Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Geografia / Espeleologia

Espeleologia

PUBLICIDADE

 

O que é

Espeleologia é a ciência que tem por princípios a procura, exploraçao, observação e interpretacão das cavernas, levando em conta seu processo de formação, seu ambiente e sua relação com o ambiente externo, tendo por objetivo definircritérios para sua preservação e assim, promover o uso racional destas.

O estudo das grutas depende de um conjunto de Ciências, incorporando ramos de diferentes disciplinas. Envolve todos os aspectos estruturais, sua formação, morfologia, química, física, meteorologia, geomorfologia, estudo dos animais e vegetais cavernículos.

A Espeleologia pode oferecer inestimável ajuda a Paleontologiae a Arqueologia, na compreensão da existência de tipos de vidas de animais e de humanos primitivos.

Um estudo espeleológico cuidadoso pode oferecer uma ilustração lógica de toda uma área.

Um entusiasmo para com a Espeleologia tem sido mostrado por pesquisadores em todo o mundo nos últimos anos. A fascinação que as grutas exercem no ser humano,transpõe as fronteiras das pesquisas em laboratórios. A beleza natural e científica atrai a inteligência humana, desejosa de compreender a natureza de suas formações e os múltiplos fenômenos associados, responsáveis pelo seu aparecimento.

Não podemos esquecer que os primeiros vagidos do Homo sapiens ainda como Homo speleus, foram ouvidos no interior desses palácios da Natureza.

As grutas representam o berço dos nossos antepassados, que sairam do seu horizonte estreito e da sua escuridão para as dimensões e claridade do Cosmo.

As grutas e abrigos-sob-rocha constituem um patrimônio de insetimável valor científico e cultural. Algumas grutas já ganharam importância internacional e integram o acervo da Humanidade.

Fonte: www.geocities.com

Espeleologia

Sendo uma atividade que se dedica ao estudo das cavernas, a Espeleologia não se resume aos aspectos técnicos da progressão em grutas.

Ao estudar a gênese, a evolução, o meio físico e biológico do mundo subterrâneo, a espeleologia é igualmente uma disciplina técnico-científica que se interliga com ciências como a Geologia, Biologia e Antropologia.

Outras técnicas utilizadas e igualmente importantes são a Fotografia, Topografia e Cartografia, que complementam a atividade do espeleólogo.

Desde tempos imemoriais que o homem se sente atraído pelas cavernas, quer como abrigo temporário ou definitivo quer como local mágico-religioso dedicado ao culto dos deuses ou encantamento de inimigos, quer ainda como antecâmara do inferno ou local de atividades ligadas à magia negra, quer também como um simples local que lhe chama a atenção e desperta a curiosidade, convidando a uma simples olhadela curiosa, a uma visita turística ou a um paciente e aturado trabalho de estudo e investigação científica.

Mais ou menos em todos os locais existem cavidades no solo (naturais ou artificiais) mas é, sobretudo, nas regiões onde existem extensões de rocha calcária que se encontram, verdadeiramente, o que é uso e costume designar-se por cavernas ou, mais popularmente, por grutas, covas, furnas ou algares.

Apesar de em todas as épocas, desde a mais remota antiguidade, haver referências escritas, mais ou menos interpretativas, sobre a existência das cavernas, é só no último quartel do século passado que começa o estudo propriamente dito dos fenômenos que estão na origem, evolução e morte das cavernas, através de um homem (francês de nascimento e formação) que, enfrentando as mais variadas e por vezes rocambolescas e incríveis dificuldades, se “atirou” à exploração e primeiros estudos de caráter científico das cavernas. Esse homem é o famoso e inesquecível Eduard Alfred Martel, verdadeiro pai da Espeleologia moderna que, primeiro em França e depois em outros países, lançou as sementes do que viria a ser o grandioso e útil movimento espeleológico mundial. Seria, todavia, injusto não realçar igualmente a coragem, dedicação e esforço dos continuadores da obra de Martel que com ele vêm construindo e dignificando todo um edifício de saber técnico-científico que dá pelo nome de ESPELEOLOGIA.

O termo ESPELEOLOGIA provém dos vocábulos gregos SPELAION (caverna) e LOGOS (tratado ou estudo). A espeleologia consiste, essencialmente, no tratado ou estudo das cavernas.

Como disse B. Géze, um consagrado estudioso das cavernas: “Espeleologia é a disciplina consagrada ao estudo das cavernas, da sua gênese e evolução, do meio físico que representa, do meio biológico atual ou passado, assim como do meio e das técnicas adequadas ao seu estudo”.

A Espeleologia e a Ciência

Para que se possa explorar e estudar uma caverna, a Espeleologia teve necessidade de recorrer aos conhecimentos já existentes em outros ramos do conhecimento. Com as técnicas relacionadas com o alpinismo e as de cultura física, além das propriamente espeleológicas, já que é necessário vencer inúmeros e, por vezes, difíceis obstáculos em que só uma boa resistência física, aliada a um bom conhecimento das técnicas existentes, permite ultrapassar. Estão neste caso a descida de poços, a escalada de chaminés e paredes ou a progressão em passagens estreitas, como exemplos.

Do aspecto científico, imensamente vasto e complexo, destacam-se o agregado das ciências geológicas (Geologia, Hidrologia, Tectônica, Morfologia – superficial e subterrânea, Paleontologia, etc), a Biologia, a Arqueologia, as técnicas da Topografia, a Fotografia, o Cinema, entre muitas outras.

A Espeleologia não é uma atividade “esquisita”, mas sim uma atividade técnico-científica como muitas outras, onde há bons e maus executantes e onde todos os indivíduos podem participar sem quaisquer problemas desde que a encarem com a devida seriedade, respeito e conhecimento técnico que ela merece e requer.

História da Espeleologia

A história da Espeleologia é tão antiga como o próprio homem, já que as cavernas, foram em tempos pré-históricos, o abrigo que o protegia das intempéries e dos animais selvagens. Os achados mais antigos da presença do homem nas cavernas datam de 450 mil anos atrás, e foram deixados pelo Homem de Tautavel, o mais antigo povoador europeu. Com a evolução, este primata dá origem ao Homem do Paleolítico Superior, muito mais avançado que o anterior. É neste periodo (350.000 A.C. – 10.000 A.C.) que surgem as primeiras pinturas rupestres, fruto do ócio e do instinto artístico, ilustrando principalmente cenas domésticas e de caça. Com o fim das eras glaciares, o homem abandona as grutas e instala-se nos campos. As cavernas passam a servir de armazéns, lugares de culto ou túmulos funerários.

Na idade média dá-se uma regressão de mentalidades, passando as cavidades a serem consideradas lugares do demônio e onde se escondem os leprosos e os doentes da peste. A Espeleologia passa por anos negros.

A pouco e pouco as cavernas começam novamente a ser alvo de visitas e explorações, sendo alvo de estudos científicos a partir da segunda metade do séc. XIX.

Algumas cavernas passaram a ser exploradas na busca do salitre para a fabricação de pólvora, outras na busca pela água, refúgio de animais de criação etc. Mas foi somente no início do século XX que o homem passou a tratar das cavernas como uma ciência. Neste contexto, cabe ao francês E. A Martel o título de “pai da espeleologia”. Seus trabalhos sobre as cavernas abriram um novo caminho para os pesquisadores e aventureiros do passado. Com ele surgiram outros pesquisadores que trataram de áreas específicas da espeleologia, como a bioespeleologia (Jeannel e Racovitza), a geoespeleologia e as técnicas de exploração (Norbert Casteret e Robert de Jolly).

No Brasil, os primeiros trabalhos surgiram em 1835, com as pesquisas do naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund, na região de Lagoa Santa e Curvelo. Seus trabalhos tinham objetivos predominantemente voltados para a paleontologia, contudo suas descrições e mapas das cavernas permitem atribuir um caráter espeleológico às atividades de Lund.

Da mesma forma, o alemão Ricardo Krone realizou seus levantamentos nas grutas do sul de São Paulo, entre os anos de 1895 e 1906. Coube a ele o primeiro cadastro espeleológico brasileiro, sendo registradas 41 grutas.

Nos últimos trinta anos, a Espeleologia se transforma numa atividade de grupo, desenvolvendo igualmente a sua vertente científica. Hoje, com o aperfeiçoamento dos materiais, um pequeno grupo pode transportar tudo o que necessita para uma exploração segura e prolongada, o que não impede o mundo subterrâneo de continuar a manter muitos mistérios por desvendar.

Fonte: espeleopaty.vilabol.uol.com.br

Espeleologia

O que é

Espeleologia é uma atividade científica e/ou lúdica que se dedica ao estudo e exploração das cavidades naturais.

Podemos dizer que a história da Espeleologia é tão antiga como o próprio Homem. Na pré-história as cavernas foram os primeiros abrigos verdadeiramente eficazes contra o frio que reinava no período das glaciações. As inúmeras pinturas rupestres que podemos encontrar nestes locais, constituem por si só, prova da ocupação destes valiosos “apartamentos” naturais. Em França, por exemplo, as famosas cavernas de Lascaux preservam gravuras da vida pré-histórica, que oferecem indicações preciosas sobre as origens da espécie humana.

Contudo, foi só no século XIX que a Espeleologia surgiu como atividade de exploração sistemática de grutas. Deve-se ao Francês, Edouard Alfred Martel (1859-1938), considerado por muitos o pai da Espeleologia, o desenvolvimento e divulgação desta disciplina. Durante a sua infância viajou pela Europa com os seus pais, o que possibilitou a visita a algumas importantes grutas. As verdadeiras explorações vieram anos mais tarde, quando já era advogado. Entre 1890 e 1936 escreve 21 obras e mais de 1000 artigos para revistas sobre exploração e topografia de grutas. Depois da sua morte em 1938, seguiram-se importantes discípulos como Robert de Joly, o inventor da escada de cabos de aço, e Norbert Casteret.

Os espeleólogos, mais do que ninguém, têm a responsabilidade moral de protegerem as cavernas que exploram, minimizando a deterioração gradual que ocorre sempre que uma caverna é descoberta. Uma das regras de ouro é retirarem das cavernas tudo o que levam para dentro, da visita ficam apenas com as boas recordações e alguns registos fotográficos.

A evolução técnica e científica da exploração de grutas foi evoluindo até aos nossos dias. Atualmente existem inúmeras Federações de Espeleologia espalhadas um pouco por todo o mundo.

Na Espeleologia, desporto e investigação caminham lado a lado . A progressão nas cavidades naturais exige esforço físico, assim como, conhecimentos de técnicas específicas de transposição de obstáculos.

Quanto ao aspecto científico, existe um grande número de áreas em que o estudo pode ser efetuado: geologia, paleontologia (estudo dos fósseis), hidrologia (estudo da circulação de águas), fauna e flora das cavidades, são apenas alguns exemplos.

Deste modo, para praticar esta fascinante atividade é imprescindível adquirir uma série de conhecimentos técnicos de exploração e conhecimentos científicos. E para isso, nada melhor que frequentar um curso de Espeleologia. Existem desde cursos de iniciação (nível 1) até cursos avançados de especialização (nível 4).

Entre eles situam-se os cursos de nível 2, que conferem autonomia para progressão dentro de uma gruta, bem como os de nível 3, que às competências anteriores acrescentam autonomia para equipar um percurso (colocar cordas, escolher locais) e a capacidade para liderar uma equipa.

As cavernas, bem como os restantes tesouros naturais, são um recurso valioso que importa proteger.

As ameaças são muitas: lixo, efluentes não tratados, poluição dos lençóis de água e vandalismo, estão a destruir rapidamente estes ambientes de características únicas.

Fonte: www.esec-lousa.rcts.pt

Espeleologia

O que é a Espeleologia?

Sendo uma atividade que se dedica ao estudo das cavernas, a Espeleologia não se resume aos aspectos técnico desportivos da progressão em grutas.

Ao estudar a génese, a evolução, o meio físico e biológico do mundo subterrâneo, a espeleologia é igualmente uma disciplina técnico científica que se interliga com ciências como a Geologia, Biologia, Arqueologia e Antropologia.

Outras técnicas utilizadas e igualmente importantes são a Fotografia, Topografia e Cartografia, que complementam a atividade do espeleólogo.

Desde tempos imemoriais que o homem se sente atraído pelas cavernas, quer como abrigo temporário ou definitivo quer como local mágico religioso dedicado ao culto dos deuses ou encantamento de inimigos, quer ainda como antecâmara do inferno ou local de atividades ligadas à magia negra. Também como um simples local que lhe chama a atenção e desperta a curiosidade, convidando a uma simples olhadela curiosa, a uma visita turístico desportiva ou a um paciente e apurado trabalho de estudo e investigação científica.

Mais ou menos em todos os locais existem cavidades no solo (naturais ou artificiais) mas é sobretudo, nas regiões onde existem extensões de rocha calcária que se encontram, verdadeiramente, o que é uso e costume designar-se por cavernas ou, mais popularmente, por grutas, covas, furnas ou algares.

Apesar de em todas as épocas, desde a mais remota antiguidade, haver referências escritas, mais ou menos interpretativas, sobre a existência das cavernas, é só no último quartel do século passado que começa o estudo propriamente dito dos fenômenos que estão na origem, evolução e morte das cavernas, através de um homem (francês de nascimento e formação) que, enfrentando as mais variadas e por vezes rocambolescas e incríveis dificuldades, se “atirou” à exploração e primeiros estudos de carácter científico das cavernas. Esse homem é o famoso e inesquecível Eduard Alfred Martel, verdadeiro pai da Espeleologia moderna que, primeiro em França e depois noutros países, lançou as sementes do que viria a ser o grandioso e útil movimento espeleológico mundial. Seria, todavia, injusto não realçar igualmente a coragem, dedicação e esforço dos continuadores da obra de Martel que com ele vêm construindo e dignificando todo um edifício de saber técnico científico que dá pelo nome de ESPELEOLOGIA.

Neste ponto é natural colocarem-se as questões: O que é a Espeleologia ? Do que trata? Qual ou quais os seus domínios e instrumentos de trabalho? Qual a sua utilidade?

Comecemos, então, pela definição do termo ESPELEOLOGIA que provém dos vocábulos gregos SPELAION (caverna) e LOGOS (tratado ou estudo). Pelo que a espeleologia consiste, essencialmente, no estudo das cavernas.

Mais elucidativa, porém, é a definição de um consagrado estudioso das cavernas B. Géze e que diz o seguinte: “Espeleologia é a disciplina consagrada ao estudo das cavernas, da sua génese e evolução, do meio físico que representa, do meio biológico atual ou passado, assim como do meio e das técnicas adequadas ao seu estudo”. Por estas definições já se fica a saber o que é, do que se trata e qual o domínio da Espeleologia.

A Espeleologia e a Ciência

Para que se possa explorar e estudar uma caverna, a Espeleologia teve necessidade de recorrer aos conhecimentos já existentes em outros ramos do conhecimento para poder levar a bom termo o seu objetivo. É assim que podemos considerar a atividade espeleológica sob o duplo aspecto desportivo e científico. O aspecto desportivo prende-se, fundamentalmente, com as técnicas relacionadas com o alpinismo, além das propriamente espeleológicas, já que é necessário vencer inúmeros e, por vezes, difíceis obstáculos em que só uma boa resistência física, aliada a um bom conhecimento das técnicas existentes, permite ultrapassar. Estão neste caso a descida de poços, a escalada de chaminés e paredes ou a progressão em passagens estreitas, como exemplos.

Do aspecto científico, imensamente vasto e complexo, destacaremos apenas, devido ao seu peso no conjunto da atividade espeleológica, o agregado das ciências geológicas (Geologia, Hidrologia, Tectônica, Morfologia – superficial e subterrânea, Paleontologia, etc), a Biologia, a Arqueologia e as técnicas da Topografia, a Fotografia, o Cinema, entre muitas outras.

Quanto à utilidade da Espeleologia apenas chamaremos a atenção para os aproveitamentos das reservas hídricas existentes nos calcários, instalações hospitalares para doenças específicas, instalações científicas para investigação, refúgio e proteção de populações em caso de conflito ou como aproveitamento turístico.

Estas são muito resumidamente as partes boas da utilidade das cavernas, mas também aqui existe o reverso da medalha com utilizações que consideramos abusivas do patrimônio natural pertença de todos nós, centrado no aproveitamento para fins militares das redes subterrâneas ou, então, como autêntico caixote de lixo ou esgoto, sem qualquer respeito pelos outros indivíduos, afetando, deste modo, populações por vezes bastante distantes devido às características peculiares de circulação hídrica nos maciços calcários.

Cuidados ao explorar uma gruta:

Nunca entre numa gruta desacompanhado. Procure uma Associação que trabalhe na região e se possível enquadre uma equipa de espeleólogos
Não deixe nem retire nada do seu interior
Não danifique os espeleotemas (evite pisá-los ou quebrá-los durante a sua progressão)

Fonte: www.gesmo.org

Espeleologia

1. A espeleologia

Desde a pré-história até os dias de hoje, as cavernas são ambientes que sempre estiveram presentes na história da humanidade. Esse interesse do homem pelos ambientes cavernícolas pode ser comprovado pelas inúmeras manifestações das mais antigas civilizações que lá são encontradas, como as pinturas rupestres e os restos de ocupação humana.

Diante de tamanha importância para a humanidade, os ambientes cavernícolas passaram a ser estudados como uma ciência própria, a denominada espeleologia.

Do grego spelaion, que significa cavernas, e logos, estudo, a espeleologia surge com a principal finalidade de promover o estudo, a observação e exploração das cavernas, visando sempre a criação de efetivos mecanismos que contribuam para a sua conservação[1].

Neste sentido, a espeleologia surge como ciência no início do século XX, tendo como precursor o estudioso francês E. Alfred Martel, o qual, conhecido como o “pai da espeleologia”, abriu caminho para o desenvolvimento de uma metodologia científica voltada ao estudo sério e disciplinado dos ambientes cavernícolas.

O pioneiro da espeleologia no Brasil, por sua vez, foi o dinamarquês Peter Lund, cujo trabalho, voltado para o estudo e descoberta de fósseis, muito contribuiu para a pesquisa científica nas cavernas em meados do século XIX. Cerca de meio século após, o alemão Richard Krone também demonstrou seu interesse pelas cavernas brasileiras, mais especificamente para aquelas situadas no Vale do Ribeira, no Estado de São Paulo.

Apenas em 1937 teve início no Brasil um estudo sistemático e organizado das cavernas, com a criação da Sociedade Excursionista e Espeleológica, então substituída, em 1969, pela atual Sociedade Brasileira de Espeleologia, que abraçou o objetivo de organizar as diretrizes da espeleologia nacional.

Atualmente o Brasil possui um número aproximado de 4245 cavernas cadastradas, conforme dados do Cadastro Nacional de Cavernas do Brasil (CNC)[2], número este que demonstra a grandiosidade do patrimônio espeleológico de nosso país e, portanto, a grande importância e relevância do estudo dessas cavidades naturais.

2. As cavidades naturais subterrâneas como patrimônio cultural

De acordo com o artigo 20, inciso X, da Constituição Federal, as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológicos e pré-históricos são considerados bens da União, razão pela qual, nesta condição, uma vez que são também bens ambientais e, portanto, difusos, caberá ao Poder Público Federal unicamente a sua gestão, ou seja, a sua administração.

Daí se infere concluir que as cavidades naturais subterrâneas não constituem, propriamente, bens de propriedade da União, mas são bens de uso comum do povo e indispensáveis à sadia qualidade de vida. Configuram, portanto, bens de toda a coletividade, que deverá participar diretamente de sua administração, juntamente com o Estado[3].

Além disso, as cavidades naturais subterrâneas, uma vez que constituem sítios de valores histórico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico, são consideradas, conforme determina o artigo 216, inciso V, da Constituição Federal, patrimônio cultural do Brasil.

Com fundamento nesses dispositivos constitucionais foi editado o Decreto n.° 99.559/1990, o qual dispõe acerca da proteção das cavidades naturais subterrâneas existentes no território nacional, e pode ser considerado a primeira legislação a dar uma definição clara e objetiva sobre a espeleologia.

Logo em seu artigo 1°, o Decreto reforça a idéia de que as cavidades naturais constituem patrimônio cultural brasileiro e, “como tal, serão preservadas e conservadas de modo a permitir estudos e pesquisas de ordem técnico-científica, bem como atividades de cunho espeleológico, étnico-cultural, turístico, recreativo e educativo”.

Um dos primeiros conceitos de patrimônio cultural, como bem salientado por Celso Antonio Pacheco Fiorillo[4], remetia a todo o “conjunto dos bens móveis e imóveis existentes no país, cuja conservação seja de interesse público, quer por vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil, quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico, bibliográfico ou artístico” (artigo 1° do Decreto-Lei n.° 25/37).

Em assim sendo, conforme se depreende do quanto exposto, as cavidades naturais subterrâneas poderão ser utilizadas para as mais diversas atividades, desde estudos e pesquisas científicas e espeleológicas, até mesmo atividades esportivas e turísticas, desde que, à evidência, sejam constante e adequadamente preservadas e conservadas.

Para tanto, como já dito anteriormente, observando-se o princípio da cooperação para a proteção do patrimônio cultural do Brasil, conclui-se que caberá não só ao Poder Público em geral, incluindo União, Estados e Municípios, mas também à própria comunidade, em colaboração com o Estado, preservar e conservar as cavidades naturais subterrâneas.

Caberá ao Poder Público, portanto, e à União, especificamente, por intermédio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), a fiscalização e controle do uso do patrimônio espeleológico brasileiro, consoante determina o artigo 4° do Decreto acima citado[5].

3. Cavernas: conceito e formação

Para possibilitar sua efetiva proteção e conservação, deve-se, antes de tudo, determinar o que se entende por cavidade natural subterrânea, que é exatamente aquilo a que se refere o parágrafo único do artigo 1° do Decreto n.° 99.556/90, que vem redigido da seguinte forma: “Entende-se como cavidade natural subterrânea todo e qualquer espaço subterrâneo penetrável pelo homem, com ou sem abertura identificada, popularmente conhecido como caverna, incluindo seu ambiente, conteúdo mineral e hídrico, a fauna e a flora ali encontrados e o corpo rochoso onde os mesmos se inserem, desde que a sua formação haja ocorrido por processos naturais, independentemente de suas dimensões ou do tipo de rocha encaixante. Nesta designação estão incluídos todos os termos regionais, tais como gruta, lapa, toca, abismo, furna e buraco”.

As cavernas são, em outras palavras, espaços formados necessariamente por processos naturais, penetráveis pelo homem e com um patrimônio espeleológico determinado, ou seja, um ecossistema próprio.

Conclui-se, então, que somente serão consideradas cavernas aqueles espaços formados em decorrência de fenômenos naturais.

E mais. São as regiões de rochas calcárias que normalmente determinam a formação das cavidades subterrâneas, ou seja, regiões de rochas compostas por carbonato de cálcio que, em contato com o ácido carbônico proveniente das águas com suficiente teor de ácidos, é facilmente dissolvido. Desta forma, a dissolução do calcário faz com que a rocha vá também, aos poucos, se dissolvendo.

Com a dissolução da rocha, abrem-se inúmeras fendas, aberturas estas que vão se ampliando na medida em que a água passa a nelas penetrar, gerando um grande vazio, ou seja, uma cavidade.

Esta cavidade, por sua vez, poderá ou não ser considerada uma caverna, circunstância que dependerá de que a fenda formada alcance profundidade suficiente para permitir a entrada do homem.

4. O patrimônio espeleológico: ecossistema e elementos sócio-econômicos e histórico-culturais

O patrimônio espeleológico vem definido da seguinte forma pelo artigo 5°, inciso I, do Decreto n.° 99.556/90: “O conjunto de elementos bióticos e abióticos, sócio-econômicos e histórico-culturais, subterrâneos ou superficiais, representados pelas cavidades naturais subterrâneas ou a esta associados”.

O patrimônio espeleológico, portanto, é formado por todo o ecossistema dos ambientes cavernícolas, bem como por todos os elementos sócio-econômicos e histórico-culturais, como os fósseis e as pinturas rupestres que podem ser encontradas nesses locais.

a) O ecossistema cavernícola

Em primeiro lugar, cumpre-nos observar que a noção de ecossistema compreende todos os elementos de uma determinada área, incluindo os elementos vivos e os não vivos, como o ar, o solo e a água, bem como todas as interações que ocorrem entre esses elementos.

O ambiente das cavernas é denominado hipógeo ou subterrâneo, qual seja, é aquele ambiente que apresenta como principais características a ausência permanente de luz e a tendência à estabilidade ambiental[6]. Trata-se, portanto, de um ambiente onde a adequação à ausência de luz constitui fator determinante para a sobrevivência de animais e vegetais, o que, de certa forma, impõe severas restrições à vida no interior das cavernas.

Em assim sendo, conclui-se ser impossível a sobrevivência de organismos que dependam da luz para sobreviver neste ambiente, como é o caso dos vegetais fotossintetizantes. Deste modo, uma vez que não há plantas fotossintetizantes, pode-se dizer que os organismos cavernícolas se utilizam de outros meios para a obtenção da energia e matéria orgânica necessárias para o seu desenvolvimento e sobrevivência.

E de fato, nas cavernas, a matéria orgânica é obtida pelos mais diversos modos: em pequena quantidade, são obtidas por meio das bactérias quimiossintetizantes, que se utilizam da energia química de ligação de determinadas moléculas para a produção da matéria orgânica necessária; enquanto os demais métodos de obtenção relacionam-se ao transporte da matéria orgânica de fora para dentro das cavernas, que pode se dar pela água, pelos próprios animais que entram e saem da caverna, ou, até mesmo pelo ar, como ocorre com o pólen.

Do quanto exposto, verifica-se que em decorrência da ausência de luz, outro problema surge para os animais cavernícolas: a escassez de alimentos.

Portanto, a esses animais cabe não somente a busca dos alimentos, que já são escassos, mas também a localização dos mesmos no escuro. Para tanto, eles deverão desenvolver os demais sentidos em detrimento da visão, que não apresenta nenhuma utilidade no interior das cavernas.

Cavernícolas são, assim, os animais que têm nas cavernas pelo menos parte de seu habitat, e nelas se orientam perfeitamente, diferentemente dos demais animais que penetram nas cavernas por acidente[7].

Sendo assim, esses animais dividem-se da seguinte forma: os trogloxenos são aqueles que vivem no interior das cavernas, porém dela saem em determinado período de sua vida, como é o caso dos morcegos que saem das cavernas à procura de alimentos; os troglófilos são aqueles que podem viver tanto dentro como fora do ambiente cavernícola, como ocorre com a maioria dos organismos e, por fim, os troglóbios são aqueles que vivem somente no interior das cavidades subterrâneas, uma vez que em função de suas especializações, como a ausência de olhos, ficam impossibilitados de transitar no ambiente externo.

Tendo em vista a estabilidade do ambiente cavernícola, os troglóbios são aqueles organismos afetados diretamente por qualquer alteração no meio, como na temperatura ou umidade do ar, razão pela qual diz-se que esse ambiente é extremamente frágil, vulnerável e facilmente afetado por fatores externos[8].

b) Elementos sócio-econômicos e histórico-culturais

Analisando-se, ainda, o conceito legal de patrimônio espeleológico, verifica-se que além de todo esse ecossistema, ele também compreende os elementos sócio-econômicos e histórico-culturais encontrados nas cavernas.

Compõem tais elementos todos aqueles vestígios arqueológicos e paleontológicos que se encontram abrigados por milhares de anos no interior das cavidades subterrâneas, além das águas e minerais raros que auxiliam no desenvolvimento social e econômico do país.

É sabido que, em função da composição das rochas que formam as cavernas, esse ambiente subterrâneo conserva, como poucos, as ossadas de animais extintos, bem como polens de antigos vegetais, dando origem aos conhecidos fósseis, objetos de estudo da ciência da paleontologia.

As ossadas dos animais, explicam os estudiosos, teriam entrado nas cavernas das seguintes formas[9]: por meio de predadores que lá se abrigam e se alimentam de sua presa, pela queda de animais, pelos animais que entram para se alimentar e acabam lá morrendo, pelos animais troglóxenos e, por fim, pelo transporte de cadáveres e restos de esqueleto pela água que vem do ambiente externo.

Ademais, são também encontrados inúmeros vestígios de vida humana, como restos de ferramentas, instrumentos, ou cerâmicas utilizados pelo homem pré-histórico, e que integram a denominada ciência da arqueologia.

Por fim, pode-se dizer também que os espeleotemas (depósitos de origem química formados no interior das cavernas), como as estalactites e estalagmites, ao lado de sua estética e beleza diferenciadas, fazem parte do patrimônio espeleológico em função de sua importância para os estudos físicos e químicos, devendo, portanto, ser, da mesma forma, preservados.

5. O turismo: ecoturismo, desenvolvimento sustentável e educação ambiental

A característica mais conhecida das cavernas é o seu potencial turístico, e o turismo, por si só, é importante fonte de desenvolvimento social.

Maior relevância ainda possui o turismo quando analisamos seu papel no Vale do Ribeira, região economicamente desfavorecida em nosso Estado e carente de uma atividade econômica que explore, de maneira sustentável e correta, seu enorme patrimônio ambiental.

As cavernas são, portanto, interessantes locais de visitação, ou seja, lugares propícios para o desenvolvimento do turismo, uma vez que comportam belezas únicas e raras. Entretanto, para que as visitações sejam possíveis, é necessário que se faça um planejamento prévio, bem como devem ser fornecidas todas as informações necessárias aos visitantes, evitando, assim, a ocorrência de um possível impacto ambiental.

Neste sentido, portanto, cabe falar-se em ecoturismo, uma vez que se trata de modalidade do turismo cujos objetivos são a preservação e conservação do patrimônio ecológico, ou seja, a prática turística que tem por finalidade a implementação do uso racional do ambiente visitado, “tendo sempre em vista o conhecimento detalhado das particularidades do quadro natural, e da potencialidade dos recursos naturais, objetivando uma melhor qualidade de vida para a população local”.[10]

Cabe ao ecoturismo, desta forma, o planejamento das visitações e exploração dos ambientes cavernícolas, de forma a buscar sempre o desenvolvimento sustentável local, ou seja, a prática da atividade turística sem que dela resultem drásticas alterações no meio ambiente visitado.

O turismo pode ser responsável pela entrada de inúmeros materiais estranhos ao ambiente das cavernas, o que poderia ocasionar um forte desequilíbrio em seu ecossistema. Além disso, todas as instalações feitas nesses ambientes a fim de proporcionar a visitação, como escadas e iluminação artificial, também influenciam para o desequilíbrio ecológico interno, razão pela qual elas somente poderão ser efetuadas após um estudo prévio do impacto ambiental que poderiam causar.

Além disso, o turismo jamais deve ser dissociado da educação ambiental, posto que esta é a ferramenta fundamental para o manejo de tal atividade, seja no que tange aos turistas em si, pessoas que causam impacto eventual no ambiente visitado, mas também no profissional da área, que de forma constante e regular, interage no meio ambiente objeto da visitação turística. Somente a educação ambiental ensina à população não apenas o verdadeiro valor da atividade turística, como também a maneira adequada (preservacionista) de exercê-la, ou seja, apenas por meio de um processo educativo ambiental é que a população conscientiza-se para o uso sustentável de seus recursos.

Helita Barreira Custódio observa, com propriedade, que “a educação ambiental, inseparável da permanente educação geral e da educação científico ambiental, da educação técnico-ambiental, da educação econômico-ambiental, da educação político-ambiental ou educação jurídico-ambiental em particular, constitui, na verdade, o caminho fundamental, o meio único capaz de conduzir qualquer pessoa ao imprescindível grau de real sensibilidade e de responsável tomada de consciência, aliado ao firme propósito, por meio de efetiva participação, contribuição ou ação no sentido de explorar ou utilizar racionalmente a propriedade (própria ou alheia, pública ou privada), os recursos ambientais (naturais ou culturais) nela integrantes, bem como integrantes do meio ambiente e da Natureza, em permanente defesa e preservação do patrimônio ambiental saudável, com condição essencial à continuidade da vida em geral e à sobrevivência da própria humanidade. Trata-se, evidentemente, de tema de indiscutível relevância e progressiva atualidade, objeto de permanentes preocupações, reflexões, promoções, atuações, uma vez que compreende direitos, deveres e co-responsabilidades de todos, tanto nos âmbitos do Direito Internacional, do Direito Comunitário e do Direito Comparado como no âmbito de nosso Direito Positivo”.[11]

Especificamente no que tange ao patrimônio espeleológico brasileiro, a educação ambiental, juntamente com o ecoturismo, passam a ser responsáveis pela orientação de toda a comunidade, no sentido de possibilitarem a valorização deste acervo natural, possibilitando, da mesma forma, o desenvolvimento das condições sócio-econômicas do país, por meio da utilização sustentável dos recursos naturais que as cavernas oferecem.

A população, deste modo, tem o direito de saber da existência do patrimônio ecológico de seu país, pois só assim estará apta a conservá-lo, e, sabendo conservá-lo, saberá bem utilizá-lo, de forma sustentável e compatível com o imperativo da preservação ambiental.

6. A importância do patrimônio espeleológico e os meios de sua preservação

Conforme se observou, o patrimônio espeleológico é repleto de riquezas raras e específicas de cada local, recursos estes que não podem ser simplesmente destruídas pela ação do homem, no mais das vezes em busca apenas de sua satisfação pessoal e, por que não ponderar, egoística. Ao revés, verifica-se claramente que o acervo espeleológico necessita de ampla proteção, a fim de se evitar a degradação e destruição das cavernas brasileiras.

É certo que o patrimônio espeleológico contribui, e muito, para o desenvolvimento social e econômico do país, seja em função da variedade de minérios que podem ser encontrados, bem como em função do calcário que é utilizado na fabricação do cimento, ou até mesmo em função das águas subterrâneas que servem para o abastecimento das populações locais.

Deste modo, esses recursos naturais fornecidos pelos ambientes das cavernas não podem ser ignorados, posto que de extrema importância para o desenvolvimento do país. Entretanto, eles apenas poderão ser utilizados de forma sustentável, ou seja, de forma a mantê-los em quantidade suficiente para não afetar negativamente o ecossistema lá desenvolvido.

Não se pode olvidar que as cavernas, apesar das inúmeras utilidades que proporcionam, constituem patrimônio cultural do país e, como bens ambientais que são, devem ser sempre conservadas e preservadas, respeitando-se, como já dito, o seu uso sustentável.

Os ambientes cavernícolas são estratégicos reservatórios de águas, que podem servir para o abastecimento de aqüíferos, ou para a análise do comportamento hídrico local, desde que, para tanto, não haja o risco da ocorrência de um desequilíbrio ecológico, em função da diminuição de um dos principais elementos que compõem o ecossistema das cavidades subterrâneas.

Da mesma forma, o desmatamento dos arredores das cavernas, a contaminação das águas subterrâneas e a construção de barragens devem ser evitados, uma vez que teriam como resultado a descaracterização desses ambientes, ou até mesmo a sua destruição, se dessas barragens resultar a inundação do local.

Não se pode esquecer, também, que as cavernas compreendem, como já observado anteriormente, verdadeiros sítios arqueológicos e paleontológicos, uma vez que conservam inúmeras formas de vidas antigas, possibilitando, assim, o desenvolvimento das ciências da arqueologia e paleontologia.

A propósito de tais ciências, cumpre esclarecer que a arqueologia volta-se para o estudo da vida e cultura dos povos antigos, por meio da análise dos objetos encontrados nas escavações, e a paleontologia preocupa-se com o estudo de fósseis de animais já extintos ou de vegetais antigos. Ambas são umbilicalmente ligadas à espeleologia, pois o material de estudo e pesquisa existente no âmago das cavernas, além de raro e riquíssimo, está ainda por ser descoberto e explorado.

Por fim, há que se observar que as cavernas abrigam um número indeterminado de animais que delas dependem para sobreviver, posto que são facilmente afetados por qualquer alteração do ambiente interno, bem como várias espécies vegetais que são especialmente desenvolvidas para a vida em ambientes subterrâneos. Trata-se, portanto, da proteção da fauna e da flora que compõem o ecossistema cavernícola, de forma a conservar todo o equilíbrio indispensável para a manutenção das características próprias daquele ambiente.

O ambiente cavernícola é fundamental para a compreensão da adaptação dos seres vivos ao longo da história, para o entendimento do caminho das águas e para a datação do passado geológico.

Sendo assim, inúmeras razões podem ser utilizadas para justificar a utilização das cavernas de forma adequada a proteger o frágil ecossistema que elas compreendem, sem que em virtude dessa proteção reste prejudicado o crescimento social e econômico delas proveniente[12].

7. As cavernas do Estado de São Paulo: O Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira

O Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR) é composto por importantes Unidades de Conservação, seja em virtude de sua cobertura vegetal excepcional (mata atlântica e espécies sensíveis de nossa biota) ou da fauna ali existente, mas principalmente em razão de seu grandioso patrimônio espeleológico. No PETAR encontramos as maiores cavernas do Estado, com rara diversidade ecológica, arqueológica e paleontológica.

Localizado ao sul do Estado de São Paulo e abrangendo principalmente os municípios de Iporanga e Apiaí, o parque foi criado em 1958, e destaca-se tanto pelo alto grau de preservação de suas matas como por sua grande diversidade ecológica, uma vez que representa aproximadamente 21% dos remanescentes de mata atlântica do país[13].

Comportando mais de 250 cavernas, a região é uma das principais Províncias Espeleológicas[14] do país, abrigando grandes cavernas de importância mundial.

Seus terrenos cársticos[15] e o clima úmido e quente possibilitaram que, ao longo de milhares de anos, a ação da chuva originasse as inúmeras cavernas que se encontram na região, integrantes de um vasto e exuberante patrimônio espeleológico.

A exploração e o mapeamento das cavernas situadas na região foi iniciada pelos grupos da Sociedade Brasileira de Espeleologia e pelo Instituto Geográfico e Geológico da Universidade de São Paulo. Graças a este mapeamento, hoje em dia a exploração turística das cavernas constitui uma das principais fontes de renda para a comunidade local.

Neste sentido, a região do Vale do Ribeira vem se tornando um atrativo turístico cada vez mais procurado, razão pela qual determinados cuidados devem ser observados, no sentido de que deve haver na região, como em todo e qualquer patrimônio ambiental do país e do mundo, um turismo muito bem planejado e organizado, que possibilite a exploração e visitação de forma a preservar e conservar as especificidades locais.

Toda a potencialidade científica e ambiental destas cavidades naturais ainda está por ser descoberta, eis que o Poder Público jamais destinou recursos humanos ou financeiros suficientes para o estudo, com método e seriedade, deste patrimônio espeleológico. Ao revés, é vergonhoso o descaso para com tal patrimônio, renegado a último plano nas políticas preservacionistas ambientais, como se de patrimônio ambiental não se tratasse.

Tamanho é o descaso para com a importância ecológica local, que atualmente tramita um projeto, já aprovado pelo Poder Público, autorizando a construção de quatro barragens ao longo do rio Ribeira de Iguape, cuja finalidade declarada é a de geração de energia para a indústria. Todavia, tais barragens, se construídas, inundarão cerca de 11 mil hectares, incluindo as cavernas que ali se encontram, as quais seriam completamente destruídas em virtude do alagamento e descaracterização de seus ecossistemas[16].

Conclui-se, portanto, que a autorização para a construção destas barragens, da forma como colocada, afronta o princípio da utilização sustentável dos recursos naturais, comprometendo, talvez de modo irreversível, o maior patrimônio espeleológico de nosso Estado, resultariam no total desequilíbrio e destruição desse vasto acervo natural.

Deste modo, com a suposta finalidade de promover o desenvolvimento sócio-econômico da região, o projeto de construção das barragens traria inúmeros prejuízos, os quais poderiam ser plenamente evitados, caso se resolvesse por investir em outras áreas também capazes de promover o desenvolvimento local, como o ecoturismo, que prima pela utilização sustentável dos recursos naturais ao mesmo tempo em que constitui uma das principais fontes de renda para a população regional.

Conclusões

1. A espeleologia (do grego spelaion: cavernas, e logos: estudo), ciência voltada ao estudo, pesquisa, observação e exploração das cavernas, trabalha em conjunto com a paleontologia, a arqueologia e a biologia, pois os ambientes cavernícolas abrigam raríssimos sítios arqueológicos, elementos reveladores das primeiras ocupações humanas, pinturas rupestres, fósseis mineralizados, ecossistema próprio, minérios especiais e reservatórios de água doce, além de propiciar a compreensão da adaptação dos seres vivos ao longo da história natural, o caminho das águas e a datação do passado geológico.

2. O Brasil possui 4.245 cavidades naturais inscritas junto ao Cadastro Nacional de Cavernas do Brasil, sendo que quase 400 delas são situadas no Estado de São Paulo, dentre as quais a maior parte localiza-se no Vale do Ribeira.

3. Segundo o artigo 5° do Decreto n° 99.556/90, o patrimônio espeleológico compreende o conjunto de elementos bióticos e abióticos, sócio-econômicos e histórico-culturais, subterrâneos ou superficiais, representados pelas cavidades naturais, e, nos termos do artigo 216, V, da Constituição Federal, constitui patrimônio cultural brasileiro.

4. Tanto a fauna como a flora cavernícolas têm por habitat o frágil ambiente das cavernas, sendo a maioria das espécies exclusivas daquele ambiente hipógeo, fora dos quais não sobreviveriam. Vestígios arqueológicos, como restos de ferramentas e cerâmicas das civilizações pré-históricas, sítios paleontógicos intactos, onde ossadas e fósseis de animais são conservados pelo ambiente calcário, águas mineralizadas, minerais raros e formações minerais únicas, como os espeleotemas, importantíssimos para os estudos físico-químicos, integram as cavidades naturais e constituem o que denominamos acervo cavernícola.

5. As cavernas possuem natural aptidão para o turismo, seja pela beleza de seus pórticos, rios e lagos subterrâneos de águas cristalinas, como pela formação poética de seus espeleotemas. Tal inclinação natural deve ser incentivada como meio para o desenvolvimento sócio-econômico regional. Todavia, cumpre-nos associar, ao que conhecemos por ecoturismo, a educação ambiental e a sustentabilidade da exploração desta atividade econômica, a fim de evitar o impacto ambiental no frágil ambiente cavernícola, especialmente ao que se refere ao fluxo de visitantes.

6. Os ambientes cavernícolas são estratégicos reservatórios de água, que podem servir para o abastecimento de aqüíferos ou para a análise do comportamento geo-hídrico local, desde que respeitado o equilíbrio ecológico e observada sua sustentabilidade.

7. Ao lado da cobertura vegetal remanescente da Mata Atlântica, o Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira (PETAR) encontra nas cavernas sua maior riqueza ambiental, pois somente em dos municípios que o integram (Iporanga/SP) situam-se mais de 270 cavidades naturais. Um projeto para a construção de barragens no Rio Ribeira de Iguape constitui gravíssima ameaça para todo este patrimônio espeleológico, na medida em que, inundando larga porção do Parque, destruirá de forma irreversível este acervo cavernístico.

8. Toda a potencialidade científica e ambiental das cavidades naturais brasileiras ainda está por ser descoberta, inexplorada que se encontra pela ausência de investimentos em recursos humanos e financeiros por parte do Poder Público. É vergonhoso o descaso para com o nosso patrimônio espeleológico, renegado a último plano nas políticas preservacionistas ambientais, como se de patrimônio cultural e ambiental não se tratasse. Urge reverter este quadro, valorizando e preservando o patrimônio espeleológico nacional.

Amaitê Iara Giriboni de Mello

Marina França Faria

9. Bibliografia

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Saraiva, 2004.
CUSTÓDIO, Helita Barreira. Direito à Educação Ambiental e à Conscientização Pública. In Revista de Direito Ambiental, número 18, ano 05 – abril/junho de 2000. Coordenação:
BENJAMIN, Antonio Herman V. e MILARÉ, Edis. São Paulo, Revista dos Tribunais, 2000.
MACHADO, Paulo Affonso Leme. Direito Ambiental Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 1996.
MARRA, Ricardo J.C. Espeleo Turismo. Planejamento e manejo de cavernas. Brasília: Ambiental, 2001.
AULER, Augusto. Histórico da Espeleologia Brasileira – o Brasil Colonial e a época do naturalista. www.redespeleo.org.br.
AULER, Augusto; BEETHOVEN, Luís. Idade e Mecanismos de deposição de fósseis em cavernas brasileiras. www.redespeleo.org.br.
ANDRADE, Renata de. Conservação do ecossistema cavernícola. www.redespeleo.org.br.
ANSON, Carolina. Cavernas – Natureza jurídica e o Princípio do Acesso Eqüitativo aos Recursos Naturais. www.redespeleo.org.br.
BARBOSA, Elvis. A arqueologia. www.redespeleo.org.br.
TRAJANO, Eleonora. Biologia Subterrânea – Geral. www.redespeleo.org.br.
MARRA, Ricardo J.C. Cavernas Brasileiras – Patrimônio Nacional. www.vivabrazil.com/cavernas.htm.
SIMÕES, Washington. Espeleologia e Paleontologia. www.sbe.com.br.
SIMÕES, Washington. Arqueologia e Espeleologia. www.sbe.com.br

Endereços eletrônicos: www.sbe.com.br
www.igeologico.sp.gov.br
www.geocities.com/yosemitetrails/7630/port.htm
www.ibama.gov.br
www.unb.br/ig/sigesp/sitio043.htm
www.bambui.org.br/espeleo
www.espeleogrupodebrasilia.org.br
www.socioambiental.org.
www.espeleopaty.vilabol.uol.com.br
www.upecave.com.br.

Citações

[1] Ricardo J.C. MARRA, Espeleo Turismo. Planejamento e manejo de Cavernas, P. 71.
[2] De acordo com informações fornecidas pela Sociedade Brasileira de Espeleologia, no seguinte endereço eletrônico: http://www.sbe.com.br/cavernas_maiores.asp. Página acessada em 14.06.06.
[3] Celso Antonio PACHECO FIORILLO, Curso de Direito Ambiental Brasileiro, 5ª edição, p. 54-56.
[4] Curso de Direito Ambiental Brasileiro, 5ª edição, p. 211.
[5] Paulo Affonso LEME MACHADO, Direito Ambiental Brasileiro, 6ª edição, p. 505-506.
[6] Eleonora TRAJANO, “Biologia Subterrânea Geral”, disponível no endereço eletrônico: http://www.redespeleo.org.br. Página acessada em 08.06.06.
[7] Idem, ibiden..
[8] Renata ANDRADE, “Conservação do ecossistema cavernícola”, disponível no endereço eletrônico: http://www.redespeleo.org.br. Página acessada em 10.06.06.
[9] Augusto AULER e Luis Beethoven PILÓ, “Idade e mecanismos de deposição de fósseis em cavernas brasileiras”, disponível no mesmo endereço eletrônico acima citado, acessado em 20.08.06.
[10] Ricardo J.C. MARRA, Espeleo Turismo. Planejamento e manejo de Cavernas, p. 70.
[11] Helita Barreira CUSTÓDIO, Direito à Educação Ambiental e à Conscientização Pública. In Revista de Direito Ambiental, número 18 (abril-junho 2000), p. 49.
[12] Ricardo J.C. MARRA, Espeleo Turismo. Planejamento e manejo de cavernas, pp. 45-49.
[13] Informação obtida no seguinte endereço eletrônico: http://www.socioambiental.org/inst/camp/Ribeira/vale. Página acessada em 08.06.06.
[14] De acordo com Ricardo J.C. Marra (op. Cit.), “Província Espeleológica refere-se a uma região pertencente a uma mesma formação geológica onde ocorrem grandes corpos de rochas carbonáticas suscetíveis às ações cársticas, ocasionando a presença de agrupamento de cavernas. Dentro das províncias são identificados Distritos Espeleológicos, onde setores de maior incidência local ou regional de cavernas são reconhecidos”.
[15] Terrenos cársticos são os terrenos formados por rochas calcárias e, portanto, facilmente solúveis em chuva ácida, cuja superfície constitui, principalmente, as cavidades naturais subterrâneas, ou seja, as cavernas.
[16] Informação obtida no endereço eletrônico: http://www.socioambiental.org/inst/camp/Ribeira/index_html. Página acessada em 01.09.06.

Fonte: www.mp.sp.gov.br

Espeleologia

Espeleologia é o estudo das cavidades naturais subterrâneas, sendo limitado o seu uso apenas ao estudo de ordem técnico-científica, atividades de cunho espeleológico, étnico-cultural, turístico, recreativo e educativo. Tem como princípios a procura, exploração, observação e interpretação das cavernas

Cabe ao IBAMA, por meio da DIREC- Diretoria de Ecossistemas- o cumprimento da legislação ambiental brasileira concernente à proteção do patrimônio espeleológico. Ademais, o IBAMA, como órgão federal responsável pela preservação, conservação, fiscalização e controle do patrimônio espeleológico brasileiro, deverá estabelecer os procedimentos de licenciamento para as atividades de pesquisa.

A Sociedade Brasileira de Espeleologia-SBE vem desenvolvendo uma parceria com o IBAMA, sendo fundamental na colaboração à conservação das cavernas.

Outra contribuição ao patrimônio espeleológico brasileiro foi a aprovação do Programa Nacional de Proteção ao Patrimônio Espeleológico, pelo CONAMA, consolidando estratégias de gestão ambiental em Unidades de Conservação (relacionadas a seguir) com a finalidade a proteção do ecossistema espeleológico.

Área de Proteção Ambiental Carste de Lagoa Santa;

Área de Proteção Ambiental Morro da Pedreira;

Área de Proteção Ambiental Cavernas do Peruaçu;

Parque Nacional Chapada Diamantina;

Parque Nacional e Ubajara.

Fonte: www.aultimaarcadenoe.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Espaço Geográfico

Espaço Geográfico

PUBLICIDADE O que é espaço geográfico? Quando se pergunta a alguém o que é Geografia …

Guerra Fiscal

Guerra Fiscal

PUBLICIDADE O que é a guerra fiscal? A influência do sistema capitalista vai além das …

Imigração Venezuelana para o Brasil

Imigração Venezuelana para o Brasil

PUBLICIDADE A imigração é um fenômeno complexo, não pode ser analisado por apenas um ponto …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+