Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Arameus

Arameus

PUBLICIDADE

 

Os arameus, um povo, uma língua, de script, além de impérios

Arameus
Arameus – Escrita

A Civilização aramaica tem uma longa história como a primeira evidência de os sírios de volta para o início do século XI aC, e que em um estado muito avançado da língua, o aramaico ainda é falado em algumas aldeias na região de Mosul, no norte do Iraque, o Anti-Líbano e da Síria, perto da fronteira com o Líbano.

Aramaico História Antiga

Como de costume, as origens do sírios se perdem nas brumas da história. A primeira evidência clara de étnica “aramaico” são encontrados nas inscrições do rei assírio Tiglate-Phalazar I (1114-1076 aC Th. N..) Que evocam suas muitas batalhas contra o “arameus-Ahlamu” ao longo do Médio Eufrates, no norte da Síria hoje. Especificamente, o rei assírio se orgulha de ter vinte e oito vezes cruzou o Eufrates, duas vezes por ano, para derrotar os sírios que viviam Ahlamu, aparentemente em uma área que corresponde aproximadamente à atual Síria.

De acordo com algumas indicações de textos anteriores, particularmente a partir do século XIII aC. n. . è, certos grupos de proto-aramaico Ahlamu eram semi-nômades tribos na fronteira da Mesopotâmia reinos: Babilônia e Assíria norte a sul. Isto significa que os textos assírios considerá-los pessoas que constituam uma ameaça para a estabilidade do seu reino.

A tradição bíblica da B’nai Jacob, aparentemente a partir da Aram-Naharayim ou “Aram dos dois rios”, na curva do rio Eufrates, em torno das cidades de Harran e Nahur, parece confirmar que, ao século XIII aC. n. è., esta região foi habitada por pastores proto-aramaico.

Em geral, os israelitas mantiveram uma memória de seus antepassados eram sírios, dizendo: “Meu pai era um arameu errante” (Dt 26,5).

No entanto, embora parte da população arameu foi composta de semi-nómadas de pastoreio de seus rebanhos de ovelhas na periferia das áreas cultivadas, vivia em outra parte das cidades fortificadas e controle da área reuniram-se em vários reinos.

Tendo em conta o gráfico depois de confusão nome do país “Aram” e “Edom”, a tradição bíblica do Gênesis 36, 31-39 poderíamos trazer uma lista dos reis aramaicos de que o tempo que exerceu o seu poder no norte da Transjordânia.

A expansão de aramaica X-XI séculos

Depois de ter resistido a pressão sob a III Phalazar Tiglate-aramaico e Assur-bel-kala (1073-1056), Assíria parece ter estado na defensiva por mais de um século, de 1050-935, porque os sírios estão baseados enquanto cidades sobre o rio Eufrates, ao norte de Carquemis, na época do rei assírio Assur-Rabi II (1012-972). Esta expansão nos aramaico é confirmado por algumas informações esporádica da tradição bíblica, na fronteira sul do território aramaico.

De fato, no início do reinado de David, em torno de 1000, o rei de Bete-Rehov (libanês Beqa ‘) e Aram-Zoba (um pouco mais a norte), Hadadezer, parece levar uma coalizão de reinos arameus, – especialmente o Levante do Sul: Tov, e Geshour Maakah – e levou seus exércitos para o norte para o Eufrates (2 Samuel 8:3).

Visando apoiar o rei amonita, Hanum, o exército sírio de Hadadezer finalmente batido por que de Davi (2 Samuel 8 e 10) e do território que se estende de Damasco inclusive arameu controlada, uma vez, pelo Rei de Jerusalém.

Com a morte de David, Hadad, um príncipe da família de Hadadezer aramaico que haviam fugido de um momento no Egito, retornou à região de Damasco, que acabou por aproveitar, fundando o reino de Damasco (1 Reis 11 ,14-24), que durante dois séculos e meio, será o principal arameu reino do Oriente-Sul, pelo menos parcialmente, juntando os reinos arameus de Maakah, Tov e Geshour no norte da Transjordânia. Este importante reino arameu, muitas vezes, ser o principal adversário de Israel ao sul e ao norte da Assíria. Um de seus sucessores, Ben / Bar-Hadade, filho de Tabrimom / Tabramman também em breve tomar posse da parte superior Jordan Valley e da região Kinneret (1 Reis 15:20), contra o rei de Israel, Baasa (ca. 909-886).

Os reinos arameus contra o Império Neo-Assírio

Território norte do aramaico, a Assíria sob o rei acorda Ashur-Dan II (934-912) em seu sonho de dominação universal, depois de muitas campanhas militares, onde ela conhece êxitos e fracassos, ele acabará por eliminar todos os reinos aramaico aramaico e absorver toda a população dentro de seu império.

Por sua localização, o primeiro arameu reinos para ser bem absorvida no império neo-assírio foram aqueles localizados no nordeste, perto do rio Eufrates: Hindanu, EQIA, Suhu, sobre o Eufrates Médio e Nairi, Bit-Zamani, Bit-Bahiani (Gouzan) Azallu, Bit-Adini, na curva do rio Eufrates. Então, esta região vai experimentar uma simbiose política e cultural assírio-aramaico, que vai misturar as inscrições cuneiformes e aramaico inscrições alfabéticas.

O exemplo mais óbvio dessa simbiose assírio-aramaico é a estátua de Tell Fekheriyeh, fontes de Habour: final do século IX, o rei de Gouzan, Hadadyis filho de Shamash-Nouri, é representado uma estátua com uma dupla inscrição: assírios, frente, e aramaico, da parte de trás. Além disso, a inscrição em aramaico, ele se proclamou “rei da Gouzan”, enquanto que na inscrição do Neo-assírio, é simplesmente “governador Gouzan.” A dinastia mesmo poderia ser considerado um “rei” pela população local e aramaico como um “governador” pelo senhor Neo-assírio.

Com a expansão Neo-Assírio para o rio Eufrates, o rio será considerada para mais de um século como a fronteira natural do Império Neo-Assírio.

A reação pressão assíria aramaico reinos do sul-oeste, além do Eufrates, irá variar de uma área para outra e será organizado melhor e melhor.

Já, no início de seu reinado, o rei neo-assírio Salmanasar III (858-824) levou três anos para integrar o reino arameu da Bit-Adini que ficava nas margens do Eufrates, ao sul de Carquemis, contribuir e enviar para os reinos de ambos aramaico e néo-hittites/louvites à atual fronteira da Turquia e da Síria do Norte: Carquemis, Kummuh, Mélid, Samal, Gurgum, Patina (baixo vale do Orontes) e Aleppo. Luwian inscrições monumentais, especialmente aqueles de Carquemis, ou aramaico, especialmente aqueles de Zencirli – local da capital do reino de Samal leste do Amanus – Mostre-nos que os assírios eram por vezes muito bem recebido, porque eles ajudaram a agitar o jugo de vizinhos poderosos, enquanto o tributo a ser pago ao império assírio apareceu proporcionalmente ao invés de luz. Na verdade, há algum tempo, os assírios ficará satisfeito com um tributo anual, deixando no lugar do rei local, jogando rivalidades internas, possivelmente, e até mesmo guerras civis, impor príncipes assyrophiles, de bom grado aceitar a desempenhar o papel de vassalos.

Em 853, Salmaneser III também irá tentar apresentar os reinos do centro da Síria, no reino do especial de Hamate arameo-Luwian, mas seu rei, Irhuleni, em seguida, as chamadas para o apoio de outros reis do Oriente, especialmente o rei de Damasco , Adadidri, eo rei de Israel, Acabe. O exército dos aliados, com mais tanques do que o exército invasor, conseguiu parar o avanço do exército assírio, que por doze anos, vai quebrar contra a frente unida. Só quando, em Israel, o golpe de Jeú vai quebrar a unidade da coalizão de “reis da costa” Salmanasar III que ganhou um sucesso temporário, saqueando uma parte do reino de Damasco e aceitar a oferta Jeú, a apresentação representou o “obelisco negro” no Museu Britânico. No entanto, apesar de uma última tentativa em 838, o exército assírio não pode entrar de Damasco, quando o rei Hazael resistiu ferozmente a ele se opõem. Guerra civil no Império Neo-Assírio irá completar para remover, por alguns anos, a ameaça assíria.

Os reinos arameus beneficiar da folga para reforçar a sua unidade. Na verdade, o rei Hazael de Damasco, que se opuseram uma resistência bem-sucedida de Salmanasar III, se estenderá gradualmente seu poder em todo o Levante e encontram-se na cabeça de alguns vassalos trinta e dois reis. Cerca de 810, o exército do império aramaico de Hazael vai mesmo atravessar o rio Eufrates, com o interior de ferro do que era considerado território assírio durante cinqüenta anos. Este é o tempo que leva até o momento as primeiras inscrições em aramaico em monumentos, em fragmentos particulares da estela de Tel Dan, as fontes do Jordão, pequenas inscrições contemporâneas sobre marfim ou Hazael menção bronze.

Na ausência de escavações arqueológicas do sítio antigo de Damasco, essas inscrições em aramaico, e historiografia várias indicações dos livros bíblicos de Reis enfatizam a grandeza deste “rei de Aram” dominando não só todos os reinos arameus, mas também os da Fenícia , Palestina e Transjordânia. Seu reino também parece demonstrar um desenvolvimento econômico significativo com os contadores de aramaico em Samaria (1Rs 20.34) e com a difusão cultural da escrita alfabética. É talvez este tempo que o livro foi escrito “Balaão, filho de Beor, o homem que viu os deuses” em aramaico, conhecida na Bíblia (Números 22-24), que os extratos foram encontrados copiado para a parede de uma parede caiada em Deir Alla “no Vale do Jordão média.

Cada reino arameu manteve a sua organização política e as suas próprias tradições culturais. O próprio reino foi muitas vezes chamado de Beyt, tanto a casa e dinastia, o primeiro rei da linha. Eles falavam assim Beyt Hazael Beyt Gush … Cada reino tinha suas próprias tradições religiosas. No entanto, o chefe do panteão aramaico, é geralmente reconhecido o grande deus da tempestade Hadad, às vezes chamado de “mestre do céu” ou shamayin Baal, como na inscrição do Zakkour, rei de Hamate, ou ligado a Tal um grande santuário “Hadad de Aleppo”. Encontramos também outros deuses associados com as estrelas, especialmente Shamash, o “sol”, Sahar, a “lua” e “Pleiades” ou sibitti. Nós finalmente encontramos os deuses protetores dinastia Rakkibel como no reino de Samal Iluwer ou no de Hamat, ao lado de várias divindades tradicionais El, Elyon, Rashap …

As escavações arqueológicas de alguns sites como Zencirli aramaico, capital do reino de Samal, descobriram vários palácios, templos e muralhas reforçadas com valas. Parte dessa tradição arquitetônica é bastante reveladora de uma simbiose entre a tradição ea tradição néo-hittite/louvite aramaico manifesta particularmente na importância de estelas e baixos-relevos, principalmente de basalto. Escavações arqueológicas trouxeram à luz, bem como trabalhou a tradição iconográfica de marfim originais, que se manifesta particularmente na iconografia dos selos ou não registrado.

A expansão aramaico da segunda metade do século IX era curto. Após a adesão ao poder no 805-803, filho de Hazael, Bar-Hadade, terá de enfrentar a revolta do rei de Israel, Joás (805-803-790), depois para a de Zakkour, o rei de Hamate cuja inscrição real está no Louvre. Na época do rei neo-assírio Adad-nârâri III (810-783) e seus sucessores, na primeira metade do século VIII, é de fato o turtanu, isto é, o General cabeça, o segundo personagem do Império Assírio, Shamshi-ilu, talvez ligada a um aramaico família real, que vai decidir o assírio política vis-à-vis o império ocidental, desempenhando o papel de uma espécie de vice-rei para as Relações com os reinos arameus. Ele empreendeu várias campanhas militares, entrou em Damasco 773 e trouxe um espólio rico. Ele também desempenhou o papel de árbitro na definição de fronteiras entre os vários reinos da região, que tinham de cometer vis-à-vis Assíria por tratados de aliança ou de vassalagem, ao revelar o mais longo antigas inscrições aramaicas, as estelas famosos representando compromisso Sfire Mati’él rei de Arpad, a capital do Gush Beyt, no norte da Síria.

Com a chegada ao poder do rei assírio Tiglate-Phalazar III (744-727), o neo-assírio será sistematicamente imperialista, buscando integrar, possivelmente em várias etapas, todos os territórios dos reinos arameus. Em 740, depois de várias campanhas militares, o reino de Arpad transformado em províncias assírias. Em 732, é a vez do reino de Damasco, e três quartos do reino de Israel, o último trimestre a ser construída em 722. Em 720 foi a vez do reino de Hamate, e depois nos anos seguintes, que de Samal. No final do século VIII, não há mais reino arameu e seus territórios foram transformados em províncias do Império Neo-Assírio.

O império assírio-aramaico

O desaparecimento dos reinos arameus não sinalizar o fim de integração na vida política, econômica e cultural de todos estes reinos. Enquanto que, em caso de revolta, uma parte da população poderia ser deportado para a outra parte do império, a maioria dos sírios sobreviveu! Na verdade, através da integração em seu império para aramaico uma grande população, reis assírios converteu-o em um império assírio aramaico. Como observamos acima, esse fenômeno começou no século IX, no norte da Mesopotâmia e da integração dos reinos arameus do Levante de Tiglate-Phalazar III só tem acelerado. Sírios estão surgindo em todos os níveis da administração e do exército que tinha, de fato, por vezes integrados regimentos inteiros de exércitos derrotados.

Como iremos mostrar uma série de relevos que representam a gravação dos despojos, esfregou escribas acadianos muitas vezes “escribas em aramaico”, mencionou várias vezes explicitamente como tal no texto. Embora a escrita cuneiforme acadiano permanece inscrições monumentais reais, o aramaico é frequentemente utilizado em todos os níveis de governo, especialmente porque a escrita alfabética é mais fácil de aprender. É geralmente usada para escrever em folhas ou em rolos de couro que, infelizmente, desapareceram por causa do clima relativamente húmido.

No entanto, especialmente a partir do século VIII, os escribas também começar a escrever em aramaico em tabuletas de argila um número de atos jurídicos da vida cotidiana: os contratos a emprestar dinheiro ou cevada, compra de terrenos, leilões de escravos, prometendo … Escavações recentes em Tell Sheikh Hamad, o ex-Hard-Katlimmu, a Baía, o principal afluente do Eufrates Médio descobriram tabletes cuneiformes e comprimidos do aramaico mesmos níveis (século VII), que está sendo publicado.

Na verdade, essa integração no império levará a uma expansão geográfica do uso do aramaico. Aramaico agora pode ser usado em todo o Império Neo-Assírio. Ele vai mesmo ser encontrados em real inscrições nordeste da Assíria, a Mannaean reino (chamado de registro BUKAN), na Cilícia (Tarso matrículas pequenas) e para o Egito, um tempo controlado por Assurbanipal (668-627). Aramaico se tornou a língua de comunicação a maior parte do Oriente Médio, que todos os diplomatas devem definitivamente sabe, como nós revelamos o diálogo de Ministros de Judá Ezequias Senaqueribe da Assíria com rab-shaqeh diante dos muros de Jerusalém, em 701 (2 Reis 18.26).

No entanto, o ponto de vista lingüístico, esta aramaico será principalmente da Mesopotâmia, a partir do século IX estava em harmonia com a cultura ea língua dos neo-assírio. Ele irá incluir uma série de palavras de empréstimo, e por documentos legais, fórmulas semelhantes às fórmulas muitas vezes neo-assírio. Além disso, um dos livros usados ??para treinar escribas aramaico no final do Império Assírio vontade romance Aicar, que diz, em aramaico, na Mesopotâmia, as provações e aventuras de um alto funcionário do Tribunal de Senaqueribe e Esarhaddon.

O personagem aramaico do Império Assírio tornou-se cada vez mais claro durante o século VII. Assim, não são nós surpresa que, após a queda de Nínive em 612, a resistência dos últimos reis Neo-assírias está organizado em torno Haran, isto é, o coração de um aramaico região, que cair sob os golpes do exército Neo-babilônica em 610-609.

Aramaico no Império Neo-Babilônico

Durante sessenta anos, o Neo-Império Babilônico assume a partir do Império Neo-Assírio. Todos os registros oficiais dos reis são naturalmente Neo-babilônica cuneiforme, no entanto o uso do aramaico continua a crescer, como mostrado, em particular, costumavam ser rotulada na lateral, neo-babilônicos comprimidos com uma inscrição em aramaico curto que o escriba podia ler com mais facilidade. Por causa das muitas deportações de populações na região ocidental da Babilônia, a linguagem usual de comunicação de todas essas diferentes populações é aramaico que tínhamos ouvido muitas vezes nas ruas da Babilônia e nas principais cidades da região.

A influência da cultura aramaico se torna ainda mais evidente durante o reinado do último neobabilônicos rei, Nabonido (556-539), o aramaico, provavelmente, em parte original, ele prometeu uma devoção especial ao deus da lua de Harran que ele restaurou o grande templo. O pecado de Harran, em seguida, competiu com Marduk, o grande deus da Babilônia, e durante sua estada de dez anos na Arábia, no oásis de Teima, Nabonido a introduzir o uso do script aramaico, o que poderia ser usado em todo o Império.

Aramaico no Império Persa (539-331)

A entrada de Ciro na Babilônia em 539 marca a integração do território do Império Neo-babilônico no maior império territorial que o antigo Oriente Próximo conheceu. De acordo com Dario (522-486), este vasto império se estenderá desde o Indo a Trácia e sul do Egito (Elefantina / Aswan) da Ásia Central (Bactria).

O aramaico antigo país é encontrada principalmente nas províncias de Transeuphratene (Abar-Nahara) e Babilônia.

Não é a entidade mais política, mas a língua aramaica e difundir a cultura em todo o aramaico: script aramaico é usado como a língua comum de comunicação e administração em todo o império Aquemênida.

A propagação do script aramaico é bem atestado pelas inscrições: alguém se depara com inscrições em aramaico da Anatólia às margens do Indus pergaminhos e aramaico do Egito até o Uzbequistão. Aramaico também é usado por aliados ou reinos vassalos, como o reino árabe de Kedar. O bom funcionamento da administração e cobrança de impostos foram um dos pontos fortes deste imenso império foram grandemente facilitado pelo uso de caracteres alfabéticos escrever este fácil de aprender e usar. As muitas trocas entre as várias partes do império foram a criação de um desenvolvimento homogêneo da língua ao escrever evoluiu, integrando uma série de palavras persas, especialmente palavras que se tornam mais administrativa, no século IV.

Esta difusão de indiscutível aramaico como língua escrita não significa em absoluto que todas as populações deste imenso império falou ele. Deve-se distinguir a linguagem falada e escrita. Além da administração também pode usar, ao mesmo tempo, as línguas locais e scripts. Enquanto escrevia todo o império, o aramaico não era provavelmente o vernáculo de regiões que originalmente em aramaico ou, mais geralmente, a Mesopotâmia semita e Transeuphratene.

Aramaico no período helenístico

A conquista do império persa por Alexandre o Grande (333-331) não imediatamente chateado toda a organização do império Aquemênida. Seguindo a fórmula de Pierre Briant, Alexander foi, de alguma forma, “o último dos aquemênidas”, como ele manteve a unidade do vasto império. Na verdade, o ostraca aramaico da Iduméia, ao sul da Palestina, e os manuscritos de pergaminho do Uzbequistão serem publicados, mostram que a administração não só continuou a usar o script aramaico, mas exatamente o mesmo sistema e as mesmas fórmulas, apenas namorando há anos, em vez de Alexander os anos de Dario III.

A mudança cultural que vai fazer que, gradualmente, sob os sucessores de Alexandre, especialmente quando o Diadochi vão dividir o império. Grego, então, mover-se rapidamente como a linguagem administrativa, especialmente em não araméophones. Mesmo nesta última situação, ele vai emergir como a linguagem do comércio internacional e relações políticas. Assim, o uso do aramaico vai rapidamente desaparecer da Anatólia e Egito, ao mesmo tempo ele permanecerá na Síria-Palestina, que estão surgindo greco-aramaico inscrições bilíngües, e da Mesopotâmia, e entre as populações norte-árabe, como língua escrita.

No entanto, o desmembramento do império e da multiplicação dos royalties no final do período helenístico vai levar a uma diferenciação do script aramaico como reinos e regiões. As cartas irão evoluir de forma diferente na Palestina e na Mesopotâmia Inferior, e Armênia Nabatène.

Aramaico na época romana

Desde o século II aC. n. è., a desintegração do Império selêucida de Antioquia vai levar ao desenvolvimento de uma série de reinos locais que tentam desenvolver as suas tradições nacionais e usar do aramaico como língua oficial e por escrito.

Assim, vemos aparecer várias versões do roteiro aramaico:

Na região sul de Petra, a escrita Nabatean será usado em 169 aC. do século IV dC. n. è. para muitas inscrições monumentais e em moedas. Mesmo a transformação do reino dos Nabateus em uma província romana em 106 n. è. não marcar o fim da utilização do presente escrito que o desenvolvimento de cursiva será mais tarde subir para a escrita arábica. De fato, o paradoxo do aramaico em Nabatène é que ele foi usado como a linguagem escrita de uma população cuja língua vernácula era para ser um dialeto da língua árabe do Norte.
Na Judéia / Palestina, a dinastia dos Hasmoneus e Herodes levou a um renascimento da literatura hebraica. No entanto, a maioria da população falava aramaico literatura e aramaico a partir deste período é parcialmente conhecido do grande descoberta dos manuscritos de Qumran e do Deserto de Judá, o segundo constituído principalmente de textos de prática – cartas, contratos , contabilidade ostraca. Nos primeiros dois terços do primeiro século dC, as inscrições ossário na área de Jerusalém revelam trilinguismo de seus habitantes que poderiam utilizar o aramaico, hebraico e grego. De acordo com algumas palavras aramaicas preservadas nos Evangelhos, Jesus de Nazaré falava aramaico normalmente. O judaico-aramaico será encontrada mais tarde no Talmud de Jerusalém, escrito por volta de 425 n. è., aparentemente refletindo principalmente o aramaico da Galiléia.
No deserto da Síria, o oásis de Palmyra, em seguida, goza de grande prosperidade, pois controla o comércio entre o Império Parto e do Império Romano e conseguiu manter uma certa autonomia em relação ao Império Romano do primeiro século aC. no século III dC. n. è. O aramaico é a língua do reino e que conhecemos hoje cerca de 2000 entradas de Palmyra, principalmente inscrições monumentais e enterro, a trama um pouco educado, acompanhando um escultor conhecido por seu realismo e precisão dos seus detalhes.
Mais a norte, duas cidades da Alta Mesopotâmia, Edessa e Hatra, serão os principais centros econômicos e políticos, que vai irradiar cultura aramaico “oriental”. Edessa, hoje Urfa, no sudeste da Turquia, era o centro de um pequeno reino na fronteira do Império Romano. Édesséenne a tradição dos escribas mais tarde deu origem ao roteiro siríaco cuja literatura vai crescer especialmente com a difusão do cristianismo em todo o Oriente Médio.
Um pouco mais a leste, cerca de 90 km ao sul-sudoeste de Mosul, no norte do Iraque, Hatra é uma vez a capital de um pequeno reino na fronteira entre os impérios romano e parto do período helenístico no século III n. è. A dinastia local tinha o título de “Rei da Arábia” ou “rei dos árabes”, mas seu reino era limitado e suas inscrições em aramaico, o script aramaico representando uma evolução em letra cursiva aramaico desde o início do período helenístico. Havia cerca de 400 inscrições em pedra que datam do primeiro ao terceiro séculos de n. è. Podemos trazer dezenas de inscrições encontradas em Ashur, um pouco mais ao sul.
No sul da Mesopotâmia, em dominação Parthian, no Khuzestan atual iraniano, o principado de Mésène (Characene) desenvolveu uma variante local do aramaico evoluir mais tarde na redação do Mandaeans, uma seita religiosa que combina tradições babilônico, persa, judaica e cristã, com muitos textos mágicos e uma literatura especial.

O dinamismo desses vários reinos arameus subirá contra a expansão dos impérios romano e sassânidas e aramaico diminuir a expansão do Pahlavi, grego e latim, bem antes das invasões árabes do século VII. O árabe, em seguida, substituir aramaico tão lentamente como uma língua falada quando a escrita Aramaico foi preservado na siríaco abundante literatura, e na literatura religiosa judaica, Samaritano e Mandaean

Andre Lemaire

Fonte: www.clio.fr

Arameus

Os sírios são um antigo povo do Oriente Médio cujo legado – em primeiro lugar a linguagem – é transmitida aos tempos modernos em comunidades etno-religiosas do mesmo nome.

Os sírios modernas se identificam ou são identificados também como siríacos, assírios, caldeus, assírios, ou Araméo-Assyro-Chaldéo-Syriaques.

Desde o início do século XX, as comunidades aramaico se instalaram na América, Europa ou Austrália.

Eles nunca tiveram um império unificado, eles foram divididos em pequenos reinos independentes em todo o Oriente Médio. No entanto, eles terão o privilégio de impor sua língua e cultura para toda a região.

Civilização aramaico

Notamos que o povo aramaico, cuja linguagem foi adotado como a língua e como língua oficial no Oriente Médio por um longo tempo, é também aquele cuja história é o mais mal compreendido.

O estabelecimento na Mesopotâmia

O aparecimento desses nômades semitas que cruzou o Eufrates, a partir do leste, durante o século XIV aC. AD, está relatado na correspondência administrativa trocadas entre os hititas e Tell al-Amarna. Sabemos muito rapidamente que eles fundaram vários pequenos reinos, cidades-estados, relés e casas de comércio de caravanas em todo o centro da Ásia Ocidental. Seus objetivos parecem ter sido essencialmente controlar as rotas comerciais e rotas de comércio entre a Assíria, o país hitita e Palestina.

Seu reino de Adini Bit, Até Barsip que foi talvez o capital, há muito controlava a Khaboura vale na Mesopotâmia, quando a queda do império hitita lhes permitiu aumentar o seu poder. Seus principais pontos de presença são conhecidos Samal, Damasco, Arpad, Gouzana, Hamat, Sendjirli and Tell Halaf. Você vê-los em todos os lugares suceder o Mitanni e os hititas, sob condições que são ignorados.

Civilização aramaico

A falta de escavações e da incapacidade para continuar em locais-chave, como Damasco, por exemplo, impedir esclarecer a história de Aram, e discernir o que a arte era o aramaico.

Arte aramaico

Os resultados mostram as influências estrangeiras, deixando pouco mostram uma originalidade específica. O saldo de obras de arte datam do período áureo da arameus (segunda metade do segundo milênio) e manifestando um estilo particular é agora reduzido para a cabeça e Leão Djabbul Sheik Saad, além de alguns objetos de bronze , incluindo a famosa estatueta Mishriffé (Louvre). Os sírios, porém se destacou em marfim escultura e esculpiu todas as plaquetas encontrados no palácio de Arslan Tash foi atribuído por oficinas André Parrot sírios de Damasco, que ele acredita ter sido o principal centro de marfim o primeiro início de milênio. No entanto, notou-se o estilo extremamente composto dessas peças maravilhosas.

Arameus
Pedra funerária com uma inscrição em aramaico
Por volta do século VII aC., encontrada em Tell Neirab ou Afis (Síria).

Arameus
Mapa Aramaico

Fonte: www.memo.fr

Arameus

Aramaico

Um grupo, sob o nome de arameus, uma confederação de tribos que falavam uma língua semítica do Norte e que, entre o século XI aC e oitavo, ocuparam o país de Aram, uma região que engloba os territórios em vez estendido norte da Síria. Ao mesmo tempo, algumas dessas tribos, migrando para o leste e sudeste, apreendeu vastos territórios que pertenceram a Mesopotâmia.

Fontes que nos permitem reconstruir a história ea linguagem dos sírios são de três tipos: inscrições arcaicas encontradas no norte da Síria e que remonta ao décimo primeiro e décimo séculos aC, menciona que existem em assírio crônicas ao mesmo tempo; referências encontradas no Antigo Testamento.

Imperial língua persa no período de idioma, falado por Cristo e seus primeiros seguidores, aramaico longo desempenhou um papel de liderança.

1. História

No Antigo Testamento, uma tradição construída sobre as genealogias das Nações (Gênesis XI, 28 ss.) E do conto de Jacó e Labão (Gen. xxxi, 17 e seq.) Mostra os sírios intimamente relacionado aos Hebreus e que tenha residido, desde o tempo dos patriarcas, isto é, a partir do século XVI aC, todo o norte da Síria, na região de Harran. Embora muitos especialistas crêem que a tradição como anacrônica, é permitido, no entanto, localizar o berço das tribos de língua aramaica, onde o Velho Testamento diz, isto é, no deserto da Síria (permanecer “, o é, “Gênesis, XXIX, 1). Presumivelmente, essas tribos, evoluindo naturalmente evoluiu como muitos outros beduínos nômades, surgiu a partir do deserto, se estabeleceram nas terras vizinhas onde o solo foi cultivado e se misturaram com as pessoas que já estavam estabelecidos. É freqüentemente mencionada nas crónicas assírias de sírios. Eles são vistos como saqueadores, em conjunto com outra tribo, os Akhlaméens. Estes são mencionados pela primeira vez em uma carta que está marcado para cerca de 1375 aC, descoberto em Tell el-Amarna, que fica às margens do Eufrates. Cinqüenta anos mais tarde, chegaram as cabeceiras dos rios Tigre, mas foram repelidos pelos assírios. No século XIII aC, eles são atacados pelos assírios no Rio Khabur e no médio vale do Eufrates, onde se encontra estabelecido. Sírios são mencionados pela primeira vez por Tiglate-Pileser I, rei da Assíria (1115-1076 aC.), Que se orgulha de ter aberto contra eles e contra Akhlaméens vinte e oito campanhas em uma frente que se estende desde Tadmor (Palmira) para Anat e Rapiqu sobre o Eufrates Médio. No final do século XI aC, os sírios têm formado o estado de Bit-Adini, em ambos os lados do Eufrates, ao sul de Karkhemish.

2. Escrita e linguagem

O aramaico é uma língua semítica, estreitamente relacionado com hebraico e fenício. Mas que tem algumas semelhanças com o árabe. Ele usa o alfabeto fenício. O primeiro espécime conhecido de script aramaico remonta ao século X aC ou nono e foi erguida sobre um altar em Tell Halaf. Há muitos outros espécimes de Síria, que datam do século IX ou VIII, quando o aramaico foi usado para política ou religiosa. Essas inscrições mostram que o aramaico já estava se tornando uma linguagem literária. No século VIII, que tinha dado origem a vários dialetos, mas as pessoas educadas tinham uma linguagem comum e generalizada (II Reis xviii, 26-28). Os assírios se aceita como a segunda língua oficial. A deportação em massa das pessoas pelos assírios e aramaico que utilizam este idioma como língua franca pelos comerciantes babilônicos contribuiu para a propagação. Durante o período Neo-Babilônico, era comum na Mesopotâmia. Sob o império persa (539-323 aC.), O “Imperial aramaico” era a língua oficial do Egito à Índia. Após as conquistas de Alexandre, o Grande, grego substituído nesta função no Oriente ao longo de todo o império persa da antiguidade, mas os dialetos aramaicos sobreviveu até os tempos romanos, e encontrado no manuscritos algumas formas que foram dados nomes palmyréen de Nabataean, do Samaritano e Sírio. Alguns fragmentos do Antigo Testamento, tais como aqueles encontrados em Daniel e Esdras foram escritos em aramaico. O Talmude Babilônico foi, em grande parte, escrito em um dialeto do aramaico e do Talmud de Jerusalém em outra.

Na Palestina, o aramaico era a linguagem cotidiana do povo, o hebraico é reservado para o clero, autoridades governamentais, membros da classe superior. Jesus e os Apóstolos falava aramaico, junto com a Bíblia nas traduções hebraicas foram distribuídos em aramaico (Targum). Aramaico tornou-se popular no coração dos tempos modernos em algumas aldeias isoladas perto de Damasco, nas colinas de Tur-Abdin (Turquia Sudeste), em seguida, na margem oriental do Lago Urmia (Irã província Azerbaijão). Mas as comunidades cristãs continuam a praticar no leste da Síria. Encontra-se na liturgia judaica.

3. Cultura e religião

É difícil identificar fragmentos e artefatos descobertos por arqueólogos traços de uma cultura especificamente aramaico. O aramaico príncipes, incluindo-bit Bahiani e Sam’al, encorajou uma forma local de arte síria fortemente influenciada pelos hititas ou Mitannéens. Os sírios, sem dúvida, foram, de acordo com a localidade, o traje dessas pessoas. Mas os artistas assírios temos nos afrescos dos arameus Til Barsip como beduínos. E suas esculturas, que mostram os sírios da Mesopotâmia vestindo uma saia curta, barbudo, de turbante. As mulheres são cobertas com roupas compridas.

Embora seu panteão de deuses cananeus abritât, babilônios e assírios, arameus adoravam os seus próprios deuses. Haddad foi o principal ou Ramman (a Rimom Antigo Testamento), comparado com o deus das tempestades e horeus Techoub. O grande templo dedicado a ele era em Damasco. A deusa principal era Atargati (Astarte), que reuniu em sua pessoa duas divindades fenícias, Astarte e Anate. Seu santuário mais importante foi em Hierápolis, na Síria. Arameus adorado até mesmo Sin, deus babilônico da lua, Nabu, o deus da sabedoria. Shamash, o deus sol, El, os cananeus, o pai de todos os deuses, Reshef, deus da guerra e do trovão, e muitos outros. Há toda razão para acreditar que Yau, isto é, Yaveh, estava entre os deuses adorados em Hamate.

