia 9 de dezembro, surgiram os levantes espontâneos da população palestina contra os militares israelenses. A comunidade palestina, saturada pela opressão, combateu os militares de Israel fazendo uso apenas de paus e pedras, tal movimento caracterizou a chamada Primeira Intifada.

Intifada
Ariel Sharon

Mas a Primeira Intifada não colocou fim ao conflito israelo-palestino, pelo contrário, serviu para intensificar a tensão na região e aumentar a instabilidade do local.

Em alguns momentos a comunidade internacional tentou interferir para promover a paz na região, entretanto os envolvidos não chegaram a um acordo definitivo.

Um dos momentos de tentativa de conciliação aconteceu quando o tradicional líder palestino Yasser Arafat recusou a proposta de paz de Israel. Nesta ocasião teve início a chamada Segunda Intifada, quando o líder israelense Ariel Sharon caminhou pela Esplanada das Mesquitas e pelo Monte do Templo, ambos locais sagrados para judeus e muçulmanos. No dia 29 de setembro de 2000 os palestinos eclodiram uma nova insurreição.

A pacificação da região é muito complicada, a comunidade internacional reconhece alguma opressão de Israel nas regiões de presença palestina, mas por outro lado o país mais poderoso do ocidente capitalista, Estados Unidos, apóia as atitudes dos israelenses. Não se trata, também, apenas de uma pacificação do local resolvida por uma conciliação que encerre as manifestações de opressão, há interesses políticos, econômicos e religiosos que incendeiam a região. Nenhum dos lados tem interesse em ceder o controle sobre alguma dessas instâncias, o que acirra o conflito de interesses no local.

Grupos armados e terroristas se formaram dos dois lados para defender causas religiosas – em primeiro lugar – econômicas e políticas. O confronto entre israelenses e palestinos se intensificou e de forma mais bárbara. Em 2008, no dia 27 de dezembro, Khalid Meshal, o líder do Hamas, grupo armado por parte dos palestinos, convocou os palestinos para uma nova Intifada. As ações do Hamas, entretanto, são baseadas geralmente em ataques suicidas.

4 ANOS DA SEGUNDA INTIFADA: HERÓICA RESISTÊNCIA DO POVO PALESTINO!

Há 56 anos o povo palestino luta e resiste bravamente à ocupação de seu país pelo Estado de Israel. A política ditatorial racista do Estado de Israel, o sionismo, separa o povo palestino de sua própria terra, e trata qualquer tentativa de resistência como “terrorismo”.

Apoiado pelo imperialismo dos Estados Unidos, o governo de Ariel Sharon promove o genocídio do povo palestino, e está construindo um muro para segregar os palestinos, isto é, está implantando um “apartheid” nos territórios palestinos ocupados, separando as pessoas de seus locais de trabalho, de suas escolas e hospitais, bem como do acesso à água.

Além disso, o Estado sionista de Israel assassina as lideranças da resistência popular, e utiliza a mundialmente condenada prática das punições coletivas, levando o terror e a indignação a toda a população palestina.

Israel tenta estrangular a economia palestina, obriga o povo palestino a consumir produtos fabricados em Israel e impede o comércio de produtos palestinos fora dos territórios ocupados. Os palestinos são obrigados, para sobreviver, a buscar trabalho em Israel, passando por todo tipo de humilhações e recebendo baixos salários. Hoje 60% dos palestinos vivem abaixo da linha da pobreza, e, em algumas regiões, como na faixa de Gaza, o desemprego já atinge 60% da população.

A ditadura racista de Israel trata os presos políticos palestinos de forma desumana, submetendo-os às torturas e humilhações, e impedindo seus familiares de visitá-los. Nega também o direito de defesa, uma vez que muitos são presos sem acusação formal. Mas o povo palestino resiste, e através da guerra das pedras, a Intifada, vem demonstrando ao mundo seu heroísmo e enorme coragem.

Nos últimos 4 anos, desde o início da segunda Intifada, foram assassinados pelo exército de ocupação de Israel 3.659 palestinos, dos quais 795 crianças, 245 mulheres e 2.619 homens adultos. Além desses assassinatos, o exército de Israel feriu 27 mil palestinos e mutilou 3.500.

O governo fascista de Ariel Sharon também expulsou os palestinos de suas casas e terras: cerca de 7.500 casas de palestinos foram totalmente destruídas, 1 milhão de árvores frutíferas e oliveiras foram arrancadas, e 30 mil hectares de plantações, principalmente de trigo, foram envenenadas por herbicidas, levando a fome a grande número de pessoas, e ao aumento no preço dos alimentos. Se isso não bastasse, cerca de 224 mil hectares de terras palestinas foram confiscadas pelo estado de Israel, e mais de 73 mil hectares de terras palestinas foram totalmente arrasadas.

Com sua heróica resistência o povo palestino demonstra, à sua maneira, com a Intifada e outras formas de luta, que é preciso e possível enfrentar a opressão imperialista, mesmo em condições desiguais, pois a luta popular organizada é a condição para a vitória.

FUNDAMENTALISMO ISLÂMICO

Do ponto de vista teológico, o fundamentalismo é uma manifestação religiosa onde os praticantes de uma determinada crença promovem a compreensão literal de sua literatura sagrada. Não se limitando à realidade do mundo oriental, o fundamentalismo religioso aparece entre alguns grupos cristãos que empreendem uma compreensão literal da Bíblia.

Entre os muçulmanos, este tipo de manifestação apareceu somente no início do século XX. A vertente política do fundamentalismo passou a se organizar entre os muçulmanos quando alguns estudiosos e líderes fabricaram uma visão de mundo calcada em ideologias contemporâneas e interpretações particulares do passado.

Em suma, observamos que os líderes fundamentalistas do Islã reivindicam toda uma ordem de símbolos tradicionais na construção de políticas externas e formas de organização dos governos que fazem parte do mundo islâmico.

Contraindo a impressão de muitos, o movimento fundamentalista islâmico não possui o “horror ao Ocidente” e o “combate aos Estados Unidos” em sua gênese. A ação destes grupos aconteceu primordialmente na década de 1950, quando autoridades norteamericanas se mostravam visivelmente preocupadas com a ascensão de “populistas de esquerda” no Oriente Médio. Nessa época, os EUA temiam que algumas nações árabes integrassem o bloco socialista e, com isso, ameaçassem a indústria petrolífera.

Entre as décadas de 1950 e 1990, a associação entre os EUA e os grupos fundamentalistas esteve no epicentro de alguns fatos históricos. No governo do ditador Sukharno, mais de um milhão de comunistas indonésios foram assassinados pelos militantes do Sarakat-para- Islã. Em outras nações, como Síria e Egito, esse mesmo tipo de apoio logístico e militar foi empregado pelos norte-americanos para que os governos de esquerda perdessem seu respaldo.

O bom relacionamento com os fundamentalistas deu seus primeiros sinais de crise nos fins da década de 1970. No ano de 1979, os EUA forneceram armas e treinamento para que grupos afegãos lutassem contra os invasores soviéticos. Em contrapartida, naquele mesmo ano, os iranianos fundamentalistas derrubavam o governo apoiado pelos norte-americanos por meio da revolução. Nas décadas subsequentes, os Estados Unidos financiaram a chegada dos talibãs ao governo do Afeganistão.

Nesse momento, vários grupos fundamentalistas defendiam a tese de que os EUA promoviam as intervenções e alianças que se ajustassem melhor a seus interesses. Desse modo, a antiga aliança foi se transformando em uma relação de ódio em que os “terroristas” confrontavam o poder do “demoníaco império do Ocidente”. Em 2001, essa rivalidade chegou ao seu ápice quando os integrantes da organização Al-Quaeda organizaram o ataque às torres do World Trade Center.

Ao expor as relações entre a ascensão dos grupos radicais islâmicos e a política externa norte-americana, podemos notar que a questão religiosa tem função quase acessória. A ideia de que o islamismo em si fomenta essa situação de conflito renega todo um conjunto de situações construídas ao longo do século XX.

Com toda certeza, o problema do terrorismo hoje enfrentado pelos EUA decorre de políticas e ações diplomáticas equivocadas.

CARLOS FEREIRA

Fonte: www.colegiosantarosa-pa.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+