Breaking News
Home / Geografia / Arqueologia marinha

Arqueologia marinha

PUBLICIDADE

Definição

arqueologia marítima, subaquática, é uma subdisciplina do campo geral da arqueologia.

Arqueologia é o ramo de estudo que trata da escavação de coisas e itens importantes que aconteceram séculos atrás.

A arqueologia marinha, como o nome sugere, lida com a escavação de coisas nas partes mais profundas dos oceanos e mares.

A arqueologia marinha é um assunto muito vasto, pois envolve lidar com os aspectos mais amplos dos oceanos e mares.

Também como a preservação das coisas que estão no fundo do oceano também é igualmente importante, torna-se relevante observar que a responsabilidade de um arqueólogo marinho se torna ainda mais difícil.

A arqueologia marítima, subaquática, é o ramo da arqueologia que lida com a recuperação de objetos antigos encontrados no fundo do mar, como naufrágios ou restos de ilhas submersas e com as técnicas de exploração, escavação e recuperação subaquática.

O que é arqueologia marinha?

A arqueologia marinha, também conhecida como subaquática, é o estudo de artefatos e paisagens subaquáticas.

Muitas vezes, isso significa estudar naufrágios, embora outras características arqueológicas submarinas interessantes também tenham sido reveladas, como os restos de acampamentos pré-históricos no Mar do Norte ou restos deixados quando um terremoto liquefaz a terra sob uma cidade portuária, como Port Royal em Antilhas.

Normalmente, os artefatos subaquáticos decaem rapidamente, mas, em alguns casos, apenas um em várias centenas, a preservação é notável e os artefatos que teriam se deteriorado ou saqueado há muito tempo se ainda permanecer em terra. Um exemplo famoso é o naufrágio do Mary Rose, um navio de guerra da era Tudor que afundou em uma batalha com os franceses em 1545.

Algumas das evidências arqueológicas mais fascinantes do mundo antigo vêm de naufrágios muito antigos com materiais preservados.

Os naufrágios mais antigos a serem investigados no campo da arqueologia marinha são da Idade do Bronze, com alguns navios e canoas que datam de 1400 aC ou anteriores.

Um dos mais famosos é o Naufrágio Uluburun, um naufrágio bem preservado na costa sul da Turquia com uma carga extensa. A carga incluía marfim de elefante, marfim de hipopótamo, lingotes de cobre, lingotes de estanho, vidro não trabalhado, ébano egípcio, ouro, ovos de avestruz, resina terebinth, vasos de marfim, um cálice de ouro, vários jarros, lâmpadas e vasos, uma espada italiana, lanças européias, um machado cerimonial de pedra e muito mais. Achados tão grandes de material intacto são muito raros na arqueologia acima da superfície, sendo a descoberta dos túmulos dos faraós um dos primeiros e únicos exemplos.

A próxima classe principal de naufrágios impressionantes em arqueologia marinha são os do final da Idade do Bronze e do início da Idade do Ferro da Grécia e Roma.

As enormes barcaças de prazer do imperador romano Calígula foram descobertas no lago Nemi, na Itália, onde a água doce se presta a uma melhor preservação da madeira e dos artefatos. Uma dessas barcaças (fragmentárias) tinha 104 m (341 pés) de comprimento, o terceiro maior navio de madeira já construído, com um navio maior não sendo construído até cerca de 1.800 anos depois. Chamado “Navio Gigante de Calígula”, tinha seis decks de altura e podia acomodar mais de 1.000 pessoas.

O Navio Gigante de Calígula chegou a simbolizar o hedonismo e o egoísmo de Calígula e de outros imperadores romanos, como Nero.

Uma associação frequente e altamente especulativa da arqueologia marinha na mente do público é a possível descoberta da Atlântida.

Embora Atlantis fosse claramente um artifício literário inventado por Platão para descrever sua sociedade ideal, por milhares de anos muitas pessoas foram enganadas ao pensar que ela realmente existia, o que levou a extensas investigações subaquáticas. Algumas dessas investigações revelaram alguns artefatos interessantes, mas em todos os casos eles foram associados a culturas conhecidas do mundo antigo, nunca uma cultura totalmente nova e desconhecida.

Resumo

A arqueologia marítima é o estudo da história e dos restos materiais das pessoas e suas atividades em, debaixo, perto ou associadas ao mar. Isso inclui naufrágios, assentamentos submersos e edifícios nas áreas costeiras e arredores.

Embora grande parte dessa história seja subaquática e não seja facilmente acessível ao público, nossa riqueza de restos arqueológicos desempenha um papel fundamental na sustentação do patrimônio cultural marítimo e naval do mundo.

Exemplos disso são duas famosas descobertas de naufrágios por arqueólogos marítimos: o Mary Rose e o HMS Invincible.

Essas duas descobertas abriram uma nova era na pesquisa marinha e destacaram as habilidades dos arqueólogos marítimos. Hoje eles são bem pesquisados e suas histórias muito compartilhadas nos museus e na educação.

Ao contrário desses exemplos famosos, no entanto, muitos outros locais de importância arqueológica estão cada vez mais em risco de destruição devido à erosão, atividade comercial ou exploração.

O que é um arqueólogo?

Um arqueólogo é uma pessoa que descobre, coleta e analisa os restos materiais de sociedades e culturas anteriores. Ele estuda artefatos, como ferramentas, armas e domicílios antigos, para aprender sobre como as pessoas viviam no passado. Um arqueólogo estuda textos modernos e históricos, emprega técnicas de campo específicas, usa equipamentos avançados de laboratório e escreve relatórios detalhados. Além disso, muitos arqueólogos optam por ensinar nas universidades ou tornar-se curadores de museus, a fim de compartilhar princípios arqueológicos com um amplo público.

Escavação e exame

Os arqueólogos encontram e escavam locais históricos, tomando extensas medidas para coletar e transportar artefatos com cuidado para um laboratório. Enquanto escavam locais, os arqueólogos usam ferramentas como pás, espátulas, escovas e peneiras. Em um laboratório, um arqueólogo usa equipamentos especializados, como microscópios e máquinas de raios-X, para examinar os materiais que foram coletados. Ele ou ela pode gastar vários milhares de horas analisando peças de artefatos para determinar quando, como e por que elas foram usadas.

Escrevendo Relatórios

Depois que o trabalho de campo e o laboratório são concluídos, os arqueólogos traduzem seus dados e teorias em relatórios cuidadosamente escritos. Em seguida, eles enviam seus artigos para publicações científicas para revisão, para determinar se são dignos de publicação em uma revista ou livro científico respeitado.

Paciência e atenção aos detalhes são características importantes de um arqueólogo, porque pode ser necessário que ele gaste anos coletando amostras e organizando dados para compor um único relatório.

Tipos de emprego

Muitos arqueólogos trabalham para agências governamentais. Um arqueólogo que trabalha para um governo normalmente se concentra na proteção e promoção de sítios arqueológicos significativos.

Ele ou ela se engaja na gestão de recursos culturais, que envolve a supervisão de projetos de construção e desenvolvimento da terra para garantir que os sítios arqueológicos não sejam prejudicados.

Os arqueólogos que trabalham no setor privado são comumente empregados por empresas de engenharia, centros de pesquisa, laboratórios privados ou museus.

Esses profissionais geralmente se envolvem em extenso trabalho de campo e trabalho de laboratório, além de projetos de gerenciamento de recursos culturais.

Os arqueólogos de museus podem atuar como curadores ou mesmo como guias turísticos, explicando o significado de certos artefatos para o público em geral.

Requisitos de Educação

Para se tornar um arqueólogo, uma pessoa normalmente deve obter um mestrado ou doutorado em arqueologia de uma universidade credenciada. Os estudantes de arqueologia costumam fazer cursos de história, geologia, geografia e antropologia enquanto cursam a graduação e se concentram na história antiga e em cursos específicos de arqueologia enquanto cursam a pós-graduação.

Um mestrado normalmente é suficiente para encontrar trabalho com o governo ou o setor privado, e geralmente é necessário um doutorado para ingressar em uma faculdade, trabalhar como curador de museu ou supervisionar grandes projetos arqueológicos de campo.

O que os arqueólogos fazem?

O campo da arqueologia é um campo científico que estuda principalmente as culturas pré-históricas para dar às pessoas modernas informações sobre como seus ancestrais viveram e interagiram no passado distante.

Este campo pertence à ciência mais ampla da antropologia.

Os arqueólogos passam bastante tempo escavando e analisando materiais encontrados no subsolo em escavações.

As escavações são encontradas em todo o mundo, e o trabalho realizado lá pode ser demorado e trabalhoso. Quando os arqueólogos fazem descobertas sobre culturas antigas, no entanto, pode ser muito emocionante.

Novas “descobertas” aumentam o conhecimento que os pesquisadores têm sobre o modo como as pessoas viviam no passado.

Arqueólogos não são o tipo romântico de Indiana Jones, na maioria das vezes. Eles também não são paleontologistas que desenterram dinossauros.

Os únicos animais enterrados que considerariam pertinentes ao estudo são animais domesticados ou animais que faziam parte da fonte de alimentos de uma cultura antiga.

O trabalho realizado em um local de escavação pode, às vezes, ser extremamente lento. Os solos precisam ser analisados uma pequena quantidade de cada vez para encontrar restos de uma cultura mais antiga, e geralmente são filtrados para ver se aparecem metade de uma ferramenta antiga ou um fragmento de osso. Essas descobertas são então datadas de carbono para determinar sua idade. Freqüentemente, as escavações são iniciadas quando um pequeno artefato é encontrado, sugerindo que pode haver artefatos adicionais em uma área específica.

Nas escavações, os arqueólogos costumam escavar o material em quadrados de 3 por 3 metros. A escavação deve ser feita com cuidado para não destruir estruturas enterradas ou artefatos menores.

Os primeiros pesquisadores tinham o infeliz hábito de destruir completamente tudo o que escavavam, sobredigitando um site. Portanto, agora, quem procura em um site faz isso com muita cautela.

À medida que as descobertas são feitas, os arqueólogos catalogam todas as descobertas e, posteriormente, podem fazer relatórios sobre suas descobertas.

Eles podem trabalhar em conjunto com antropólogos sociais ou culturais para fazer suposições sobre como uma sociedade mais velha usava ferramentas ou que tipo de deuses a sociedade adorava.

Esses especialistas também podem relatar o status avançado de uma cultura avaliando certas descobertas que sugerem pensamento complexo ou desenvolvimento cultural.

Arqueologia pode ser um trabalho bastante sujo e difícil. Envolve muita escavação e observação minuciosa dos solos. Muitas escavações estão em locais implacavelmente quentes, sem acesso a chuveiros ou até banheiros. A maioria das pessoas que trabalha no campo, no entanto, fica fascinada com os resultados das escavações para se preocupar com essas privações.

A maioria dos arqueólogos trabalha com universidades ou museus, e parte de seu trabalho é obter financiamento para escavações.

Eles também podem empregar estudantes em escavações para obter assistência extra no trabalho. Os estudantes geralmente trabalham sem remuneração, mas apreciam o treinamento que recebem no campo escolhido.

Um olhar interessante sobre o campo da arqueologia é o romance de ficção de James Michener, The Source (A fonte), que avalia um local de escavação no estado em desenvolvimento de Israel.

É particularmente fascinante a maneira como se volta no tempo para contar a história de como judeus antigos e povos anteriores funcionavam nas áreas culturalmente ricas que agora compõem o estado de Israel.

Embora algumas das táticas de escavação estejam obsoletas, o romance ainda soa verdadeiro em sua essência desse campo, pois a história dessas pessoas é reconstruída ficcionalmente para fornecer aos leitores informações sobre seus antecessores.

Quais são os diferentes tipos de arqueologia?

Arqueologia é uma disciplina científica que analisa restos humanos e artefatos para aprender sobre o passado.

Todos os tipos de arqueologia são baseados no estudo da cultura material, que inclui a maioria dos objetos físicos usados pelos seres humanos.

Embora cada um dos tipos individuais de arqueologia tenha os mesmos objetivos, algumas especialidades têm desafios únicos.

A arqueologia subaquática lida com naufrágios ou ruínas submersas no fundo do mar. A etnoarqueologia combina o exame de artefatos históricos com o estudo das culturas atualmente vivas, enquanto a arqueologia aérea usa imagens de satélites e aeronaves para obter uma nova perspectiva em uma área histórica.

A arqueologia subaquática ou marinha geralmente requer equipamentos e conhecimentos especiais. Esse é um dos tipos de arqueologia que lidam com navios ou locais arquitetônicos antigos inacessíveis da terra.

Muitos naufrágios contêm informações importantes sobre o comércio ou a história militar de uma cultura. Em alguns casos, a água fria pode ajudar a preservar artefatos e fornecer uma perspectiva única do passado.

Os arqueólogos marinhos costumam usar equipamentos de mergulho, câmeras à prova d’água ou até robôs subaquáticos para pesquisar um local submerso.

A maioria dos tipos de arqueologia se concentra principalmente no passado. A etno-arqueologia adota uma abordagem um pouco diferente e busca estudar grupos vivos para obter uma visão histórica.

Com esse método, os cientistas normalmente passam tempo com os descendentes diretos de um grupo antigo e usam suas observações para melhorar o registro arqueológico.

Um exemplo de etnoarqueologia pode ser um cientista que vive com uma tribo primitiva na África e compara seu método de construção de lanças com descobertas arqueológicas de ferramentas antigas similares.

Os avanços tecnológicos, como aeronaves e satélites, levaram a novos tipos de arqueologia. Ao estudar um local de cima, os cientistas podem visualizar um local no contexto da paisagem circundante.

Isso ajuda os especialistas a visualizar o relacionamento entre a terra e uma estrutura feita pelo homem. A arqueologia aérea também pode revelar detalhes ou características que eram anteriormente invisíveis.

As sombras criadas pelas variações de terra podem fornecer pistas para artefatos enterrados.

Em alguns casos, a arqueologia aérea é a única maneira de visualizar corretamente um local. Geoglifos antigos no deserto de Nazca, no Peru, por exemplo, são quase invisíveis do chão.

Uma perspectiva panorâmica revela formas e desenhos desconhecidos para os observadores antes dos anos 30.

No século 21, a disponibilidade de satélites avançados de imagem permitiu que os arqueólogos estudassem muitas formações detalhadamente.

Alguns arqueólogos usam imagens de satélite em infravermelho para detectar objetos escondidos e descobrir locais interessantes que antes eram obscurecidos.

 

Fonte: oceantoday.noaa.gov/ocean.si.edu/www.marineinsight.com/www.dictionary.com/www.maritimearchaeologytrust.org/www.wisegeek.org/www.aima-underwater.org.au/www.unesco.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Batimetria

PUBLICIDADE A batimetria é a medida da profundidade da água em oceanos, rios ou lagos. Os mapas batimétricos são …

Geologia Histórica

Geologia Histórica

PUBLICIDADE Definição A Geologia Histórica é um ramo da geologia que lida com a cronologia dos eventos …

Período Quaternário

PUBLICIDADE Definição O período quaternário segue o período terciário do tempo geológico. Quaternário, na história geológica da …