Bibliografia

A. Dupont-Sommer, os sírios, Paris, 1949
E. Forrer, “Aramu” em Reallexicon der Assyrologie, vol. Eu, em Berlim, 1928-1932
D. D. Luckenbill, registros antigos da Assíria e da Babilônia, 2 vols., Chicago, 1927
E. Meyer, Die Israeliten und ihre Nachbarstämme, Halle, 1906
H. Sanda, “Die Aramäer”, em Der Alte Orient, vol. IV, Parte 3, Leipzig, 1902
S. Schiffer, Die Aramäer, Leipzig, 1911

Fonte: www.universalis.fr

Arameus

Povos da Antiguidade: Arameus

Foram Tribos nômades da antiguidade que se estabeleceram na fértil região da Mesopotâmia, os arameus exerceram ali importante papel político, e sua língua, o aramaico, difundiu-se por vastos territórios, sendo adotada por outros povos.

Arameus
Arameus

Os arameus compunham um conjunto de tribos nômades que, entre os séculos XI e VIII a.C., partiu de um oásis no deserto sírio e instalou-se em Aram, uma extensa região na Síria setentrional. No mesmo período, algumas dessas tribos dominaram grandes áreas da Mesopotâmia. A primeira referência a eles ocorreu em inscrições do rei assírio Tiglate Pileser I, no século XI a.C., que afirmava tê-los combatido em 28 campanhas. No final desse século os arameus fundaram o estado de Bit Adini nos dois lados do rio Eufrates, abaixo da cidade de Carquemish, e ocuparam áreas na Anatólia, na Síria setentrional e na região do Antilíbano, inclusive Damasco. Por volta de 1030 a.C., uma coalizão de arameus da Mesopotâmia atacou Israel, mas foi derrotada pelo rei Davi.

Além de ocupar a Síria, as tribos araméias estenderam-se ao longo do médio e baixo Eufrates, junto ao médio Tigre e, para leste, até a Babilônia, onde um usurpador arameu foi coroado rei. Por volta do século IX toda a área compreendida entre a Babilônia e a costa mediterrânea era dominada pelos membros dessas tribos, mencionados na Bíblia como caldeus, nome de uma delas. A Assíria, praticamente cercada pelos arameus, reagiu sob a liderança de Assurnasirpal II e conseguiu subjugar um dos reinos arameus a oeste.

Em 856 a.C. o rei assírio Salmanazar III anexou Bit Adini e, em 853, travou batalha contra os exércitos de Hamat, Aram, Fenícia e Israel. Embora a batalha terminasse sem vencedores, em 838 Salmanazar conseguiu anexar as regiões dominadas pelas tribos no médio Eufrates.

Durante um século prosseguiram as guerras intermitentes entre Israel e Damasco. Em 740 a.C. o assírio Tiglate Pileser III capturou Arpad, o centro da resistência araméia na Síria setentrional, derrotou Samaria em 734 e Damasco em 732. A destruição de Hamat pelo assírio Sargão II, em 720 a.C. pôs fim aos reinos arameus do oeste.

Os arameus instalados junto ao baixo Tigre conseguiram manter a independência por mais tempo. De cerca de 722 a 710 a.C., um caldeu, Merodach-Baladan, governou a Babilônia e resistiu aos ataques assírios.

Na luta violenta que se seguiu à sua morte os assírios deportaram cerca de 210.000 arameus e, em 689 a.C., arrasaram a Babilônia.

Os caldeus, porém, não se submeteram: reconstruíram a Babilônia e em breve a luta se reacendia. Em 626 a.C. um general caldeu, Nebopolassar, proclamou-se rei da Babilônia e uniu-se aos medas e citas para derrotar a Assíria. No novo império babilônico ou caldeu, os arameus, caldeus e babilônios mesclaram-se, tornando-se indistinguíveis.

Língua

Sua língua se espalhou para os povos vizinhos. Eles sobreviveram a queda de Ninive (612 aC) e a Babilônia (539 aC) e continuou a ser a língua oficial do império Persa (538-331 aC).

O aramaico, língua semítica falada pelos arameus, aproxima-se do hebraico e do fenício, mas apresenta semelhanças com o árabe. Adotava o alfabeto fenício e sua inscrição mais antiga foi encontrada em um altar do século X ou IX a.C. Na Síria descobriram-se muitas inscrições que datam dos séculos IX e VIII a.C., quando se empregava o aramaico para fins religiosos ou oficiais. Por volta do século VIII já existiam dialetos, mas uma forma geral, amplamente utilizada pelas pessoas instruídas, era aceita pelos próprios assírios quase como uma segunda língua oficial. As deportações em massa promovidas pelos assírios e o uso do aramaico como língua franca pelos mercadores babilônicos serviram para difundi-lo. No período neobabilônio, seu uso era geral na Mesopotâmia. Durante o império persa, do século VI ao século IV a.C., o “aramaico imperial” era oficialmente empregado do Egito à Índia.

Alguns livros do Velho Testamento, como os de Daniel e de Esdras, foram redigidos em aramaico. Na Palestina, essa continuou a ser a língua comum do povo, com o hebraico reservado a assuntos religiosos ou governamentais e usado pelas classes elevadas. O aramaico era a língua falada por Jesus e pelos apóstolos, e traduções em aramaico circulavam com a Bíblia hebraica.

Além de preservar-se na vida cotidiana em algumas aldeias isoladas perto de Damasco, no sudeste da Turquia e na margem leste do lago Urmia (Irã), o aramaico continua a ser usado pelos cristãos sírios orientais, e é também recitado em trechos da liturgia judaica.

Povo ameaçado

Cristãos que falam a língua de Jesus e vivem na Turquia enfrentam o risco de extinção

O povo arameu e o aramaico, a língua que era falada por Jesus e os apóstolos, estão ameaçados de extinção. Os arameus são descendentes de tribos nômades da Antiguidade que povoaram a Mesopotâmia. O aramaico, idioma próximo do hebraico, foi predominante na região alguns séculos antes e depois de Cristo. Há livros do Velho Testamento redigidos em aramaico. O que hoje ameaça os arameus é o meio hostil onde vivem, uma terra árida e quente na fronteira da Turquia com a Síria e o Iraque. Ali eles são pouco mais de 2 mil, um povo cristão que tenta preservar sua cultura e língua imerso num mundo essencialmente islâmico. Já a diáspora aramaica, por força da necessidade que têm os imigrantes de se adaptar ao país que os acolheu, perde progressivamente seus laços com o passado. O número de arameus e seus descendentes espalhados pelo mundo é desconhecido (só na Alemanha, são 45 mil).

Atualmente, o perigo mais direto para a sobrevivência dos arameus é o conflito entre a guerrilha curda e o Exército turco. Os curdos, minoria com ambições nacionais, vivem mais ou menos na mesma área em que estão os arameus. Pego no fogo cruzado, esse povo é vítima tanto dos guerrilheiros quanto dos soldados turcos. A região, na fronteira já mencionada, é chamada pelos diáconos e monges aramaicos locais, seguidores da Igreja Ortodoxa síria, de Tur Abdin. Significa “monte dos servos de Deus”. Lá não se lê a Bíblia sem medo. A qualquer momento podem aparecer agentes do serviço secreto turco, que confiscam os livros sagrados. Diversas vezes os monges de Mor Gabriel, principal mosteiro de Tur Abdin, erguido há 1.600 anos, tiveram de enterrar os manuscritos antigos, escritos na língua de Jesus, para evitar pilhagens.

As mensagens de paz dos textos bíblicos não têm eco numa região onde a guerra é a única mensagem. Que o diga o arcebispo de Tur Abdin, Timotheus Samuel Aktas, um homem de barba branca e olhos tristes que tem denunciado, em vão, o isolamento e as perseguições que ameaçam seu povo. Para Aktas, os arameus não sobreviverão sem ajuda externa. “Somos seus pais, os primeiros cristãos, nos ajudem”, pediu recentemente o bispo em entrevista à revista alemã Focus. “Não temos nenhum político para nos apoiar.”

A palavra “sobrevivente” descreve de modo preciso a História dos arameus. A araméia Marika Keco, de 90 anos, ainda se lembra do massacre de 1915, o grande trauma de seu povo neste século.

Ela e outros anciãos de Tur Abdin ainda contam os horrores que presenciaram ou que lhes foram narrados por seus parentes: arameus enterrados vivos ou decapitados e mulheres grávidas evisceradas. Durante a Primeira Guerra, informam historiadores ocidentais, os turcos e os curdos, à época ainda unidos, massacraram pelo menos 10 mil arameus e 100 mil armênios. Os turcos prometeram entregar aos curdos nômades as terras dos arameus. Bastava que fizessem uma faxina étnica. Até hoje a Turquia e os curdos negam o massacre.

Como milhares de arameus, Marika Keco buscou refúgio, nos tempos sangrentos de 1915, em Ayinvert, aldeia situada em território turco, mas com forte presença curda. Há outra aldeia, chamada Midin, 25 quilômetros a sudeste, onde 250 arameus lutam desesperadamente para preservar costumes e tradições. É o padre, por exemplo, quem administra a Justiça. O castigo para roubo ou infidelidade é o jejum ou doações a famílias mais pobres. Os pais arranjam os casamentos dos filhos, que devem ser virgens.

Há um lago perto da aldeia, e tropas turcas aquarteladas numa de suas margens. Os militares não incomodam os camponeses, mas nunca mexeram uma palha para esclarecer alguns crimes que têm assustado os arameus. A história que todos repetem é a de Ladho Barinc, de 30 anos. Em 1994, quando ia visitar sua mulher, internada num hospital de Midyat, uma das maiores cidades da região, foi seqüestrado por desconhecidos e mantido em cativeiro durante seis meses.

Seus captores o acorrentaram e surraram diversas vezes. Exigiam que se convertesse ao islamismo e só o libertaram mediante pagamento de resgate de US$ 5 mil. Solto, Barinc decidiu servir a Deus e a seu povo e hoje ensina arameu às crianças de Midin.

Os líderes arameus locais também tentam combater a emigração. Mas é difícil. No mosteiro de Mor Gabriel, a meio caminho entre Ayinvert e Midin, só há dois monges para ajudar o bispo Timotheus Aktas. Um está velho e doente, e o outro, jovem e inexperiente, não pode se encarregar de tarefas importantes. Já as 14 monjas ficaram. Elas cozinham e cuidam da limpeza do mosteiro, além de acompanhar os 28 alunos que vivem como internos. São rapazes de aldeias araméias que dificilmente seriam aceitos nas escolas turcas da região.

A primeira onda emigratória, neste século, ocorreu a partir de 1915 – eram arameus apavorados com o massacre. Mais recentemente, nos anos 60 e início dos 70, os arameus voltaram a buscar a Europa atrás dos empregos então oferecidos a imigrantes. No início, estranharam os costumes ocidentais, mas aos poucos se integraram, dedicando-se sobretudo ao comércio. Não é, contudo, uma integração total. Os pais insistem em ensinar aos filhos as tradições e a língua. Todos se orgulham do passado, mas as novas gerações quase não entendem mais o significado dos hinos cantados em festas ou cerimônias religiosas.

Muitos arameus na Europa ainda sonham com a paisagem e as imagens de Tur Abdin, que guardam na memória, mas fingem não perceber como é frágil a situação daqueles que ficaram – justamente os responsáveis pela manutenção da identidade aramaica.

Schlomo, a saudação comum entre os arameus, significa paz, mas isso eles ainda não encontraram.

Fonte: povosdaantiguidade.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+