Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Colonização da América  Voltar

Colonização da América

Colonização da América

Processo de ocupação territorial, povoamento e exploração comercial do continente americano pelos europeus iniciado logo após o descobrimento da América.

Na busca do caminho para as Índias (nome genérico dado ao Oriente), Cristóvão Colombo chega à América em 1492. Dois anos depois, o Tratado de Tordesilhas divide o controle do Novo Mundo entre portugueses e espanhóis. Nos anos seguintes, espanhóis, portugueses, franceses, ingleses e holandeses disputam o domínio do novo continente e sua exploração nos moldes do mercantilismo europeu.

De maneira geral, as colônias européias na América dividem-se em colônias de exploração e de povoamento. As primeiras caracterizam-se pela grande propriedade, pela monocultura e pelo trabalho escravo. Especializam-se na produção de metais preciosos e gêneros agrícolas para abastecer o mercado europeu, como é o caso da colonização espanhola e portuguesa e da inglesa no sul dos EUA. No segundo tipo de colônia predominam a pequena propriedade, a policultura e a mão-de-obra familiar. A produção destina-se ao mercado interno. Um exemplo é a colonização inglesa na região conhecida como Nova Inglaterra, nos EUA.

Colonização espanhola Inicia-se com a conquista das ilhas do Caribe no final do século XV e começo do XVI. Com o contato dos espanhóis com as civilizações pré-colombianas, as populações nativas são praticamente exterminadas por causa das guerras, das doenças e da exploração de mão-de-obra. O processo é semelhante em todo o continente. No México, os astecas são arrasados em 1519. No Peru, a conquista e a destruição do Império Inca começam em 1532.

A exploração das minas de metais preciosos é a principal atividade econômica das colônias espanholas. Sistemas de trabalho forçado garantem a utilização de mão-de-obra indígena. Por meio do repartimiento, a terra é dividida entre os colonos, e, pela encomienda, é entregue a eles certo número de índios. Na região andina, pelo sistema da mita uma parcela da população das comunidades indígenas é deslocada temporariamente para o trabalho compulsório nas atividades mineradoras.

A Casa de Contratação, criada em Sevilha em 1503, detém o monopólio das mercadorias comercializadas entre a Espanha e a América. A administração dos territórios é distribuída entre os quatro vice-reinados (Nova Espanha, Nova Granada, Peru e Rio da Prata) e as três capitanias gerais (Cuba, Guatemala e Venezuela). A fragmentação após o processo de independência da América Espanhola dá origem às atuais nações.

Colonização portuguesa

Com o declínio do comércio na Ásia, Portugal passa a ocupar definitivamente o território brasileiro, com a implantação das capitanias hereditárias e a instalação de sesmarias. A partir do século XVII, a pecuária, a mineração e as atividades missionárias expandem a ocupação para o interior.

Colonização inglesa

Começa em 1607 com a Colonização da América do Norte. O povoamento ocorre por meio de colônias pertencentes à realeza ou territórios concedidos pela Coroa à iniciativa particular. No século XVII já estavam formadas as 13 colônias da Nova Inglaterra. Pequenos e médios proprietários, refugiados políticos e religiosos (protestantes calvinistas) instalam-se ao norte (Massachusetts, New Hampshire, Rhode Island e Connecticut) e ao centro (Pensilvânia, Nova York, Nova Jersey e Delaware). Formam pequenas propriedades baseadas no trabalho livre e no artesanato.

Certa atividade industrial é tolerada no centro-norte por não competir com o comércio da metrópole. A região cresce economicamente e passa a escoar o excedente da produção para os mercados do sul.

Mais tarde cria-se o comércio triangular: comerciantes da Nova Inglaterra fabricam o rum para ser trocado por escravos na África, que são vendidos no Caribe e nas colônias do sul. Nos territórios sulistas (Virginia, Maryland, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Georgia) implanta-se a monocultura algodoeira, destinada à exportação.

Desenvolve-se uma sociedade baseada no trabalho de escravos africanos e forma-se uma camada de ricos proprietários de terras e grandes comerciantes exportadores. Apesar de submetidas ao controle da Inglaterra, as 13 colônias instituem uma tradição de autogoverno, que será fundamental na luta pela independência dos Estados Unidos.

Colonização francesa

Os franceses instalam-se na América do Norte, nas regiões do rio São Lourenço e dos Grandes Lagos. Formam as colônias de Terranova, Nova Escócia e Nova França (Canadá) a partir de 1603. Québec é fundada em 1608 e Montreal, em 1643. A partir de 1682 vão para o vale do Mississippi (Louisiana) e fundam Nova Orleans. Para manter o controle das colônias, a Coroa francesa utiliza-se de autoridades locais. O povoamento é pequeno, e as colônias acabam servindo apenas como postos comerciais e estratégicos.

Colonização o que é?

Colonização é o ato de colonizar, ou seja, quando pessoas de um determinado país ou região vão para uma outra região (desabitada ou com nativos) para habitar ou explorar. No processo de colonização, ocorre a influência ou transferência cultural dos colonizadores para os colonizados e vice-versa.

Existem dois tipos de colonização: de exploração e de povoamento. No Brasil, por exemplo, a de exploração foi a que predominou, pois os portugueses vieram para o nosso país, a partir de 1500, para retirar recursos naturais e minerais (pau-brasil, ouro, diamantes) ou para produzir açúcar, levando o lucro para Portugal.

Os portugueses não estavam interessados em desenvolver o Brasil. Este mesmo tipo de colonização ocorreu nos países da América que foram colonizados pela Espanha.

Na colonização de povoamento, os colonizadores buscam desenvolver a região colonizada. Criam leis, organizam, investem em infra-estrutura e lutam por melhorias. Como exemplo, podemos citar a colonização inglesa nos Estados Unidos.

Exemplos de colonização na História:

Colonização Americana: Os Estados Unidos foram colonizados por ingleses. O Canadá foi colonizado pelos ingleses e franceses. O Brasil foi colonizado pelos portugueses. Os países de língua espanhola da América (Argentina, México, Peru, Bolívia, Equador, Venezuela, Uruguai, Paraguai, Colômbia, Chile, entre outros) sofreram colonização espanhola.

Colonização da África: os países africanos foram colonizados pelos europeus (colonização de exploração). Portugal, por exemplo, colonizou Angola, Moçambique e Cabo Verde. A África do Sul foi colonizada pelos ingleses. Marrocos e Argélia foram colonizados pela França.

Colonização da Oceania: tanto Austrália quanto a Nova Zelândia foram colonizadas pela Inglaterra.

Fonte: www.geocities.yahoo.com.br

Colonização da América

Colonização européia das Américas

O início da colonização européia das Américas é geralmente datada de 1492, embora tenha havido pelo menos um início de colonização esforço. Os primeiros europeus conhecidos para alcançar as Américas se acredita ter sido o Vikings ("Norse"), durante o século XI, que estabeleceu várias colônias na Groenlândia e uma liquidação de curta duração em L'Anse aux Meadows na área da Norse chamado Vinland , presente Newfoundland dia. Assentamentos na Groenlândia sobreviveu durante vários séculos, durante os quais a Groenlândia Nórdica e os Inuit pessoas experientes principalmente contato hostil. Até o final do século XV, os assentamentos escandinavos da Groenlândia tinha desmoronado. Em 1492, um espanhol expedição chefiada por Cristóvão Colombo chegou à América, depois do qual a exploração e colonização européia expandiu rapidamente, primeiro através de grande parte da região do Caribe (incluindo as ilhas de Hispaniola, Porto Rico e Cuba ) e, no início do século XVI , partes das terras firmes do Norte e América do Sul.

Eventualmente, todo o hemisfério ocidental viria sob a dominação das nações europeias, levando a mudanças profundas para a sua paisagem, a população, e vida vegetal e animal. No século XIX, por si só mais de 50 milhões de pessoas deixaram a Europa para as Américas. O pós-1492 era conhecido como o período da Bolsa colombiana. A batata , o abacaxi , o peru , dálias, girassóis , magnólias , milho , pimentões, e de chocolate foi para o leste através do Oceano Atlântico.

Varíola e sarampo , mas também o cavalo ea arma viajou Oeste.

O fluxo de benefício parece ter sido unilateral, com a Europa a ganhar mais. No entanto, a colonização e exploração das Américas também transformou o mundo, acabou de adicionar 31 novos Estados-nação para a comunidade global. Por um lado, o cultural e religiosa arrogância que os colonos levados a negar qualquer coisa de valor na América pré-colombiana era destrutiva, mesmo genocida. Por outro lado, muitos daqueles que se instalaram no Novo Mundo também foram visionários políticos e sociais, que encontraram oportunidades lá, o que para eles era uma tabula rasa, para visar a atingir seus mais altos ideais de justiça, igualdade e liberdade . Alguns dos mais estáveis do mundo democracias existir como um resultado deste processo de transformação.

Doenças e perda de população

O estilo de vida europeu e asiático incluiu uma longa história de compartilhar de perto com animais domésticos, como vacas, porcos, ovelhas , cabras, cavalos, e vários Caseiro aves, o que resultou em epidemia de doenças desconhecidas no continente americano.

Assim, o contato em grande escala com os europeus a partir de 1492 introduziu novos germes para os povos indígenas das Américas. Epidemias de varíola (1518, 1521, 1525, 1558, 1589), tifo (1546), gripe (1558), difteria (1614) e sarampo (1618) varreu a frente do contato europeu inicial, matando entre 10 milhões e 20 milhões as pessoas, até 95 por cento da população indígena das Américas. Esta perda de população eo caos cultural e política colapsos que causou facilitou tanto a colonização da terra ea conquista das civilizações nativas. Mann diz que "o que aconteceu depois que Colombo era como mil kudzus em toda parte." "Em todo o hemisfério", escreveu ele, "os ecossistemas rachou e soltou como o gelo do inverno".

As estimativas da população das Américas na época de Colombo chegaram têm variado tremendamente. Este debate população teve muitas vezes ideológicos bases. Alguns têm argumentado que as estimativas contemporâneas de uma alta população indígena pré-colombiana estão enraizados em um preconceito contra aspectos da civilização ocidental e / ou o cristianismo. Robert Real escreve que "as estimativas de números da população pré-colombianas se tornaram fortemente politizado com estudiosos que são particularmente críticos da Europa, muitas vezes favorecendo figuras incrivelmente altas."

Desde as civilizações se levantaram e caíram nas Américas antes de Colombo chegou, a população indígena 1492 não era necessariamente em um ponto alto, e pode já ter estado em declínio. Populações indígenas na maioria das áreas das Américas chegou a um ponto baixo no início do século XX, e em um número de casos começou a subir novamente.

O número de mortes causadas pela guerra europeu, indígena tem sido difícil de determinar.

Em seu livro, The Wild Frontier: atrocidades cometidas durante a guerra americana-indiano de Jamestown Colônia de Wounded Knee, William M. Osborn procurou registro cada atrocidade registrada na área que viria a ser a continental Estados Unidos , desde o primeiro contato (1511) para o fechamento da fronteira (1890), e determinou que 9.156 pessoas morreram de atrocidades perpetradas pelos nativos americanos, e 7.193 pessoas morreram desde aqueles perpetrados pelos europeus. Osborn define uma atrocidade como o assassinato , a tortura ou mutilação de civis, os feridos e os prisioneiros.

Michno estima 21.586 mortos, civis e soldados feridos e capturados para o período de 1850-1890 sozinho.

Conquistas iniciais, reclamações e colônias

As primeiras conquistas foram feitas pelo Espanhol eo Português. Em 1494 o Tratado de Tordesilhas , ratificado pelo Papa, esses dois reinos divididos de todo o mundo não europeu entre si, com uma linha desenhada pela América do Sul. Com base neste Tratado, e as reivindicações por explorador espanhol Vasco Núñez de Balboa para todas as terras tocando o Oceano Pacífico, o espanhol território conquistado rapidamente, derrubando os astecas e impérios Inca para ganhar o controle de grande parte do oeste da América do Sul, América Central e México por meados do século XVI, além de suas conquistas anteriores do Caribe.

Durante este mesmo período, Portugal conquistou grande parte do leste da América do Sul, nomeando- Brasil.

Outros países europeus logo disputaram os termos do Tratado de Tordesilhas, que não tinha negociado. Inglaterra e França tentaram colônias de plantas nas Américas no século XVI, mas estes se reuniram com o fracasso. No entanto, no século seguinte, os dois reinos, juntamente com a Holanda, conseguiu estabelecer colónias permanentes. Alguns deles estavam em ilhas do Caribe, que já tinha sido muitas vezes conquistado pelo espanhol ou despovoada pela doença, enquanto outros estavam no leste da América do Norte, que não tinha sido colonizado por Espanha, a norte de Florida.

Possessões européias início na América do Norte incluído espanhol Florida, as colônias inglesas da Virginia (com suas | off-shoot do Atlântico Norte, as ilhas de Somers ) e Nova Inglaterra , as colônias francesas da Acádia e Canadá, o sueco colônia de Nova Suécia , ea Holandês Nova Holanda. No século XVIII, a Dinamarca - Noruega reviveu suas ex-colônias na Groenlândia, enquanto o Império Russo ganhou uma posição no Alaska.

À medida que mais países ganhou um interesse na colonização das Américas, competição por território tornou-se cada vez mais acirrada. Colonos muitas vezes enfrentou a ameaça de ataques de colônias vizinhas, bem como de tribos indígenas e piratas.

Os primeiros colonos patrocinados pelo Estado

A primeira fase da atividade européia nas Américas começou com as do Oceano Atlântico cruzamentos de Cristóvão Colombo (1492-1504), patrocinada pela Espanha, cuja tentativa inicial era encontrar uma nova rota para a Índia e China, conhecido como "Índias". Ele foi seguido por outros exploradores como John Cabot , que descobriu a Terra Nova e foi patrocinado pela Inglaterra. Pedro Álvares Cabral descobriu o Brasil para Portugal. Amerigo Vespucci , trabalhando para viagens em Portugal 1497-1513, estabeleceu que Colombo havia descoberto um novo conjunto de continentes. cartógrafos ainda usam uma versão latinizada do seu nome, América, para os dois continentes. Outros exploradores incluído Giovanni da Verrazano, patrocinada pela França, o Português João Vaz Corte-Real, em Newfoundland, e Samuel de Champlain (1567-1635), que explorou o Canadá.

Em 1513, Vasco Núñez de Balboa atravessou o istmo do Panamá e liderou a primeira expedição européia para ver o Oceano Pacífico da costa oeste do Novo Mundo. Em uma ação com importação histórica duradoura, Balboa reivindicou o Oceano Pacífico e todas as terras adjacentes para a Coroa espanhola.

Era 1517 antes de outra expedição de Cuba visitou a América Central, o desembarque na costa de Yucatán em busca de escravos.

Estas explorações foram seguidos, nomeadamente no caso da Espanha, por uma fase de conquista: Os espanhóis, depois de ter acabado a Reconquista da Espanha de muçulmano regra, foram os primeiros a colonizar as Américas, aplicando-se o mesmo modelo de governar para o ex- Al -Andalus como aos seus territórios do Novo Mundo. Dez anos após a descoberta de Colombo, a administração de Hispaniola foi dada a Nicolás de Ovando da Ordem de Alcántara, fundada durante a Reconquista. Como na Península Ibérica, os habitantes de Hispaniola foram dadas novas landmasters, enquanto ordens religiosas lidou com a administração local. Progressivamente o sistema de encomienda, que concedeu terras aos colonos europeus, foi colocada no lugar.

Um número relativamente pequeno de conquistadores conquistou vastos territórios, auxiliados por epidemias e as divisões entre os grupos étnicos indígenas.

México foi conquistado por Hernán Cortés em 1519-1521, enquanto que a conquista do Inca , por Francisco Pizarro , ocorreu 1532-35.

Durante o primeiro século e meio depois de viagens de Colombo, a população nativa das Américas despencou por cerca de 80 por cento (de cerca de 50 milhões em 1492 para oito milhões em 1650), principalmente por surtos de doenças do Velho Mundo, mas também por vários massacres e trabalho forçado (a mita foi restabelecida no antigo Império Inca , eo tequitl equivalente da mita-in do Império Asteca). Os conquistadores substituído as oligarquias nativas americanas, em parte através da miscigenação com as elites locais.

Em 1532, Carlos V, imperador do Sacro Império Romano impôs um vice-rei do México, Antonio de Mendoza, a fim de evitar movimentações independentistas Cortes ", que definitivamente retornou à Espanha em 1540. Dois anos mais tarde, Charles V assinou as novas leis (que substituiu as Leis de Burgos de 1512) que proíbem a escravidão e as repartimientos, mas também reivindicando como seu próprio todas as terras da América e todos os povos autóctones, como seus próprios súditos.

Quando maio 1493, o Papa Alexandre VI promulgou a bula Inter caetera concessão das novas terras para o Reino de Espanha, pediu em troca uma evangelização do povo. Assim, durante Columbus segunda viagem 's, Beneditinos frades acompanhou, juntamente com outros doze sacerdotes. Como a escravidão foi proibida entre cristãos, e só poderia ser imposta a prisioneiros não-cristãs de guerra ou sobre os homens já vendidos como escravos, o debate sobre a cristianização foi particularmente aguda durante o século XVI.

Em 1537, a bula papal Sublimis Deus reconheceu que os nativos americanos possuíam almas , proibindo assim sua escravização, sem pôr fim ao debate. Alguns alegaram que um nativo que havia se rebelado e, em seguida, foi capturado poderia ser escravizado, no entanto. Mais tarde, a controvérsia de Valladolid contra o dominicano padre Bartolomé de Las Casas para outro Dominicana filósofo Juan Ginés de Sepúlveda, o primeiro argumento de que os nativos americanos eram seres dotado de almas, como todos os outros seres humanos, enquanto o segundo argumentou o contrário e justificado sua escravização.

O processo de cristianização foi a primeira violento: Quando os primeiros franciscanos chegaram ao México em 1524, eles queimaram os lugares dedicados ao culto pagão, alienando grande parte da população local.

Na década de 1530, eles começaram a adaptar as práticas cristãs locais aduaneiro, incluindo a construção de novas igrejas nos locais de antigos lugares de culto, levando a uma mistura de cristianismo Velho Mundo com as religiões locais.

A Igreja Católica espanhola Roman, precisando de trabalho e cooperação, evangelizado em Quechua dos nativos, Nahuatl, Guarani e outras línguas nativas americanas, contribuindo para a expansão das línguas indígenas e equipando alguns deles com sistemas de escrita. Uma das primeiras escolas primitivas para os nativos americanos foi fundado por Frei Pedro de Gante em 1523.

Para recompensar as tropas, os Conquistadores frequentemente atribuído cidades indianas para seus soldados e oficiais. Preto Africano escravos foram introduzidos para substituir o trabalho do nativo americano em alguns locais, principalmente das Índias Ocidentais, onde a população indígena foi se aproximando de extinção em muitas ilhas.

Durante este tempo, o Português gradualmente mudado de um plano inicial de estabelecer feitorias à extensa colonização do que hoje é Brasil. Eles importaram milhões de escravos para executar suas plantações.

Os governos de Portugal e Espanha reais esperados para governar esses assentamentos e coletar pelo menos 20 por cento de todo o tesouro encontrado (Real Quinto recolhidos pela Casa de Contratação), além de recolher todos os impostos que podiam.

No final do século XVI americano prata foram responsáveis por um quinto do orçamento total da Espanha. No século XVI, talvez 240 mil europeus entraram portos americanos.

Imigrantes econômicos

Muitos imigrantes para as colônias americanas veio por razões econômicas.

Inspirado nas riquezas das colônias espanholas fundadas sobre a conquista dos astecas, incas e outros grandes populações nativas americanas no século XVI, a primeira ingleses para resolver na América do esperado para algumas das mesmas descobertas ricos quando eles estabeleceram um acordo em Jamestown, Virgínia . Eles foram patrocinados por empresas de ações comuns, como a Virginia Companhia fretado (e seu desdobramento, a Somers Isles Company) financiado por ingleses ricos, que compreendeu o potencial econômico dessa nova terra. O principal objetivo desta colônia era a esperança de encontrar ouro ou a possibilidade (ou impossibilidade) de encontrar uma passagem através das Américas para as Índias. Demorou líderes fortes, como John Smith , para convencer os colonos de Jamestown que a procura de ouro não estava cuidando de suas necessidades imediatas de comida e abrigo e que "quem não deve trabalhar não comerá" (A direção baseado em texto de o Novo Testamento ). A taxa de mortalidade extremamente elevada foi bastante angustiante e motivo de desespero entre os colonos. Tobacco rapidamente tornou-se uma colheita de dinheiro para a exportação eo motorista econômico sustentável da Virgínia e colônias próximas, como Maryland.

Desde o início dos assentamentos da Virgínia em 1587 até a década de 1680, a principal fonte de trabalho e uma grande parte dos imigrantes foram contratados servos à procura de uma nova vida nas colônias ultramarinas.

Durante o século XVII, servos constituída de três quartos de todos os imigrantes europeus para a região de Chesapeake. A maioria dos servos eram agricultores ingleses, que haviam sido expulsos de suas terras devido à expansão da pecuária, o recinto de terra, e superlotação no campo. Este por sua vez, infeliz de eventos serviu como um impulso para milhares de pessoas (homens principalmente individuais) de distância de sua situação na Inglaterra. Havia esperança, no entanto, como os proprietários de terras americanas estavam precisando de trabalhadores e estavam dispostos a pagar para a passagem de um trabalhador para a América se serviu por vários anos. Com a venda de passagem por cinco a sete anos no valor de trabalho que poderiam esperar para começar por conta própria nos Estados Unidos.

Nas regiões coloniais francesas, o foco da economia era o comércio de peles com os índios. Agricultura foi criado principalmente para fornecer subsistência só, apesar de bacalhau e outros peixes dos Grandes Bancos foram um grande exportação e fonte de renda para as outras nações europeias franceses e muitos outros. O comércio de peles também era praticada pelos russos na costa noroeste da América do Norte. Após a Guerra Franco-Indígena, os britânicos foram cedidas todas as possessões francesas na América do Norte a leste do Rio Mississippi, além das pequenas ilhas de Saint-Pierre e Miquelon.

Imigração religiosa

Os católicos romanos foram o primeiro grande grupo religioso para imigrar para o Novo Mundo, como colonos nas colônias de Portugal e Espanha (e, mais tarde, na França) eram obrigados a pertencer a essa fé. Inglês e holandês colónias, por outro lado, tendeu a ser mais religiosos diverso. Settlers para essas colônias incluído anglicanos , holandeses calvinistas , puritanos ingleses, Inglês católicos, presbiterianos escoceses, franceses huguenotes , os luteranos alemães e suecos, bem como Quakers , Menonitas , Amish , morávios e judeus de várias nacionalidades.

Muitos grupos de colonos vieram para as Américas em busca do direito de praticar a sua religião sem perseguições. A Reforma Protestante do século XVI, quebrou a unidade da cristandade ocidental europeia e levou à formação de inúmeras novas seitas religiosas, que muitas vezes enfrentam perseguição por parte das autoridades governamentais. Na Inglaterra, muitas pessoas passaram a questionar a organização da Igreja da Inglaterra no final do século XVI. Uma das manifestações primárias de este era o movimento puritano, que procurou "purificar" a Igreja existente da Inglaterra de seus muitos ritos católicos residuais que eles acreditavam ter nenhuma menção na Bíblia.

Um crente forte na noção do direito divino dos reis , da Inglaterra, Charles I perseguiram os dissidentes religiosos. Ondas de repressão levou à migração de cerca de 20.000 puritanos para a Nova Inglaterra entre 1629 e 1642, onde fundaram várias colônias. Mais tarde, no século, o novo Pensilvânia colônia foi dado a William Penn em liquidação de uma dívida, o rei devia a seu pai. Seu governo foi criada por William Penn em cerca de 1682 para tornar-se principalmente um refúgio para os perseguidos Quakers inglês, mas outros foram bem-vindas. Batistas, quakers e os protestantes alemães e suíços se reuniram para a Pensilvânia.

A atração de terra barata, a liberdade religiosa eo direito de aperfeiçoar-se com a sua própria mão era muito atraente para aqueles que queriam escapar da perseguição e da pobreza. Nos Estados Unidos, todos esses grupos trabalharam gradualmente para fora uma maneira de viver juntos em paz e cooperação nas cerca de 150 anos que precederam a Revolução Americana.

Muitos desses colonos teve quase utópicas visões de construção de um mundo melhor. Eles esperavam que pelo menos alguns dos erros do Velho Mundo poderia ser deixado para trás. Para os cidadãos que se tornou os Estados Unidos, jogando fora de governação colonial foi uma oportunidade para começar de novo, para criar uma sociedade baseada em direitos humanos, liberdade e justiça.

Imigração forçada

A escravidão existiu nas Américas, antes da presença dos europeus, como os nativos, muitas vezes capturado e mantido membros de outras tribos como cativos.

Alguns desses prisioneiros foram mesmo obrigados a submeter-se a sacrifícios humanos em algumas tribos, como os astecas . O espanhol seguiu com a escravização dos aborígenes locais no Caribe . À medida que as populações nativas diminuíram (principalmente de doenças européias, mas também, e de forma significativa a exploração forçado e homicídio negligente), muitas vezes eles foram substituídos por africanos importados através de um grande comércio de escravos comercial. Por volta do século XVIII, a esmagadora maioria dos escravos negros era tal que a escravidão indígena americana foi menos usado. Os africanos, que foram levados a bordo de navios de escravos para as Américas, foram obtidos principalmente a partir de suas terras africanas por tribos costeiras que capturou e vendeu-os. A alta incidência da doença quase sempre fatal para os europeus mantiveram quase todas as atividades de captura de escravos confinados a tribos africanas nativas. Rum, armas e pólvora foram alguns dos principais itens comerciais trocados por escravos. Ao todo, aproximadamente 300.000 para 400.000 escravos negros afluíram para os portos de Charleston, Carolina do Sul e Newport, Rhode Island até cerca de 1810. O total do comércio de escravos para as ilhas do Caribe, Brasil, México e nos Estados Unidos estima-se que 12 milhões de africanos envolvidos.

Destes, 5,4 por cento (645 mil) foram trazidos para o que é hoje os Estados Unidos.

Além de escravos africanos, pobres europeus foram trazidos em quantidades substanciais, como servos, particularmente nas Treze Colônias britânicas

Legado

Nos últimos anos, tem sido enfatizado as conseqüências calamitosas da colonização européia sobre a vida dos nativos americanos. Mann discute a arrogância cultural que permitiu que os colonos europeus não só para explorar as Américas, mas negar que antes de 1492, as Américas "não tinha história real", sendo "vazio da humanidade e suas obras." Nesta visão, o povo da América do "viveram em um eterno, estado-histórico".

A pesquisa tem ajudado não só a altos níveis de realização na América pré-colombiana em áreas como calendário de decisões e matemática, mas uma compreensão sofisticada da relação entre o meio natural e os seres humanos. Mann resiste à tentação de romantizar a respeito retratando "índios como modelos verdes", comentando que "interação nativo americano com o meio ambiente foram tão diversos como os próprios nativos americanos".

No entanto, eles se acumulam, ele diz, "uma notável corpo de conhecimento sobre como gerenciar e melhorar o seu ambiente "que retêm valor.

Uma lição que os nativos aprendi foi que quem "mais explorado o ambiente ia ser morto." Por exemplo, o povo ianomâmi da Amazônia viveram por séculos de uma forma que "não tenha danificado a floresta", usando técnicas agrícolas que têm mantido "grupos humanos sustentável dentro dos limites ecológicos rígidos dos trópicos".

Por outro lado, o mapa do mundo e do conhecimento da humanidade do mundo foi transformada pela colonização européia das Américas. As civilizações antigas foram conquistados e muito do seu legado destruído, mas 31 países, incluindo algumas das democracias mais estáveis, juntaram-se à comunidade mundial. Mais pessoas foram interligados em todo o mundo. Algumas das pessoas que se instalaram viu suas novas sociedades como tabula rasa, onde os princípios de justiça e igualdade poderia ser posta em prática, sem ter que desmontar não-igualitárias, os sistemas existentes, injustos. Claro, o governo colonial qualificado como injusto. No entanto, pelo menos no caso das Treze Colônias, isso não pegar impulso suficiente para suportar desafio revolucionário. Espiritualidade nativo americano reverencia a natureza muitas vezes e vi a humanidade como parte da natureza. A terra não era "propriedade" de pessoas, mas sim, as pessoas eram de propriedade da terra, que era para ser respeitada e cuidada.

Referências

Axtell, James nativos e recém-chegados: As Origens Culturais da América do Norte, New York, NY:.. Oxford University Press, 2001 ISBN 9780195137705 .
Calloway, Colin G. Novos Mundos para Todos:. Índios, europeus, ea recomposição de Early America Baltimore, MD: Johns Hopkins University Press, 1997. ISBN 9780801854484 .
Crosby, Alfred W. A Bolsa colombiana; consequências biológicas e Cultural de 1492 Westport, CT: Greenwood Pub.. Co., 1972. ISBN 9780837158211 .
Mann, Charles C. 1491: Novas Revelações das Américas antes de Colombo New York, NY:. Knopf, 2005. ISBN 9781400040063 .
Morison, Samuel Eliot The Great Explorers:.. A descoberta européia da América New York, NY: Oxford University Press, 1978. ISBN 9780195023145 .
Osborn, William M. The Wild Frontier: atrocidades cometidas durante a guerra americano-indiano de Jamestown Colony para Wounded Knee New York, NY:.. Random House, 2000 ISBN 9780375503740 .
Polk, William Roe The Birth of America:. Diante de Columbus à Revolução New York, NY:.. Harper Collins, 2006 ISBN 9780060750909 .
Seaver, Kirsten A. The Echo Congelados: Groenlândia e de Exploração da América do Norte, ca. AD 1000-1500 Stanford, CA:.. Stanford University Press, 1996 ISBN 9780804725149 .
.. Segal, Ronald A diáspora negra New York, NY: Farrar, Straus and Giroux, 1995. ISBN 9780374113964 .
Starkey, Armstrong. Europeu Native guerra norte-americano, 1675-1815 .. Norman, OK:. University of Oklahoma Press, 1998 ISBN 9780806130743

Fonte: www.newworldencyclopedia.org

Colonização da América

A conquista e a colonização da América

A ação colonizadora que a Espanha vai desenvolver nas suas terras na América vai ser pautada por dois comportamentos (ampliação dos limites da fé cristã e a busca de lucros) que são conseqüência direta do processo de reconquista da península ibérica que estava sob controle dos mulçumanos.

Desta forma a prática espanhola entendia que a ocupação das terras reconquistadas ou conquistadas poderia ser efetuada a partir de uma ação estática (conquistar como ação colonizadora) ou de uma ação móvel (conquistar como assaltar, saquear e ir adiante) que de uma forma ou outra resultaria no domínio sobre as terras ocupadas.

A Colonização da América pela Espanha foi organizada com base nestes dois princípios:

O primeiro é comerciar e firmar estabelecimentos para permitir o desenvolvimento do comércio, como fez Colombo que já em 1493 vai, junto com seus familiares fundar cidades, portos e incentivar práticas agrícolas na região das ilhas do Caribe. (assista ao filme 1492 a conquista do Paraíso).

O segundo é invadir e ir adiante e tem como fundamento básico à perspectiva de afirmação da autoridade real espanhola já que os seus executores terminam atuando em nome do rei estando ao seu servicio (obrigação de fidelidade para com o rei) e desta forma terminam por receber a merced (espécie de permissão para explorar determinadas atividades) esta forma de atuação vai ser verificada quando a partir de 1519 os espanhóis vão iniciar a conquista das terras continentais da América atacando os astecas e os Incas.

Não podemos deixar de citar aqui que estas ações contavam com o conhecimento e a aceitação da Igreja que terminava por dar a sanção moral e a sacralização para as ações dos militares, conquistadores, aventureiros e comerciantes espanhóis.

Como conseqüência do processo de conquista da América a Espanha vai ter que organizar a exploração das suas colônias sem deixar de levar em conta a necessidade de afirmação da soberania da coroa espanhola, das medidas para o estabelecimento e afirmação da fé cristã, para a necessidade de imigração e desenvolvimento de uma política de colonização bem como e não menos importante do domínio amplo da terra e do povo que nela já vivia.

Podemos dividir a conquista e Colonização da América em dois momentos distintos e que terminam por ser complementares. O primeiro é o que pode ser denominado de ação colonizadora extracontinental, ou seja, nas ilhas existentes ao longo do Caribe este primeiro momento vai de 1492 a 1519 e pode ser organizado em três momentos.

CONTATOS INICIAIS

OURO E MAIS OURO (SONHO ESFACELADO)
O NATIVO COMO MERCADORIA QUE SUBSTITUI O OURO
PODE-SE ESCRAVIZAR?
ESCRAVIZAR NÃO PODE!
COMO ESCRAVIZAR?
A ÇÃO PRIVADA SEM SUCESSO
A ÇÃO PÚBLICA EFICAZ

RELAÇÕES DE TRABALHO

ESCRAVIDÃO
TRABALHO PAGO
MIX (REPARTIMIENTO E ENCOMIENDA)
ESCRAVIDÃO
TRABALHO PAGO

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA A PARTIR DE UMA VIDA URBANA

CABILDO
VECINOS
AUDIENCIA
REPARTIMIENTO E ENCOMIENDA

A Colonização da América por parte dos europeus sempre teve como um dos focos o desejo de encontrar metais preciosos. Motivados pelo ouro que encontraram desde os primeiros contatos com os povos das ilhas do Caribe, os espanhóis passaram a buscar incessantemente as fontes de tal metal.

Durante o desenvolvimento da colonização nesta fase das ilhas logo os espanhóis vão perceber que o seu sonho de ouro fácil não seria concretizado ali nas ilhas e passaram a explorar a mão-de-obra local o que de certa forma terminou por significar uma substituição do metal pelo lucro que a exploração do trabalho nativo proporcionava.

Diante deste fato entra o espanhol em um dilema sobre a legalidade da escravização deste povo e se caso fosse possível escravizar como poderia ser realizada tal atividade. Esta questão se revela de tal forma confusa que durante os primeiros cinqüenta anos de exploração colonial os governantes da Espanha vão autorizar a escravidão, proibi-la (instituindo o surgimento do trabalho pago), para depois autorizar a utilização do trabalho livre com o escravo, voltando a permitir livremente a escravidão para logo em seguida proibir outra vez, exceto em caso de guerra justa (termo utilizado para escravizar povos nativos que eram acusados de negar cristo e não aceitar a autoridade do rei da Espanha).

Este vai e vem da coroa espanhola vai terminar por fortalecer a utilização das estruturas administrativas de domínio que eram utilizadas pelos governantes Astecas e Incas respectivamente no México e Peru. Ao mesmo tempo passou a adaptar a sua própria estrutura administrativa trazida da Espanha à realidade das colônias americanas.

Assim criando uma estrutura urbana com base no poder do cabildo, centro do poder e administração das cidades coloniais, instituindo proprietários nas terras adjacentes ao centro urbano os vecinos, que estavam submetidos à fiscalização da audiencia, órgão oficial que aplica a justiça e controla o comércio que passou a ser desenvolvido com base nas instituições do repartimiento e da encomienda, estas instituições na prática tinham suas raízes na dominação dos Impérios Inca e Asteca sobre dezenas de povos.

Os Incas, assim como os astecas, estavam organizados com base no Modo de produção Asiático, o que conferia ao grupo governante a possibilidade de instituir obrigações de servidão para a população que eles dominavam. Desta forma, entre os Incas vamos ver a existência de uma instituição denominada AYLLU que representava a unidade básica da sociedade e a qual estavam todos vinculados.

Existia o CURACA, que era um líder local que designava quais os membros da comunidade deveriam trabalhar nas terras da comunidade e quais deveriam trabalhar nas terras do Inca. Era o que os espanhóis passaram a chamar de repartimiento.

Este tipo de trabalho resultava na MITA, que era a prestação de serviço que o povo devia executar para o Inca e disto resultava que o estado incaico, possuindo o controle do que era produzido em diferentes áreas, como por exemplo: milho e batatas nos vales, lã nos altiplanos, folhas de coca nas encostas, realizava a tarefa de suprir as necessidades dos diferentes povos, não sem antes retirar a sua parte no que era produzido, pois os que viviam nos vales não tinham como produzir aqueles produtos que só existiam nos altiplanos e vice-versa.

O que os espanhóis vão fazer é eliminar a obrigação de suprir a comunidade com produtos diversos como fazia o estado incaico. Agora as comunidades além de trabalhar para os colonizadores deveriam pagar tributos e comprar os produtos que ou não mais produziam ou não podiam produzir. Como podemos ver, a ação colonizadora dos espanhóis pode ser tida como sinônimo de extinção dos povos nativos como o que ocorreu com a população das regiões de SANTO DOMINGO, CARAÍBAS, CUBA, FLÓRIDA, YUCATAN... entre tantas outras. Este fato, a ausência de mão-de-obra local aliada à proibição da escravidão indígenas termina por justificar a adoção da escravidão africana que na América espanhola vai ser predominante nas ilhas do Caribe e quase ausente no continente.

Por falar em continente, uma conseqüência direta deste primeiro momento da ação colonial espanhola vai ser a revelação da existência de um território continental, o que vai exigir a adoção de novas estratégias de ocupação. Esta nova etapa está dividida entre a conquista dos impérios Asteca e Inca entre 1519 e 1540.

Entre 1519 e 1522, o espanhol Fernão Cortez realiza a conquista do México (confederação asteca) que era governado por Montezuma II que da cidade de Tenochtitlán comandava um império de quase 12 milhões de pessoas que ia do México até a Guatemala, possuía uma vasta rede comercial utilizando sementes de cacau como moeda e estava organizado em castas. Esta rede comercial era dominada pelos sacerdotes que impunham, seguindo o modelo do Modo de Produção Asiático as determinações para a sociedade.

Entre 1531 e 1533, Francisco Pizarro comandando tropas espanholas vai atacar o imperador Atahualpa (que estava passando por um período de disputa interna pelo poder com seu irmão Huascar) em Cajamarca sendo condenado à morte em 1533. Apesar de ter conseguido controlar o comando central do império Inca prendendo e executando o imperador, os espanhóis estavam longe de ter tranqüilidade, pois os Incas resistiram ao domínio espanhol por mais 39 anos até que o último imperador Inca TÚPAC AMARU vai morrer em 1572, sendo que, esta resistência ALÉM DE ser militar era também cultural.

Apesar desta resistência, o domínio espanhol ocorreu de forma muito rápida quando levamos em consideração a quantidade de pessoas que habitavam os Impérios Asteca e Inca. Desta forma, no esquema que segue, apresentamos os motivos que terminaram por conduzir os espanhóis ao controle do poder nestas áreas.

Vida urbana estatal: o fato de viverem sob domínio de um poder central terminou por facilitar a ação de conquista que substituiu o poder do imperador pelo poder dos espanhóis.

Complexidade social: os conquistadores utilizaram-se da divisão das sociedades asteca e inca eliminando e substituindo os chefes e permitindo a continuidade dos líderes intermediários.

Rivalidades internas: aproveitamento das disputas internas fazendo alianças com povos rivais dos astecas e dos incas.

Visão de mundo: os astecas e incas acreditavam que os deuses voltariam pelo oriente como vieram os espanhóis e em um primeiro momento os receberam como deuses levando-os à presença dos seus imperadores. este fato facilitou enormemente a tarefa de conseguir chegar ao coração da administração asteca e inca.

O desconhecimento do que era um cavalo: espanto por ver o cavaleiro se separar do cavalo e os dois continuarem vivos sem danos.

Tecnologias: armas de fogo, armaduras, espadas de ferro.

Doenças: os povos da américa, devido ao seu isolamento ao longo de milhares de anos, não possuíam imunidade contra as doenças dos europeus como o sarampo, a gripe, a tuberculose, entre tantas outras.

Como forma de atuação nesta tarefa de conquista e colonização os espanhóis desenvolveram alguns mecanismos que formaram a base da sua ação colonial e que pode ser assim posta.

Forças públicas (conquistadores)

Mercadores (acompanhados por militares)

Compânas (bandos de aventureiros)

Expedições (empresas de capital privado)

Rede de financiamento (capital de companhias de comércio de outros povos da europa que passaram a investir na colonização)

Ação dos funcionários reais (elementos que faziam parte da administração colonial como o vice-rei ou o governador)

Para finalizarmos este ponto devemos destacar que a conquista e colonização espanhola possuíam limites de ação, em termos territoriais. Mesmo sendo nominalmente proprietária das terras do continente americano, exceto por aquela porção que coube a Portugal pelo Tratado de Tordesilhas, a Espanha vai limitar sua atuação colonial mais intensa não indo muito além do Norte do México no que viria ser futuramente o Texas e a Califórnia e ao Sul do Chile na região central dos pampas e na orla oriental da região Amazônica.

Três motivos podem ser enumerados para tal situação. Primeiro estas áreas não possuíam uma população organizada ao nível de vida urbana dos Astecas e Incas; segundo revelaram-se áreas com grande foco de resistências da parte dos povos nativos que nelas estavam pueblos, guaranis e araucanos respectivamente e, terceiro quando comparados com as áreas centrais já dominadas pelos espanhóis revelaram-se pobres em recursos mercantis e minerais.

Entretanto, mesmo assim, a Espanha empreendeu durante várias décadas sucessivas campanhas militares nestas áreas com o objetivo de manter uma linha de defesa relativamente confortável, longe dos centros de produção de ouro e prata que terminaram por se tornar o México e o Peru.

Fonte: www.proead.unit.br

Colonização da América

A conquista da América e a sua posterior colonização, foi um empreendimento gigantesco, que sem dúvida alguma mudou os rumos da civilização ocidental.

Esta obra, cujas marcas principais estão diretamente relacionadas a expansão marítima e comercial levada a cabo pelos países ibéricos (Portugal e Espanha) no final do século XV, realizou-se com a perda de milhões de vidas e o extermínio completo de muitas civilizações indígenas.

Se por um lado o Novo Mundo representava um eldorado de oportunidades para europeus ávidos por riquezas e metais preciosos (ouro, prata e cobre), por outro ele se transformou num verdadeiro inferno e numa dolorosa provação para aqueles que se submeteram pela força, ao jugo dominador das nações européias, notadamente da Espanha.

A colonização efetiva do continente americano pelos espanhóis começou em 1493, quando Cristóvão Colombo (um ano depois de ter aportado na ilha de Hispaniola, atual Santo Domingo, capital da República Dominicana) fundou a colônia de Natividade.

A partir daí, iniciou-se de modo irreversível o embrião daquele que se transformaria num dos maiores impérios do mundo: O Império Espanhol na América.

Colonização da América
Ilustração de Theodore de Bry para a obra de Frei Bartolomeu de Las Casas (século XVI). Esse monge dominicano denunciou à monarquia espanhola as barbaridades cometidas pelos espanhóis contra os índios. Pouco ou nada adiantou.

Após alguns contatos amistosos no início da colonização, a relação entre espanhóis e gentios da terra sofreu uma transformação que, caracterizou por assim dizer, o tipo e a mentalidade colonizadora desenvolvida pela Espanha. A busca por riquezas e a conversão dos índios ao cristianismo foram, entre outros fatores, as bases motivadoras do projeto colonial em território americano.

O segundo objetivo era constantemente utilizado para mascarar o primeiro e em busca deste, inúmeras atrocidades foram cometidas contra os povos dominados.

A cruel matança de indígenas, bem como a ganância e a sede espanhola por metais preciosos, foi muito bem retratada por Frei Bartolomé de Las Casas (testemunha ocular de tais acontecimentos), que jamais ficou calado diante do tratamento desumano dispensado pelos colonizadores aos povos nativos:

A causa pela qual os espanhóis destruíram tal infinidade de almas foi unicamente não terem outra finalidade última senão o ouro, para enriquecer em pouco tempo, subindo de um salto a posições que absolutamente não convinham a suas pessoas. Enfim não foi senão a sua avareza que causou a perda desses povos e quando os índios acreditaram encontrar algum acolhimento favorável entre esses bárbaros, viram-se tratados pior que os animais e como se fossem menos ainda que o excremento das ruas; e assim morreram sem fé e sem sacramentos, tantos milhões de pessoas. (Las Casas, 2001, p. 32).

Uma opinião diferente daquela manifestada por Las Casas, nos é fornecida por Vicente Tapajós em seu livro História da América. Este autor, ao abordar as fases iniciais da conquista e da colonização praticamente não toca no morticínio praticado pelos espanhóis contra os povos nativos, e quando o faz, utiliza-se de uma linguagem depreciativa para com os indígenas.

Em alguns pontos a sua visão eurocêntrica da conquista fica evidente, vamos a eles:

A fim de proteger-se e evitar a reação dos Incas, Pizarro aclamou sucessor do Imperador, o terceiro filho de Huaina Capac, chamado Toparca, e com a proteção dele entrou em Cuzco, capital do Império. atitude dos espanhóis acabou por provocar a revolta dos selvagens, abafada pelos conquistadores. (Tapajós, 1968, p. 83).

Ao invés de abordar a colonização pelo viés do extermínio indígena (como o fez Las Casas), Tapajós preferiu defender a tese de que os primeiros momentos na América foram de pouca paz devido a divergências existentes entre os próprios colonizadores, bem como causados por desacertos ocorridos no processo de administração das terras conquistadas.

Isso fica claro na seguinte passagem:

Colombo errou desde o princípio como administrador. Um de seus primeiros erros foi a nomeação de seu irmão, Diego, para substituí-lo, enquanto se punha numa expedição exploradora. Ao voltar encontrou-se situação difícil de resolver-se. (Tapajós, 1968, p. 77).

Outro autor J.H. Elliot, aborda de forma crítica tanto os erros administrativos da família Colombo, bem como o extermínio dos nativos pela crueldade, pela fome, pelo trabalho forçado e pelos maus tratos a que os mesmos eram submetidos:

A família de Colombo que tinha jurisdição sobre as ilhas, revelou-se não estar a altura da tarefa. Na qualidade de genoveses adventícios, começaram em desvantagem natural, e por temperamento nem o almirante, nem seus irmãos, estavam preparados para lidar com a indisciplina endêmica de um bando de espanhóis, cujo único pensamento era a riqueza fácil. (Elliot in Bethel (org), 1998. p. 150).

Quanto aos indígenas, de acordo com Elliot:

O estabelecimento formal do trabalho forçado para a população nativa, apenas precipitou um processo que já estava tornando-se catastrófico - a sua total extinção. (Elliot in Bethel (org) 1998, p. 153).

Percebe-se que há uma concordância entre Las Casas e Elliot no que se refere ao mau tratamento dispensado pelos colonizadores espanhóis aos gentios da terra.

Entretanto Las Casas é mais enfático em suas críticas, que muitas das vezes assumem um tom de denúncia acalorada:

(...) os espanhóis entravam nas vilas, burgos e aldeias não poupando nem crianças e velhos, nem mulheres grávidas e parturientes e lhes abriam o ventre e faziam em pedaços (...). Sempre matando, incendiando, queimando, torrando índios e lançando-os aos cães (...) e assassinaram tantas nações que muitos idiomas chegaram a desaparecer por não haver ficado quem os falasse (...) e no entanto ali teriam podido viver como num paraíso terrestre, se disso não tivessem sido indignos.... (Las Casas, 2001, ps. 34, 42, 80, 81 e 106).

Não acostumados ao modo de vida dos europeus que baseava-se numa existência sedentária, os indígenas simplesmente tendiam a não suportar tamanha diferença entre uma cultura e outra.

Dessa forma, o choque entre ambas tornou-se inevitável e a reação indígena assumiu as mais variadas formas: hostilidade, guerra, suicídios em massa, movimentos de resistência religiosa, etc. Referindo-se a extinção quase que completa da população nativa da ilha de Hispaniola, Elliot nos dá um exemplo extremamente lúcido do que representou para os indígenas, o contato com os espanhóis:

Em vinte anos, desde o desembarque de Colombo, a população dessa ilha densamente habitada havia sido quase varrida pela guerra, pelas doenças, pelos maus tratos e pelo trauma resultante dos esforços dos invasores para obrigá-la a aceitar modos de vida e comportamento totalmente desvinculados de sua experiência anterior. (Elliot in Bethel (org), 1998, p. 153).

Mas quais foram os motivos (além é claro da obsessão por riquezas e metais preciosos) que levaram os espanhóis a adotar um comportamento bárbaro e cruel em relação aos povos nativos? Para se entender tal cenário, é preciso voltar um pouco no tempo, recuando por intermédio do mesmo até os primórdios da colonização espanhola na América.

A chegada de Cristóvão Colombo a este continente ocorreu em 1492, no mesmo ano em que mouros e judeus haviam sido definitivamente expulsos da Espanha. Este país passava nesta época por um período de transição política, através da unificação dos reinos de Aragão e Castela, fato que se deu após o casamento dos reis católicos Fernando e Isabel.

Por outro lado, todas essas novidades faziam com que a Espanha, em sua gênese como país unificado, sofresse um processo de acomodação de forças e de adaptação a uma situação inusitada, que o destino havia lhe proporcionado.

Guiada desde o início pela busca de riquezas, a política colonial espanhola inseria-se perfeitamente dentro dos conceitos mercantilistas que dominavam a economia européia no período da expansão ultramarina. Por sua vez, o princípio do metalismo (que estabelecia que a riqueza de uma nação era medida pela quantidade de ouro e prata que a mesma possuía), aliado ao bulhonismo (que defendia a tese de que os países necessitavam ter uma balança comercial favorável), deram origem ao modelo econômico que moldou a configuração político-administrativa da Espanha em relação ao seu Império Colonial Americano.

Tão logo foram descobertas as minas de ouro e prata no Peru e no México, a coroa espanhola começou a explorá-las, utilizando-se para isso da mão-de-obra indígena. A partir daí, foi organizado um vasto sistema de exploração econômica, que baseava-se na servidão e na escravidão dos gentios da terra.

O trabalho forçado mostrou-se prejudicial aos índios, uma vez que os mesmos não estavam acostumados a uma existência calcada no trabalho sistemático e no sedentarismo imposto pelos europeus. Some-se a isso as doenças típicas do homem branco, o sadismo e o instinto bestial dos colonizadores e o resultado obtido foi a morte incontida de milhões de indígenas, bem como o desaparecimento completo de muitas civilizações.

Tem razão Frei Bartolomé de Las Casas, ao afirmar que a história da conquista e colonização da América, foi uma obra escrita com sangue. Comportando-se como verdadeiros tiranos, os espanhóis cegos pela cobiça e pela avareza, não mediram esforços para alcançar os seus objetivos coloniais. A conta dessa sanha conquistadora, foi paga pelos pobres nativos com o ceifamento precoce de suas vidas. Entretanto, para os colonizadores isso não possuía a menor importância, pois uma vez que os seus intentos, mesmo os mais espúrios, fossem plenamente satisfeitos, as demais coisas em nada lhes interessavam.

Marco Aurélio de Souza Lombardi

Joander Alves de Castro Silva

BIBLIOGRAFIA

ELLIOT, J. H.. A conquista Espanhola e a Colonização da América. In: BETHEL, Leslie. (org). América Latina Colonial. Volume I e II. São Paulo: Edusp, 1998.
LAS CASAS, Frei Bartolomé de. O Paraíso Destruído. A Sangrenta História da Conquista da América. Porto Alegre: L&PM Pocket/Descobertas, 2001.
TAPAJÓS, Vicente. História da América. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense, 1968.
Marco Aurélio é Bacharel em Administração pelo Centro Universitário Moura Lacerda de Ribeirão Preto. Graduando em História pela Universidade Estadual Paulista UNESP Campus de Franca.
Joander é Graduando em História pela Universidade Estadual Paulista UNESP Campus de Franca.
lengenda da foto: Ilustração de Theodore de Bry para a obra de Frei Bartolomeu de Las Casas (século XVI). Esse monge dominicano denunciou à monarquia espanhola as barbaridades cometidas pelos espanhóis contra os índios. Pouco ou nada adiantou.

Fonte: destaquein.sacrahome.net

Colonização da América

Tipos de Colonização da América

A América foi descoberta pelos europeus, após esse acontecimento diversos países do velho continente se dirigiram para a nova terra. O continente americano foi colonizado principalmente por portugueses, ingleses, espanhóis, franceses e holandeses. Porém, o processode colonização aconteceu de forma distinta entre os países do continente.

Os países considerados latinos tiveram uma colonização de exploração, ou seja, apenas forneciam riquezas oriundas da natureza (madeira, pedras preciosas, entre outros) e cultivavam produtos tropicais (cana-de-açúcar, café, borracha, entre outros). Em resultado a essa intensa exploração, os países latinos herdaram desse período um grande atraso socioeconômico que reflete nos dias atuais.

Por outro lado, os países que fazem parte da América Anglo-saxônica tiveram uma colonização de povoamento. Isso quer dizer que o interesse da metrópole era povoar e desenvolver o lugar. Nesse tipo de colonização a intenção não estava ligada à exploração de riquezas com a finalidade de enviá-las para a metrópole, e sim de abastecer os próprios habitantes. Em suma, as riquezas produzidas permaneciam no país. Essa característica foi de fundamental importância para que países como Estados Unidos e Canadá se tornassem grandes nações, sendo o primeiro a maior potência mundial.

Diante das considerações apresentadas, fica claro que o fator determinante para o desenvolvimento ou subdesenvolvimento dos países americanos está ligado a fatos históricos. A forma de ocupação é raiz das condições atuais dos países do continente.

Fonte: www.proparnaiba.com

Colonização da América

O encontro entre dois mundos

O descobrimento desencadeou um processo de pilhagem, conquista e colonização que se estende até os dias atuais. Por isso, o termo "descobrimento" vem sempre obedecendo a uma lógica eurocêntrica.

Na visão do indígena, o termo "descobrimento" não foi seguido de encontro, confronto, choque, conquista, invasão, irias um longo período de "encobrimento", com o extermínio de milhões desses nativos, a destruição de seus valores culturais e a de sua condição de sujeito, impondo-lhes valores europeus: a religião, a língua e os costumes.

O descobrimento da América acaba sendo um termo atual em que somos os sujeitos da ação, lutando contra o encobrimento imposto pelos europeus através da conquista e colonização ao longo de vários séculos.

Levou muito tempo até os conquistadores europeus da América entenderem o que haviam encontrado, se é que chegaram a fazê-lo.

A necessidade de classificar o universo americano incitou-os a produzir inúmeros discursos: uma extensa literatura de viagens sobre o Mundus Novus.

As grandes navegações, que marcaram o início da Idade Moderna, libertaram os europeus do estreito círculo em que se moviam à volta do Mar Mediterrâneo.

Os viajantes que se aventuravam por mundos desconhecidos escreveram narrativas fantásticas para valorizar os seus feitos. Essas narrativas encontravam eco na mentalidade medieval, povoada por demônios, temores e superstições.

O descobrimento da América trouxe para cá uma legião de monstros, que através das páginas de cronistas e navegadores, foram pouco a pouco construindo a fantasia expansionista americana. Sendo essa parte do mundo desconhecida pelos europeus, nada mais natural que aqui passasse a ter livre acesso a frenética imaginação dos navegadores.

A América foi a região que se tornou o verdadeiro objeto da colonização nos tempos modernos. O aproveitamento efetivo de todos os recursos e benefícios que as colônias podiam oferecer era fator primordial. A exploração colonial possibilitou a fixação do homem europeu nas regiões americanas, bem como a implantação de mecanismos eficientes para a proposta civilizatória.

A Igreja Católica esteve intimamente ligada aos Estados Ibéricos na colonização. A colonização ibérica necessitava de uma justificação ideológica, de uma racionalização de procedimento. Esse suporte "ético" foi dado pela Igreja. A fé cristã e a necessidade de salvar almas para Deus passaram a ser justificativas para a colonização.

Os principais fatores que levaram à colonização das Américas estão ligados à profunda crise que abalou a Europa, a partir do século XIII. A falta de mercados, a grande fome, as epidemias e a super exploração pela nobreza feudal fizeram desaparecer grande quantidade de camponeses e, como conseqüência, houve o retraimento do comércio. A colonização passa a ser vista como uma promissora chance de recuperação de uma Europa em crise, política, econômica, social e religiosa.

Os povos pré-colombianos

Os eurocentristas ignoravam qualquer possibilidade de existência de povos civilizados na América. Para eles, era impossível admitir que enquanto camponeses morriam de fome, na decadente Europa feudal, Estados organizados e centralizados construíam na América complexas obras, dignas de povos altamente desenvolvidos.

Os povos da América estavam, em 1492, em diferentes estágios de desenvolvimento, Dentre eles, os Astecas, no México, os Maias, na região central, e os lncas, na América Latina, atuaram como sintetizadores de culturas anteriores e, ao mesmo tempo, como focos irradiadores de civilização, Entretanto, impaciente para se tornar rica a tripulação de Colombo não se conformou com os presentes em ouro e prata dados pelos, até então, pacíficos habitantes dos trópicos e começou a saquear as aldeias indígenas. Os europeus dizimaram os construtores de uma civilização que em diversos aspectos superava a sua, desestruturaram os avanços científicos transmitidos por gerações de americanos e, sobretudo, destruíram as possibilidades de um desenvolvimento autônomo.

Segundo uma profecia maia, eles teriam previsto a chegada dos brancos, como mostra o documento abaixo:

A terra queimará e haverá grandes círculos brancos no céu. A amargura surgirá e a abundância desaparecerá. A terra queimará e a guerra de opressão queimará. A época mergulhará em graves trabalhos. De qualquer modo, isso será visto. Será o tempo da dor das lágrimas e da miséria. É o que está para vir. Livro de Chilam Balam de Chumayel, trad. de B. Peret, p. 125.

Os relatos e pinturas deixados pelos astecas sobre a conquista somam mais de doze. Além de poemas, existem várias pinturas com glifos indígenas sobre o que se passou naquele momento, segundo a visão ameríndia.

As lutas posteriores da conquista, registradas pelos historiadores indígenas, testemunham o heroísmo da defesa. Mas a derrota final, ao ser narrada nos textos astecas, já é o depoimento de um trauma profundo. A visão final é dramática e trágica.

Pode-se ver isso claramente no canto abaixo:

Canto triste

Nos caminhos jazem dardos quebrados.
os cabelos estão espalhados.
Destelhadas estão as casas,
incandescentes estão seus muros.
Vermes abundam por ruas e praças
e as paredes estão manchadas de miolos arrebentados.
Vermelhas estão as águas, como se alguém as tivesse tingido,
e se as bebíamos, eram água de salitre.
Golpeávamos os muros de adobe em nossa ansiedade
e nos restava por herança uma rede de buracos.
Nos escudos esteve nosso resguardo,
mas os escudos não detêm a desolação ...

A política colonial espanhola

A necessidade de cristianizar os nativos e tirá-los do estado natural, aproximando-os de Deus pelo caminho da civilização, foi o principal componente ideológico da conquista. Minimizar esse aspecto pode dificultar devidamente o quanto os interesses de classe precisam ocultar-se atrás de uma ideologia justificadora.

A iniciativa privada foi a forma encontrada pela Coroa de Castela para que a tomada de posse do novo mundo não implicasse em ônus para o governo.

Aventureiros interessados na empresa poderiam assinar contratos com a monarquia para realizar explorações.

As sociedades pré-colombianas conhecedoras de técnicas avançadas de fundição de metais, com toda a certeza, facilitaram a tarefa dos espanhóis da América. A princípio, o objetivo dos espanhóis não era propriamente a colonização e sim, a conquista. A pilhagem dos tesouros acumulados pelos indígenas era, nesse momento, o alvo principal.

Por volta do ano de 1560, à medida que foram reduzindo os estoques de metais preciosos acumulados pelos nativos, tornou-se necessário organizar a produção, determinando o início da colonização. A Coroa espanhola entregava para os exploradores espanhóis, denominados juridicamente adelantados, direitos vitalícios de fundar cidades, evangelizar índios, construir fortalezas e deter o poder jurídico e militar. A única condição era entregar para a Coroa Espanhola um quinto de toda a produção. Desta forma, ficava assegurado, para a metrópole, sem ônus, a ocupação e a exploração do território recém colonizado.

Administração colonial

A centralização do poder, na América espanhola, nunca pôde ser considerado ideal. Protegidos pela lentidão das vias de comunicação, os funcionários reais instalados na colônia acabaram por adquirir grande autonomia, praticando uma desobediência polida, expressa na fórmula "obedeço mas não cumpro". A corrupção era praticada na colônia sob os olhares de funcionários indiferentes ao futuro colonial.

Aos conquistadores que representavam o domínio espanhol na América, a Coroa conferia-lhes o nome de Adelantado e grandes poderes na colônia.

Os cabildos eram uma espécie de Câmaras Municipais. Na prática, detinham o poder nas cidades e podiam contar com a participação dos criollos mais ricos da cidade, possuindo apenas o poder local. Foram muito importantes no momento das lutas pela independência, uma vez que foram os criollos que lideraram o processo separatista...

Para o aprimoramento do controle metropolitano, foram criadas na colônia duas instituições: o Vice-reino e a Audiência. Ambos os órgãos possuíam ampla competência administrativa e judiciária.

Para o controle da entrada de metais preciosos e a defesa dos piratas, foi criado pela Coroa espanhola o sistema de porto único. Entretanto, essa medida gerou um efeito contrário, estimulando o contrabando, devido a demora na chegada dos produtos.

A fim de garantir o monopólio do comércio, a Espanha sediou dois órgãos administrativos Casa de Contratação e Conselho das índias. A Casa de Contratação organizava o comércio e fiscalizava a cobrança do quinto. O Conselho das índias funcionava como Supremo Tribunal de Justiça, nomeando funcionários das colônias, e regulamentava a administração colonial.

A Economia colonial

A economia das colônias espanholas na América era baseada na mineração. Diferentemente da colonização portuguesa, no Brasil, a exploração das colônias espanhola se ateve, nesse primeiro momento, à exploração do ouro e da prata, tendo como principais centros produtores o Vice-reino do México e, sobretudo, as minas de Potosi (atual Bolívia) no Vice-reino do Peru. A enormidade dos lucros adquiridos pela Espanha permitiu a sustentação da hegemonia espanhola na Europa ao longo do século XVI, montando, entretanto, uma máquina político-adiministrativa poderosa em suas colônias.

No século XVIII, uma aguda crise da economia mineradora faz surgir uma nova área produtora na região do Caribe e do Rio da Prata. a grande propriedade rural exportadora a hacienda. A fazenda hispano-americana era semelhante à propriedade rural brasileira. Claude Morin define a fazenda colonial espanhola como uma propriedade rural possuída por um proprietário autoritário, que explora mediante mão-de-obra dependente, produzindo para um mercado restrito (local, regional, entre zonas de uma mesma colônia ou quando muito intercolonial).

A vinculação minas/fazendas - que não excluiu, eventualmente, conflitos pela disputa da mão-de-obra indígena - constituiu um dos elementos fundamentais na articulação dos espaços econômicos em diversas regiões coloniais hispano-americanas e também no Brasil.

O mundo do trabalho na América espanhola

Em todas as colônias escravistas, a efeito de diminuir as despesas de manutenção e de reprodução da força de trabalho, foi comum a distribuição de parcelas de terras aos escravos, casados, para o cultivo familiar. Nesse tipo de trabalho, na maioria das vezes era freqüente a produção de excedentes comercializáveis, em diversos casos vendidos livremente por eles. Alguns escravos contavam com a oportunidade de acumularem certa quantia de capital, utilizado lia suplementação do cotidiano da vida da comunidade escrava. Esta categoria de escravos veio a formar uma brecha camponesa, dentro da estrutura escravista colonial. Jacob Gorender e outros historiadores não consideram de grande importância esse tipo de atividade autônoma.

Segundo eles uma vez que esses escravos continuavam subordinados aos senhores de terras, dependendo desses, inclusive, para dispor de um tempo, para dedicar-se à produção independente, com certeza não pode ser considerada uma atividade verdadeiramente autônoma.

A utilização do escravo negro nas colônias espanholas não chegou a 1 milhão, e foram introduzidos apenas para suprir a necessidade do trabalho indígena, em lugares onde os indígenas resistiam à escravidão.

A mita era um sistema de trabalho utilizado principalmente nas minas, que impunha o caráter obrigatório, durante um determinado tempo, aos índios, que eram geralmente escolhidos por sorteio, em sua comunidade. Os índios escolhidos poderiam ser levados para qualquer região da colônia, de acordo com os interesses dos conquistadores. De uma maneira geral, esses trabalhadores recebiam um salário muito baixo em troca de um pesado e insalubre trabalho.

A encomienda era a escravidão do indígena em vastas extensões de terras apropriadas pelo conquistador. A encomienda baseava-se na concessão feita pelo rei a indivíduos (encomenderos) de exigirem dos índios a prestação de serviços por eles devido como súditos do monarca. Esses serviços não eram remunerados e eram praticados na agricultura. O encomendero se comprometia junto à Coroa a praticar a cristianização indígena.

A sociedade colonial

O modelo feudal, aristocrático e fechado, característico da sociedade espanhola, foi transferido para as colônias, onde o status do nascimento e a renda eram fatores determinantes para a escala social. Outro fator diferenciador era a cor da pele. A aristocracia parasitária colonial, na maioria das vezes, deixava suas propriedades nas mãos de mestiços, que eram responsáveis pela escravização dos indígenas.

No topo da pirâmide social, estavam os chapetones, que eram espanhóis de nascimento e formavam a elite, ocupando os principais cargos administrativos. Eram também os donos das minas.

Em seguida, vinham os criollos, que eram filhos de espanhóis nascidos na América e formavam uma subelite colonial, pois apesar de dominarem a economia não podiam ocupar os principais cargos políticos. Eram os grandes proprietários de terras, comerciantes e compunham a elite intelectual na colônia. A participação administrativa desse grupo se restringia aos cabildos.

Abaixo dos criollos vinham os mestiços, que geralmente eram capatazes das minas e das fazendas, artesãos, vaqueiros, vagabundos, entre outras ocupações.

Os índios e logo abaixo os negros representavam as esferas menos favorecidas socialmente nas colônias espanholas. Eram explorados pelos conquistadores, e, na prática, não possuíam qualquer direito. Eram utilizados nos duros trabalhos das minas e nas fazendas.

A cultura colonial e o papel da Igreja Católica

O poeta chileno Pablo Neruda denunciou em um dos seus poemas:

A espada simbolizava a superioridade em armas dos espanhóis; a fome simbolizava os trabalhos forçados, como a encomenda e a mita, os deslocamentos forçados, a cobrança dos tributos, a introdução das doenças; a cruz simbolizava a introdução do catolicismo nas novas terras.

Não se deve separar o estudo da história da colonização do estudo do clero, que foi um dos principais agentes da colonização. A Coroa ibérica, através de acordos com o papado, colocou sob seu controle a administração da Igreja nas Américas. Desta forma, munida do poder do Tribunal da Inquisição e do direito da catequese, controlava os colonos espanhóis e convertia os índios ao cristianismo. Os jesuítas tiveram papel marcante nesse processo.

América Inglesa

Durante o século XVI, Espanha e Portugal praticamente monopolizaram o Novo Mundo, pois a Inglaterra e França eram nações fracas. Estas nações limitaram-se a enviar às Américas expedições exploradoras, que estabeleceram direitos sobre terras que haveriam de colonizar a partir do século XVI I.

Espanha e Portugal ficaram com as regiões consideradas mais valiosas do Novo Mundo, ou por serem ricas regiões produtoras de gêneros tropicais, altamente valorizadas na Europa Temperada, ou por serem produtoras de metais preciosos, considerado pelo mercantilismo a grande expressão da riqueza.

À Inglaterra caberia colonizar, no século XVII, o que correspondia às áreas menos valiosas do Novo Mundo: a costa atlântica dos Estados Unidos e algumas ilhas do Caribe que a Espanha não tinha ocupado. Embora tardio, o impulso colonial inglês foi bastante rápido.

Este fenômeno pode ser explicado em função de urna série de fatores tais como:

Cescimento do comércio inglês.

Fenômeno do cercamento dos campos enclousures.

Perseguições político-religiosas.

A América oferecia uma saída àquelas que buscavam novas oportunidades de vida. Aqueles que podiam transportar-se por meios próprios, edificavam comunidades pioneiras de pequenos proprietários. Já aqueles que não possuíam recursos próprios, sujeitavam-se à "servidão por contrato", pois alguém pagava sua passagens - fazendeiro ou armador - e este se comprometia, em troca, a trabalhar como servo por um período que variava de 4 a 7 anos.

Ao contrário dos ibérios, os ingleses, sobretudo os puritanos, não vieram fazer a América, isto é, fazer fortuna e retornar para a metrópole. Como eram perseguidos, queriam fundar, na América, uma nova pátria, longe dos problemas que os levaram a imigrar. A denominação Nova Inglaterra é a expressão do desejo que os colonos tinham de reproduzir, na América, um sistema de vida e de trabalho praticados ria Europa.

Tipos de colonização

A América Colonial Inglesa não só apresentou entre suas colônias grande diversidade político-administrativa, mas também grandes diferenças socio-econômicas.

Existiam três grandes grupos de colônias:

As colônias do norte (Nova Inglaterra)

As colônias centrais

As colônias do sul

As Colônias do norte e centro constituíram o que denominamos de colônias de povoamento ou enraizamento, isto é, áreas coloniais cuja economia não estava vinculada com a da metrópole. As colônias do sul enquadravam-se dentro dos quadros do antigo sistema colonial, possuindo economia completamente vinculada à metrópole e vivendo da exploração de produtos agrícolas. Eram o que chamamos de colônias de exploração.

A sociedade e a administração colonial

Na sociedade colonial das 13 Colônias Inglesas na América, encontrávamos duas situações bem definidas.

No litoral, formou-se uma sociedade hierarquizada composta pelas seguintes camadas: no alto da pirâmide social encontrávamos os governadores reais e oficiais do governo, os grandes proprietários (muitos de origem nobre) e comerciantes ricos (donos de servos e escravos) que possuíam prestígio social, poder e representação política (votavam e eram votados). em segundo lugar tínhamos os "yeomen", indivíduos de poucas posses e que tinham direito ao voto nas assembléias coloniais. a seguir os artesãos livres, sem direitos políticos. em quarto vinham os servos por contrato, cuja situação dependia, em geral, dos patrões e que raramente conseguiam ascender socialmente e, finalmente, tínhamos os escravos negros que, a partir do século XVII, vieram da África para trabalhar lias fazendas do Sul.

Na fronteira, para onde se dirigiam os aventureiros, os servos, os escravos libertos e os imigrantes, o homem valia pelo que fazia e não pela sua ascendência ou posse. Nestas regiões, formou-se uma sociedade mais homogênea de pequenos proprietários.

Nos centros urbanos litorâneos, criaram-se condições para uma vida intelectual, sendo comum universidades e inúmeros jornais, formando-se uma elite intelectual bastante atenta às inovações na Europa.

Já no aspecto administrativo, encontramos, na América Inglesa, três tipos de estruturas:

Colônias de companhia de comércio - cujo governador era eleito pelos colonos, bem como os membros das assembléias locais. Eram, geralmente, encontradas no Norte.

Colônias de proprietários - onde o governador era escolhido pelos proprietários.

Colônias régias - onde o governador era escolhido pelo Rei.

Nesta estrutura político-administrativa, os governadores eram auxiliados por um Conselho, um Legislativo e um Tribunal. A partir do século XVIII, a maioria das colônias passaram a pertencer à Coroa. Contudo, a participação dos colonos nas Assembléias locais deu-lhes uma grande experiência política que era utilizada todas as vezes que a metrópole procurava adotar posições mais radicais.

Ao mesmo tempo, as áreas coloniais gozavam de certa autonomia, embora os colonos não possuíssem representação no Parlamento inglês. Tal fato, entretanto, não os tornavam obrigados a pagar impostos votados por este órgão metropolitano, pois as leis inglesas afirmavam que sem representação no parlamento não havia tributação.

O comércio triangular

Apesar das proibições metropolitanas, os grandes armadores e comerciantes do litoral do norte e do centro puderam jogar com as possibilidades comerciais da época e, praticamente, andavam com seus navios carregados, qualquer que fosse a região para onde se dirigissem. A Inglaterra, no primeiro século da colonização, século XVII, estava envolvida em guerras civis (vide Revoluções Burguesas no século XVII) ou em guerras européias (vide Espanha e Holanda).

Deste modo, apesar das proibições relativas ao comércio colonial, as colônias possuíam certa autonomia em relação à Inglaterra - "salutar negligência" - como atesta o comércio triangular, demonstrado no mapa ao lado.

A partir do século XVIII, a Inglaterra procurou regulamentar o comércio e a vida econômica das 13 Colônias, Por esta razão, elas se uniram e iniciaram a luta pela independência.

América francesa e holandesa

Como os ingleses, os franceses só iniciaram a sua competição colonial depois que os portugueses e os espanhóis já haviam organizado suas possessões na América, África e no Oriente. Utilizando a guerra de corso contra as frotas coloniais ibéricas, os franceses ignoravam a política do "mare clausum'.

As primeiras expedições ao Novo Mundo organizadas pelos franceses, tendo por objetivo encontrar uma passagem a noroeste para a Ásia, deram-se na primeira metade do século XVI destacando-se a de Jacques Cartier (l533-1541), que explorando a foz do Rio São Lourenço, tomou posse da região em nome do Rei Francisco I, dando o nome de Nova França.

As investidas francesas, também, se dirigiram aos domínios portugueses, no Brasil, onde a presença dos franceses se fez no contrabando do pau-brasil e, posteriormente, Nicolau Durand de Villegnon tentou fundar a França Antártica (l555), no Rio de Janeiro, e mais tarde, fundou-se a França Equinocial, no Maranhão.

Somente no século XVII, teve início a expansão colonial francesa, quando a monarquia novamente consolidava-se com base no absolutismo e se adotava uma série de medidas mercantilistas principalmente no período de Richelieu e de Colbert, no governo francês.

A Companhia Comercial Nova França, organizando e patrocinando várias expedições, levou, em l608, Samuel Champlain a fundar Quebec, no Canadá. Os franceses estendendo seus domínios aos Grandes lagos e, ultrapassando o Mississipi, tomaram posse de imensa região central dos EUA (Luisiana).

Novos privilégios à expansão colonial francesa foram concedidos durante o governo de Richelieu através da Companhia das índias Ocidentais. Durante o governo de Luís XIV, seu ministro, Colbert, funda a Companhia Francesa das índias Orientais, que disputou, com ingleses e holandeses, o Oceano índico.

Dentre as áreas conquistadas, o Canadá foi a região mais importante da Nova França, pois sua colonização ficou subordinada aos interesses da Coroa francesa, atendendo os princípios e práticas mercantilistas. As bases econômicas se fizeram através do extrativismo e do tráfico de peles com os colonos, levando o pouco desenvolvimento da pequena agricultura de subsistência feita pelos colonos, na maior parte católicos. O povoamento se intensificou devido à intensificação de elementos brancos europeus que favoreceram a miscigenação com os nativos (engajados). As companhias de comércio concedendo terras aos aristocratas, artesãos e camponeses levaram, aos poucos, à diminuição da miscigenação e assimilação dos nativos, dando origem no Canadá francês a uma forma de colonização senhorial e patriarcal.

Coube à Companhia de Comércio Baía de Hudson a exploração da Luisiana, que exerceu o monopólio do comércio de peles na região. Em 1713, a Luisiana tornou-se colônia real sendo introduzidos os escravos negros.

Nas Antilhas, a colonização francesa intensifica a partir do fim do século XVII, predominando a produção de gêneros tropicais (açúcar, fumo, algodão, cacau, café e madeira) e o trabalho escravo africano dando origem a uma sociedade aristocrática e racista.

A partir do século XVIII, as rivalidades anglo-francesas levaram ao declínio colonial francês. Pelo Tratado de Utrechet (17l3), a França perdeu aterra Nova para a Inglaterra. Ao terminar a guerra dos Sete Anos, pelo tratado de Paris, a França entregou à Inglaterra o Canadá e grande parte do Mississipi.

Para a França, restaram apenas algumas ilhas das Antilhas, New Orleans e a Guiana.

A América holandesa

Somente no final do século XVI que a Holanda surge como nação independente. Seu apogeu como potência marítimo-mercantil dá-se a partir do século XVII.

Sua atuação se fez através de duas formas, com a utilização da pirataria e com a conquista de partes da América sob o domínio espanhol.

Na América do Sul, no litoral norte, os holandeses estabeleceram a Guiana holandesa. Os holandeses criaram poderosa companhia de comércio e tornaram Amsterdã centro principal do comércio europeu (século XVII). Entre 1630 a 1654 ocupam a área açucareira do nordeste brasileiro, durante a União Ibérica. Em 1651. o Ato da Navegação decretado por Cromwell leva ao enfraquecimento do poderio naval holandês, base de sua força como potência marítima e comercial na Europa.

Patrícia Braick

Fonte: www.casadehistoria.com.br

Colonização da América

Colonização européia das Américas

O início da colonização européia das Américas é geralmente datada de 1492, embora tenha havido pelo menos um esforço de colonização mais cedo.

Os primeiros conhecidos os europeus para chegar ao Américas foram os Vikings ( Norse ), durante o século 11, que estabeleceu várias colônias na Groenlândia e uma liquidação de curta duração em L'Anse aux Meadows (51 ° N), na área da Norse chamado Vinland , hoje Newfoundland e para o sul.

Assentamentos na Groenlândia sobreviveu durante vários séculos, durante os quais a Groenlândia Nórdica e os Inuit pessoas experientes principalmente contato hostil.

Até o final do século 15, os assentamentos nórdicos da Groenlândia tinha desmoronado.

Em 1492, uma expedição espanhola liderada por Cristóvão Colombo navegou para as Américas e introduziu o Novo Mundo para o mundo ocidental da época, depois disso, a conquista européia, exploração e colonização logo em seguida e ampliou.

Esta primeira ocorreu ao longo do Caribe costa nas ilhas de Hispaniola, Porto Rico e Cuba, e desde o início do século 16, ampliou para o interior de ambos Norte e Sul América.

Em 1497, navegando a partir do norte, John Cabot desembarcou na costa norte-americana, e um ano mais tarde, do Columbus terceira viagem atingiu a costa sul-americana.

Eventualmente, todo o hemisfério ocidental viria sob o controle das nações europeias, levando a mudanças profundas para a sua paisagem, a população, e vida vegetal e animal.

No século 19, por si só mais de 50 milhões de pessoas deixaram a Europa para as Américas.

O pós-1492 era conhecido como o período do câmbio colombiana.

Fonte: www.princeton.edu

Colonização da América

Durante o século XVI, o trabalho de colonização da América foi deixado quase que inteiramente ao povo de Espanha.

Enquanto as outras nações da Europa foram contentando-se com viagens ocasionais de descoberta, ou com escravos de transporte de expedições e invasões piratas, os espanhóis foram aumentando sua influência no Novo Mundo com uma rapidez e energia, em contraste marcante com a sua supinação presente. Colonização nas Índias Ocidentais começou imediatamente após a primeira viagem de Colombo, e foi processado com tal vigor que, em poucos anos, as quatro maiores ilhas estavam completamente sob controle espanhol, e seus habitantes nativos, em grande parte aniquilado, enquanto o restante foram reduzidos à escravidão. O povoamento do continente foi processado com a atividade similar.

Colônias foram estabelecidas nas costas da América do Sul e Central, e em 1519 começou a Cortez que a expedição memorável que logo submetido ao império asteca do México, para o seu domínio. A partir desta região do domínio espanhol estendeu ao sul em toda a América Central e norte da Califórnia e Novo México, que Coronado invadiram em 1540. América do Sul foi resolvido com nada menos rapidez.

A conquista do México foi rapidamente seguido pelo do extenso império do Peru. Pimentão foi conquistado em 1541, com exceção de o país do araucanos, a única nação indiana, que tem realizado com sucesso o seu próprio contra a invasão européia. Em um tempo relativamente curto de toda a parte oeste da América do Sul a partir do limite inferior do Chile para a costa caribenha era território espanhol.

Em 1535, Buenos Ayres foi colonizada por Mendoza. Esses primeiros colonos foram levados para o Paraguai pelos índios, mas, em 1580, Juan de Garay fundou uma colônia mais bem sucedido. Entre os exemplos mais marcantes da atividade espanhola era a expedição de Orellana em 1541.

Em 1540, Gonzalo Pizarro deixou Quito com uma expedição que cruzou a Cordilheira dos Andes e viajou para o leste através das florestas do oeste do Brasil até parado por perigo de morrer de fome. Em seguida, um bergantim foi construído, que, ocupado por um cavaleiro chamado Orellana, desceu o rio Napo até sua confluência com o Amazonas, e para baixo o grande fluxo último para o Atlântico, cumprindo, assim, a travessia do continente sul-americano em sua parte mais larga quase três séculos antes de tal resultado foi obtido na seção paralela da América do Norte. Na região dos Estados Unidos, os espanhóis não eram menos ativos em exploração, como mostrado pelas expedições de Narvaez e De Soto, ainda, mas um pequeno assentamento foi feito, - a de St. Augustine, na Flórida.

As únicas outras pessoas que mostraram qualquer atividade colonizadora no século XVI foram o Português, que lentamente se espalhou seus assentamentos ao longo da costa do Brasil, até pelo final do século toda a linha de costa do La Plata para o Amazonas foi cravejado com suas colônias. Estes tiveram o mérito de ser os primeiros assentamentos feitos nos Estados Unidos sobre os princípios agrícolas, o desejo de os metais preciosos, sendo a causa em movimento ativo em todas as explorações espanholas e colonizações. Durante este período, algumas tentativas infrutíferas para estabelecer colônias marcava o limite da atividade em outras nações da Europa. A colônia francesa na costa do Brasil foi suprimida pelo Português, e uma colônia semelhante na Flórida terminou em massacre.

Esforços franceses na região de São Lourenço foram igualmente bem-sucedida, enquanto as colônias inglesas de Raleigh terminou em desastre. A única solução permanente era aquela feita por algumas pessoas holandeses em 1580, perto do rio Pomeroon, na Guiana. Em 1595, Raleigh fez uma expedição à região, e ascendeu ao Orinoco em busca do lendário El Dorado. Ele tentou nenhum acordo, mas no século seguinte os colonos ingleses e franceses estabeleceram-se na Guiana, dividindo a posse deste território com o holandês.

Tal foi o resultado dos esforços de colonização na América durante o século XVI. A partir da linha do norte do México até o extremo sul do continente o Espanhol e Português haviam se estabelecido em quase todas as regiões disponíveis. Mas a América do Norte a partir do Golfo do México até o oceano Ártico ainda estava nas mãos dos habitantes indígenas, com a única exceção da colônia espanhola de Santo Agostinho, na Flórida. O século XVII foi destinado a ser a época de liquidação dessa importante região, principalmente pelo Inglês e Francês, mas em menor grau pelos holandeses e suecos.

Fonte: www.publicbookshelf.com

Colonização da América

As viagens de Cristovão Colombo

Primeira viagem - 1492

Segunda viagem - 1493

Terceira viagem - 1498

Quarta viagem - 1502

Colombo em suas quatro viagens afirmou ter chegado as Índias Ocidentais. Com isso, acabou esquecido por mais de cem anos. Recebeu as glórias por ter descoberto a América mais de cem anos depois do feito.

Ele ficou impressionado com a riqueza ostentada pelos índios e pela organização daquelas sociedades.

O primeiro viajante que afirmou ter chegado em novas terras foi Américo Vespúcio. Portanto, o nome do continente é uma homenagem a ele.

O que os Espanhóis encontraram aqui na América....

Os espanhóis ao chegarem na América se depararam com um imenso território, aparentemente muito rico e povoado por um grande número de homens organizados em torno de três grandes impérios; o Asteca, o Maia e o Inca.

Colombo acreditava ter chegado às Índias Ocidentais, por isso denominou o homem local de índio. Com a constatação de que as terras descobertas faziam parte de um imenso continente o termo passou a ser inadequado. Mas pela tradição que acabou se estabelecendo a população encontrada na América foi denominada, genericamente, indígena.

Como ocorreu o processo de colonização?

Utilização da violência extrema, duras guerras foram travadas com a população local.

Pólvora - Doenças - Cavalo

As capitulações eram contratos em que a Coroa concedia permissão para explorar, conquistar e povoar terras, fixando direitos e deveres recíprocos

Os adelantados eram colonizadores que recebiam o direito da Coroa, em troca de tributos, de construir fortalezas, fundar cidades, catequizar os índios.

Sociedade colonial

Os casamentos entre espanhóis e indígenas era desmotivados, como uma forma de manutenção do controle dos espanhóis sobre os índios. Ou seja, a miscigenação não ocorreu de forma tão intensa quanto em outras experiências coloniais, como no Brasil.

Espanhóis

Chapetones

Colonos nascidos na Espanha que gozavam de amplos poderes políticos. Formavam a elite política.

Criollos

Colonos descendentes de espanhóis, nascidos na América. Formavam a elite econômica e participavam da vida política local.

Índios

Eram livres,em sua maioria, mas encontravam-se completamente subjugados. Não possuíam liberdade religiosa, sendo obrigados a se converterem ao cristianismo. Não tinham nenhum acesso a vida política e muitas vezes prestavam trabalho obrigatório aos colonos.

Sistema de trabalho compulsório indígena

Mita

Sistema que impunha o trabalho obrigatório, principalmente nas regiões mineradoras, o durante determinado tempo, a índios escolhidos por sorteio em suas comunidades. Recebiam baixos salários como remuneração pelo tempo de trabalho prestado.

Encomienda

Sistema de trabalho obrigatório não remunerado, em que os índios eram confiados a um espanhol, o encomendero, que se comprometia a catequizá-los.

Existiam escravos africanos na América Espanhola?

Sim, a mão-de-obra escrava africana foi utilizada, em menor escala, na América Espanhola.

No entanto, pela existência de abundante mão-de-obra indígena, concentrada, não foi tão utilizada quanto no Brasil.

A Espanha não realizava o tráfico negreiro. Para legitimar a vinda dos traficantes de outros lugares, a Coroa expedia o Asiento, que era um documento que permitia o exercício dessa atividade a alguns homens específicos por tempo delimitado.

Administração Colonial

ESPANHA

Casa de Contratação Sediada em Sevilha, para organizar o comércio e fiscalizar o pagamento do quinto.

Conselho das Índias Funcionava como Supremo Tribunal de Justiça, nomeava funcionários e regulamentava a administração das colônias

Audiências Administravam os Vice-Reinos e seus membros eram os chapetones

Cabildos/Ayuntamientos Administravam as Capitanias Gerais e seus membros eram os criollos

Economia Colonial

A exploração mineradora foi a atividade econômica mais importante na América Espanhola

A mineração tornou-se responsável pelo desenvolvimento de atividades secundárias, complementares, diversificando a produção nas regiões vizinhas, responsáveis pelo abastecimento das minas, com produtos agrícolas - batata, milho, tabaco e cana de açúcar sendo que os dois últimos destinavam-se à exportação; desenvolveram também a atividade criatória, fornecendo mulas e cavalos para as minas. Mais tarde a pecuária se desenvolveu na região sul, fornecendo couro e charque à metrópole.

A produção artesanal indígena foi permitida, porém passou a ser controlada pela burocracia espanhola na colônia.

Colonização do Brasil

Cabral desembarcou nas terras, que viriam a se chamar Brasil, no dia 22 de Abril de 1500.

A expedição que ele comandava tinha como destino as Índias Orientais, mas acabou desembarcando em novas terras que receberam o nome de Ilha de Vera Cruz.

Os índios aqui encontrados, eram , segundo o olhar europeu, primitivos e deveriam receber a catequese.

Como não encontraram riquezas (especiarias ou metais preciosos) foram embora , seguindo a viagem para a cidade de Calicute, nas Índias Orientais.

De 1500 até 1530 o território não foi efetivamente colonizado.

Inicialmente foram realizadas expedições de reconhecimento do território.

Dessas expedições os principais resultados foram: a descoberta de um grande número de árvores de Pau-Brasil (essa madeira era muito valorizada na Europa) que geraram a primeira fonte de riquezas exploradas pelos portugueses e a constatação do gigantismo do território.

Portugal e Espanha dividem o mundo O Tratado de Tordesilhas.

Tratado de Tordesilhas (1492)

Foi um tratado entre Portugal e Espanha que dividia as possíveis novas conquistas entre os dois Estados.

O tratado definia como linha de demarcação o meridiano 370 léguas a oeste do arquipélago de Cabo Verde. Esta linha estava situada a meio-caminho entre estas ilhas (então portuguesas) e as ilhas descobertas por Colombo.

Tratado de Madrid (1750)

Posteriormente, durante a União Ibérica, os portugueses se expandiram de tal forma na América do Sul que, em 1680, visando o comércio com a bacia do rio da Prata e a região andina, fundaram um estabelecimento à margem esquerda do Prata, em frente a Buenos Aires: a Colônia do Sacramento.

O Tratado de Madrid foi firmado para definir os limites entre as respectivas colônias sul-americanas, pondo fim assim às disputas territoriais. O objetivo do tratado era substituir o de Tordesilhas, o qual já não era mais respeitado na prática.

Formação das 13 Colônias

No século XVII a Inglaterra vivia uma conjuntura favorável à colonização. A economia estava em expansão enquanto os velhos impérios entravam em decadência. A Espanha, por exemplo, não tinha condições de manter os territórios que julgava seus pelo Tratado de Tordesilhas.

A dinastia Stuart impunha uma dura perseguição religiosa que afetava puritanos, presbiterianos e outras religiões protestantes que resistiam frente ao anglicanismo imposto pela Coroa. As revoluções inglesas serviram como impulsionadoras do processo de colonização, uma vez que a saída encontrada por uma minoria perseguida era a transferência para a América.

O processo de cercamento dos campos comuns provocou um êxodo rural de homens pobres que lotavam cidades em busca de uma vida melhor. Esse excedente populacional acabou provocando um desequilíbrio na sociedade, e a saída encontrada era o escoamento para novas áreas coloniais.

A empresa colonizadora

O início da Colonização da América do norte pelos ingleses deu-se a partir da concessão real a duas empresas privadas: A Companhia de Londres, que passou a monopolizar a colonização das regiões mais ao norte, e a Companhia de Plymonth, que recebeu o monopólio dos territórios mais ao sul. Dessa maneira dizemos que a colonização foi realizada a partir da atuação da "iniciativa privada". Porém subordinadas as leis do Estado.

Organização Política

As 13 colônias eram completamente independentes entre si, estando cada uma delas subordinada diretamente à metrópole.

Porém como a colonização ocorreu a partir da iniciativa privada, desenvolveu-se um elevado grau de autonomia político-administrativa,conhecido como NEGLIGÊNCIA SALUTAR

Apesar dos governadores representarem os interesses da metrópole, a organização colonial tendeu a aumentar constantemente sua influência, reforçando a idéia de "direitos próprios".

Colônias do Norte

Colônia de Povoamento

Clima Temperado

Predomínio de pequenas e médias propriedade

Agricultura familiar

Manufaturas incipientes no inicio do século XVIII

Predom ínio da mão-de-obra livre

Servidão de Contrato: Interessados em vir para a América sem condições de arcar com as despesas da viagem e instalação eram arcados por colonos ricos. O pagamento era realizado com trabalho não remunerado por um tempo determinado.

Colônias do Sul

Colônias de exploração

Clima tropical

Sistema de Plantation- Produção agrícola voltada para o mercado externo, em latifúndios, através da monocultura

Mão-de-obra predominante era a escrava africana

Principal produto de exportação era o Algodão.

Colonização da América
Comércio triangular das treze colônias

Fonte: www.historiativanet.files.wordpress.com

Colonização da América

A América era povoada por índios durante dezenas de milhares de anos e em todo o continente se desenvolveram civilizações importantes, como os maias, aztecas e incas, entre outras. Apesar dos vikings terem explorado e estabelecido bases nas costas da América do Norte a partir do século X, estes exploradores aparentemente não colonizaram a América, limitando-se a tentar controlar o comércio de peles de animais e outras mercadorias da região.

A Colonização da América pelos europeus foi aparentemente devida a um erro: eles procuravam a Índia, que era a fonte da seda e das especiarias, produtos que tinham um grande valor comercial no velho continente e, em vez de navegarem para leste, perderam-se e foram para oeste, encontrando o Novo Mundo. No entanto, estabeleceram-se ali e praticamente aniquilaram as populações e civilizações indígenas.

Colonização espanhola e portuguesa

Os primeiros a descobrir as Índias ocidentais foram os espanhóis - a 12 de Outubro de 1492, Cristóvão Colombo (um chegou a uma pequena ilha nas Bahamas, onde encontrou nativos amistosos e pensou ter chegado à Índia). Dali, ele seguiu para a ilha que ele apelidou Hispaniola e onde deixou uma pequena colónia que, no ano seguinte, tinha sido dizimada pelos nativos e então deixa lá uma guarnição bem armada. Estima-se de cerca de 250 mil aruaques existentes naquela ilha, apenas 500 tinham sobrevivido no ano 1550; o grupo foi extinto antes de 1650.

Entretanto, Pedro Álvares Cabral, ainda com a intenção de chegar à Índia, descobre o Brasil, em 1500; a partir de 1534 inicia-se a colonização do Brasil com a criação das primeiras capitanias.

Em meados do século XVI, a Espanha controlava quase toda a zona costeira das Américas, desde o Alasca à Patagónia, no ocidente, e desde o atual estado norte americano da Georgia, toda a América Central e o Caribe até à Argentina com exceção do Brasil, que Portugal tinha conseguido manter graças à mediação do Papa

Colonização britânica

Os britânicos lançaram-se à conquista do mundo durante o reinado de Henrique VII de Inglaterra (1485 1509), que promoveu a indústria naval, como forma de expandir o comércio para além das Ilhas Britânicas. Mas as primeiras colônias britânicas só foram fundadas durante o reinado de Elizabeth I, quando Sir Francis Drake navegou o globo nos anos 1577 a 1580 (Fernão de Magalhães já a tinha realizado em 1522). Em 1579, Drake chegou à California e proclamou aquela região colónia da Coroa, chamando-lhe Nova Albion ("Nova Inglaterra"), mas não promoveu a sua ocupação.

Humphrey Gilbert chegou à Terra Nova em 1583 e declarou-a colónia inglesa, enquanto Sir Walter Raleigh organizou a colónia da Virgínia em 1587, mas ambas estas colónias tiveram pouco tempo de vida e tiveram de ser abandonadas, por falta de comida e encontros hostis com as tribos indígenas do continente Americano.

Foi apenas no século seguinte, durante o reinado de Jaime I da Inglaterra, depois da derrota da Armada Invencível de Espanha, que foi assinado o Tratado de Londres, permitindo em 1607 o estabelecimento da primeira colónia inglesa nas Américas: Jamestown.

Colonização francesa

As primeiras tentativas dos franceses para estabelecerem colónias no Brasil, em 1555, e na Florida, em 1564 (em Fort Caroline, atualmente Jacksonville, Florida), realizada por huguenotes, não tiveram sucesso, devido à vigilância dos portugueses e espanhóis. A tentativa seguinte foi em 1598, em Sable Island, no sueste da atual província da Nova Escócia do Canadá; esta colónia não teve abastecimentos e os 12 sobreviventes tiveram de voltar a França.

A história do império colonial francês começou em 27 de Julho de 1605 com a fundação em Port Royal, atualmente Annapolis (igualmente na Nova Escócia), da colónia da Acadie. Em 1608, Samuel de Champlain funda Quebec, que passa a ser a capital da enorme, mas pouco povoada, colónia de Nova França (também chamada Canada), que tinha como objetivo o comércio de peles.

À medida que os franceses expandiam o seu império na América do Norte, também começaram a construir outro, mais pequeno mas mais lucrativo, nas Índias Ocidentais (as Caraíbas). A ocupação da costa sul-americana começou em 1624 onde é hoje a Guiana Francesa e fundou uma colônia em Saint Kitts em 1627 (a ilha teve que ser partilhada com os ingleses até ao Tratado de Utrecht em 1713, quando a França o perdeu).

A Compagnie des Îles de l'Amérique, formada em 1634, estabeleceu as colônias de Guadalupe e Martinica em 1635 e em Santa Lúcia em 1650. As plantações destas colónias foram mantidas por escravos trazidos de África. A resistência dos povos indígenas locais resultou na Expulsão dos Caribes em 1660.

A mais importante possessão colonial francesa nas Caraíbas só foi conseguida em 1664, com a fundação da colônia de Saint-Domingue (o atual Haiti) na metade ocidental da ilha Hispaniola (enquanto os espanhóis dominavam a parte oriental). No século XVIII, Saint-Domingue tornou-se a mais rica colônia de plantações de cana-de-açúcar das Caraíbas. A parte oriental da ilha Hispaniola foi oferecida à França pela Espanha, depois da perda de Saint-Domingue com a Revolução Haitiana.

Em 1699, as possessões francesas na América do Norte expandiram-se ainda mais com a fundação da Louisiana perto do delta do Rio Mississippi; embora a França tivesse declarado soberania de toda a bacia do Mississippi, só tinha controlo efetivo na região costeira, perto das cidades de Mobile (Alabama) e New Orleans (fundada em 1718). Mais tarde, os Estados Unidos da América compraram a colónia francesa.

Fonte: dev.laptop.org

Colonização da América

Em 1492, ano da própria descoberta da América, foi estabelecida a primeira colônia permanente na ilha de Hispaniola, por Cristóvão Colombo, o descobridor.

Em poucas décadas muitas outras colônias foram estabelecidas, se espalhando pelas ilhas do Caribe e ainda pela Flórida e pelo Peru. Pouco depois Portugal estabeleceu colônia no Brasil, assim como a Inglaterra colonizou as Honduras Britânicas (atual Belize) e a Jamaica.

A ocupação holandesa se fez presente na Guiana e ainda em Curaçau, enquanto os franceses tomaram posse do Haiti, de Guadalupe e da Martinica. A união do Novo e do Velho Mundo foi responsável por uma mudança radical nos destinos da história de ambos.

O potencial de recursos naturais americanos alterou significativamente os quadros econômicos da Europa. As doenças físicas do Velho Mundo foram um dos fatores responsáveis pela dizimação da população americana nativa. Por outro lado, os conquistadores europeus tornaram-se os senhores das terras que outrora eram de posse dos povos Astecas, dos Maias além de outros povos nativos.

Os espanhóis foram, sem dúvida, os colonizadores mais atuantes.

Ao final do século XVIII, eles haviam estabelecido colônias nas regiões onde atualmente estão as cidades de San Francisco, Cidade do México e Los Angeles, além de Buenos Aires e Lima. Muitos metais nobres foram enviados das terras americanas para a Espanha, extraídos das minas americanas. Ao contrário das colônias britânicas, que eram governadas por poderes representativos locais desde o princípio, as colônias espanholas eram governadas a partir de Madri.

A Igreja Católica Romana desempenhou uma importante influência na colonização da América. Havia muitas catedrais católicas que foram construídas nas diversas regiões da América Latina. Tal fato auxiliou na criação de influências locais por parte da instituição religiosa. Os objetivos da própria Companhia de Jesus, em sua criação, eram a expansão da fé (e da ideologia) cristã através da catequização e doutrinação religiosa dos nativos.

O cumprimento de tais objetivos acarretava na expansão dos domínios da igreja pelas colônias, além de facilitar as relações de dominação entre o povo católico colonizador e o povo gentio colonizado.

Cronologia da História da América

1492 - Cristóvão Colombo descobre a América a 12 de outubro.

1500 - Pedro Álvares Cabral descobre o Brasil a 22 de abril.

1501 - Busca da passagem pelo Nordeste por Corte Real.

1519 - Conquista do México, realizada por Hernán Cortez.

1531-1532 - Conquista do Peru, realizada por Francisco Pizarro.

1535 - Pizarro funda a cidade de Lima | Conquista do Chile, por Almagro.

1536 - Fundação da cidade de Buenos Aires por Mendonça | Aiolas funda Assunção.

1538 - Quesada funda Santa Fé de Bogotá.

1540 - Descida do Amazonas, por Orellana.

1541 - Valdívia funda a cidade de Santiago do Chile.

1563 - Chegada dos primeiros 300 escravos negros às colônias britânicas da América do Norte.

1567 - Fundação da cidade de Caracas.

1584 - Organização das reduções de indígenas realizada pelos jesuítas.

1604 - Franceses fundam Port-Royal (atual Anápolis, Estados Unidos).

1608 - Champlain funda Quebec.

1609 - Holandeses fundam a cidade de Nova Amsterdam (atual Nova York, Estados Unidos).

1649 - Liberdade de crença religiosa na colônia católica de Mayland.

1697 - Finda a primeira guerra colonial entre a França e a Inglaterra.

1726 - É fundada a cidade de Montevidéu.

1744 - França e Inglaterra travam a segunda guerra colonial.

1759 - Invasão do Canadá pelos ingleses.

1763 - França perde o domínio do Canadá.

1776 - Os Estados Unidos se declaram nação independente.

1780 - Tupac-Amuru lidera a revolta inca contra o domínio espanhol.

1789 - George Washington é o chefe de estado dos Estados Unidos da América.

1799 - Morte de George Washington.

1803 - O território do atual estado de Louisiana é comprado dos franceses pelos americanos.

1806 - Buenos Aires é atacada pelos ingleses.

1807 - Tomada de Montevidéu pelos ingleses, e novo ataque a Buenos Aires.

1810 - Paraguai declara-se independente. | Bolívar lidera revolta na Venezuela e é derrotado. | Hidalgo lidera a primeira tentativa de emancipação mexicana.

1812 - Bolívar é novamente derrotado.

1814 - Revolução vitoriosa na Venezuela, com Bolívar assumindo poderes ditatoriais | Revolução vitoriosa no Uruguai.

1815 - Morelos lidera a segunda tentativa de emancipação do México.

1816 - Mina lidera a terceira tentativa de emancipação do México.

1818 - Libertação do Chile pelo General argentino San Martin.

1820 - O general espanhol Iturbide passa para o lado dos revoltosos mexicanos.

1821 - O Peru alcança sua independência | O regente português D. João VI conquista a Banda Oriental (Uruguai) e a anexa ao Brasil.

1822 - Iturbide lidera a revolta vitoriosa e torna-se Imperador, sob o nome de Agostinho I | Bolívar liberta o Equador.

1823 - Abdicação de Agostinho I | Doutrina Monroe nos Estados Unidos | Separação das Províncias Unidas da América Central do México.

1824 - Vitória do General Sucre na Batalha de Ayacucho, acarretando na libertação definitiva do Peru | Iturbide, após viagem à Itália, volta ao México, onde é preso e fuzilado.

1825 - Independência do Alto Peru (Bolívia) | Revolta da Banda Oriental, que tende a separar-se do Império Brasileiro.

1828 - Uruguai alcança sua independência.

1830 - Expulsão e morte de Bolívar.

1833 - Ilhas Malvinas (Falklands) ocupadas pela Inglaterra.

1834 - Argentina sob a ditadura de Rosas.

1839 - Desmembramento das Províncias da América Central em cinco repúblicas: Costa Rica, Guatemala, Honduras, São Salvador e Nicarágua.

1845 - Guerra pela posse dos territórios do Texas (Estados Unidos e México).

1848 - Através do Tratado de Guadalupe, os Estados Unidos anexam aos seus domínios os territórios do Texas, Califórnia, Arizona e Novo México, pagando uma irrisória indenização.

1851 - Brasil e Urquiza em aliança.

1852 - Ditadura de Rosas chega ao seu fim.

1861 - Guerra de Secessão nos Estados Unidos tem início.

1863 - O general francês Forey entra vitorioso na capital mexicana.

1864 - Maximiliano torna-se Imperador do México | Intervenção brasileira no Uruguai | Início da Guerra do Paraguai.

1865 - Finda a Guerra de Secessão nos Estados Unidos. Vitória do Norte. O Presidente Lincoln é assassinado.

1867 - Retirada das tropas francesas do México realizada por Napoleão III, sob as exigências dos Estados Unidos. Fuzilamento do Imperador Maximiliano, que carecia de recursos militares. Benito Juárez sobe novamente ao poder | A Rússia vende o território do Alaska aos Estados Unidos | Autonomia do Canadá em relação à Inglaterra.

1870 - A Guerra do Paraguai termina, com a vitória dos aliados (Argentina, Brasil e Uruguai).

1876 - Por causa da salitreira de Antofagasta, Chile declara guerra ao Peru e à Bolívia.

1883 - Chile sai vitorioso da guerra contra Bolívia e Peru. A Bolívia, assim, perde a faixa litorânea do Pacífico.

1885 - Inaugura-se a estrada de ferro transcontinental canadense de Halifax a Vancouver.

1888 - Presidência do México é de Porfírio Díaz.

1895 - Revolução separatistas em Cuba.

1898 - Havaí passa para os domínios dos Estados Unidos: ocupação americana em Porto Rico, Cuba, Filipinas, Guam e Marianas.

1903 - Revolta panamenha fomentada pelos Estados Unidos, que intencionava controlar o Canal de Panamá | Criação da República do Panamá

1906 - Em San Francisco, Califórnia, um dos grandes terremotos de sua história.

1914 - Canal do Panamá é inaugurado.

1917 - Entrada dos Estados Unidos na I Guerra Mundial.

1918 - Os Estados Unidos vencem a Guerra.

1930 - Eclode revolução na Argentina.

1932 - Presidência de Roosevelt nos Estados Unidos, com o New Deal e a política de boa vizinhança.

1941 - Ataque japonês a Pearl Harbour, no Havaí, e subseqüente entrada dos Estados Unidos na II Guerra Mundial .

1942 - Chanceleres americanos em conferência no Rio de Janeiro.

1945 - Vitória americana e aliada na II Guerra Mundial .

Fonte: www.algosobre.com.br

Colonização da América

PAÍSES COLONIZADORES

ESPANHA

O MEDO DO MAR

Para os europeus do século XV, viajar pelo oceano Atlântico era uma tarefa arriscada, pois para os marinheiros o oceano era cheio de mistérios. Visto que pouco se sabia do oceano Atlântico, muitas estórias foram inventadas. Como que em algumas partes desse mar suas águas ferviam , enquanto em outras partes elas desabavam em cachoeiras gigantescas.

Os países pioneiros em encarar esse oceano , foram Espanha e Portugal. Cada um seguiu seu próprio caminho para o desconhecido.

OS PRIMEIROS COLONIZADORES

HERNAN CORTEZ

Na navegação a Espanha foi representada por Cristóvão Colombo, que a serviço dos reis espanhóis, chegou a América antes dos portugueses. Desembarcou em 1492, na ilha de Guanaani( nome indígena), hoje San Salvador. Viajou mais de um mês no comando de três pequenas embarcações, na esperança de chegar as Índias. Acabou por descobrir um novo continente.

No século XVI, os espanhóis organizaram novas expedições para a conquistas de novas terras. Uma expedição de maior destaque foi a de Hernan Cortez , que conquistou e destruiu o império asteca, na atual região do México.

O interessante foi como Cortez conseguiu conquistar esse império. O imperador asteca, Montezuma e seu povo imaginaram que Cortez e seus homens eram deuses, por isso em vez de lutar e defender seu império, Montezuma mandou emissários com presentes para Cortez, para assim manter a paz. Mas os espanhóis, além de seus cavalos dispunham de outras armas de guerra, desconhecidas para o povo asteca.

Como os espanhóis estavam em menor número, eles procuraram conhecer bem a língua, a cultura daquele povo. Aos pouco foram entendendo a situação, eles eram considerados deuses, o império asteca era frágil. Por isso começaram a agir, passaram a fazer alianças com os povos inimigos dos astecas, além de obrigar Montezuma a mostrar os mapas dos territórios de seu império, os livros de impostos. Para assim conseguir descobrir os tesouros das lendárias riquezas do império asteca.

O confronto entre espanhóis e astecas começou quando Cortez teve de voltar em Vera Cruz e deixar as tropas em Tenochtitlán sob o comando de Pedro Álvaro. Em uma festa religiosa, Pedro manda fechar as porta do templo central e matar os nativos.

Foram mais de mil mortos. Mas os nativos reagiram, sob as ordens de Cuitlahuac, irmão de Montezuma.

Enquanto o combate seguia, a cidade também passava por outra crise: as doenças trazidas pelos europeus, como exemplo um surto de varíola que também ajudou os europeus na conquista, pois essas doenças eram desconhecidas para os nativos e por isso eles não tinham defesa. No meio desses problemas o irmão do imperador morreu.

Cortez com um exército de 650 soldados, 194 mosqueteiros, 84 cavaleiros e milhares de nativo aliados, começou o ataque a Tenochtitlán. Visto que os guerreiros astecas não se deixaram vencer tão fácil, Cortez invadiu a cidade e envenenou as fontes de água. Em 75 dias muitos astecas morreram e passaram fome. Os nobres de destaque foram torturados para assim poderem falar onde estavam os tesouros da cidade.

Assim foi o fim do império asteca.

FRANCISCO PIZARRO

Houve também outro império que sofreu com achegada dos europeus. Foram os Incas, estes foram descobertos por Francisco Pizarro. Este chegou na região em 1532, que havia acabado der ter uma crise interna. Pois Atahualpa havia matado seu irmão. Pizarro, foi recebido por uma comitiva de paz, liderada pelo novo imperador, Atahualpa.

Mas Pizarro deixou claro que sua intenção não era a paz mas sim a conquista, pois matou os acompanhantes do imperador e o capturou, depois passou a exigir um quarto cheio de ouro e dois cheios de prata para poder libertar o imperador.

Meses depois a exigências de Pizarro foram atendidas. Ele por sua vez , fez uma divisão justa das riquezas- as partes para o rei, para a igreja, para os homens e a maior para ele próprio.

Atahualpa foi condenado e decapitado. Para dividir o império e torná-lo mais fácil de conquistá-lo, Pizarro nomeou vários postos de comando incas ligados a Huáscar.

RESULTADO DAS CONQUISTAS

Estas terras conquistadas foram divididas em quatro partes, os Vice-reinos: Nova Espanha, Nova Granada, Peru e Rio da Prata. Para governar essas regiões havia as audiências,tribunas, que eram responsáveis pela justiça, além da igreja e as forças armadas. Além disso já começava a surgi o comércio e a mineração.

O governo também usava os cabildos, uma espécie de câmara municipal que controlava a polícia, fiscalizava os impostos e faziam vigorar as leis nas vilas e cidades. A igreja trabalhava junto ao governo para controlar as colônias. Por isso o rei teve de ser oferecer para ajudar na expansão do catolicismo. Visto que a igreja tinha um forte poder nas colônias, pois suas frentes principais eram as missões, que na verdade eram aldeamentos destinados a catequizar os índios para poder os integrar aos costumes europeus.

PORTUGAL

PRIMEIRAS EXPEDIÇÕES

Em 1498, Vasco da Gama, consegue chegar as Índias contornando a África. Com a intenção de arrumar um novo caminho, foi-se organizada uma nova expedição, desta vez comandada por Pedro Álvares Cabral.

Essa expedição saiu de Lisboa em 9 de março de 1500, com treze navios e cerca de 1500 homens, destes haviam os guardas, tripulantes e os religiosos. Ao chegar, batizaram o lugar de ilha de Vera Cruz, mas no ano seguinte este nome foi mudado para Terra de Santa Cruz, e por fim em 1503 de Brasil.

Após a sua descoberta, Cabral seguiu viagem rumo as Índias, mesmo já não tendo toda sua frota de navios. Sua expedição foi um sucesso comercial , pois apenas um dos produtos trazidos do Oriente, a pimenta, já rendeu duas vezes o custo da viagem.

O INÍCIO DA EXPLORAÇÃO- MADEIRA PAU-BRASIL

O comércio de especiarias orientais passou a se destacar na economia.

Isso explica o pouco interesse de Portugal nas três primeiras décadas após a viagem de Cabral. No começo Portugal enviava ao Brasil apenas expedições para conhecer e investigar o litoral,coletar espécies e combater piratas e navios de outros países.

O principal produto de comércio da Brasil era o pau-brasil, mesmo tendo valor inferior ao das mercadorias Orientais. Até 1504 Fernão de Noronha junto com comerciantes judeus era responsável pelo comércio de pau-brasil.

Além dos portugueses, os espanhóis também tinham interesse pelo pau-brasil, fizeram até mesmo algumas expedições para a exploração dessa mercadoria, mas respeitando o tratado de Tordesilhas.

Também os franceses tentaram a exploração, mas de maneira ilegal, através do contrabando. Com tantos exploradores desta madeira, os efeitos foram logo sendo visto, a destruição das florestas. Os ladrões tinham a ajudas dos índios, conhecedores das florestas, cortavam a madeira, e a levavam até os navios em troca de produtos, como peças de tecido, roupas, facas canivetes e outros.

Essa exploração de madeira não tinha por objetivo o estabelecimento de povoados. Os franceses e portugueses se limitavam em fazer feitorias nas partes do litoral onde a madeira era mais abundante. Essas feitorias eram construções que serviam de depósito e fortalezas contra os concorrentes.

Essa concorrência entre franceses e portugueses acabou em conflitos armados.

Onde até mesmo o rei teve que agir. Em 1526, Dom João III, rei de Portugal, mandou para a América algumas expedições punitivas, para assegurar suas terras. A exploração da madeira pau-brasil foi até o século XIX.

POPULAÇÃO INDÍGENA

A população indígena estava em torno de três a cinco milhões de pessoas.

Era a união de várias tribos indígenas: tupinambás, portiquares, guaranis e outros.

Geralmente estes povos tinham costumes e línguas diferentes entre si.

Não tinham um estado organizado. Cada povo e sua cultura. A cultura da roça pertencia a toda a tribo,as tarefas relacionadas com o plantio da roça, coletar, fabricar, fiar e tecer e cuidar das crianças eram tarefas designadas para as mulheres da tribo.

Para os homens cabia a responsabilidade de derrubar as árvores e preparar a terra, caçar,pescar, fabricar casas e armas.

Geralmente os povos indígenas moravam em regiões hostis, devido as grandes florestas. Isso serviu como uma grande vantagem, pois eles se tornaram bons conhecedores da natureza.

Um exemplo: eles sabiam de plantas que serviam de veneno, que eles aplicavam na água para facilitar a pesca. Além disso o veneno era usado em outras situações como rituais e festas. O uso variava de tribo para tribo.

Havia as pinturas corporais ,as cores mais usadas eram o vermelho do urucum, o azul-escuro do jenipapo, o preto do pó de carvão e o branco do calcário.

A pintura variava de acordo com a situação ou ritual a ser usado.

Este conhecimento indígena foi útil para que os europeus sobrevivessem no novo continente, nos primeiros anos da colonização. Para só depois começarem a impor sua própria cultura.

Fonte: www.juliobattisti.com.br

Colonização da América

Mais tarde, os conhecimentos acerca dos seus acidentes geográficos, clima e população demonstraram a extrema diversidade do continente. A evolução das sociedades americanas viria a destacar e aprofundar as suas diferenças, apesar das semelhanças dos seus processos históricos.

Um dos fatores de diferenciação é a diversidade étnica e cultural das sociedades americanas.

Trezentos anos de colonização desencadearam um processo migratório que se prolonga até nossos dias. Às comunidades indígenas, em si tão diversas em termos de desenvolvimento cultural, vieram juntar-se os colonizadores brancos e a grande massa de negros africanos trazidos à força como escravos. Esse processo contribuiu desigualmente para a formação dos perfis das sociedades nacionais.

Brancos, negros e índios distribuem-se desproporcionalmente de uma região para outra, tanto que se pode falar de uma América branca (a anglo-saxônica e os países do Prata), uma América índia (os países andinos), uma América hispano-índia (as áreas centro-americanas e o Paraguai) e uma América negra (parte das Antilhas), sem esquecer os países de mestiçagem multirracial, como o Brasil.

Além de línguas diferentes, os grupos populacionais que vieram para a América trouxeram outros elementos culturais de suas áreas de origem, o que explica a variedade de costumes, tradições c culturas populares do continente.

Mas o fator principal de diferenciação das sociedades americanas é, sem dúvida, o desenvolvimento econômico desigual, apesar de grande parte do passado colonial comum. O Período Colonial não marcou tão profundamente as áreas de colonização de povoamento como o fez com as de colonização de exploração. Mesmo nestas últimas, havia sensíveis diferenças entre as regiões de plantations escravistas e as de encomiendas, o que explica em parte a evolução distinta do campesinato na América contemporânea.

Os mais 150 anos de história independente e do posterior desenvolvimento capitalista vieram aprofundar as contradições entre as áreas americanas, sobretudo entre a América anglo-saxônica, que se tornou industrial e imperialista, e a maior parte do continente, chamado hoje de América Latina, integrante, junto com a África e a Ásia, do Terceiro Mundo. É nesta parte do mundo que, nos dias atuais, se desenvolve um processo agudo de lutas populares de libertação nacional, e nele a América Latina busca desempenhar papel fundamental.

O cenário cm que se desenvolvem as lutas de classes na América Latina forjou-se ao longo de três séculos de exploração colonial e de um período menos longo, porém mais predatório, de dominação imperialista européia c, depois, norte-americana. O latifúndio, a monocultura de exportação com as formas pré-capitalistas de exploração da mão-de-obra ainda constituem considerável parcela da realidade agrária de muitos países latino-americanos.

A industrialização, concentrada em alguns setores de interesse do capitalismo internacional e realizada tardiamente, cm uma época em que a economia mundial já sc encontrava dominada pelo grande capital monopolista, não permitiu um desenvoÌvi1nento autônomo, e tornou os países latino-americanos extremamente dependentes dos pólos econômicos mundiais, c, conseqüentemente, das flutuações e crises do capitalismo internacional.

Suas classes dominantes são constituídas por oligarquias agro-exportadoras ou grandes comerciantes e banqueiros aliados ao capital internacional, ou por fraca burguesia, até hoje incapaz de levar adiante um projeto nacional desenvolvimentista. O crescimento demográfico acelerado tornou mais agudos os problemas de sobrevivência de grande parte da população do continente.

A instabilidade política, decorrente do quadro de subdesenvolvimento e miséria de vastas regiões da América Latina, aumenta o papel político-institucional das Forças Armadas, em geral conservadoras, e torna a região vulnerável a toda sorte de manobras do imperialismo, desde os programas de ajuda econômica até golpes de Estado, realizados por elites militares educadas em centros de treinamento de oficiais norte-americanos. A falta de canais políticos de decisão e participação popular levou tanto a episódios de luta armada por parte de militantes do povo, quanto ao fenômeno do caudilhismo militar ou civil, seja sob a forma de ditaduras reacionárias, seja criando regimes progressistas. Nesse quadro, marcado pela violência, pelo militarismo e pelo autoritarismo, fracassaram os movimentos burgueses liberais de caráter reformista, que perderam a sua força ideológica.

Nem as ditaduras militares reacionárias ou progressistas, nem o reformismo burguês foram capazes de resolver os problemas fundamentais da América Latina. E a cada avanço do movimento popular, o imperialismo responde com táticas que vão do terrorismo e da repressão policial até o abrandamento das formas autoritárias, mas sem perder o controle da situação política.

Entretanto, nas últimas décadas, o imperialismo vem sofrendo derrotas e recuos em alguns países. A Igreja Católica já se coloca em muitas sociedades a favor dos pobres. Os movimentos populares ampliam a sua base social. A Revolução Cubana e a experiência socialista do Chile são dois marcos das lutas populares na América Latina e assinalam dois processos históricos distintos e que tiveram, também, soluções diferentes. Mais recentemente, a Revolução Nicaragüense mostrou outra forma de concepção e organização da luta popular pela libertação econômica e pela democracia.

Luta armada?

Eleições?

Pronunciamentos militares?

O futuro da América vai depender fundamentalmente dos rumos que tomarem os seus movimentos sociais. O continente, inquieto e explosivo, é um campo aberto aos processos revolucionários dos povos, no sentido da sua emancipação social e da sua redenção como homens.

O que está acontecendo na América só pode ser entendido a partir das raízes históricas da opressão e das lutas de libertação dos povos americanos.

A História do continente americano nasceu e se desenvolveu seguindo dois caminhos diferentes: um junto ao povo e outro contra o povo. Como José Carlos Mariátegui, sabemos que "no conflito entre exploradores e explorados, na luta entre capitalismo e socialismo, a neutralidade intelectual é impossível". Este livro é uma tentativa de contribuir para uma melhor apreensão da realidade complexa e multifacetada de Nuestra América.

Aquino, Jesus e Oscar

Fonte: www.historianet.com.br

Colonização da América

No final do século XV, a economia da Europa não estava muito boa, especialmente no que dizia a respeito do comércio. As especiarias que chegavam na Espanha e Portugal, eram muito caras, pois saiam de Calicute, na Índia, passavam por Constantinopla com um pequeno aumento de preço, depois Genova e Veneza, que por sua vez também aumentavam o preço e vendiam para os espanhóis e portugueses.

Assim, eles decidiram que deveriam ir comprar as especiarias diretamente em Calicute, para não pegarem preços muito altos e poderem vender mais barato do que em outros locais e consequentemente dominar o comercio naquela região.

Infelizmente eles estavam impossibilitados de passar pelo Mediterrâneo, já que lá se localizava Genova e Veneza, que até então eram dominantes do comércio regional.

Eis que surge o grande desafio: precisavam de um novo caminho para chegar ás Índias.

Cristóvão Colombo que era um homem inteligente e estudioso, queria mostrar a todos que a terra é redonda, mas a Igreja contrariava seus pensamentos, pois ia contra os princípios católicos.

Para provar que estava falando a verdade, no ano de 1492, Cristóvão decidiu que iria até as Índias, mas que iria dar a volta ao globo terrestre e sair de um lado para chegar no outro.

O que Cristóvão não sabia era que no meio do seu trajeto, ele encontraria terras até então consideradas inexistentes, e essas terras eram habitadas.

Á principio ele pensou que havia chegado ás Índias, e voltou para a Espanha. Acabou morrendo sem saber que aquele lugar não eram as Índias, e sim, a mais tarde, chamada de América.

Fonte: www.pt.shvoong.com

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal