Breaking News
Home / História Geral / Guerra dos Sete Anos

Guerra dos Sete Anos

PUBLICIDADE

Guerra dos Sete Anos – O que foi

Período: 1756-1763

Guerra dos Sete Anos (1756-1763), o último grande conflito antes da Revolução Francesa de envolver todas as grandes potências da Europa.

A guerra surgiu da tentativa dos Habsburgos austríacos para reconquistar os ricos província de Silesia, que tinham sido arrancadas deles por Frederico II, o Grande da Prússia durante a Guerra da Sucessão Austríaca (1740-1748).

Guerra dos Sete Anos (1756-1763) ( Guerra entre França e Inglaterra, apesar de vitoriosa a Inglaterra saiu com sérios problemas econômicos e sobrecarregou de impostos os colonos americanos.

Guerra dos Sete Anos, composta essencialmente por duas lutas.

Um centrada no conflito marítima e colonial entre a Grã-Bretanha e seus inimigos Bourbon, França e Espanha; o segundo, sobre o conflito entre Frederick II (o Grande) da Prússia e seus adversários: Alemanha, Áustria, França, Rússia e Suécia.

Duas outras lutas menos proeminentes também foram dignos de nota.

Como um aliado de Frederick, George II da Grã-Bretanha, como eleitor de Hanover, resistiu a ataques franceses na Alemanha, inicialmente apenas com Hanoveriano e as tropas de Hesse, mas a partir de 1758, com a assistência das forças britânicas também.

Em 1762, na Espanha, com o apoio francês, atacou aliado da Grã-Bretanha Portugal, mas, depois de verificações iniciais, o Português, graças ao apoio britânico, conseguiu resistir com êxito.

A guerra marítima e colonial mostrou um triunfo para a Grã-Bretanha, um reflexo da força da marinha britânica-si o produto da riqueza de expansão economia colonial da Grã-Bretanha e da força das finanças públicas britânicas. O francês planejado uma invasão da Grã-Bretanha, mas a sua frota foi gravemente espancada em derrotas em 1759 em Lagos de Portugal (19-28 agosto) e Quiberon Bay off Bretanha (20 de novembro).

Estas vitórias navais habilitado a Grã-Bretanha para fazer conquistas coloniais: Louisbourg (1758), Quebec (1759), e de Montreal (1760) na América do Norte; Guadalupe (1759), Martinica (1762) e Havana (1762), nas Índias Ocidentais; Manila (1762); e as bases francesas na África Ocidental. Os britânicos também prevaleceu na Índia, capturando a maior base francesa, Pondicherry, em 1761. Essas campanhas ao redor do globo demonstrada e sustentou a gama do poder britânico.

A guerra na Europa começou em 1756 quando Frederick II invadiu aliado Saxony da Áustria, a fim de negar uma base para o que ele temia seria um ataque Austro-Rússia sobre ele. A invasão foi bem-sucedida, mas que ajudou a criar uma poderosa coalizão contra Frederick. Ele pressionou a invadir Bohemia, mas os austríacos oferecer resistência inesperadamente forte e obrigou-o a retirar-se.

Sobrevivência de Frederick era o produto de boa sorte e sucesso militar, não só uma série de vitórias impressionantes, como Rossbach e Leuthen, mas também a vantagem de lutar em linhas interiores contra uma aliança estratégica e politicamente dividido. Interesses russos centradas na Prússia Oriental, os austríacos foram mais preocupado com Silesia, e os franceses dedicado cada vez mais os seus esforços para a guerra com a Grã-Bretanha.

Embora Prússia sobreviveu à guerra, as baixas eram muito pesadas. Frederick descobriu como exposto seus domínios foram, embora sua extensão lhe permitiu abandonar o território e, portanto, para o espaço comercial para o tempo vital que ele precisava para explorar linhas internas, a fim de derrotar os seus adversários individualmente.

Em 1757, a Prússia Oriental foi invadido pelos russos, mas Frederick derrotou os franceses em Rossbach (5 de novembro) e os austríacos em Leuthen (05 de dezembro). Em 1758, os russos capturaram Prússia Oriental, mas a sangrenta Batalha de Zorndorf (26 de agosto), em que Frederick perdeu um terço de sua força e os russos dezoito mil homens, bloqueou sua invasão do coração prussiana de Brandenburg. No ano seguinte, os russos derrotaram Frederick em Kunersdorf (12 de agosto), os prussianos perder quase dois terços de sua força; mas os russos não conseguiram segui-lo através de uma ação concertada com a Áustria. Em 1760-1761 os austríacos consolidou sua posição na Saxônia e Silésia, enquanto os russos apreendidos temporariamente Berlim e invadiram Pomerania. Frederick foi salvo pela morte de seu inimigo mais determinado, czarina Elizabeth, em 5 de janeiro de 1762 e a sucessão de seu sobrinho, Pedro III.

Frederick era o seu herói, e ele rapidamente ordenou que as forças russas a cessarem as hostilidades. Isolada, a Áustria foi conduzido a partir de Silésia e obrigado a assinar a paz a Hubertusberg em 15 de fevereiro de 1763, com base em um retorno à situação de pré-guerra.

Dificuldades de Frederick surgiram, em parte das recentes reformas realizadas nos exércitos austríacos e russos. Os russos, em especial, lutou bem, e seus recursos formidáveis causou uma impressão poderosa em Frederick.

Para lidar com esses desafios, Frederick foi obrigado a mudar suas táticas durante a guerra: como todos procuraram evitar os erros da temporada de campanha do ano anterior, a guerra foi moldada pela dinâmica de fluidos dos exércitos rivais. Inicialmente, Frederick invocado aço frio, mas depois de sofrer pesadas baixas de canhão austríaco e mosquete fogo na Batalha de Praga (6 de maio de 1757), ele colocou mais ênfase nas táticas de poder de fogo, por exemplo, em Leuthen. Frederick tornou-se mais interessado em usar artilharia como uma chave para abrir frentes de batalha em deadlock. No entanto, o sucesso de Frederick em evitar a derrota decisiva nas mãos de seus adversários podem distrair a atenção da extensão em que eles foram capazes de inovar, a fim de responder às táticas prussianos.

O ataque ordem oblíqua prussiano (em que um lado da linha foi reforçada e usado para ataque, minimizando a exposição ao fim mais fraca) perdeu a sua novidade, e da Guerra dos Sete Anos, demonstrou o carácter essencial da guerra européia: a semelhança de armamento, treinamento e equilíbrio entre os braços de componentes de diferentes exércitos tornou difícil de alcançar os sucessos arrebatadores que marcaram alguns encontros com forças não-europeus.

Guerra dos Sete Anos – Conflito

Guerra dos Sete Anos

Guerra dos Sete Anos foi um conflito entre as grandes potências europeias com a França, Áustria e Rússia de um lado e Grã-Bretanha e da Prússia, do outro.

Conflito entre Inglaterra e França, de 1756 a 1763, que se alastra do território norte-americano ao continente europeu.

A guerra coincidiu com a luta colonial francesa/inglesa na América do Norte e na Índia.

Como resultado do conflito Grã-Bretanha tornou-se líder na colonização no exterior e Prússia surgiu como uma força poderosa na Europa.

Prússia começou a sua ascensão ao poder durante a Guerra dos Trinta Anos. Prússia tornou-se um reino em 1701. O rei prussiano ainda devia lealdade ao imperador do Sacro Império Romano, em Viena, mas a rivalidade entre os dois governantes foi crescendo cada vez mais acirrada.

Frederico, o Grande começou seu reinado, ao mesmo tempo que a imperatriz Maria Theresa se tornou o monarca da Áustria.

Quando Frederick aproveitou a província da Silésia da Áustria Maria Theresa organizou uma aliança de França, Suécia, Rússia, Saxony, Áustria e outros países. Frederick, que se sentia isolado, concluiu um tratado com a Grã-Bretanha.

Frederick atacou primeiro ultrapassagem Saxony. Enfrentando uma oposição de 20 vezes superior em número de população, a Prússia lutavam pela existência.

Frederick utilizada a vantagem de suas linhas interiores de comunicação para atingir um número de vitórias decisivas, mas em 1759 as forças austríacas e russas unidos quase destruiu o exército prussiano na batalha de Kunersdorf.

A salvação de Frederick veio com a morte da czarina Elizabeth em 1762 o que significava que a Rússia retirou-se da guerra. França e Suécia estavam exaustos e Áustria profundamente em dívida.

Áustria teve de negociar uma paz, Frederick mantido Silesia, ea Grã-Bretanha conquistou a América do Norte e na Índia.

Guerra dos Sete Anos – História

Guerra dos Sete Anos

Sua origem está na rivalidade econômica e colonial franco-inglesa nos EUA e na Índia e na ocupação dos estados franceses da Terranova e Nova Escócia, no norte da América, por colonos britânicos instalados na costa nordeste.

Em reação, tropas da França aliam-se a tribos indígenas e atacam as 13 colônias inglesas da região. Diante da investida francesa, estas são obrigadas a unir-se à Coroa britânica, deixando de lado os atritos comerciais com a metrópole. A Inglaterra é a vencedora do conflito, chamado pelos norte-americanos de “a guerra contra os franceses e os índios”.

Na Europa, a guerra propaga-se em razão do êxito inicial francês sobre as colônias norte-americanas. A Inglaterra junta-se à Prússia e bloqueia os portos franceses. Os ingleses apoderam-se de Quebec e de Montreal, conquistando até a região dos Grandes Lagos.

Dominam ainda os territórios franceses nas Antilhas, na África e na Índia. Em conseqüência, a Inglaterra submete grande parte do Império colonial francês, especialmente as terras a oeste das colônias norte-americanas.

A França cede à Inglaterra o Canadá, o Cabo Bretão, o Senegal e a Gâmbia e, à Espanha que entra na guerra em 1761, a Louisiana. A Espanha, por sua vez, cede a Flórida aos ingleses.

Apesar de triunfante, a Inglaterra está em péssima situação financeira.

Em Londres, o Parlamento decide penalizar os colonos com parte dos custos da guerra.

Alega que foi insuficiente o fornecimento de homens e de equipamentos para garantir a vitória contra os franceses. Junto com a taxação, tenciona-se ampliar os direitos da Coroa na América e forçar um regime de pacto, restringindo as transações comerciais das colônias.

Os protestos surgem e a revolta aumenta com a proibição inglesa de ocupação das terras conquistadas dos franceses pelos norte-americanos, forçando-os a viver apenas nas proximidades do litoral, região de fácil controle.

Guerra dos Sete Anos acirra, portanto, as divergências anglo-americanas, preparando o terreno para a luta pela independência dos Estados Unidos.

Alguns líderes do movimento de autonomia norte-americana surgem exatamente nessa época, caso do presidente George Washington.

Consequências da Guerra dos Sete Anos

Guerra dos Sete Anos teve duas consequências, a primeira foi a inevitável Crise Financeira na França. A França teve muitos gastos com a Guerra e, para completar, perdeu essa guerra. Com isso, houve endividamento coletivo dos franceses, doenças e mortes da população. Muitas mulheres tiveram que trabalhar para cuidar de suas famílias e seus filhos.

A segunda consequência dessa guerra, foi a má vontade dos colonos com a Metrópole, pois não queriam alimentar as tropas. Estas foram conquistando território, e ficaram muito afastadas das cidades de origem.

Não havia alimentos suficientes e nem locais adequados para dormir. Dependiam da boa vontade dos colonos franceses para ter um espaço adequado para higiene e alimentação. Porém, os colonos franceses não tiveram um papel muito ativo na hora de ajudar as tropas.

Ou seja, as tropas ficaram prejudicadas, os combatentes enfraqueceram e por isso foram derrotados na Guerra dos Sete Anos.

Décadas de 1763 a 1773

A Inglaterra ganhou a guerra, mas ficou enfraquecida economicamente. Para contornar a situação, foram cobrados diversos tributos dos colonos.

Veja alguns exemplos de leis que aumentaram os impostos:

Lei do Selo
Lei do Açúcar
Lei do Ferro
Lei da Moeda
Ato de Quebec
Ato Touchend (monopólio sobre os produtos importados da Inglaterra que causou enorme reação dos colonos)

Como consequência a tantas leis fiscalizadoras, colonos organizam-se militarmente para reagir às leis.

Esse foi o primeiro conflito que uniu os Estados Unidos em um objetivo comum e isso viabilizou a independência norte-americana. Como a França perdeu a Guerra dos Sete Anos, ela financiou a independência das Treze Colônias e como consequência a Franca ficou em crise financeira.

Década de 1773

Imposição da Lei do Chá, que era vendido nas Treze Colônias pela Companhia das Índias. Essa lei provocou a maior Rebelião até então, pois houve a tentativa do Parlamento Inglês em implantar o exclusivismo metropolitano durante 7 anos nos EUA. Porém, os colonos que eram esclarecidos e iluministas perceberam e criaram conflitos para não aceitar as leis.

Leis Intoleráveis foi a resposta do Parlamento à Lei do Chá, no qual o Porto de Massachussets foi fechado, pois a Colônia de Massachussets tinha maior presença política e maior presença militar.

Década de 1774: Ocorre o 1º Congresso da Filadélfia, do qual participaram Legalistas e Patriotas

Década de 1776: Ocorre o 2º Congresso da Filadélfia, no qual é proclamado a independência em 4 de Julho por Thomas Jefferson.

Guerra dos Sete Anos – Resumo

Marcha do regimento britânico

Guerra dos Sete Anos foi um conflito global que durou de 1756 até 1763 e opôs uma coalizão da Grã-Bretanha e seus aliados contra uma coalizão da França e seus aliados.

Em uma de suas fases EUA e Inglaterra disputavam pelos territórios norte americanos sendo que os estadunidenses garantiram a posse de seu próprio território e a independencia mas perderam,para a inglaterra,o canadá.

A inglaterra teve muitos gastos nessa época e tentou repassar esses custos para a sua mais importante colônia da época,os EUA, através das leis coercitivas; estes reagiram com o incidente do chá,primeiro e segundo congresso da filadélfia e guerra de independencia.

A guerra surgiu de um conflito regional entre a Grã-Bretanha e a França na América do Norte, conhecido hoje como Guerra Francesa e Indiana. George Washington, um rico fazendeiro da Virgínia e oficial da milícia da Virgínia, serviu sob o general britânico Braddock nos primeiros anos deste conflito.

Guerra dos Sete Anos foi a quarta guerra entre a Grã-Bretanha e a França no período de cem anos após 1689. Embora tenha havido algumas concessões territoriais nas guerras anteriores, a maioria dessas lutas anteriores devolveu cada nação ao seu status anterior à guerra.

Guerra dos Sete Anos foi diferente porque terminou com uma vitória retumbante para a Grã-Bretanha e seus aliados e uma derrota humilhante para a França e seus aliados.

A França perdeu para a Grã-Bretanha a maior parte de suas possessões coloniais norte-americanas, conhecidas como Nova França. Isso incluiu o Canadá e todas as suas terras a leste do Rio Mississippi, incluindo o Vale do Ohio, até a Grã-Bretanha

No final da guerra, a Grã-Bretanha enfrentou uma série de sérios problemas geopolíticos e financeiros.

O primeiro problema enfrentado pelo governo britânico surgiu da necessidade de governar e proteger novas áreas conquistadas durante o longo conflito. Na América do Norte, os britânicos agora eram responsáveis pelo Canadá e pelas áreas a leste do rio Mississippi.

Essas ex-colônias francesas incluíam milhares de índios e muitos católicos de língua francesa que não desejavam se tornar súditos da coroa britânica ou viver sob a lei comum inglesa.

A Grã-Bretanha também tinha controle sobre a Flórida oriental e ocidental, que a Espanha, aliada da França, foi forçada a ceder à Grã-Bretanha no final da guerra.

O financiamento da administração dessas novas áreas foi um problema crítico que o governo britânico enfrentou no final da guerra.

A Grã-Bretanha também enfrentou uma enorme dívida de guerra no final da Guerra dos Sete Anos. Em 5 de janeiro de 1763, a dívida nacional era de mais de £ 122.603.336.

De acordo com o historiador Charles Middlekauff em seu trabalho sobre a Revolução Americana, The Glorious Cause, os juros sobre esta soma ultrapassaram £ 4.409.797 por ano.

Para complicar os problemas financeiros da Grã-Bretanha, o governo enfrentou crescentes protestos por redução de impostos depois de aumentar os impostos para aqueles que vivem nas Ilhas Britânicas.

Os protestos contra os pesados impostos sobre a terra e o imposto sobre a cidra foram especialmente fortes lá.

O fim da guerra também marcou uma mudança de atitude entre as pessoas na Grã-Bretanha e em suas colônias americanas. Durante a guerra, o governo britânico não conseguiu persuadir as legislaturas coloniais a contribuir de forma satisfatória para as despesas da guerra. Com a derrota francesa, o governo britânico não acreditou na necessidade de acomodar as preocupações das legislaturas coloniais em relação às questões monetárias. Ao mesmo tempo, a remoção da ameaça francesa na América do Norte deu aos colonos americanos um novo senso de autoconfiança.

Muitos colonos questionaram por que o governo britânico pensava que precisava deixar um exército na América do Norte para proteger suas colônias dos levantes indianos.

Um dos problemas críticos enfrentados pela Grã-Bretanha no final da Guerra dos Sete Anos foram suas relações difíceis com as tribos indígenas que viviam no Vale do Ohio e nos Grandes Lagos.

Enquanto essas tribos indígenas negociavam com os franceses há anos, poucos colonos franceses, além de caçadores e comerciantes, haviam se mudado para as áreas ao sul dos Grandes Lagos.

Depois que a França e seus aliados indianos foram derrotados, os colonos britânicos começaram a cruzar a Montanha Apalaches em grande número em busca de boas terras para cultivo. Os índios viam os colonos, que queriam reivindicar as terras, de forma diferente dos comerciantes de peles franceses com quem conviviam há muitos anos.

As ações do major-general Jeffrey Amherst, comandante britânico das forças britânicas na América do Norte, também contribuíram para as tensas relações entre britânicos e indianos nos anos finais da guerra.

Os britânicos, como os franceses, haviam contado com o apoio de várias tribos indígenas e, durante a guerra, os chefes dessas tribos receberam presentes generosos do governo britânico.

A oferta de presentes era considerada pelos britânicos e franceses como parte integrante da manutenção de boas relações com as tribos.

Quando as operações militares na América do Norte foram concluídas com sucesso, o general Amherst decidiu interromper a prática de dar presentes aos chefes indígenas, pois acreditava que não precisava mais do apoio deles. Ele também decidiu reduzir o comércio de pólvora com os índios.

Os indianos achavam que os britânicos os tratavam como um povo conquistado e não como ex-aliados.

Em maio de 1763, Pontiac, um líder de Ottawa, liderou uma série de tribos indígenas na área dos Grandes Lagos em um levante contra as forças britânicas e colonos ao longo da fronteira.

Enquanto alguns fortes britânicos na fronteira resistiram, mais de oito foram tomados.

Centenas de soldados britânicos foram mortos e os colonos que sobreviveram aos ataques fugiram de suas fazendas na fronteira para áreas seguras no leste. Comumente conhecido como Rebelião de Pontiac, o conflito durou até 1764. Embora os tratados de paz tenham encerrado os combates, a possibilidade de novos conflitos com os índios afetou fortemente a decisão da Grã-Bretanha de deixar um exército permanente na América após a Guerra dos Sete Anos.

Fonte: www.geocities.yahoo.com.br/www.history.com/www.hyperhistory.com/www.historyisfun.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.