Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Geografia / Geografia Urbana

Geografia Urbana

PUBLICIDADE

A Geografia urbana tem como objeto de estudo principal as cidades e o seus processos de produção urbana. Isto é: como a cidade se reproduz, como as pessoas se aglomeram sob determinadas lógicas sociais, produzindo assim tecidos urbanos.

A sucessão dos tempos faz com que diversas lógicas sobrepostas estejam presentes em um mesmo espaço. Há lógicas dominantes, mas estas possuem uma historicidade, intensidade e duração. Cada nova lógica encontrará a resistências de todas as outras anteriores que ainda conseguirem deixar rastros físicos.

“A cidade é uma sucessão de tempos desiguais.” (mais ou menos isso), dita por Milton Santos. É esta sucessão de tempos de siguais que permite falar em diferentes fases de crescimento urbano. Fases estas que acompanham a evolução da economia do respectivo país em que se encontram, modando desta forma a sua rede urbana consoante o grau de desenvolvimento atingido.

Fonte: pt.wikipedia.org

Geografia Urbana

Coerente com essa premissa, é muito importante que o processo de ensino-aprendizagem seja focado em conteúdos e estratégias que realcem a vinculação entre o conhecimento e o mundo real, de modo a que se alcance uma aprendizagem significativa de conteúdos relevantes para o aluno.

Esclareça-se, desde já, que não se trata aqui de propor uma educação utilitária, submissa aos interesses do mercado de trabalho. O intento é advogar um processo de aprendizagem que, rico de significados e capaz de dar inteligibilidade ao mundo do qual faz parte o aluno, lhe seja mais prazeroso e atraente.

O espaço urbano, o espaço do vivido

Partindo dos princípios referidos acima, entendemos ser coerente defender a pertinência da temática urbana como relevante no bojo de qualquer proposta pedagógica, em especial, de ensino de geografia. Primeiramente porque, se pretendemos uma educação que habilite o aluno a aumentar o seu grau de consciência e poder de interferência sobre a sua realidade, o fenômeno urbano se impõe pelo seu caráter universal no mundo contemporâneo. A esse respeito, duas observações são importantes para enquadrar adequadamente o que foi afirmado.

Quando falamos em universalidade do fenômeno urbano não estamos apenas nos referindo aos percentuais da população que vive em aglomerados considerados como urbanos no mundo de hoje. De fato, em que pesem os problemas ligados às metodologias de definição de aglomerados urbanos e não-urbanos, pouco mais de 50% da população do planeta é considerada urbana hoje, segundo a ONU. No Brasil, segundo o Censo 2000 do IBGE, a taxa é de 81,2%[2].

Contudo, a idéia do urbano como universal vai além dessa questão quantitativa. Mesmo aqueles que vivem nas áreas rurais são alcançados pelo fenômeno urbano em seu cotidiano. A tradicional separação entre campo e cidade, vistos como dois mundos distintos, há muito deixou de fazer sentido, inclusive no Brasil. Ainda que continue existindo uma divisão territorial do trabalho entre campo e cidade, esta assumiu claramente o comando desse processo.

Hoje o morador do campo não apenas consome, ou aspira consumir, os produtos e serviços das atividades urbanas como até mesmo os valores e modos de viver da cidade estão cada vez mais presentes no campo, graças principalmente ao desenvolvimento das redes de comunicação e de transporte. Essa realidade se aplica à maior parte da população do Brasil, ou seja, aquela situada no Centro-Sul do país e em algumas parcelas do Norte e Nordeste. Um pequeno exemplo dessa interconexão é a cena, já banalizada, dos casebres em plena zona rural com suas parabólicas “espetadas” no teto.

Não é por acaso que a maioria dos cientistas sociais pensa como o economista Paul Singer, que, já na década de 70, afirmava que:

“(…) hoje já é legítimo se colocar a dúvida quanto à validade da distinção entre campo e cidade. Não é difícil prever uma situação em que a maioria da população “rural”, no sentido ecológico, se dedique a funções urbanas e que a prática da agricultura – mecanizada, automatizada, computadorizada – em nada se distinga das demais atividades urbanas”. (SINGER, 1995:27)

Se tudo isso fosse pouco para mostrar o quão urbano é o mundo atual, eis que temos também aqui no Brasil (seguindo a tendência de outras áreas do mundo) o avanço das atividades não-rurais no campo, diminuindo ainda mais a distância entre aqueles espaços.

Segundo dados da OCDE, em 1996, 36% dos americanos moravam na zona rural e apenas 7% dos domicílios do país viviam da atividade agrícola. No caso do Brasil, segundo dados citados no estudo “O Brasil rural precisa de uma estratégia de desenvolvimento”, coordenado por José Eli da Veiga, 22% da renda das famílias rurais nordestinas vem de outras atividades que não a agropecuária. No Sudeste, as atividades externas à agropecuária já perfazem 28,9% da renda rural.

Por tudo isso, entendemos que tratar da temática urbana em sala de aula é abordar um tema que está profundamente associado à realidade cotidiana dos alunos, seja como espaço vivido, seja por estar envolvido no espaço de relações definido a partir das cidades, fazendo com que, em qualquer caso, o espaço urbano seja uma referência fundamental para situar o indivíduo no mundo.

A cidade como interface privilegiada entre o global e o local

Um outro aspecto relevante a reforçar o temário urbano como importante viés da prática pedagógica em geografia, está nas perspectivas que ele enseja no sentido de forjar uma “leitura de mundo” do aluno-cidadão. Esse objetivo, tantas vezes explicitado, pode ser alcançado a partir das possibilidades de ampliação da percepção espacial do educando e da sua capacidade de articular fenômenos e processos que ocorrem em diferentes escalas, tendo como ponto de partida a cidade. Como afirma Neil Smith:

“(…) esta concepção de espaço não está ligada ao lugar imediato, mas implica a possibilidade de abstrair do lugar imediato e a possibilidade de se conceber uma extensão espacial para além da experiência imediata”. (1988:124)

De fato, a conexão espaço-lugar no âmbito da Geografia não é fortuita e tem origem na percepção de que os novos processos do sistema capitalista, em sua etapa monopolista-global, resultam em um espaço geográfico que é muito mais que a mera soma de suas partes. Esse espaço é compreensível a partir de sua dinâmica geral, pelas suas manifestações singulares, e principalmente pela relação dialética entre ambas. Exemplos dessa visão podem ser observados nos trabalhos de Carlos (1996) e Santos (1996) . Para Carlos (1996:29) o lugar se apresentaria como o ponto de articulação entre a mundialidade em constituição e o local, enquanto especificidade concreta, enquanto momento. Santos (1996:251-252) afirma que: “Os lugares podem ser vistos como um intermédio entre o Mundo e o Indivíduo (…) cada lugar é, à sua maneira, o mundo”, traçando um paralelo entre esta idéia e a de “glocalidade”, de G. Benko (apud Santos, 1996:252), isto é, o lugar como interseção simultânea de fenômenos globais e locais.

É essa acepção de lugar, na sua relação dialética com o mundial, que fornece o suporte para entendermos que o urbano e sua materialidade básica, a cidade, constituem um rico campo de possibilidades para que o aluno possa entender o mundo a partir de sua vivência na urbe. O fato de que a cidade (ou parte dela) é um lugar que, simultaneamente, faz parte de uma rede de cidades, que se articulam em diferentes escalas hierarquizadas, torna possível sair da análise apenas idiográfica, da descrição do único. O professor pode, a partir dos estudos urbanos, mostrar ao aluno que a sua cidade é uma interessante (e nesse ponto única) combinação de processos universais, particulares e singulares que se relacionam. Esta perspectiva do urbano aponta, inclusive, para uma rica possibilidade interdisciplinar em função da crescente tendência de valorização da história local.

É bem verdade que, para o aluno da metrópole, há que se introduzir a questão de que o lugar pode não ser (e na maioria dos casos não é) a cidade como um todo, mas uma parte dela (que pode até mesmo ser apenas um ou poucos bairros). Mas, de qualquer forma, mantém-se a possibilidade de articular o espaço vivido com o espaço abstratamente concebido, o que constitui uma rica fonte de conhecimento e possibilidades de ampliação cognitiva.

O espaço urbano, o espaço geográfico em sua plenitude

Se partirmos da definição, já clássica, de Milton Santos (1996) de que o espaço geográfico é o conjunto indissociável de sistemas de objetos e sistemas de ações, não há como deixar de reconhecer o caráter didático do estudo do espaço da cidade como estratégia de apreensão do objeto de estudo da ciência geográfica, cuja importância na formação da consciência espacial do cidadão justifica a inclusão daquela disciplina no currículo escolar.

Os sistemas de objetos podem ser subdivididos em dois subgrupos. Os sistemas naturais e os sistemas artificiais, os constructos humanos. Os sistemas de ações foram definidos por Milton Santos (1996) como os sistemas de processos dotados de propósito. Correspondem à dinâmica das sociedades que produzem o espaço. É esse “diálogo”, entre a sociedade e seu espaço, que constrói e reconstrói continuamente o espaço geográfico.

Pelo exposto, fica claro que o espaço urbano reúne e expressa, de forma contundente, esses componentes estruturantes do espaço geográfico. Não é difícil, por exemplo, desvelar para o aluno como a forma atual de sua cidade está intimamente relacionada à relação entre o processo histórico de ocupação/construção e as características do sítio urbano.

De igual modo, demonstrar, através da análise da segregação social do espaço urbano, as características, contradições e desigualdades da sociedade que construiu e constrói o espaço de vida do educando expõe a essência do espaço geográfico. Essa tarefa é muito facilitada (especialmente em um país como o Brasil) pelas possibilidades abertas a partir da análise da paisagem e dos fatos extremamente familiares aos alunos, posto que presentes em seu espaço vivido.

Além disso, a análise dos espaços urbanos construídos em temporalidades pretéritas, mas que em função da inércia espacial ainda fazem parte do espaço do presente, permite não apenas construir a percepção de que a materialidade que compõe o espaço geográfico está sempre sendo redefinida, como também demonstrar a sua “idade” através da observação dos sistemas técnicos que tais materialidades incorporam. Segundo Milton Santos (1996), essa é a forma de se fazer o enquadramento temporal dos sistemas de objetos componentes do espaço geográfico. Nesse sentido as perspectivas a partir da análise do espaço citadino são inúmeras, pelo menos naquelas que não sejam muito recentes e para aquelas que conseguiram preservar frações razoáveis de sua memória urbana.
Elementos teóricos fundamentais para a proposta pedagógica de construir um olhar geográfico a partir do urbano: algumas reflexões

Se desejamos um ensino de geografia que vá além de fornecer informações com “prazo de validade”, é fundamental que a aprendizagem esteja pautada em elementos teóricos que, em conjunto, possam dotar o aluno de uma competência intelectual capaz de ampliar a sua compreensão da dinâmica do mundo à sua volta.

É notório que o caráter intrinsecamente interdisciplinar dos estudos urbanos vincule esse campo de investigação a categorias, conceitos e processos que não estão restritos à ciência geográfica, e é saudável que assim o seja. Contudo, esse fato não deve nos demover da iniciativa de enfrentar uma difícil tarefa. Trata-se de tentar definir quais os processos, categorias e conceitos que poderiam ser chamados de essenciais para a proposta pedagógica de construção de um olhar geográfico a partir do fenômeno urbano.

Mesmo sabendo que a maior parte desses elementos teóricos não constitui “propriedade exclusiva” da geografia, temos que, em muitos casos, a apropriação e seu uso nessa ciência confere-lhe significados e aplicações distintas das verificadas em outros campos do conhecimento. Assim, justifica-se a pertinência da empreitada, uma vez que nosso objetivo é contribuir para balizar o ensino básico de geografia.

Esse propósito vai também ao encontro das muitas tentativas de renovação do ensino de geografia, empreendidos de forma significativa há pelo menos vinte e cinco anos, no sentido de um ensino de geografia não-idiográfico e capaz de capacitar o homem comum a interpretar os fenômenos e formas sócio-espaciais de seu cotidiano nas suas variadas escalas. Para isso, entendemos que os quadros teóricos de referência são fundamentais, pois eles permitem que o aluno seja capaz de transferir o conhecimento adquirido na sala de aula para situações novas em seu cotidiano.

“A formação de conceitos é uma habilidade fundamental para a vida cotidiana. Os instrumentos conceituais são importantes porque ajudam as pessoas a categorizarem o real, a classificá-lo, a fazer generalizações. Os conceitos são importantes mediadores da relação das pessoas com a realidade; eles nos libertam da escravidão do particular” (COLL SALVADOR, 1997 Apud CAVALCANTI, 2002, p.36)

Da proposta acima, mesmo como um desdobramento dela, surge outra mais complexa, ainda que indispensável para que aquela adquira operacionalidade. Estamos falando da questão crucial a respeito de qual seria a melhor distribuição do conjunto teórico, que se venha a definir como necessário, ao longo das séries dos níveis de ensino médio e fundamental.

Tal arranjo deve, em termos pedagógicos ideais, respeitar os diferentes níveis cognitivos do alunado, de forma a definir quais conceitos devem ser apresentados em cada momento da vida escolar, o grau de aprofundamento que pode ser atingido naquela série para os processos a serem apreendidos, as escalas de análise mais adequadas e as inter-relações possíveis. Além disso, como se já não fosse muito a fazer, essa proposta deve estar horizontalmente referenciada com outros conteúdos da própria geografia e de outras disciplinas, de modo a garantir coerência com os pré-requisitos necessários.

Um elemento motivador para o trabalho proposto no parágrafo anterior é evitar a eterna repetição de conteúdos abordados em determinada série do ensino fundamental para, depois, serem esquecidos nas séries seguintes e serem retomados de forma muito semelhante no ensino médio, a título de aprofundamento. O resultado é a falta de conceitos e noções fundamentais para que o pretendido aprofundamento possa ser realizado, obrigando o professor do ensino médio a efetivamente ensiná-los (ou seja começar do zero) ou impedindo que os objetivos sejam alcançados. Em alguns casos, os fundamentos teóricos até foram competentemente trabalhados, mas o hiato entre a série em que eles foram trabalhados e a série em que eles são retomados dificulta muito sua recuperação. Esse fato corriqueiro em nossa prática pedagógica só atesta a importância de encontrarmos formas de oportunizar aos alunos a utilização, nas séries subseqüentes, de referenciais teóricos assimilados nas séries precedentes.

Nota-se facilmente que a agenda não é pequena e este trabalho não tem, obviamente, a pretensão de esgotá-la. O que se pretende é contribuir com algumas reflexões que possam constituir um ponto de partida para a discussão, pelo menos no que tange aos processos e conceitos essenciais para o ensino da geografia a partir do urbano.

Entendemos que o ponto de partida dessa proposta deve ser o de definirmos, dentro do mega-processo de urbanização, quais fenômenos, formas espaciais e processos constituiriam o conjunto capaz de vertebrar o processo pedagógico em tela. Dentro de um primeiro esforço de sistematização, julgamos apropriado listar esses quadros de referência em três grupos: processos, formas espaciais e temas integradores e de aprofundamento. Achamos apropriado, também, separar os dois primeiros grupos de acordo com sua pertinência às duas clássicas escalas de análise do fenômeno urbano: a intra-urbana e a da rede urbana. O resultado pode ser conferido no quadro abaixo:

Escala Intra-Urbana

Escala da Rede Urbana

Processos

§ Segregação urbana (induzida e espontânea)

§ Interações (sócio)espaciais

§ Periferização

§ Suburbanização

§ Centralização/Descentralização

§ Interações (sócio)espaciais

§ Hierarquização das cidades

§ Metropolização

§ Centralização/Descentralização

Formas

§ Bairro

§ Favela

§ Área Central

§ Sub-Centros Comerciais Shopping Centers

§ Subúrbios

§ Sistema de Transporte

§ Espaço peri-urbano

§ Cidade

§ Aglomerado urbano

§ Aglomeração urbana (com e sem conurbação)

§ Rede Urbana

§ Metrópole

§ Região Metropolitana

§ Megalópole

§ Megacidades

§ Cidades Globais

§ Sistema de Transporte

§ Sistemas de Comunicação

Temas Integradores e de Aprofundamento

§ Sítio Urbano

§ A cidade como acumulação desigual de tempos históricos

§ As relações entre atividades econômicas e o processo de urbanização

§ Funções urbanas

§ A cidade como centro de gestão do território

§ A cidade como difusora de bens e informações

§ As relações campo-cidade

§ O papel do Estado no processo de urbanização

§ Movimentos sociais urbanos

§ Cultura e urbanização

§ Meio ambiente urbano

O objetivo do quadro sinótico acima é que ele constitua um ponto de partida para os propósitos do ensino da geografia urbana, a respeito dos quais discorremos anteriormente. Sabemos que muito precisa ser feito para que ele adquira operacionalidade, em especial quanto à tarefa de definir a(s) série(s) nas quais cada conceito e cada processo devem ser apresentados e em quais momentos eles devem ser aprofundados. Contudo, esperamos que seja útil às reflexões subseqüentes.

Conclusão

Muito ainda precisa e pode ser feito no desenvolvimento de metodologias de ensino de geografia, em particular no que tange à temática urbana. Muito se tem dito a respeito de integrar a produção acadêmica da geografia com a disciplina ensinada no ensino básico. A tarefa de estruturar propostas pedagógicas, adequadas às demandas da sociedade brasileira em geral e do alunado em particular, impõe-se como uma necessidade. Não apenas em função da necessidade de tornar mais efetiva e prazerosa a atividade docente, mas também por que os descaminhos da geografia ensinada em sala de aula abrem flanco para o questionamento da pertinência da disciplina (ou, no mínimo, da carga horária a ela atribuída) na grade curricular do ensino básico, conforme já ocorreu aqui e em outros países.

Cumpre assim que um número crescente de docentes lancem-se à tarefa coletiva de construir um conjunto de iniciativas que permitam formar um corpo metodológico que, no seu pluralismo, ofereça embasamento sólido para o grande número de profissionais que cotidianamente estão envolvidos com a disseminação do conhecimento e do olhar geográfico para a sociedade civil, com todas as possibilidades de transformação social que isso representa.

Fonte: www.igeo.uerj.br

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Atividades que mais consomem água

Atividades que mais consomem água

PUBLICIDADE Quais são as atividades que mais consomem água? Os impactos deixados pelas diversas atividades …

Calendário Cósmico

Calendário Cósmico

PUBLICIDADE O que é o Calendário Cósmico? A complexidade do universo é tão intensa, que …

Capitalismo Financeiro

Capitalismo Financeiro

PUBLICIDADE O que é Capitalismo Financeiro? Desde o seu surgimento a partir do século XV, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

QUESTION 1 You are managing a SharePoint farm in an Active Directory Domain Services (AD DS) domain. You need to configure a service account to use domain credentials. What should you do first? A. Configure the service account to use a domain user account. B. Register the domain credentials in the Farm Administrators group. C. Configure the service account to use a local user account. D. Register the domain credentials as a SharePoint managed account. Correct Answer: D Explanation QUESTION 2 A company named Contoso, Ltd. has a SharePoint farm. The farm has one Search service application configured. The Search service application contains five crawl databases, all of which contain content. Contoso plans to crawl knowledge base content from its partner company Litware, Inc. The knowledge base content must be stored in a dedicated crawl database.https://www.pass4itsure.com/az-103.html You need to configure crawling. What should you do? A. Add a crawl database that contains the Litware knowledge base to the existing Search service application. B. Provision a new Search service application. Configure the service application to crawl the Litware knowledge base content. C. Set the MaxCrawlDatabase parameter to 6. D. Create a dedicated Microsoft SQL Server instance for the Litware crawl database. Correct Answer: B Explanation Explanation/Reference: https://www.pass4itsure.com/az-9002.html The maximum number of crawl databases is 5 per Search service application so we need another Search service application. This maximum limit is increased to 15 with an Office 2013 update but the question doesn't mention that this update is installed so we have to assume the question was written before the update was released. https://www.pass4itsure.com/az-300.html QUESTION 3 A company uses SharePoint 2013 Server as its intranet portal. The Marketing department publishes many news articles, press releases, and corporate communications to the intranet home page. You need to ensure that the Marketing department pages do not impact intranet performance. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. In Central Administration, set up a User Policy for the Super User and Super Reader accounts. B. Configure IIS to use the Super User and Super Reader accounts for caching. C. Use the Farm Configuration Wizard to configure the Super User and Super Reader accounts. D. Use Windows PowerShell to add the Super User and Super Reader accounts. Correct Answer: AD Explanation Explanation/Reference: A: The way to correct this problem is to first create two normal user accounts in AD. These are not service accounts. You could call them domain\superuser and domain\superreader, but of course that's up to you. The domain\superuser account needs to have a User Policy set for that gives it Full Control to the entire web application. D: If you are using any type of claims based authentication you will need to use Windows PowerShell. And Windows PowerShell is the hipper more modern and sustainable option anyway. If you are using classic mode authentication run the following cmdlets on one of your SharePoint servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "domain\superreader" $w.Update() If you are using claims based authentication run these cmdlets on one of your SharePoint https://www.pass4itsure.com/n10-007.html servers: $w = Get-SPWebApplication "http:///" $w.Properties["portalsuperuseraccount"] = "i:0#.w|domain\superuser" $w.Properties["portalsuperreaderaccount"] = "i:0#.w|domain\superreader" $w.Update() Note: * If you have a SharePoint Publishing site and you check the event viewer every once in a while you might see the https://www.pass4itsure.com/70-331.html following warning in there: Object Cache: The super user account utilized by the cache is not configured. This can increase the number of cache misses, which causes the page requests to consume unneccesary system resources. To configure the account use the following command 'stsadm -o setproperty -propertynameportalsuperuseraccount -propertyvalue account -urlwebappurl'. The account should be any account that has Full Control access to the SharePoint databases but is not an application pool account. Additional Data: Current default super user account: SHAREPOINT\system This means that the cache accounts for your web application aren't properly set and that there will be a lot of cache misses. If a cache miss occurs the page the user requested will have to be build up from scratch again. Files and information will be retrieved from the database and the file system and the page will be rendered. This means an extra hit on your SharePoint and database servers and a slower page load for your end user. Reference: Resolving "The super user account utilized by the cache is not configured." QUESTION 4 You are managing a SharePoint farm. Diagnostic logs are rapidly consuming disk space. You need to minimize the amount of log data written to the disk. Which two actions should you perform? (Each correct answer presents part of the solution. Choose two.) A. Set the log event level to Information. B. Set the log event level to Verbose. C. Set the log trace level to Medium. D. Set the log trace level to Verbose. E. Set the log event level to Warning. F. Set the log trace level to Monitorable. Correct Answer: EF Explanation Explanation/Reference: E: Event Levels Warning, Level ID 50 Information, Level ID: 80 Verbose, Level ID: 100 F: Trace levels: Monitorable: 15 Medium: 50 Verbose: 100 Note: When using the Unified Logging System (ULS) APIs to define events or trace logs, one of the values you must supply is the ULS level. Levels are settings that indicate the severity of an event or trace and are also used for throttling, to prevent repetitive information from flooding the log files. Reference: Trace and Event Log Severity Levels QUESTION 5 A company's SharePoint environment contains three web applications. The root site collections of the web applications host the company intranet site, My Sites, and a Document Center. SharePoint is configured to restrict the default file types, which prevents users from uploading Microsoft Outlook Personal Folder (.pst) files. The company plans to require employees to maintain copies of their .pst files in their My Site libraries. You need to ensure that employees can upload .pst files to My Site libraries. In which location should you remove .pst files https://www.pass4itsure.com/70-342.html from the blocked file types? A. The File Types area of the Search service application section of Central Administration B. The General Security page in the site settings for the site collection C. The Blocked File Types page in the site settings for the site collection D. The General Security section of the Security page of Central Administration Correct Answer: D Explanation