Breaking News
Home / Geografia / Escola de Sagres

Escola de Sagres

PUBLICIDADE

Escola de Navegação

Cerca de 1418, o Príncipe Henrique iniciou a primeira escola de navegação oceânica junto com um observatório astronômico em Sagres, Portugal.

Nessa escola, as pessoas foram treinadas na busca, na criação de mapas e na ciência, para navegar pelo oeste da África.

O Príncipe Henrique o Navegante era um explorador, soldado e príncipe portugueses.

Embora o Príncipe Henrique raramente tenha participado de explorações, ele enviou muitas expedições de Portugal para a costa oeste da África e foi responsável pela influência de Portugal na Grande Era da Exploração. Por causa do Príncipe Henrique, os exploradores portugueses foram os primeiros a navegar para o rio Gambia em África.

O Príncipe Henrique

O Príncipe Henrique nasceu em Porto, Portugal, em 1394. Embora ele não era nem um marinheiro, nem um navegador, ele patrocinou uma grande quantidade de exploração ao longo da costa oeste da África. Sob seu patrocínio, as equipes portuguesas fundaram as primeiras colônias do país e visitaram regiões anteriormente desconhecidas para os europeus. Príncipe Henrique é considerado um criador da Era da Descoberta e do tráfico de escravos do Atlântico.

História da Escola de Sagres

A comunidade mais a sul de Portugal e a maior parte do sudoeste da Europa continental está em Sagres, com vista para a Baía de Sagres, que é em si ladeado por duas promontas: Porto de Atalaia e a Ponta de Sagres.

É somente quando você vê as muralhas cinzentas da fortaleza que bloqueiam o planalto maciço platô do Porto de Sagres e lançam seus olhos em torno do arco de 10 km de penhascos ap farol no Cabo São Vicente para que você tenha um sentimento real para a tremenda importância histórica deste lugar.

Ele foi pelo menos tão importante durante a época dos Descobrimentos como Cabo Canaveral foi durante os primeiros anos de exploração espacial. Quando o clima é justo, pode ser uma sensação poderosa sentar-se silenciosamente em qualquer lugar ao longo dos penhascos e olhar para o mar e refletir sobre as extraordinárias aventuras que passaram por lá.

Os navegadores e suas descobertas

Foi a este lugar que o Infante D. Henrique, o Príncipe Henrique Navigator, entrou no século XV para trabalhar em sua obsessão de repelir as fronteiras do mundo conhecido e abriu a fase na história portuguesa chamada Os Descobrimentos.veio no século 15 para trabalhar em sua obsessão para empurrar as fronteiras do mundo conhecido, e abriu a fase na história Português chamado Os Descobrimentos.

escola-de-sagres-2
Infante D. Henrique

Enquanto informações precisas sobre o Príncipe Henrique estão longe de ser completas, fica claro que ele era um homem muito notável. Ele era um príncipe, um político, um guerreiro e um grande mestre da Ordem de Cristo, mas sua fama permanece principalmente por causa de seu monumental contributo para a descoberta geográfica e para a abertura de relações comerciais e culturais entre a Europa e o Oriente. Quando ele chegou para se instalar no Algarve como governador em 1419, ele era um jovem de 25 anos, austero e devotadoramente religioso. Um veterano da invasão de Ceuta, ele manteve um zelo permanente para expulsar os muçulmanos do norte da África e da Terra Santa de uma vez por todas. Enquanto em Ceuta havia aprendido com os comerciantes sobre rotas de ouro no Saara, que se pensava que se originariam na Guiné na costa oeste africana.

A reverência das cruzadas, juntamente com a sede de receita de ouro, logo seria aumentada pela obsessão de encontrar Preste João, o lendário padre-rei que governou o supremo em meio a fabulosas riquezas em algum lugar da África ou do Oriente. Religião e economia – Deus e ouro – foram os catalisadores. Sagres era o cadinho.

A localização exata da Escola de Navegação do Príncipe Henrique não é conhecida.

É geralmente aceito que sia sede era em Sagres e criou um acordo em terra concedido pela coroa.

O registro passou a ser conhecido como Vila do Infante, ou cidade do Príncipe.

Popularmente acredita-se ter sido situado na parte mais alta dentro dos muros da beleza que foi reconstruída após o terremoto de 1755.

O único prédio ainda sobrevivente e pensado para ter sido em mais ou menos sua forma atual no dia de Henrique, é a igreja pouco simples dentro da fortaleza.

A escola de navegação era como um imã para os melhores cérebros na Europa preocupados com as ciências náuticas.

Sob o patrocínio do Príncipe Henrique, uma comunidade de estudiosos brilhantes frequentou a escola para ensinar e estudar, e acumulou e correlacionou o conhecimento náutico como foi trazido de volta por capitães de viagens sucessivas para lugares até então desconhecidos. Os estudiosos, por sua vez, instruíram capitães menos experientes sobre as correntes e os sistemas de vento do Atlântico e os métodos de navegação mais recentes.

A cartografia foi refinada com o uso de instrumentos recém-concebidos.

Os mapas foram atualizados e estendidos regularmente. Um tipo revolucionário de caravela foi projetado.

escola-de-sagres-3
Igreja na Fortaleza

Quando o Príncipe Henrique começou a dominar e dirigir operações em Sagres e Lagos em 1419, o conhecido limite sul do Oceano Atlântico era o temido Cabo Bojador na África Ocidental, logo abaixo da latitude 27ºN. Além de todas as superstições sobre serpentes e monstros, é notoriamente perigoso por causa da violência de suas ondas e correntes, e a natureza traiçoeira de suas águas rasas e névoas freqüentes.

Tudo isso alimentou a profunda convicção de que, se você dobrasse o cabo, não havia possibilidade de retorno. O Cabo Bojador, portanto, não era apenas uma terrível barreira física, mas um terrível problema psicológico. Muitas tentativas falharam antes que a barreira fosse finalmente superada pelos portugueses em 1434.

O primeiro capitão europeu a rodar o Cabo Bojador foi Gil Eanes, de Lagos, e sua representação heróica representou talvez a maior conquista da vida de Henrique.

O Príncipe Henrique viveu na vizinhança de Sagres durante a maior parte de sua vida e aí que ele morreu em 13 de novembro de 1460 aos 66 anos. Ele abriu o caminho, mas não viveu o suficiente para saborear e compartilhar os sucessos de Bartolomeu Dias que dobrou o Cabo da Boa Esperança em 1488, e Vasco da Gama, que finalmente impulsionou a rota do mar para a Índia em 1498.

Sem dúvida, o Príncipe Henrique teria ficado totalmente fascinado com as façanhas desse outro grande viajante do final do século 15, Cristóvão Colombo. Ele tinha 24 anos quando, por uma dessas peculiaridades do destino, ele acabou na porta da escola Sagres de navegação. Ele estava com um comboio armado no caminho de Gênova para a Inglaterra em maio de 1476, quando foi atacado por piratas do Cabo de São Vicente. Seu navio afundou na luta que se seguiu e, apesar de ferido, conseguiu escapar nadando quase 10 Km.

Quanto tempo ele passou no Algarve não é conhecido. Dizia que ele passou algum tempo se recuperando em Lisboa, uma cidade que ele conhecia bem.

Em 1478 ele navegou de Lisboa para a Madeira portuguesa como agente de compras para uma grande empresa genovesa.

No ano seguinte casou-se com a filha do governador da ilha do Porto Santo, no grupo da Madeira.

Foi aí que o seu único filho, um menino, nasceu.

Foi só depois de navegar para o posto comercial português de São Jorge da Mina na Costa Dourada (agora Ghana) que Colombo teve um gosto real pela exploração em oposição a mera viagem de negócios.

Foi então que a noção de viajar para o oeste para encontrar novas terras o encantou.

Só após a morte de sua esposa, Dona Filipa, Colombo deixou seu país de adoção com seu filho, Diego, para buscar patrocínio para as propostas do rei Ferdinand e da rainha Isabella da Espanha.

Um acordo foi acordado após sete anos de disputa. E assim estava sob a bandeira espanhola e não portuguesa que ele descobriu o Novo Mundo.

escola-de-sagres-4
Mares tormentosos

Sagres: Início Para o Infante D. Henrique

Sagres é uma cidade situada pelo ponto sudoeste-maior parte da Europa, Cabo de São Vicente. A cidade deve sua origem à aldeia de Terçanabal, que foi reconstituída pelo Príncipe Henrique, o Navegador, terceiro filho do rei João, o 1º de Portugal, no século XV.

Tornou-se a sua casa para a qual ele convidou os principais cartógrafos e criadores de mapas para iniciar uma escola de estudos de navegação. O que, por sua vez, levou à Era de Ouro dos Descobrimentos Portugueses e manteve Sagres no mapa mundial até o grande terremoto de 1755.

escola-de-sagres-5
Sagres

escola-de-sagres-6
Fortaleza de Sagres

escola-de-sagres-1
Cabo de São Vicente

As ruínas da antiga cidade de Sagres

Sagres foi famosa no século 15 como o lugar onde o Príncipe Henrique, o Navegador, construiu sua escola de navegação. Para proteger a cidade dos ataques de piratas, um forte maciço foi construído no século XVII, cujos restos ainda podem ser vistos.

Fortaleza de Sagres está situada a sul da cidade. As paredes são o único lembrete para este grande forte, assim como o impressionante arco de entrada. Há também uma igreja restaurada do século 15, chamada Nossa Senhora da Graça e, por último, a rotura mais impressionante da área é a bússola de 43 m, chamada Rosa dos Ventos.

Fonte: www.sagres.net/portugalresident.com/mrnussbaum.com/www.biography.com/catterall.net

Veja também

Planejamento Urbano

PUBLICIDADE Planejamento Urbano é o estudo ou profissão que lida com o crescimento e funcionamento …

Aborígenes Australianos

Aborígenes Australianos

PUBLICIDADE Definição Aborígenes é considerada uma pessoa, animal ou planta que tenha estado em um país …

Gêiser

Gêiser

PUBLICIDADE Definição Gêiser uma fonte termal em que a água ferve intermitentemente, enviando uma alta coluna …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.