Facebook do Portal São Francisco
Google+
+ circle
Home  Energia Geotérmica  Voltar

Energia Geotérmica

 

Extraindo energia das profundezas da terra

Kilometros abaixo da superfície terrestre reside uma das maiores fontes de energia mundial - enegia geotérmica. Nossos ancestrais usaram a energia geotérmica para cozinhar e tomar banho, hoje podemos usá-la para fornecer energia limpa e barata para milhões de pessoas.

O Que é a energia geotérmica?

Energia geotérmica é o calor retido debaixo da crosta terrestre. Este calor é trazido a superfície como vapor ou água quente—criada quando a água flui pelos lençóis subterrâneos proximos a rochas aquecidas—e usadas diretamente para aquecimento de casas e prédios ou convertida em eletricidade.

Usinas geotérmicas

Usinas geotérmicas usam poços para canalizar o vapor e água quente até a superfície onde é gerada eletricidade. Nos EUA as usinas existentes geram eletricidade a um custo de 5¢ a 7.5¢ por kilowatt-hora. Hoje a capacidade implantada é superior a 2700 Megawatts.

Formas dos recursos geotérmicos

Das cinco formas de energia geotérmica, somente duas- reservatórios hidrotérmicos e energia da terra—são usados comercialmente. As outras formas são mares pressurizados, rochas aquecidas e magma.

Reservatórios hidrotérmicos

Reservatórios Hidrotérmicos são grandes piscinas de vapor ou água quente presas em rochas porosas. Para gerar eletricidade, o vapor ou a água quente é bombeada para a superfície terrestre onde giram uma turbina de uma gerador elétrico. O Vapor é mais raro do que a água quente, sendo que cada um possui sua tecnologia diferenciada.

Vapor

O vapor é levado diretamenta às turbinas, eliminando a necessidade de caldeiras, que usam carvão ou gás natural.

Água em alta temperatura

Água quente (acima de 200°C) sob alta pressão é levada a um tanque de baixa pressão o que causa sua vaporização instantânea, o vapor é então levado à turbina.

Água em temperatura moderada

A água quente (abaixo de 200°C) é usada para aquecer e vaporizar outro fluído que então move a turbina.

Energia da terra

Nos lugares onde o calor da terra aparece próximo a superfície—se usa esse calor diretamente para aquecer casas e prédios, se chama tecnologia de uso direto.

Bombas de calor

Usa-se a propriedade que a terra tem de manter sua temperatura quase constante, assim no inverno o calor é retirado da terra, e no verão é injetado na terra o calor excedente.

Sistemas de aquecimento local

Muitas comunidades encanam a água quente e a transporta através dos prédios e casas, também é uma forma de uso direto.

Outras formas de energia geotérmica

Rochas quentes: Quando a rocha não possui água, o jeito é injetar água sob pressão na rocha, a rocha irá aquecer a água que então poderá ser aproveitada.
Magma:
Magma são rochas parcialmente derretidas existentes abaixo da crosta, atingem temperaturas de até 1200°C e embora em algumas condições se encontre nagma próximo a superfície, ainda falta discobri como explorar essa fonte de energia.
Águas marinhas pressurizadas:
Geralmente são quentes e possuem metano, ambos podendo ser utilizados para gerar energia.

Benefícios da energia geotérmica

Ambiente: A energia geotérmica é uma fonte de eletricidade benigna ao ambiente. Atende as mais exigentes leis ambientais, liberando muito pouco, ou nada, de dióxido de carbono.
Confiabilidade:
Usinas geotérmicas são muito confiáveis e podem operar 24hs por dia, a maioria das usinas de energia, só operam 95% do tempo.

Fonte: www.geocities.com

Energia Geotérmica

Podemos definir energia geotérmica como o calor proveniente da Terra, mais precisamente do seu interior. Ela existe desde que o nosso planeta foi criado.

Abaixo da crosta terrestre, existe um manto composto por rochas líquidas a altas temperaturas, o magma. Nestas zonas, os depósitos ou correntes de água são esquentados pelo magma até temperaturas às vezes superior a 140 ºC. Quando a água ou vapor emergem através de fissuras na crosta, aparecem os gêiseres, as fumarolas e as fontes termais.

Este incrível recurso equivale a 50.000 vezes a energia que se obtém de todos os recursos de gás e petróleo do mundo.

Conversão de energia

Desde a antiguidade a energia geotérmica é utilizada através das fontes termais, especialmente para banhos devido os possíveis efeitos medicinais.

Alguns povos também a utilizavam para obter água potável a partir da condensação do vapor.

Atualmente existem basicamento duas finalidades para a energia geotérmica:

Uso Direto
Geração de eletricidade

Aspectos Positivos e Negativos

Todas as formas de geração de energia elétrica apresentam algum tipo de impacto ambiental. Abaixo, são apresentadas os principais benefícios e as desvantagens das usinas geotérmicas.

ASPECTOS
Positivos Negativos
Umas das mais benignas fontes de energia.

Mais barata que os combustíveis fósseis.

A emissão de gases poluentes (CO2 e SO2) é praticamente nula.

Produz energia independente de variações como chuvas, níveis de rios, etc.

A área requerida para a instalação da usina é pequena.

Estimula os negócios regionais.

Pode abastecer comunidades isoladas.

Baixo custo de operação, devido ao baixo custo do combustível.

Geração de empregos (mão-de-obra barata e especializada).

É uma energia muito cara e pouco rentável.

Pode causar deterioração ao ambiente, ainda que a reinjeção de água seja feita.

Pode levar o campo geotérmica ao esgotamento.

A energia deve ser posta em uso no campo geotérmico ou próximo dele.

O calor perdido aumenta a temperatura do ambiente.

Emissão de H2S (ácido sulfídrico) com odor desagradável, corrosivo e nocivo à saúde.

Altos custos para reconhecimento e pesquisa do local.

Situação Nacional

Um importante acervo de dados e informações técnicas sobre o potencial e a possibilidade do uso da energia geotérmica no Brasil encontram-se disponíveis nos Anais do Simpósio Brasileiro sobre Técnicas Exploratórias Aplicadas à Geologia, promovido pela Sociedade Brasileira de Geologia em Salvador - Bahia, no ano de 1984.

Nesse Simpósio, foram discutidos vários aspectos relacionados aos sistemas de baixa, média e alta entalpia, e a necessidade de se desenvolver um programa de pesquisa de âmbito nacional, visando obter uma idéia mais precisa sobre os recursos e sobre a potencialidade do território brasileiro em energia geotérmica.

Fonte: www.dee.feis.unesp.br

Energia Geotérmica

Energia que vem do fundo da Terra

A geotermia é utilizada para produção de eletricidade, aquecimento de água e de ambientes

Apesar de pouco conhecida no Brasil, a energia geotérmica é a única fonte para a produção de eletricidade em muito países. Para se obter esta energia não é necessária a queima de combustíveis fósseis pois é produzida a partir do uso da água e do calor contidos no interior do planeta.

A exploração da energia geotérmica só pode ser feita em um número restrito de locais que normalmente são identificados pela presença de vulcões ou geisers (sprays de água quente). As fontes de calor estão localizadas em grandes profundidades, o que eleva os custos de produção. A cada 32 metros abaixo do solo a temperatura aumenta em cerca de1oC. Outro complicador que dificulta o uso da geotermia é que a fonte se esgota em poucas décadas.

Energia do calor

Além do calor, a produção da energia geotérmica depende da água. Existem dois modos de se obter a energia, a primeira é a existência de lençóis de água quente no subsolo, a segunda é a injeção de água que, em contato com as altas temperaturas encontradas no interior do planeta, evapora e volta à superfície por meio de dutos a alta pressão.

A partir de então, o processo de geração de energia elétrica se dá de forma usual. O vapor é conduzido à central elétrica onde movimenta a turbina que aciona um gerador. O vapor volta a ser condensado e como água é reintroduzido nos dutos com a finalidade de gerar mais energia.

De acordo com a Associação Geotérmica Internacional (IGA, sigla em inglês), existem 25 países que possuem plantas de geração de energia elétrica geotérmica no mundo. Entre estes o que tem maior capacidade de produção são os EUA, com 2020 MW, cerca de 28% a menos do que em 1995.

No campo de aquecimento de água e de ambientes o número de países que utilizam a energia geotérmica mais que duplica. São 58 países. Novamente os EUA são quem mais aproveita o potencial da energia do interior do planeta. Sua capacidade de produção instalada é de 3766 MWt, o que representa quase 25% da oferta desta energia no mundo.

De acordo com o jornal The New York Times, aproximadamente 1 milhão de residências naquele país que possuem sistemas geotérmicos individuais. O diário afirma que essa fonte ganha popularidade pois a preocupação com o meio ambiente é cada vez maior.

Entretanto, a maior razão ainda é a econômica. O uso da geotermia possibilita uma redução de 20% no consumo de energia em cada residência. Dependendo da disponibilidade da fonte de calor, é possível eliminar o custo da perfuração, o que acarreta num retorno de investimento mais rápido.

Impacto ambiental

Durante os anos 60 a geotermia foi considerada uma fonte de energia limpa. Ao passo que a questão ambiental entrou no centro das atenções no mundo inteiro, descobriu-se que mesmo a energia geotérmica possui potencial poluidor no local onde a usina está instalada.

Apesar dessas usinas lançarem gases tóxicos que em grandes quantidades podem levar à morte, a IGA divulga em seu site que a poluição gerada por este tipo de fonte energética no ar, água e subsolo variam entre baixa e moderada. Por isso a geotermia é considerada uma das fontes energéticas mais limpas comparada às tradicionais.

Fonte: www.conpet.gov.br

Energia Geotérmica

Energia Geotérmica

A energia geotérmica e proveniente do calor encontrado no centro da terra, que pode ser verificado pela erupção dos vulcões, pelos “geysers” e pelas fontes termais de água doce.

É uma fonte de energia ainda muito pouco utilizada para geração de eletricidade, pois existem muitas dificuldades para sua implantação e seu rendimento é considerado baixo.

No Brasil ainda não temos nenhuma usina de geração de eletricidade geotérmica, mas já existem usinas em funcionamento em alguns Países como a Nova Zelândia, Estados Unidos, México, Japão, Filipinas, Kenia e Islândia.

A energia Geotérmica não é renovável e geralmente causa impactos ambientais consideráveis, e suas fontes tem vida útil de exploração consideradas baixas.

Fonte: www.enersul.com.br

Energia Geotérmica

A energia geotérmica existe desde que o nosso planeta foi criado. Geo significa terra e térmica significa calor, por isso, geotérmica é a energia calorífica que vem da terra.

Alguma vez partiste ao meio um ovo cozido sem lhe tirar a casca? O ovo é como a terra por dentro. A gema amarela é semelhante ao centro da terra, a parte branca corresponde ao manto da terra e a pequena casca protetora assemelha-se á crosta terrestre.

Abaixo da crosta terrestre, ou seja, a camada superior do manto é constituída por uma rocha líquida, o magma (encontra-se a altas temperaturas). A crosta terrestre flutua nesse magma.

Por vezes, o magma quebra a crosta terrestre chegando á superfície, a este fenômeno natural chama-se vulcão e o magma passa a designar-se lava. Em cada 100 metros de profundidade a temperatura aumenta 3º Celsius.

Energia Geotérmica

A água contida nos reservatórios subterrâneos pode aquecer ou mesmo ferver quando contacta a rocha quente. A água pode mesmo atingir 148º Celsius.Existem locais, as furnas, onde a água quente sobe até á superfície terrestre em pequenos lagos. A água é utilizada para aquecer prédios, casas ou piscinas no Inverno, e até para produzir eletricidade. Em Portugal existem furnas nos Açores.

Em alguns locais do planeta, existe tanto vapor e água quente que é possível produzir energia elétrica. Abrem-se buracos fundos no chão até chegar aos reservatórios de água e vapor, estes são drenados até á superfície por meio de tubos e canos apropriados.

Através destes tubos a o vapor é conduzido até á central elétrica geotérmica. Tal como numa central elétrica normal, o vapor faz girar as lâminas da turbina como uma ventoinha. A energia mecânica da turbina é transformada em energia elétrica através do gerador. A diferença destas centrais elétricas é que não é necessário queimar um combustível para produzir eletricidade.

Após passar pela turbina o vapor é conduzido para um tanque onde vai ser arrefecido. O fumo branco que se vê na figura é o vapor a transformar-se novamente em água no processo de arrefecimento. A água é de novo canalizada para o reservatório onde será naturalmente aquecida pelas rochas quentes.

Na Califórnia existem 14 locais onde se pode produzir eletricidade a partir da energia geotérmica.

Alguns deles ainda não são explorados porque os reservatórios subterrâneos de água são pequenos e estão muito isolados ou a temperatura da água não é suficientemente quente.

A energia elétrica gerada por este sistema na Califórnia é suficiente para abastecer 2 milhões de casas.

Fonte: www.abcdaenergia.com

Energia Geotérmica

Energia Geotérmica
Os gêiseres, jatos de água quente que são expelidos da terra, podem ser aproveitados para a geração de energia elétrica

Energia geotérmica é aquela proveniente do calor do centro da terra. A possibilidade de utilizar essa força para produzir energia elétrica é testada desde o início do século XX, com a primeira usina entrando em operação efetiva em 1913, em Lardello, na Itália.

O funcionamento de uma usina geotérmica consiste em injetar água até uma camada profunda da crosta terrestre, fazendo o líquido voltar aquecido em velocidade suficiente para mover turbinas. Também são aproveitados gêiseres naturais que brotam na superfície ou são feitas perfurações até as "caldeiras naturais" subterrâneas.

Hoje, há experiências efetivas de produção de energia elétrica a partir do calor da terra na Itália, Estados Unidos, México, Japão, Filipinas, Quênia, Islândia, Nova Zelândia e Portugal, nas ilhas vulcânicas do arquipélago de Açores.

Os avanços tecnológicos têm favorecido a expansão da energia geotérmica tanto em grandes usinas quanto em pequenas centrais para aquecimento de água.

Um dos principais fatores para a sua expansão tem sido o estímulo a se substituir o consumo de combustíveis derivados de petróleo para a produção de energia elétrica em centrais termelétricas.

Por outro lado, a água vinda do interior da terra traz gases corrosivos, como o gás sulfídrico, que além de prejudicarem o meio ambiente quando liberados na atmosfera podem causar a rápida deterioração dos equipamentos da usina, além do seu cheiro desagradável.

Outro fator ambiental preocupante, o assoreamento do solo, também está sendo estudado para ser superado através do uso de técnicas mais modernas de extração da água quente do interior da terra.

A tecnologia empregada na exploração de petróleo está sendo adaptada para uso em usinas geotérmicas.

Fonte: www.ider.org.br

Energia Geotérmica

Como se sabe a própria Terra tem a sua energia nativa, como é prova disso os vulcôes e os sismos. Essa mesma energia pode ser conduzida para colocar em funcionamento geradores de eletricidade e para aquecimento de casas.

A Energia Geotérmica é produzida quando água subterrânea é aquecida quando passa por uma região subsuperficial de rochas quente (reservatório de calor).

A água aquecida ou o vapor resultante do processo é trazido até à superfície por furos feitos propositadamente para o efeito. Este processo pode ser natural ou pode ser introduzido artificialmente

Já vários países usam este tipo de energia para produzirem eletricidade. o maior exemplo disso mesmo é Reykjavík, capital da Islãndia, queé inteiramente aquecida pela energia geotérmica.

O problema deste tipo de energia é a sua localização, nem todos podem usufruir deste recurso. Um outro problema ainda se põe que é o fato de poder ocorrer a subsidiência do solo nessas regiões onde se reira a água aquecida sem a repor.

A Energia Geotérmica pode não ser a principal contribuinte para a produção energética no futuro, mas é muito bem vinda já que não polui e é sempre bom, não se estar dependente de apenas um tipo de recurso energético como sabemos.

Fonte: ambiente.dec.uc.pt

Energia Geotérmica

A energia geotérmica é um tipo de energia que funciona graças à capacidade natural da Terra e/ou da sua água subterrânea em reter calor, e consiste em transferir esse calor, num sistema composto de canos subterrâneos e de uma "bomba de sucção de calor", para aquecer ou arrefecer um edifício.

Uma bomba de sucção de calor é a componente do sistema que necessita de energia elétrica para poder funcionar. O seu papel consiste em extrair energia térmica da Terra para um edifício durante o inverno e o contrário acontece durante o verão onde transfere o calor do edifico até uma zona mais fria da Terra, assim mantendo-o fresco.

Para isto ser realizável, a energia térmica tem de viajar através de um meio líquido (água subterrânea) contendo uma solução que previne a gelificação da água nos locais onde ela atinge temperaturas baixas.

A mudança aquecimento/arrefecimento pode ser feita através de uma simples alteração num termostato de interior. Esta simplicidade é devida ao fato de que, uma vez que é no mesmo sistema de canos, que ocorrem estes dois processos, basta um carregar de botão para inverter o sentido de transferência do calor.

As vantagens dos sistemas geotérmicos são tais que:

Permitem poupar energia (75% de eletricidade numa casa) uma vez que substituem ar condicionado e aquecedores elétricos.
São muito flexíveis, uma vez que podem ser facilmente subdivididos ou expandidos para um melhor enquadramento, (e aproveitamento de energia) num edifício, e isto, ficando relativamente barato.

Porém, este sistema contém algumas desvantagens a ter em consideração:

Se não for usado em pequenas zonas onde o calor do interior da Terra vem á superfície através de géiseres e vulcões, então a perfuração dos solos para a introdução de canos é dispendiosa.

Os anti-gelificantes usados nas zonas mais frias são poluentes: apesar de terem uma baixa toxicidade, alguns produzem CFCs e HCFCs.

Este sistema tem um custo inicial elevado, e a barata manutenção da bomba de sucção de calor (que por estar situada no interior da Terra ou dentro de um edifício não está exposta ao mau tempo e a vandalismo), é contrabalançada pelo elevado custo de manutenção dos canos (onde a água causa corrosão e depósitos minerais).

A energia geotérmica é utilizada em muitas partes do planeta, com destaque para:

Tuscani, na Itália, onde em 1904 se passou, pela primeira vez, a utilizar a energia geotérmica para a produção de eletricidade.
Budapeste (Hungria), alguns subúrbios de Paris, Reykjavík (Islândia), e muitas outras cidades, que usam em grande escala a energia geotérmica para aquecimento doméstico.
A California, por ter a maior central geotérmica do mundo.
Em Portugal, a energia geotérmica é utilizada principalmente no Arquipélago dos Açores

Fonte: campus.fct.unl.pt

Energia Geotérmica

Vulcanismo

Os vulcões são formados quando existe alguma fenda na superfície da Terra e o magma quente escapa violentamente por ela; o vulcão entra em erupção e forma-se a lava vulcânica, que flui pelas encostas da montanha.

Energia Geotérmica

Zonas de alteração hidrotermal

Nos locais onde o calor do interior da Terra é próximo da superfície, as rochas e a água do subsolo são aquecidas e pode ocorrer do vapor de água explodir para o exterior, formando um gêiser. Há gêiseres que jorram constatemente, outros raramente. Quando jorra através de uma poça de água, como o da figura, o vapor leva a água a grandes alturas.

Energia Geotérmica
Parque ecologico de Yellowstone (USA)

Emanações gasosas

Onde a crosta terrestre é mais fina, o calor natural aflora para a superfície e se pode construir usinas de energia que o utilizam.

Energia Geotérmica

Anomalias térmicas

O calor do centro da Terra pode às vezes chegar à superfície de lama provocando sua ebulição. Formam-se bolhas de lama, que explodem.

Fonte: www.soaresoliveira.br

Energia Geotérmica

A energia geotérmica existe desde que o nosso planeta foi criado. Geo significa terra e térmica está ligada a quantidade de calor. Abaixo da crosta terrestre constitue-se uma rocha líquida, o magma. A crosta terrestre flutua nesse magma, que por vezes atinge a superfície através de um vulcão ou de uma fenda.

Os vulcões, as fontes termais e as fumarolas são manifestações conhecidas desta fonte de energia. O calor da terra pode ser aproveitado para usos diretos, como o aquecimento de edifícios e estufas ou para a produção de eletricidade em centrais geotérmicas.

Em Portugal, existem alguns aproveitamentos diretos, como o caso da Central Geotérmica em São Miguel (Açores).

Origem

A água contida nos reservatórios subterrâneos pode aquecer ou mesmo ferver quando em contato com o magma. Existem locais onde a água quente sobe até a superfície terrestre, formando pequenos lagos. A água é utilizada para aquecer prédios, casas, piscinas no inverno, e até para produzir eletricidade. Em alguns lugares do planeta, existe tanto vapor e água quente que é possível produzir energia elétrica. A temperatura da água quente pode ser maior que 2000 C.

Abrem-se buracos fundos no chão até chegar aos reservatórios de água e vapor, estes são drenados até a superfície por meio de tubos e canos apropriados.

Através desses tubos o vapor é conduzido até a central elétrica geotérmica. Tal como uma central elétrica normal, o vapor faz girar as lâminas da turbina como uma ventoinha. A energia mecânica da turbina é transformada em energia elétrica através de um gerador. A diferença dessas centrais elétricas é que não é necessário queimar um combustível para produzir eletricidade. Após passar pela turbina, o vapor é conduzido para um tanque onde será resfriado. A água que se forma será novamente canalizada para o reservatório onde será naturalmente aquecida pelas rochas quentes.

Geotermia e Meio Ambiente

Devido a natureza, a energia geotérmica é uma das mais benignas fontes de eletricidade. Essa energia é de obtenção mais barata que os combustíveis fósseis ou usinas nucleares. A emissão de gases poluentes (CO2 e SO2) é praticamente nula.

Trata-se de uma fonte de energia não-renovável, porque o fluxo de calor do centro da Terra é muito pequeno comparado com a taxa de extração requerida, o que pode levar o campo geotérmico ao esgotamento. O tempo de vida do campo é de décadas, porém a recuperação pode levar séculos. Campos geotérmicos podem ser extensos e podem prover trabalho fixo por muitos anos.

Nos últimos trinta anos, a ciência da geofísica avançou rapidamente e o conhecimento da estrutura do planeta tem crescido consideravelmente. A teoria das placas tectônicas permitiu uma compreensão do porquê que certas regiões têm maior atividade vulcânica e sísmica do que outras. Embora as minas mais profundas estão só a alguns quilômetros de profundidade e os buracos são geralmente perfurados à profundidade de até 10 km, técnicas sismológicas junto com evidências indiretas permitiram um conhecimento maior da forma da estrutura da terra.

Os gradientes de temperatura variam amplamente em cima da superfície da terra. Isto é o resultado do derretimento local devido a pressão e fricção e aos movimentos de placas vizinhas uma contra a outra. Sendo assim, um fluxo de magma debaixo pode acontecer. A localização das placas vizinhas também correspondem a regiões onde atividades vulcânicas são encontradas.

O calor medido perto da superfície surge do magma mas outros fatores também podem afetar o fluxo de calor e gradiente térmico. Em alguns casos, convecção de fonte de água natural perturba o padrão de fluxo de calor e em outros casos é pensado que o lançamento de gases quentes de pedra funda pode aumentar o fluxo.

Outro mecanismo importante é geração de calor de isótopos radioativos de elementos tal como urânio, tório e potássio. Este mecanismo não é completamente compreendido, mas certas áreas da crosta sofreram derretimento sucessivo e recristalização com o tempo e isso conduziu à concentração destes elementos a certos níveis da crosta. Em uma menor extensão, reações químicas exotérmicas também podem contribuir para o aquecimento local.

Áreas classificadas como hipertérmicas exibem gradientes muito altos (muitas vezes tão grande quanto as áreas não térmicas) e estão normalmente perto das placas vizinhas. Áreas semi-térmicas com gradientes de 40-70 C/km podem ter anomalias na grossura da crosta em caso contrário regiões estáveis ou devido a efeitos locais como radioatividade.

Em áreas de dobramentos modernos, onde há vulcões, como na Rússia e Itália, bombeia-se água da superfície para as profundidades do subsolo em que existam câmaras magmáticas (de onde sai as lavas). Nestas câmaras a temperatura é muito alta e por isto a água transforma-se em vapor, que retorna à superfície por pressão através de tubulações, acionando turbinas em usinas geotérmicas situadas na superfície terrestre. Em regiões onde há geiseres (vapor d'água sob pressão proveniente de camadas profundas da crosta terrestre, através de fissuras da mesma, explodindo periodicamente na superfície terrestre), como na Islândia, aproveita-se este vapor d'água para calefação doméstica.

A cada 32 metros de profundidade da crosta terrestre a temperatura aumenta cerca de 1°C: é o grau geotérmico.

Este aumento de temperatura pode ser usado para a construção de usinas geotérmicas, como já foi executado experimentalmente por cientistas norte-americanos do Laboratório Nacional de Los Alamos. Como todos os recursos naturais não-renováveis, a energia geotérmica também deve ser utilizada racionalmente.

Impactos e Problemas

A energia geotérmica é restrita, não sendo encontrada em todos os lugares, o que dificulta a implatação de projetos em determinadas localidades.

Por causa dos altos índices de desperdícios que ocorrem quando o fluído geotérmico é transmitido a longas distâncias através de dutos, a energia deve ser posta em uso no campo geotérmico ou próximo deste . Dessa maneira o impacto ambiental é sentido somente nos arredores da fonte de energia.

Geralmente os fluxos geotérmicos contém gases dissolvidos, e esses gases são liberados para a atmosfera, junto com o vapor de água. Na maioria são gases sulfurosos (H2S), com odor desagradável, corrosivos e com propriedades nocivas à saúde humana.

Há a possibilidade de contaminação da água nas proximidades de uma usina geotérmica, devido a natureza mineralizada dos fluidos geotérmicos e à exigência de disposição de fluidos gastos. A descarga livre dos resíduos líquidos para a superfiície pode resultar na contaminação de rios, lagos.

Quando uma grande quantidade de fluido é retirada da terra, sempre há a chance de ocorrer um abalo, e nesses lugares deve ser injetado água para não ocorrer o aluimento da terra.

Os testes de perfuração das fontes são operações barulhentas, geralmente as áreas geotérmicas são distante das áreas urbanas. O calor perdido das usinas geotérmicas é maior que de outras usinas, o que leva a um aumento da temperatura do ambiente próximo à usina.

Perspectivas Futuras

A energia geotérmica é uma fonte de energia alternativa que é encontrada em locais especiais da superfície terrestre, que necessita de muita pesquisa para melhor ser aproveitada, pois o rendimento que se consegue é ainda muito baixo. O alto custo das construções das usinas, da perfuração, e os possíveis impactos inviabilizam ainda muitos projetos.

Curiosidades

A primeira usina de eletricidade baseada em energia geotérmica foi a de Laderello na Itália, construída em 1913, acionando um gerador de 250Kw tendo sido posteriormente ampliada passando a gerar 400Mw elétricos.

Nesta usina a energia geotérmica é captada de uma profundidade de 1000 pés (987,5m), e o vapor gerado se encontra a uma temperatura de 240oC.

Fonte: www.fcmc.es.gov.br

Energia Geotérmica

O aproveitamento da energia térmica do interior da terra, até a década de oitenta, só era possível em locais onde a rocha no estado de fluido incandescente fica perto da superfície da terra, como, por exemplo, na cidade de Reykjavica, capital da ilha vulcânica da Islândia, e da cidade italiana Larderello.

A população destas duas localidades agradece o ar puro às condições geológicas locais que permitem o aproveitamento da energia térmica do interior da terra que aflora naquelas localidades, via fontes de água quente que acionam as caldeiras e turbinas há mais de cem anos, produzindo energia elétrica.

O interior da terra possui um potencial energético incomensurável, ainda não aproveitado porque faltava uma tecnologia adequada a furos de grande profundidade na crosta terrestre, atingindo, assim, as camadas aquecidas. Só para se ter uma idéia, a energia geotérmica acumulada a uma profundidade de oito a dez quilômetros de profundidade, numa área equivalente ao estado do Rio de Janeiro, corresponde a uma potência calorífica equivalente a vinte bilhões de toneladas de carvão.

A fim de criar condições de aproveitamento da energia do interior da terra, cientistas dos Estados Unidos utilizaram o processo seguinte:

A uma determinada distância, algumas centenas de metros, dois furos foram abertos na crosta terrestre até uma profundidade de cinco mil metros, com um diâmetro aproximado de um metro cada furo, atingindo, na parte mais profunda dos furos, a temperatura de quinhentos graus centígrados e, sob pressão, forçava-se a passagem da água de um dos furos, através das fissuras da rocha, para o outro furo, havendo assim uma troca térmica, onde a água aquecida, subindo pelo segundo furo, será recebida, na superfície, em caldeiras ou captadores de vapor que irão acionar as turbinas geradoras de energia elétrica.

Esta metodologia fracassou pelo fato de ser praticamente impossível realizar perfurações até esta profundidade, utilizando-se brocas convencionais de vídia ou diamantes que rapidamente se desgastam e se danificam devido ao calor a tal profundidade, além da dificuldade na troca de hastes, brocas, barriletes e retirada do entulho proveniente da perfuração.

Este projeto foi inviabilizado devido ao custo e as dificuldades operacionais.

Na década de 80, foi proposto um método que veio, finalmente, criar condições de aproveitamento da energia térmica do interior da terra, método proposto por um cientista alemão.

Na prática, o método se parece muito com o dos americanos, variando apenas, o equipamento perfurante das rochas que consiste no seguinte:

Uma cabeça de broca, formada por uma liga de tungstênio, em forma de um projétil ou cone, com aproximadamente um metro de diâmetro por cinco de comprimento que funciona como maçarico, alimentado por uma chama de hidrogênio/oxigênio, sob pressão, capaz de produzir uma chama de três mil graus centígrados, temperatura capaz de fundir qualquer tipo de rocha.

O equipamento, o maçarico, é pressionado por um sistema hidráulico em direção à chama, contra a crosta da terra em inicio de fusão. Durante a operação, o equipamento é alimentado com hidrogênio e oxigênio a alta pressão que têm a função de combustível e comburente, respectivamente. A refrigeração do maçarico é feita por nitrogênio líquido que circula internamente no equipamento.

Apesar do calor de três mil graus centígrados, da fusão da rocha, da alta pressão dos gases de combustão, cerca de mil atmosferas, uma penetração contínua, sem falha de material, em profundidade de mais de dez mil metros, através da alta temperatura de fusão do raio focal do hidrogênio/oxigênio, a rocha será fundida com grande velocidade de perfuração, quase dez vezes a velocidade de perfuração pelos processos convencionais, quase duzentos metros por dia, caindo os gastos e custos na mesma proporção.

O produto da combustão do hidrogênio/oxigênio, vapor de água, produz no processo de fusão da rocha uma diminuição do ponto de fusão da rocha e causa, por isso, uma economia de energia porque o vapor de água será absorvido pela massa fundida ou deslocada durante o processo de perfuração.

O maçarico é refrigerado internamente com nitrogênio líquido, sob pressão, que além de aumentar a vida útil do equipamento, por ser um gás não combustível, protege-o contra possíveis vazamentos que poderiam causar acidentes com o combustível.

O sistema é capaz de agüentar o efeito corrosivo da massa fundida de rocha super aquecida. Assim, é possível realizar em qualquer subsolo uma perfuração contínua, mesmo com um diâmetro grande de furo, com alta velocidade de penetração, com qualquer seção ou forma de furo e, conforme a necessidade, vertical, horizontal ou inclinada, sempre apresentando, como produto final, um revestimento no furo, não corrosível ou desgastável pelo tempo ou pelo uso, perfeitamente impermeável, formado pela vitrificação da própria rocha fundida e cravada, sob pressão, nas fissuras e reentrâncias da própria rocha.

a) Aplicações da Tecnologia

Exploração da abundante e inesgotável energia do interior da terra como já demonstrado:

Exploração de minerais pelo método fluido
Túneis de alta velocidade como sistema de transporte
Túneis de abastecimento de água onde a canalização seria formada pela própria rocha fundida
Construção de depósitos permanentes e finais para lixo nuclear
Ciência e Pesquisa. Programas continentais de sondagem profunda para pesquisa de terremotos, vulcões, estratificações de matéria prima, etc

b) Vantagens na Aplicação da Tecnologia

Não há produção de material escavado na perfuração, não havendo formação de detritos, poeira, etc
Não há contaminação ambiental. Tecnologia absolutamente limpa
O furo não precisa de revestimento, pois a própria rocha fundida reveste o furo de forma definitiva com uma perfeita vedação, dispensando qualquer tipo de manutenção futura
Grande velocidade de perfuração atingindo duzentos metros por dia
Menor custo

c) Vantagens da Exploração da Energia Geotérmica

A energia geotérmica é inesgotável
Não é poluente
Não ocupa grandes áreas como, por exemplo, a hidroelétrica com suas represas inutilizando grandes áreas com suas represas
As usinas geotérmicas serão construídas nos grandes centros, dispensando as redes de transmissão de energia elétrica
Mais segura e de muito mais fácil manutenção.

Concluímos do que foi dito acima que temos, bem sob os nossos pés, recursos inesgotáveis de energia, sendo desnecessária a busca de outras soluções mirabolantes, pouco convincentes e perigosas à vida sobre a terra.

Antonio Germano Gomes Pinto

Fonte: www.cimm.com.br

Energia Geotérmica

Energia geotérmica é a energia obtida a partir do calor proveniente da Terra, mais precisamente do seu interior. Devido a necessidade de se obter energia elétrica de uma maneira mais limpa e em quantidades cada vez maiores, foi desenvolvido um modo de aproveitar esse calor para gerar eletricidade. Hoje a grande parte da energia elétrica provém da queima de combustíveis fósseis, como o petróleo e o carvão mineral, métodos esses muito poluentes.

De forma a compreender como é aproveitada a energia do calor da Terra devemos primeiramente entender como nosso planeta é constituído. A Terra é formada por placas tectônicas, que nos mantém isolados do seu interior, no qual encontramos o magma, que consiste basicamente em rochas derretidas. Com o aumento da profundidade a temperatura dessas rochas aumenta cada vez mais, no entanto, há zonas de intrusões magmáticas, onde a temperatura é muito maior. Essas são as zonas onde há elevado potencial geotérmico.

Rocha seca quente

Quando não existem gêiseres, e as condições são favoráveis, é possível "estimular" o aquecimento d'água usando o calor do interior da Terra. Um experimento realizado em Los Alamos, Califórnia, provou a possibilidade de execução deste tipo de usina. Em terreno propício, foram perfurados dois poços vizinhos, distantes 35 metros lateralmente e 360 metros verticalmente, de modo que eles alcancem uma camada de rocha quente. Em um dos poços é injetada água, ela se aquece na rocha e é expelida pelo outro poço, onde há uma usina geotérmica instalada. O experimento de Los Alamos é apenas um projeto piloto e não gera energia para uso comercial. A previsão de duração desse campo geotérmico é de dez anos.

Rocha úmida quente

Também é possível perfurar um poço para que ele alcance uma “caldeira” naturalmente formada — um depósito de água aquecido pelo calor terrestre. A partir daí, energia elétrica é gerada como em todos os outros casos.

Vapor seco

Em casos raríssimos pode ser encontrado o que os cientistas chamam de fonte de “vapor seco”, em que a pressão é alta o suficiente para movimentar as turbinas da usina com excepcional força, sendo assim uma fonte eficiente na geração de eletricidade. São encontradas fontes de vapor seco em Larderello, na Itália e em Cerro Prieto, no México.

Vantagens e Desvantagens da Energia Geotérmica

Aproximadamente todos os fluxos de água geotérmicos contém gases dissolvidos, sendo que estes gases são enviados a usina de geração de energia junto com o vapor de água. De um jeito ou de outro estes gases acabam indo para a atmosfera. A descarga de ambos vapor de água e CO2 não são de séria significância na escala apropriada das usinas geotérmicas.

Por outro lado, o odor desagradável, a natureza corrosiva, e as propriedades nocivas do ácido sulfídrico (H2S) são causas que preocupam. Nos casos onde a concentração de ácido sulfídrico (H2S) é relativamente baixa, o cheiro do gás causa náuseas. Em concentrações mais altas pode causar sérios problemas de saúde e até a morte por asfixia.

É igualmente importante que haja tratamento adequado a água vinda do interior da Terra, que invariavelmente contém minérios prejudiciais a saúde. Não deve ocorrer simplesmente seu despejo em rios locais, para que isso não prejudique a fauna local.

Quando uma grande quantidade de fluido aquoso é retirada da Terra, sempre há a chance de ocorrer subsidência na superfície. O mais drástico exemplo de um problema desse tipo numa usina geotérmica está em Wairakei, Nova Zelândia O nível do superfície afundou 14 metros entre 1950 e 1997 e está deformando a uma taxa de 0,22 metro por ano, após alcançar uma taxa de 0,48 metros por ano em meados dos anos 70. Acredita-se que o problema pode ser atenuado com re-injeção de água no local.

Há ainda o inconveniente da poluição sonora que afligiria toda a população vizinha ao local de instalação da usina, pois, para a perfuração do poço é necessário o uso de maquinário semelhante ao usado na perfuração de poços de petróleo.

Fonte: www.maisenergias.com

Energia Geotérmica

A produção de eletricidade geotérmica

A energia geotérmica é uma bem conhecida pela sua utilização como um aquecimento e menos para a sua produção de eletricidade. Isto é infeliz porque tem muitos pontos fortes para produzir megawatts de eletricidade, sem combustível, baixo custo e limpa.

I. História da energia geotérmica

O calor da terra do calor é utilizado desde os tempos antigos, mas a alta energia geotérmica, que produz eletricidade, existe apenas desde o início do século anterior. Antes os homens estavam a utilizar o conteúdo termas ou, mais raramente pressão da água ou geysers fumarolas eles utilizados para o aquecimento, para cozinhar alimentos e banhos.

O primeiro produto a ter uma corrente elétrica a partir de energia geotérmica é Ginori Conti, em 1904, em Larderello (Itália).

A única geologia deste site é conhecida pelas suas fontes geotérmicas e atividade vulcânica desde a época romana.

Este é o E.U.A., exatamente pus na Califórnia, em 1960, a primeira grande fábrica geotérmica é construído. Tem uma capacidade de 11 megawatts, embora uma menor facilidade já tinha sido construída nos E.U.A. em 1921 com uma capacidade de 250 KW, que não foi suficientemente rentável.

Em 1970, o Conselho Geothermal Resources for criada, é um agrupamento de profissionais geotérmica.

Na Califórnia, de 1987 a 1989, a maior planta geotérmica no mundo é construída. O geyser atinge a capacidade máxima megawatt hoje tem uma capacidade de 750 MW.

Durante o primeiro e segundo choque petrolífero, geotérmica está enfrentando sua primeira onda de exploração e perfuração grande. Em seguida, caiu em desuso com a queda do preço do barril de petróleo. Ela retornou para o primeiro plano hoje preocupação com a energia e os problemas relacionados com a poluição.

Itália e os E.U.A. são os dois jogadores histórico geotérmica, ainda detêm um papel importante na produção de eletricidade geotérmica. A Itália é o 5 º maior produtor de os E.U. como são o maior produtor mundial com mais de 2.500 megawatts de potência produção. Entre os E.U.A. e Itália são as Filipinas, Indonésia e México. As duas ilhas vulcânicas, como a Islândia ea Nova Zelândia estão atrás de Itália, em termos de energia geotérmica.

II. O princípio da energia geotérmica para produzir eletricidade

Existem três tipos de energia geotérmica :

1. A energia geotérmica baixa (abaixo de 100 graus), que apenas permite o aquecimento térmico.
2.
A média da energia geotérmica utilizada para aquecer prédios nas zonas urbanas como em Reykjavik (Islândia), o aquecimento de estufas e piscicultura.
3.
A alta energia geotérmica (temperatura elevada, acima de 100 graus), é utilizado para produzir eletricidade a partir de vapor.

O sistema geotérmico que nos interessa não é o de seu vizinho da casa, mas a energia geotérmica que podem fornecer eletricidade a dezenas de milhares de casas como o vizinho.

A energia geotérmica usa elevado calor da terra para produzir vapor, que aciona uma turbina. A partir de um gerador, a eletricidade é produzida. A água refrigerada é então devolvido à cave para renovar a água e, em seguida, ser aquecido a altas temperaturas acima de 100 graus.

A principal vantagem da energia geotérmica é a de ter um custo de produção de eletricidade Mega Watt extremamente baixo. O baixo custo de produção permite megawatt geotermia a ser líderes em energia ombro a ombro com os mais rentáveis da energia hídrica, eólica e até mesmo carvão, petróleo, a gás e energia nuclear.

Geotérmica equipamentos podem ser instalados em qualquer lugar, deve haver locais adequados para o calor que está mais próximo à superfície da crosta da Terra. Isso evita custos elevados de perfuração para atingir os reservatórios de água quente.

Nesta área, os E.U. energia geotérmica é que é o petróleo da Arábia Saudita, o primeiro do mundo em termos de capacidade de desenvolvimento, tecnologia e investimento. Existem agora na costa oeste da E.U.A. está a olhar para os investimentos neste setor e uma vontade política que muito provavelmente irá aumentar com o novo presidente.

III. O futuro da energia geotérmica

A abordagem do pico do petróleo ea necessidade de lutar contra a poluição varre o mundo da energia. Os combustíveis fósseis (gás, carvão) e de urânio se tornar mais atraente com a subida dos preços do petróleo. Neste contexto, as energias renováveis, também chamado de energia verde, se tornam ainda mais interessante pela sua falta de consumo de combustível e as emissões limitadas.

A viabilidade da produção industrial de energia geotérmica é comprovada por 50 anos, mas suas características técnicas tornam um pouco de descanso à sombra de outras energias renováveis, este não deve durar para sempre.

Desviradas recursos geotérmicos são enormes, mas a sua distribuição na superfície da Terra é desigual. Eles são na maioria das vezes os grandes falhas sísmicas na crosta terrestre em que estão situados em regiões vulcânicas. Assim, algumas regiões do mundo são naturalmente favorecidas, mais cedo ou mais tarde eles devem tornar-se consciente da enorme vantagem que possam obter a sua cave com a eletricidade produzida pela energia geotérmica.

A energia geotérmica produz eletricidade limpa a baixo custo, em um pico de produção petrolífera mundial, a procura mundial de eletricidade aumenta constantemente, a luta contra a poluição ea independência energética. Geotermia, portanto, tem muitas vantagens.

A próxima onda de energia vai subir, tal como a anterior, ser bom para a energia geotérmica, e penso que é chegado o momento de se concentrar sobre este setor, tanto em termos defensivos e cheio de promessas.

Thomas Chaize

Fonte: www.dani2989.com

Energia Geotérmica

A energia geotérmica é um tipo de energia que funciona graças à capacidade natural da Terra e/ou da sua água subterrânea em reter calor, e consiste em transferir esse calor, num sistema composto de canos subterrâneos e de uma "bomba

Energia Geotérmica

Há pouco mais de três décadas, as emissões de CO2 não eram consideradas poluição.

Este gás, que resulta da queima de todos os principais combustíveis hoje usados, tornou-se o grande vilão da história, pelo efeito estufa que provoca, e pelo aquecimento terrestre decorrente: é a globalização da sujeira, em que só agora, parece que começamos todos a acreditar... A expressão energia limpa, na escala formidável demandada pelo humano tecnológico, é um exagero de linguagem, pois não há como gerar toda essa energia, sem prejudicar, de alguma forma, o nosso próprio ambiente ou outros seres vivos!... Com o aquecimento terrestre, as emissões de gases estufa tornaram-se uma referência primária na classificação da “limpeza energética”.

Os carvões são o combustível fóssil cuja queima gera mais CO2 por unidade de energia produzida, e o gás natural, o que gera menos. Os derivados de petróleo são os que geram mais energia por unidade de volume, e por isto, são os preferidos no setor de transportes. Mas o petróleo e o gás estão se esgotando, e mais cedo ou mais tarde, o homem recorrerá ao abundante carvão e a outros combustíveis fósseis de menor virtude ambiental, como o xisto pirobetuminoso e as areias betuminosas, cuja exploração movimenta imensas massas de terra.

Será inevitável intensificar o uso do carvão, e o homem estuda vários processos para diminuir suas emissões de CO2 por unidade de energia produzida: a injeção deste gás, em poços de petróleo e gás, vazios, é uma delas!... Quando o petróleo e gás baratos se acabarem, o carvão deixará de ser o inimigo público número 1!...

As hidroelétricas, sem reservatórios expressivos, estão entre as fontes de energia mais limpas que existem; elas seriam quase limpas, se não atrapalhassem a vida fluvial onde se localizam...

As escadas para peixes atenuam este prejuízo, mas não evitam que as águas sejam desviadas do leito original... As hidroelétricas de grandes reservatórios afetam, além da vida fluvial, a vida nas terras inundadas, incluindo a do próprio homem, como ribeirinho. Há hidroelétricas que mal compensam o que seria produzido na terra que inundam; há as hidroelétricas de alta densidade de energia por área inundada, cujo valor econômico supera, de longe, qualquer produção imaginável nas terras que inunda e que sua linha de transmissão ocupa. As hidroelétricas de baixa densidade podem gerar gases estufa em quantidades comparáveis às termoelétricas a gás natural; as de alta, com o aproveitamento da biomassa inundada, são limpas, a menos dos aspectos éticos da biodiversidade prejudicada, e os culturais eventuais, relativos a alguma comunidade afetada.

As novas e caras centrais nucleares são tidas como seguras, quanto aos controles dos possíveis acidentes de operação, mas geram resíduos radioativos perigosos, que deverão ser estocados, sob vigilância rigorosa, longe da presença humana. Persistem os riscos relacionados com o terrorismo e as situações de guerra. Mas, muitos países já pensam em subsidiar a sua pronta difusão, por se tratar de uma energia limpa, do ponto de vista das emissões de gases estufa...

A energia da biomassa representa a principal fonte de energia primáia nos países pobres. O encarecimento do petróleo e do gás facilitou o seu uso veicular, com a presença difusa pioneira do álcool brasileiro. Se a biomassa não resultar de desmatamento por queima, o seu uso tem emissão líquida nula de gás estufa, e sua poluição por outros gases pode ser mínima.

Os trópicos possuem muitos milhões de hectares de áreas degradadas e de baixa produtividade econômica: elas poderão tornar-se uma fonte de energia limpa de grande expressão mundial, apesar das suas demandas por nutrientes e da poluição que delas resultará. A produção de biomassa cria mais emprego por unidade de energia útil gerada, do que qualquer outra forma de energia competitiva atual.

Entre as energias alternativas, a do hidrogênio é a mais badalada, porque sua combustão gera água: mas ele tem que ser produzido, a partir de outras formas de energia... A energia eólica já é competitiva, e está entre as mais limpas, apesar do barulho que causa, do estorvo ao vôo das aves e das controvérsias cênicas que traz.

A energia geotérmica é mais limpa do que a eólica, e mais competitiva, onde houver fonte termal expressiva, de temperatura alta, e não muito afastada dos mercados. Vários aproveitamentos diretos da energia solar já são localmente competitivos, e vêm sendo adotados, em situações de pequena escala, em todo o mundo; em escalas maiores, ainda há um longo caminho a percorrer.

A competitividade da energia Geotérmica e das ondas tem os mesmos problemas, por depender de muita P&D, como as que se realizam hoje, inclusive no Brasil.

...Economizar energia só depende de cada um de nós, e ajudará a todos nós!...

Fonte: dsbrasil.net

Energia Geotérmica

A energia aos nossos pés…

Energia Geotérmica uma solução?

Energia geotérmica é a energia obtida a partir do calor proveniente do interior da Terra.

A Terra é formada por grandes placas, que nos mantém isolados do seu interior, no qual encontramos o magma, que consiste basicamente em rochas derretidas.

Com o aumento da profundidade a temperatura dessas rochas aumenta cada vez mais, no entanto, há zonas de intrusões magmáticas, onde a temperatura é muito maior. Essas são as zonas onde há elevado potencial geotérmico.

O centro da Terra dista aproximadamente 6 400 km da superfície, encontrando-se a uma temperatura que deverá ultrapassar os 5000 ºC. O calor proveniente do centro da Terra é transportado por condução, em direção à superfície, aquecendo as camadas rochosas que constituem o manto.

As águas das chuvas infiltram-se através de linhas de falhas e fraturas geológicas e aquecem ao entrar em contato com as rochas quentes. Algumas destas águas sobreaquecidas sobem novamente à superfície, sob a forma de nascentes quentes ou, por vezes, géisers. Noutros casos, a água quente fica presa em reservatórios geotérmicos naturais, abaixo da superfície terrestre. Para aproveitar a energia, abrem-se furos desde a superfície até aos reservatórios geotérmicos.

Em áreas de atividade vulcânica ou sísmica, a temperatura nos reservatórios atinge valores superiores a 150 ºC e o vapor de água pode ser utilizado para fazer movimentar turbinas, produzindo eletricidade, como numa central elétrica vulgar.

No arquipélago dos Açores, na Ilha de S. Miguel, estão instaladas duas centrais geotérmicas que asseguram a produção de cerca de 40 % da eletricidade consumida na Ilha.

Quando a temperatura no reservatório é inferior a 100 ºC, e usa-se o calor para aquecer diretamente, por exemplo, águas e edifícios. Em Portugal, a utilização energética da geotermia consiste essencialmente em aproveitamentos de baixa temperatura e termais, com temperaturas entre os 20 e os 76 ºC, como os que existem em Chaves e S. Pedro do Sul, desde os anos oitenta.

As necessidades ambientais atuais, sobretudo em termos energéticos, apontam para a procura de fontes de energia mais ecológicas. Neste sentido, também surge a possibilidade de usar esta fonte de energia para esse fim, aproveitando o calor da terra para produzir eletricidade.

São 3 as diversas fontes de energia geotérmica que podem gerar energia elétrica:

Rocha seca quente: "Estimular" o aquecimento da água usando o calor do interior da Terra.
Rocha húmida quente:
Perfurar um poço para que ele alcance uma "caldeira" naturalmente formada — um depósito de água aquecido pelo calor terrestre. A partir daí, energia elétrica é gerada como em todos os outros casos.
Vapor seco:
A pressão é alta o suficiente para movimentar turbinas.

O uso desta fonte energética tem as suas vantagens e desvantagens:

Libertação de vapor de água e CO2: Aproximadamente todos os fluxos de água geotérmicos contém gases dissolvidos, sendo que estes gases são enviados a usina de geração de energia junto com o vapor de água. De um jeito ou de outro estes gases acabam por ser libertados para a atmosfera, embora não são de séria significância na escala apropriada das usinas geotérmicas.
Odor desagradável devido ao ácido sulfídrico:
As propriedades nocivas do ácido sulfídrico (H2S) são preocupantes. Concentrações baixas causam náuseas, mas elevadas podem levar a sérios problemas de saúde e até a morte por asfixia.
Tratamento de água do interior da terra necessário:
A água do interior da terra contém minérios prejudiciais a saúde, pelo que não pode ser descarregada sem tratamento prévio.
Poluição sonora:
Para a perfuração do poço é necessário o uso de equipamentos semelhantes aos usados na perfuração de poços de petróleo.

Os recursos geotérmicos do território português são apreciáveis, existem 52 recursos geotérmicos identificados, no entanto, o aproveitamento da geotermia para fins energéticos é apenas realizado nos Açores, onde se encontram os recursos de alta entalpia (entre 100º e 150º).

As necessidades atuais na matéria energética, levam à necessidade de se investir na melhoria destes sistemas de aproveitamento, de forma a torná-la mais rentável.

Sílvia Chambel

Fonte: www.ideiasambientais.com.pt

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal