Breaking News
Home / Animais / Guará

Guará

PUBLICIDADE

Ave típica dos manguezais que freqüentava o litoral brasileiro do Amapá até Santa Catarina. Algumas vezes aparece em áreas do interior do continente.

Tem por hábito caminhar durante o dia, abrindo e fechando rapidamente o bico, que mantém mergulhado em águas rasas, em busca do caranguejo chama-maré, seu alimento mais apreciado.

Voam em bandos e formam seus ninhos na vegetação densa do mangue. Alcançam em torno de 58 centímetros de comprimento.

Fonte: www.ibge.gov.br

Guará

Nome científico: Eudocimus ruber
Período de Incubação: 21 a 23 dias
Número de ovos: 2 ou 3

Distribuição geográfica

Da América Central e Antilhas até a Colômbia, Venezuela e Guianas

Hábitos alimentares

Caranguejos, caramujos e insetos

Curiosidades

Devido ao seu colorido vermelho intenso, realçando nos grandes bandos que vive, o Guará pode ser considerado uma das aves mais belas do Brasil. Essa coloração é decorrente da alimentação rica em crustáceos e carotenóides (um tipo de pigmento avermelhado).

Para dormir e fazer seu ninho procura densa vegetação como extensos mangues. Seus ninhos são compartilhados com colhereiros e cabeça seca. Os ovos do Guará são verde claro borrado de pardo.

Hoje, devido a destruição dos mangues, o guará está restrito a pequenas áreas.

Fonte: www.parquedoisirmaos.pe.gov.br

Guará

GUARÁ, uma ave de exuberante coloração

Ordem: Ciconiiformes
Família: Threskiornithidae
Nome popular: Guará
Nome em inglês: Scarlet ibis
Nome científico: Eudocimus ruber
Distribuição geográfica: Extremo norte da América do Sul

Habitat

Áreas pantanosas e de mangue, lagos, rios de curso lento e campos de arroz.

Hábitos alimentares

Caranguejos, vermes, moluscos e pequenos peixes e anfíbios.

Reprodução

Nidifica em ilhas ou árvores isoladas em áreas alagadas, posturas de 1 a 3 ovos, incubados por até 25 dias.

Período de vida

Estimado em mais de 20 anos

O Guará (Eudocimus ruber) é uma ave brasileira encontrada principalmente em manguezais da costa setentrional da América do Sul. Os guarás fazem parte da família Threskiornithidae, aves mundialmente conhecidas como íbis, com cerca de trinta espécies. Estas aves são sagradas em muitas partes do mundo, devido a seus hábitos calmos e cores atrativas. No Egito, foram encontrados íbis egípcios (Threskiornis aethiopica) mumificados ao lado das múmias de faraós e, no Brasil, as penas do guará eram reservadas apenas aos caciques indígenas antes da colonização.

Têm aproximadamente 58 cm, vivem em bandos que chamam a atenção devido a sua exuberante coloração vermelha. Essas aves alimentam-se principalmente de pequenos crustáceos ricos em carotenos, resultando na intensa pigmentação vermelha que estas possuem. Em cativeiro, suplementos alimentares com corantes naturais tentam suprir os nutrientes destes crustáceos e assim manter a cor das aves.

Alguns livros descrevem o bico do guará fêmea diferente do macho, um pouco mais fino e com a ponta negra, já os machos no período de reprodução possuem o bico negro brilhante.

Antigamente os guarás eram encontrados em Cubatão, local de mangues (habitat preferido por questões alimentares), mas devido a grande degradação, poluição do mar, desmatamento e ocupação dos manguezais acabaram migrando para outras regiões. Foi extinto em uma grande área brasileira devido à caça, pois suas penas eram aproveitadas para adorno e seus ovos eram coletados e os ninhos destruídos, comprometendo assim a sobrevivência dos guarás.

Juliana Pinto Corrêa

Fonte: www.zoologico.sp.gov.br

Guará

Eudocimus ruber

Guará
Guará fora da fase reprodutiva

O guará é uma das mais espetaculares aves do planeta. Poderia tranqüilamente concorrer àquele concurso de a mais bonita ave brasileira. Sua coloração é de um vermelho crepuscular intenso, seu porte é esbelto, mede em torno de 58cm.

Porém, é durante a reprodução que a ave se faz mais bela, principalmente o macho guará, como de praxe nas aves: suas penas mais vermelhas, seu bico preto e brilhante, como madeira-de-lei laqueada e suas longas pernas permanecem com a coloração vermelho suave.

Manter todo este glamur   requer muito gasto energético com a aparência, pois isto é fundamental para a sobrevivência da espécie. Somente macho atraente e sadio é aceito pela fêmea. Portanto, só os que atendem a esses pré-requisitos terão seus genes propagados às gerações futuras.

Talvez o grupo das aves possua as mais exigentes fêmeas dentre os vertebrados. Neste grupo também é muito alto o investimento nos cuidados com a cria, pois nele todos os filhotes nascem indefesos e completamente dependentes. Além de terem que ser chocados por um longo período. Diferente dos répteis, que a mãe natureza se incumbe de chocar os ovos e a maioria já nasce independente, havendo algumas exceções.

Mudanças corporais são comuns durante o período reprodutivo no reino animal.

Esta é uma prova de que os rituais de embelezamento não são unicamente culturais, ou seja, somente humanos. Portanto, parte de nossa vaidade está definida em nossos genes e tem a ver com o desejo de ser aceito. Porém, a cultura criou outros artifícios para expressar esta “solicitação” genética no específico caso dos humanos, como a fala, adornos e o poder.

Esta maravilhosa ave forrageia vagarosamente em águas rasas dos manguezais ou áreas salobres, alimentando-se de crustáceos (preferencialmente os caranguejos chama-marés Uca sp.  ), moluscos e insetos. Sua coloração está diretamente ligada ao seu regime alimentar, rico em pigmentos vermelhos, principalmente dos crustáceos. Quando o animal é aprisionado, sua coloração entra em declínio. Isto explica a grande diferença entre os guarás cativos e os selvagens.

O guará originalmente vivia em todos os manguezais setentrionais da América do Sul, do Amazonas até Santa Catarina. Hoje, porém, a espécie encontra-se em franco declínio e infelizmente extinta no Espírito Santo. Há quem credite o nome da cidade capixaba de Guarapari ao guará. Hoje em dia, eles não mais são vistos neste balneário e os próprios manguezais estão desaparecendo.

O guará formava seus ninhais em todos os manguezais brasileiros, e atualmente no Brasil existem duas populações disjuntas, uma no norte e outra no sul. A primeira descrição da espécie no Brasil remonta ao ano de 1557, quando H. Standen descreve a caça dos guarás pelos tupinambás e tupiniquins, que utilizavam suas plumagens para os adornos.

O guará é parente próximo de uma das aves sagradas do antigo Egito, o íbis do Rio Nilo. Esta ave era embalsamada e guardada como objeto sagrado. Também foi muito representada nos hierógrifos egípcios. Aqui no país o guará é parente do colhereiro, da curicaca e do corocoró, todas aves bem brasileiras.

Penha Emerick

Fonte: www.seculodiario.com.br

Guará

REPRODUÇÃO

Durante a época de reprodução, muitas fêmeas ficam ao redor do macho, que procura uma área onde, mais tarde, ficará o ninho, normalmente feito nas árvores típicas dos manguesais.

Na época da reprodução, o bico do macho torna-se negro e brilhante. As fêmeas possuem o bico mais fino e mantém a cor inalterada, sempre parda e com a ponta enegrecida

CIENTIFICAMENTE

Filo: Vertebrata
Sub-classe: Neornithes
Ordem: Ciconiformes
Sub-ordem: Ciconiae
Super-família: Threskiornitoidea
Família: Threskiornithidae
Gënero: Eudocimus
Espécie: Eudocimus ruber
Nome popular: Guará, guará-vermelho, guará-rubro

ALIMENTAÇÃO

Os guarás são aves carnívoras e se alimentam de caramujos, insetos e caranguejos. Elas andam vagarosamente sobre a água, com a ponta do bico submersa, abrindo e fechando a mandíbula rapidamente em busca de alimento.

Um dos alimentos preferidos dos guarás é o caranguejo, um dos gêneros mais comum, o Uca.

COLORAÇÃO

O Guará Vermelho é uma das aves mais espetaculares do mundo. Ele possui uma plumagem vermelho-carmesin que só pode ser visível na ave adulta. Em aves novas, podemos notar a cor pardo-acinzentada nas penas superiores e esbranquiçadas nas inferiores.

A cor dos guarás está ligada a um pigmento chamado carotenóide cantaxantina, responsável pela coloração vermelha das penas. A falta de ingestão de crustáceos inibe a produção destes pigmentos, fazendo com que a ave perca gradativamente sua cor, que fica parecida com a das aves mais jovens. Esse fenômeno é muito comum em aves de cativeiro cuja dieta não é a base de crustáceos.

CARACTERÍSTICAS

O guará possui a cor avermelhada, habita principalmente os manguezais da costa atlântica e tem aproximadamente 60 cm de altura, sendo que as fêmeas são um pouco menores. Seus tarsos são revestidos de escudos hexagonais, com o bico longo e recurvado, variando de macho para fêmea, umas das características de diferenciação sexual. Muitas vezes, essa ave é confundida com os colhereiros, que, assim como as garças, são da mesma família dos guarás.

Fonte: www.portaldeguaratuba.com.br

Guará

Guará é o nome de uma ave ciconiforme da família Threskiornithidae, também conhecido como íbis-escarlate, Guará-vermelho, Guará-rubro e Guará-pitanga (do tupi, “ave vermelha”). É considerada por muitos uma das mais belas aves brasileiras, por causa da cor de sua plumagem. Está presente em Trinidad e Tobago (onde é a ave nacional) e na Colômbia, Venezuela, Guianas e litoral norte do Brasil, havendo grupos isolados já relatados em São Paulo e no Paraná.

O Guará mede cerca de 50 a 60 cm. Possui bico fino, longo e levemente curvado para baixo. A plumagem é de um colorido vermelho muito forte, por causa de sua alimentação à base de um certo caranguejo que possui um pigmento que tinge as plumas. No cativeiro, com a mudança da alimentação, as plumas perdem a cor e ficam com um tom cor-de-rosa apagado.

A reprodução é feita em colônias. O ninhos são feitos no alto das árvores à beira dos manguesais e lamaçais litorâneos. A fêmea põe 2 ou 3 ovos de cor cinza-oliváceo com manchas marrons.

Fonte: www.naturlink.pt

Guará

Guará, cujo nome científico é Eudocimus ruber, ave que ocorre no Brasil e outros países no norte da América do Sul e Central, é reconhecida como uma das mais espetaculares aves do mundo, com sua plumagem vermelho-carmesim. Elegante, anda em águas rasas e lodaçais, durante a maré baixa, para se alimentar, principalmente de caranguejos e camarões, que compõem sua dieta principal. Também se alimenta de caramujos e insetos. É conhecida popularmente como Guará-vermelho, Guará-piranga ou simplesmente Guará, no Brasil e, mundialmente, como Íbis vermelha e pode ser encontrada em manguezais.

Originalmente, suas populações ocorriam entre o Amapá e Piauí e entre o Rio de Janeiro e Santa Catarina. Hoje, no entanto, são encontrados, sobretudo, nos Estados do Amapá, Pará, Maranhão, Piauí e São Paulo (em Cubatão). Segundo a nova lista de espécies ameaçadas, publicada pelo Ministério do Meio Ambiente, esta espécie foi retirada dessa categoria. Porém, requer uma atenção especial aos habitats, os manguezais, onde se alimentam e nidificam.

A ave adulta mede cerca de 58 cm, possui a cor da plumagem vermelho-carmesim, proveniente de um pigmento chamado carotenóide cantaxantina, encontrado nos crustáceos que fazem parte de sua dieta. As mais jovens apresentam a cor pardo-acinzentada nas penas superiores e esbranquiçadas nas inferiores. Seus filhotes nascem com uma penugem preta, muito diferente dos adultos.

Estão sempre em bandos e impressionam pelos vôos coletivos, que podem se estender de 60 a 70 quilômetros para atingir os lamaçais onde se alimentam, e pela cor exuberante da plumagem, sendo que os Guarás mais jovens podem formar bandos separados dos adultos. Procuram uma vegetação mais densa para dormir e para construir seus ninhos.

A reprodução no Brasil ocorre no período das chuvas. Outro aspecto curioso é que, nessa época, o seu bico fica preto e sua coloração vermelha ainda mais viva.

Com esta emissão, os Correios divulgam o Guará, ave de inquestionável beleza, e procuram alertar sobre a necessidade de preservação dessa espécie e dos habitats dos quais dependem para sobreviver.

Fonte: www.correios.com.br

Guará

O guará é uma das mais espetaculares aves do planeta. Poderia tranqüilamente concorrer àquele concurso de a mais bonita ave brasileira. Sua coloração é de um vermelho crepuscular intenso, seu porte é esbelto, mede em torno de 58cm.

Porém, é durante a reprodução que a ave se faz mais bela, principalmente o macho guará, como de praxe nas aves: suas penas mais vermelhas, seu bico preto e brilhante, como madeira-de-lei laqueada e suas longas pernas permanecem com a coloração vermelho suave.

Manter todo este glamur requer muito gasto energético com a aparência, pois isto é fundamental para a sobrevivência da espécie. Somente macho atraente e sadio é aceito pela fêmea. Portanto, só os que atendem a esses pré-requisitos terão seus genes propagados às gerações futuras.

Talvez o grupo das aves possua as mais exigentes fêmeas dentre os vertebrados. Neste grupo também é muito alto o investimento nos cuidados com a cria, pois nele todos os filhotes nascem indefesos e completamente dependentes. Além de terem que ser chocados por um longo período. Diferente dos répteis, que a mãe natureza se incumbe de chocar os ovos e a maioria já nasce independente, havendo algumas exceções.

Mudanças corporais são comuns durante o período reprodutivo no reino animal. Esta é uma prova de que os rituais de embelezamento não são unicamente culturais, ou seja, somente humanos. Portanto, parte de nossa vaidade está definida em nossos genes e tem a ver com o desejo de ser aceito. Porém, a cultura criou outros artifícios para expressar esta “solicitação” genética no específico caso dos humanos, como a fala, adornos e o poder.

Esta maravilhosa ave forrageia vagarosamente em águas rasas dos manguezais ou áreas salobres, alimentando-se de crustáceos (preferencialmente os caranguejos chama-marés Uca sp. ), moluscos e insetos. Sua coloração está diretamente ligada ao seu regime alimentar, rico em pigmentos vermelhos, principalmente dos crustáceos. Quando o animal é aprisionado, sua coloração entra em declínio. Isto explica a grande diferença entre os guarás cativos e os selvagens.

O guará originalmente vivia em todos os manguezais setentrionais da América do Sul, do Amazonas até Santa Catarina. Hoje, porém, a espécie encontra-se em franco declínio e infelizmente extinta no Espírito Santo. Há quem credite o nome da cidade capixaba de Guarapari ao guará. Hoje em dia, eles não mais são vistos neste balneário e os próprios manguezais estão desaparecendo.

O guará formava seus ninhais em todos os manguezais brasileiros, e
atualmente no Brasil existem duas populações disjuntas, uma no norte e outra no sul. A primeira descrição da espécie no Brasil remonta ao ano de 1557, quando H. Standen descreve a caça dos guarás pelos tupinambás e tupiniquins, que utilizavam suas plumagens para os adornos.

O guará é parente próximo de uma das aves sagradas do antigo Egito, o íbis do Rio Nilo. Esta ave era embalsamada e guardada como objeto sagrado. Também foi muito representada nos hierógrifos egípcios. Aqui no país o guará é parente do colhereiro, da curicaca e do corocoró, todas aves bem brasileiras.

Dedico esta seção à bióloga, educadora e artista Simone Cloude. Simone é pessoa que tem na franqueza o seu principal diferencial. É capaz de assumir o que a maioria não tem coragem de sequer pensar. A franqueza é uma qualidade rara e de aceitação difícil nesta era de fala equacionada, intenção amoitada e desejo travestido. Portanto, a verdade passou a ser coisa dos antigos, algo demodée , já que a moda atual é desprezá-la. Além de muita disposição para aprender a arte do blefe. Abraço, grande colega, à moda antiga.

Fonte: www.seculodiario.com.br

Guará

Nome Popular: GUARÁ
Outros Nomes: Guará-piranga, guará-rubro
Nome Científico: Eudocimus ruber (Linnaeus, 1758)
Nome em Inglês: Scarlet ibis
Ordem: Ciconiiformes
Família: Threskiornithidae
Tamanho: 58 cm

Anda vagarosamente na água rasa, com a ponta do bico submersa, abrindo e fechando as mandíbolas em busca de caranguejos, caramujos e insetos. Seu alimento básico são os pequenos caramujos, tais como o chama-maré ou sarará, Uca sp., e o maraquani. A cor da plumagem decorre do carotenóide cataxantina. Antigamente ocorria em todo o litoral brasileiro, até a ilha de Santa Catarina. Cidade como Guaratuba (em tupi, guará-tuba significa muito guará), do estado do Paraná, lembram que essas aves ali existiam em grande número. Atualmente, já se extinguiu na região sudeste.

Em Cubatão, na Baixada santista, graças ao Projeto Cubatão, da Cetesb e Prefeitura Local,que está recuperando a região, informam que o Guará Vermelho voltou aos mangues e são apontados mais de 600 individuos.

“Em 1994, dois pesquisadores: Fábio Olmos e Robson Silva e Silva, com apoio da Fundação Boticário, iniciaram os estudos sobre a população de guarás. Acreditam que o reaparecimento se deu devido as obras de dragagem do canal do estuário feito pela COSIPA na década do 70, com a deposição da lama nas margens o que possibilitou a formação de bancos de alimentação, que aquecida pelo sol, torna-se ambiente ideal para a proliferação de moluscos, vermes e crustáceos (as marias mulatas) que servem de alimentos às aves.

Segundo os pesquisadores, a maior concentração dessas aves ocorre de outubro a março. Nesse período ocorre a reprodução. Na época do inverno, os guarás se escondem mais para o interior do mangue, na altura do Rio Cascalho, em direção ao Parque Ecológico Cotia Pará. A população ainda é pequena. São cerca de 600 indivíduos. Para se ter uma idéia de proporção, para cada guará existem cinco garças brancas de várias espécies.”

Fonte: br.geocities.com

Guará

Guará

Classe: Aves
Ordem: Ciconiformes
Família: Threskiornithidae
Nome científico: Eudocimus ruber
Nome vulgar: Guará
Categoria: Vulnerável

Características

Uma das mais espetaculares do globo; típico para os manguezais.

Sua magnífica plumagem vermelha carmesim decorre do carotenóide cantaxantina. Anda vagarosamente na água rasa, com a ponta do bico submersa, abrindo e fechando as mandíbulas em busca de caranguejos, tais como a chama-maré ou sarará e o maraquani. Há grande número destas aves no Estado do Paraná, mas atualmente já extinguiu na região sudeste.

Pelo seu colorido vermelho intenso, realçados ainda mais nos grandes bandos em que vive, o Guará pode ser considerada uma das aves mais belas do nosso País. Originalmente a espécie estava presente em lamaçais litorâneos e manguezais. A coloração dos Guarás deve-se a um pigmento de cor vermelha presente nos caranguejinhos dos quais se alimenta.

Em cativeiro, com alimentação diferente, eles adquirem uma coloração desbotada, cor-de-rosa.

Reproduz-se em colônias, procuram densa vegetação, por exemplo, extensos manguezais mas havendo ainda poucas informações sobre os locais de reprodução da espécie. Surgem sempre em bandos, para dormir.

Os ninhos são plataformas construídas de gravetos, localizadas a cerca de 2 a 12 m de altura nos manguezais. Cada fêmea põe, em média 2 ou 3 ovos, de cor cinza-oliváceo com manchas e pontos marrons. Conhecido também como Guará-verme, Guará-rubro e Guará-piranga (em tupi, ave vermelha). Durante a reprodução o bico do macho torna-se negro e brilhante; as pernas continuando sempre com a coloração vermelha-clara.

A fêmea mantém inalteradamente o bico (que é mais fino) pardacento com a ponta enegrecida e as pernas vermelho-esbranquiçadas. Registrou-se, às vezes o vestígio de um maciço saquinho de pele nua cor-de-rosa de cada lado da garganta é um dispositivo que se forma durante a reprodução. Impressionam seus vôos coletivos que pode estender-se de 60 a 70 quilômetros até os lamaçais onde se alimentam de dia.

Nidificam no começo da seca, de julho a setembro. Asa 28,9 cm, cauda 9,5 cm, bico 16,3 cm, tarso 7,1 cm.
Comprimento: 58 cm a 61,0 cm.

Ocorrência Geografica

No Brasil, ocorria em duas áreas separadas desde o Amapá até o Ceará e nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Santa Catarina. (Ilhas do estuário amazônico, costas do Maranhão).

Cientista que descreveu

Linnaeus, 1758

Categoria/Critério

As populações do litoral sudeste e sul do País foram drasticamente reduzidas em decorrência da caça indiscriminada (além da carne para alimentação, suas penas eram exportadas para a confecção de adereços), da captura dos ovos e da destruição e poluição dos manguezais, devido à urbanização. Com essa drástica redução, a espécie foi considerada extinta nos litorais sudeste e sul já na década de 50.

Fonte: www.ambientebrasil.com.br

Guará

Guará

Nome popular: Guará
Nome Científico: Eudocimus ruber
Distribuição geográfica: É encontrada principalmente no norte da América do Sul.
Habitat natural: Manguezais
Hábitos alimentares: Comepequenos crustáceos ricos em carotenos (que dão a cor vermelha)
Tamanho: Cerca de 58 centímetros.

O Guará (Eudocimus ruber) é uma ave brasileira encontrada principalmente em manguezais da costa norte da América do Sul. Os Guarás fazem parte da família Threskiornithidae, mundialmente conhecida como íbis.

Têm aproximadamente 58 cm, vivem em bandos que chamam a atenção devido a sua exuberante coloração vermelha.

Essas aves alimentam-se principalmente de pequenos crustáceos ricos em carotenos, resultando na intensa pigmentação vermelha que estas possuem.

Alguns livros descrevem o bico do Guará fêmea diferente do macho, um pouco mais fino e com a ponta negra. Já os machos, no período de reprodução, possuem o bico negro brilhante.

Antigamente os Guarás eram encontrados em Cubatão, local de mangues (habitat preferido por questões alimentares), mas devido à grande degradação, poluição do mar, ao desmatamento e à ocupação dos manguezais, acabaram migrando para outras regiões.

O Guará foi extinto em uma grande área brasileira devido à caça: suas penas eram aproveitadas para adorno, seus ovos eram coletados e os ninhos destruídos, comprometendo assim a sobrevivência dos Guarás.

Fonte: www.terra.com.br

Veja também

Rinoceronte

Rinoceronte, Reprodução, Características, Espécies, Mamíferos, Hábitos, Fotos, Classificação, Habitat, Tamanho, Animal, Anatomia, Comportamento, Rinoceronte

Rinoceronte Branco

Rinoceronte Branco, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Visão, Rinoceronte Branco

Rinoceronte de Java

Rinoceronte de Java, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Rinoceronte de Java

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.