Breaking News
Home / História Geral / Reforma Protestante

Reforma Protestante

PUBLICIDADE

Reforma Protestante – O que foi

Durante a Idade Média a Igreja Católica dominou a maneira de se pensar de forma hegemônica na Europa.

Todo esse poder acabou gerando abusos por parte dos clérigos: negociava-se desde cargos religiosos, passando por relíquias de santos ou santas até chegar na venda do perdão para os pecados cometidos por uma pessoa, as chamadas indulgências. Garantia-se assim, via pagamento, desde o conforto na vida terrestre até a tranquilidade no paraíso, ou mesmo menos tempo de penitências no purgatório.

O comportamento dos clérigos passava a ser cada vez pior. Além das indulgências, havia ainda a simonia (comercialização de relíquias), por vezes falsas, de algum santo ou personagem importante para o catolicismo. Muitos dos sacerdotes possuíam uma vida mundana (tendo amantes, por exemplo) e desconheciam os preceitos religiosos básicos do catolicismo bem como suas funções religiosas. Isso se deu pois geralmente as famílias de nobres acumulavam títulos diversos, inclusive os de pertencentes à Igreja, sem nunca terem lido a bíblia ou realizado estudos preparatórios para o sacerdócio.

Foi nesse contexto que no início do século XVI, já na Idade Moderna, surgiu na Europa um movimento religioso cristão de caráter reformista conhecido como Reforma Protestante, iniciado pelo monge Martinho Lutero (ou Martin Lutero). Lutero tornou públicas as suas 95 teses, pontos que criticavam as posturas da Igreja, propondo reformas profundas na religião católica.

Esse movimento, no entanto, não surgiu ao acaso. Vários fatores contribuíram para a difusão das críticas à Igreja e a sua conduta, com destaque para a invenção da imprensa de Gutenberg que difundiu a bíblia e a leitura, tornando mais fácil assim o saber.

Outro ponto importante a se destacar é o fato de que a crítica ao comportamento do clero surgiu de dentro da Igreja, através de pensadores como Santo Agostinho, que pregava que “a salvação do homem é alcançada pela fé” e São Tomás de Aquino que acreditava que “a salvação do homem é alcançada pela fé e pelas boas ações”– visões nas quais a salvação não passava necessariamente pela Igreja.

As críticas da Reforma Protestante se espalharam, alterando a forma de se pensar do período. Se anteriormente a Igreja Católica condenava a usura (empréstimos a juros) e o lucro excessivo, os reformistas interpretavam esses assuntos de outra maneira. A riqueza material, por exemplo, seria um dos sinais de que você se encontrava no caminho da salvação.  Era um pensamento que agradava (e muito) aos burgueses e aos agiotas, pois não ia de encontro às suas atividades.

Para entender o movimento da Reforma Protestante, precisamos voltar na história até o início do século 16, quando havia apenas uma igreja na Europa Ocidental – o que hoje chamaríamos de Igreja Católica Romana – sob a liderança do Papa em Roma. Hoje, chamamos isso de “Católica Romana” porque existem tantos outros tipos de igrejas (por exemplo, Metodista, Batista, Luterana, Calvinista, Anglicana).

As principais correntes protestantes eram duas:

luteranismo, criado por Martinho Lutero que pregava que a fé (e não necessariamente as obras) seria instrumento para se chegar ao paraíso. Baseava-se na frase de São Paulo “o justo se salvará pela fé, acreditando assim que a fé seria o único caminho para o alcance da salvação eterna. Para tanto seria necessário apenas o conhecimento da bíblia, inclusive através do livre exame da mesma. Ou seja, qualquer pessoa que soubesse ler poderia interpretá-la, já que a salvação estaria contida em suas palavras. O luteranismo negava a autoridade papal, a adoração às imagens religiosas e o culto aos santos.
calvinismo que acreditava que a salvação eterna era predestinada por Deus. O Criador escolheria de antemão aqueles que mereceriam o paraíso. Pregava o trabalho árduo e que o lucro era legitimo, condenando contudo o desperdício. A prosperidade econômica seria um claro sinal de salvação.

O pensamento reformista e a sua crítica se espalharam com muita força e rapidez por toda a Europa, o que obrigou a Igreja Católica a responder às diversas críticas a sua conduta, através da Contrarreforma.

Porém, já era tarde demais: o protestantismo havia se espalhado e se enraizado no pensamento moderno cristão. A Igreja Católica, que havia dominado o pensamento na Idade Média, via seu poder e prestígio se acabando a passos largos.

Reforma Protestante – Definição

Uma ilustração do século 15 dC por Jean Colombe do Conselho de Clermont de
novembro de 1095 dC, onde o papa Urbano II (r. 1088-1099 dC) convocou a
famosa Primeira Cruzada (1095-1102 dC). (Biblioteca Nacional, Paris)

Reforma Protestante (1517-1648) refere-se à revolta religiosa, cultural e social generalizada da Europa do século 16 que quebrou o domínio da Igreja medieval, permitindo o desenvolvimento de interpretações pessoais da mensagem cristã e levando ao desenvolvimento de estados-nação modernos. É considerado um dos eventos mais importantes da história ocidental.

As datas da Reforma não são universalmente aceitas. Alguns estudiosos datam o evento de 1400-1750 (da dissidência de Jan Hus ao fim da sociedade pré-industrial), enquanto outros sugerem 1517-1685 (da dissidência de Martinho Lutero à revogação do Édito de Nantes), e há muitas outras reivindicações relacionadas ao namoro que têm igual mérito. As datas de 1517-1648, entretanto, são as mais amplamente aceitas, marcando o início da Reforma na dissidência de Martinho Lutero e o fim no Tratado de Westfália que encerrou a Guerra dos Trinta Anos, que começou como uma disputa entre católicos e protestantes.

Embora a Reforma tenha sido entendida anteriormente como um evento monolítico, os estudos atuais a interpretam mais como Reformas Protestantes, uma série de protestos contra a corrupção da Igreja medieval, buscando reforma e, inicialmente, os líderes desses protestos não tinham intenção de se separar a Igreja. Um exemplo primordial disso é a Reforma Boêmia (c. 1380 – c. 1436), precursora da Reforma Protestante, que inicialmente buscou remediar as práticas antibíblicas da Igreja.

Por volta do século 15, a corrupção na Igreja era generalizada e os crentes devotos procuraram corrigir isso.

A recusa da Igreja em lidar com essas críticas eventualmente levou aos cismas que estabeleceriam seitas cristãs protestantes que se desenvolveram em denominações como luteranismo, calvinismo, anglicanismo e outros.

Reforma Protestante mudou completamente a paisagem cultural, religiosa, social e política europeia e é frequentemente referida como o nascimento da era moderna, pois coincidiu com e foi incentivada pela Renascença dos séculos 15 a 16. Embora tenha havido movimentos anteriores em resposta à corrupção da Igreja, a tecnologia moderna na forma de imprensa permitiu a disseminação da literatura protestante e a publicação da Bíblia em língua vernácula, resultando em amplo apoio à causa e ao fim da autoridade religiosa, cultural e política monolítica da Igreja.

Reforma Protestante – Origem

Reforma Protestante começou em 1517 com Martinho Lutero.

Martinho Lutero

Originalmente, a palavra reforma (do latim reformare, “renovar”) sugeria a remoção de impurezas e corrupção das instituições e pessoas da igreja, em vez da separação da Igreja Católica Romana unificada (a palavra católica significa “universal”). Os reformadores não foram inicialmente chamados de protestantes, mas o termo mais tarde foi aplicado a todos os grupos que se opunham à ortodoxia da Igreja Católica.

A Reforma geralmente é reconhecida como tendo começado em 1517, quando Martinho Lutero (1483-1546), um monge alemão e professor universitário, postou suas 95 teses na porta da igreja do castelo em Wittenberg. Lutero argumentou que a igreja precisava ser reformada. Ele acreditava que as pessoas só podiam ser salvas pela fé pessoal em Jesus Cristo e na graça de Deus.

Ele achava que as práticas da Igreja Católica com foco em obras (como peregrinações, venda de indulgências para obter perdão e orações dirigidas aos santos) eram imorais.

Ele também defendeu a impressão da Bíblia na língua do leitor, em vez de em latim. (A impressão em grande escala tornou-se possível com a introdução de tipos móveis na Europa em 1447 por um ourives alemão, Johannes Gutenberg; permitiu a rápida disseminação de ideias, incluindo a de Lutero.) O papa condenou o movimento da Reforma, e Lutero foi excomungado de a igreja em 1521.

A Reforma não surgiu do nada. Sua ascensão foi influenciada por correntes de nacionalismo, mercantilismo, anticlericalismo e oposição aos direitos adquiridos de propriedade nas mãos da Igreja que haviam começado no final do século XIV.

Entre os primeiros que pediram um retorno aos ensinamentos bíblicos estavam John Wycliffe, da Universidade de Oxford, e Jan Hus, da Universidade Charles de Praga.

A igreja queimou Wycliffe postumamente como herege em 1384 e condenou e executou Hus em 1415.

Movimento de reforma espalhou-se por toda a Europa Ocidental

Após o protesto de Lutero um século depois, o movimento reformista estourou em vários lugares, especialmente na Alemanha, e se espalhou por toda a Europa Ocidental.

Foi liderado por reformadores famosos como John Calvin (1509–1564) e Huldrych Zwingli (1484–1531) na Suíça e John Knox (1513–1572) na Escócia. Outros líderes importantes foram Philipp Melanchthon (1497–1560), Martin Bucer (1491–1551) e Heinrich Bullinger (1504–1574).

Os reformadores rejeitaram a autoridade do papa, bem como muitos dos princípios e práticas do catolicismo da época. Os princípios essenciais da Reforma são que a Bíblia é a única autoridade para todas as questões de fé e conduta e que a salvação é pela graça de Deus e pela fé em Jesus Cristo. Embora o rei Henrique VIII da Inglaterra a princípio se opusesse às ideias de Lutero, chamando-se de “defensor da fé”, ele rompeu com a Igreja Católica na década de 1530 e colocou a Inglaterra sob o amplo movimento reformista.

A Igreja e o Estado

Portanto, se voltarmos ao ano de 1500, a Igreja (o que agora chamamos de Igreja Católica Romana) era muito poderosa (política e espiritualmente) na Europa Ocidental (e de fato governava um território significativo na Itália chamado de Estados Papais). Mas havia outras forças políticas em ação também. Havia o Sacro Império Romano (em grande parte composto por regiões de língua alemã governadas por príncipes, duques e eleitores), as cidades-estados italianas, a Inglaterra, bem como os estados-nação cada vez mais unificados da França e Espanha (entre outros). O poder dos governantes dessas áreas havia aumentado no século anterior e muitos estavam ansiosos para aproveitar a oportunidade oferecida pela Reforma para enfraquecer o poder do papado (o cargo do Papa) e aumentar seu próprio poder em relação à Igreja em Roma e outros governantes.

Tenha em mente também que por algum tempo a Igreja foi vista como uma instituição atormentada por lutas internas de poder (em um ponto no final dos anos 1300 e 1400, a Igreja era governada por três papas simultaneamente). Papas e cardeais muitas vezes viveram mais como reis do que como líderes espirituais. Os papas reivindicaram poder temporal (político) e espiritual. Eles comandavam exércitos, faziam alianças políticas e inimigos e, às vezes, até guerreavam. Simonia (a venda de cargos da Igreja) e nepotismo (favoritismo baseado nas relações familiares) eram excessivos.

Martinho Lutero

Obviamente, se o Papa estava se concentrando nessas questões mundanas, não havia muito tempo para cuidar das almas dos fiéis. A corrupção da Igreja era bem conhecida, e várias tentativas foram feitas para reformar a Igreja (notadamente por John Wyclif e Jan Hus), mas nenhum desses esforços desafiou com sucesso a prática da Igreja até as ações de Martinho Lutero no início do século XVI.

Fonte: Vinicius Carlos da Silva/www.mtsu.edu/www.khanacademy.org/www.worldhistory.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Arqueologia de Gênero

Arqueologia de Gênero

PUBLICIDADE Definição A arqueologia de gênero é um método investigativo da subdisciplina de estudar sociedades antigas através …

Criptologia

PUBLICIDADE Criptologia é a ciência preocupada com a comunicação e armazenamento de dados de forma …

Stonehenge

PUBLICIDADE Stonehenge – Monumento Stonehenge é um dos monumentos mais famosos do mundo. Fica na planície …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.