Facebook do Portal São Francisco Google+
+ circle
Home  Anu Branco  Voltar

Anu Branco

 

Anu Branco

Anu-branco (Guira guira)

Família: Cuculidae

Caracterização

Mede 38 cm. Corpo franzino, cauda comprida, graduada e com fita preta. Branco-amarelado, bico cor de laranja (cinzento no indivíduo imaturo ). Bico forte e curvo. Sexo sempre semelhante. O cheiro do corpo é forte e característico, perceptível para nós a vários metros e capaz de atrair morcegos hematófogos e animais carnívoros. Quando empoleira arrebita a cauda e joga-a até às costas. Anda sempre em bandos. São aves extremamente sociáveis.

Habitat

Até certo ponto são beneficiados pelo desaparecimento da mata alta, pois vivem em campos, lavouras e ambientes mais abertos. Imigram em regiões onde eram desconhecidos e tornam-se as aves mais comuns ao longo das estradas. Devido as seu vôo lerdo e fraco, são freqüentemente atropelados nas estradas. São arrastados ao mar por fortes ventos. São atingidos pela ação funesta dos inseticidas, fato tanto mais lamentável por serem muito úteis à lavoura.

Distribuição

Ocorre do sudeste do Amapá e do estuário amazônico à Bolívia, Argentina e Uruguai.

Hábitos

Gostam de apanhar sol e banhar-se na poeira, ficando a plumagem às vezes fortemente tingida com a cor da terra do local ou de cinza e carvão, sobretudo se eles correrem antes pelo capim molhado, o que torna suas penas pegajosas. Pela manhã e após as chuvas, pousam de asas abertas para enxugarem-se. À noite, para se esquentar, juntam-se em filas apertadas ou aglomeram-se em bandos desordenados; acontece de um correr sobre as costas dos outros, que formam a fila, para forçar a sua penetração entre os companheiros. Procuram moitas de taquara para pernoitar. Esta espécie morre de frio no inverno. Arrumam as suas plumagens reciprocamente.

Alimentação

São essencialmente carnívoros, comendo gafanhotos, percevejos, aranhas, miriápodes etc. Predam também lagartas peludas e urticantes, lagartixas e camudongos. Cospem pelotas. Pescam na água rasa; periodicamente comem frutas, bagas, coquinhos e sementes, sobretudo na época seca quando há escassez de artrópodes.

Reprodução

Os seus ovos são relativamente muito grandes, tem de 17 a 25% o peso da fêmea. A cor dos ovos é verde-marinho, uma rede branca calcária em alto relevo se espalha sobre toda a superfície. Tanto há ninhos individuais, como coletivos. A fêmea que construiu um ninho e ainda não começou a pôr os seus ovos, joga fora os ovos postos ali por outras fêmeas. Joga também os ovos, quando a fêmea poedeira encontra o ninho onde quer pôr ocupado por outra ave. Os adultos nem sempre zelam bem pelos ninhos com ovos, abandonando-os. Os filhotes deixam o ninho antes de poder voar, com a cauda curta, e são alimentados ainda durante algumas semanas. Quando os seus ninhos são abandonados, às vezes são aproveitados por outros pássaros, cobras, por pequenos mamíferos, sobretudo marsupiais.

Manifestações sonoras

Voz: alta e estridente: "iä, iä, iä" (chamada e grito durante o vôo); "i-i-i-i" (advertência); seqüência fortemente descendente e decrescendo de melodiosos "glüü" (canto); cacarejo baixo.

Predadores naturais

Animais carnívoros em geral. Esta espécie é atacada por outras aves, por exemplo o suiriri, mas é reconhecida como possível inimiga da coruja. As rolas se assustam com o aparecimento de pássaro-brancos. O anu-branco por sua vez enxota gaviões como o Buteo magnirostis - Gavião-carijó quando estes pousam nas imediações do seu ninho.

Fonte: www.faunacps.cnpm.embrapa.br

Anu Branco

Anu Branco

Guira guira

Apesar do nome essa ave apresenta uma plumagem com cores mistas. Esta espécie vive em grupos formados geralmente de 5 a 15 indivíduos, possui pé zigodáctilo característico dos cuculiformes, vive em regiões abertas ou arbustiva, sendo facilmente percebido por sua voz alta e estridente. Já foram registrados 15 "chamados básicos"(Mariño,1989), evidenciando um complexo sistema de comunicação vocal. Também são conhecidos como Alma-de-Gato, Rabo-de-Palha e Pelincho.

Alimentação: Artrópodes e pequenos vertebrados, também predam lagartas peludas e urticantes.

Nodificação:O ninho que é feito com pequenos ramos e folhas, mede cerca de 30 cm de diâmetro por 13 cm de profundidade, geralmente situado na forquilha de árvores. Os ovos verdes-marinhos, são postos em ninhos individuais ou comunitários.

Habitat: Campos, parques, jardins e matas arbustivas
Tamanho: 40 cm aproximadamente

Curiosidades

Consta que são capazes de se desfazer do revestimento interno do seu estômago, quando este se encontra impregnado de pêlos de lagartas, expelindo-as em formas de pelotas.

Devido ao seu voo lento e fraco são frequentemente atropeladas

São conhecidas por enxotar gaviões

Fonte: pt.muestrarios.org

Anu Branco

Anu Branco

O anu-branco é um pássaro do gênero Crotophaga, da família dos Cuculidae, que ocorre em praticamente todo o Brasil. Uma de suas características é o vôo baixo, um pouco desajeitado, dando a impressão de estar carregando algum peso extra ou soltando as penas.

Normalmente anda em bandos de 8 a 15 indivíduos. Vive saltando de árvore em árvore, predando ninhos de outros pássaros, devorando lagartas e pequenos répteis que são alcançados tanto nas árvores como no solo. Tem um canto inconfundível que logo anuncia a sua presença.

Anu Branco

O anu branco constrói seu ninho de forma tosca, pondo seus ovos em meio aos galhos das árvores ou simplesmente no chão onde põe entre 5 e 7 ovos cor verde marinho recoberto com uma crosta. Os ninhos podem ser coletivos, nesse caso chegam até 20, havendo revezamento entre as fêmeas do mesmo bando para chocagem.

Outra característica do ninho é que os ovos são postos em duas camadas, divididas no chão por folhas. Após a eclosão, parte do bando busca comida enquanto a outra vigia os filhotes.

Anu Branco

Como existe uma grande competição pela comida entre os filhotes nos ninhos comunitários, muitos são lançados para fora, sendo apanhados por lagartos ou devorado pelas formigas.

Um parente muito próximo do anu-branco é o seu primo anu-preto (Crotophaga ani), que tem praticamente os mesmos hábitos e fisiologia, com exceção do canto e ser um pouco menor.

Anu Branco

Na região da Reserva Ecológica de Jacarepiá estas espécies de aves são de grande importância no controle de artrópodes, como gafanhotos, percevejos, aranhas, etc. Mas sua proliferação, entretanto, preocupa os ambientalistas da ADEJA, pelo fato dos pássaros freqüentarem assiduamente a área da praia causando um certo desequilíbrio na população da Lagartixa-da-Areia (Liolaemus lutzae), fauna endêmica a região dos lagos fluminense e que está na lista oficial de animais em extinção.

Um fato curioso ocorre quando dois bandos de pássaro se encontram: os pássaros ficam lado a lado ao longo do mesmo galho da árvore e o último anu da fila desloca-se caminhando sobre o dorso dos demais, buscando ficar no meio da formação do bando.

Tanto o anu branco como o preto costumam andar sobre as gramíneas da praia espanando as penas como se estivesse tomando banho de sol.

Fonte: www.adeja.org.br

Anu Branco

Anu Branco

Nome Científico

Guira guira

Família

Cuculidae

Ordem

Cuculiformes

Distribuição

Além do Sudeste do Amapá, esta ave é avistada do estuário amazônico à Bolívia, Argentina e Uruguai.

Habitat

Vive em campos, lavouras e ambientes abertos.

Alimentação

Carnívoro, alimenta-se desde gafanhotos e percevejos até pequenas lagartas, largatixas e camundongos. Além disso, pesca em águas rasas e, periodicamente, quando a fome aperta, consome frutas, bagas, coquinhos e sementes.

Reprodução

Os ninhos são individuais ou coletivos. No segundo caso, quando a fêmea que o construiu (mas ainda não pôs os seus ovos) e o encontra ocupado, não tem dúvida: joga fora os de outras aves. É comum os adultos não zelarem muito bem pelos ovos e até abandoná-los à própria sorte. Vale dizer: os ovos chamam a atenção por serem grandes (de 17 a 23% do peso da fêmea) e de cor verde-marinho. Têm ainda uma espécie de rede em relevo em toda a sua superfície. Os filhotes deixam o ninho antes de aprenderem a voar, mas são alimentados pelos pais.

Esta ave, também conhecida por rabo-de-palha, alma-de-gato e piririgua, tem uma característica singular: o cheiro, sentido à distância, que normalmente atrai sobre si morcegos hematófogos e outros animais carnívoros, como a coruja-buraqueira. Por sorte, anda sempre aos bandos.

Aliás, à noite, costuma enfileirar-se com seus iguais para ficar aquecida. Para isso, juntam-se em moitas. Mas frequentemente morrem de frio no inverno.

O indivíduo adulto apresenta uma plumagem amarelo-creme, com bico, forte e curvo, alaranjado. Pode-se dizer que o seu tom é pastel, sobretudo quando "banha-se" na terra, que fica impregnada nas suas penas.

Com cerca de 38 centímetros de comprimento, o anu-branco é extremamente sociável e ao mesmo tempo estridente no canto. Vocaliza durante o voo, como forma de advertência e ainda possui um cacarejo baixo.

O problema é que ao voar, quando normalmente é lento, costuma ser atropelado nas estradas. Soma-se a essa ameaça, são facilmente arrastados ao mar por ventos fortes e contaminados pelos inseticidas das lavouras.

Fonte: eptv.globo.com

Anu Branco

Nome científico: Guira guira
Família: Cuculidae
Hábitat: O anu-branco vive em grupos pequenos nas regiões abertas ou arbustivas.
Alimentação: Alimenta-se de insetos, aranhas, gafanhotos e preda também lagartos, lagartixas e camundongos.
Reprodução: Os ovos do anu são relativamente grandes. As fêmeas ocupam ninhos já ocupados por outras aves. A incubação é curta, num período de 13 a 16 dias.
Características gerais: O anu-branco mede em torno de 38 centímetros. As penas de sua cabeça estão constantemente arrepiadas. Sua cor é branco-amarelada, o bico tem cor de laranja, e sua cauda possui uma fita preta. Pode ser visto em pequenos bandos, tanto na cidade como nos campos e na beira de matas.

Refeência Bibliográfica

9. BELTON, W. Aves do Rio Grande do Sul: distribuição e biologia. São Leopoldo: Unisinos, 1994.

Fonte: eros.ucs.br

Anu Branco

Anu Branco

Mede cerca de 38 cm.O anu-branco é um cuculiforme da família Cuculidae. Também conhecido como rabo-de-palha e alma-de-gato. Branco-amarelado, bico cor de laranja, forte e curvo. Anda sempre em bandos. São aves extremamente sociáveis.

Sua vocalização é alta e estridente: “iä, iä, iä” (chamada e grito durante o vôo); “i-i-i-i” (advertência); seqüência fortemente descendente e decrescendo de melodiosos “glüü” (canto); cacarejo baixo. São essencialmente carnívoros, comendo gafanhotos, percevejos, aranhas, miriápodes etc. Predam também lagartas peludas e urticantes, lagartixas e camudongos. Cospem pelotas. Pescam na água rasa; periodicamente comem frutas, bagas, coquinhos e sementes, sobretudo na época seca quando há escassez de artrópodes.

Até certo ponto são beneficiados pelo desaparecimento da mata alta, pois vivem em campos, lavouras e ambientes mais abertos. Gostam de apanhar sol e banhar-se na poeira, ficando a plumagem às vezes fortemente tingida com a cor da terra do local ou de cinza e carvão, sobretudo se eles correrem antes pelo capim molhado, o que torna suas penas pegajosas.

Presente do sudeste do Amapá e estuário amazônico (ilhas campestres) em direção sul aos demais estados do Brasil, com exceção das regiões florestadas da Amazônia

Fonte: www.altoparaiso.com

Anu Branco

1) Nome Popular

Anu-branco

2) Nome científico

Guira guira

3) Onde pode ser encontrado em vida livre na cidade

Parques Alfredo Volpi, Anhanguera, Burle Marx, Carmo, Ibirapuera, Aclimação e Fazenda Capivari (SABESP)- Distrito Eng.º Marsilac

4) Biologia: Habitat

Campos, parques e jardins. Comportamento Vivem em grupos, passam o dia juntos e à noite dormem numa mesma árvore. Os grupos compostos de 6 a 18 indivíduos, mostram uma tendência à formação de pares e há complexo sistema de comunicação vocal entre os indivíduos. Quando empuleira, tem o costume de arrebitar a cauda e jogá- la até as costas. Alimentação Artrópodes e pequenos vertebrados. Reprodução O ninho situa-se geralmente na forquilha de uma árvore a cerca de 5m do solo. Colocam de 5 a 7 ovos em ninhos individuais ou comunitários. Há forte competição por alimento entre os numerosos filhotes e poucos sobrevivem. Grau de ameaça no Estado de S.Paulo e no Brasil

5) Relação com a cidade (adaptação, impacto, doenças)

Os pássaros são úteis à lavoura, mas são atingidos pela ação impactante dos inseticidas.

6)Curiosidades(tamanho, coloração, etc)

É conhecido na Europa como Cuco. Põe os ovos nos ninhos de outras aves para que estas os choquem. Seus ninhos grandes são aproveitados por pássaros, mamíferos e cobras. Quando do reencontro dos componentes do bando, é comum observar-se as aves posicionarem-se lado a lado, num galho horizontal, juntando-se em filas apertadas, havendo caminhadas uns nas costas dos outros para forçar a penetração. Os pássaro arrumam-se reciprocamente a plumagem. É comum encontrar ovos quebrados no solo, sob os ninhos comunitários, devido à ocupação do mesmo por várias fêmeas.

7) Histórico e fatos

Interessantes de animais atendidos:

8) Fontes consultadas

Sick, H. 1997. Ornitologia Brasileira. R.J. Editora Nova
Fronteira, Rio de Janeiro, 912 p.
Höfling, E & Camargo, H. F. A. 1993. Aves do Campus.
Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, 126 p

Fonte: www.prefeitura.sp.gov.br

Anu Branco

 

Anu Branco

Tamanho

38cm

Idenficação

Espécie muito conspícua, quase inconfundível pela cauda longa, corpo claro com algumas manchas e barras escuras, topete, bico e região ao redos dos olhos amarelados.

É difícil não notar a presença deste anu, até porque parece que ele faz ques- tão de ser notado: anda em grupos grandes e barulhentos, suas cores não chegam a ser vivas, mesmo assim são chamativas e até o leigo pode perceber certa complexidade em seu comportamento social, suas vocalizações e ficar intrigado com seu modo de voar ou andar arrastando sua cauda.

Ocorre em qualquer local onde haja gramíneas e algumas árvores esparsas. Adapta-se muito bem a ambientes alterados pelo homem contanto que haja gramados, pastagens ou terrenos baldios. Alimenta-se de insetos e outros invertebrados que captura na maioria das vezes no solo. Vive em grupos de 6 a 15 indivíduos que mantém relações sociais complexas, que são expressas nas suas pelo menos 15 formas diferentes de vocalização.

Ao enterdacer o grupo todo se recolhe numa árvore e todos os indivíduos dor- mem no mesmo galho, um ao lado do outro. A reprodução também é feita em conjunto. Várias fêmeas botam ovos num mesmo ninho e se revezam na incubação dos ovos, que podem passar de 20 por ninho. Tanto os pais quanto filhotes de ninhadas anteriores ajudam a alimentar e proteger os filhotes.

Há grande competição entre os filhotes e a mortalidade é muito elevada. A expressão popular - bêbado como anu no fio- usada em algumas regiões de nosso país, é uma alusão ao modo como esta ave se equilibra balançando para frente e para trás com sua longa cauda quando está pousado em fios da rede elétrica.

Fonte: www.ib.unicamp.br

Anu Branco

 

Nome científico

Guira guira Gmelin, 1788

Nome inglês

Guira Cuckoo

Nomes populares

Anu-branco, rabo-de-palha, alma-de-gato, Anu-
galego, gralha (Rio Grande do Sul), Quiriru (Amapá)
e Piririguá (Maranhão e Piauí).

Ordem

Cuculiformes

Família

Crotophagidae

Tamanho

38 cm.

É uma das aves mais comuns do Brasil, estando ausente praticamente apenas nas florestas contínuas amazônicas. Anda sempre em bandos. São aves extremamente sociáveis.

Anu Branco

Descrição

O anu possui uma plumagem predominantemente creme, com uma grande faixa preta no rabo e um topete encrespado alaranjado, corpo franzino, cauda comprida, bico cor de laranja forte e curvo (cinzento no indivíduo imaturo). Sexo sempre semelhante. O cheiro do corpo é forte e característico, perceptível para nós a vários metros e capaz de atrair morcegos hematófagos e animais carnívoros. Quando empoleira arrebita a cauda e joga-a até às costas.

Hábitos

Gostam de apanhar sol e banhar-se na poeira, ficando a plumagem às vezes fortemente tingida com a cor da terra do local ou de cinza e carvão, sobretudo se eles correrem antes pelo capim molhado, o que torna suas penas pegajosas. Pela manhã e após as chuvas, pousam de asas abertas para enxugarem-se. À noite, para se esquentar, juntam-se em filas apertadas ou aglomeram-se em bandos desordenados; acontece de um correr sobre as costas dos outros, que forma a fila, para forçar a sua penetração entre os companheiros. Procuram moitas de taquara para pernoitar. Esta espécie morre de frio no inverno. Arrumam as suas plumagens reciprocamente.

Vocalização

Voz: alta e estridente: "iä, iä, iä" (chamada e grito durante o vôo); "i-i-i-i" (advertência); seqüência fortemente descendente e decrescendo de melodiosos "glüü" (canto); cacarejo baixo.

Alimentação

São essencialmente carnívoras, comendo gafanhotos, percevejos, aranhas, miriápodes etc. Predam também lagartas peludas e urticantes, lagartixas e camundongos. Pescam na água rasa; periodicamente comem frutas, bagas, coquinhos e sementes, sobretudo na época seca quando há escassez de artrópodes.

Reprodução

O ninho é construído em forquilhas de árvores a 5 metros do solo. Põe de 4 a 7 ovos de cor verde-marinho com uma camada calcária de alto revelo, o ovo tem de 17 a 25% do peso da fêmea. Fazem ninhos individuais ou coletivos, neste último sendo encontrados até 20 ovos. Os filhotes abandonam o ninho antes de voar e são alimentados por algumas semanas mais.

Habitat

Vivem em campos, lavouras e ambientes mais abertos. Imigram em regiões onde eram desconhecidos e tornam-se as aves mais comuns ao longo das estradas.

Distribuição

Ocorre do sudeste do Amapá e do estuário amazônico à Bolívia, Argentina e Uruguai.

Bibliografia

Helmut Sick, Ornitologia brasileira, 862 p., Editora Nova Fronteira - 1977 (pág. 389). Johan Dalgas Frisch, Aves Brasileiras, 353 p., Editora Dalgas-Ecoltec Ecologia Técnica e Com. Ltda.(pág. 117). Marco Antonio de Andrade, 1997. "Aves Silvestres - Minas Gerais". John S. Dunning & William Belton, 1993. "Aves Silvestres do Rio Grande do Sul". Renato Rizzaro, 2007, Aves da Floresta Atlântica, Reserva Rio das Furnas (32 pág.)

Fonte: docs.br

Anu Branco

Sociável, forma grupos de até 20 aves, as quais afastam os outros pássaro-brancos de seu território. Possui um chamado territorial longo, melodioso, em que os pios vão sendo dado em intervalos cada vez menores e ficam mais curtos. Esse chamado é tanto dado em vôo, como pousado. O repertório de gritos de contato e alarme é vasto. Como no anu, enquanto o grupo se alimenta no chão, algumas aves ficam em pontos mais altos, de sentinela. Caçam insetos e pequenos vertebrados, saqueando ninhos de outras aves. O alarme típico é um matraquear rápido, com todo o bando levantando vôo imediatamente.

A longa cauda vai para a cima e para frente, quando pousa em um galho, desequilibrando a ave. Voa com batidas rápidas e planeios entremeados, atravessando áreas abertas ou rios.

O branco domina a plumagem, mas não é a única cor. A cabeça e parte das costas são alaranjadas, com finas riscas negras, especialmente no peito. Asas escuras, bem como cauda negra com bolas brancas na ponta de cada pena. As penas da cabeça ficam sempre eriçadas, dando um aspecto despenteado à ave. O bico é longo e fino, amarelo ou alaranjado, sem as cristas dos outros pássaro. Nas manhãs frias do meio do ano, costumam ficar pousados em um galho, de costas para o sol nascente, entreabrindo as asas e eriçando as penas brancas do centro das costas. O bando pousa lado a lado no mesmo galho e toma longos banhos de sol.

Anu Branco

As estratégias de reprodução são variadas, com casais abandonando provisoriamente o grupo para construir ninhos e chocar, ou somente um casal colocando os ovos e o grupo chocando, bem como várias fêmeas colocando os ovos no mesmo ninho. Ocasionalmente, ovos são postos em ninhos do anu, um comportamento de parasitismo reprodutivo.

Fonte: www.avespantretal.com.br

Anu Branco

Anda aos bandos de cinco ou seis casais e, quando se habitua em um quintal, vive sem se incomodar muito com as pessoas.

Tem um canto longo, entrecortado no início e com dois assobios mais longos e de tons decrescentes no final.

O grito de alerta, para pôr o bando de sobreaviso, são três assobios muito parecidos com o "fiu-fiu" que as mulheres atraentes às vezes recebem.

Na época da reprodução, as fêmeas se reúnem para pôr e chocar os ovos num ninho coletivo - são bem estabanadas, deixam cair uma porção de ovinhos no chão.

Chega a 35 cm (mais de um palmo e meio), o corpo é de um branco "sujo", as asas são estriadas de branco e o topete é característico. Tem gente que o chama de piririta.

A ciência lhe deu o nome de Guira guira.

Fonte: www.agrov.com

Anu Branco

Guira guira

Período Reprodutivo: julho a dezembro
Locais de observação: Brejos, Cambarazal, Campo, Cerrado.

Como o anu, outra espécie que aproveitou as alterações humanas dos ambientes florestais para se expandir. Também é encontrado no interior das cidades, caçando insetos, aranhas e pequenos vertebrados nos gramados e áreas abertas. No Pantretal, ocorre em todos os ambientes abertos, embora seja menos encontrado nas margens dos rios e alagados do que o anu.

Sociável, forma grupos de até 20 aves, as quais afastam os outros pássaro-brancos de seu território. Possui um chamado territorial longo, melodioso, em que os pios vão sendo dado em intervalos cada vez menores e ficam mais curtos. Esse chamado é tanto dado em vôo, como pousado. O repertório de gritos de contato e alarme é vasto. Como no anu, enquanto o grupo se alimenta no chão, algumas aves ficam em pontos mais altos, de sentinela. Caçam insetos e pequenos vertebrados, saqueando ninhos de outras aves. O alarme típico é um matraquear rápido, com todo o bando levantando vôo imediatamente.

A longa cauda vai para a cima e para frente, quando pousa em um galho, desequilibrando a ave. Voa com batidas rápidas e planeios entremeados, atravessando áreas abertas ou rios.

O branco domina a plumagem, mas não é a única cor. A cabeça e parte das costas são alaranjadas, com finas riscas negras, especialmente no peito. Asas escuras, bem como cauda negra com bolas brancas na ponta de cada pena. As penas da cabeça ficam sempre eriçadas, dando um aspecto despenteado à ave. O bico é longo e fino, amarelo ou alaranjado, sem as cristas dos outros pássaro. Nas manhãs frias do meio do ano, costumam ficar pousados em um galho, de costas para o sol nascente, entreabrindo as asas e eriçando as penas brancas do centro das costas. O bando pousa lado a lado no mesmo galho e toma longos banhos de sol.

As estratégias de reprodução são variadas, com casais abandonando provisoriamente o grupo para construir ninhos e chocar, ou somente um casal colocando os ovos e o grupo chocando, bem como várias fêmeas colocando os ovos no mesmo ninho. Ocasionalmente, ovos são postos em ninhos do anu, um comportamento de parasitismo reprodutivo.

Fonte: www.avedomestica.com

Anu Branco

Guira guira

Como o anu, outra espécie que aproveitou as alterações humanas dos ambientes florestais para se expandir. Também é encontrado no interior das cidades, caçando insetos, aranhas e pequenos vertebrados nos gramados e áreas abertas. No Pantretal, ocorre em todos os ambientes abertos, embora seja menos encontrado nas margens dos rios e alagados do que o anu.

Sociável, forma grupos de até 20 aves, as quais afastam os outros pássaro-brancos de seu território. Possui um chamado territorial longo, melodioso, em que os pios vão sendo dado em intervalos cada vez menores e ficam mais curtos. Esse chamado é tanto dado em vôo, como pousado. O repertório de gritos de contato e alarme é vasto. Como no anu, enquanto o grupo se alimenta no chão, algumas aves ficam em pontos mais altos, de sentinela. Caçam insetos e pequenos vertebrados, saqueando ninhos de outras aves. O alarme típico é um matraquear rápido, com todo o bando levantando vôo imediatamente.

A longa cauda vai para a cima e para frente quando pousa em um galho,desequilibrando a ave. Voa com batidas rápidas e planeios entremeados, atravessando áreas abertas ou rios.

O branco domina a plumagem, mas não é a única cor. A cabeça e parte das costas são alaranjadas, com finas riscas negras, especialmente no peito. Asas escuras, bem como cauda negra com bolas brancas na ponta de cada pena. As penas da cabeça ficam sempre eriçadas, dando um aspecto despenteado à ave. O bico é longo e fino, amarelo ou alaranjado, sem as cristas dos outros pássaro. Nas manhãs frias do meio do ano, costumam ficar pousados em um galho, de costas para o sol nascente, entreabrindo as asas e eriçando as penas brancas do centro das costas. O bando pousa lado a lado no mesmo galho e toma longos banhos de sol.

As estratégias de reprodução são variadas, com casais abandonando provisoriamente o grupo para construir ninhos e chocar, ou somente um casal colocando os ovos e o grupo chocando, bem como várias fêmeas colocando os ovos no mesmo ninho. Ocasionalmente, ovos são postos em ninhos do anu, um comportamento de parasitismo reprodutivo.

Período Reprodutivo: ulho a dezembro.

Fonte: www.cpcx.ufms.br

Anu Branco

Guira guira

Anu Branco

Características

Mede em torno de 38 cm, com plumagem branca-amarelada, asas marrons e bico alaranjado. Cauda com faixa preta. As penas da fronte e alto da cabeça são longas e fina e quando arrepiadas formam um topete. Sexo sempre semelhante.

Habitat

Campos, pastagens e áreas cultivadas

Ocorrência

Paraguai, Uruguai, Argentina e todo o Brasil.

Hábitos

Quando empoleirado arrebita sua longa cauda. Seu canto é alto, estridente e muito variado. Caça em pequenos grupos no solo. Anda sempre em bandos. São aves extremamente sociáveis. Devido as seu vôo lerdo e fraco, são freqüentemente atropelados nas estradas. Gostam de apanhar sol e banhar-se na poeira, ficando a plumagem às vezes fortemente tingida com a cor da terra do local ou de cinza e carvão, sobretudo se eles correrem antes pelo capim molhado, o que torna suas penas pegajosas. Pela manhã e após as chuvas, pousam de asas abertas para enxugarem-se. À noite, para se esquentar, juntam-se em filas apertadas ou aglomeram-se em bandos desordenados; acontece de um correr sobre as costas dos outros, que formam a fila, para forçar a sua penetração entre os companheiros. Procuram moitas de taquara para pernoitar. Esta espécie morre de frio no inverno. Arrumam as suas plumagens reciprocamente.

Alimentação

São essencialmente carnívoros, comendo gafanhotos, percevejos, aranhas, miriápodes etc. Predam também lagartas peludas e urticantes, lagartixas e camundongos. Cospem pelotas. Pescam na água rasa. Periodicamente comem frutas, bagas, coquinhos e sementes, sobretudo na época seca quando há escassez de artrópodes.

Reprodução

Seus ovos são relativamente muito grandes, tem de 17 a 25% o peso da fêmea. A cor dos ovos é verde-marinho, uma rede branca calcária em alto relevo se espalha sobre toda a superfície. Tanto há ninhos individuais, como coletivos. A fêmea que construiu um ninho e ainda não começou a pôr os seus ovos, joga fora os ovos postos ali por outras fêmeas. Joga também os ovos, quando a fêmea poedeira encontra o ninho onde quer pôr ocupado por outra ave. Os adultos nem sempre zelam bem pelos ninhos com ovos, abandonando-os. Os filhotes deixam o ninho antes de poder voar, com a cauda curta, e são alimentados ainda durante algumas semanas. Quando os seus ninhos são abandonados, às vezes são aproveitados por outros pássaros, cobras, por pequenos mamíferos, sobretudo marsupiais.

Predadores naturais

Animais carnívoros em geral. Esta espécie é atacada por outras aves, por exemplo o suiriri, mas é reconhecida como possível inimiga da coruja. As rolas se assustam com o aparecimento de pássaro-brancos. O anu-branco por sua vez enxota gaviões como o gavião-carijó quando estes pousam nas imediações do seu ninho.
Ameaças - atingidos pela ação funesta dos inseticidas, fato tanto mais lamentável por serem muito úteis à lavoura.

Fonte: www.vivaterra.org.br

Sobre o Portal | Política de Privacidade | Fale Conosco | Anuncie | Indique o Portal