Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  História da Moda  Voltar

História da Moda

 

A história da moda refere-se ao desenvolvimento da moda indústria que projeta roupas e acessórios. A indústria moderna, baseada em torno de empresas ou casas de moda geridos pelos criadores individuais, começou no século 19 com Charles Frederick Worth , que foi o primeiro estilista a ter sua etiqueta costurada na as roupas que ele criou.

Um estranho para a corte francesa, Marie Antoinette contou com desenhos meticulosos da Bertin para ajuda-la "para combater seus inimigos com estilo".Preferências de moda exclusivos de Maria Antonieta, tais como calças de montaria masculino ou simples vestido, contrastava com seus elaborados vestidos como a rainha tentou criar uma persona que permitiria que os cidadãos da França para se conectar com ela e seu estilo de vida.

Apesar das tentativas de Maria Antonieta foram muito mal sucedidas, as formas Bertin ajudou a Rainha articular-se através da moda foram inovador e estabelecer um precedente para monarcas que se seguiram.

Inglês que vive em Paris, Charles Frederick Worth (1825 - 1905) é geralmente visto como o primeiro designer em algo parecido com o sentido moderno, com uma grande empresa que emprega muitos alfaiates em grande parte anônimos e costureiras.

Um ex-Draper, o sucesso de Worth era tal que ele foi capaz de ditar aos seus clientes o que eles devem usar. Lançou para a ribalta como o desenhador principal da imperatriz Eugénie, Worth usou suas conexões reais para ganhar reconhecimento e clientes.

A proclamação em 01 de fevereiro de 1853 por Napolón III que visitantes seria recebido na sua corte, sem vestido formal significa que a popularidade dos vestidos estilo Worth foi esmagadora.

Elaboradamente decorado e construído em materiais mais finos, vestidos de Worth são bem conhecidos por seus "Crinolinas ', estruturas metálicas de gaiola que prendiam o vestido em uma forma elegante.

Malik Ahsan introduziu muitas técnicas de moda em HCBF, a maioria do sexo feminino estudantes adaptada estas técnicas e tenham sido concedidos pela principal do HCBF

História da Moda
Vestido desenhado por Charles Frederick Worth por Elisabeth da Áustria pintado por Franz Xaver Winterhalter Começos Couture.

Rose Bertin (2 de julho de 1747 - 22 de setembro de 1813) foi a costureira chamado projeto de lei para Marie Antoinette, rainha de France, e um perfil público elevado. Às vezes chamado sarcasticamente o "Ministro da Moda", ela abriu uma loja em Paris e teve uma influência considerável no estilo parisiense, até que isso foi drasticamente alterada pela Revolução Francesa, a partir do qual ela fugiu para o exílio em Londres por alguns anos.

Início do século XX

Durante todo o início do século 20, praticamente toda a alta moda originada em Paris e, em menor medida Londres. Moda revistas de outros países enviados editores para os shows de moda de Paris.

As lojas de departamento enviou compradores para os shows em Paris, onde compraram roupas para copiar (e roubou abertamente as linhas de estilo e detalhes de acabamento de outros). Ambos os feitos sob medida salões e pronto-a-vestir departamentos caracterizou as últimas tendências Paris, adaptados às suposições das lojas sobre os estilos de vida e livros de bolso de seus clientes-alvo.

Neste momento da história da moda a divisão entre alta costura e prêt-à-porter não estava bem definida. Os dois modos distintos de produção ainda estavam longe de ser concorrentes e que muitas vezes coexistiram em casas onde as costureiras movidos livremente entre feitos à medida e pronto.

Em torno do início das revistas de estilo de moda do século 20 começaram a incluir fotografias e tornou-se ainda mais influente do que no futuro. Nas cidades em todo o mundo essas revistas eram muito procurados e teve um efeito profundo sobre o gosto do público.

Talentosos ilustradores - entre eles Paul Iribe , Georges Lepape , ERTE , e George Barbier - desenhou figurinos atraentes para estas publicações, que cobriam os mais recentes desenvolvimentos em moda e beleza. Talvez o mais famoso dessas revistas foi La Gazette du Bon Ton , que foi fundada em 1912 por Lucien Vogel e publicou regularmente até 1925.

Final do século XX

Durante o final do século 20, a moda começou a cruzam fronteiras internacionais com rapidez. Estilos ocidentais populares foram adotados em todo o mundo, e muitos designers de fora do Ocidente teve um profundo impacto sobre a moda. Materiais sintéticos como lycra / spandex , viscose e se tornou amplamente utilizado, e da moda, depois de duas décadas de olhar para o futuro, mais uma vez voltou-se para o passado em busca de inspiração.

A moda na Idade Média – Século XVI

Marcada por uma série de considerações preconceituosas, a Idade Média compreende o período que parte da queda do Império Romano, até o surgimento do movimento renascentista. Longe de ser a chamada “idade das trevas” (LAVER, 1989, p. 22) esse período histórico possui uma diversidade que não se encerra no predomínio religioso em busca pelo conhecimento.

É durante o período medieval que se estabelece a complexa fusão de valores culturais romanos e germânicos. Ao mesmo tempo, é nesse período que vemos a formação do Império Bizantino, da expansão dos árabes e o surgimento das primeiras universidades.

O fenômeno da moda e do vestuário, na maior parte de sua história, segue linhas distintas de desenvolvimento, o que resulta em tipos contrastantes de vestimenta masculina e feminina (LAVER, 1989, p. 7).

[...] a moda aparece antes de tudo como o agente por excelência da espiral individualista e da consolidação das sociedades liberais. E é na roupa, em especial, que os homens assumem e dão visibilidade à sua individualidade e sociabilidade perante o grupo em que se inserem (LIPOVETSKY, 1989, p.13)

A moda no Renascimento

A origem deste movimento deu-se na península da Itália, precisamente em Florença, a cidade do Renascimento, onde estes ideais e conceitos são rapidamente difundidos por toda a Europa, tendo assim o inicio de uma época tão importante para a evolução da ciência e do pensamento humano.

Na moda as alterações foram significativas, verificando-se uma mudança acentuada na tentativa de acompanhar todo o processo de modernização. As cortes europeias passam por um processo de criação de uma identidade própria, característica de cada país, que permitia o reconhecimento da moda de cada um deles.

A moda italiana espalha-se para o resto da Europa e divide-se em dois grandes polos: Itália e Alemanha. Os países como França e Inglaterra foram influenciados pela forma de vestir alemã, enquanto a Itália permaneceu fiel a si mesma. Por volta de 1550-1570, tudo mudou e o estilo alemão que prevalecia deu lugar à moda espanhola, mais sóbria, elegante e quase sempre preta.

O efeito desta moda produzia uma rigidez refletindo a etiqueta rigorosa e altiva da corte espanhola.

A moda no Século XVII

No Século XVII, a França e não mais a Espanha, como no período anterior, passa a ter forte influência na moda dos demais países da Europa. Segundo Braga (2006), Luís XIV sobe ao trono da França. De tão vaidoso, ele é considerado o criador da primeira escola de moda do mundo.

Luis XIV é considerando o criador do luxo, do status e da sofisticação, entre as heranças que nos deixou estão: os perfumes, os sapatos de salto, a gastronomia, o champanhe, os salões de cabeleireiro e os primeiros criadores de alta costura.

Tudo isto era desejado pelas outras cortes europeias e a França passa a ser então o país ditador de moda, já que nesta época também foram criados os primeiros jornais de moda e a moda sazonal, àquela que muda a cada estação.

Para Luís XIV ostentar o luxo era uma forma de poder. A França soube utilizar muito bem esse poder de sedução para influenciar outros países. As criações da corte francesa eram desejadas e disseminadas por toda a Europa.

A moda no Século XVIII

Laver (1989), diz que as novas concepções de pensamento, advindas do Iluminismo, e as correntes artísticas marcam fundamentalmente o Século XVIII. O retrato do momento é o de uma aristocracia ociosa, que levava uma vida extremamente luxuosa.

A imagem da rainha Maria Antonieta, da França, é extremamente associada a este período, devido à sua contribuição para mudanças no comportamento e no estilo da época, com suas extravagâncias. Pode ser considerada a maior mecenas cultural da época. As roupas femininas, desta segunda metade do século XVIII, eram tão exageradas que o volume e peso das roupas dificultavam o andar.

As saias eram extremamente volumosas e muito estendidas lateralmente, a parte de cima do corpo era afinada pelo uso dos espartilhos, mas deixavam os sapatos à mostra.

Lentamente a estética desta moda desapareceu e sua delicadeza foi substituída pelos violentos anos da Revolução Francesa, com a revolta do povo contra o governo e moldou a França e a transformou no país como o conhecemos hoje.

Entre as heranças desta revolução está a gastronomia, pois os cozinheiros dos palácios tiveram que procurar emprego nos restaurantes populares, fazendo com que a cozinha refinada ganhasse as ruas.

Moda na Belle Époque

Suntuosidade, luxo, beleza, glamour, ostentação, são algumas palavras que definem o período que vai da década de 1890 até o início da Primeira Guerra Mundial, em 1914, conhecida como a Belle Époque (Bela Época). Paris, a cidade luz, era a capital do luxo e a grande estrela daquela época.

A moda refletia este ambiente, afinal a moda é sempre um reflexo da sociedade, do comportamento e da cultura. Quando a primeira guerra começou, surge então Madeleine Vionnet e Coco Chanel, as estilistas da nova silhueta feminina e Paul Poiret, o homem que libertou as mulheres dos espartilhos.

Àqueles tempos difíceis não permitiam extravagâncias, as roupas deveriam ser práticas, simples e sérias, em tecidos como flanela e algodão, baratos e duráveis. A mulher passa a trabalhar, usam-se uniformes, as roupas passam a ser um pouco como conhecemos hoje: práticas e simples. Assim, a bela época teve a moda abafada.

A moda no século XIX

O século XIX trouxe um novo modo de pensar e de viver, marcado pelo dinamismo. Época das indústrias, do comércio, dos bancos e do dinheiro da burguesia, classe social que movimentou os negócios trazendo a rapidez dos acontecimentos e a agitação da vida moderna.

É neste período que o vestuário também passa por transformações importantes que delinearam o caminho da moda contemporânea. Foi o momento que a moda iniciou sua democratização, em que todos poderiam se vestir igualmente.

As mudanças ocorridas no mundo, neste século, deram o tom ao início do promissor com o anúncio de um novo estilo de vida. O começo de uma nova era trazia muitos desafios e transformações às artes, às ciências, às relações internacionais, à política, ao comércio e à moda.

Na primeira década do século XIX, a moda ganha mais sofisticação com materiais e modelos diversificados e torna o processo de confecção mais elaborado. As alterações previam uma mudança cultural que iriam refletir diretamente na moda. Já no final deste século, era possível enxergar vários movimentos artísticos que floresciam na Europa. Eles adentraram o século e acabaram como responsáveis em estabelecer novos pensamentos estéticos, atingindo os setores da arquitetura e do design, assim como na moda.

O século XIX passa a ser resumido em uma palavra: mudança. A transformação que altera radicalmente o modo de ser e de pensar da sociedade. Paris fervilha sob a luz da companhia de dança Ballet Russes, que influencia a moda com a introdução de roupas orientais.

A evolução da moda

No início do século XX, ocorreram mudanças significativas na moda feminina, como a exclusão dos corsets, o orientalismo e as revoluções estéticas de Madeleine Vionet, Paul Poiret e Coco Chanel.

Com a Primeira Guerra Mundial, os homens no front de batalha e as mulheres entrando no mercado de trabalho, as roupas deveriam ser práticas, simples, de tecidos baratos e duradouros. Roupas extravagantes não ficavam bem em épocas de guerra. A Guerra abafou a moda e não aconteceu nenhuma mudança durante os anos que se seguiram (1914-1918).

Nos anos 20, a moda tornou-se pela primeira vez acessível a todos. Como eram roupas fáceis de fazer, muitas mulheres aprenderam a costurar, fazendo suas próprias roupas em casa, sem contar que o custo era baixo. Mas na década de 30 há o reflexo da crise mundial da queda da bolsa de valores de Nova York, em 1929. Muitas pessoas ficaram pobres, empresas faliram e o desemprego imperava. Historicamente, em épocas de crise, a moda torna-se menos ousada. A guerra viria transformar a forma de se vestir e o comportamento de uma época.

A Segunda Guerra Mundial (1939-1945) foi como catalisador das mudanças na moda, pois foram exigidos novos posicionamentos da mulher e as roupas ficaram mais simples e austeras.

Os anos 50 foram também marcados pelos aspectos presentes na época anterior como o luxo, a sofisticação e o glamour, que caracterizam os anos dourados e a moda no seu esplendor. Ao final desta década, Paris torna-se novamente o centro de alta-costura, recupera o status que ainda hoje mantém, de Capital da Moda. No entanto, é também por volta desta época que a capital francesa começou a sofrer com a concorrência da Inglaterra e dos Estados Unidos, que possuíam agora as suas próprias indústrias e que pretendiam evidenciar-se neste ramo, criando um estilo próprio e muito inovador.

Nos anos 60, nos Estados Unidos, verificou-se um movimento de rebeldia, de contestação e rejeição por parte dos jovens. Surgiam então os hippies, que eram contra toda a divisão de classes e utilizam a moda como um instrumento em sua luta e revolta, para conscientização da futilidade dos atos e convicções da sociedade.

Os anos 70 iniciaram-se com as características trazidas da segunda metade dos anos 60, da moda hippie. Foi o início de despontamento com uma diferenciação mais marcante, uma busca por imagens mais individuais. No final da década surgiu uma nova proposta que diferenciava as pessoas pelo que elas vestiam e assim surgiu mais um novo conceito, o da moda acessível para todas as pessoas e grupos sociais. Nos anos 80, o verdadeiro destaque estava nos contrastes, os opostos passaram a ser a grande característica da época, que perdura como sendo a marca do século XXI. Não havia mais uma única verdade de moda. As áreas de antropologia e de sociologia criaram o conceito de “tribos de moda”, marcando-se uma grande característica dessa época devido aos diferentes grupos que tinham as suas próprias identidades, criando e mantendo-se fiel ao próprio estilo. A moda ganhou status no mundo; a aparência passou a ser importante. Os anos 80 viam mulheres que descobrem seus poderes: decidida, executiva, determinada e forte em todos os sentidos. Nessa década, a tecnologia do tecido apoiada pela pesquisa têxtil, contribuiu ainda mais para a evolução da moda.

Neste período, os japoneses estabeleceram-se em Paris, criando uma moda propostas de intelectualidade e limpeza do visual, uma filosofia zen, o “minimalismo”, pois tinha como características poucos cortes, acabamentos e poucas cores passando a cor preta a dominar esta técnica e o slogan era “Less is More” (“Menos é mais”).

Os anos 90 surgiram fragmentados e as múltiplas ideias de moda pulverizadas. Havia uma mistura de tendências num estilo retrô, que trouxe de volta elementos característicos de outros momentos, mas ao mesmo tempo surgiam estilos bastante vanguardistas. Foi nesta fase que o processo parece ter começado a se inverter: as modas começavam a sair das ruas para as passarelas. Mas se, por um lado, a moda das ruas ditava as regras, por outro, reinavam as luxury brands (marcas de bens de luxo). Também o confronto entre os sexos diminuiu e o homem começou a se permitir ser vaidoso como a mulher.

Com a ascensão do individualismo, a hegemonia e a ditadura da moda é que saíram “de moda”. Mundialmente há um novo culto à individualidade, o que pode estar redefinindo os novos contornos da moda. Entra em voga a palavra customização (do inglês custom made), o que é feito sob medida.

A moda no século XXI

Com o início do novo milênio, as mudanças começaram a ser muito mais aceleradas, os inúmeros acontecimentos passaram a ser vividos com muito mais intensidade, a consciência ambiental passou a ser um estilo de vida. Este é o período no qual a mídia passou a ter uma grande influência nas pessoas, e devido a isso o capitalismo fortaleceu-se.

O início do século XXI é marcado por duas tendências: a que “nada se cria, e tudo se copia" e a “moda vem e vai” caracterizada pela moda retro. A moda hoje é despadronizada, diferente da produção em massa dos anos 50, que oferece através de um amplo leque modelos, versões e infinitas escolhas.

Devido à busca por uma identidade própria, as pessoas passaram a criar peças com seu próprio estilo, utilizando- se de materiais alternativos produzindo dessa forma o desenvolvimento sustentável.

Fonte: en.wikipedia.org/revista.crb8.org.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal