Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Jardins Suspensos da Babilônia  Voltar

Jardins Suspensos da Babilônia

 

Jardins Suspensos da Babilônia
Jardins Suspensos da Babilônia
Uma interpretação dos jardins pelo artista holandês do século 16 Martin Heemskerck

Algumas histórias indicam que os Jardins Suspensos se lavantavam por centenas de metros do chão, mas explorações arqueológicas indicam um número mais modesto, mas ainda impressionante, de altura.

A cidade de Babilônia, sob comando do Rei Nabucodonossor II, (604 - 562 a.C.) deveria ter sido uma maravilha aos olhos do viajante.

" Além de seu tamanho, " escreveu para Herodotus, historiador em 450 a.C., a " Babilônia ultrapassa em esplendor qualquer cidade no mundo ".

Herodotus descreve : as paredes exteriores tinham 90 quilometros em comprimento, 24,30 metros de espessura e 97,536 metros de altura. Largo bastante para permitir uma carruagem de quatro-cavalo a fazer meia volta.

As paredes internas não eram " tão espessas como as externas, mas não menos forte ". Dentro das paredes estavam fortalezas e templos que continham imensas estátuas de ouro maciço. Subindo sobre a cidade era a famosa Torre de Babel, um templo para o deus Marduk que parecia alcançar aos céus.

Enquanto um exame arqueológico dicorda de alguns dados de Herodotus (as paredes exteriores parecem ter só 16 quilometros de comprimento e não eram tão altas) a narrativa dele nos dá uma sensação de como as características da cidade pareciam a esses que a visitaram .

De maneira bastante interessante, entretanto, um dos locais mais espetaculares da cidade não é nem mencionada por Herodotus: Os Jardins Suspensos, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.

Contas indicam que o jardim foi construído por Rei Nabucodonossor que regeu a cidade durante 43 anos que começam em 605 a.C. (há uma história menos fiel, diz que os jardins foram construídos pela Rainha assíria Semiramis durante o reinado de cinco anos que começa em 810 AC).

Esta era a imensidão do poder da cidade e influência e Rei Nabucodonossor : construiram uma ordem surpreendente de templos, ruas, palácios e paredes.

De acordo com contas, os jardins foram construídos para animar a esposa nostálgica de Nabucodonossor, Amyitis. Amyitis, filha do rei do Medes, foi casada a Nabucodonossor para criar uma aliança entre as nações. A terra da que ela veio, entretanto, era verde, áspera e montanhosa, e ela achou o apartamento, terreno sol-assado de Mesopotamia deprimimente. O rei decidiu recrear a pátria dela construindo uma montanha artificial com jardins .

Os Jardins Suspensos provavelmente não se mantiveram " realmente " a sensação de ser suspendida de cabos ou cordas. O nome vem de uma tradução inexata da palavra grega kremastos ou latina pensilis que não significa só "suspensos" mas também " pendendo " como no caso de um terraço ou sacada.

O geógrafo grego Strabo que descreveu os jardins no primeiro século AC, escreveu, " consiste em terraços elevados um sobre outro, e apoiados em pilares cubo-amoldados. Estes são ocos e encheram de terra para permitir plantar árvores do tamanho maior. Os pilares, as abóbadas e terraços são construídos de tijolo assado e asfalto ".

" A ascensão para a história mais alta está através de degraus, e no lado deles estão máquinas de água por meio das quais são empregadas pessoas, designadas expressamente para o propósito, de continuar levando água do Eufrates ao jardim ".

Strabo toca nisso que, para os antigos, provavelmente era a parte mais surpreendente do jardim. Babilônia raramente recebeu chuva e para o jardim sobreviver a isto teria que ter sido irrigado usando água do Rio de Eufrates.

O esquema era: erguia-se a água no ar para que assim pudesse fluir abaixo pelos terraços e poderia molhar as plantas a cada nível. Isto era provavelmente feito por meio de uma "bomba de cadeia."

Uma bomba de cadeia é: duas rodas grandes, uma sobre a outra, conectada por uma cadeia. Na corrente ficam os baldes amarrados. Debaixo da roda, no fundo de uma piscina está a fonte de água. Como a roda é virada, os baldes imergem na piscina e apanham água. A cadeia os ergue então para a roda superior onde os baldes são inclinados e são esvaziados em uma piscina superior. A cadeia leva então o vazio até ser novamente cheio.

A piscina ao topo dos jardins poderia ser alcancada através de portões em canais que faziam papel de fluxos artificiais para molhar os jardins. A roda da bomba debaixo foi presa a uma seta e uma manivela. Virando a manivela dava a energia para o aparelho funcionar.

A construção do jardim não era complicada só por ser difícil levar água até o topo, mas também porque tinha que evitar que a água destruísse-a. Considerando que pedra era difícil de se conseguir na planície de Mesopotamia, a maioria da arquitetura em Babel utilizou tijolo. Os tijolos eram compostos de barro misturado com palha cortada e assados ao sol.

Os tijolos foram unidos então com bitumen, uma substância enlodada que agiu como um morteiro. Estes tijolos dissolveram depressa quando empapou com água. Para a maioria dos edifícios em Babel este não era um problema porque chuva era muito rara. Porém, os jardins foram expostos continuamente a irrigação e a fundação teve que ser protegida.

Diodorus Siculus, um historiador grego, declarou que as plataformas nas quais o jardim estava sobre lajes enormes de pedra, cobertas com capas de cana, asfalto e azulejos. Em cima disto uma coberta foi posta, com folhas de chumbo, evitando que a água da terra pudesse desgastar a base. Em cima de tudo isso foi posta terra de uma profundidade conveniente, suficiente para o crescimento das maiores árvores. Quando a terra foi posta e planificada, foram plantadas todos os tipos de árvores que pela grandeza e beleza encantavam os espectadores.

Qual era a grandeza dos jardins ?

Diodorus nos fala que tinha aproximadamente 121 metros de largura por 121 metros de comprimento e mais de 24,3 metros de altura. Outras contas indicam que a altura era igual às paredes de cidade exteriores. Paredes que Herodotus disse que tinham 97,5 metros de altura.

Em todo caso os jardins tinham uma vista surpreendente: uma montanha verde, copada, artificial que sobe a planície. Mas, na verdade existiu? Afinal de contas, Herodotus nunca menciona isto.

Fonte: geocities.yahoo.com.br

Jardins Suspensos da Babilônia

Como segunda a ser listada entre as maravilhas do mundo antigo, está uma elevação cuja data de realização é estimada no ano de 605 a.C. na cidade de Babilônia então governada por Nebuchadnezzar II (Nabucodonossor II que governou entre 604 e 562 a.C.).

Existe uma versão não muito bem confirmada dando conta de que tenha sido edificada anteriormente pela rainha assíria Semiramis durante seu reinado de cinco anos iniciado em 810 a.C., mas nada disso é ou foi autenticado.

O caldeu Nabucodonossor II fez da cidade de Babilônia a capital do seu império e a cidade mais próspera de todo o mundo antigo. Ela se encontrava na Mesopotâmia às margens do rio Eufrates (sul do Iraque atual). O período de existência dos jardins foi marcado pelo esplendor da cidade e do governo de Nabucodonossor.

Suas medidas são supostas por interpretações e relatos encontrados por parte de viajantes e alguns historiadores como Heródoto que viveu em 450 a.C. e teria contemplado sua edificação.

Segundo ele: "...além do tamanho, a cidade de Babilônia ultrapassava em esplendor qualquer cidade do mundo conhecido".

Acredita-se que tivesse algo entre 25 a 100 metros de altura (dados menos críveis atestam que tivessem centenas de metros de altura).

Os jardins eram apoiados em seis montanhas artificiais e estruturada em maciços erigidos em tijolos de barro cozido ordenados em terraços superpostos, não haviam pedras suficientes para tal obra na região e era uma prática constante nas edificações da região o uso de tijolos confeccionados em uma massa de barro misturado à palha cortada e assados ao Sol.

As montanhas artificiais eram em forma de cone e preenchidas por terra sendo vedadas por betume para evitar a infiltração da água irrigada. Nos terraços foram plantadas árvores e diversas culturas frutíferas e flores. Atingia-se os terraços por uma escada de mármore e contemplava-se as folhagens por mesas e fontes artificiais.

Segundo a versão que atribui a Nabucodonossor, a edificação teria sido realizada em homenagem à sua esposa Amytis, filha do rei Medes, que tinha saudades das montanhas verdejantes de sua terra natal, não sendo a única edificação do rei, mas a maior de uma série que incluiu templos, ruas, palácios e muralhas em um número infindável.

O casamento com Amytis estabeleceu uma aliança importante entre os dois povos. Mas Amytis ficou deprimida ao chegar à Babilônia saindo de uma terra cheia de pastagens, montanhosa, cheia de riachos e cachoeiras para residir em uma região inóspita, arenosa e plana. Seu esposo decidiu então recriar a paisagem desejada por Amytis construindo uma montanha artificial e um jardim na sua área superior.

A denominação de jardins suspensos é portanto parcialmente equivocada porque não diz respeito à jardins devidamente suspensos por cabos ou correntes, mas sim proveniente de uma tradução incorreta da palavra grega Kremastos ou do latim Pensilis que possuem outro significado, o de superpostos.

Strabo, um geógrafo da Grécia antiga tratou os jardins da seguinte forma:

"Eles consistem de terraços superpostos, erguidos sobre pilares em forma de cubo.

Estes pilares são ocos e preenchidos com terra para que ali sejam plantadas as árvores de maior porte.

Os pilares e terraços são construídos de tijolos cozidos e asfalto. A subida até o andar mais elevado era feita por escadas, e na lateral, estavam os motores de água, que sem cessar levavam a água do rio Eufrates até os Jardins”.

Como característica climática temos uma abordagem interessante porque o local não é favorecido por atividades pluviométricas consideráveis, é mais comum a escassez e para a sobrevivência das condições implantadas no local, eram necessários os sistemas de irrigação inexistentes e que foram adaptados para estimular a permanência da flora nos jardins.

Com isso foi preparado um sistema que colhia parte das águas do rio Eufrates por meio de baldes fixados à uma corda que era acionada por duas roldanas. Com o uso das roldanas, os baldes desciam ao nível do rio, sendo preenchidos por água que era elevada para uma piscina imensa posicionada acima do nível dos jardins.

De lá, as águas eram irrigadas para os jardins de maneira suscessiva, ou seja, da mais elevada para a mais inferior de maneira que a que estivesse acima destinava parte de sua água para a outra imediatamente abaixo e assim por diante. O sistema de bombeamento pode ter sido por meio de ação manual (escravos) que faziam girar as roldanas para fazer ascender os baldes para a piscina superior dos jardins.

Apesar de aperfeiçoado para seu tempo, o sistema de irrigação empreendia em um problema que requereu muito trabalho para sua solução, visto que a irrigação proporcionava a ruína das fundações. Deste modo, foi preciso proteger as estruturas de maneira que as imensas plataformas de pedra eram cobertas por camadas de junco, asfalto e azulejos.

Ainda sobre este conjunto, eram colocadas folhas de chumbo para evitar a infiltração de umidade da terra. Só após todo este processo é que foi colocada a terra em profundidade que permitia a plantação de árvores elevadas.

A irrigação dos jardins era uma constante e provavelmente poderia contar com pequenas cascatas e o sistema era movido por grupos de escravos que se revezavam em turnos de trabalho constante. Ainda existia um sistema sofisticado de drenagem da água do terreno elevado, canalizada para uma rede de esgotos internos.

A água elevada para a piscina superior era controlada por pequenas comportas que drenavam para canais artificiais que funcionavam como rios dentro dos jardins e conduzia a água para pequenos aquíferos irrigando todo o complexo. Estes canais eram feitos de tijolos para evitar a infiltração para as estruturas, sendo posteriormente revestidos de metal como o zinco e o cobre, por se tratarem de metais não oxidáveis.

À excessão do que foi levantado por Heródoto, outro historiador grego Diodorus Siculus (Diodoro da Sicília), afirmou que os jardins possuíam cerca de 400 pés de comprimento (121,92 metros) por 400 pés de largura e mais de 80 pés de altura (24,38 metros). Mas outros relatos atestavam que a altura dos jardins era equivalente à altura da cidade em relação à planície de sua região, ou seja, 320 pés (97,53 metros).

Para atestar a veracidade destas informações, Robert Koldewey no ano de 1899 localizou a cidada de Babilônia no centro do Iraque atual. Escavou por 14 anos descobrindo sob toneladas de areia as muralhas exteriores e interiores, a fundação da torre sagrada, conhecido como zigurate de Babel, os palácios de Nabucodonossor e a avenida principal com o famoso portal de Inana/Ishtar, que dá acesso ao complexo de templos e palácios da Babilônia.

Escavando a cidadela ao sul, Koldewey encontrou uma área de subsolo com quatorze salas de tamanho expressivo e com tetos em abóbada. Os registros antigos indicam que apenas duas localidades da cidade fazim uso de pedras, as muralhas da Cidadela do Norte e os Jardins Suspensos.

A muralha da cidadela do Norte já havia sido encontrada e continha pedras, portanto o que foi encontrado por Koldewey não é outro senão o subsolo dos Jardins Suspensos de Babilônia.

Diversos detalhes citados por Diodoro foram confirmados pela continuidade das escavações até que Koldewey conseguiu atingir uma sala com três furos no solo.

Abordagens feitas no local conseguiram concluir que se tratava da localização das roldanas e das correntes utilizadas para a irrigação.

Contudo, as fundações de Koldewey não mediam mais do que 100 por 150 pés (30,48 por 45,72 metros), mesmo assim ainda são medidas que assombram pelo empreendimento realizado por Nabucodonossor para agradar sua rainha e sem dúvida, podia comportar diversos jardins de maneira que a familiaridade com a sua terra de origem poderia ser parcialmente satisfeita

Fonte: academiafinanceira.vilabol.uol.com.br

Jardins Suspensos da Babilônia

Nabuco e os Jardins Suspensos da Babilônia

Nabucodonossor governou a Babilônia por 43 anos, de 605 aC a 562 aC. A cidade prosperou sob o seu governo e durante sua época, muitos edifícios foram construídos. Uma das realizações mais famosas de Nabucodonossor foram os Jardins Suspensos, uma das Sete Maravilhas do Mundo Antigo.

Acreditava-se que Nabucodonossor havia construído os jardins para sua esposa, Myitis de Medes. Ela cresceu em meio às montanhas verdes e achava difícil ajustar-se às planícies quentes da Babilônia. Para diminuir suas saudades de casa, Nabucodonossor construiu um elaborado jardim em torre, irrigado através de uma bomba engenhosa, com água do Eufrates.

Embora os jardins não mais existam, os arqueólogos tentam retratar a sua aparência através da leitura das descrições feitas pelas pessoas que os viram. Um sacerdote babilônico do século III aC, Bersossus, descreveu os jardins como um terraço de tijolos. Deu as dimensões como sendo 400 pés quadrados e 75 pés acima do chão.

Duzentos anos mais tarde, o geógrafo grego Strabo descreveu os jardins como uma série de terraços abobadados, descansando em pilares preenchidos com terra nos quais as árvores foram plantadas.

Os pilares, as abóbadas e os terraços eram feitos com o material de construção mais comum da Babilônia: tijolo de barro. Os tijolos eram feitos misturando-se, primeiramente, argila molhada misturada com palha, deixando os tijolos secarem ao sol.

Um outro historiador grego, Diodorus Siculus, escreveu que os jardins ficavam sobre lajes de pedra, um material de construção raro e caro usado somente em dois edifícios babilônicos. Estas lajes de pedra eram, por sua vez, cobertas por junco, asfalto e ladrilhos. Ele nos diz que o jardim media 400 pés por 400 pés e com mais de 80 pés de altura.

A existência dos jardins foi discutida por um longo tempo. Embora várias descrições desta maravilha antiga existam, um dos historiadores mais famosos do mundo, Herodotus, não os menciona. Herodotus escrevia por volta de 400 aC, bem próximo da época de Nabucodonossor e ele visitou a Babilônia e descreveu os esplendores da cidade em detalhes. Entretanto, ele omite qualquer menção aos jardins, deixando dúvidas sobre sua existência.

O arqueólogo alemão Robert Koldewey escavou Babilônia por 14 anos, descobrindo as paredes internas e externas da cidade, os palácios de Nabucodonossor e uma grande avenida para desfiles que atravessava a cidade. Enquanto ele estava desenterrando a Cidadela Sul, Koldewey descobriu um porão com teto em arcos de pedra.

As pedras eram trazidas de grandes distâncias, com um grande custo para a Babilônia e, portanto, os registros antigos indicam que elas somente eram usadas em dois locais: na parede norte da Cidadela do Norte e nos Jardins Suspensos. A expedição de Koldewey já havia encontrado a parede norte da Cidadela Norte (que, na verdade, era de pedra), portanto, talvez este sítio fosse os Jardins.

À medida que Koldewey continuou, ele descobriu outras características que batiam com a descrição de Diodorus, incluindo um cômodo com três grandes buracos no chão, A hipótese de Koldewey é que estes buracos abrigavam as bombas de cadeia que carregavam a água do rio até o topo dos jardins.

Os jardins somente foram possíveis devido a estas bombas de cadeia, um sistema que operava da mesma forma que um teleférico de esqui. Os baldes eram suspensos por uma corrente com alça. Esta alça era fixada em ângulo com uma extremidade no rio e a outra no ponto mais alto dos Jardins.

Os baldes na parte de baixo pegavam a água no Eufrates (como os esquiadores pegam o teleférico). A roldana puxava os baldes para cima, onde a água era despejada dos baldes (onde os esquiadores pulam para fora do teleférico e começam a descer). Em seguida, a água escorria para baixo, como o esquiador fazendo zigue-zague pelo declive.

A gravidade empurrava a água para baixo, através de cada nível dos Jardins, regando todas as plantas. Os teleféricos de esqui são operados por geradores elétricos, mas a polia da Babilônia era movimentada por escravos humanos. Talvez alguns dos escravos hebreus de Nabuco trabalhassem na bomba de cadeia para regar os Jardins Suspensos de Nabucodonossor.

Fonte: archive.operainfo.org

Jardins Suspensos da Babilônia

Os Jardins Suspensos da Babilônia constituem uma das sete maravilhas do mundo antigo.

É talvez uma das maravilhas relatadas sobre a qual menos se sabe. Muito se especula sobre suas possíveis formas e dimensões tendo em vista os poucos vestígios arqueológicos que já foram encontrados.

A antiga cidade da Babilônia na Mesopotâmia, no reinado de Nabucodonosor II, era uma maravilha para os olhos dos viajantes. "Além do tamanho, escreveu o historiador Heródoto, em 450 a.C., a Babilônia ultrapassa em esplendor qualquer cidade do mundo conhecido até hoje".

Heródoto afirmava que as muralhas externas da cidade tinham 56 milhas de comprimento e 320 pés de altura (97,53 m). Enquanto os achados arqueológicos têm rechaçado alguns dos fatos citados por Heródoto (as muralhas externas parecem ter apenas 10 milhas de comprimento), a sua narrativa nos dá alguma noção do tamanho e da maravilha da cidade, ou seja, como ela parecia para aqueles que a visitavam. Heródoto, entretanto, não chega a citar os Jardins Suspensos, uma das Sete Maravilhas da Antigüidade.

Relatos indicam que os Jardins Suspensos foram construídos pelo rei Nabucodonosor, que reinou por 43 anos, a partir do ano 605 antes da nossa era. Este período marca o apogeu e influência tanto da Babilônia quanto de Nabucodonosor, que construiu uma infinidade de templos, ruas, palácios e muralhas.

Sabe-se que os Jardins foram construídos para alegrar a amada esposa de Nabucodonosor, a Rainha Amyitis, que sentia saudades das montanhas verdejantes de sua terra natal. A Rainha Amyitis, filha do rei de Medes, casou-se com Nabucodonosor a fim de estabelecer uma aliança entre as duas nações.

Medes era uma terra montanhosa e cheia de pastagens, de forma que a jovem rainha achou extremamente deprimente o solo plano e arenoso da Babilônia. Seu esposo, então, decidiu recriar a paisagem natal de Amyitis com da construção de uma montanha artificial e um jardim na parte superior.

Os Jardins Suspensos, provavelmente, não eram suspensos propriamente ditos por cabos ou cordas. Tal nome vem de uma tradução incorreta da palavra grega kremastos ou da palavra latina pensilis, que significam não apenas suspensos, mas superpostos, como no caso de um terraço ou balcão.

O geógrafo grego Strabo, que descreveu os jardins no primeiro século antes da nossa era, escreveu:

Eles consistem de terraços superpostos, erguidos sobre pilares em forma de cubo. Estes pilares são ocos e preenchidos com terra para que ali sejam plantadas as árvores de maior porte. Os pilares e terraços são construídos de tijolos cozidos e asfalto. A subida até o andar mais elevado era feita por escadas, e na lateral, estavam os motores de água, que sem cessar levavam a água do rio Eufrates até os Jardins.

Como funcionava a maravilhas do mundo antigo

Nesses terraços estavam plantadas árvores e flores tropicais e alamedas de altas palmeiras. Dos jardins podia-se ver as belezas da cidade abaixo. Strabo aborda o aspecto mais extraordinário dos jardins suspensos para os povos da Antigüidade.

A região da Babilônia raramente recebia chuvas e para os jardins sobreviverem, deveriam ser irrigados com águas do rio Eufrates, que situava-se nas proximidades. Isto quer dizer que a água deveria ser elevada de forma a fluir através dos terraços, molhando as plantas de cada andar. Provavelmente, a tarefa era executada por meio de um sistema de bombeamento por corrente.

À construção dos jardins e à irrigação destes, deve ser somado o problema da necessidade de evitar que o líquido arruinasse as fundações do complexo. Uma vez que pedra era material escasso nas planícies mesopotâmicas, a maioria das construções usava tijolos de argila cozidos. Estes tijolos, que tinham uma espécie de betume usado como liga, também podiam ser dissolvidos pela água.

Mas, como a região era seca e árida, não havia problemas em utilizá-los desta forma. Entretanto, os jardins exigiam irrigação constante, com a necessidade de ter suas fundações protegidas. Um historiador grego, registrou que as plataformas sobre as quais estavam os jardins eram grandes plataformas de pedra (algo anteriormente desconhecido pelos Babilônicos), cobertas por camadas de juncos, asfalto e azulejos.

Sobre elas, colocava-se uma cobertura com folhas de chumbo para que a umidade vinda da terra não chegasse a atingir as fundações dos pilares. Só então era colocada a terra, numa profundidade suficiente para permitir que fossem plantadas as árvores mais altas.

Qual era o tamanho dos jardins?

Diodoro afirmou que eles tinham cerca de 400 pés de comprimento (121,92 m) por 400 pés de largura (121,92 m) e mais de 80 pés de altura (24,38 m). Outros relatos indicam que a altura era igual às muralhas exteriores da cidade. Segundo se sabe, as muralhas chegavam a 320 pés de altura (97,53 m).

Jardins Suspensos da Babilônia - Realidade ou Fantasia?

Robert Koldewey, em 1899, após localizar a cidade na região central do Iraque moderno, escavou-a por 14 anos, tendo descoberto debaixo de toneladas de areia suas muralhas exteriores e interiores, a fundação da torre sagrada ou zigurate de Babel, os palácios de Nabucodonosor e a avenida principal que passava pelo centro da cidade, com o famoso Portal de Inana/Ishtar, que dava acesso ao complexo de templos e palácios da cidade.

Ao escavar a cidadela do Sul, Koldewey descobriu uma área de subsolo com quatorze salas de grande tamanho com tetos em abóbada. Registros antigos indicavam que apenas duas localizações na cidade faziam uso de pedras, as muralhas da Cidadela do Norte e os Jardins Suspensos. A muralha norte da Cidadela do Norte já havia sido descoberta, e continha, na realidade, pedra. Pelo visto, parecia que Koldewey havia encontrado o subsolo dos Jardins.

Ele continuou a explorar a área e descobriu muitos dos detalhes citados por Diodoro. Finalmente, Koldewey desenterrou uma sala com três grandes e estranhos furos no solo. Ele concluiu que esta era a localização das roldanas e correntes que levavam a água até a superfície, onde se encontravam os jardins.

As fundações que Koldewey descobriu mediam 100 por 150 pés (30,48 por 45,72 m). Menor do que as dimensões citadas pelos historiadores, mas ainda de causar assombro.

E por final fica a dúvida, será que a rainha Amyitis gostou do presente ou ainda ficou sentindo saudades das montanhas de sua terra natal?

Jardins Suspensos da Babilônia
Escultura de areia dos Jardins Suspensos da Babilônia

Resumo

Onde foi construido?

Na cidade da Babilônia, ao sul do rio Eufrades

Qual civilização construiu?

A civilização neo-babilônica, sobre comando de Nabucodonosor para agradar sua esposa Amyitis que tinha saudades do seu reino natal, Média onde existiam muitas montanhas verdes.

Qual o período de construção?

A construção ocorreu por volta de 600 a.C., durante o governo de Nabucodonosor (604 – 562 a.C.)

Qual o material usado?

As bases dele eram de pedras, asfalto e azulejos, o que permitia uma impermeabilização e impedia de ocorrer algum problema com a fundação, e portanto, com toda a estrutura. A estrutura foi em geral feita de tijolos cozidos e asfalto, tanto os pilares quanto os terraços. Nos pilares ocos o único material era a terra própria para a quantidade de plantas que existiria ali.

Ainda está suspenso?

Não, e nem há relatos de como e quando ele foi destruído.

Os únicos registros que se têm sobre ele são dos historiadores gregos: Berossus e Diodoros, pois nenhum arquivo babilônico preserva nada sobre essa obra, que pode nem ter existido.

No reinado de Nabucodonosor II, em 450a.C., a babilônia ultrapassava o esplendor de qualquer cidade conhecida até hoje.

Sobre a cidade Babilônia, Heródoto afirmava que as muralhas externas tinham: 56 milhas de comprimento e 320 pés de altura (97,53m). Achados parecem mostrar muralhas externas de apenas 10 milhas.

Relatos indicam: jardins suspensos foram feitos por Nabucodonosor (604 – 562 a.C.) por volta de 600 a.C. , que reinou por 43 anos. Foi na época de construção que a influência de Nabucodonosor era grande e ele fazia muitas obras. Jardins foram construídos para alegrar a esposa de Nabucodonosor, a rainha Amyitis (Imitis), que sentia saudades das montanhas verdes de sua terra natal. Amyitis casou-se com Nabucodonosor para promover aliança com Mendes (reino do pai dela, chamado também de média). Nabuco mandou criarem uma montanha artificial e um jardim na parte superior.

Outros relatos afirmam que a autoria dos jardins suspensos é da lendária Semíramis (810 – 783 a.C.) , mãe de Adad-nirari III.

O nome jardins suspensos vem de uma tradução errada do grego (kremastos) ou latim(pensilis), que significa também superpostos.

O geógrafo grego Strabo, que descreveu os jardins no primeiro século antes da nossa era, escreveu:

"Eles consistem de terraços superpostos, erguidos sobre pilares em forma de cubo. Estes pilares são ocos e preenchidos com terra para que ali sejam plantadas as árvores de maior porte. Os pilares e terraços são construídos de tijolos cozidos e asfalto. A subida até o andar mais elevado era feita por escadas, e na lateral, estavam os motores de água, que sem cessar levavam a água do rio Eufrates até os Jardins”.

Para irrigar foi necessário um sistema que levasse as águas do rio até o jardim e então fosse descendo irrigando tudo. --- Para levantar água foram usadas duas roldanas, uma em cima, uma em baixo, a elas amarrada uma corda e diversos baldes que pegavam água em baixo e derramavam água em cima, quem movimentava as rodanas eram os escravos. A irrigação era feita por rios artificiais a partir da água que subia. --- As bases podiam sofrer com a água constante e se destruir, por sorte fizeram uma base de pedras, asfalto e azulejos, tudo para impedir a destruição da fundação, apenas após uma boa sustentação que era inserida a terra.

Diodoro afirmou que eles tinham cerca de 400 pés de comprimento (121,92 m) por 400 pés de largura (121,92 m) e mais de 80 pés de altura (24,38 m). Outros relatos indicam que a altura era igual às muralhas exteriores da cidade. Segundo se sabe, as muralhas chegavam a 320 pés de altura (97,53 m)

Quem mais relata sobre os jardins suspensos são os historiadores gregos: Berossus e Diodoros. Nada da babilônia fala sobre eles, existem relatos de outras obras, mas não dessa, que as vezes parece ter sido uma grande invenção de historiadores, juntando diversas coisas da babilônia.

Robert Koldewey encontrou por volta de 1913 no subsolo de onde seria a babilônia uma fundação de pedra que pode ser a antiga fundação do jardim (era de 100 por 150 milhas)

Até hoje ninguém sabe certamente se ele realmente existiu e não existem relatos de como foi destruído.

Pelos dados os jardins suspensos eram seis montanhas artificiais, feitos de tijolos e como terraços, construídos um acima do outro. Existiam palmeiras e diversas árvores tropicais. Ficava a sul do Eufrates.

Era impermeabilizado por camadas de junco, betume e chumbo.

Fonte: virtudious.webnode.com/www.rius.com.br

Jardins Suspensos da Babilônia

História

O reino da Babilônia floresceu sob as regras do famoso Rei Hámurabi (1792 - 1750 a.C.). Foi no reinado de Nabopolassar (625 - 605 a.C.) da dinastia Neo-Babilônica que a Civilização Mesopotâmica alcançou suas últimas glórias.

Seu filho, Nabucodonossor (604 - 562 a.C.), é responsável por construir o lendário Jardins Suspensos.

Há 2500 anos, a cidade de Babilônia era famosa pelas muralhas que a cercavam de todos os lados.

Feitas de tijolos maciços, eram notáveis por causa de sua extensão e largura, onde 2 carros a cavalo, por exemplo, podiam passar, lado a lado, sobre o topo das muralhas.

Outras muralhas, que se elevaram a até 100 metros, cercavam o palácio real. Dizem antigos documentos que no alto das muralhas que protegiam o palácio real havia jardins ainda mais admiráveis que os próprios muros. Devido à altura em que estavam colocados, eram chamados de Jardins Suspensos da Babilônia.

A tradição apresenta 2 versões para a construção dos jardins. A 1a atribui sua autoria à lendária Semíramis, mãe de Adad-nirari III, que reinou entre 810 e 783 a.C. De acordo com a 2a, foram construídos, aproximadamente, em 600 a.C. por ordem do poderoso Nabucodonosor II, para agradar e consolar sua esposa preferida, Amitis, que sentia saudade das montanhas e do verde de sua terra natal, a Média.

Nenhum vestígio concreto dos jardins permanece.

Mas, enquanto as mais detalhadas descrições dos Jardins vem dos historiadores Gregos como Berossus e Diodorus, escrituras babilônicas não falam nada sobre o assunto.

Nos documentos do tempo de Nabucodonossor não há uma simples referência aos Jardins Suspensos, embora descrições dos palácios, da cidade da Babilônia e das muralhas são encontradas.

Mesmo os historiadores que deram descrições detalhadas dos Jardins Suspensos nunca os viram. Historiadores modernos argumentam que quando os soldados de Alexandre, o Grande, conquistaram a fértil terra da Mesopotâmia e viram a Babilônia, eles ficaram impressionados.

Mais tarde, quando eles retornaram para terra natal deles, contavam história sobre fantásticos jardins e palmeiras da Mesopotâmia... sobre o palácio de Nabucodonossor... sobre a Torre de Babel e os zigurates (espécie de templo). Foi a imaginação dos poetas e historiadores antigos que misturou todos este elementos para produzir uma das Sete Maravilhas.

Conta-se que Nabucodonosor enlouqueceu ao completar essa obra. Alguns historiadores, no entanto, atribuem o trabalho à rainha Semíramis. Tudo foi destruído em data desconhecida.

Não foi até o século XX que alguns dos mistérios sobre os Jardins Suspensos foram revelados.

Arqueologistas ainda estão trabalhando para juntar evidências suficientes antes de alcançar as conclusões finais sobre a localização dos Jardins, seu sistema de irrigação e sua verdadeira aparência.

Descrição

Os jardins eram seis montanhas artificiais (terraços). Os terraços eram feitos de tijolos e foram construídos um em cima do outro. A superfície no alto destes terraços chegava a 120 m2. Apoiadas em colunas de 25 a 100 metros de altura, ficavam ao sul do rio Eufrates. Eram impermeabilizadas por camadas de junco, betume e chumbo. Seus construtores evitaram, assim, as infiltrações da rega.

Os escravos trabalhavam em turmas, movimentando engrenagens que funcionavam continuamente para captar a água deste rio para irrigação dos jardins. Ficavam a 200 metros do palácio real.

Nesses terraços estavam plantados árvores e flores tropicais e alamedas de altas palmeiras. Dos Jardins podia-se ver as belezas da cidade abaixo.

Escavações arqueológicas recentes na antiga cidade da Babilônia no Iraque descobriram as fundações do palácio.

Na ala nordeste do palácio real, encontrou-se vestígios possíveis dos jardins, ruínas e fundações de construções abobabadas em tijolos.

Um inusitado poço, com nora e apetrechos, sugere que o conjunto servia à rega.

Outros achados incluem o Edifício Abobadado com paredes grossas e um sistema de irrigação bem próximo ao sul do palácio.

Um grupo de arqueologistas descobriu a área do sul do palácio e reconstruiu o Edifício Abobabado como os Jardins Suspensos.

Contudo, o historiador Grego Strabo disse que os jardins estavam localizados no Rio Eufrates. Outros argumentam que a localização é muito longe do rio Eufrates para sustentar a teoria uma vez que o Edifício Abobabado está várias centenas de metros de distância.

Eles reconstruíram o local e localizaram os Jardins na área.

Fonte: wwww.avanielmarinho.com.br

Jardins Suspensos da Babilônia

Jardins Suspensos da Babilônia
Jardins Suspensos da Babilônia

Jardins Suspensos da Babilônia
Ilustração dos jardins suspensos da Babilônia

A terceira maravilha são os Jardins Suspensos da Babilônia, construídos por volta de 600 a.C., às margens do rio Eufrates, na Mesopotâmia - no atual sul do Iraque.

Os jardins, na verdade, eram seis montanhas artificiais feitas de tijolos de barro cozido, com terraços superpostos onde foram plantadas árvores e flores.

Calcula-se que estivessem apoiados em colunas cuja altura variava de 25 a 100 metros.

Para se chegar aos terraços subia-se por uma escada de mármore; entre as folhagens havia mesas e fontes.

Os jardins ficavam próximos ao palácio do rei Nabucodonosor II, que os teria mandado construir em homenagem à mulher, Amitis, saudosa das montanhas do lugar onde nascera.

Capital do império caldeu, a Babilônia, sob Nabucodonosor, tornou-se a cidade mais rica do mundo antigo.

Vivia do comércio e da navegação, buscando produtos na Arábia e na Índia e exportando lã, cevada e tecidos.

Como não dispunham de pedras, os babilônios usavam em suas construções tijolos de barro cozido e azulejos esmaltados.

No século V a.C., Heródoto dizia que a Babilônia "ultrapassava em esplendor qualquer cidade do mundo conhecido".

Mas em 539 a.C. o império caldeu foi conquistado pelos persas e dois séculos mais tarde passou a ser dominado por Alexandre, o Grande, tornando-se parte da civilização helenística.

Depois da morte de Alexandre (323 a.C.), a Babilônia deixou de ser a capital do império. Começou assim sua decadência.

Não se sabe quando os jardins foram destruídos; sobre as ruínas da Babilônia ergueu-se, hoje, a cidade de Al-Hillah, a 160 quilômetros de Bagdá, a capital do Iraque.

Construção do Jardim

Foram construídos pelo Rei Nabucodonosor no Século VI, a.C. para conquistar e agradar à sua esposa, Amytis, que sonhava com os campos e as montanhas verdes de sua terra natal, muito diferentes do local onde fora morar quando casou.

Os terraços foram construídos uns em cima dos outros e os jardins eram irrigados pela água bombeada do Rio Euphatres, um dos mais importantes da região da Mesopotâmia.

Nesses terraços estavam plantadas árvores, flores tropicais e alamedas de altas palmeiras.

Dos Jardins podia-se ver a beleza da cidade que ficava logo abaixo.

Como eram

Os jardins eram seis montanhas artificiais, apoiadas em colunas de 25 a cem metros de altura, ao sul do rio Eufrates.

Ficavam a duzentos metros do palácio real.

Conta-se que Nabucodonosor enlouqueceu ao contemplar essa obra.

Alguns historiadores, no entanto, atribuem o trabalho à rainha Semíramis.

Tudo foi destruído em data desconhecida.

Sete Fatos rápidos

Localização: Estado da Cidade da Babilônia (atual Iraque)
Construção: Cerca de 600 aC
Função: Jardins Reais
Destruídas: Terremoto, segundo século aC
Tamanho: Altura provavelmente 80 pés (24m).
Feito de: tijolos de barro impermeabilizada com chumbo.
Outros: Alguns arqueólogos sugerem que a localização real não estava na Babilônia, mas 350 milhas ao norte da cidade de Nínive.

Fonte: www.organon.hpg.ig.com.br/web.educom

Jardins Suspensos da Babilônia

Jardins dos céus

Algumas referências dizem que os jardins suspensos avançavam metros e metros na direção dos céus, mas as evidências arqueológicas na cidade da Babilônia indicam que eles não eram tão elevados - ainda assim possuíam altura considerável.

A antiga cidade da Babilônia na Mesopotâmia, no reinado de Nabucodonossor II, era uma maravilha para os olhos dos viajantes. "Além do tamanho, escreveu o historiador Heródoto, em 450 a.C., a Babilônia ultrapassa em esplendor qualquer cidade do mundo conhecido até hoje".

Heródoto afirmava que as muralhas externas da cidade tinham 56 milhas de comprimento e 320 pés de altura (97,53 m). Enquanto os achados arqueológicos têm rechaçado alguns dos fatos citados por Heródoto (as muralhas externas parecem ter apenas 10 milhas de comprimento), a sua narrativa nos dá alguma noção do tamanho e da maravilha da cidade, ou seja, como ela parecia para aqueles que a visitavam. Heródoto, entretanto, não chega a citar os Jardins Suspensos, uma das Sete Maravilhas da Antigüidade.

Relatos indicam que os Jardins Suspensos foram construídos pelo rei Nabucodonosor, que reinou por 43 anos, a partir do ano 605 antes da nossa era. Este período marca o apogeu e influência tanto da Babilônia quanto de Nabucodonosor, que construiu uma infinidade de templos, ruas, palácios e muralhas. Sabe-se que os Jardins foram construídos para alegrar a amada esposa de Nabucodonosor, a Rainha Amyitis, que sentia saudades das montanhas verdejantes de sua terra natal.

A Rainha Amyitis, filha do rei de Medes, casou-se com Nabucodonosor a fim de estabelecer uma aliança entre as duas nações. Medes era uma terra montanhosa e cheia de pastagens, de forma que a jovem rainha achou extremamente deprimente o solo plano e arenoso da Babilônia. Seu esposo, então, decidiu recriar a paisagem natal de Amyitis com da construção de uma montanha artificial e um jardim na parte superior.

 

Os Jardins Suspensos, provavelmente, não eram suspensos propriamente ditos por cabos ou cordas. Tal nome vem de uma tradução incorreta da palavra grega kremastos ou da palavra latina pensilis, que significam não apenas suspensos, mas superpostos, como no caso de um terraço ou balcão.

O geógrafo grego Strabo, que descreveu os jardins no primeiro século antes da nossa era, escreveu:

"Eles consistem de terraços superpostos, erguidos sobre pilares em forma de cubo. Estes pilares são ocos e preenchidos com terra para que ali sejam plantadas as árvores de maior porte. Os pilares e terraços são construídos de tijolos cozidos e asfalto. A subida até o andar mais elevado era feita por escadas, e na lateral, estavam os motores de água, que sem cessar levavam a água do rio Eufrates até os Jardins".

Strabo aborda o aspecto mais extraordinário dos jardins suspensos para os povos da Antigüidade. A região da Babilônia raramente recebia chuvas e para os jardins sobreviverem, deveriam ser irrigados com águas do rio Eufrates, que situava-se nas proximidades. Isto quer dizer que a água deveria ser elevada de forma a fluir através dos terraços, molhando as plantas de cada andar. Provavelmente, a tarefa era executada por meio de um sistema de bombeamento por corrente.

Jardins Suspensos da Babilônia

No desenho, temos duas grandes roldanas, uma em cima da outra, ligadas por uma corrente. Ao longo da corrente, são conectados baldes. Na parte de baixo da roldana inferior, temos uma piscina com a água da fonte. À medida que as roldanas se moviam, os baldes mergulhavam na fonte e eram erguidos até a piscina localizada no andar superior dos jardins, onde os baldes eram derramados, descendo então vazios até a piscina inferior. Veja ilustração.

A piscina na parte superior dos jardins podia então ser liberada por comportas nos canais que atuavam como rios artificiais para irrigar os jardins. A roldana inferior tinha uma manivela e um eixo, movidos por escravos.

À construção dos jardins e à irrigação destes, deve ser somado o problema da necessidade de evitar que o líquido arruinasse as fundações do complexo. Uma vez que pedra era material escasso nas planícies mesopotâmicas, a maioria das construções usava tijolos de argila cozidos.

Estes tijolos, que tinham uma espécie de betume usado como liga, também podiam ser dissolvidos pela água. Mas, como a região era seca e árida, não havia problemas em utilizá-los desta forma. Entretanto, os jardins exigiam irrigação constante, com a necessidade de ter suas fundações protegidas.

Um historiador grego, registrou que as plataformas sobre as quais estavam os jardins eram grandes plataformas de pedra (algo anteriormente desconhecido pelos Babilônicos), cobertas por camadas de juncos, asfalto e azulejos. Sobre elas, colocava-se uma cobertura com folhas de chumbo para que a umidade vinda da terra não chegasse a atingir as fundações dos pilares.

Só então era colocada a terra, numa profundidade suficiente para permitir que fossem plantadas as árvores mais altas. Qual era o tamanho dos jardins? Diodoro afirmou que eles tinham cerca de 400 pés de comprimento (121,92 m) por 400 pés de largura (121,92 m) e mais de 80 pés de altura (24,38 m). Outros relatos indicam que a altura era igual às muralhas exteriores da cidade. Segundo se sabe, as muralhas chegavam a 320 pés de altura (97,53 m).

Mas existiriam eles na verdade?

Robert Koldewey, em 1899, após localizar a cidade na região central do Iraque moderno, escavou-a por 14 anos, tendo descoberto debaixo de toneladas de areia suas muralhas exteriores e interiores, a fundação da torre sagrada ou zigurate de Babel, os palácios de Nabucodonosor e a avenida principal que passava pelo centro da cidade, com o famoso Portal de Inana/Ishtar, que dava acesso ao complexo de templos e palácios da cidade.

Ao escavar a cidadela do Sul, Koldewey descobriu uma área de subsolo com quatorze salas de grande tamanho com tetos em abóbada. Registros antigos indicavam que apenas duas localizações na cidade faziam uso de pedras, as muralhas da Cidadela do Norte e os Jardins Suspensos. A muralha norte da Cidadela do Norte já havia sido descoberta, e continha, na realidade, pedra. Pelo visto, parecia que Koldewey havia encontrado o subsolo dos Jardins.

Ele continuou a explorar a área e descobriu muitos dos detalhes citados por Diodoro. Finalmente, Koldewey desenterrou uma sala com três grandes e estranhos furos no solo. Ele concluiu que esta era a localização das roldanas e correntes que levavam a água até a superfície, onde se encontravam os jardins.

As fundações que Koldewey descobriu mediam 100 por 150 pés (30,48 por 45,72 m). Menor do que as dimensões citadas pelos historiadores, mas ainda de causar assombro. Afinal, será que a rainha Amyitis gostou do presente ou ainda ficou sentindo saudades das montanhas de sua terra natal?

Lee Krystek

Fonte: www.babiloniabrasil.com

Jardins Suspensos da Babilônia

A antiga cidade da Babilônia na Mesopotâmia, no reinado de Nabucodonossor II, era uma maravilha para os olhos dos viajantes. "Além do tamanho, escreveu o historiador Heródoto, em 450 a.C., a Babilônia ultrapassa em esplendor qualquer cidade do mundo conhecido até hoje".

Heródoto afirmava que as muralhas externas da cidade tinham 56 milhas de comprimento e 320 pés de altura (97,53 m). Enquanto os achados arqueológicos têm rechaçado alguns dos fatos citados por Heródoto (as muralhas externas parecem ter apenas 10 milhas de comprimento), a sua narrativa nos dá alguma noção do tamanho e da maravilha da cidade, ou seja, como ela parecia para aqueles que a visitavam.

Heródoto, entretanto, não chega a citar os Jardins Suspensos, uma das Sete Maravilhas da Antigüidade.

Relatos indicam que os Jardins Suspensos foram construídos pelo rei Nabucodonosor, que reinou por 43 anos, a partir do ano 605 antes da nossa era. Este período marca o apogeu e influência tanto da Babilônia quanto de Nabucodonosor, que construiu uma infinidade de templos, ruas, palácios e muralhas.

Sabe-se que os Jardins foram construídos para alegrar a amada esposa de Nabucodonosor, a Rainha Amyitis, que sentia saudades das montanhas verdejantes de sua terra natal. A Rainha Amyitis, filha do rei de Medes, casou-se com Nabucodonosor a fim de estabelecer uma aliança entre as duas nações. Medes era uma terra montanhosa e cheia de pastagens, de forma que a jovem rainha achou extremamente deprimente o solo plano e arenoso da Babilônia.

Seu esposo, então, decidiu recriar a paisagem natal de Amyitis com da construção de uma montanha artificial e um jardim na parte superior.

Os Jardins Suspensos, provavelmente, não eram suspensos propriamente ditos por cabos ou cordas. Tal nome vem de uma tradução incorreta da palavra grega kremastos ou da palavra latina pensilis, que significam não apenas suspensos, mas superpostos, como no caso de um terraço ou balcão.

O geógrafo grego Strabo, que descreveu os jardins no primeiro século antes da nossa era, escreveu:

"Eles consistem de terraços superpostos, erguidos sobre pilares em forma de cubo. Estes pilares são ocos e preenchidos com terra para que ali sejam plantadas as árvores de maior porte. Os pilares e terraços são construídos de tijolos cozidos e asfalto. A subida até o andar mais elevado era feita por escadas, e na lateral, estavam os motores de água, que sem cessar levavam a água do rio Eufrates até os Jardins".

Strabo aborda o aspecto mais extraordinário dos jardins suspensos para os povos da Antigüidade. A região da Babilônia raramente recebia chuvas e para os jardins sobreviverem, deveriam ser irrigados com águas do rio Eufrates, que situava-se nas proximidades. Isto quer dizer que a água deveria ser elevada de forma a fluir através dos terraços, molhando as plantas de cada andar. Provavelmente, a tarefa era executada por meio de um sistema de bombeamento por corrente.

À construção dos jardins e à irrigação destes, deve ser somado o problema da necessidade de evitar que o líquido arruinasse as fundações do complexo. Uma vez que pedra era material escasso nas planícies mesopotâmicas, a maioria das construções usava tijolos de argila cozidos. Estes tijolos, que tinham uma espécie de betume usado como liga, também podiam ser dissolvidos pela água.

Mas, como a região era seca e árida, não havia problemas em utilizá-los desta forma. Entretanto, os jardins exigiam irrigação constante, com a necessidade de ter suas fundações protegidas. Um historiador grego, registrou que as plataformas sobre as quais estavam os jardins eram grandes plataformas de pedra (algo anteriormente desconhecido pelos Babilônicos), cobertas por camadas de juncos, asfalto e azulejos.

Sobre elas, colocava-se uma cobertura com folhas de chumbo para que a umidade vinda da terra não chegasse a atingir as fundações dos pilares.

Só então era colocada a terra, numa profundidade suficiente para permitir que fossem plantadas as árvores mais altas.

Qual era o tamanho dos jardins?

Diodoro afirmou que eles tinham cerca de 400 pés de comprimento (121,92 m) por 400 pés de largura (121,92 m) e mais de 80 pés de altura (24,38 m). Outros relatos indicam que a altura era igual às muralhas exteriores da cidade.

Jardins Suspensos da Babilônia
Jardins Suspensos da Babilônia

Segundo se sabe, as muralhas chegavam a 320 pés de altura (97,53 m). Mas existiriam eles na verdade?

Robert Koldewey, em 1899, após localizar a cidade na região central do Iraque moderno, escavou-a por 14 anos, tendo descoberto debaixo de toneladas de areia suas muralhas exteriores e interiores, a fundação da torre sagrada ou zigurate de Babel, os palácios de Nabucodonosor e a avenida principal que passava pelo centro da cidade, com o famoso Portal de Inana/Ishtar, que dava acesso ao complexo de templos e palácios da cidade.

Ao escavar a cidadela do Sul, Koldewey descobriu uma área de subsolo com quatorze salas de grande tamanho com tetos em abóbada. Registros antigos indicavam que apenas duas localizações na cidade faziam uso de pedras, as muralhas da Cidadela do Norte e os Jardins Suspensos.

A muralha norte da Cidadela do Norte já havia sido descoberta, e continha, na realidade, pedra. Pelo visto, parecia que Koldewey havia encontrado o subsolo dos Jardins. Ele continuou a explorar a área e descobriu muitos dos detalhes citados por Diodoro.

Finalmente, Koldewey desenterrou uma sala com três grandes e estranhos furos no solo. Ele concluiu que esta era a localização das roldanas e correntes que levavam a água até a superfície, onde se encontravam os jardins. As fundações que Koldewey descobriu mediam 100 por 150 pés (30,48 por 45,72 m). Menor do que as dimensões citadas pelos historiadores, mas ainda de causar assombro.

O único legado desta maravilha povoa na mente humana, com pensamentos e sensações que traduzem beleza, delícias e deslumbramento por esta extraordinária obra da antigüidade.

Fonte: www.misteriosantigos.com

Jardins Suspensos da Babilônia

Jardins Suspensos da Babilônia
Simulação gráfica de como eram os Jardins

Trata-se de um grande edifício com terraços interligados por escadarias, erguendo-se em forma de anfiteatro, e onde eram cultivados estupendos jardins, embelezados com fontes e estátuas.

Para a irrigação desses jardins, bombeavam-se as águas do rio Eufrates até o terraço mais alto.

Foi construído por Nabucodonosor como presente à sua esposa Semíramis.

Os jardins não eram propriamente suspensos.

O efeito provinha do fato dos terraços se situarem em diversos planos.

Calcula-se que estivessem apoiados em colunas, cuja altura variava de 25 a 100 metros, rodeadas de escadas de puro mármore.

Jardins Suspensos da Babilônia
Jardins Suspensos da Babilônia

História

Nabucodonosor, rei da Babilônia - atual Iraque -, era casado com Amitis, nascida na Média, um reino vizinho.

A rainha sonhava com os campos e as montanhas verdes de sua terra natal, muito diferentes do deserto onde fora morar quando se casou.

Para consolar a esposa, Nabucodonosor quis trazer para junto dela sua paisagem querida.

Em seu palácio real, sobre balcões de pedra e terraços, construiu magníficos jardins que pareciam suspensos no ar, com fontes e cascatas.

A água vinha do rio Eufrates - um dos mais importantes da região da Mesopotâmia - por meio de bombas.

Dos Jardins Suspensos da Babilônia, construídos no ano 600 antes de Cristo, não restaram traços seguros, a não ser um poço diferente dos normais que parece ter sido usado associado a uma bomba d'água.

Maria Isabel D'Agostino Fleming

Fonte: faustomoraesjr.sites.uol.com.br/chc.cienciahoje.uol.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal