Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Revolução Chinesa  Voltar

Revolução Chinesa

 

A série de grandes convulsões políticas na China entre 1911 e 1949, o que levou ao governo do Partido Comunista e do estabelecimento da República Popular da China.

Em 1912, uma revolta nacionalista derrubou a dinastia Manchu imperial.

De acordo com os líderes dom Zhong Shan (Sun Yat-sen) (1923-1925) e Jiang Jie Shi (Chiang Kai-shek) (1925-1949), os nacionalistas, ou Kuomintang , estavam cada vez mais desafiado pelo crescente movimento comunista.

A de 10.000 km / 6.000 milhas- Longa Marcha para o noroeste, empreendida pelos comunistas entre 1.934-1.935 escapararam Guomindang doassédio, resultando no surgimento de Mao Tsé-tung como um líder comunista.

Durante a Segunda Guerra Mundial os vários grupos políticos chineses reunidos recursos militares contra os invasores japoneses, mas, em 1946, o conflito reacendeu em uma guerra civil aberta.

Em 1949, o Kuomintang foram derrotados em Nanjing e forçado a fugir para Taiwan . Regime comunista foi estabelecido na República Popular da China, sob a liderança de Mao Tsé-tung.

Revolução Chinesa
Revolução Chinesa

Primeiro governo republicano

A revolução chinesa surgiu com o colapso da dinastia Manchu, resultado do aumento das desordens internas, a pressão de governos estrangeiros, ea fraqueza do governo central.

A revolta nacionalista 1911-1912 levou a uma Constituição provisória republicano era proclamada e um governo estabelecido em Beijing (Pequim), dirigido por Franco Shihai.

O Kuomintang foram confrontados com os problemas de restaurar a autoridade do governo central e enfrentar os desafios de facções militaristas (liderada por senhores da guerra ) e do crescente movimento comunista.

Comunistas retiro

Depois de 1930 Jiang lançou uma série de ataques que cercavam os comunistas no sudeste da China e levou a uma tentativa comunista comandante do exército Chu Teh para sair. O resultado de março longo para noroeste da China, de outubro de 1934 a outubro de 1935, reduziu a comunistas "exército de mais de 100 mil para pouco mais de 8000, principalmente como resultado de escaramuças com as forças de Jiang e da gravidade das condições.

Durante a marcha uma luta de poder desenvolvida entre Mao Zedong e Guo Jiang T'ao que eventualmente dividir a força.

Grupo de Mao finalmente se baseou em Yan'an, onde permaneceu durante toda a guerra com os japoneses, formando uma aliança com os nacionalistas para expulsar os invasores.

Vitória comunista

Tropas de Mao formou a base do Exército Vermelho que renovou a guerra civil contra os nacionalistas, em 1946, e saiu vitorioso após derrotá-los no Huai-Hai e Nanquim, em 1949.

Como resultado, o governo comunista foi estabelecida na China sob a liderança de Mao Tsé-tung.

Fonte: www.colegiosaofrancisco.com.br

Revolução Chinesa

A Revolução Chinesa, (1911-1912), a revolta democrática nacionalista que derrubou o Qing (Manchu ou) dinastia em 1912 e criou uma república.

Desde a sua conquista da China no século 17, a maioria dos Manchu vivia na ociosidade comparativa, supostamente um exército de ocupação, mas na realidade pensionaries ineficientes. Durante todo o século 19, a dinastia foi diminuindo, e, após a morte da Imperatriz Cixi (1908), que perdeu seu último líder capaz. Em 1911, o imperador Pu Yi era criança, ea regência foi incompetente para guiar a nação. Os concursos frustradas com as potências estrangeiras tinham abalado não só dinastia, mas todo o mecanismo do governo.

A cadeia de eventos que levam imediatamente à revolução começou quando foi assinado um acordo (5 de abril de 1911) com um grupo de poder e quatro dos banqueiros estrangeiros para a construção de linhas sobre a (Huguang) Hukwang Ferroviária no centro da China. O Beijing governo decidiu assumir de uma empresa local de uma linha em Sichuan, em que a construção tinha sido mal começou, e aplicar parte do empréstimo para a sua conclusão. A quantia oferecida não atender as exigências dos acionistas, e em setembro de 1911 a insatisfação transbordou à revolta aberta. Em 10 de outubro, em conseqüência da descoberta de uma conspiração em Hankou (agora [junto com Wuchang] parte de Wuhan ), que tinha pouca ou nenhuma ligação com o episódio de Sichuan, um motim eclodiu entre as tropas em Wuchang , e este é considerado como o início formal da revolução. Os amotinados logo capturados a hortelã Wuchang e arsenal, e da cidade após cidade declarada contra o governo Qing. O regente, em pânico, concedido demanda da assembléia para a aprovação imediata de uma constituição e pediu um antigo vice-rei, Yuan Shikai , para sair da aposentadoria e salvar a dinastia. Em novembro, ele foi feito premier.

