Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / História Geral / Dinastia Ming

Dinastia Ming

PUBLICIDADE

 

Dinastia Ming: 1368-1644: Reinado de 276 anos

Sucedendo à Mongol dinastia de Yuan, a dinastia Ming, reinou de 1368-1644.

Convencional e conservadora, retrógrada e pouco criativo, apesar de alguns aspectos brilhantes, o período Ming é o renascimento chinês último nacional.

Depois de perseguir os mongóis, Zhu Yuan Zhang, um líder rebelde lendário camponês e fundou a Dinastia Ming. Ele escolheu Nanjing como sua capital.

Em sua morte, seu neto mais velho filho, o sucede. Mas o tio deste, Zhu Ti, governador de Pequim não reconhece esta seqüência. Ele remove facilmente e seu sobrinho se tornou imperador Yongle. A capital foi, em seguida, mudou-se para Pequim, que permanecerá até o fim da dinastia.

O reinado de Yongle

O reinado do imperador Yongle (1403-1424), no entanto, ainda é famoso nos anais, pois era o mais luxuoso da história chinesa.

Poder ainda é forte o suficiente para mostrar o poder imperial fora das fronteiras: a conquista de Annam, Turquestão, a reabertura da Rota da Seda O imperador Yongle realizou inúmeros edifícios em Pequim, incluindo a Cidade Proibida, Templo do Céu e um muro ao redor de Pequim. O trabalho durou doze anos e mobilizar um milhão de pessoas dedicadas ao trabalho e cem mil artesãos. A Cidade Proibida é o símbolo de Pequim.

O trauma da invasão mongol ainda está profundamente enraizado entre os chineses han. Para evitar o retorno de uma nova onda de invasores, sucessivos imperadores Yongle e mobilizar milhões de pessoas em apoio à Grande Muralha. Muitos regimentos de soldados são reunidos ao longo da parede para combater qualquer ataque vindo do norte.

A maioria dos sites da Grande Muralha visitado por viajantes de hoje do período Ming. A parte localizada nos arredores de Pequim é um dos mais sólida e majestosa, uma vez que protege o capital e os túmulos dos imperadores Ming treze.

O surgimento de Ming: A sociedade Ming

O traço mais característico da sociedade Ming é o surgimento de uma burguesia poderosa. Comerciantes, desprezados pela tradição, pode finalmente s ‘s ricos e exibir livremente no final de um longo processo que teve início a partir das Cinco Dinastias e promovido pela dominação mongol, pouco interesse em fazer cumprir os valores confucionistas. No entanto, o serviço de estado civil, continua a ser um ideal, a burguesia se a procurar mensagens oficiais, que são possíveis através da divulgação do livro impresso. Qualquer pessoa pode adquirir a cultura necessária para os exames. Mas você também tem a fortuna, porque o triunfo da corrupção em todos os níveis. O imperador está rodeado por eunucos que mantê-lo na ignorância de eventos que filtrar e organizar a seu gosto os decretos.

Aqueles que não são capazes de “dar peso” às suas solicitações não têm o direito de ser ouvido. Finalmente, a condição de os camponeses, que constituem a outra extremidade desta hierarquia está longe de ser a melhorar. Assim, desde o início da dinastia, a situação interna não é saudável e gerar tumultos.

A Dinastia Ming governo adota um sistema altamente centralizado. Inevitavelmente, a dinastia caiu para trás sobre si mesmo. Protegido pela Grande Muralha para o norte, também fecha suas portas e fronteiras para viajantes internacionais.

No entanto, um evento de menor muda o curso da história. Em 1644, os rebeldes conseguiram invadir a capital. Quando o comandante de um forte estratégico da Grande Muralha descobre que sua concubina favorita está nas mãos de líderes rebeldes, ele em seguida, ordena as portas abertas para deixar o exército Manchu. Esta iniciativa irá resultar na queda da dinastia Ming e que o advento da Dinastia Qing.

Ming é um momento importante para a arte e literatura. O estilo do mobiliário e design interior é baseado na sobriedade e sofisticação. Zhengdhezing torna-se um centro de produção de porcelana. Entre os artefatos são distinguidos em particular os famosos vasos Ming azuis, conhecidos no mundo inteiro.

Crescimento Ming: A sociedade na Ming

Grande Muralha

Dinastia Ming
Grande Muralha

No século IV aC. AD, nos Estados em Guerra, algumas fortificações – de muralhas de barro e pedra simples – foram construídas pelos Estados do Norte. No final do século III aC. AD, o imperador Shi Huangdi ordenou a reunir as seções existentes em uma única parede colocando unificou a China apenas para garantir que contra a invasão. Assim, a Grande Muralha começou a tomar forma sob a dinastia Han (206 aC. AD BC-220.). Ela foi posteriormente de ser reforçado por diversas vezes. Foi em grande parte reconstruída, com um realinhamento sob a Ming, o décimo quarto do século XVII. Sob o Qing, foi novamente reforçada, especialmente em torno de Pequim.

Cidade Proibida

Dinastia Ming
Palácio da Harmonia Suprema

As autoridades insistem em chamar o Palácio Velho (Gugong). O edifício, realizado entre 1406 e 1420 pelo imperador Yongle, começou a trabalhar um verdadeiro exército de trabalhadores, por vezes, estimado em mais de um milhão. Os imperadores governaram a China a partir do palácio, todas as grandes decisões foram tomadas neste palácio da Harmonia Suprema.

Telhados da Cidade Proibida

Dinastia Ming
Cidade Proibida

A Cidade Proibida – assim chamado porque, durante cinco séculos, poucos eram aqueles que poderiam entrar nessa é os complexos mais gigantescas e arquitetônicos mais bem preservados da China. Era a residência de duas dinastias de imperadores, as dinastias Ming e Qing, que veio em apenas quando absolutamente necessário.

Templo do Céu

Dinastia Ming
Templo do Céu

É o mais belo templo na China. Este é o lugar onde o imperador, o filho do céu, veio para se comunicar com o Céu, na época do solstício de inverno, ele foi responsável pelas falhas de seu povo e pediu para ser a única vítima da ira dos céus, em caso de calamidade. Foi construído em 1420, todo o parque abrange uma área de 273 ha. A base circular é formada por três terraços.

Edifício principal do Templo do Céu, é composto de três plataformas de mármore branco e flanqueado por balaústres de mármore 360, o equivalente a 360 dias do ano. Somente o imperador tinha o direito de entrar no templo no dia do solstício de inverno, para solicitar que a safra do ano é boa construção e généreuse.La deste complexo de 270 ha em 1406 começou e terminou em em 1420.

Porcelana

Dinastia Ming
Porcelana

A Fábrica de Porcelana Imperial foi estabelecido em Ching-te-chen no início da dinastia Ming (1368-1644), ea partir desse momento, a posição de Ching-te-chen como um centro de produção de porcelana foi reforçada. A cerâmica imperial, que foram especialmente fabricados para o uso da quadra, são criados com uma delicadeza especial e não foi afixada a marca do reinado do imperador.

Mulher em pé

Dinastia Ming
Mulher em pé

Divindade feminina de pé sobre uma base quadrada nos pés. Alto tribunal pão e tiara, vestuário principescos e cachecol. Mantém uma lebre e um cogumelo da imortalidade na palma de seu braço esquerdo. Acaricie-a lebre da mão direita.

Datado do século 2 º semestre 14 (?) Do século 15 (?) Do século 16 (?), Primeiro meio século 17 (?).

Período / Style Ming (1368-1644).

Materiais / bronze policromado Técnica.

Dimensões H. 19,3; a. 8,4, 8,4 Pr.

Localização conservação Paris, o Museu de Artes da Ásia – Guimet.

Um rei do Mundo dos Mortos

Dinastia Ming
Um rei do Mundo dos Mortos

Figura Representação (divindade, o rei Yama, rei do inferno, juiz, pé).

Estátua de um rei do inferno, provavelmente pertencente a um grupo de dez números. Vestido como um soberano chinês de um vestido que cobre o corpo inteiro, e vestindo o rei está sentado em um trono. A figura impressionante do juiz dos mortos, tronco ereto, em um movimento contraditório e dinâmico. Ele fixou o olhar examinando a frente. Lançar um único jato; moldes de marcas visíveis juntas (característica comum dos budistas efígies de ferro); pátina marrom bonito.

Esta é, de acordo com o Sutra dos Reis Dez (Shiwangjing) da Terceira Rei Yama.

Rei do Inferno

Dinastia Ming
Rei do Inferno

Figura: Representação (divindade, o rei do submundo: o Rei Yama, juiz, pé).

Estátua de um rei do inferno, provavelmente pertencente a um grupo de dez números. Vestido como um soberano chinês de um vestido que cobre o corpo inteiro, e vestindo o rei está sentado em um trono. A figura impressionante do juiz dos mortos, tronco ereto, em um movimento contraditório e dinâmico. Ele fixou o olhar examinando a frente. Esta é, de acordo com o Sutra dos Dez Reis (Shiwangjing) do Rei Yama-se, que preside os Tribunais de Justiça Quinta “morada escuro”.

Shiwangjing fonte iconográfica (Sutra dos Dez Reis).

Namoro primeiro quarto de século 16.

Período / Style Ming (1368-1644).

Fonte: monique.vincent.pagesperso-orange.fr

Dinastia Ming

1348: no sul da China inicia-se revolução contra os mongóis.

Destaca-se o líder camponês Tchu-Ieng-Tchan, que ocupa a cidade de Nanquim e declara-se Imperador da China Meridional (Império Ming).

Posteriormente chega a Pequim e conquista todo o país.

A Dinastia Ming (1368-1664) deu grande prestígio cultural e político para a China, com imperadores cultos, mantendo-se até que os manchus ocupam o país.

Ocupação manchu tem ajuda da nobreza feudal chinesa, alarmada por uma grande revolução popular que ocupa Pequim e leva à fuga do último imperador Ming.

Manchus mantêm-se no poder até 1912, com a proclamação da República.

Imperadores

A Dinastia Ming é uma linha de imperadores que governou a China de 1368, quando substituiu a dinastia Yuan, em 1644, quando ela se vê suplantado pelo Qing.

Meados do século XIV, depois de mais de um século de domínio mongol na Dinastia Yuan, os camponeses chineses se revoltaram liderado por Zhu Yuanzhang.

Eles dirigiram os mongóis nas estepes da Mongólia. Em 1368, a dinastia Ming foi fundada.

Por metonímia, o termo também se refere à duração do reinado deste último. Fundada pela família Zhu, ela tem dezesseis imperadores

Ming, dinastia chinesa (1368-1644)

Depois de ter conduzido a partir de China regime mongol, o Ming vai se ser suplantado por um não-chinês a, dinastia Manchu Qing. O destino da dinastia último “nacional” apresenta muitos aspectos do “ciclo dinástico” clássico nascido de rebelião motivada por um regime corrupto e opressivo, fundada por um senhor da guerra pode reivindicar ter recebido o mandato celeste, os rostos, depois de uma fase inicial de reconstrução, as dificuldades de todos os tipos que, apesar de uma recuperação final em mãos, acabará por provocar uma crise nova e ganhar ..

Origens da Dinastia Ming, o vermelho turbante messiânico movimento de protesto contra o governo da Mongólia a partir de 1351. Um líder rebelde, Zhu Yuanzhang, montou sua base em Nanjing (1356), onde conquistou o império em uma dúzia de anos e onde ele proclamou-se imperador em 1368 com o nome do reinado de Hongwu. Seu filho-grand Jianwen (reinou de 1398-1402), que o sucedeu, o governo pretende fazer do poder civil e remover seu poder de seus tios, appanaged por Hongwu em fortalezas de fronteira. Um desses desaparecendo em Pequim e, após quatro anos de guerra civil, tomou o trono com o nome de reinado Yongle (que reinou de 1403-1424). Ele transferiu a capital para Pequim (1421), onde permanecerá até o final da dinastia, Nanjing capital remanescente secundário. O Grande Canal, remodelado, é o elo vital entre as províncias ricas do Sul e os centros políticos e estratégicos do Norte. Ainda regime militarista muito de Yongle (que pessoalmente levou cinco expedições contra os mongóis) sucessivos governos muito mais “Confúcio” e pró-alfabetizados burocracia, mesmo que as instituições do despotismo imperial estabelecido por Hongwu são preservadas. Colocar um fim às grandes expedições lançados por Yongle, seus herdeiros adotar uma política de retirada para as fronteiras e prohiben.

China Antiga

Em decorrência das invasões sofridas, a China foi dividida em reinos feudais independentes no período compreendido entre os séculos III e IV. Neste tipo de reino, o rei desempenhava a função de chefe religioso e aos nobres cabia a responsabilidade de defender o território contra as invasões estrangeiras.

Dinastias Chinesas

Após um período de luta entre os principados, quando os nobres já se encontravam mais fortes do que o rei, deu-se início ao surgindo das primeiras dinastias chinesas. A primeira delas foi a Sui, que no ano de 580 consegui unificar os reinos. No ano de 618, esta dinastia foi substituída pela Tang, que teve como ponto marcante a contribuição significativa com o desenvolvimento cultural do povo chinês.

A dinastia Tang entra em declínio após ser derrotada pelos árabes no ano de 751, sendo substituída, em 907, pela dinastia Sung, que elevou o crescimento econômico e estimulou o desenvolvimento da cultura.

Foi durante esta dinastia que a pólvora foi inventada.

A partir da linha de pensamento do filósofo Confúcio, que defendia a idéia de que a natureza humana é boa, porém, é corrompida pelo uso indevido do poder, a política foi influenciada de tal forma que contribuiu com a unificação cultural da China.

No período compreendido entre os anos de 1211 e 1215, os mongóis invadem a China e dão início ao seu império, que passa a ser dividido em 12 províncias; contudo, eles dão continuidade ao desenvolvimento alcançado pelo reino anterior.

Em 1368, a dinastia mongol é derrubada pela resistência interna, e, esta, assume o poder com o nome de dinastia Ming. Durante este período, foi realizada uma política que expandiu o território chinês para a Manchúria, Indochina e Mongólia. Entretanto, este reinado começa a cair em decorrência da chegada dos europeus, em 1516, e tem seu fim definitivo no ano de 1644, após a invasão manchu.

Quando estudamos a China, não podemos deixar de estudar outros dois pontos importantes: O primeiro deles é o budismo, que teve forte influência nas manifestações artísticas chinesas como a literatura, a pintura e a escultura. O segundo é a Grande Muralha da China, que foi levantada, antes do século III A.C, com o propósito de defender os principados contra as invasões de seus inimigos. Foi reconstruída ente os séculos XV e XVI cruzando o país de leste a oeste.

Fonte: www.geocities.com

Dinastia Ming

CHINA: GEOPOLÍTICA E HEGEMONIA NAVAL

RESUMO

A China através do estudo das teorias geopolíticas, e das estratégias militares dos países considerados potências mundiais, e em conjunto da análise de sua própria história, busca expandir seu poder marítimo e se tornar um Estado soberano e hegemônico no sudeste asiático. Esta expansão vem gerando conflitos nos mares asiáticos e tende a tornar a região um importante cenário estratégico global durante os próximos anos.

Introdução

A China, na busca da consolidação de sua soberania no sudeste asiático, vem utilizando as teorias geopolíticas ocidentais, e as estratégias militares; seu crescimento econômico, sua história e cultura. Vislumbram uma nova oportunidade histórica para exercer a hegemonia naval na região e se firmar internacionalmente como uma grande potência.

Da combinação entre as teorias geopolíticas, história e estratégias militares, temos uma abordagem diferenciada e ao mesmo tempo surpreendente da “nova geopolítica global”, que vem modificando o equilíbrio das forças no plano mundial. No entanto, não podemos desconsiderar que este novo e poderoso ator teve auxílio da comunidade internacional, recebendo um tratamento diferenciado desde sua ruptura com a antiga União Soviética e alinhamento com o Ocidente, bem como recebeu apoio irrestrito – político e econômico – dos Estados Unidos da América.

Essa abordagem diferenciada da “nova geopolítica”, que esta sendo executada pelo governo chinês, nos força a indagar sobre as teorias geopolíticas ocidentais, principalmente sobre o espaço vital e o poder naval, que tanto foram criticadas e ignoradas a ponto de reduzirem consideravelmente os trabalhos sobre o assunto no período pós segunda guerra mundial, só vindo a serem produzidos novos trabalhos na década de 1970, e mesmo assim com abordagens diferentes, não mais utilizando as idéias “pragmáticas” tais como: o poder marítimo versus o poder terrestre; a heartland; ou as condições para um determinado Estado tornarem-se potência mundial; e sim teorias a respeito do embate entre o capitalismo e socialismo, guerra fria e sua lógica, as perspectivas de uma terceira guerra mundial. Porém, devemos levar em consideração que a China é um Estado atípico e pragmático, portanto, as novas abordagens geopolíticas do ocidente não conseguem analisar de forma coerente as estratégias e ações que estão sendo executadas pelo governo chinês. Devemos também estar atentos aos conflitos que ocorrem atualmente nos mares da região, pois é com essa análise que poderemos traçar um perfil para melhor compreender as estratégias geopolíticas e militares do país, na busca da supremacia naval no sudeste asiático.

Panorama histórico da marinha da China

Para compreendermos a atual posição da China, devemos analisar os fatos históricos, culturais e políticos que antecedem o momento presente, ou seja, através do estudo deste panorama histórico podemos visualizar melhor e compreender os fatores estruturais, cívicos, econômicos e culturais que norteiam as atuais políticas.

Dentro deste contexto histórico – no que se refere à marinha chinesa – podemos destacar alguns fatos que tiveram importância fundamental para a busca da hegemonia naval, e que claramente interferem na política, nas relações exteriores, nas técnicas de engenharia e no aperfeiçoamento tecnológico-bélico, além do fortalecimento dos poderes militares e do patriotismo da população local. O primeiro fato histórico que deve ser levado em consideração diz respeito à construção do Grande Canal da China; sua construção foi iniciada durante a dinastia Sui, pelo imperador Yang Guang, no ano de 605 d.C., levando seis anos para conclusão da parte Sul, que liga o Rio Amarelo ao interior do “Estado da China”. Possuindo hoje a extensão de 1.79 quilômetros, é o mais extenso Rio artificial do mundo.

Com a utilização e aperfeiçoamento dos conhecimentos adquiridos durante a construção e a utilização do Grande Canal da China – tanto na construção naval quanto na engenharia civil utilizada – foi durante a dinastia Ming que a marinha chinesa conheceu seu período de maior esplendor.

A dinastia Ming governou a China de 1368 a 1644, construindo a marinha mais vasta da China, embora tenha existido um comércio marítimo privado e missões tributárias4 oficiais nas dinastias anteriores, a frota tributária comandada pelo comandante eunuco-muçulmano Zheng He (1371-1433) no século XV, superou todas as outras em tamanho absoluto. Os chineses enviavam missões diplomáticas para o ocidente desde a Dinastia Han (202 a.C. – 220 d.C.) e estavam envolvidos com comércio exterior não-estatal, estando presentes na África Oriental durante séculos, mas nenhuma missão comercial patrocinada pelo Governo desta grandeza e dimensão tinha sido montada antes. Para servir a diferentes missões comerciais no estrangeiro, os estaleiros navais da China construiriam dois mil navios entre 1403-1419, que incluía os grandes navios do tesouro que mediam de 112 metros a 134 metros de comprimento e 45 metros a 54 metros de largura. A primeira viagem, que ocorreu entre 1405-1407, foi formada por 317 embarcações com uma equipe de 70 eunucos, 180 médicos, 5 astrólogos, e 300 oficiais-militares, comandando um total estimado de 26.800 homens. As enormes missões comerciais foram interrompidas após a morte de Zheng He, mas sua morte foi apenas um dos muitos fatores que acabaram com as missões.

Outro fato se inicia com o imperador Yongle que havia conquistado o Vietnã em 1407, mas as tropas Ming foram expulsas em 1428 com grandes custos para a tesouraria da dinastia Ming. Os oficiais-acadêmicos também associaram os enormes gastos com a manuteção das frotas navais e com o aumento do poder dos eunucos na corte e, por isso, cortaram o financiamento às frotas, para barrar a ampliação da influência dos eunucos.

Em 1479, o vice-presidente do Ministério da Guerra mandou queimar os registros que documentavam as viagens de Zheng He. As Leis Navais que foram implantadas restrigiram os navios a um pequeno tamanho e o declínio da marinha Ming permitiu o crescimento da pirataria ao longo da costa marítima da China.

Piratas japoneses começaram a saquear navios chineses e comunidades costeiras, embora, grande parte da pirataria tenha sido realizada por chineses nativos.

Em vez de montar um contra-ataque, as autoridades optaram por encerrar as instalações costeiras. Todo o comércio exterior passou a ser realizado pelo Estado, através de missões formais; as políticas implantadas pelas autoridades instituiram uma proibição rigorosa de qualquer atividade marítima, mesmo que feita pela iniciativa privada, até sua abolição no ano de 1567.

Durante o século XVI, a economia da dinastia Ming foi estimulada pelo comércio marítimo com os europeus (principalmente portugueses, espanhóis e holandeses). A China, então, se envolveu em um comércio de bens, plantas, animais e gêneros alimentícios. Esse comércio com as grandes potências européias e os japoneses trouxe grandes quantidades de prata para a China, porém, nas últimas décadas da dinastia Ming esse fluxo havia diminuído, comprometendo assim as receitas estatais e por conseqüência toda a economia Ming.

Durante o século XVIII, a economia sofreu ainda mais com as calamidades naturais, más colheitas e epidemias freqüêntes que abalaram a população e fragmentaram o poder, favorecendo o surgimento de líderes rebeldes, que desafiavam a autoridade dos imperadores Ming.

No ano de 1949, o partido comunista chinês, tomou o poder e Mao Tse-Tung proclamou a República Popular da China, emparelhando-se com a União Soviética. Neste período, mais precisamente durante a década de 1950, a marinha da China recuperou, por meio da força, grande parte das ilhotas do seu litoral, que estavam sob controle dos nacionalistas de Chiang Kai-Shek.

Este emparelhamento com a União Soviética durou até meados dos anos de 1970, quando as relações com o ocidente começaram a melhorar, sendo que, em 1972, no auge da ruptura sino-soviética, a China estabeleceu relações com os Estados Unidos da América, e no ano de 1974, aproveitandose da derrota do Vietnã do Sul, apoderou-se do arquipálago Paracel.

Em meados de 1976, o governo da China inicia a transição de uma economia planejada para uma economia mista, com um mercado crescente e mais livre, sistema este chamado por muitos de “socialismo de mercado”.

Durante este período de transição, mais precisamente no ano de 1988, a China assumiu o controle do arrecife Fiery Cross, que era ocupado pelos vietnamitas.

Com esta “abertura” para o chamado socialismo de mercado, a economia chinesa passou a apresentar números de crescimento do PIB, na ordem de 11% a 15% ao ano, o que proporcionou investimentos estruturais e a modernização das forças militares, fato este que aliado aos antecedentes navais da China coloca todos os países da região – alias, todos seus antigos vassalos e tributários – em constante temor diante das ambições navais chinesas.

Geopolítica e estratégias militares da China em busca da supremacia naval

Com sua base econômica em pleno crescimento, mesmo com a crise econômica mundial (que eclodiu no final do ano de 2008) e com a queda na sua produção interna (apresentada no último trimestre de 2008 e primeiro trimestre de 2009); o Estado chinês é cada vez mais influente no plano econômico e político internacional, devido ao fato de ser um grande importador e exportador. A China, através de um detalhado e complexo plano geopolítico e militar-estratégico, que está sendo cuidadosamente colocado em prática pelo governo, visa expandir seu poderio naval e exercer o controle sobre a região do sudeste, sul e sudoeste Asiático.

No ano de 2006, um documentário da Televisão Central Chinesa (CCTV), composto por doze capítulos e intitulado: “Daguo Juequi – A Ascensão das Grandes Potências” apresentou à população chinesa e ao mundo, através de uma série de entrevistas realizadas com historiadores e estrategistas geopolíticos e militares as bases com as quais os impérios de Portugal, Espanha, Holanda, França, Inglaterra, Alemanha, Japão, Rússia e Estados Unidos da América se constituíram e prosperaram, e também os motivos da perda de suas hegemonias.

Esse documentário gerou uma grande empolgação na população, fato este que segundo seu idealizador Qian Chengdan, é bastante compreensivo, uma vez que: “a raça chinesa está revitalizada e, com isso, volta à cena mundial”. O documentário em questão foi encomendado pelo governo da China e claramente contém uma estratégia central, que consiste na busca do apoio da população local e de simpatizantes do regime governamental chinês para os programas de modernização militar que estão sendo executados no país; este apoio é de suma importância para o reconhecimento e legitimação destas políticas pela comunidade internacional, e nos remete à utilização dos “Aparelhos Ideológicos de Estado”.

O documentário “Daguo Juequi – A Ascensão das Grandes Potências” destacou também de forma categórica, os esforços e as realizações das grandes potências no setor naval, durante seus processos de ascensão. A abertura para o exterior realizada através do comércio internacional, das relações diplomáticas e de programas cooperação internacional; o controle de importantes corredores marítimos e de pontos de apoio que é essencial para a realização e para segurança do comércio com o exterior; o aperfeiçoamento de instrumentos; e a ação estratégica da marinha são fatores encontrados nas estratégias geopolíticas e militares da maior parte das Nações estudadas.

Essas características foram incluídas como prioridade pelo governo chinês, desde o ano 2000, que propõe a modernização e a expansão da frota naval do país.

Obviamente os estudos realizados são abrangentes e minuciosos, pois remontam desde o período das grandes navegações e do mercantilismo até o período neocolonial, com a observação e análise dos estudos realizados por Alfred Thayer Mahan, que abordou de forma teórica a constituição e a importância da marinha para hegemonia dos Estados Unidos da América, o exemplo de poder naval hegemônico a ser superado ou ao menos seguido. No entanto, esses estudos não desconsideraram a própria história da marinha da China, que foi soberana durante séculos, e que teve seu declínio devido a disputas internas pelo poder central.

Seguindo os planos do governo, no ano de 2007, navios chineses efetuaram visitas oficiais a portos franceses, australianos, japoneses, russos, cingapurenses, espanhóis e norte-americanos, e a convite da “Global Maritime Partnership Initiative – Iniciativa de parceria marítima global”, que busca desenvolver uma aliança marítima mundial, a marinha chinesa participou de manobras internacionais de luta contra a pirataria marítima.

Essas iniciativas chamadas de “Soft Power” devem ser analisadas levando em consideração o cenário regional, assim poderemos visualizar as estratégias centrais do governo chinês.

A primeira estratégia diz respeito às reivindicações sobre Taiwan, sendo que as autoridades chinesas estão decididas a recuperar sua soberania – mesmo com o uso da força se necessário – e sobre o perímetro das águas territoriais chinesas (Zona Econômica Exclusiva – ZEE), ao todo é reivindicado o pleno controle sobre quatro milhões de quilômetros quadrados de mar.

A segunda estratégia é a proteção das rotas marítimas de abastecimento de hidrocarbonetos, importantes para a China, uma vez que o país é atualmente o segundo maior importador mundial de petróleo. Simultaneamente a essas estratégias centrais, o governo chinês questiona o Japão sobre a posse das ilhas Diaoyu, que abrigam uma base militar norte-americana; esse questionamento aponta para o interesse de anexar as ilhas e a região à Zona Econômica Exclusiva chinesa, fato que não deve ser visto como provocação única e exclusiva aos EUA ou ao Japão, uma vez que existe na região das ilhas uma jazida que pode conter até 200 bilhões de metros cúbicos de gás, ou seja, o interesse é também econômico.

O governo chinês também vem disputando com o Vietnã e Taiwan o domínio do arquipélago Paracel; com as Filipinas, Malásia, Brunei e Indonésia a soberania sobre as ilhas Spratly e sobre o arquipélago das Pratas. Estes questionamentos e disputas estão muito além da apropriação de hidrocarbonetos e de outras riquezas do mar da China meridional, o que de fato importa é o acesso da frota naval da China ao alto-mar.

A estratégia consiste em uma primeira etapa, se impor sem contestação marítima possível, a Oeste de uma “linha de defesa imaginária”, que vai do Japão até a Malásia, passando por Taiwan e pelas Filipinas. Em uma segunda etapa, a China poderá forçar essa “linha de defesa imaginária”, passando assim, das águas pouco profundas do mar da China do Leste e do mar da China do Sul para as águas de uma segunda bacia que se estende do Japão a Indonésia.

Resolvidas estas questões regionais, a China terá plenas condições de garantir a segurança do transporte de mercadorias nos corredores marítimos sob sua área de influencia. A importância do controle sobre esses corredores marítimos é reafirmada na questão do estreito de Malaca, o principal gargalo de estrangulamento dos corredores de abastecimento marítimo, e que em caso de conflito ocasionaria grandes perdas de suprimentos para China. No intuito de minimizar essas perdas o governo chinês vem atuando em diversas frentes, e entre elas destaca-se a escavação e construção de um canal através do istmo de Kra, região localizada ao sul da Tailândia.

Conscientes da importância da proteção dos corredores marítimos e da possibilidade de realizar o antigo projeto de hegemonia naval, o governo chinês vem multiplicando e modernizando suas bases navais, portos fluviais e bases submarinas, buscando assegurar os fluxos de comércio exterior, que hoje dependem 90% dos corredores marítimos. Para tanto, dispõe, hoje, em cada base naval, de uma divisão aeronaval, com naves anfíbias, dragadores de minas, lançadores de mísseis, além de novos cargueiros e petroleiros.

Os chineses têm a participação de países estrangeiros que são fornecedores de equipamentos: como a Austrália, que fornecem catamarãs de alta velocidade, Rússia, que fornece destróieres e submarinos, Itália e França, que fornecem sistemas de combate, Holanda, fornecedora de canhões navais, e atualmente verificamos que o Brasil pode ser um cooperador em potencial do governo chinês; uma vez que a Embraer – reconhecida fabricante de aviões comerciais de pequeno porte, é também detentora de tecnologia de ponta para fabricação de aviões de combate – montou recentemente uma fábrica em território chinês.

A China parece estar decidida a não permitir que nenhuma manobra, de qualquer país, atrapalhe sua segunda oportunidade de se desenvolver como uma potência naval hegemônica e soberana.

As estratégias geopolíticas e militares que o Estado da China vem colocando em prática para obter a hegemonia naval, apresentam uma combinação que adéqua de forma harmônica, a considerada “geopolítica clássica” que é representada pelos trabalhos do geógrafo alemão F. Ratzel (1844-1904) e do estrategista e militar norte-americano A.T. Mahan (1840- 1914), na busca do espaço vital e do fortalecimento naval, com a “nova geopolítica” apresentada nos trabalhos do ex-secretário de Estado dos EUA, Henry Kissinger (1923) e do professor norte-americano Edward N. Luttwak (1943), aliando as relações diplomáticas com o interesse econômico. Essa combinação está modificando as ações geopolíticas, as estratégias militares, as relações diplomáticas mundiais, e reorganizando as áreas de influencia e soberania nos oceanos do Sul da Ásia.

Atuais Conflitos no mar do sudeste da China

Com a execução da política chinesa nos mares asiáticos em busca de uma hegemonia naval, tem sido grande o número de conflitos registrados, muitos são resolvidos diplomaticamente, porém, a tensão na região é cada vez maior. Muitos estrategistas dos Estados Unidos da América estão convencidos de que o Oceano Pacífico será o palco estratégico mais importante, no decorrer dos próximos cinqüenta anos.

Uma das principais concorrentes da frota naval chinesa é a marinha japonesa, poderosa e mais bem equipada, que vem mantendo há muito tempo parceria com a marinha norte-americana; porém, há dois fatores importantes a serem destacados, o primeiro diz respeito aos “testes” realizados pela frota chinesa através de inúmeras incursões submarinas, uma das quais resultou em um incidente envolvendo um submarino nuclear chinês em 2004, que culminou em um pedido formal de desculpas por parte do governo chinês. O segundo fator diz respeito à Constituição Pacifista do Japão, que revela um país atrapalhado e indeciso em suas ações político-militares, e que vem sendo criticada internamente.

Ao mesmo tempo em que a marinha chinesa vem construindo uma série de bases permanentes – para apoio logístico e bélico – distribuídas ao longo das orlas do Oceano Índico, a Índia, movida por ambições marítimas equivalentes, esta expandindo sua frota, com o objetivo estratégico declarado de fazer do Índico “o oceano dos indianos” e considerando a presença chinesa uma grave intrusão.

Além da Índia e do Japão, países como a Malásia e a Indonésia, estão preocupados com as investidas da marinha chinesa, principalmente por considerar que os Estados Unidos da América, devido à guerra no Iraque e a crise econômica mundial, deixem o caminho livre para a afirmação da soberania naval chinesa na região, de forma que essa ausência norteamericana nas águas do sudeste da Ásia se torne permanente.

O principal obstáculo para a projeção do poderio naval chinês seria a 7ª Frota Naval norte-americana, que há muito tempo esta patrulhando as águas da região, porém, o maior número de incidentes tem ocorrido entre as duas potências tanto nos mares como em incursões em outras regiões. Recentemente (no ano de 2001), um avião norte-americano, utilizado para espionagem, colidiu com um caça de patrulha chinês, o incidente foi resolvido diplomaticamente. Em março de 2009, cinco navios pesqueiros chineses fizeram manobras “perigosas” perto do navio “Impecable”, que pertence à marinha norte-americana, e que é utilizado para vigilância.

No plano diplomático, a Casa Branca se demonstra serena, buscando uma aliança cooperativa com a China, principalmente no combate a pirataria marítima, colocando a marinha norte-americana como observadora da evolução inevitável que deve conduzir ao retorno pacífico de Taiwan ao Estado chinês.

Esta postura do governo norte-americano já era aconselhada pelo ex-secretário de Estado dos EUA – Henry Kissinger – que classificava Taiwan como: “um problema interno da China e que os Estados Unidos da América têm a obrigação de se opor à sua independência, seu ingresso na ONU, ou às suas instituições, que são próprias de Estados soberanos”, e do reconhecimento pelo governo norte-americano de “uma só China”.

Considerações finais

A análise e o estudo das políticas que estão sendo colocadas em prática pelo governo da China nesta nova oportunidade histórica de conquistar a soberania diante dos países do sudeste asiático, e a tão sonhada hegemonia naval, trazem de volta o questionamento referente aos “perigos de um mundo multipolarizado”, no qual não se têm um inimigo definido que pode ser localizado em um ponto fixo; mas que também não têm a influência de um “xerife”, que possa equilibrar a correlação das forças no cenário mundial.

As políticas chinesas diferem muito das teorias desenvolvidas até agora, tanto no que se refere às criticas, e na afirmação de que as teorias geopolíticas clássicas perderam sua essência e caíram no “ostracismo” após a segunda guerra mundial, quanto da afirmação feita por alguns teóricos, de que no período pós-guerra fria, um Estado populoso, que têm um vasto território e que concentra grandes investimentos em equipamentos bélicos e nucleares têm menores possibilidades de se destacarem internacionalmente; a China é prova, de maneira incontestável, que a “teoria” ocidental em muito se difere das “ações” do oriente.

As ações a que nos referimos, e que estão sendo colocadas em prática pelo governo chinês, revelam o pragmatismo de uma potência que possui um enorme território, uma gigantesca população, enormes investimentos militares e que está em pleno desenvolvimento; e se dedica a influir de maneira harmoniosa e pacifica nas relações internacionais, mas que, pode agir militarmente utilizando a força.

O que se busca é abrir a China para o mundo, mas principalmente, abrir o mundo para a China; e devemos considerar que nos dias atuais muitas nações dependem do Estado chinês, tanto comercialmente quanto financeiramente.

Outro ponto importante e determinante para a utilização de inúmeras teorias geopolíticas para atingir a hegemonia naval – e com isto a soberania regional – diz respeito ao fato de a China ser um Estado atípico, que se proclama Comunista, mas que se alinha perfeitamente com a economia de mercado; que busca e implanta políticas cada vez mais liberais diante da comunidade internacional e ao mesmo tempo regula-se internamente com uma política ditatorial. Portanto, todas as análises e estudos que são realizados sobre a China esbarram em duas ou mais realidades completamente diferentes, o que impede que o conjunto final dos trabalhos seja totalmente conclusivo.

Provavelmente foram estas particularidades da política chinesa, aliadas à falta de complexidade nos estudos dos teóricos e analistas geopolíticos do ocidente sobre o Estado chinês, e o fechamento político característico deste regime, que impedem a divulgação de qualquer espécie de noticia e estudos, que permitiu o rápido e efetivo crescimento da frota naval chinesa bem como o controle de pontos estratégicos na região.

Hoje a China recebe um tratamento diferenciado por parte da comunidade internacional e principalmente do governo norte-americano, tanto no que se refere aos equipamentos nucleares quanto aos direitos humanos, embora, cada vez mais seja vista pela opinião pública norte-americana como “a nova grande ameaça amarela”.

O “perigo amarelo”, como era chamada a ameaça representada pelo Japão durante a Segunda Guerra Mundial, desponta hoje como uma fantasia.

Mas nem por isso a China, que não se esqueceu da Guerra do Ópio nem da pilhagem do Palácio de Verão, permitirá que qualquer nação a ameace ou a force a se submeter ao seu poder. Cada uma das suas realizações assume um valor simbólico.

Em 1989, vinte anos antes do crescimento da frota naval , a primeira embarcação da marinha chinesa a visitar oficialmente os Estados Unidos foi o navio de treinamento Zhang He – homenagem ao histórico comandante da marinha chinesa durante a dinastia Ming – na época, ninguém se preocupou em comentar seu nome.

Hoje a ambição marítima chinesa parece proceder da frustração de uma potência orgulhosa, que deixou passar a oportunidade de dar a guinada para a hegemonia mundial há 400 anos, e que vê neste momento histórico de fragilidade norte-americana o surgimento de uma nova oportunidade. Resta aos estrategista militares e geopoliticos uma questão a responder; qual será o futuro das águas agitadas do Sudeste Asiático?

Sidney Fico Manfrin

Bibliografia

Althusser, Louis P., Aparelhos Ideológicos de Estado, 7ª edição. Rio de Janeiro. Graal, 1998. Bernard Dreyer, La montée en puissance maritime de la Chine, Défense, Paris, dezembro de 2005. Castro, Iná Correa de. Geografia e Política – Território escalas de ação e instituições. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005. Costa, Wanderley Messias da. Geografia Política e Geopolítica: Discursos sobre o Território e o Poder. São Paulo: Edusp, 1989, 2ª edição, p. 68 – 76. Hobsbaw, Ash, Fukuyama e Luttwak. Depois do primeiro ato. Debates sobre a guerra do Kosovo. In: Folha de São Paulo, 07/05/2000, caderno Mais. Jornal O Estado de São Paulo. Site: www.estadao.com.br – 2008/2009. Joseph Kahn, The New York Times, 9 de dezembro de 2006. Lacoste, Yves. A Geografia – Isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra. Campinas: Papirus, 1988, 13ª edição. Mahan, Alfred Thayer. A influência do poder marinho sobre a história. Site: www.gutenberg.org – 2004. Revista da Semana. Site: www.revistadasemana.abril.com.br – 2008/2009. Tzu, Sun. A arte da guerra: por uma estratégia perfeita. São Paulo: Madras, 2005. Vesentini, José Willian. Novas Geopolíticas. São Paulo: Contexto, 2007, 4ª edição. Zajec, Oliver. A China quer os mares, in: Le Monde Diplomatique Brasil. Site: www.diplo.uol.com.br – 2009. Youtube. Site: www.youtube.com – 2008/2009.

Fonte: artigocientifico.tebas.kinghost.net

Dinastia Ming

O Império Ming ou o Tempo dos Dragões

Introdução

Segundo a tradição, o sistema dinástico chinês começou com rei Yu, por volta de 2200 a.C. Antes da sua dinastia, a transmissão ocorria pelo mérito.

Devido ao grande avanço em sua economia, o mundo hoje volta os seus olhos para a China, e desperta um interesse por sua história e cultura.

Carvalho chama atenção para o que se tem dito sobre a China, como por exemplo, os superlativos econômicos.

E ainda revela que nem os especialista estão salvo dessa fala básica que norteia a psicologia social dos povos: a alteridade.

Carvalho cita a obra de Jonh Fairbank e Merle Goldem, esses recorrem sistematicamente a comparações com a Europa para demonstrar algum fenômeno expressivo chinês.

Na atualidade são contados as proezas do modelo chinês de economia socialista de mercado, o que na prática é um capitalismo selvagem.

Os chineses foram transformados pelo imaginário ocidental num enigma.

Várias obras vêm sendo publicadas sobre a China, e algumas até alertam o mundo para o crescimento da economia chinesa.

Carvalho diz que há muito se tem considerado sobre a superlatividade chinesa.

Carvalho relata que mesmo não acreditando na concepção linear da história, é inegável que na época em que o Brasil era “descoberto”, não havia império que se comparasse em grandeza ao Ming.

Nesse caso, o capítulo em questão reúne reflexões sobre o império chinês como um todo, com ênfase na dinastia Ming.

O Império Chinês

A China, por volta do século III na era de Cristo, estava dividida em reinos, e o soberano da dinastia Zhou era apenas um símbolo.

É conhecido como Era dos Reinos Combatentes (403-221) o período em que os sete reinos ou estados do Norte da China disputavam a hegemonia entre si:

1. Qin
2. Zhao
3. Chu
4. Yen
5. Han
6. Chi
7. Wei.

Um problema das análises sobre a China é que se utilizam de conceitos ocidentais do feudalismo para expressar a descentralização do poder e as relações de vassalagem entre os soberanos.

O grande problema é que comparações sempre levam a superioridade de um povo sobre outro.

A utilização da cavalaria e ferro na produção de armas já demonstrava que a unificação seria apenas uma questão de tempo.

O reino Qin possuía pelo menos duas vantagens em relação aos demais:

1. A distância, que o preservava dos conflitos, e com isso perda de recursos
2.
A assimilação de técnicas de combate dos povos do leste.

Os Qin tiveram como medidas para a sua vitória a criação do poder, padronização de medidas, da escrita e da moeda.

O império Qin foi dividido em 36 capitanias, controladas hierarquicamente, e novas vias terrestres e fluviais foram abertas.

Os Qin eram tão obcecados pelo poder que mandaram queimar todos os livros, poupando apenas os clássicos. Isso foi feito para mostrar que a lei do soberano era a única.

O imperador Qin ficou conhecido pela sua tirania, cultuado entre outros por Yongle e Mao-tsé tung, pelos seus métodos de eliminação de adversários.

Não se sabe se o nome “china” vem da pronuncia de qin (tsi). O que se sabe é que é inegável que a cultura chinesa foi criada pelas dinastias anteriores.

Conceitos relevantes e características da mentalidade chinesa foram criadas sob a dinastia Zhou, por pensadores como Laozi, Confúcio, Chuangzi, entre outros.

A acupuntura criada pelo imperador Huang Di e as práticas sexuais, contidas no livro de medicina interna, nos leva ao milênio III a.C.

Os chineses sempre buscaram a harmonia em tudo que faziam, e que para entender uma técnica chinesa como, por exemplo, o yin-yang, é preciso estudar os elementos que o gerou, como se fosse um processo circular, se assemelhando com a visão holística.

É importante salientar que a China recebeu a influência estrangeira (o budismo, cristianismo e o socialismo).

Do budismo nasceu o zen.

O protestantismo cristão e o culto a Maitreya serviam de base à insurreição taiping.

O maoísmo nos países pobres e agrícolas transformou-se numa via alternativa de acesso ao socialismo.

O maoísmo nos países pobres e agrícolas transformou-se numa via alternativa de acesso ao socialismo.

O império chinês se considerava o centro do mundo, mais precisamente o Império do Meio.

A grande preocupação era afastar os bárbaros, principalmente os turcos e mongóis, e um exemplo dessa tentativa foi a construção da Grande Muralha da China.

A invasão dos bárbaros sempre foi uma preocupação para as dinastias que desprezavam guerreiros, comerciantes e estrangeiros.

O imperador estava entre o céu e a terra.

Se agisse com a vontade do céu, o resultado seria pleno, traduzido em abundância em tempos de paz, mas se desonrasse o “mandato” celestial, o resultado seria desastroso.

Dessa forma, o imperador preocupa-se em governar perante a tradição, cercado de eunucos, conselheiros e um difícil sistema burocrático.

O sistema autocrático era limitado por convenções de ordem religiosa e filosófica.

Lendas antigas sobre o Oriente de que existia ali um reino de maravilhas e os relatos dos primeiros dominicanos e franciscanos só fizeram aumentar a curiosidade europeia.

O império celeste no seu auge: a dinastia Ming.

Foi sob os bárbaros que o império chinês atingiu sua máxima dimensão territorial na dinastia Yuan (1276-1368).

Gêngis Khan conquistou a China e estendeu as fronteiras do império a territórios hoje conhecidos como China, Mongólia, Rússia, Coréia, Afeganistão, Síria, Irã, Iraque e algumas áreas do leste europeu.

Criando um império multiétnico e um eficiente sistema de comunicação.

Durante esse período, foram difundidas as grandes invenções chinesas, como a pólvora, a bússola e tipografia. Mas com o passar do tempo, as tropas mongóis foram perdendo a força inicial.

As tropas que estavam na China receberam terras, foram introduzidas ao cotidiano e casaram-se com mulheres chinesas.

Com a morte de Gêngis Khan, o império foi dividido em vários khanatos.

A dinastia Ming pôs fim ao domínio estrangeiro sobre a China, e por quase 300 anos (1368-1644) representou o período áureo do império celeste.

Zhu Yuangzhang foi o fundador da dinastia Ming, sendo bastante inflexível. Ele assumiu o trono como Taizu.

A convivência dos chineses com os mongóis havia ensinado aos chineses a importância da organização militar, mas no período de Zhu, denominado de Hongwa, predominou o terror.

Taizu centralizou a administração do império, e instituiu uma guarda secreta que multiplicara as punições aos supostos traidores.

Por muito pouco Tiazu punia ou mesmo executava os seus colaboradores. E foi pelo uso da força que ele conseguiu dar unidade ao império, esfacelado durante a ocupação mongol.

Como sucessor, Tiazu escolheu seu neto Zhu Yunwen, que viria a ser conhecido como Jianwen.

O imperador Jianwen prosseguiu com o terror. A corte era uma rede de intrigas, e as especulações sobre as origens do príncipe Zhu Di, príncipe de Yan, aumentava ainda mais essas intrigas.

Devido aos conflitos entre a liderança militar e autonomia do príncipe Zhu, os atritos foram inevitáveis, vindo a surgir a guerra civil.

Após as derrotas iniciais, o imperador tentou ganhar tempo demitindo seus principais conselheiros ou substituindo por aliados mais poderosos.

Foi a partir de Beiping, que o príncipe iniciou a jornada que lhe deu o trono, conquistando Nanjing em 17 de julho de 1402. Passou a ser chamado de Yongle.

Zhu Di passou a ser o imperador mais conhecido e estudado entre os Ming por causa das grandes realizações de seu período.

Yongle expulsou aqueles que eram ligados ao seu sobrinho, e ordenou que a própria história fosse reescrita, tentando apagar o período Jianwen.

Transferiu a capital do império para Pequim, por motivos de segurança, e edificou a Cidade Proibida.

A preocupação com os bárbaros fez com que reforçasse a Grande Muralha, e pelo uso da força fez populações inteiras migrarem para a nova capital.

E esse aumento populacional na capital demandou novos investimentos para poder alimentá-los, ocorrendo a ampliação do Grande Canal. A força naval da China dos Ming era também impressionante.

A partir de 1405, os chineses se aventuraram nos mares desconhecidos, e segundo Gavin Menzis, teriam chegado à América.

Os tesouros reais da China estavam expostos aos olhos.

O império celeste era quase tudo o que a mentalidade europeia deseja: riqueza, justiça e organização.

No império chinês não havia o Deus cristão. A religião nesse caso alimentava a alteridade e se transformava em cobiça.

Em 1421, uma tempestade de grandes proporções atingiu a cidade do imperador (Cidade Proibida), e o trono do imperador foi atingido por um raio.

O imperador entrou em depressão com a morte da sua concubina favorita.

No ano de 1433, as grandes expedições cessaram.

Aos poucos a dinastia perdia força. Os mandatos posteriores eram curtos e instáveis, ao passo que as sublevações camponesas ganharam intensidade.

A “globalização” da época enfraqueceu o sistema financeiro chinês: “a China utilizava originalmente moedas de cobre em seu comércio, mas a atividade exterior introduziu a prata do Japão e do Novo Mundo. A consequência foi uma inflação descontrolada, alimentada pelos gasto público e impostos crescentes” (p.165).

O último Ming, Chongzhen, cometeu suicídio em 1644.

As tropas de Li Zicheng tomaram Pequim, mas o exército manchu se aproximava de forma decisiva e não tardaria a impor sua dinastia Qin (pura).

Rodrigo Teixeira

Rafael Ávila

Referência Bibliográfica

CARVALHO, João Gilberto S.. O Império Ming ou o Tempo dos Dragões. In: SILVA, Francisco Carlos Teixeira da; CABRAL, Ricardo Pereira; MUNHOZ, Sidnei J. (coordenadores). Impérios na História. Ed. Elsevier. Rio de Janeiro.

Fonte: educaleaks.dominiotemporario.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Políticas Sociais

Políticas Sociais

PUBLICIDADE Definição Política social é um termo que é aplicado a várias áreas da política, geralmente …

Políticas Públicas

Políticas Públicas

PUBLICIDADE Definição A política pública é o guia de princípios para a ação tomada pelos poderes executivos …

Gerontocracia

Gerontocracia

PUBLICIDADE Definição Um estado, sociedade ou grupo governado por pessoas idosas. O que é uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+