Breaking News
Home / Geografia / Toyotismo

Toyotismo

PUBLICIDADE

O que é

Toyotismo é o termo usado freqüentemente, por analogia com o fordismo e o taylorismo , para se referir à cultura de gestão e aos processos de trabalho dominantes no Japão, nos EUA, na Europa e em outros países capitalistas desenvolvidos na última parte do século XX.

Há uma série de características das relações industriais japonesas que são específicas para o Japão e que não estão implícitas no termo “Toyotismo”.

Estas características incluem os sindicatos empresariais compatíveis que representam os trabalhadores nas grandes empresas industriais japonesas. Esses sindicatos empresariais são o resultado da purga do Partido Comunista Japonês realizada pelas Forças de Ocupação dos EUA na “Purga Vermelha” em 1947-48.

Os serviços públicos, como os ferroviários e os professores, permaneceram sob a liderança militante. Um movimento similar foi instituído pelas forças de ocupação na Alemanha também. O apoio dos EUA à reconstrução como baluarte contra o comunismo contribuiu para a rápida conquista da prosperidade e da paz industrial. Outras características da indústria japonesa incluem uma série de fatores associados ao status do Japão como um poder derrotado e a necessidade de reconstrução nacional, como um recém-chegado relativamente à indústria moderna e seu passado feudal relativamente recente, o que contribuiu para níveis elevados Cooperação entre trabalhadores e empresários; A prática da segurança do emprego ao longo da vida para os funcionários e promoção de acordo com a antiguidade nas grandes corporações. Não se deve esquecer que a condição da maioria dos trabalhadores japoneses que trabalham com baixos salários, a tempo parcial e sem qualquer garantia de emprego, é inseparável destas condições que se aplicam aos trabalhadores das grandes empresas.

Esta divisão da força de trabalho em um relativamente privilegiado, em tempo integral relativamente seguro núcleo de trabalhadores leais, homens, qualificados, por um lado, e uma massa de trabalhadores a tempo parcial, muitas vezes mulheres ou imigrantes, por outro, é no entanto um dos As características do que se chama Toyotismo.

O Toyotismo depende dessa cultura de cooperação trabalho-gestão, multi-habilitação e resolução de problemas entre divisões, ea criação de tal cultura é a primeira exigência. Concessões como a segurança no emprego, os sistemas salariais baseados na antiguidade, bônus semestrais, a promoção regular da loja para a alta administração, bem como bônus de gestão vinculados aos bônus pagos aos operários e uma estrita ética de trabalho para os brancos -collar empregados e gestores foram utilizados no Japão para cultivar este espírito de cooperação.

Em parte porque o líder sindical de hoje pode muito bem ser o gerente de amanhã, as grandes empresas geralmente praticam a consulta sindical-gerencial sobre decisões estratégicas amplas. Eles também se esforçam para obter a participação dos empregados no dia-a-dia de resolução de problemas e melhorias de qualidade no local de trabalho. Os círculos de qualidade e os sistemas de sugestão de empregados são generalizados. Problemas no desenvolvimento de produto e tecnológico são abordados por equipes multifuncionais.

Toyotismo também altera a relação entre comprador e vendedor. Ao mesmo tempo em que exige de seus fornecedores a entrega de componentes a tempo, o produtor incuba incansavelmente seu mercado para obter orientação sobre o produto a ser produzido. Em vez de produzir um produto e, em seguida, rufar um mercado, o mercado é encontrado em primeiro lugar, e depois o produto produzido para preencher a demanda.

A Toyota é um dos maiores fabricantes de automóveis do mundo. Começou em 1933 como uma divisão do Toyoda Automatic Loom Works, Ltd. e durante os anos 1960 e 1970 expandiu-se rapidamente. A partir de uma posição insignificante em 1950, o Japão ultrapassou a Alemanha Ocidental, a França, a Grã-Bretanha e os Estados Unidos para se tornar o principal produtor automotivo do mundo. Durante o final dos anos 1970 e início dos anos 80, os principais fabricantes de automóveis do Japão desfrutaram de ganhos de exportação tão impressionantes nos mercados da América do Norte e da Europa Ocidental que restrições foram impostas às importações japonesas.

Os industriais japoneses aprenderam a nova abordagem para fabricar os consultores de administração americanos que foram enviados para ajudar a reiniciar a economia japonesa sob a Ocupação. Em primeiro lugar entre o que os japoneses aprenderam foram as teorias de Elton Mayo [George Elton Mayo, psicólogo australiano, nascido em 1880, professor de pesquisa industrial na Harvard Graduate School of Business Administration, autor de The Human Problems of a Industrial Civilization ; Morreu em 1949]. A origem da teoria de Mayo foi uma experiência que ele conduziu entre 1927 e 1932 na planta de Hawthorne da Western Electric Company, em Illinois.

A deriva de sua descoberta foi uma espécie de efeito placebo (o “efeito Hawthorne”): se os trabalhadores acreditavam que estavam sendo consultados sobre seu trabalho, então eles trabalharam mais. Deve-se enfatizar que não havia nada na teoria de Mayo que sugerisse que os trabalhadores Realmente tinha qualquer coisa útil para contribuir para organizar a produção, a sua teoria estava preocupada apenas com a motivação dos trabalhadores .

O pioneiro mais ilustre dos métodos industriais japoneses foi Ohno Taiichi (1912 – 1990), o especialista em controle de produção da Toyota, que criou o sistema just-in-time ( kanban ) de fabricação, que levantou a Toyota de quase falência em 1952 para se tornar a terceira Maior fabricante de automóveis do mundo, atrás da General Motors e da Ford. Sob as condições únicas do Japão do pós-guerra, Taiichi conseguiu levar mais longe as teorias de Mayo e o envolvimento dos trabalhadores no desenvolvimento de métodos de produção ultrapassou o efeito de “sentir-se bem” para o qual foi concebido e deu uma genuína autonomia ao trabalhador japonês. Autonomia, claro, que se baseava na sua absoluta lealdade à empresa.

Esses métodos permitiram que a automação fosse usada de uma maneira completamente nova: em vez de o papel dos trabalhadores de produção se tornar cada vez mais abstrato, os trabalhadores eram responsáveis pelo produto final e um pequeno número de trabalhadores altamente qualificados poderia atingir níveis muito altos de produtividade, sujeitando a produção Melhorias contínuas. É este tipo de trabalho e seu complemento no trabalho do trabalhador terceirizado fora do núcleo de funcionários permanentes da empresa, que começou na fábrica da Toyota no Japão e forneceu a base para o “trabalhador do conhecimento” do mundo pós-moderno.

Esse tipo de processo de trabalho gera sua própria estrutura de classes: uma classe trabalhadora dividida entre uma massa de trabalhadores muito pobres e completamente alienados que não têm segurança no emprego ou relação contínua com seu trabalho de um lado e um núcleo de trabalhadores qualificados com trabalho gratificante e boas condições de emprego, por outro. Ao mesmo tempo, as fronteiras entre comércio e produção, manufatura e serviço, trabalhador e gerente, tornam-se muito turvas.

Fordismo

Fordismo é um termo que descreve a técnica de linha de produção inventada por Henry Ford em 1908, quando ele estava pensando em como fabricar o primeiro carro.

O fordismo foi o principal modo de produção até o Toyotismo.

Toyotismo apareceu como uma resposta à situação crítica que o mundo estava sofrendo por causa da crise do petróleo em 1973 e seu objetivo era corrigir todas as deficiências do fordismo. A lacuna entre o fordismo eo Toyotismo reside na situação do mundo em cada tempo específico.

Ambas as formas de produção têm pilares principais que a empresa tem de seguir independentemente das diferentes situações que podem estar sofrendo.

Características do Fordismo:

Aumentar a divisão de trabalho.
Controle intensivo no tempo que o trabalhador emprega fazendo sua tarefa (Tempo / Execução).
Redução do custo do produto e aumento da sua circulação.
Participação no “Aumento do poder de compra dos assalariados”.
Acordos entre o Sindicato dos Trabalhadores eo “Capitalismo” (Os gatos gordos).
Linha de produção.

Características do Toyotismo:

Produzir apenas as coisas que já são vendidos com base na demanda.
Os cinco Zeros.
0 Erros.
0 Danos.
0 Atrasos.
0 Burocracia e papelada.
0 Produtos em estoque.
Reduzir a produção com menos funcionários.
Trabalhadores que são capazes de fazer muitas tarefas diferentes.
Produzir o mínimo necessário.
Rotação automática que pode parar máquinas defeituosas.

Toyotismo
Uma linha de produção da Ford – parte integrante do modelo de Fordismo

Qual é a diferença entre fordismo e toyotismo?

Fordismo é tudo sobre ter mais e vende mais, fabricação tão rapidamente quanto possível e estoque da capital.

Toyotismo é tudo sobre produzir o estritamente necessário, trabalhando duro e rapidamente evitando todas as coisas que podem atrasar o processo de fabricação.

O TOYOTISMO

Toyotismo é um modo de organização da produção capitalista originário do Japão, resultante da conjuntura desfavorável do país.

O toyotismo foi criado na fábrica da Toyota no Japão após a Segunda Guerra Mundial, este modo de organização produtiva, elaborado por Taiichi Ohno e que foi caracterizado como filosofia orgânica da produção industrial (modelo japonês), adquirindo uma projeção global.

Os primórdios no Japão

O Japão foi o berço da automação flexível pois apresentava um cenário diferente dos Estados Unidos e da Europa: um pequeno mercado consumidor, capital e matéria-prima escassos, e grande disponibilidade de mão-de-obra não-especializada, impossibilitavam a solução taylorista-fordista de produção em massa. A resposta foi o aumento na produtividade na fabricação de pequenas quantidades de numerosos modelos de produtos, voltados para o mercado externo, de modo a gerar divisas tanto para a obtenção de matérias-primas e alimentos, quanto para importar os equipamentos e bens de capital necessários para a sua reconstrução pós-guerra e para o desenvolvimento da própria industrialização.

No contexto de reconstrução após a Segunda Guerra Mundial, a Guerra da Coréia (ocorrida entre 25 de junho de 1950 e 27 de julho de 1953) também foi de grande valia para o Japão, a Guerra provocou inúmeras baixas de ambos os lados e não deu solução à situação territorial até os dias de hoje. Ao decorrer da guerra, os dois lados fizeram grandes encomendas ao Japão, que ficou encarregado de fabricar roupas, suprimentos para as tropas na frente de batalha, além de caminhões Toyota, o que livrou a empresa da falência. Essa medida foi conveniente aos Estados Unidos, já que a localização geográfica do Japão favoreceu o fluxo da produção à Coréia e o aliado capitalista seria importante em meio ao bloco socialista daquela região. A demanda Norte-Americana incentivou a rotatividade da produção industrial e iniciou a reconstrução da economia japonesa.

Características do sistema

O sistema pode ser teoricamente caracterizado por seis aspectos:

Mecanização flexível, uma dinâmica oposta à rígida automação fordista decorrente da inexistência de escalas que viabilizassem a rigidez. A mecanização flexível consiste em produzir somente o necessário, contrariando o fordismo, que produzia o máximo possível e estocava o excedente. A produção toyotista é flexível à demanda do mercado.

Processo de multifuncionalização de sua mão-de-obra, uma vez que por se basear na mecanização flexível e na produção para mercados muito segmentados, a mão-de-obra não podia ser especializada em funções únicas e restritas como a fordista. Para atingir esse objetivo os japoneses investiram na educação e qualificação de seu povo e o toyotismo, em lugar de avançar na tradicional divisão do trabalho, seguiu também um caminho inverso, incentivando uma atuação voltada para o enriquecimento do trabalho.

Implantação de sistemas de controle de qualidade total, onde através da promoção de palestras de grandes especialistas norte-americanos, difundiu-se um aprimoramento do modelo norte-americano, onde, ao se trabalhar com pequenos lotes e com matérias-primas muito caras, os japoneses de fato buscaram a qualidade total. Se, no sistema fordista de produção em massa, a qualidade era assegurada através de controles amostrais em apenas pontos do processo produtivo, no toyotismo, o controle de qualidade se desenvolve por meio de todos os trabalhadores em todos os pontos do processo produtivo.

Sistema just in time (na hora certa): Esta técnica de produção foi originalmente elaborada nos EUA,no início do século XX, por iniciativa de Henry Ford mas não foi posta em prática. Só no Japão, destruído pela II Guerra Mundial, é que ela encontrou condições favoráveis para ser aplicada pela primeira vez. Em visita às indústrias automobilísticas americanas, na década de 50, o engenheiro japonês Enji Toyoda passou alguns meses em Detroit para conhecê-las e analisar o sistema dirigido pela linha fordista atual. Seu especialista em produção Taichi Ono, iniciou um processo de pesquisa no desenvolvimento de mudanças na produção através de controles estatísticos de processo. Sendo assim, foi feita uma certa sistematização das antigas idéias de Henry Ford e por sua viabilização nessa fábrica de veículos. Surge daí o sistema just in time, que visa envolver a produção como um todo. Seu objetivo é “produzir o necessário, na quantidade necessária e no momento necessário”, o que foi vital numa fase de crise econômica onde a disputa pelo mercado exigiu uma produção ágil e diversificada.

Personificação dos produtos: Fabricar o produto de acordo com o gosto do cliente.

Controle visual: Havia alguém responsável por supervisionar as etapas produtivas.

O Japão desenvolveu um elevado padrão de qualidade que permitiu a sua inserção nos lucrativos mercados dos países centrais e, ao buscar a produtividade com a manutenção da flexibilidade, o toyotismo se complementava naturalmente com a automação flexível.

Outro caso que vem a fazer a diferença é a crise do petróleo que fez com que as organizações que aderiram ao toyotismo tivessem vantagem significativa, pois esse modelo consumia menos energia e matéria-prima, ao contrário do modelo fordista. Assim, através desse modelo de produção, as empresas toyotistas conquistaram grande espaço no cenário mundial.

A partir de meados da década de 1970, as empresas toyotistas assumiriam a supremacia produtiva e econômica, principalmente pela sua sistemática produtiva que consistia em produzir bens pequenos, que consumissem pouca energia e matéria-prima, ao contrário do padrão norte-americano. Com o choque do petróleo e a conseqüente queda no padrão de consumo, os países passaram a demandar uma série de produtos que não tinham capacidade, e, a princípio, nem interesse em produzir, o que favoreceu o cenário para as empresas japonesas toyotistas. A razão para esse fato é que devido à crise, o aumento da produtividade, embora continuasse importante, perdeu espaço para fatores tais como a qualidade e a diversidade de produtos para melhor atendimento dos consumidores.

Contudo, o reflexo do toyotismo no mundo e com ênfase nos países subdesenvolvidos gerou algumas das fragilidade nas relações trabalhistas , onde os direitos trabalhistas e os vínculos entre proletariado e patrão tem se tornado frágeis, já que a flexibilidade exige uma qualificação muito alta e sempre focando a redução dos custos, assim o desemprego tem se tornado algo comum, como uma estratégia para evitar as reivindicações e direitos que cada trabalhador necessita, portanto, apesar das maravilhas e novidades que o toyotismo trouxe através da tecnologia nos modos de produção atual, esse mesmo modo desencadeou um elevado aumento das disparidades socioeconômicas e uma necessidade desenfreada de aperfeiçoamento constante para simplesmente se manter no mercado.

Fonte: www.marxists.org/kickoffmanchester.weebly.com/br.geocities.com

Veja também

Planejamento Urbano

PUBLICIDADE Planejamento Urbano é o estudo ou profissão que lida com o crescimento e funcionamento …

Aborígenes Australianos

Aborígenes Australianos

PUBLICIDADE Definição Aborígenes é considerada uma pessoa, animal ou planta que tenha estado em um país …

Gêiser

Gêiser

PUBLICIDADE Definição Gêiser uma fonte termal em que a água ferve intermitentemente, enviando uma alta coluna …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.