Breaking News
Home / História Geral / História do Zíper

História do Zíper

Zipper & Velcro

PUBLICIDADE

Zipper é um dos dispositivos os mais comuns usados na roupas atualmente.

Acredite-a ou não, apesar de sua popularidade inacreditável agora, quando o zipper lhe foi inventado primeiramente era um busto.

Em 1893, um coordenador mecânico de Chicago pelo nome de Whitcomb Judson, obtido uma patente para uma invenção nova chamou ” o prendedor hookless.

” (AKA o zipper primitivo) Judson, certo teria o sucesso imediato, indicado orgulhosamente seus wares na feira 1893 dos mundos de Chicago, planeando em aposentar-se dos riches que faria. Infelizmente, Judson não vendeu muitos prendedores hookless… No fato, vendeu 20, tudo ao serviço postal dos E. U. para fechar seus mailbags.

Como se sabe, a história do zipper não terminou esta maneira. Em 1913, Gideon Sundback produziu um modelo novo do prendedor hookless (essencialmente o zipper moderno) e vendeu muitos ao exército dos E. U. para a vários roupa e equipamento.

Cada prendedor hookless veio com um jogo das instruções em como usá-lo, por mais impar que possa parecer, porque nary uma alma teve visto o sempre uniforme antes. Apesar do modelo novo, das instruções acessíveis, e do contrato grande do exército, o prendedor hookless era ainda um rarity.

Em 1923, B.f. Goodrich requisitou 150.000 prendedores hookless para seu produto mais novo: galoshes de borracha.

Os galoshes venderam muito bem, e Goodrich, sempre creativo, chamado os prendedores hookless ” zippers ” após o som que fechando fizeram quando operados. O zipper tornou-se distante da cultura americana, e antes de por muito tempo, uma variedade larga de zippers caracterizados roupa.

Pensaria de que esta seria a extremidade de dispositivos da vist-asseguração; apesar de tudo, quantos avanços podem possivelmente ser feitos em a escolhem o campo da ciência? Entretanto, em 1948, o mundo da roupa seria mudado para sempre outra vez. Um mountaineer suíço nomeado George de Mestral hiking inocente através das madeiras quando observou rebarbas pequenas irritando furar a sua roupa.

Enquanto George se sentou para baixo, escolhendo fora das rebarbas, alvorecer nele que talvez poderia de algum modo usar estas rebarbas, ou ao menos em um dispositivo do rebarba-tipo para fazer a um roupa-prendedor mais grande uniforme do que aquele newfangled o contraption do zipper.

George encontrou um weaver em uma planta de textile em France para ajudar-lhe desenvolver sua invenção. Junto criaram ” travar a fita adesiva. ” (velcro primitivo) naturalmente, há sempre um problema, e George era como mass-produce a fita adesiva travando.

Em um bizarre, o acidente freak, George descobriu que quando o nylon sewn sob a luz infravermelha deu forma aos ganchos indestrutíveis. George foi ecstatic, até que realizou que ” travar a fita adesiva ” era quase tão mau de um nome quanto o prendedor hookless. Assim George pondered, e após muito pensamento laborious decidiu-se que o ” vel ” do ” veludo ” e da ” CTOC ” do ” crochet ” soou bom junto, e o velcro do termo foi carregado!

Desde que o pessoa como fácil de usar produtos e velcro era barato, pelos moinhos de textile dos 1950s churning para fora das jardas do sixty-million do velcro um o ano… não demasiado shabby, especial quando se considera quanto o velcro está usado hoje.

Partes do zíper

Resumindo, as partes do zíper são: Cadarço (algodão ou poliéster), ganchos (dourados, prateados, metalizados esmaltados e plástico colorido) podendo ser de largura média, fina ou grossa.

Os cursores são os carrinhos que deslizam pelos ganchos e pode ser coloridos ou metalizados e sobre os cursores vão os puxadores com ou sem trava.

O zíper pode ainda ser fixo ou destacável. O zíper destacável é usado em jaquetas que precisam ser abertas totalmente e seus ganchos normalmente são de peso médio porque se adaptam melhor ao peso da peça.

O seu comprimento varia de 10 cm a 70 cm, mas se for superior ou inferior a estas medidas é possível fazê-las porque todas as peças são vendidas separadamente e o cadarço pode ser vendido em rolo aos metros.

O zíper fino é usado para calças, vestidos, saias e blusas feitos em tecido leve. Os médios são para calças, jaquetas e peças que serão lavadas, e por fim, os grossos que são usados para fechamentos de malas e adornos de peças.

Atenção para o uso de zíper em jeans e fechos dianteiros de calças, estes devem ser sempre médios e ter pino com trava automática.

História do Zíper

Como é feito um Zíper?

Vamos mostrar o processo de fabricação desta peça tão importante no vestuário, revelando também as características do metal utilizado na produção.

O zíper de metal que conhecemos hoje é o sucessor do inventado por Withcomb Judson há mais de 100 anos. Durante esse período, o zíper foi sendo aperfeiçoado quanto a utilizacão das mais novas matérias-primas e exigências de qualidade, para atender as necessidades de um mercado sempre em busca de inovações como é o segmento de peças confeccionadas em jeans.

Processo de Fabricação

Tecelagem: Processo em que se tece o cadarço em teares de agulha, a partir de fios de poliéster. Sua principal característica é o bordo, localizado em uma dos laterais da fita de tecidos, onde são fixados os dentes e que da a resistência necessário às aplicações em peças confeccionadas em jeans.

Tinturaria: O cadarço é tingido nas cores desejadas em dois diferentes sistemas de tingimento: pressão, sistema convencional, feito em caldeiras e imersão, sistema continuo.

Grampeação: Processo onde os dentes são fixados no cadarço, formando a cremalheira do zíper. Um arame de latão, com formato e dimensões previamente determinados conforme a grossura da cremalheira é moldado, cortado e fixado sobre o bordo, um dente de cada vez, conforme o comprimento de zíper desejado. São grampeados, cada um dos lados da cremalheira por vez, os quais são posteriormente ligados.

Laminação: Escovação da cremalheira para uniformizar a altura dos dentes e eliminar possíveis rebarbas, possibilitando um deslizamento mais suave ao abrir e fechar o zíper.

Termofixação: Faz a estabilização do tamanho do zíper e elimina possíveis rugas e vincos existentes no cadarço.

Selagem: Fusão do cadarço na área de picotagem do mesmo, que formará as extremidades das pontas do zíper. A selagem permite que o cadarço não deslize durante o manuseio e nas operações de aplicação nas peças confeccionadas.

Aplicação do terminal inferior: Corte e aplicação de um arame de tomback ou alpaca, conforme o metal da cremalheira, junto aos últimos dentes da extremidade inferior da cremalheira. A função do terminal inferior é manter os dois lodos da cremalheira unidos e impedir que o cursor saia pela extremidade inferior ao ser movimentado.

Colocação do Cursor: O cursor é o componente do zíper que se movimenta sobre a cremalheira abrindo ou fechando o zíper. É produzido a partir de zamak (liga de zinco, alumínio, cobre e magnésio) por um processo de fundição, e posteriormente recebe acabamento em cobre, latão ou níquel em banhos de deposição eletrolítica. Neste processo é colocado o cursor na cremalheira, considerando o sentido correto de engrenagem dos dentes.

Aplicação dos terminais superiores: Corte e aplicação de uma fita de tomback ou alpaca, conforme o metal da cremalheira, junto ao último dente de cada um dos lados da cremalheira. A função dos terminais superiores é impedir que o cursor saia pela extremidade superior da cremalheira quando movimentado.

Picotagem: Último processe na fabricação, onde o cadarço, que até então era contínuo, é picotado formando as pontas e separando as peças do zíper de metal.

História do Zíper

Controle de qualidade

Em cada etapa de fabricação são feitos testes de controle de qualidade, visando garantir que o zíper de metal atenda as exigências dos processos posteriores a que é submetido na aplicação em peças confeccionadas em jeans e para o uso do consumidor. O zíper pronto é submetido a uma série de 12 testes de resistência e durabilidade, os quais obedecem a procedimentos e padrões internacionais.

Os principais testes que reproduzem os esforços que um zíper sofre durante o manuseio, tanto na confecção e lavagens, quanto nas mãos do usuário final, são detalhes importantes do Destaque & Use.

Outros detalhes

O zíper deve ser, no mínimo, igual a medida da vista da calça (braguilha) para se obter um maior o aproveitamento da abertura do cós o não aplicar esforço desnecessário sobre o terminal inferior do zíper.

O travete de segurança deve estar posicionado a 2 cm do final da vista da calça (braguilha), fazendo assim a proteção da junção das costuras da braguilha e do gancho, evitando esforço desnecessário sobre o terminal inferior do zíper. A correta localização do travete de segurança é especialmente importante se considerarmos que essa é uma das regiões da peça que sofre maior esforço nos processos de confecção e quando em uso pelo consumidor.

No que se refere às lavagens químicas, o zíper deve estar totalmente fechado para evitar, por exemplo:

Esforço sobre os dentes do zíper no local onde está o cursor, se o zíper estiver entreaberto.

Manchas na parte frontal da peça se houver problemas de oxidação por deficiência nas processas de lavagens.

Esforço sobre o travete de segurança, esforço sobre o terminal inferior se o travete de segurança estiver mal posicionado.

Para melhor garantir que o zíper permaneça fechado durante os processos de lavagem, é recomendado o cursor mola-plana, cujo sistema de trava faz com que o cursor fique travado mesmo durante a movimentação das peças.

Fonte: library.thinkquest.org/www.fashionbubbles.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Femicídio

Femicídio

PUBLICIDADE Femicídio é, em um sentido geral, o assassinato de mulheres especificamente porque elas são …

Hip Hop

História do Hip Hop

PUBLICIDADE O que é Hip Hop? Atualmente, o rap é um estilo musical bastante conhecido …

Economia Aberta

Economia Aberta

PUBLICIDADE Definição Economia de mercado, na maior parte livre de barreiras comerciais e onde as …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.