Yuan tinha agido com vigor, ele poderia ter suprimido a revolta e assim adiaram o inevitável. Ele flertou, no entanto, e, até o final do ano, 14 províncias declararam contra a liderança Qing. Em várias cidades guarnições Manchu haviam sido massacrados, o regente tinha sido forçado a sair do escritório, um governo provisório republicano tinha sido criado em Nanjing , eo archrevolutionist Sun Yat-sen (Sun Zhongshan) havia retornado do exterior e tinha sido eleito presidente provisório.

Em dezembro de Yuan concordou com um armistício e entrou em negociações com os republicanos. Em 12 de fevereiro de 1912, o imperador menino foi feito a abdicar do trono em um anúncio que transferiu o governo para os representantes do povo, declarou que a constituição deve doravante ser republicano, e deu Yuan Shikai plenos poderes para organizar um governo provisório. As autoridades de Nanjing concordaram que o imperador era para manter o seu título para a vida e receber uma pensão de grande porte. Para unificar o país, Sun Yat-sen renunciou a presidência, e Yuan foi escolhido em seu lugar. Li Yuanhong, que havia entrado em destaque no Wuchang nos estágios iniciais da rebelião, foi eleito vice-presidente. A Constituição provisória foi promulgada março 1912 pelo parlamento Nanjing, e em abril, o governo foi transferido para Pequim.

A república, criada com uma rapidez tão surpreendente e relativa facilidade, estava destinado, nas décadas seguintes, para testemunhar o colapso progressivo da unidade nacional e do governo ordenada.

A Revolução Chinesa

Em 1905, Sun Yat-sen Filho de um agricultor, que morava em Londres, Honolulu, Estados Unidos e Japão, com base em Tongmenghui ancestral direto do Kuomintang.

A ideologia deste movimento é baseado em três pontos fundamentais:

  1. independência das pessoas, através da derrubada da dinastia Manchu (nacionalismo)
  2. soberania do povo, daí o estabelecimento da república (democracia)
  3. o bem-estar do povo, pelo regulamento dos meios de produção e propriedade da terra (socialização princípio)

As primeiras principais intelectuais Tongmenghui, (estudantes no Japão, comerciantes dos principais portos do Sudeste da Ásia), especialmente chineses ultramarinos.

Mas o movimento também estabeleceu contatos com as sociedades secretas antigas, que atingiu os agricultores, coolies.

Idéias republicanas também infiltrar-se no exército.

27 de abril de 1911, uma rebelião em Canton tentativa falhar, causando 72 mortes.

Em 10 de outubro, uma revolta militar eclodiu em Wuchang, e se espalha.

Em dois meses, os manchus foram expulsos do sul da China.

Sun Yat-Sen retornou às pressas dos Estados Unidos.

O governo provisório estabelecido em Nanking eleito Sun Yat-sen presidente em 1 de janeiro de 1912.

Fonte: histoire.chinoise.free.fr

Revolução Chinesa

Enraíza-se numa luta de caráter nacionalista, na primeira metade do século XX, e numa vitória socialista que, ao contrário do que afirmava a teoria marxista, não se baseia num operariado urbano desenvolvido, como acontece na Rússia, e sim no campesinato.

Primeira fase

Desde 1905, o Partido Nacionalista (Kuomintang) de Sun Yat-sen tenta depor a dinastia mandchu. Mas o movimento está dividido.

Em Nanquim, Sun é eleito presidente de uma assembléia revolucionária.

Em Pequim, Yuan Chegai é nomeado primeiro-ministro pela Assembléia Nacional. Quando o imperador abdica, Sun concorda que Yuan se torne presidente provisório em março de 1912.

Mas este proclama-se imperador em 12 de dezembro de 1915.

Sua morte no ano seguinte lança o país na anarquia. No sul, com a ajuda russa, Sun reorganiza o Kuomintang e instala um governo republicano em Cantão.

No norte, Pequim é disputado pelo governador mandchu Jiang Tsolin e pelo republicano general Fong Huxiang. Em Xangai, começam a surgir focos de resistência do PC, fundado em 1o de julho de 1921 e que se alia ao Kuomintang em 1923.

Kuomintang contra o PC

Depois da morte de Sun, em 1925, seu cunhado, Chiang Kai-shek , comanda o Exército nacionalista e conquista Hankow em janeiro de 1927, Xangai em 21 de março e Nanquim, em 24 de março. Nesta última instala seu governo. O massacre e a expulsão dos comunistas de Xangai dá início à luta entre o Kuomintang e o PC, em 1927. No ano seguinte as campanhas no norte resultam na unificação. Chiang passa a presidir um Conselho de Estado, que concentra todos os poderes e Nanquim substitui Pequim como capital. Nos anos seguintes, Chiang pacifica o vale do Yang-Tsé, na guerra civil contra o Exército Vermelho, criado em 1928.

Tenta expulsar os comunistas de Kiangsi, forçando-os a iniciar, sob o comando de Mao Tse-tung e Chou Enlai, a Grande Marcha até Shensi (1934).

China na 2a Guerra

Durante a 2a Guerra Mundial, a China fica dividida em três regiões: uma ocupada pelos comunistas, uma sob controle nacionalista e uma invadida pelo Japão, desde 1931. A reduzida atividade militar do país favorece a reorganização das forças comunistas no norte e leste. Paralelamente, o Kuomintang deteriora-se, desmoralizado pela corrupção de seus dirigentes.

Formação da República Popular da China

A guerra civil se alastra e, entre 1945 e 1947, os comunistas instalam um governo provisório, decretam a reforma agrária, denominam suas tropas de Exército Popular de Libertação (EPL) e, apesar do ajuda americana ao Kuomintang, ampliam o domínio das áreas rurais e das pequenas e médias cidades.

Em 1949 conquistam grandes cidades, como Nanquim e Pequim. Proclamam a nova República Popular em 1o de outubro e forçam a retirada do governo e do exército do Kuomintang para Taiwan (Formosa ). A conquista do restante do território chinês é completada em 1950.

Mao Tse-tung (1893-1976)

Fundador do Partido Comunista Chinês, do Exército Popular de Libertação e da República Popular da China, nasce numa família de pequenos proprietários de Changcha. É enviado a Pequim para cursar a escola secundária e a universidade e se envolve no movimento democrático de 4 de maio de 1919.

Ao voltar a Iennan, organiza círculos de estudo da teoria marxista. Participa do congresso de fundação do Partido Comunista, em 1921, em Xangai, mas é considerado herético por sugerir que a revolução chinesa deve ser camponesa, e não liderada por operários industriais. Passa a advogar construção de bases revolucionárias no campo, contra a opinião da maioria dos dirigentes. Essas bases acabam sendo decisivas para a sobrevivência das forças comunistas, que se salvam do golpe militar de Chiang Kai-shek em 1927.

Mesmo assim, as opiniões estratégicas de Mao continuam em minoria até a derrota do Exército Popular de Libertação frente à quinta ofensiva das forças do Kuomintang, em 1935, que resulta na Longa Marcha. Durante essa retirada de 100 mil homens através de 12 mil km para Iennan, Mao é eleito o principal dirigente do PC e comandante do EPL. Estabelece seu quartel-general na província de Shensi, região que permanece sob o controle do Exército Popular.

Em 1939 casa-se com Chiang Ching, uma artista de Xangai, apesar da oposição de outros dirigentes, como Chou Enlai. Durante a 2a Guerra, faz uma aliança com o Kuomintang para defender o território chinês e amplia as bases sob seu domínio. Em 1948 lança uma ofensiva final sobre o governo e estende o domínio do governo popular socialista sobre toda a China. Acumula os cargos de secretário-geral do PC e presidente da República e dirige as transformações radicais no país. Em 1966 lança a Revolução Cultural e usa o movimento para libertar-se de seus opositores e inimigos dentro do próprio PC.

No início dos anos 70, sob influência de Chou Enlai, começa a conter as tendências mais esquerdistas, inclusive as lideradas por sua mulher, Chiang Ching, e promove uma abertura do país ao mundo ocidental. Em 1971 reata relações diplomáticas com os Estados Unidos e ingressa na ONU. As disputas pelo poder acirram-se no país. Com a morte de Chou Enlai no início de 1976, Mao vê crescer o poder de seu vice-primeiro-ministro, Deng Xiaoping, mais tarde seu sucessor.

Grande Salto à Frente

Em 1958 Mao adota um plano de comunização radical, com a coletivização forçada da terra, um grande esforço industrial e forte repressão contra os oposicionistas. A experiência fracassa e faz crescer os atritos ideológicos com a URSS, que resultam, em 1960, na retirada da assistência tecnológica soviética. A postura chinesa mais agressiva leva a uma guerra de fronteira com a Índia em 1961.

Revolução cultural

Movimento popular liderado por Mao entre 1966 e 1969 contra seus opositores no aparelho do Estado e no Partido Comunista, acusados de tentar restaurar o capitalismo. Todos os hábitos, costumes e tradições passados são considerados burgueses e reacionários. Os intelectuais são perseguidos e enviados para o campo, a fim de “reeducar-se” por meio de trabalhos forçados. Surge a Guarda Vermelha, formada por estudantes que se guiam pelo livro de citações de Mao.

A partir de 1967, com a instauração da Comuna de Xangai, a luta pelo poder se transforma em conflito entre diferentes facções que se proclamam intérpretes fiéis de Mao. A Revolução Cultural termina em 1969 com a destituição do presidente Liu Xiaoqi.

Transição

Choques entre comandos rivais do EPL ameaçam envolver o país numa guerra civil. Mao envelhece. O primeiro-ministro Chou Enlai, no cargo desde 1949, melhora as relações entre a China e o Ocidente e leva o país a entrar na ONU em 1971. O grupo do ministro da Defesa, Lin Piao, tenta um golpe de Estado em 1973. A disputa se agrava em 1976, quando morrem Chou Enlai e Mao.

São presos Chiang Ching, viúva de Mao, e seus aliados da chamada Gangue dos Quatro, que haviam desempenhado papéis importantes na Revolução Cultural.

A transição se completa em 1978, com o afastamento do secretário-geral do PC, Hua Guofeng, e a ascensão ao poder do vice-presidente do partido, Deng Xiaoping.

Chiang Ching (1914-1991)

Atriz na juventude, é quarta esposa do dirigente comunista chinês Mao Tse-tung, com quem se casa em 1939. Fica mundialmente conhecida a partir de 1965, como a principal dirigente da Revolução Cultural chinesa e uma das organizadoras da Guarda Vermelha, organização paramilitar da juventude maoísta. Com a morte de Mao em 1976, é afastada do poder e presa. É condenada à morte em 1981, durante o processo contra a chamada Gangue dos Quatro – os dirigentes da Revolução Cultural –, acusada de mandar matar milhares de oposicionistas.

Em sua defesa, afirma que limitava-se a cumprir ordens de Mao: “Eu era apenas o seu cachorrinho”. Sua pena é comutada para prisão perpétua em 1983.

Doente a partir de 1988, suicida-se em 1991.

Deng Xiaoping (1904- )

Sucessor de Mao Tse-tung no comando da China. Com 16 anos integra um programa de estudo e trabalho na França, onde adere ao Partido Comunista. De volta ao país passa a organizar forças a favor de Mao Tse-tung. Participa da Longa Marcha com Mao mas depois passa a ser acusado de ser pouco ortodoxo em relação aos princípios maoístas. Em 1966 é demitido do cargo de secretário-geral do partido e submetido à humilhação pública pela Guarda Vermelha.

Depois de algumas tentativas frustradas, volta à política depois da prisão da Gangue dos Quatro e da mulher de Mao. Recupera a liderança no final da década de 70 e internacionalmente passa a ser considerado o responsável pela modernização do país. Começa a perder popularidade na década de 80 ao defender posições da ala mais radical do partido. Em 1989 manda reprimir com violência as manifestações pacíficas de estudantes na Praça da Paz Celestial em Pequim.

Fonte: br.geocities.com

Revolução Chinesa

Em 1910, nacionalistas promoveram uma rebelião, aboliram a monarquia e proclamaram a República.

Entretanto os chefes regionais impediram a unidade administrativa do país. Foi nesse ambiente que, em 1921, nasceu o Partido Comunista Chinês. O PCCh de início não lutava diretamente pelo socialismo, pois tinha como propósito fazer uma campanha contra os latifundiários “senhores da guerra”, em aliança com o Kuomitang, um partido de cunho nacionalista, dirigido por Chiang-Kai-shek. Em 1927 este último rompe o acordo e massacrou milhares de comunistas em Xangai, dando inicio a uma guerra civil que se arrastou por 22 anos.

Derrotado no sul, Mao Tse-tung, o líder dos comunistas, realizou a sua histórica Grande Marcha (1934-1935), em direção ao norte do país e ali fundou uma “República Vermelha”. Nos anos trintas, o partido comunista foi responsável pela morte de centenas de milhares de pessoas, entre proprietários de terras, camponeses ricos, funcionários públicos e membro do exército, na Província de Jiang-xi. A guerra civil teve uma trégua durante os anos da invasão japonesa, logo antes e durante a II Guerra Mundial.

Este foi o cenário em que se desenvolveu a Revolução Comunista na China. Terminada a guerra externa, foi retomada a guerra interna. Em 1949, os comunistas vencem o general Chiang-Kai-shek (que se exilou em Tiwan) e proclamaram a República Popular da China, cuja primeira ação foi a execução de mais de dois milhões de “contra-revolucionários”. No campo administrativo implantaram um “plano qüinqüenal”, priorizando a industrialização e a reforma agrária, provavelmente o maior ato de expropriação sistemática de terra em toda a história. No princípio, a reforma se preocupava com a legalidade e em evitar violência física, mas logo descambou numa radicalização em que foram linchadas ou executados algo entre dois e cinco milhões de pessoas.

Apesar de tudo esse empenho, os planos industrial e agrícola fracassam. Então foi lançada uma campanha para que os membros do partido apresentassem propostas para a construção de uma sociedade comunista chinesa. A analisa dos erros do governo e as críticas à falta de democracia resultaram numa campanha de repreensão ao “direitismo”, que eliminou a oposição aos dirigentes do Partido.

Em 1958, Mao Tsé-tung lançou um outro projeto ambicioso: o "Grande Salto para a Frente". Os camponeses foram obrigados a se agrupar em gigantescas “comunas agrícolas” e em todas as regiões do país, até nas aldeias, foram construíram pequenos fornos siderúrgicos, para aproveitar restos de metal. A produção indústria e agrícola cresceu em proporção muito reduzida.

A conseqüência foi uma nova desorganização da economia chinesa, o que causou a morte, pela fome, de 20 a 40 milhões de chineses, até 1962. Estima-se que foi “a pior fome da história”, acompanhada de ondas de canibalismo e de campanhas de terror contra camponeses acusados de esconder comida. O fracasso do “Grande Salto” obrigou ao “grande timoneiro” a fazer autocrítica de seus erros na direção da economia.

Mao foi substituído por Liu Shao-chi e Deng Xiaoping, na condução dos assuntos internos. Entretanto, se manteve à frente do exército e da política externa. Sentindo a perda do comando do Partido, em 1966 Mao Tsé-tung iniciou uma violenta e gigantesca campanha de depuração partidária, cujo alvo eram seus adversários internos. Era a “Revolução Cultural”. Com o “Livro Vermelho” do pensamento de Mao nas mãos, jovens estudantes e integrantes do exército saíram às ruas para combater os “desvios burgueses”.

Fábricas e universidades foram fechadas. Nas escolas que permaneceram abertas, foram abolidos exames e provas, professores foram espancados e intelectuais tiveram trabalhar no campo, foi terminantemente proibida os valores e idéias ocidentais: livros foram queimados; Shakespeare, Beethoven e Picasso foram proibidos e as... cores dos semáforos foram invertidas.

Entre as principais vitimas da Revolução Cultural encontram-se foi Liu Shao-Chi e Deng Xiaoping, antigos companheiros de Mao, participantes da Longa Marcha. O primeiro, ex-presidente da República, foi expulso do Partido e faleceu na prisão. O segundo, ex-ministro das Finanças e ex-secretario geral do partido, foi destituído de seus cargos, obrigado a fazer autocrítica e enviado para fazer trabalho braçal, em uma fábrica. Em 1973 foi reabilitado e nomeado vice-primeiro ministro, porém em 1976, os radicais o expurgaram novamente.

A morte de Mao Tse-tung, em 1976, deflagrou uma luta entre os radicais, que defendiam a “pureza ideológica”, e os “pragmáticos”, que privilegiavam a eficiência econômica e administrativa. Os radicais eram liderados pela “camarilha dos quatro”, formada por Jiang Qing (viúva de Mao), Zhang Chungiao, Yao Wenyuan e Wang Hongwen. Eles subiram ao poder durante a Revolução Cultural e orientavam a perseguição aos opositores. Um mês depois da morte do “grande timoneiro”, o novo governo, liderado por Deng Xiaoping, fez um grande expurgo nos quadros partidários e do governo e encarcerou os elementos mais esquerdistas do regime, inclusive os integrantes da "camarilha", que foram condenados à morte, veredicto comutado para prisão perpétua.

A grande atuação de Deng Xiaoping como governante foi a busca da conciliação entre dirigismo comunista e a liberalização econômica, o chamado “socialismo de mercado”, que nada mais foi do que uma guinada para o modo de produção capitalista. Mas o novo governo também cometeu seus crimes. Em 1889 ordenou a matança de mais de mil estudantes na Praça da Paz Celestial e continuam as milhares de execuções judiciais anuais, às vezes em praça públicas. Reformas econômicas capitalistas foram feitas, mas direitos políticos e humanos não e o país permanece sob absoluto controle do Partido Comunista.

Calcula-se que a revolução comunista chinesa ceifou a vida de cerca de 65 milhões de pessoas. Tomislav R. Fmenick

Mao Tse-tung (ou Mao Zedong; nasceu em 26 de Dezembro de 1893 e morreu em 9 de Setembro de 1976) foi um político, revolucionário e governante comunista da República Popular da China

Mao foi o responsável pela reunificação da China desde que o país foi dominado por estrangeiros, na Guerra do Ópio. Junto a Zhu De, foi co-fundador do Exército Vermelho, em 1927. Depois de ganhar o poder, iniciou a transformação dos processos de produção e sociais, em moldes stalinistas.

Estas transformações levaram à brutal escassez e fome de 1959-1961. Iniciou a chamada Revolução Cultural que culminou com humilhantes purgações políticas, prisão e tortura de milhões de pessoas, numa destruição massiva de grande parte do milenar legado cultural da China. Conhecido por “Presidente Mao" no Ocidente, na China era chamado apenas de O Presidente. Apesar dos muitos erros, construiu uma nação que tornou-se, de subserviente aos estrangeiros, numa das maiores potências do mundo..

Biografia

Mao Tse-tung nasceu na aldeia de Shaoshan, província de Hunan, China, filho de camponeses, freqüentou a escola até os 13 anos de idade, quando foi trabalhar como lavrador. Por desavenças com o pai, saiu de casa para estudar em Chang-sha, capital da província.

Conheceu as idéias políticas ocidentais e especialmente as do líder nacionalista Sun Zhongshan Sun Yat Sen.

Em 1911, no mês de outubro iniciou-se a revolução contra a dinastia Manchu que dominava o país. As lutas estenderam-se até Hunan. Mao alistou-se como soldado no exército revolucionário até o início da república chinesa, em 1912.

De 1913 a 1918 estudou na Escola Normal de Hunan, aprendeu filosofia; história e literatura chinesa. Continuou estudando e assimilando o pensamento ocidental e política. Começou logo a ser um líder estudantil com participação em várias associações, mudou-se para Pequim em 1919, onde iniciou seus estudos universitários, trabalhou na Biblioteca Universitária, conheceu Chen Tu Hsiu e Li Ta Chao fundadores do Partido Comunista Chinês.

Participou do Movimento Quatro de Maio contra a entrega ao Japão de regiões chinesas que haviam estado em poder da Alemanha; em função deste aderiu ao marxismo-leninismo, 1921, Mao Tse-tung participou da fundação do Partido Comunista Chinês. Em 1927, Chiang Kai Shek assumiu o poder e se voltou contra os comunistas, e Mao fugiu para as montanhas de Jinggang iniciando a guerrilha que durou 22 anos.

Em outubro de 1934, Mao e seu exército seguiram para o noroeste do país, iniciando a chamada Longa marcha, transformando-se líder do Partido Comunista Chinês. Na Grande marcha apenas uma ínfima parte dos membros sobrevive à guerrilha, ao cansaço e à fome. Mao mantém-se implacável perante o sofrimento dos seus companheiros, motivando a continuação da fuga das forças de Chiang Kai Shek. Quando a China foi invadida pelos japoneses em 1935, os comunistas e os nacionalistas uniram-se novamente, e no término da guerra o exército revolucionário tinha em torno de um milhão de soldados; os comunistas controlavam politicamente noventa milhões de chineses.

De 1936 e 1940 Mao fez oposição à tese dos comunistas pró-soviéticos, e conseguiu impôr o seu ponto de vista, afastando do partido os seus oponentes, e seguindo a técnica de Estaline de domínio unipessoal do aparelho partidário.

Em 1949, derrotou o Kuomintang. Em 1 de Outubro desse ano proclama na Praça Tiananmen, em Pequim, a República Popular da China; em Dezembro foi proclamado presidente da república.

Em 1956, Tse-tung lançou a campanha das cem flores que visava a liberdade de expressão, aproveitava idéias para fortalecer o enriquecimento do padrão de vida no país, aumentou a produtividade para libertar a China da dependência soviética, tornando-a auto-suficiente econômica e politicamente .

Entre 1957 e 1958, iniciou uma política de desenvolvimento chamada de grande salto em frente, marcando o distanciamento da ideologia do comunismo chinês, assente no campesinato, ao modelo soviético, mais assente no proletariado industrial.

Em 1959 declarou os tigres uma praga. Até então eram muito comuns na China, e então iniciou-se uma perseguição feroz que os reduziu a 200 em 1976.

Fonte: www.hostgold.com.br

Revolução Chinesa

Revolução da Nova Democracia (1919 a 1949)

Revolução Chinesa
Revolução Chinesa

Sob o impacto da Revolução de Outubro da Rússia, em 1919, estalou o Movimento de 4 de Maio, anti-imperialista e anti-feudal, com o qual o proletariado chinês passou a aparecer no movimento político do país.

O Movimento de 4 de Maio constituiu uma mudança da revolução democrática do velho tipo para a revolução de uma nova democracia.

Este acontecimento possibilitou a propagação do marxismo-lenismo e sua combinação com a prática da revolução chinesa, preparando a ideologia e os dirigentes para a fundação do Partido Comunista da China.

Em 1921, como representantes dos grupos comunistas das diversas regiões, Mao Zedong, Dong Biwu, Chen Tanqiu, He Shuheng, Wang Jinmei, Deng Enming, Li Da e outros, realizaram em Shanghai o I Congresso Nacional, com o qual nasceu o Partido Comunista da China.

Em 1924, Sun Yatsen, precursor da revolução democrática e fundador do Kuomintang, começou a cooperar ativamente com o Partido Comunista, organizando as massas operárias e camponesas para a Expedição do Norte. Após o falecimento de SunYatsen, o grupo direitista do Kuomintang, com Chiaag Kai-shek como representante, deu um golpe de Estado contra-revolucionário em 1927, massacrando os membros do Partido Comunista e as massas revolucionárias.

Pouco depois fundou-se o governo do Kuomintang em Nanjing. Este fato causou o fracasso da grande revolução e a partir deste momento o Partido Comunista dirigiu o povo na luta contra a dominação do Kuomintang, isto é na Guerra Revolucionária Agrária, a chamada "Guerra Civil de Dez Anos".

Em julho de 1937, o Japão invadiu a China e as tropas do Kuomintang efetuaram uma série de batalhas frontais e deram duros golpes no exército japonês.

O Oitavo Exército e o Novo Quarto Exército, dirigidos pelo Partido Comunista, abriram frentes na retaguarda e, em condições difíceis, lutaram contra a maioria das tropas japonesas e quase todo o exército títere chinês, desempenhando um papel decisivo na vitória contra os japoneses.

A partir de 1946, as tropas do Kuomintang lançaram um ataque de massa sobre as regiões libertadas e dirigidas pelo Partido Comunista e se desencadeou uma verdadeira guerra civil. Para libertar definitivamente o povo chinês, o Partido Comunista da China dirigiu o povo e o exército das regiões libertadas para iniciar a Guerra de Libertação Nacional. Com a vitória nas três batalhas de Liaoshen, Huaihai e Beiping-Tianjin, em 1949, foi derrubado o governo do Kuomintang e o povo chinês conquistou a vitória na revolução da nova democracia.

Fonte: www.chinaonline.com.br

Revolução Chinesa

Revolução Chinesa
Revolução Chinesa

Depois da vitória de Mao Tsé-tung, Chiang Kai-chek se refugiou na ilha de Formosa (Taiwan), pois os EUA conseguiram que a ONU (Organização das Nações Unidas) reconhecesse Formosa (China Nacionalista) como a única representante do povo Chinês!

A gigantesca China Popular, "socialista", ficou de fora.

Um absurdo não?

Somente em 1971 com a aproximação diplomática entre a China e os EUA, a China foi admitida na ONU.

A Revolução na China

No começo do século XX, a China era só uma sombra do seu glorioso passado. Retalhada e humilhada pelo imperialismo, havia se tornado um país atrasado, com centenas de milhões de famintos. Suas riquezas pertenciam à elite e aos exploradores estrangeiros. O povo cultivava arroz e contava os grãos que podia comer.

Em 1911, os nacionalistas chineses, liderados por Sun Yat-sen, chefiaram uma revolta que proclamou a república. Este homem fundou o Kuomintang (KMT), partido nacionalista que propunha criar um Estado moderno, dinamizador do capitalismo.

Acontece que o país não encontrou estabilidade política: estava mergulhada nas disputas dos senhores da guerra. Eles eram latifundiários que reuniam um bando de capangas armados pra dominar uma região. É óbvio que, enquanto suas disputas dividissem o país, a China continuaria frágil diante do imperialismo.

O Partido Comunista Chinês (PPC) foi fundado em 1921. Seguindo o Kormintern (Internacional Comunista, sediada em Moscou. Orientava os Partidos Comunistas no mundo inteiro), o P.C. da China não lutava diretamente pelo socialismo. A idéia era apoiar a burguesia nacionalista para vencer os senhores da guerra, fortalecer o governo central e desenvolver a economia, tirando o país do atraso e da submissão. Assim, o P.C. da China aliou-se ao Kuomintang na luta por reformas democráticas.

Após a morte de Sun Yat-sen (1925), o KMT passou a ser liderado pelo traiçoeiro e inescrupuloso Chiang Kai-chek. Este homem ambicioso e sem escrúpulos, que não hesitou em vender-se ao imperialismo, ordenou o Massacre de Xangai (1927), no qual milhares de comunistas foram trucidados pelos soldados do KMT. A partir daí, começava a gerra civil entre o PCC e o KMT.

Chefiado por Chiang Kai-chek, por volta de 1927, o KMT já tinha conseguido um razoável controle do país, mas não tinha destruído totalmente os comunistas. Derrotados no Sul, os comunistas tiveram de fugir em direção às montanhas de Kiangsi. Lá, controlando uma pequena área, fundaram a República Soviética da China (1931).

No mesmo ano, os japoneses invadiram a região da Manchúria.

Chiang Kai-chek declarou: "Os japoneses são uma enfermidade da pele, e os comunistas são uma doença do coração". Então enviou meio milhão de soldados, apoiado por 500 aviões para expulsar os vermelhos de Kiangsi.

Os revolucionários tiveram de fugir. Foi a Longa Marcha (1934), liderada por Mao Tsé-tung, uma verdadeira epopéia de 6000km de caminhada, desafiando rios, pântanos, deserto, neve, montanhas, em mais de 200 combates contra tropas do KMT. Finalmente os sobreviventes chegaram a uma região distante, a noroeste da China, praticamente inacessível ao inimigo.

A Segunda Guerra chegou mais cedo à China: em 1937 o Japão declarou guerra total, com o objetivo de dominá-la completamente.

Para enfrentar os invasores japoneses, o PCC e o KMT estabeleceram uma trégua. Entretanto, enquanto o KMT, dominado pela corrupção, pouco fazia contra os violentos ocupantes estrangeiros, o PCC mostrava ao povo que era o mais dedicado, vigoroso e leal combatente do imperialismo. Na luta contra os japoneses foi criado o Exército Vermelho, e, em pouco tempo, ser patriota era sinônimo de ser comunista.

Os japoneses agiram com selvageria, matando e desruindo o que viam pelo caminho. Os latifundiários, para não perderem suas riquezas, colaboravam com os invasores e exploravam mais ainda os camponeses. Os soldados do KMT, embriagados pela corrupção, roubavam descaradamente seus compatriotas. Diferente mesmo era o Exército Vermelho. Em cada região libertada por ele, os camponeses eram tratados como irmãos. Os revolucionários confiscavam as terras dos poderosos e distribuíam-nas para os trabalhadores. Montavam escolas e hospitais. E, na época da colheita, ajudavam a pegar o arroz. Afinal, era um exército de camponeses, trabalhadores, do povo chinês. Quando o Exército Vermelho seguia adiante, levava junto milhares de novos integrantes voluntários.

Quando os japoneses foram vencido em 1945, a luta entre o PC e o KMT recomeçou. Mas agora, a esmagadora maioria da população estava com os comunistas. Nem a ajuda dos EUA pôde manter o KMT no poder. Chiang Kai-chek raspou os cofres e partiu para a ilha de Formosa onde criou um novo Estado, protegido pelos EUA. No ano de 1945, Mao Tsé-tung entrava vitorioso em Pequim. Os comunistas acabavam de tomar o poder no país mais populoso da terra.

Hong Kong - O Reduto Capitalista na China

Hong Kong é um território inglês tomado da China na Guerra do Ópio (1942). Um cordo diplomático previu a devolução de Hong Kong à China em 1997.

Entretanto, foi acertado que o governo comunista chinês respeitará o capitalismo do território por mais 50 anos.

Hong Kong é um dos Tigres Asiáticos. Os japoneses fizeram investimentos pesados e hoje o território é um dos grandes exportadores mundiais de produtos eletrônicos.

A Construção do Socialismo na China

Stálin, dogmático como sempre, não acreditava na possibilidade dos comunistas tomarem o poder na China. Achava que o melhor a fazer era o PCC se aliar ao KMT para empreender uma revolução democrático burguesa. O velho esquema etapista, ou seja, como se os países fossem obrigados a cumprir as mesmas etapas na evolução histórica. Mao Tse-tung não deu ouvidos a Stálin e liderou a revolução socialista.

Logo depois da tomada do poder, o governo comunista fez importantes reformas: distribuiu terra aos camponeses, acabou com a poligamia (um sujeito que tem várias esposas oficiais) e com o casamento forçado pelos pais, controlou a inflação, reconstruiu o país e ampliou os direitos sindicais.

Entretanto, desde 1940 permanecia a Nova Democracia, isto é, a China continuava a ter empresários capitalistas. A idéia era uma Revolução Ininterrupta, ou seja, avançar em direção ao socialismo. É óbvio que esses empresários fizeram de tudo para boicotar o governo. Assim, a partir de 1952, começaram as grandes transformações. Com enormes manifestações operárias de apoio ao governo comunista, as grandes empresas foram encampadas pelo Estado e, pouco depois, não havia mais burgueses na China.

Desde o começo da revolução, a China recebeu bastante ajuda soviética: dinheiro, armas, tecnologia, médicos, engenheiros e pesquisadores. Os chineses tentavam construir o socialismo de acordo com as receitas da URSS. Distribuíram terras para os camponeses, criaram cooperativas rurais e fazendas do Estado, alfabetizaram milhões de adultos e deram prioridade para a indústria pesada. No primeiro Plano Quinquenal (1953-1957) os pequenos proprietários camponeses uniram-se em cooperativas rurais e a indústria teve um razoável crescimento.

Entretando os Chineses sempre foram originais e conscientes de que deviam seguir seus próprios caminhos.

No ano de 1957 o PCC lançou a campanha Cem Flores, concedendo grande liberdade para debates públicos.

Mao Tsé-tung disse: "Deixai que as flores desabroxem e que floresçam as discuções". As críticas foram maiores do que se esperava. Os camponeses reclamavam que recebiam pouca atenção, operários diziam que tinham aumentos menores que a ampliação da produtividade. Alertava-se contra o crescimento do poder do Partido e sua burocratização. Preocupado com a estabilidade, o PCC censurou as críticas. A liberdade não seria total.

Em 1958, Mao Tsé-tung lançou o projeto Grande Salto Para a Frente. Toda a China foi mobilizada para que em poucos anos o país se tornasse uma potência econômica. Foi dada prioridade para o campo, estimulando as Comunas Rurais.

O que é uma comuna chinesa?

Uma grande fazenda com autonomia financeira, grande igualdade de salários, espécie de minimundo comunista, com escolas e hospitais gratuitos e até oficinas e pequenas fábricas. Para desenvolver a indústria, trabalhava-se sem parar. Inclusive nas aldeias camponesas construíram-se pequenas fornalhas onde se jogava no fogo todos os pedaços de metal encontrados. O ensino procurou levar milhares de estudantes a trabalhar na agricultura, ao mesmo tempo em que o aprendizado técnico era ligado à educação ideológica ("A política do Comando").

O Grande Salto foi um fracasso, a indústria cresceu muito pouco e as tais fornalhas no campo só serviram para desprediçar matéria prima. Muitos hospitais e escolas rurais não puderam se sustentar por falta de recursos. Pra piorar, houve terríveis enchentes. Como se isso não bastasse, a China perdeu a ajuda da URSS.

Vale tudo - China x URSS

A China passou a acusar a URSS de social-imperialismo. A partir daí valia tudo contra os soviéticos. Assim, em 1971 a China aproximou-se diplomaticamente do EUA e em 1973 apoiou a ditadura militar do general Pinochet no Chile. Quando a URSS ocupou o Afeganistão em 1979, a China aliou-se aos EUA para fornecer armas para os guerrilheiros muçulmanos afegãos que combatiam os ocupantes soviéticos.

Fonte: www.comunismo.com.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal