Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Império Árabe  Voltar

Império Árabe

O Império Árabe teve sua formação a partir da origem do islamismo, religião fundada pelo profeta Maomé. Antes disso, a Arábia era composta por povos semitas que, até o século VII, viviam em diferentes tribos. Apesar de falarem a mesma língua, estes povos possuíam diferentes estilos de vida e de crenças.

Império Árabe
Império Árabe

Arábia pré-islâmica 

Os beduínos eram nómadas e levavam uma vida difícil no deserto, utilizando como meio de sobrevivência o camelo, animal do qual retiravam seu alimento (leite e carne) e vestimentas (feitas com o pêlo). Com suas caravanas, praticavam o comércio de vários produtos pelas cidades da região. Já as tribos corticitas, habitavam a região lituânia e viviam do comércio fixo.

CAABA: principal centro de peregrinação.

Império Árabe

Expansão da cultura árabe 

Durante o período de conquistas, ampliaram seu conhecimento através da absorção das culturas de outros povos, levando-as adiante a cada nova conquista.

Foram eles que espalharam pela Europa grandes nomes como o de Aristóteles e também outros nomes antiguidade grega. Eles fizeram ainda importantes avanços e descobertas médicas e cientificas que contribuíram com o desenvolvimento do mundo ocidental. 

No campo cultural, artístico e literário deixaram grandes contribuições. A cultura árabe caracterizou-se pela construção de maravilhosos palácios e mesquitas.

Destacam-se, nestas construções, os arabescos para ilustração e decoração.

A literatura também teve um grande valor, com obras até hoje conhecidas no Ocidente, tais como: As mil e uma noites, As minas do rei Salomão e Ali Baba e os quarenta ladrões.

Fonte: www.externatoasvp.org

Império Árabe

Império Bizantino ou Romano do Oriente

1) Origens – na fase de decadência do Império Romano. O imperador Constantino fundo a cidade de Constantinopla que se tornou mais tarde o centro comercial para onde afluíam mercadorias de todo o mundo. Com a divisão do império, Constantinopla passou a ser a capital do Império Romano do Oriente. Esse que manteve-se urbano e desenvolvido, economicamente e culturalmente.

2) Extensão e população – Estendia-se do Mar Adriático ao Mar Vermelho. Abrangia terras da Europa, parte da Ásia e norte da África. A população era formada por várias nacionalidades.

3) Características do Império

a) Governo – monarquia absolutista teocrática. Administração e as leis adotadas eram romanas.

b) Sociedade – costumes orientais e uso da língua grega. O povo gostava de ir a espetáculos de circo, corridas de carro no hipódromo e viviam envolvido em discussões inúteis sobre religião (bizantinismo).

c) Economia – comércio marítimo e terrestre bastante desenvolvido, posição geográfica privilegiada de Constantinopla. Agricultura baseada no latifúndio de propriedades.

d) Arte

d.1) Arquitetura – Igreja Santa Sofia, destaque a grande cúpula central apoiada em colunas

d.2) Pintura – uso do mosaico colorido em murais.

e) Controvérsias religiosas – surgiram idéias contrárias à doutrina da Igreja (Heresias)

e.1) Monofisismo – Cristo só possuía a natureza divina

e.2) Arianismo – negava a divindade do Filho e do Espírito Santo, só admitindo a existência do Pai.

e.3) Nestorianismo – Maria era mãe de Cristo e não mãe de Deus

f) A Questão Iconoclasta – uma luta religiosa que pretendeu suprimir as imagens (ícones) do culto por considerá-las objeto de idolatria. Os mosteiros incentivavam o culto aos ícones que atraía multidões de devotos, gerando dividendos às ordens religiosas. Surgem os grupos partidários do imperador, os iconoclastas (destruidores de imagens), que se chocam com os partidários do culto tradicional tendo à frente os monges. As lutas constantes entre o clero bizantino e os Papas, devido às diferenças de rituais, dogmas e a estrutura da Igreja Ocidental, levaram a separação do Cristianismo, no chamado Cisma do Oriente, dando origem à Igreja Ortodoxa ou Oriental.

4) O Governo de Justiniano – o império Bizantino atingiu o seu apogeu. Casado com Teodora que teve muita influência no governo.

a) Política externa – tentativa de reconstruir o Império Romano ajudado pelos generais Belisário e Narsés, conquistaram o reino dos vândalos no norte da África, parte do reino visigótico na Espanha e anexou o reino ostrogótico na Itália b) Política interna – Sedição de Niké revolta popular ocorrida no hipódromo. Construção da Igreja de Santa Sofia, em Constantinopla. Corpus Juris Civilis – direito bizantino, composto de 4 partes:

O Digesto ou Pandectas – síntese dos pareceres dos jurisconsultos romanos.

O Código – reunião de leis romanas desde o governo do imperador Adriano

As Institutas – manual didático para o ensino do direito

As Novelas – leis elaboradas durante o governo de Justiniano

5) Causas da decadência do império – instabilidade no poder e a incapacidade da maioria dos imperadores; questões religiosas e heresias; constantes ameaças externas dos persas que contribuíram para o enfraquecimento do império, favorecendo a expansão árabe.

6) Importância da civilização bizantina – defendeu a Europa de novas invasões como a dos persas e árabes; centro de irradiação cultural que evangelizou e civilizou os povos eslavos; conservaramse lá os tesouros da Antigüidade, guardado em suas bibliotecas as obras de sábios, poetas e oradores da época grega e romana. Uso da cúpula como na construção da Igreja de Santa Sofia. Os sábios bizantinos emigraram para a Itália e trouxeram grande bagagem da cultura grega (clássica) o que provocou futuramente os movimentos denominados de Humanismo e Renascimento.

Império Árabe

1) Origens – ativo comércio feito através de caravanas que seguiam em direções variadas. Os árabes de origem semita viviam em tribos independentes, governados pelo xeque (líder político) e pelo emir (chefe militar). A religião primitiva era politeísta. Na cidade de Meca, havia a Caaba onde os ídolos eram reverenciados juntamente com a “pedra negra”.

2) Maomé e o Islamismo – Maomé foi o fundador do Islamismo e pertencia a tribo dos Coraixitas (guardiões da Caaba). Elaborou um sincretismo religioso, misturando idéias religiosas de judeus e cristão com as tradições árabes. Perseguido, Maomé e uns poucos seguidores fogem de Meca para Iatreb que após a acolhida dada ao profeta passou a chamar-se Medina, ou “a cidade do profeta”.

Essa fuga, ocorrida em 622, é a Hégira, que marca o início do calendário muçulmano. Voltando para Meca, Maomé destrói os ídolos da Caaba, implantando o Monoteísmo, dando origem ao islã. Com Maomé foi feita a unificação religiosa e política da Arábia.

a) Princípios básicos do islamismo – religião monoteísta, crença em Alá (deus); livro sagrado: o Corão ou Alcorão, que abrange princípios religiosos, políticos, morais e higiênicos. Crença na imortalidade da alma, no juízo final, no paraíso e no inferno. Jejum e abstinência durante o dia, no mês do Ramadã, dia sagrado, Sexta-feira; orar cinco vezes ao dia, voltado para Meca; prega a humildade, paciência, distribuição de esmolas; admite a poligamia, concumbinato e o divórcio.

Proibição da ingestão de carne de porco e bebidas alcoólicas. Prega a guerra santa, (Jihad) contra os infiéis, sustentada pela atração do paraíso. Visitar Meca, ao menos uma vez na vida.

3) Expansão árabe

a) Fatores internos

plano econômico: o botim (saque); interesses mercantis no controle das rotas comerciais.

plano social: aridez do solo que os impelia à conquista de terras férteis para abrigar a numerosa população; nomadismo e o espirito aventureiro plano religioso: a guerra santa

b) Fatores externos – fraqueza dos impérios persa e bizantino, desunião política e o particularismo dos pequenos reinos bárbaros. Após a morte de Maomé o poder passou a ser exercido pelos Califas que iniciaram a expansão em direção à Síria, Palestina, Mesopotâmia, Ásia Menor e Pérsia.

4) Dinastia Omíada – com a morte de Ali, subiu ao poder o governador da Síria, Moaviá Omíada.

Conquistaram o norte da África e o reino visigótico, na Espanha, iniciando a conquista de toda a península Ibérica.

5) Os Abássidas – com os Abássidas, a capital foi transferida para Bagdá, na Mesopotâmia.

O Império Árabe chega ao esplendor máximo com o califa Harum-Al-Raschid. As conquistas árabes atingiram praticamente toda a bacia do Mediterrâneo.

O império se dividiu em 3 califados independentes: Bagdá (Mesopotâmia), Cairo (Egito) e Córdova (Espanha)

6) Cultura árabe – não tinham uma cultura avançada mas conseguiram organizar uma cultura mista devido ao contato com civilizações muito antigas e desenvolvidas. A arte muçulmana foi pouco desenvolvida

a) Arquitetura – influência persa e bizantina b) Pintura e escultura – pouco destaque, pois o Corão proíbe a reprodução de figuras humanas ou de animais nas mesquitas. Usavam os Arabescos (mistura de folhas, flores, figuras geométricas, caracteres da escrita árabe) na decoração.

c) Literatura – rica e cheia de fantasias, grande influência dos persas.

d) Ciências

c.1) Filosofia – inspirou principalmente no filósofo grego Aristóteles c.2) Geografia – tradução da obra de Ptolomeu que denominaram Amagesto c.3) Matemática – conhecimento da geometria e da álgebra, divulgaram os algarismos arábicos.

c.4) Química – descobriram vários ácidos e sais. Busca do “Elixir da longa vida” c.5) Astronomia – conhecimentos e nomenclaturas de constelações e estrelas, construção de observatórios e elaboração de um calendário.

c.6) Medicina – operações várias, descrição de doenças, descobrem o processo de contágio e suas diversas vias.

7) Economia

a) Agricultura – técnicas de irrigação do solo e vários produtos orientais foram introduzidos na Europa (Espanha) e norte da África, como: cana-de-açúcar, arroz, laranja, limão, rosa, etc.

b) Indústria – metalurgia (na Espanha e na Síria), tecelagem, tapeçaria, cerâmica, perfumaria e drogas.

Os árabes aprenderam a fabricar e usar três inventos: o papel, a pólvora e a bússola.

Fonte: members.fortunecity.com

voltar 1234567avançar
Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal