Breaking News
Home / Geografia / Zona Costeira

Zona Costeira

PUBLICIDADE

Não existe uma definição comum ou única do que constitui uma “zona costeira”, mas sim uma série de definições complementares, cada uma servindo a um propósito diferente.

Embora seja geralmente entendido intuitivamente o que se entende por “zona costeira”, é difícil estabelecer limites precisos ao seu redor, seja em direção à terra ou ao mar.

Por exemplo, a própria zona costeira é uma área considerada em alguns países europeus como se estendendo em direção ao mar até os limites territoriais, enquanto por outros a borda da plataforma continental em torno do contorno de profundidade de 200 m é considerada como o limite.

Uma definição geral viável é: a parte da terra afetada por sua proximidade com o mar, e a parte do mar afetada por sua proximidade com a terra, na medida em que as atividades terrestres do homem têm uma influência mensurável na química da água e na ecologia marinha.

O limite terrestre da zona costeira é particularmente vago, uma vez que os oceanos podem afetar o clima longe do mar.

A zona costeira é a zona onde se encontra a maior parte das infraestruturas e atividades humanas diretamente ligadas ao mar.

As zonas costeiras são áreas favorecidas para a geração de energia devido ao fácil fornecimento de combustível para as centrais elétricas e ao descarte conveniente de água de resfriamento.

A parte terrestre da zona costeira desempenha um papel importante como local de assentamento humano e turismo.

Em muitos casos, porém, houve superdesenvolvimento das zonas costeiras, o que levou à degradação do meio ambiente. Isso, por sua vez, levou a políticas para retificar ou reduzir os danos causados.

O que é uma zona costeira?

Uma zona costeira pode ser definida como uma área de atividade em vez de uma área contida por limites.

O termo se refere a uma área densamente povoada de importância econômica localizada na interface entre a terra e a água.

Essas áreas mudam com frequência devido a atributos químicos, biológicos e geológicos.

As zonas costeiras evoluem e passam a existir devido a forças tectônicas e condições meteorológicas. Linhas costeiras acidentadas com falésias e terraços marinhos são conhecidas como linhas costeiras emergentes.

Este tipo de linha costeira é causado por um levantamento da terra em relação ao mar e é criado por forças tectônicas. Uma costa submersa consiste em linhas de costa suaves e arenosas.

Essas zonas costeiras foram criadas como resultado da elevação do nível do mar no final da era glacial.

As interações entre o oceano e a terra fazem com que as zonas costeiras mudem geograficamente com frequência.

Ventos fortes e ondas ao longo da costa depositam sedimentos e erodem rochas e terras continuamente. Essas zonas também são vulneráveis a perigos naturais, como furacões.

Embora uma zona costeira possa ser uma área arriscada para se viver, também é tradicionalmente a área mais densamente povoada de um país.

Administrar os limites definidos de uma zona costeira é particularmente difícil devido à interconexão da água e seus efeitos entre os países.

Muitos países consideram o fim da plataforma continental, ou cerca de 200 metros, como seu limite territorial. Colocar limites em uma zona costeira costuma ser ineficaz, pois a poluição da água e a contaminação produzida por um país podem afetar os que o cercam.

Historicamente, as zonas costeiras têm sido de extrema importância para os assentamentos humanos, pois essas áreas facilitaram a importação e exportação e as comunicações.

A atividade industrial contínua ao longo de muitos anos freqüentemente levou ao superdesenvolvimento e à degradação ambiental.

Definir uma zona costeira e alcançar limites e acordos de cuidado ambiental tornou-se uma prioridade entre muitos países para ajudar a preservar a terra e os oceanos.

A erosão costeira é talvez o maior culpado na mudança e alteração das zonas costeiras. A erosão torna o processo de definição dessas zonas ainda mais elusivo, pois move naturalmente grandes quantidades de sedimentos todos os anos. Se a erosão natural for combinada com atividades humanas, como a extração de areia da costa, pode fazer com que o processo de erosão aumente rapidamente.

As partes terrestres de uma zona costeira tendem a ser mais adversamente afetadas pela perda e degradação do habitat.

Desenvolvimentos de indústrias, portos, turismo e recreação que consomem muito espaço têm freqüentemente levado a danos e destruição de habitats costeiros e podem interferir no delicado equilíbrio dessas áreas.

Reparar áreas costeiras parece uma tarefa quase impossível. A maioria das medidas tomadas para corrigir e estabilizar a erosão costeira têm sido prejudiciais e interrompem o processo natural de regeneração da costa.

Frequentemente, o melhor método para preservar as zonas costeiras é minimizar o contato humano e o desenvolvimento ao longo da costa e do interior.

Zona Costeira – Regiões

Zona Costeira

As regiões costeiras são regiões onde as massas de água, em particular oceanos e lagos, fazem fronteira com as terras.

À medida que se progride da terra para a água, existem várias zonas costeiras, cada uma com nichos ecológicos específicos.

Em geral, as zonas costeiras incluem a zona de respingo, a zona intertidal alta, a zona intertidal baixa e a zona de maré baixa.

As zonas costeiras são extremamente sensíveis às perturbações ambientais.

As várias zonas são definidas pelos componentes físicos dentro da zona. Mudanças nessas propriedades físicas devido à atividade humana afetam a estrutura da comunidade dentro da zona.

As ameaças humanas e naturais às zonas costeiras incluem condições meteorológicas extremas, aumento do nível do mar, escoamento agrícola, espécies invasivas e pesca excessiva.

Meio Ambiente Costeiro

A zona costeira é uma interface entre a terra e o mar, que compreende um continuum de terra costeira, área entremarés, sistemas aquáticos, incluindo a rede de rios e estuários, ilhas, áreas de transição e entremarés, pântanos salgados, pântanos e praias.

As áreas costeiras são comumente definidas como a interface ou áreas de transição entre a terra e o mar, incluindo grandes lagos interiores.

As áreas costeiras são diversas em função e forma, dinâmicas e não se prestam bem à definição por limites espaciais estritos. Ao contrário das bacias hidrográficas, não há limites naturais exatos que delineiem de forma inequívoca as áreas costeiras.

Geologicamente, as margens continentais são de dois tipos: margens ativas, onde a borda de um continente está na borda de uma placa oceânica, e margens inativas, onde a transição da litosfera continental para a litosfera oceânica ocorre dentro de uma placa, e não na borda de uma placa.

Zona Costeira – Importância

Uma zona costeira é a interface entre a terra e a água.

Essas zonas são importantes porque a maioria da população mundial habita essas zonas.

As zonas costeiras estão mudando continuamente devido à interação dinâmica entre os oceanos e a terra.

Ondas e ventos ao longo da costa estão erodindo rochas e depositando sedimentos em uma base contínua, e as taxas de erosão e deposição variam consideravelmente de um dia para o outro ao longo dessas zonas.

A energia que chega à costa pode se tornar alta durante as tempestades, e essas altas energias tornam as zonas costeiras áreas de alta vulnerabilidade a desastres naturais.

Assim, uma compreensão das interações dos oceanos e da terra é essencial para compreender os perigos associados às zonas costeiras.

Marés, correntes e ondas trazem energia para a costa e, portanto, começamos com esses três fatores.

Marés

As marés se devem à atração gravitacional da Lua e, em menor medida, do Sol na Terra. Como a Lua está mais perto da Terra do que o Sol, ela tem um efeito maior e faz com que a Terra se projete em direção à lua.

Ao mesmo tempo, ocorre uma protuberância no lado oposto da Terra devido a forças inerciais (a explicação está além do escopo deste curso). Essas protuberâncias permanecem estacionárias enquanto a Terra gira.

As saliências das marés resultam em uma ascensão e queda rítmica da superfície do oceano, que não é perceptível para alguém em um barco no mar, mas é ampliado ao longo da costa.

Normalmente, há duas marés altas e duas marés baixas por dia e, portanto, uma variação no nível do mar à medida que a saliência da maré passa por cada ponto na superfície da Terra.

Ao longo da maioria das costas, o alcance é de cerca de 2 m, mas em enseadas estreitas as correntes de maré podem ser fortes e rápidas e causar variações no nível do mar de até 16 m.

As marés altas mais altas ocorrem Como o Sol também exerce uma atração gravitacional na Terra, também há ciclos de marés mensais que são controlados pela posição relativa do Sol e da Lua. quando o Sol e a Lua estão no mesmo lado da Terra (Lua Nova) ou em lados opostos da Terra (Lua Cheia). As marés altas mais baixas ocorrem quando o Sol e a Lua não se opõem à Terra (quartos de lua).

Essas marés altas tornam-se importantes para as áreas costeiras durante a temporada de furacões e você sempre ouve previsões terríveis sobre o que pode acontecer se a tempestade criada pelo ciclone tropical chegar ao mesmo tempo que as marés altas.

Flutuações no nível da água

Embora o nível do mar flutue diariamente devido às marés, também ocorrem mudanças de longo prazo no nível do mar.

Essas mudanças no nível do mar podem ser o resultado de efeitos locais, como elevação ou afundamento ao longo de uma linha costeira.

Mas, mudanças globais no nível do mar também podem ocorrer. Essas mudanças globais no nível do mar são chamadas de mudanças eustáticas.

As mudanças eustáticas do nível do mar são o resultado da alteração do volume de água nos oceanos ou da alteração da forma dos oceanos.

Por exemplo, durante os períodos glaciais, grande parte da água evaporada dos oceanos é armazenada nos continentes como gelo glacial. Isso faz com que o nível do mar fique mais baixo.

À medida que o gelo derrete no final de um período glacial, a água retorna aos oceanos e o nível do mar sobe. Assim, o volume de gelo nos continentes é um fator importante no controle do nível eustático do mar.

O aquecimento global, por exemplo, pode reduzir a quantidade de gelo armazenado nos continentes, fazendo com que o nível do mar suba. Como a água também se expande (aumenta seu volume) quando é aquecida, o aquecimento global também pode causar a expansão térmica da água do mar, resultando em um aumento no nível eustático do mar.

A mudança da forma dos oceanos ocorre se a produção vulcânica no fundo do mar ou nas cristas oceânicas aumentar substancialmente, elevando assim o fundo dos oceanos.

Correntes Oceânicas

A circulação oceânica é tridimensional. Mais visíveis aos humanos são as correntes oceânicas superficiais, impulsionadas principalmente pelo vento.

As correntes verticais e as correntes oceânicas profundas são impulsionadas pela ressurgência e pela ressurgência perto das costas e pelas diferenças de densidade, temperatura e salinidade entre as águas superficiais e as águas oceânicas profundas.

A superfície dos oceanos se move em resposta aos ventos que sopram sobre a superfície. Os ventos, na verdade, arrastam a superfície dos oceanos criando uma corrente de água que geralmente não tem mais do que cerca de 50 metros de profundidade.

Assim, as correntes oceânicas da superfície tendem a fluir em padrões semelhantes aos ventos discutidos anteriormente, e são reforçadas pelo Efeito Coriolis. Mas, ao contrário dos ventos, as correntes oceânicas são desviadas quando encontram uma massa de terra continental.

As correntes de superfície têm as seguintes propriedades:

Por causa do efeito Coriolis, a circulação ocorre no sentido horário no hemisfério norte e no sentido anti-horário no hemisfério sul.

Em cada hemisfério, águas mais frias de latitudes mais altas circulam em direção ao equador, onde são aquecidas e circulam de volta aos pólos.

À medida que as águas superficiais se aproximam da costa, elas precisam empurrar a água para baixo a fim de abrir espaço para mais água entrar. Isso resulta em correntes descendentes. Se as águas superficiais se afastam da costa, a água de baixo sobe para repor a água removida, resultando em ressurgência.

Nas latitudes médias, as correntes oceânicas correm geralmente para o leste, fluindo no sentido horário no hemisfério norte e no sentido anti-horário no hemisfério sul. Essas correntes que fluem para o leste são desviadas pelos continentes e, assim, o fluxo circula de volta para o oeste em latitudes mais altas. Por causa dessa deflexão, a maior parte do fluxo de água ocorre geralmente paralelo às costas ao longo das margens dos continentes. Apenas nos oceanos do sul, entre a América do Sul, África, Austrália e Antártica, essas correntes de superfície não são impedidas por continentes, de modo que o fluxo é geralmente na direção leste ao redor do continente da Antártica.

A água do mar também circula verticalmente como resultado de mudanças na densidade controladas pela alteração da salinidade e da temperatura. Por ser controlada pelas diferenças de temperatura e salinidade, é chamada de circulação termohalina.

A Zona Costeira do Brasil

O Brasil tem uma área de 8.512.000 km2 que representa quase 50% da América do Sul.

zona costeira do Brasil se estende por aproximadamente 9.200 km e apresenta um conjunto muito diversificado de ambientes costeiros que evoluíram durante o Quaternário, em resposta às mudanças no clima e no nível do mar, interagindo com o fornecimento de sedimentos variados e um patrimônio geológico que data da América do Sul até a África se fragmentou, durante o Mesozóico.

A costa brasileira

costa brasileira com seus 8.000 kms vai do norte do equador ao extremo sul, fronteira com a Argentina. Grande parte está nas regiões trópicas, o sudeste é subtropical (com Rio e São Paulo) e mais ao sul o clima é quase igual ao do Mediterrâneo.

Ao norte existem infinitas praias de areia branca com dunas e lagoas, mais ao sul a mata atlântica chegando até o oceano, com natureza selvagem e cachoeiras e: uma flora e fauna fantásticas.

Na região ao sul de Salvador e em Santa Catarina você pode assistir o wales no inverno. Em outras regiões você pode ver tartarugas, golfinhos e muito mais.

Vilas e cidades históricas da era do descobrimento do Brasil podem ser visitadas ao longo de todo o litoral.

Fonte: www.tulane.edu/www.eea.europa.eu/www.encyclopedia.com/www.gdrc.org/www.wisegeek.org/www.sciencedirect.com/www.researchgate.net/www.coastalwiki.org/www.longdom.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Geóide

PUBLICIDADE O geóide é a superfície equipotencial do campo de gravidade da Terra que melhor se ajusta, …

Rochas Sedimentares

PUBLICIDADE Definição Rochas sedimentares são rochas compostas por sedimentos. As rochas sedimentares são o produto da …

Rocha ígnea

Rocha ígnea

PUBLICIDADE Definição Rocha ígnea, qualquer uma das várias rochas cristalinas ou vítreas formadas pelo resfriamento …