Breaking News
Home / Geografia / Formação Geológica

Formação Geológica

PUBLICIDADE

Definição

As formações geológicas se referem às formações e estruturas naturais no leito rochoso e no solo, geralmente criadas por processos geológicos extremamente lentos de idades variadas.

Do ponto de vista humano, as formações geológicas podem ser consideradas partes permanentes e únicas da história geológica.

Formações geológicas, como buracos ou diques de rocha ígnea no leito rochoso, podem ser pequenas e fáceis de discernir no ambiente natural. No caso de formações e estruturas maiores, como extensas estruturas rochosas dobradas ou séries de eskers (uma cadeia longa e sinuosa de areia e cascalho estratificados), apenas parte do recurso pode ser vislumbrada na paisagem.

Em geologia as formações geológicas são as características geológicas da terra

O que é

Formações geológicas são agrupamentos de rochas com características semelhantes.

Em geologia, o termo refere-se especificamente a estratos geológicos, enquanto leigos podem se referir informalmente a afloramentos de rochas ou características geológicas interessantes como formações geológicas, mesmo que isso não seja tecnicamente correto.

Estudar e identificar formações é uma parte essencial da geologia e permite que os geólogos façam várias coisas, desde a datação da paisagem até a identificação de depósitos minerais úteis.

Visualizar formações geológicas é mais fácil de fazer quando se trata de uma paisagem em seção transversal. Se uma encosta for cortada em duas, aparecerão camadas de material geológico.

Quando os materiais de uma camada têm idade ou composição semelhante, eles podem ser chamados de formação geológica.

Essas formações podem ser agrupadas em grandes grupos ou divididas em segmentos menores chamados membros, para ajudar os geólogos a descrevê-las, explorá-las e estudá-las.

Quando um geólogo encontra uma formação que considera nova, as informações são apresentadas à autoridade que lida com as convenções de nomenclatura na área e, se a formação for verificada como uma nova descoberta, o geólogo poderá ter a honra de nomeá-la.

Usando informações sobre formações, um geólogo pode datar uma paisagem. Ele também pode procurar formações correspondentes em pedaços de terra que não são contíguos. Duas mesas, por exemplo, podem ter formações semelhantes que podem ser combinadas, mesmo que o espaço entre elas tenha sido gasto ao longo do tempo, para aprender sobre a história da paisagem.

A identificação de formações também pode permitir que os geólogos rastreiem a atividade geológica, como quando versões altamente compactadas de uma formação geológica conhecida são encontradas perto de um limite tectônico.

Muitas formações são feitas de rochas sedimentares, embora outros tipos de rochas também possam ser encontrados em uma formação.

O tipo de rocha pode ser importante, pois pode fornecer informações sobre as condições em que a rocha se formou e a história geológica de uma área.

Vários depósitos de formações calcárias, por exemplo, indicam que uma área já foi coberta em um oceano, enquanto uma camada de fluxo vulcânico sugeriria que havia atividade vulcânica na região em algum momento da história.

Identificar, descrever e nomear formações geológicas faz parte da estratigrafia, o estudo de camadas de rocha na geologia. Os geólogos podem preparar mapas mostrando várias formações em uma área e sua relação entre si, e podem usar esses mapas para aprender sobre a história geológica. Às vezes, os eventos podem ser mais facilmente aparentes quando um mapa é examinado do que quando as pessoas estão no campo, porque o mapa destila as informações da paisagem em pequenos pedaços de informações úteis.

O que é Geologia da Formação?

Em geral, a geologia da formação é o estudo de mais de uma unidade de rocha traçada em uma grande área.

Uma formação deve ser distinta e espessa o suficiente para que também possa ser plotada em um local específico do mapa.

Existem muitas camadas geológicas que compreendem a superfície da Terra, chamadas unidades estratigráficas, cada uma com um sistema de classificação complexo.

Cada camada é dividida em erátemas ou nas rochas que foram formadas durante uma era específica de tempo.

Os erátemas são então classificados em sistemas ou rochas que foram formadas durante um certo período de tempo.

Os sistemas são então divididos em grupos ou rochas de mais de uma formação que possuem certas características em comum.

Normalmente, as formações recebem o nome do local onde foram encontradas.

Existem inúmeros exemplos de geologia da formação em todo o mundo.

Por exemplo, a Formação Austin está localizada no Condado de McLennan, Texas. A olho nu, parece haver falésias calcárias, mas para geólogos bem estudados existem dados que indicam que havia vulcões na área que deram origem a um tipo específico de solo e rocha.

Na África do Sul, pessoas viajam de todo o mundo para ver a Formação Enon, uma das formações mais vastas do país e ainda considerada um sistema ativo ao longo de suas linhas de falha.

No Japão, a idade exata da porção basal da Formação Fukuji ainda está para ser determinada; no entanto, estudando fósseis, eles descobriram a idade das seções superior e inferior da formação.

Através da geologia da formação, um geólogo pode datar as camadas rochosas em uma área. Ela também pode procurar outras áreas onde existem formações semelhantes.

Por exemplo, pode haver dois afloramentos rochosos e cada um pode ter formações geológicas semelhantes.

O geólogo pode então tentar comparar as duas e ver se havia outras formações que existiam entre as duas que estavam gastas.

A geologia da formação também permitirá ao geólogo estudar a atividade geológica passada e presente, como a atividade vulcânica ou a atividade relacionada às placas tectônicas.

A geologia da formação pode ser empolgante e gratificante, especialmente se uma nova formação for descoberta.

O tempo e a atenção aos detalhes podem permitir que os geólogos vinculem formações e massas de terra em todo o mundo. A cada período, grandes mudanças ocorriam na Terra – cada uma levando a formações distintas.

História e ciência são combinadas para os interessados em geologia da formação.

O que são processos geológicos?

O termo “processos geológicos” descreve as forças naturais que moldam a composição física de um planeta.

Tectônica de placas, erosão, intemperismo químico e sedimentação são exemplos de forças que afetam significativamente a superfície da Terra e são responsáveis por suas principais características.

Esses processos são estudados de perto por geólogos e cientistas da terra para melhorar sua compreensão da história do planeta; para ajudar a localizar recursos úteis, como minérios metálicos; e para ajudar na previsão de eventos potencialmente desastrosos, como terremotos, tsunamis e erupções vulcânicas.

Placas tectônicas

Ao olhar para a Terra a partir do espaço, dá uma impressão de serenidade total e imóvel.

A história do planeta, no entanto, é dominada pela divisão e junção de massas terrestres para formar novos continentes que mudam de posição continuamente.

Esses processos geológicos são conduzidos por placas tectônicas e ocorrem em escalas de tempo muito longas para que os seres humanos possam apreciar diretamente. A crosta terrestre consiste em “placas” sólidas de rocha que flutuam sobre material mais denso, mas semi-líquido, abaixo. As correntes de convecção neste material, conhecidas como manto, fazem com que essas placas, que formam os continentes, se movam ao longo do tempo.

Às vezes, placas continentais se chocam, formando cadeias de montanhas como o Himalaia. As placas também podem se separar, como acontece hoje no Vale do Rift, na África.

Se alguém pudesse ver o planeta como era há cerca de 250 milhões de anos atrás, pareceria muito diferente de sua aparência hoje. Pensa-se que, naquela época, todos os continentes estavam reunidos em um enorme “supercontinente” que os pesquisadores chamam de Pangea. Cerca de 200-225 milhões de anos atrás, impulsionada por processos tectônicos, essa massa de terra começou a se fragmentar em pedaços menores, formando eventualmente os continentes modernos.

Os processos tectônicos também podem reunir continentes.

Alguns geólogos pensam que a Terra passou por vários ciclos em que enormes massas terrestres se dividiram para formar continentes menores que mais tarde se fundiram novamente.

Pode ter havido vários supercontinentes anteriores.

A crosta terrestre consiste em duas camadas: a crosta continental e, abaixo dela, a crosta oceânica, composta de rochas mais densas. A crosta oceânica é exposta sob os oceanos. Sob o Oceano Atlântico, um novo material está surgindo do manto para formar uma cordilheira oceânica, à medida que os EUA e a Europa se afastam ainda mais. Em outras áreas, incluindo a costa oeste da América do Sul, a crosta oceânica está afundando sob a crosta continental na chamada zona de subducção. O atrito produzido por esse processo levou ao vulcanismo nessa área, formando a cordilheira dos Andes.

A tectônica de placas explica por que terremotos e atividades vulcânicas tendem a ocorrer nas bordas dos continentes. Essas são as áreas de maior atividade geológica, nas quais a subducção ou o movimento de placas continentais um contra o outro pode resultar em eventos violentos. Infelizmente, um grande número de pessoas vive em áreas geologicamente ativas perto dos limites das placas, mas os humanos estão começando a desenvolver os meios para prever desastres. Ao monitorar de perto coisas como pequenos movimentos de rocha, fraturas e inchaço do solo, os cientistas às vezes podem emitir avisos antecipados de terremotos e erupções vulcânicas.

Uma compreensão dos processos geológicos envolvidos na placa tectônica também pode ajudar a localizar recursos minerais valiosos. O material das crostas continentais e oceânicas e do manto varia em sua composição mineral.

Os geólogos podem traçar os limites das placas e mapear as posições prováveis de diferentes tipos de crosta e rocha do manto.

Combinando isso com o conhecimento dos pontos de fusão dos minerais e das seqüências em que eles se cristalizam, pode ser possível, por exemplo, adivinhar a provável localização de um depósito de minério de cobre dentro de uma grande bolha de magma solidificado.

Erosão

Quando as rochas são desgastadas pela água, gelo ou mesmo vento, isso é conhecido como erosão. É um dos processos geológicos mais importantes e, com o tempo, pode transformar paisagens.

Partículas de areia e areia transportadas pela água ou pelo vento têm um efeito abrasivo e podem esculpir rochas em novas formas em larga escala.

Algumas das características mais dramáticas da terra são produzidas pelo gelo na forma de geleiras. Fragmentos de areia e rochas incrustados no gelo raspam contra rochas, alterando a paisagem em grande escala.

A elevação da terra causada por uma colisão de duas placas continentais combina com as forças da erosão para formar cadeias de montanhas como o Himalaia ou os Alpes. A água forma os vales dos rios, ajudando a moldar a cordilheira, mas quando a terra se eleva o suficiente para a neve permanente, as geleiras se formam. Esses rios de gelo em movimento lento arrancam vales íngremes e de fundo plano, cumes estreitos e picos piramidais agudos, produzindo as cadeias de montanhas que a maioria das pessoas conhece hoje. O Matterhorn nos Alpes Suíços-Italianos é um exemplo clássico de um pico piramidal.

A água corrente também tem um grande impacto nas paisagens. Forma vales e desfiladeiros, dependendo da natureza do terreno. Um dos exemplos mais espetaculares de erosão hídrica é o Grand Canyon, com mais de 1,8 mil km de profundidade que assusta a paisagem do Arizona. Foi formado durante um período de cerca de 17 milhões de anos.

A erosão eólica também pode contribuir para a formação de paisagens, embora geralmente em menor escala. Características causadas por esta forma de erosão são geralmente encontradas em áreas muito secas.

O vento pode remover material solto do chão, formando depressões que podem ser bastante grandes, como a Depressão Qattara no Egito.

Areia e areia soprada pelo vento podem produzir características da paisagem em menor escala, como jardas – longas cordilheiras suaves e alinhadas com a direção usual do vento.

Resistência química

A rocha pode reagir com substâncias presentes na água ou no ar, produzindo intemperismo químico. Quando rochas que se formam no subsolo são expostas à superfície, elas podem mudar de cor lentamente e desintegrar-se devido a compostos de ferro que reagem com o oxigênio no ar, por exemplo. O material resultante, mais fraco, pode começar a formar solos ou pode ser erodido e depositado em outro lugar.

Outro exemplo comumente visto é a dissolução do calcário por água ácida. A água pode tornar-se acidificada por compostos orgânicos ou absorvendo gases vulcânicos. O calcário consiste em grande parte de carbonato de cálcio, que reage facilmente com ácidos. Cavernas e buracos são resultados comuns do desgaste químico do calcário. Nas cavernas, estalagmites e estalactites se formam ao longo do tempo através do gotejamento e evaporação da água que contém material rochoso dissolvido.

Sedimentação

O material suspenso ou dissolvido na água forma a rocha por um processo conhecido como sedimentação ou deposição.

Isso pode acontecer através do acúmulo e compactação de pequenas partículas quando elas se depositam na água ou por evaporação, causando a cristalização de produtos químicos dissolvidos.

Rochas formadas dessa maneira são chamadas rochas sedimentares. Exemplos incluem arenito, que se forma a partir de grãos de areia; calcário, que consiste em conchas de pequenos organismos; e depósitos de sal e gesso, que se formam a partir da evaporação da água que contém esses minerais. Às vezes, rochas sedimentares podem formar camadas de vários quilômetros de espessura.

Rochas sedimentares podem conter fósseis, que têm muito mais probabilidade de serem preservados nesse tipo de rocha do que naquelas que foram submetidas a altas temperaturas.

Geólogos e paleontólogos conseguiram reunir uma história de vida no planeta analisando rochas sedimentares e fósseis.

Organismos marinhos fossilizados encontrados em montanhas distantes do mar eram uma indicação precoce de que o movimento das rochas, tanto horizontais quanto verticais, ocorrera em grande escala em algum momento do passado. Foram as semelhanças em fósseis de certa idade em diferentes continentes que levaram à teoria das placas tectônicas.

A hipótese de que um impacto de meteorito pode ter causado a extinção dos dinossauros surgiu da descoberta de uma camada rica em raro irídio metálico em sedimentos que datam da época da extinção.

Essa camada é encontrada em partes amplamente separadas do mundo, onde as rochas da idade certa estão expostas, sugerindo que provavelmente veio de uma fonte externa que causou um evento que teve um impacto extremamente amplo.

Formação geológica

Uma zona de subducção é uma área de grande atividade geológica, incluindo terremotos e vulcanismo

Fonte: geology.utah.gov/www.nps.gov/www.audioenglish.org/www.wisegeek.org/www.shabdkosh.com/www.ranker.com/www.ymparisto.fi/fl-pda.org/timescalefoundation.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Mapa climático

Mapa climático

PUBLICIDADE Definição Um mapa climático é uma representação dos padrões climáticos prevalecentes em uma determinada área. Geralmente …

Deslizamento de terra

PUBLICIDADE Definição Um deslizamento de terra é definido como o movimento de uma massa de rocha, detritos …

Xisto

PUBLICIDADE Xisto, qualquer um de um grupo de rochas sedimentares laminadas de grãos finos que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *