Breaking News
Home / Animais / Panda-gigante

Panda-gigante

PUBLICIDADE

O que é um panda?

O panda é sem dúvida um dos mamíferos mais atraentes do mundo.

Está relacionado a outras espécies de ursos, mas pesquisas genéticas sugerem uma divisão de aproximadamente 40.000 anos atrás, que resultou no animal ter um osso de pulso alongado semelhante a um polegar.

Panda-gigante, com suas manchas pretas e brancas, é mais reconhecível, mas o mesmo grupo de animais também inclui o Panda Vermelho, que muito mais se assemelha a um guaxinim ou uma raposa do que um urso.

Outra espécie, aproximadamente a metade do tamanho das espécies gigantes, foi extinta por cerca de um milhão de anos, embora ainda se encontrem registros fósseis desse Panda Anão.

O Panda-gigante pesa cerca de 122,54 kg e pode ter entre 1,52 e 1,82 m de altura.

O Panda Vermelho é muito menor e mais parecido com um guaxinim. Pode ter cerca de 53 m de comprimento e pesar cerca de 4,98 kg. Esta espécie também tem uma longa cauda peluda que tem aparência de raposa.

O Panda-gigante e o Panda Vermelho podem ser encontrados na Ásia, com as maiores concentrações de animais na China.

Acredita-se que o habitat desses animais tenha se estendido pela maior parte da Ásia, de acordo com registros fósseis.

Agora o Panda-gigante é encontrado exclusivamente na China. O Panda Vermelho é encontrado na China, Índia e Nepal.

Ambos os tipos são quase exclusivamente herbívoros, comendo principalmente bambu. Em cativeiro, os animais podem desfrutar de ovos e inhame.

Eles são considerados muito seletivos em relação ao tipo de bambu que comem e tendem a migrar de acordo com os tipos e estações do bambu. Este fator resultou em seu extremo perigo devido à destruição do habitat.

No entanto, os esforços concertados do governo chinês e os programas de criação de zoológicos aumentaram a população de pandas gigantes, tanto cativas quanto selvagens.

As duas espécies ainda são consideradas ameaçadas de extinção. Medidas adicionais e restauração do habitat são necessárias para considerar a espécie mais uma vez segura. Neste momento, o Panda Vermelho não tem a mesma proteção.

O Panda-gigante também é uma criatura bastante solitária em seu ambiente natural. Isso tornou os programas de criação extremamente desafiadores.

Muitos nascidos em cativeiro são agora inseminados artificialmente para proporcionar melhores oportunidades para a produção de jovens.

O governo chinês também é bastante proprietário quanto a permitir que outros zoológicos mantenham os pandas. Eles geralmente emprestam os animais para zoológicos em diferentes países por um preço, portanto, várias populações reprodutivas podem ser estabelecidas e a endogamia pode ser evitada.

Assim como os problemas com o acasalamento do Panda-gigante, os bebês podem ser natimortos, ou gêmeos podem ocorrer com um gêmeo doente.

Esta espécie terá apenas cinco a sete jovens na vida, tornando mais difícil produzir um bebê vivo e saudável, especialmente em cativeiro. O Panda Vermelho não é tão solitário e tende a ter ninhadas de bebês.

Há menos problemas em reproduzir as espécies, mas há mais problemas em fornecer habitat natural suficiente para elas.

Embora ambas as espécies estejam agora protegidas até certo ponto, é necessária mais proteção. Especialistas em vida selvagem sugerem que há apenas cerca de 1000 pandas gigantes permanecendo em estado selvagem.

Em seu ambiente natural, cerca de 10.000 pandas vermelhos morrem por ano, principalmente devido à perda de habitat.

Quais são as diferentes espécies de pandas?

Existem apenas duas espécies diferentes de pandas no mundo, os pandas-gigantes e os pandas vermelhos.

Apesar de seu nome comum, os dois não são cientificamente relacionados entre si. Eles vivem aproximadamente na mesma área geográfica e têm uma dieta semelhante; ambos também estão diminuindo em termos de seus números populacionais.

O panda-gigante é na verdade uma espécie de urso, e como resultado é conhecido em alguns lugares como um “urso panda”.

Esses animais podem ser bem grandes e muito distintos em coloração: eles são principalmente brancos com grandes manchas pretas ao redor dos olhos, em seus ouvidos e em outras partes de seus corpos.

Como o nome do panda vermelho sugere, essas criaturas tendem a adquirir uma cor mais enferrujada e são consideravelmente menores. Na maioria dos casos, eles se assemelham a gatos domésticos em tamanho e agilidade, e tendem a viver em terrenos mais rochosos e montanhosos. Os dois raramente ou nunca entram em contato uns com os outros na natureza.

Animal

Ambos os animais são nativos da Ásia Central, mas suas áreas de distribuição tendem a ser um pouco diferentes.

Pesquisadores acreditam que os ursos existem apenas em algumas florestas isoladas de bambu no centro-sul da China. As versões vermelhas também vivem nesta parte da China, mas seu habitat também se ramifica para o oeste através de Bangladesh, Butão e Nepal. Acredita-se que o nome “panda” venha da palavra nepalesa “ponya”, que significa “bambu” – e, de fato, o bambu é a principal fonte de alimento para as duas criaturas. Esta é uma maneira de explicar o nome comum. Na maioria dos outros aspectos, os animais são muito diferentes.

Fatos do Panda-Gigante

O panda-gigante é conhecido cientificamente como Ailuropoda melanoleuca, e estudos moleculares mostraram que é um verdadeiro urso e parte da família Ursidae. É amplamente considerado como um dos ursos mais suaves, e é predominantemente um herbívoro, o que pode explicar sua falta geral de agressão.

A altura média de um panda-gigante é geralmente algo entre 152,5-183 cm de altura, aproximadamente a altura de um ser humano médio.

Eles tendem a pesar muito mais, porém, com ursos pesando regularmente mais de 91 kg.

Os ursos são uma parte muito importante da cultura chinesa e acredita-se que os pandas já foram o animal mais estimado no jardim de animais exóticos do imperador.

Os ursos normalmente consomem quase 36,4 kg de bambu por dia, o que coloca uma certa limitação em seu habitat.

Em suma, eles precisam viver onde as florestas são ricas e densas, e onde há sempre um suprimento constante de alimentos.

Eles também são conhecidos por comerem pequenos roedores e outros animais quando a comida é escassa; mel, ovos, peixes e frutas como laranjas e bananas às vezes também são consumidos quando estão disponíveis.

Os animais normalmente gastam cerca de 16 horas por dia apenas comendo.

Este tipo de panda tem uma pata que consiste de um polegar e quatro dedos, e o único dever essencial do polegar é segurar o bambu enquanto come.

Os animais também são alpinistas e, apesar de seu peso e tamanho, podem freqüentemente escalar a grandes alturas; os polegares também podem ajudar neste esforço, pelo menos quando se trata de agarrar e puxar.

Diferenças do Panda Vermelho

Os pandas vermelhos carregam o nome científico Ailurus fulgens e não são ursos.

Eles se parecem com um cruzamento entre um gato e uma raposa e são mais ou menos do tamanho de ambos os animais, embora muitas pessoas pensem que têm uma certa aparência de urso, pelo menos no rosto. Sua altura média é de aproximadamente 61 cm e pesa cerca de 5,9 kg.

Eles normalmente têm caudas compridas e espessas que usam tanto para se equilibrar ao escalar e balançar entre as árvores quanto para se manterem aquecidos enquanto dormem.

O panda-vermelho também é nativo da China, embora também seja comumente encontrado no Butão, no Nepal e em partes do norte da Índia.

Estes animais são normalmente encontrados em encostas mais íngremes das montanhas do Himalaia, em vez de nos bosques de bambu de baixa altitude que os ursos preferem, e eles tendem a favorecer densas florestas de coníferas.

Como o panda-gigante, a maioria da dieta do panda vermelho consiste em bambu, embora eles também comam bagas, cogumelos, bolotas e uma variedade de gramas.

Ameaças ao Habitat e Sobrevivência

Populações de ambas as espécies de panda são consideradas ameaçadas, mas em graus diferentes.

Os pandas-gigantes são amplamente classificados como “ameaçados”, e sua população na natureza é amplamente estimada em menos de 1.600.

Muitos zoológicos e reservas naturais gastaram muito tempo e dinheiro tentando ajudar as espécies a crescer com a intenção de impulsionar as populações que vagam livremente pela China, mas o problema é muito complicado.

A perda de habitat é uma peça importante do quebra-cabeça.

Os pandas vermelhos são classificados por grupos de animais selvagens como “vulneráveis”, e seu número populacional é estimado em cerca de 10.000 na natureza.

As principais ameaças à sua sobrevivência são o desenvolvimento humano e o uso da terra, bem como o aprisionamento: o panda-vermelho é frequentemente preso e morto em dispositivos destinados a outros animais.

Em alguns casos eles também são caçados por suas peles, o que às vezes é cobiçado por roupas e acessórios.

Descrição

Seu nome científico é Ailuropoda melanoleuca da ordem dos Carnivora (Carnívoros) e da família Ursidae (Ursos).

O panda-gigante é um hóspede muito raro nos zoológicos do mundo. Dos poucos exemplares em exposição, alguns morrem, outros se recusam a acasalar, e os que acasalam não tem muita sorte com a cria, que acaba morrendo.

A fêmea Chi-chi do Zoológico de Londres ficou famosa por se ter recusado a “casar” com o macho An-An, do Zoológico de Moscou. Chi-chi morreu com a “avançada” idade de 15 anos, sem jamais ter sido mãe.

Nos zoológicos da China, terra natal dos pandas-gigantes, a reprodução em cativeiro é mais bem-sucedida. Ali vivem algumas dezenas desses animais; ocasionalmente, o governo chinês ofereceu um ou dois exemplares a um chefe do governo do Ocidente.

O panda-gigante é o símbolo da WWF (World Wildlife Fund – Fundo Mundial para a Vida Selvagem), uma das mais ativas e importantes associações protetora dos animais.

A escolha não foi apenas motivada pela ameaça de extinção que paira sobre o panda-gigante, mas pela simpatia que esse bicho inspira.

O aspecto de bichinho de pelúcia e o jeito desengonçado de se movimentar fazem do panda-gigante o favorito dos zoológicos.

O panda-gigante vive em planaltos e vales a altitudes entre 2.500 e 4.000 metros, de clima frio e nublado. As touceiras de bambu oferecem-lhe alimento e proteção. Um inimigo natural do panda-gigante é o cão vermelho, um cão selvagem. Diz uma lenda que, quando perseguido, o panda-gigante cobre os olhos com as patas anteriores, enrola-se como uma bola e, como uma bola, rola por declives.

O panda-gigante habitava um extenso território do Sudeste Asiático, juntamente com o estegodonte, um animal semelhante ao elefante, o orangotango e o tapir. Há cerca de 100.000 anos dividida também seu território com os mamutes, extintos na última era glacial. Hoje sua área de difusão é bastante restrita.

O panda-gigante é um animal essencialmente vegetariano. Alimenta-se sobretudo de caules, folhas e brotos de bambu e, na falta destes, de folhas, raízes, tubérculos, frutos e flores de vegetais variados.

Como é um animal de porte razoável (pode pesar mais de 150 kilos), e o valor nutritivo do bambu é relativamente baixo, o panda-gigante precisa comer de 15 a 20 kilos desse vegetal por dia.

De vez em quando, o panda-gigante come pequenos animais. Uma de suas vítimas é o rato-do-bambu.

Embora lento e desajeitado em terra, o panda-gigante é um ágil trepador. Para escapar de seus inimigos naturais, procura sempre refúgio nas árvores. Com o cão-vermelho, esse recurso funciona.

Mas quando o predador é o leopardo, outro excelente trepador, tem poucas chances de escapar.

O panda-gigante tem uma espécie de sexto dedo, formado pelo crescimento de um dos ossos da mão. Como esse “dedo” se opõe aos demais, acaba assumindo a função de polegar, e permite ao animal segurar e manipular com certa destreza as varas de bambu.

O panda-gigante banha-se frequentemente nas lagoas e riachos de montanha.

Bom nadador, às vezes aproveita a oportunidade para revelar outro de seus talentos: o de pescador. Se a fome aperta, não hesita em comer um peixe.

Segundo informações obtidas nos zoológicos chineses, onde ocorreram alguns cruzamentos, o panda-gigante acasala na primavera.

No inverno, a fêmea dá à luz um ou dois filhotes, num oco de árvore; os filhotes permanecem com a mãe até os 3 anos.

O panda-gigante é conhecido por sua disposição para brincar, e pela variedade de movimentos e posições engraçadas, como o hábito de plantar bananeira ou caminhar de cabeça para baixo, apoiado sobre as mãos.

Ao nascer, o panda-gigante é cego e surdo. Tem apenas 10 centímetros de comprimento e pesa de 100 a 150 gramas.

Vinte dias depois, pesa 500 gramas. A pelagem é curta, mas já tem coloração da pelagem dos adultos.

Aos 3 meses, os pelos tornam-se longos. O filhote ainda passa quase o dia inteiro dormindo.

Aos 7 meses, é esperto e brincalhão. Pesa entre 15 a 20 quilos, e alimenta-se sobretudo de bambu.

Espécie

O panda-gigante é uma das espécies mais ameaçadas do planeta, existindo apenas cerca de 1000 indivíduos na natureza. Devido à sua raridade, tem simbolizado os esforços de conservação das espécies em perigo de extinção.

É provável que já tenha visto um panda-gigante de peluche na montra de uma loja de brinquedos. É também provável que já os tenha visto na televisão. O que não é provável é que já tenha olhado para um exemplar desta espécie, mesmo num jardim zoológico. É que restam apenas cerca de 1000 pandas gigantes na natureza e são muitos poucos os zoológicos que os possuem.

Os pandas-gigantes são animais inconfundíveis, pelo seu padrão de pelagem, pela sua timidez e passividade. Pertencem à família Ursídea e o seu nome científico Ailuropoda melanoleuca significa “gato preto e branco”.

Também a designação chinesa faz alusão ao felídeo, pois “Da Xiong Mao” significa “grande gato urso”.

Evidências fósseis demonstram que os pandas terão aparecido no final do Pliocênico, há dois ou três milhões de anos. Neste período eles encontravam-se amplamente distribuídos no leste asiático. No entanto, a sua distribuição sofreu uma contração devida a alterações climáticas e estes animais tornaram-se relativamente raros. É possível que tenha sido esta a causa para que tenham começado a ser considerados seres especiais, criaturas quase divinas, possuidoras de poderes sobrenaturais, capazes de proteger de desastres, prevenir de doenças e exorcizar espíritos malignos. Talvez por este motivo eles tenham sido mantidos em cativeiro, como animais de estimação nos jardins dos imperadores chineses e permanecido praticamente desconhecidos fora do misterioso império chinês, até ao final do séc XIX.

Mas já nesta altura a situação da espécie começava a ser crítica. Adaptados às florestas frias e úmidas onde crescem as diversas espécies de bambu de que preferencialmente se alimentam, eles foram empurrados para as montanhas à medida que ocupação humana reclamava terras para a agricultura e pastorícia, madeira para combustível e espaço para infraestruturas, tal como continua a acontecer A usurpação da floresta pelo Homem tornou o seu habitat demasiado pequeno. Em onze anos, de 1973 a 1984, o habitat adequado para a espécie sofreu uma regressão de 50%.

Atualmente eles estão restringidos a seis domínios isolados de montanha, em três províncias ao longo do limite sudeste da China.

Embora a destruição do habitat natural dos pandas seja, atualmente, a maior ameaça à sua sobrevivência, o isolamento das suas populações acarreta ainda outros problemas. Em intervalos regulares (de 30 a 80 anos, dependendo das espécies), as plantas de bambu florescem e morrem de seguida. Embora regenerem a partir de semente dentro de um ano, podem decorrer 20 anos até que as plantas consigam suportar novamente uma população de pandas gigantes. Quando o bambu numa área floresce, os pandas têm de se mover para outras áreas onde tal fenômeno não esteja a decorrer.

Historicamente, isto seria relativamente fácil, mas a fragmentação do habitat tem impedido que os animais se desloquem em busca de alimento quando a escassez de bambu se aproxima, o que tem levado a que muitos indivíduos morram literalmente à fome. Uma vez que 99% da sua alimentação consiste em folhas e ramos de bambu e este alimento não é muito calórico e proteico, eles necessitam de passar 10 a 12 horas por dia a alimentar-se e consumir 10 a 18 kg de material vegetal diariamente, o que implica a necessidade de uma elevada disponibilidade alimentar para que uma população subsista.

Estas migrações seriam igualmente fundamentais como promotoras dos cruzamentos entre populações distintas. Em ilhas de floresta compromete-se a renovação do patrimônio genético e o vigor das populações.

Este é um problema extremamente sério, já que se calcula que o número mínimo de pandas para evitar os perigos potenciais da elevada consanguinidade seja de 500 indivíduos por população e se estima que a espécie sobreviva, atualmente, em apenas 35 populações isoladas, a maioria das quais com menos de 20 indivíduos.

Para além da destruição de habitat favorável, os pandas-gigantes encontram uma outra ameaça preocupante – as crias são muitas vezes capturadas para fornecer jardins zoológicos e os adultos são mortos para comercialização das suas peles, utilizadas para fazer casacos e cobertores detentores de poderes especiais, como a predição do futuro e o afastamento de fantasmas. Apesar de existir pena de morte como condenação pela captura de pandas, esta não desencoraja a atividade, já que a compensação financeira pela pele e couro é maior do que um camponês consegue ganhar durante uma vida inteira, uma vez que as peles valem fortunas nalguns mercados asiáticos.

Outro dos problemas que interfere na conservação da espécie prende-se com a baixa taxa de renovação das populações, que não lhes permite recuperar rapidamente da caça ilegal e de outras causas de mortalidade. Embora cada fêmea possa dar à luz duas crias de dois em dois anos, normalmente apenas uma sobrevive. As crias apresentam, ainda, uma elevada taxa de mortalidade pois, com excepção dos marsupiais (como o canguru), os bebés panda são os mamíferos recém-nascidos mais pequenos. Nascem cegos e pesam menos do que uma maçã, o que os torna bastante vulneráveis.

Muito pouco se sabia desta espécie até 1940, quando os cientistas chineses começaram a fazer observações na natureza. Os esforços de proteção iniciaram-se em 1957 e as primeiras quatro reservas foram estabelecidas em 1963.

Atualmente existem 13 reservas, com uma área total de 5 827 km². Têm sido empreendidos esforços no sentido de aumentar estas áreas e criar novas reservas, com corredores ecológicos, mas as adversidades encontradas têm sido muitas.

Estão já a decorrer diversos programas de conservação, alguns recorrendo à reprodução em cativeiro, como forma de assegurar a sobrevivência da espécie. Contudo, esta tarefa tem-se mostrado extremamente difícil, em grande parte devido ao desconhecimento da biologia reprodutora destes animais. Apesar de existirem jardins zoológicos com sucesso neste tipo de técnica, ele ainda não é suficientemente significativo para manter a população, mesmo em cativeiro. Por todos estes motivos, é patente, pelas estimativas populacionais, que a espécie se extinguirá dentro de poucos anos, a menos que sejam intensificadas as medidas de proteção do seu habitat.

Habitat

Os pandas-gigantes são uma espécie rara e ameaçada de extinção, e sua escassez é, em parte, devido à rápida destruição de seu habitat.

O habitat remanescente dos pandas gigantes consiste principalmente de florestas de bambu entre duas cadeias de montanhas na China. Grandes quantidades de bambu podem ser encontradas no habitat, que é bem sombreado e perto da água.

O habitat do panda-gigante que permanece em estado selvagem está nas províncias chinesas de Shaanxi, Gansu e Sichuan.

Esses habitats estão espalhados e isolados, geralmente nas encostas das cadeias montanhosas vizinhas, como Qinling, Minshan e Xiaoxiangling. Aproximadamente 20 desses habitats ainda existem, e acredita-se que menos de 2.000 pandas gigantes permanecerão em estado selvagem.

Já se pensou que a dieta dos pandas-gigantes consistia apenas em bambu, mas sabe-se agora que eles também consomem pequenos animais, peixes, cogumelos e algumas outras plantas que normalmente estão presentes em um habitat de panda gigante. A totalidade de sua dieta é encontrada nas encostas das montanhas, bem como nos córregos e rios na base da montanha.

O bambu é a característica mais proeminente dentro de um habitat de panda-gigante. Apesar do fato de que os pandas gigantes são carnívoros, o bambu representa cerca de 95% de sua dieta.

Para manter a boa saúde, um panda-gigante deve consumir quantidades copiosas de bambu todos os dias e muitas vezes passa a maior parte do dia comendo.

Os pandas-gigantes são escaladores e nadadores proficientes, e essas habilidades permitem que eles brinquem e procurem alimentos de maneira eficiente.

Um habitat de panda-gigante geralmente existe em uma área florestada e perto da água, e eles começam a subir em árvores com apenas seis meses de idade. Os tipos de árvores que eles sobem variam de área para área, geralmente limitada pelo peso do panda. Às vezes, os pandas nadam para pescar ou para se refrescar em um dia quente.

Os pandas são em sua maioria solitários e vivem sozinhos até a época de acasalamento.

Eles não hibernam e, como resultado, não têm residência permanente. Em vez disso, eles tendem a dormir sob uma árvore fortemente sombreada ou em uma caverna encontrada em seu habitat.

Em zoológicos ou refúgios de animais selvagens, um habitat artificial de pandas-gigantes deve imitar o habitat do panda na natureza.

Essas áreas artificiais devem encontrar um equilíbrio entre o terreno pedregoso e a floresta exuberante. Grandes pedras e árvores robustas são adicionadas ao ambiente para dar aos pandas um lugar para escalar, enquanto riachos e cavernas refrigeradas oferecem aos pandas-gigantes um lugar para relaxar e se retirar do sol.

Muitas espécies de bambu que são nativas do habitat do panda gigante na natureza também são adicionadas. Outras plantas que são conhecidas como comestíveis e não nocivas também estão dispostas dentro do habitat artificial.

O alimento preparado para os pandas que vivem em zoológicos é uma reminiscência de sua dieta nativa, mas eles passam a maior parte do dia comendo bambu e folhas disponíveis.

Dieta

Os Pandas, sendo da família dos Ursos, possuem o sistema digestivo de um carnívoro. Mas ao longo do tempo, eles se adaptaram a uma dieta vegetariana e alimentam-se quase que exclusivamente de Bambu.

Passam até 14 horas por dia se alimentando, parando somente para dormir ou para percorrer curtas distâncias.

Sendo assim, a sobrevivência dos Pandas está diretamente associada ao acesso constante a áreas onde exista florestas de bambu. Quando os bambus de uma determinada área morrem, os Pandas dessa área podem morrer de fome.

Comportamento

Os Pandas são animais tímidos que vivem em áreas remotas, e dessa forma são difíceis de serem estudados em seu habitat. Eles são animais solitários e passam a maior parte do dia comendo, descansando e procurando comida.

Diferente dos outros ursos, os pandas não hibernam.

Ambos os sexos chegam a maturidade sexual por volta dos 5 anos e meio a 6 anos e meio de idade. Uma fêmea pode se acasalar com vários machos, que competem entre si para acasalar-se com ela.

A época de acasalamento se dá na primavera, entre Março e Maio; machos e fêmeas ficam juntos, no máximo, de duas a quatro horas por dia.

A gestação leva de 97 a 163 dias, onde nasce normalmente apenas um filhote.

A média de reprodução dos pandas é de um filhote a cada dois anos.

Os filhotes de Panda são dependentes de sua mãe nos primeiros meses de suas vidas e estão totalmente desmamados aos oito ou nove meses.

A maioria dos Pandas deixam suas mães geralmente aos 18 meses, quando elas ficam prenhas novamente.

A média de vida dos Pandas é de 10 a 15 anos em seu habitat selvagem, e até 30 anos em cativeiro.

Classificação

Nome científico: Ailuropoda melanoleuca (David, 1869)
Nome comum:
 Panda-gigante
Nome em inglês: 
Giant panda
Reino:
 Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Ursidae
Gênero: Ailuropoda
Espécie: Ailuropoda melanoleuca 
Peso:
 Pode chegar a 150 kilos
Altura: 1,20m a 1,50m
Cauda:
 ~13 cm
Período de Gestação: 95 – 160 dias
Tamanho de ninhada:
 1 – 2
Gestação: 97 – 163 dias
Desmame: 8 – 9 meses
Maturidade sexual: 5,5 – 6,5 anos (machos)
Expectativa de Vida:
 20 anos (na natureza) e 34 anos (em cativeiro)

Panda-gigante – Fotos

Fonte: nationalzoo.si.edu/www.wisegeek.org/www.geocities.com/www.worldwildlife.org/www.caixinglobal.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Anaconda

Anaconda

PUBLICIDADE O que é uma Anaconda? Uma anaconda é uma cobra grande e não venenosa. Vive principalmente …

Tigre de Sumatra

PUBLICIDADE O que é um Tigre de Sumatra? Um tigre de Sumatra é uma espécie …

Buldogue Francês

Buldogue Francês

PUBLICIDADE O que é um Buldogue Francês? O Bulldog Francês é uma raça licenciada pelo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.