Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Geografia / Mesosfera

Mesosfera

PUBLICIDADE

A partir dos 50 km de altura, onde está a estratopausa, a temperatura volta a ser o nosso conhecido “quanto mais alto, mais frio”. O perfil de temperatura se modifica novamente e passa a diminuir com a altura até os 80 km, quando chega a -90 °C. É a mesosfera, a camada de ar dos meteoros.

Na mesosfera a queda de temperatura passa a ocorrer em virtude da baixa concentração de moléculas e da diminuição do calor oriundo da camada de ozônio, que ficou pra baixo. Apesar da baixa concentração, o ar presente na mesosfera é suficiente para oferecer resistência a objetos que entrem em nossa atmosfera.

O calor gerado pela resistência do ar a diversas rochas que colidem com a Terra faz com que os objetos sejam incendiados e dêem origem ao que é conhecido como estrelas cadentes. Esses fenômenos são chamados de meteoros e as rochas de meteoróides.

A maiorias dos meteroróides é um pouco maior que um grão de areia, mas alguns podem chegar ao tamanho de casas ou ainda maiores. Dependendo do tamanho, essas rochas podem chegar à superfície, quando são chamados de meteoritos. Muitos meteoritos chegam à superfície da Terra com freqüência sem que nos darmos conta disso, pois são em sua grande maioria minúsculos, mas grandes meteoritos podem causar enormes danos ao planeta e à vida, como já ocorreu no passado do nosso planeta – e que pode ocorrer no futuro.

O ônibus espacial Columbia incendiou-se ao reentrar na atmosfera. Na verdade, ele já estava há um certo tempo na atmosfera quando ocorreu a explosão, mas foi justamente ao se aproximar da base da mesosfera, a 60 km de altura, que o calor gerado se tornou insuportável para a estrutura, danificada em seu isolamento térmico, e causou a explosão.

Assim como a maioria dos corpos que chegam na Terra, o Columbia foi queimado na mesosfera, se transformando em um triste meteoro que nos faz refletir sobre os limites do homem perante a natureza.

Mesosfera
O ônibus espacial Columbia desintegra-se na atmosfera durante sua reentrada na atmosfera, em fevereiro de 2003.

Acima dos 80 km de altura está a última camada de ar da atmosfera, a termosfera. A temperatura volta a crescer com a altura, podendo atingir os 1000 °C ou mais. Na termosfera o ar é tão rarefeito que o conceito familiar de temperatura como agitação atômico/molecular não se aplica. Não é possível dizer onde está o limite da termosfera, e por conseguinte, o limite da atmosfera.

A dezenas de milhares de quilômetros existem moléculas de gás presas pelos campos gravitacional e magnético da Terra. Essas partículas giram junto com o planeta e podem ser consideradas parte da atmosfera. Para efeitos práticos, considera-se que a partir dos 100-200 km de altura tempos o início do espaço.

Na prática, este é o tamanho da atmosfera: a Terra tem uma cobertura de ar, com mais de 100 km de altura.

Fonte: www.silverioortiz.kit.net

Mesosfera

A mesosfera, camada superior da atmosfera localizada entre 80 quilômetros e 100 quilômetros de altura, pode ser uma das chaves para os pesquisadores entenderem melhor as mudanças climáticas globais.

Uma das teorias defende a idéia de que, quando o ar das partes mais próximas do solo é aquecido, lá no alto, quase na borda do espaço, ocorre exatamente o contrário: o frio seria cada vez mais intenso.

O problema é que estudar as camadas superiores da atmosfera não é uma tarefa fácil, principalmente em relação aos procedimentos metodológicos. O ar rarefeito impede os vôos de aviões tradicionais. Os balões normalmente utilizados em pesquisas na atmosfera mais próxima não conseguem chegar até lá com total segurança.

Para resolver o problema, pesquisadores britânicos da Universidade de Bath e da Base Anglo-Saxônica da Antártica resolveram se guiar pela própria natureza.

Está sendo montado próximo ao Pólo Sul, um grande radar, que terá seis antenas de dois metros de altura cada e ocupará o espaço de um campo de futebol.

Tudo para observar, e medir, a temperatura e os ventos que atravessam a mesosfera por meio dos meteoros.

Os corpos celestes que entram na atmosfera da Terra funcionarão como verdadeiros balões. A partir dos radares localizados na Antártica será possível, por freqüências de rádio, saber o deslocamento dos corpos e também medir a temperatura na mesosfera. Como milhares de meteoros são detectados todos os dias, será possível reunir um bom número de informações.

A mesosfera é considerada uma região fundamental para as pesquisas sobre as mudanças climáticas globais. Por causa da alta sensibilidade daquela zona atmosférica a alterações das condições físicas, imagina-se que ali qualquer impacto provocado pelas mudanças globais teria conseqüências muito maiores do que outras regiões.

Os primeiros resultados obtidos pelo radar britânico parecem promissores. Aproximadamente 5 mil meteoros foram detectados por dia. As temperaturas registradas até agora estão por volta de menos 130 graus centígrados. Isso, inclusive, ocorreu no meio do verão antártico.

Fonte: www.mundoverde.com.br

Mesosfera

A partir do final da estratosfera, encontra-se a mesosfera que se estende até 80 K de altitude.

Nesta camada, a temperatura é muito baixa, atingindo -120ºC.

É nesta camada que se realizam as pesquisas meteorológicas.

Mesosfera (50 – 80/85 km)

Na mesosfera a temperatura diminui com a altitude, esta é a camada atmosférica onde há uma substancial queda de temperatura chegando até a -90º C no seu topo, está situada entre a estratopausa em sua parte inferior e mesopausa em sua parte superior, entre 50 a 85 km de altitude.

É na mesosfera que se dá a combustão dos meteoritos.

Fonte: arvoresdeirati.com

Mesosfera

Nova hipótese começou a chamar a atenção no início da era espacial: seriam as nuvens luminosas causadas talvez por aglomerados de rocha extraterrestre?

Hilmar Schmundt escreve para “Der Spiegel”, da Alemanha:

Os cientistas tentam entender a origem das nuvens noturnas luminosas há mais de um século. Agora um satélite especial poderá ser capaz de determinar se essas nuvens são sintomas da mudança climática.

Quando Otto Jesse apontou seu telescópio para o céu em certa noite de junho, em 1885, uma nuvem obstruiu sua vista. Mas em vez de ficar irritado, o astrônomo ficou encantado.

Por um bom motivo – não era uma nuvem comum que bloqueava seu campo de visão. A noite já tinha caído em Berlim, mas a nuvem continuava brilhando, sua luz quase tão intensa quanto a da lua cheia.

Jesse percebeu que devia estar localizada na camada externa da atmosfera, na fronteira com o espaço exterior, para que ainda pudesse estar recebendo luz do sol.

Jesse, que na época tinha 40 e poucos anos – as fotos o mostram com uma expressão austera e uma barba bem aparada – se sentiu empolgado naquela noite de verão.

Aparentemente havia mais coisas entre o céu e a terra do que as pessoas imaginavam. A pesquisa de nuvens noctilucentes (“com brilho noturno”) se tornou a obra de sua vida daquela noite em diante.

As nuvens geralmente aparecem no céu noturno nas noites de verão. Elas são visíveis a olho nu e em alguns casos são tão brilhantes que o que está sob sua luz lança uma sombra.

Jesse usou pela primeira vez fotografias para calcular sua altitude: elas estavam a 82 quilômetros acima do solo – mais de 10 vezes mais alto do que as nuvens comuns de tempestade.

Mesmo hoje, mais de 120 anos depois, as observações do cientista alemão são consideradas inovadoras. E até hoje não se sabe como se formam as nuvens noctilucentes – conhecidas pelos cientistas como NLCs.

Mas neste ano um avanço finalmente poderá ser obtido: os pesquisadores de NLCs querem usar câmeras robôs e um satélite de vigilância para finalmente solucionar o mistério.

As condições para observação das NLCs nunca foram mais favoráveis do que agora. As NLCs estão brilhando mais intensamente, elas estão sendo vistas com mais freqüência e estão aparecendo cada vez mais ao sul.

Elas costumavam ser avistadas principalmente ao norte do paralelo 50, na Suécia ou na Escócia. Mas há alguns anos, elas foram avistadas pela primeira vez no Colorado – no paralelo 40, a mesma latitude do sul da Itália.

As NLCs têm pouco em comum com as Luzes do Norte, também conhecidas como auroras boreais. Elas são produzidas não por feixes de partículas, mas pelo gelo, e não produzem sua própria luz, apenas refletem a do sol.

Alto e seco

Tudo soa como um fenômeno meteorológico bem simples, mas é extraordinariamente difícil de investigar, porque ocorre na região limítrofe de difícil acesso entre a Terra e o espaço exterior.

A mesosfera, como a região é chamada, fica mais de duas vezes acima da camada de ozônio. Ela se situa muito além da estratosfera e pode ser vista da Estação Espacial Internacional (EEI).

A altitude elevada também explica a luminosidade das nuvens. Elas freqüentemente ainda estão dentro do alcance do sol quando a noite cai no solo abaixo. É apenas durante o dia que as nuvens mesosféricas desaparecem no azul do céu.

A zona na qual as NLCs são encontradas é cerca de 100 milhões de vezes mais seca que o Saara. Elas ainda conseguem se formar devido ao frio extremo dali. As temperaturas na mesosfera podem cair para -140ºC -mais frio do que qualquer outro lugar no planeta.

A mesosfera envolve a Terra como uma bola de cristal gelada que embaça imediatamente quando se respira sobre ela. Quando o ônibus espacial viaja para a EEI, por exemplo, a fumaça quente de descarga de seus motores congela e cria NLCs artificiais.

Mas estas belezas da noite são caprichosas.

Eles costumam desaparecer tão Repentinamente quanto aparecem – quase da forma como o dramaturgo e poeta alemão Bertolt Brecht descreve uma nuvem em um de seus poemas de amor:

“Havia uma nuvem na qual meus olhos se prolongaram / Era bem branca e estava bem acima de nós / Então olhei para o alto e descobri que se foi”.

Assim, quem se interessa por uma NLC precisa de bastante sorte e muita paciência.

“Até o momento, avistá-las dependia basicamente de sorte”, disse o físico russo Peter Dalin. Ele deseja mudar isto. Dalin realiza pesquisa em Kiruna, Suécia, desde que obteve seu doutorado pelo Instituto de Pesquisa Espacial de Moscou.

Fotos em altitude elevada

Agora ele deseja perseguir as nuvens noturnas como um paparazzo estratosférico. Ele está atualmente construindo um anel de seis câmeras ao redor do Pólo Norte – da Sibéria ao Canadá, via Escócia.

O plano é usar câmeras Canon comuns para tirar uma foto do céu a cada minuto, cada uma coordenada por um computador. As fotos serão tiradas por meses – ao longo de toda a temporada de NLCs, que dura de maio até agosto.

Quatro câmeras já foram instaladas, e uma delas está até mesmo conectada à Internet. “Desta forma obterei uma espécie de filme”, espera Dalin.

Sua hipótese é de que a formação de NLCs depende de correntes de ar mais baixas que percorrem todo o Hemisfério Norte e que também transportam o calor para a mesosfera.

Quando as correntes enfraquecem, as temperaturas na mesosfera caem ainda mais do que o habitual. A pouca umidade que é encontrada lá se condensa, podendo ser formadas nuvens de gelo.

Mas mesmo a cabine de fotos hemisférica provavelmente perderá muitas NLCs, já que nuvens baixas freqüentemente obstruem a visão do solo.

Este é o motivo para os astrônomos estarem empolgados em ver a conclusão do satélite AIM (Aeronomy of Ice in the Mesosphere, Aeronomia do Gelo na Mesosfera) – que finalmente poderá analisar as nuvens pelo outro lado.

No final de abril, o satélite – que pesa quase 200 quilos e custa quase US$ 120 milhões – se posicionará em seu posto de observação a cerca de 600 km acima do solo por dois anos. Os primeiros dados poderão estar disponíveis no final do ano.

Poeira extraterrestre

O AIM usará quatro câmeras para pesquisar a região do Pólo Norte. Ele também será equipado com um segundo tipo de instrumento, cujo propósito é determinar se as NLCs são de origem celeste ou mais terrenas.

As nuvens normalmente se formam apenas onde há os chamados “núcleos de condensação”.

Estes núcleos geralmente consistem de partículas de poeira cujo tamanho é medido em nanômetros, como as partículas da fumaça de cigarro. O vapor de água se liga a eles.

Mas de onde vem esta poluição na região de fronteira entre a Terra e o espaço – de cima ou de baixo?

Otto Jesse já supôs em 1890 que poeira vulcânica poderia ser carregada até o limite da atmosfera. O vulcão Krakatoa na Indonésia tinha entrado em erupção dois anos antes de ele avistar uma NLC.

A poeira da erupção foi carregada até o alto da estratosfera, escurecendo os céus e causando safras agrícolas ruins – assim como entardeceres espetacularmente coloridos ao redor do mundo.

Nova hipótese começou a chamar a atenção no início da era espacial: seriam as nuvens luminosas causadas talvez por aglomerados de rocha extraterrestre?

Cerca de 100 toneladas de meteoritos chovem na Terra diariamente, com parte deles queimando aproximadamente na altitude das NLCs, onde aparecem como as chamadas estrelas cadentes.

Muita poeira extraterrestre é deixada para trás. Um instrumento de medição a bordo do satélite AIM, que funciona como um aspirador de pó, supostamente esclarecerá até que ponto esta poeira extraterrestre está ligada à formação das nuvens.

Os cientistas estão depositando suas esperanças no SOFIE, como é conhecido o instrumento que talvez seja o mais importante dispositivo de medição a bordo do AIM.

Sofie, uma acrossemia para Solar Occultation For Ice Experiment (ocultação solar para experiência com gelo), é uma espécie de termômetro, projetado para responder se mais NLCs estão sendo avistadas devido ao aquecimento da Terra.

É o que acredita Gary Thomas, um especialista em NLC aposentado da Universidade do Colorado, em Boulder. Ele é um dos consultores da missão AIM.

Apesar de parecer paradoxal a princípio, o fenômeno não é implausível: à medida que mais gases responsáveis pelo efeito estufa isolam a Terra, provocando o aquecimento das camadas mais baixas da atmosfera, menos calor radia de volta ao espaço e a mesosfera se torna mais fria – condições ideais para a formação de NLCs.

De fato, medições com laser pelo Instituto Leibniz de Física Atmosférica da Alemanha indicam que a temperatura na mesosfera caiu mais de 15ºC nos últimos 50 anos.

“Elas são um belo fenômeno”, disse Thomas. “Mas estas nuvens também podem ser sinal de natureza de que estamos perturbando o equilíbrio na atmosfera.”

Fonte: www.jornaldaciencia.org.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Crise do Petróleo

Crise do Petróleo

PUBLICIDADE O que foi a crise do petróleo? Desde a sua descoberta, o petróleo, também …

Boko Haram

Boko Haram

PUBLICIDADE O que é Boko Haram? Indiscutivelmente, falar de terrorismo e cultural oriental islâmica é …

ALADI

ALADI

PUBLICIDADE ALADI – Associação Latino Americana de Integração Configurando-se como o maior bloco econômico da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+