Breaking News
Home / Geografia / Corredor Bioceânico

Corredor Bioceânico

PUBLICIDADE

Avisa-se de contramão que o nome dado a esse projeto nada tem de biologia e pouquíssimo de oceano. Parece mentira, mas é a verdade mais contrária encontrada nos últimos tempos na América do Sul, que foge, inclusive das perspectivas de estudos das duas áreas do conhecimento cientifico: a Biologia e a Geografia. Mas o que de fato se trata isso que alguns estudiosos chamam de discrepante?

O primeiro ponto a se demarcar é que o Corredor Bioceânico é o projeto de estrada ou várias estradas – envolvendo também ferroviais e rodovias -, de cerca de 4 mil quilômetros que cruzará o continente sul americano no sentido leste para oeste (E-W), unindo em uma integração regional, o Brasil que partilha em certa medida do oceano Atlântico ao Chile e Peru que se banham pelo oceano Pacífico. Isto é, está estrada sairá do maior porto da América Latina, que é o porto de Santos (SP) e chegará aos portos de Ilo no Peru e Iquique e Arica no Chile. Tal fato deu aos seus planejadores a ideia de que deveria se chamar Bioceânico. Parece confuso, não é mesmo?

Corredor Bioceânico

E de fato é, uma vez que os únicos objetivos pré-estabelecidos pela Iniciativa da Infraestrutura Regional Sul Americana (IIRSA) são estreitar as relações econômicas dos países envolventes e melhorar a forma como são enviadas as matérias primas brasileiras para a China e outros países do oriente.

Mas tudo isso tem um histórico. Ele foi planejando pela IIRSA em 1996 e desde seu surgimento, visa-se modernizar as infraestruturas de comunicação, energia, transporte e matéria-prima entre alguns países membros do Mercado Comum do Sul (MERCOSUL), dando facilidade e livre acesso aos dois oceanos. O Brasil, por exemplo, não possuí saída no oceano Pacífico, com este projeto, torna-se mais fácil o acesso para os continentes e países localizados no oriente, como Austrália, Ásia e Nova Zelândia. Além disso, visa-se reduzir em até 2 dias o percurso feito em estradas em péssimas condições.

No entanto, as cidades acima não são as únicas a receberam o corredor, pretende-se ainda passar pelas cidades brasileiras de Uruguaiana e Porto Alegre (RS), Belo Horizonte (MG), Valparaíso no Chile, Puerto Suarez e Santa de laSierra na Bolívia, detentora de grande parte do investimento financiado pela Corporação Andina de Fomento (CAF), pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e pela União Europeia (EU).

Mas existe um problema que pode dificultar essa construção, que é a Cordilheira dos Andes, sendo, portanto, necessário investir em mais tecnologia para ultrapassar as barreiras naturais amenizando os impactos ambientais que isso pode causar. Além disso, tem-se as burocracias e políticas internas desses diversos países, que se torna um fator preponderante para o impedimento da construção.

Gean Alef Cardoso

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Atividades que mais consomem água

Atividades que mais consomem água

PUBLICIDADE Quais são as atividades que mais consomem água? Os impactos deixados pelas diversas atividades …

Calendário Cósmico

Calendário Cósmico

PUBLICIDADE O que é o Calendário Cósmico? A complexidade do universo é tão intensa, que …

Capitalismo Financeiro

Capitalismo Financeiro

PUBLICIDADE O que é Capitalismo Financeiro? Desde o seu surgimento a partir do século XV, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.