Breaking News
Home / História Geral / Origem do Calendário

Origem do Calendário

PUBLICIDADE

Origem do Calendário – Definição

Os calendários são baseados em considerações de natureza astronômica.

O mês é a duração aproximada de uma lunação (intervalo de tempo entre duas novas luas).

O ano é uma aproximação do ano tropical, intervalo de tempo entre duas passagens consecutivas do Sol no equinócio da primavera.

Um calendário é do tipo lunar ou solar, dependendo se favorece a aproximação do mês ou do ano. Em um calendário lunar, a duração média do mês deve ser uma boa aproximação do ciclo lunar (29,530589 dias), enquanto em um calendário solar a duração média do ano deve ser uma boa aproximação do ano tropical (365 242,190 dias).

Assim, o calendário gregoriano, que é nosso calendário usual, é solar. O mesmo ocorre com os calendários juliano e copta.

Ao contrário, o calendário muçulmano é lunar e o calendário judaico é lunisolar.

Cada calendário define uma origem a partir da qual contaremos e numeraremos os anos. Isso corresponde a uma era.

Origem do Calendário – Sistema

Um calendário é um sistema de organização de dias para fins sociais, religiosos, comerciais ou administrativos.

Isto é feito dando nomes a períodos de tempo, tipicamente de dias, semanas, meses e anos.

A data é a designação de um dia único e específico dentro de um tal sistema. Períodos em um calendário (como anos e meses) são, geralmente, embora não necessariamente, sincronizado com o ciclo da lua.

Muitas civilizações e sociedades criaram um calendário, normalmente derivados de outros calendários em que modelam seus sistemas, adequados às suas necessidades particulares.

Um calendário é também um dispositivo físico (geralmente de papel). Este é o uso mais comum da palavra. Outros tipos similares de calendários podem incluir sistemas informatizados, que podem ser definidos para lembrar o usuário de eventos e compromissos.

Um calendário também pode significar uma lista de eventos planejados, tais como um calendário tribunal.

A palavra Inglês calendário é derivada da palavra latina kalendae, que era o nome latino do primeiro dia de cada mês.

Sistemas de Calendários

Calendário

Um sistema de calendário completo tem uma data do calendário diferente para cada dia. Assim, a semana de ciclo é por si só um sistema de calendário cheio, nem é um sistema para nomear os dias dentro de um ano sem um sistema de identificação dos anos.

O sistema de calendário mais simples apenas conta períodos de tempo a partir de uma data de referência. Praticamente a única variação possível é usar uma data de referência diferente, em particular uma menor distância, no passado, para que os números menores. Cálculos em estes sistemas são apenas uma questão de adição e subtração.

Outros calendários tem um (ou vários) unidades maiores de tempo.

Calendários que contêm um nível de ciclos:

Semana e dia da semana: este sistema (sem ano, o número da semana continua a aumentar) não é muito comum
Data do ano e ordinais dentro do ano, sistema de data ordinal

Calendários com dois níveis de ciclos:

Ano, mês, dia e ? a maioria dos sistemas, inclusive o calendário gregoriano (e seu antecessor, muito semelhantes, o calendário juliano ), o calendário islâmico, e o calendário hebraico
Ano, semana e dia da semana

Os ciclos podem ser sincronizados com a fenômenos periódicos:

Um calendário lunar é sincronizado com o movimento da Lua ( fases lunares ), um exemplo é o calendário islâmico.

Um calendário solar é baseada em percebidas sazonais alterações sincronizadas com o movimento aparente do Sol, um exemplo é o calendário persa.

Há alguns calendários que parecem ser sincronizados com o movimento de Vênus, como alguns dos antigos calendários egípcios, sincronização com Vênus parece ocorrer principalmente em civilizações próximas ao equador.

A semana ciclo é um exemplo de um que não esteja sincronizada com qualquer fenômeno externo (embora possa ter sido derivado de as fases da Lua, começando de novo todos os meses).

Muito frequentemente um calendário inclui mais de um tipo de ciclo, ou tem ambos os elementos cíclico e acíclico.

Muitos calendários incorporam calendários mais simples como elementos. Por exemplo, as regras do calendário hebraico dependem do ciclo de semana de sete dias (um calendário muito simples), para a semana é um dos ciclos do calendário hebraico. Também é comum a funcionar simultaneamente dois calendários, geralmente fornecendo ciclos não relacionados, e o resultado pode também ser considerado como um calendário mais complexo. Por exemplo, o calendário gregoriano não tem dependência inerente à semana de sete dias, mas, na sociedade ocidental, os dois são usados em conjunto, e as ferramentas de calendário indicam tanto a data gregoriana e o dia da semana.

O ciclo de semana é compartilhado por vários sistemas de calendário (embora o significado de dias especiais, como sexta-feira, sábado e domingo varia).

Sistemas de dias bissextos normalmente não afetam o ciclo de semana. O ciclo de semana não foi interrompida quando as datas 10, 11, 12 ou 13 foram ignoradas quando o calendário juliano foi substituído pelo calendário gregoriano por vários países.

Origem do Calendário – Eras

Independentemente da organização de dias, meses e anos, cada calendário precisa de uma origem para contar os anos em geral (podem ser dias no caso do período Juliano) ou grupos de vários anos como as Olimpíadas Gregas que têm 4 anos. Essa origem define uma era.

A era cristã começou em 25 de dezembro do ano 753 da fundação de Roma (de acordo com Varron), mas o início do ano é 1º de janeiro para coincidir com o calendário anterior.

Os calendários juliano e gregoriano estão atualmente na era cristã. O calendário juliano vigorou de 1º de janeiro do ano 45 aC (ano 709 da era da fundação de Roma, um ano bissexto) a 1582, ano da era cristã e o calendário gregoriano é usado desde 1582, ano da Era cristã. O uso da era cristã foi introduzido em 532 por proposta do monge Dionysius Exiguus. Ele propôs também, em 525, ao Papa o termo “Anno Domini” (AD). Esse costume se espalhou rapidamente nos textos litúrgicos e documentos, mas vai levar vários séculos (o reinado de Pepino e de Carlos Magno) para um uso comum na sociedade.

A era de Diocleciano começou em 29 de agosto de 284 (juliano). Esta é a origem do calendário copta ainda em uso na comunidade copta no Egito.

A Hégira começou na sexta-feira, 16 de julho de 622 (juliano), que deu origem ao calendário muçulmano.

A era judaica começou em 7 de outubro de -3760 (juliano), que é a origem do calendário judaico.

A era dos franceses começou em 22 de setembro de 1792 e terminou em 1º de janeiro de 1806 e foi usada pelo calendário republicano.

A era do período juliano começa em 1 de janeiro de 4713 aC ao meio-dia (calendário juliano).

A era helenística tem uma sucessão de olimpíadas correspondendo a quatro anos. Tudo começou com o solstício de verão no ano 776 AC. No ano 1 da era cristã, a 195ª Olimpíada Grega começou no verão.

Outros calendários referem-se a origens mais incertas de suas eras.

É o caso dos calendários:

Hindu, era Saka começando em 3 de março de 78 DC, mas codificado em 1957 e usado no calendário indiano;
Hindu, era Samvat começando em 23 de fevereiro de 57 DC;
Tamil, ciclo Nirayana de 60 anos indiferenciado desde o ano 397 DC;
Cambojano e Laosiano, pequena era birmanesa começando em 21 de março de 638 DC;
Cambojana e Laosiana, era budista começando em abril-maio do ano 544 aC (morte de Buda da tradição cingalesa);
Chinês e vietnamita, ciclos de 60 anos identificados aos reinados dos imperadores.

Origem do Calendário – História

Calendário

Temas astrais

O céu é a parte mais misteriosa de nossa experiência cotidiana. A familiaridade pode fazer com que os eventos incríveis que acontecem no nível do solo pareçam quase normais. Plantas e animais crescem e morrem, chove, rios fluem. Sentimos que entendemos isso.

Mas o céu está além da compreensão. Dois grandes objetos viajam por ele, um quente e constante, o outro frio e mutável. Durante o dia, é temperamental; pode haver sol forte, ou nuvens agitadas, ou escuridão seguida por trovões e relâmpagos. E, no entanto, em uma noite clara, o céu é exatamente o oposto – previsível, se você olhar com atenção, com grupos reconhecíveis de estrelas movendo-se de maneira lenta, mas confiável.

O interesse do homem pelo céu está no centro de três histórias distintas – astronomia, astrologia e o calendário.

Astronomia é o estudo científico do sol, da lua e das estrelas. Astrologia é uma pseudociência que interpreta o suposto efeito dos corpos celestes na existência humana. No início da história, os dois estão intimamente ligados. O céu é o lar de muitos dos deuses, que influenciam a vida na Terra. E os padrões no céu certamente refletem essa influência.

Dias, meses e anos

Compiladores de um calendário, tentando registrar e prever a passagem do tempo, são oferecidos um primeiro passo fácil no ciclo da lua.

As únicas duas medidas de tempo disponíveis para os povos primitivos são o dia (o espaço entre duas noites) e o mês (o espaço entre as novas luas). O mês é um período de tempo bem ajustado para relembrar eventos bastante recentes e tem um significado mágico por causa de sua ligação frouxa com o período menstrual feminino.

Uma fração de tempo muito mais importante é o ano, um circuito completo da Terra ao redor do Sol – crucial nas atividades humanas por causa de sua influência nas estações e safras. Mas a duração de um ano é excepcionalmente difícil de medir.

As sociedades primitivas se contentam com um conceito amplo, contando o ano como começando quando as folhas brotam em uma determinada árvore ou descrevendo alguém como tendo vivido um certo número de colheitas.

A única maneira simples, porém precisa, de medir um ano é em relação às estrelas (embora estruturas como a sepultura de passagem em Newgrange possam registrar uma posição anual do sol, com um custo considerável de esforço). As estrelas aparecem no céu noturno em horas e lugares diferentes, dependendo de onde a Terra está em sua órbita ao redor do sol.

Uma estrela observada em um determinado lugar – no horizonte ao amanhecer, por exemplo – estará lá novamente exatamente um ano depois.

No Egito, os sacerdotes do templo derivam muito de seu prestígio da atenção especial às estrelas, permitindo-lhes dar a impressão de prever eventos naturais. O melhor exemplo é o uso de Sirius, a Dog Star.

Ele se eleva acima do horizonte um pouco antes do amanhecer, na época do ano em que a importantíssima inundação do Nilo está prestes a ocorrer.

Os sacerdotes que podem prever este grande evento são poderosos adivinhadores.

Essa observação de Sírio também permite que os egípcios se tornem as primeiras pessoas a passar do calendário lunar para o solar.

Anos lunares e solares

Na Mesopotâmia, onde os babilônios são os principais astrônomos, o calendário é lunar simples. Provavelmente é o primeiro calendário egípcio. E um calendário lunar ainda é usado hoje no Islã.

Mas esse calendário tem uma grande desvantagem.

A duração de um mês lunar, de uma lua nova à próxima, é de 29,5 dias. Portanto, doze meses lunares são 354 dias, aproximadamente 11 dias menos que um ano solar. Em um ano lunar, cada um dos doze meses retrocede constantemente nas estações (como acontece agora com o calendário muçulmano), retornando à sua posição original somente após 32 anos.

Em alguns calendários lunares, um mês extra é inserido de vez em quando para acompanhar o ano solar. Isso acontece na Mesopotâmia e na Roma republicana, e continua sendo o caso até hoje no calendário judaico.

Mas a observação de Sírius pelos sacerdotes egípcios permite-lhes contar o número de dias em um ano solar. Eles somam 365. Eles então ajustam logicamente os doze meses do ano lunar, tornando cada um deles 30 dias de duração e adicionando 5 dias extras no final do ano. Comparado com o calendário de qualquer outra pessoa na época, isso é muito satisfatório. Mas há um obstáculo.

Os sacerdotes não podem ter deixado de notar que a cada quatro anos Sirius aparece um dia depois. A razão é que o ano solar tem mais exatamente 365 dias e 6 horas. Os egípcios não fazem ajustes para isso, e o resultado é que seu calendário retrocede nas estações do ano como um lunar, mas muito mais devagar. Em vez de 32 anos com a lua, são 1460 anos antes que Sirius se erga novamente no primeiro dia do primeiro mês.

É sabido a partir dos registros que em 139 dC Sírio surge no primeiro dia do primeiro mês egípcio. Isso torna certo que o calendário egípcio foi introduzido um ou dois ciclos completos (1460 ou 2.920 anos) antes, seja em 1321 ou 2781 aC – com a data anterior considerada mais provável.

Calendários julianos e maias: século 1 a.C.

calendário romano introduzido por Júlio César, e posteriormente conhecido como calendário juliano, chega muito mais perto do ano solar do que qualquer predecessor. No século I aC, a reforma em Roma tornou-se uma necessidade evidente. O calendário existente é lunar, com meses extras introduzidos de vez em quando na tentativa de ajustá-lo. No tempo de César, esse calendário estava três meses atrasado em relação às estações.

Seguindo o conselho de Sosigenes, um astrônomo erudito de Alexandria, César acrescenta noventa dias ao ano 46 aC e inicia um novo calendário em 1º de janeiro de 45.

Sosigenes avisa César que a duração do ano solar é de 365 dias e seis horas. A solução natural é adicionar um dia a cada quatro anos – introduzindo o conceito de ano bissexto. O dia extra é adicionado a fevereiro, o mais curto dos meses romanos.

Espalhado por todo o Império Romano e, mais tarde, por toda a cristandade, esse calendário se mostrou muito eficaz por muitos séculos. Só muito mais tarde uma falha aparece novamente. A razão é que o ano solar não tem 365 dias e 6 horas, mas 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 46 segundos. A diferença é de apenas um dia em 130 anos. Mas, ao longo da história, até isso começa a aparecer. Eventualmente, será necessário outro ajuste.

Enquanto Júlio César está melhorando o calendário solar de 365 dias, um calendário semelhante foi obtido independentemente do outro lado do Atlântico. Idealizado originalmente pelos olmecas da América Central, foi aperfeiçoado por volta do século 1 dC pelos maias.

Os maias, estabelecendo que há 365 dias no ano, dividem-nos em 18 meses de 20 dias. Como os egípcios (que têm 12 meses de 30 dias), eles completam o ano adicionando 5 dias extras no final – dias que são considerados extremamente azarados para qualquer empreendimento. Um aspecto incomum do sistema maia é a Rodada do Calendário, um ciclo de 52 anos em que não há dois dias com o mesmo nome.

A semana de trabalho

Ao contrário do dia, do mês ou do ano, a semana é um período de tempo inteiramente artificial. Provavelmente, primeiro se tornou necessário pelas demandas do comércio.

Caçadores-coletores e fazendeiros primitivos não precisam desse conceito, mas o comércio se beneficia da regularidade. As semanas originais são quase certamente os intervalos entre os dias de mercado.

Semanas desse tipo variam de quatro dias entre algumas tribos africanas a dez dias na civilização Inca e na China. Na China antiga, uma semana de cinco dias define o padrão de trabalho para o serviço público confucionista, sendo que cada cinco dias é um “dia de banho e lavagem de cabelo”. Mais tarde, isso é estendido para uma semana de dez dias, com os três períodos de cada mês conhecidos como primeiro, meio e último banho.

Existem duas fontes possíveis para a semana de sete dias. Uma é a história bíblica da criação. A partir dessa época, os israelitas tinham uma semana dessa duração, com o sétimo dia reservado para descanso e adoração (um padrão refletido no relato bíblico da criação).

A outra e mais provável fonte é Roma, onde o equivalente à semana moderna é adotado por volta do século 1 DC – uma época e um lugar onde a tradição judaica teria pouca influência.

O número de dias na semana deriva provavelmente, através da astrologia, dos sete planetas conhecidos – que também fornecem os nomes dos dias.

Calendários judaicos e muçulmanos

calendário judaico combina os ciclos lunar e solar. Sua forma atual é dada em 921, após um grande debate entre os defensores de dois sistemas ligeiramente diferentes.

Na origem, o calendário remonta ao cativeiro na Babilônia, quando os judeus adotam o calendário babilônico e seus nomes para os meses. São meses lunares de 30 ou 29 dias. A cada segundo ou terceiro ano, um mês extra de 30 dias é adicionado para manter o calendário em um ritmo aproximado do ano solar. Isso constitui uma diferença crucial entre os sistemas judaico e muçulmano.

O calendário muçulmano é o único amplamente utilizado a ser baseado intransigentemente nos meses lunares, sem ajustes para equilibrar os anos com o ciclo solar.

Os doze meses têm alternadamente 29 e 30 dias de duração (o ciclo lunar é de aproximadamente 29,5 dias), dando um ano de 354 dias. Existem dois resultados significativos.

Os meses muçulmanos não têm relação com as estações, e os anos muçulmanos não coincidem com os de outras cronologias. Existem cerca de 103 anos lunares em um século solar. No milênio, terá havido 1421 anos lunares, mas apenas 1378 anos solares desde o início da cronologia muçulmana em 1 ou 622 AH. O ano AH 1421 será 2000.

Calendário Gregoriano: 1582-1917

No século 16, o erro aparentemente menor no calendário Juliano (estimar o ano solar em 11 minutos e 14 segundos mais curto do que realmente é) acumulou-se em uma discrepância de dez dias entre o calendário e a realidade. É mais perceptível em ocasiões como o equinócio, agora ocorrendo dez dias antes das datas corretas do calendário de 21 de março e 23 de setembro.

O Papa Gregório XIII emprega um jesuíta e astrônomo alemão, Christopher Clavius, para encontrar uma solução. Calculando que o erro equivale a três dias em 400 anos, Clavius sugere um ajuste engenhoso.

Sua proposta, que se torna a base do calendário conhecido após o papa como Gregoriano, é que os anos do século (ou aqueles que terminam em ’00’) só deveriam ser anos bissextos se divisíveis por 400.

Isso elimina três anos bissextos a cada quatro séculos e resolve o problema com perfeição. O resultado, nos séculos desde a reforma, é que 1600 e 2000 são anos bissextos normais, mas os intermediários 1700, 1800 e 1900 não incluem 29 de fevereiro.

Gregório coloca a proposta em efeito imediato nos estados papais, anunciando que o dia após 4 de outubro de 1582 será 15 de outubro – economizando assim os dez dias perdidos.

A liderança do papa é seguida, no mesmo ano, pela Espanha, Portugal, França e a maioria dos estados italianos. Os estados católicos romanos de língua alemã cumprem em 1583.

Outros reinos cristãos arrastam os pés sobre o assunto, relutantes em admitir que o papa em Roma tem razão. Os estados luteranos da Alemanha mudam em 1700. A Grã-Bretanha atrasa até 1752, quando o intervalo é de onze dias. Alguns dos britânicos se mostram excepcionalmente fracos sobre o assunto, temendo que suas vidas estejam sendo encurtadas e, em alguns lugares, até protestando pelo retorno dos dias perdidos.

A Rússia Imperial nunca faz a mudança; é introduzido após a revolução, em 1918. (Datas potencialmente confusas, perto dos anos de mudança, são identificadas pelos historiadores com os códigos OS ou Old Style para a versão Juliana e NS ou New Style para o equivalente Gregoriano.)

Medições mais precisas no século 20 introduziram um refinamento adicional do calendário gregoriano, embora não de significado imediato. Ajustado para o papa Gregório, o sistema atual acrescenta um dia a cada 3.323 anos. A solução aceita é que os anos divisíveis por 4.000 não serão anos bissextos.

29 de fevereiro será, portanto, abandonado inesperadamente em 2.000 anos. Em 4000, embora o ano seja divisível por 400, o dia 1º de março seguirá o dia 28 de fevereiro normalmente. Júlio César e Sosígenes sem dúvida ficariam impressionados com esse refinamento final de seu sistema, tornando-o com precisão de um dia em 20.000 anos.

Calendário republicano francês: 1793

O calendário elaborado em 1793 por um comitê da Convenção republicana em Paris combina o racional e o impraticável de uma forma característica de grande parte da atividade revolucionária francesa.

É totalmente lógico e um pouco ridículo.

A intenção é celebrar a introdução francesa de uma nova era mundial e varrer as superstições religiosas do passado. Por uma feliz coincidência, o primeiro dia após a abolição da monarquia em 1792 é o equinócio de outono (22 de setembro), sugerindo que até mesmo o sistema planetário reconhece um novo começo. Essa data agora se torna o primeiro dia do ano I no calendário republicano.

A reforma gregoriana do calendário estabeleceu o sistema necessário de anos bissextos, que o comitê só pode seguir. No entanto, eles são livres para dividir os 365 dias do ano normal de forma mais racional do que os meses tradicionais e os dias da semana. Eles duram doze meses de 30 dias, subdivididos em três semanas de 10 dias (com um dia de descanso a cada dez dias em vez de a cada sete, o que implica um aumento revolucionário da produtividade).

Os cinco dias extras são agrupados como feriados no final do ano e são chamados de sansculotídeos. (A sans-culotte, que significa ‘sem culote’, é a frase contemporânea para um revolucionário – descrevendo alguém radical o suficiente para usar calças mais informais).

Os dez dias da semana são nomeados de forma pouco criativa por seus números, mas muito esforço é feito para encontrar nomes vívidos para os meses. Eles são inventados pelo poeta Fabre d’Églantine, um amigo próximo de Danton (eles morrem juntos no cadafalso seis meses depois que o calendário é adotado).

Os nomes de Fabre d’Églantine refletem as mudanças do clima e das safras do ano, com um esforço considerável sendo feito para encontrar ritmos verbais adequados ao clima das estações.

Seus meses são Vendémiaire, Brumário, Frimaire (outono), Nivôse, Pluviôse, Ventôse (inverno), Germinal, Floréal, Prairial (primavera), Messidor, Termidor, Frutidor (verão).

Uma versão satírica é fornecida imediatamente por George Ellis, um poeta inglês profundamente hostil às pretensões revolucionárias francesas.

Ele traduz os esforços de d’Églantine (começando em 1º de janeiro com Nivôse) como: ‘Nevado, Fluído, Esvoaçante, Chuvoso, Florido, Bowery, Hoppy, Croppy, Droppy, Breezy, Sneezy, Freezy’.

O sistema é imposto pelos franceses a todas as repúblicas irmãs estabelecidas na Europa a partir de 1795 (embora, como calendário para uma nova era mundial, seja lamentável que os nomes dos meses correspondam apenas às estações no hemisfério norte). No entanto, é abruptamente abandonado por Napoleão em 1805, quando ele deseja melhorar o relacionamento com o papa. A França volta ao calendário gregoriano em 1º de janeiro de 1806.

Calendário – O que são

Os primeiros calendários eram instrumentos destinados a fornecer as indicações astronômicas ou astrológicas (dia e mês). Normalmente eram construídos com dois ou mais discos perfurados e marcados, que ao serem posicionados corretamente entre si forneciam os valores desejados. Atualmente, calendário é um sistema de contagem de tempo relativamente longo (maior que um dia).

Os calendários atuais são formados por um conjunto de regras baseadas nas Astronomia e em convenções culturais. O calendário é uma escala que divide o tempo em dias, semanas, meses e anos.

Origem do Calendário – Como surgiram

Os calendários surgiram com a necessidade do homem de contar o tempo e controlar suas atividades. Surgiram inicialmente para pequenos períodos de tempo (dias e semanas) e posteriormente para programar os plantios e colheitas, determinados pelas estações. Mas a determinação precisa dos dias de início de uma estação e fim da outra só era feita por sacerdotes muito experientes, que tivessem financiamento para construir e manter os observatórios, que eram caros e precários – normalmente eram os reis que financiavam os sacerdotes, por isso, era difícil para os agricultores do país todo fazer uma determinação de início e fim das estações.

A partir dessa necessidade os sacerdotes elaboraram os calendários que eram registros escritos dos dias onde eram marcadas datas de cheias, plantios e colheitas.

As estações ocorriam e ocorrem de forma regular a cada 365,25 dias, que é a duração do nosso ano. Então, bastava fazer a contagem correta dos dias e marcar os dias de início e fim das estações como temos hoje (21 de junho início do inverno, 22/23 de setembro início da primavera, 21/22 dezembro início do verão e 21 de março início do outono).

Origem: Calendário, Meses e Dias da Semana

Surgiram inicialmente para pequenos períodos de tempo (dias e semanas) e posteriormente para programar os plantios e colheitas, determinados pelas estações.

Mas a determinação precisa dos dias de início de uma estação e fim da outra só era feita por sacerdotes muito experientes, que elaboraram os calendários que eram registros escritos dos dias onde eram marcadas datas de cheias, plantios e colheitas.

Na antiguidade a comunicação entre os povos e principalmente entre os sacerdotes de cada nação era difícil. Além disso, cada rei queria impor sua autoridade e impunha o calendário que lhe era conveniente.

Por essas razões muitos calendários foram criados.

Os calendários principais eram:

Calendário Babilônico: o ano não tinha um numero de dias fixo. O ano era dividido em 12 meses lunares de 29 ou 30 dias cada o que somava 354 dias. Também faziam a divisão do mês em semanas de sete dias.
Calendário Egípcio: 
é um calendário baseado no movimento solar. O ano tinha 365 dias, divididos em 12 meses de 30 dias que somam 360 dias e mais 5 dias de festas depois da colheita.
Calendário Grego: 
Baseado nos movimentos solares e lunares, seguindo um padrão parecido com o calendário babilônico, porém a intercalação do 13o mês era bem mais bagunçada.
Os índios americanos: 
Maias, Astecas e Incas também tinham calendários baseados principalmente no mês lunar.

Hoje em dia temos basicamente três calendários em vigência no mundo: o calendário cristã que nós usamos e que conta os anos a partir do nascimento de Cristo, calendários muçulmano e israelita que não consideram o nascimento de Cristo e por isso apresentam anos diferentes do nosso. O calendário israelita é baseado no babilônico.

Uma curiosidade é que o dia desse calendário como do muçulmano inicia-se com o por do Sol e não a 00h00min, o primeiro dia de cada ano novo não pode cair na quarta, sexta ou domingo, se isso acontecer o início do ano é transferido para o dia seguinte.

O calendário romano baseava-se no ciclo lunar e tinha 304 dias divididos em 10 meses seis com 30 dias e quatro com 31.

Naquela época, a semana tinha oito dia.

Foi Rómulo quem nomeou os primeiros quatro meses do calendário romano de:

martius
aprilis
maius
junius

Os meses seguintes foram simplesmente contados em latim:

quintilis
sextilis
septembre
octobre
novembre
decembre

Como esse calendário não estava alinhado com as estações do ano, que duram cerca de 91 dias cada uma, por volta do ano 700 a.C., o rei Numa, que sucedeu Rómulo no trono, decidiu criar mais dois meses: janus e februarius.Embora as estações estejam ligadas ao ciclo solar, o novo calendário romano continuou a seguir o ciclo lunar, mas passou a ter 354 dias (seis meses de 30 dias e seis de 29).

Durante o império de Júlio César, por volta do ano 46 a.C., o calendário sofreu mais mudanças. Os senadores romanos mudaram o nome do mês quintilius para Julius, para homenagear o imperador. O calendário passou a orientar-se pelo ciclo solar, com 365 dias e 6 horas. O chamado calendário juliano foi uma tentativa de entrar em sintonia com as estações.

Foi criada uma rotina em que por três anos seguidos o calendário deveria ter 365 dias. No quarto ano, ele passaria a ter 366 dias, pois, após quatro anos, as 6 horas que sobravam do ciclo solar somavam 24 horas, isto é; mais um dia. Estava estabelecido o ano bissexto. Além dos meses alternados de 31 e 30 dias (excepto fevereiro, que tinha 29 dias ou 30 em anos bissextos), passou-se a considerar janeiro, e não março, o primeiro mês do ano.

Mais tarde, quando o mês sextilius passou a ser chamado de Augustus, decidiu-se que o mês em homenagem ao imperador Augusto não poderia ter menos dias que o mês dedicado a Júlio César.

Um dia de februarius foi então transferido para Augustus ? por isso hoje o mês de fevereiro tem 28 dias (ou 29 em anos bissextos).

Para evitar que houvesse três meses seguidos com 31 dias, o total de dias dos meses de septembre a decembre foi trocado: setembro e novembro ficaram com 30 dias, outubro e dezembro com 31.

Nomes dos Meses, Significado

Janeiro: O nome provém do latim Ianuarius, décimo-primeiro mês do calendário de Numa Pompílio, o qual era uma homenagem a Jano, deus da mitologia romana.
Fevereiro:
 nome fevereiro vem do latim februarius, inspirado em Februus, deus da morte e da purificação na mitologia etrusca.
Março:
 O seu nome deriva do deus romano Marte
Abril:
 O seu nome deriva do Latim Aprilis, que significa abrir, numa referência à germinação das culturas. Outra hipótese sugere que Abril seja derivado de Aprus, o nome etrusco de Vénus, deusa do amor e da paixão.
Maio:
 O seu nome é derivado da deusa romana Bona Dea da fertilidade. Outras versões apontam que a origem se deve à deusa grega Maya, mãe de Hermes.
Junho:
 O seu nome é derivado da deusa romana Juno, mulher do deus Júpiter.
Julho:
 Julho deve o seu nome ao imperador romano Júlio César, sendo antes chamado Quintilis em latim, dado que era o quinto mês do Calendário Romano, que começava em Março. Também recebeu esse nome por ser o mês em que César nasceu.
Agosto:
 É assim chamado por decreto em honra do imperador César Augusto, antes agosto era denominado Sextilis ou Sextil, visto que era o sexto mês no calendário de Rômulo/Rómulo (calendário romano).
Setembro:
 Deve o seu nome à palavra latina septem (sete), dado que era o sétimo mês do Calendário Romano, que começava em Março. Na Grécia Antiga, Setembro chamava-se Boedromion.
Outubro:
 Deve o seu nome à palavra latina octo (oito), dado que era o oitavo mês do calendário romano, que começava em março.
Novembro:
 Novembro deve o seu nome à palavra latina novem (nove), dado que era o nono mês do calendário romano.
Dezembro:
 Dezembro deve o seu nome à palavra latina decem (dez), dado que era o décimo mês do Calendário Romano.

Origens dos Dias da Semana

Os dias os meses e os anos: o Calendário!

Existem dois motivos que fizeram os antigos agrupar sete dias para formar uma semana, um deles é baseado nas fases da lua.

Se você observou as fases da lua irá perceber que entre o quarto crescente e a lua cheia passam-se sete dias.

Outro motivo que deu origem a esse agrupamento de sete dias para formar a semana eram os astros visíveis no céu a olho nu.

Na antigüidade podiam ser vistos sete astros no céu e que não eram estrelas; o Sol, a Lua, e cinco planetas: Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno.

Por isso muitos povos deram a cada dia da semana o nome de um desses astros.

Em muitos idiomas esses nomes estão presentes até hoje, veja a tabela abaixo.

Os dias da semana, têm seus nomes na língua portuguesa devido à liturgia católica e por iniciativa de Martinho de Dume, que denominava os dias da semana da Páscoa com dias santos em que não se deveria trabalhar, originando os nomes litúrgicos:

Prima Feria => Domingo
Feria Secunda => Segunda-feira
Feria Tertia => Terça-feira
Feria Quarta => Quarta-feira
Feria Quinta => Quinta-feira
Feria Sexta => Sexta-feira
Sabbatum => Sábado

Observe que o Sábado (Sabbatum em Latim) foi originado do hebreu shabbat, de conotação evidentemente religiosa. O imperador Flávio Constatino (280-337 d.C.) mudou o nome de Prima Feria para Dies Dominica, após sua conversão ao cristianismo.

A expressão feira tem origem em féria que indica a remuneração pelo dia de trabalho. Ainda hoje no Brasil, féria é o dinheiro recebido por um comerciante pelas vendas efetuadas naquele dia.

Em bom e antigo português a féria está relacionada com o dia de trabalho.

Fonte: www.timecenter.com/www.historyworld.net/promenade.imcce.fr/www.todayifoundout.com/wordlesstech.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.