Breaking News
Home / Animais / Baleia Sei

Baleia Sei

PUBLICIDADE

Baleia Sei
Baleia Sei, Boreal

Os adultos medem entre 12 e 16 metros de comprimento. As fêmeas são maiores que os machos. Possuem corpo esguio e hidrodinâmico.

Sua cabeça é ligeiramente arqueada para baixo e possui uma quilha central proeminente que se estende da extremidade da cabeça até o orifício respiratório.

O peso médio de uma baleia adulta é de 20 a 30 toneladas.

Tem o corpo cinza-azulado. Geralmente possuem manchas ovais claras distribuídas pelo corpo.

As fêmeas dão a luz após um período de 1 (um) ano de gestação. Os filhotes nascem com comprimento médio de 4,5m e pesam 750 quilos. Procriam em intervalos de 2 a 3 anos e podem viver até 70 anos.

Fonte: projetobaleias.com.br

Baleia Sei

Baleia Sei
BALEIA-FRANCA BOREAL (Eubalaena glacialis)
ATÉ 18 METROS

Possui o corpo preto e manchas brancas na barriga. Em geral tem calosidades na cabeça, que são crustáceos grudados em seu corpo. Só existe no hemisfério Norte e é considerada a baleia sob maior risco de extinção. Uma de suas vulnerabilidades é justamente ser dócil e gostar de se aproximar de barcos. Possui dois orifícios de respiração e espirra água em “V”. É diferente da baleia-franca austral, que nada na costa brasileira e só habita o hemisfério Sul

Fonte: revistagalileu.globo.com

Baleia Sei

Baleia-sardinheira

Baleia Sei
Baleia Sei, Boreal

Balaenoptera borealis

Apesar de ocorrer em os oceanos, aparentemente a Baleia-sardinheira prefere zonas oceânicas de águas temperadas.

Tal como baleia-azul ou a baleia-comum é um rorqual, mas as suas dimensões são bastante inferiores às destas. Os machos têm em média 14 m e as fêmeas 14.5 m, atingindo (eventualmente podendo atingir 18.6 m). A sua coloração dorsal é cinzento escuro, mas é comum possuírem manchas ovais esbranquiçadas resultantes da mordedura de uma espécie de pequenos tubarões (Isistius brasiliensis), que cortam pedaços redondos de pele e camada adiposa, durante a migração das baleias para águas mais quentes.

Em grande parte, a sua alimentação é constituída por pequenos crustáceos denominados copépodes. Na sua dieta incluem-se também eufasiáceos, pequenos peixes e lulas. Tal como os outros membros da família Balaenopteridae, esta espécie utiliza a boca como um grande filtro. Para tal enche-a de água que expele em seguida com o auxílio da língua, aprisionando o alimento nas “barbas” queratinosas que estão suspensas da maxila superior.

As migrações desta espécie parecem ser menos previsíveis do que de outras espécies de rorquais, mas também fazem migrações pendulares entre altas latitudes, onde permanecem durante os meses mais quentes para tirar proveito da alta productividade destas regiões, e as águas mais quentes das baixas latitudes para onde se deslocam durante os meses frios.

A maturidade sexual é atingida por volta dos 8 anos de idade, quando os indivíduos têm cerca de 13 m de comprimento. Após perto de 10 meses de gestação a fêmea dá à luz uma cria com 4,5m que é amamentada durante cerca de seis meses. Entre duas gestações consecutivas há um intervalo de 2 a 3 anos, razão pela qual esta e outras espécies de cetáceos têm uma taxa de recuperação populacional muito baixa. As estimativas apontam para a existência de aproximadamente 50.000 baleias-sardinheiras a nível mundial.

Nos Açores é um visitante ocasional, só tendo sido registada oficialmente em 1990. No entanto já foi vista durante o Verão e poderá ocorrer nas águas açorianas durante largos períodos do ano. Tem sido vista associada a bancos submarinos mas também em zonas mais próximas de terra e a maiores profundidades.

Rui Prieto

Fonte: www.horta.uac.pt

Baleia Sei

Baleia-tropical

Baleia Sei
Baleia Sei, Boreal

Nome vulgar: Baleia-tropical ou Baleia-de-Bryde.

Nome científico: Balaenoptera edeni (Anderson, 1879)

Família: Balaenopteridae

Distribuição e Habitat

A sua presença é ocasional na região. Pode ser encontrada em zonas especialmente produtivas, em águas tropicais e temperadas quentes de todo o mundo.

Descrição

Baleia de características muito semelhantes às da baleia sardinheira apenas se destinguem, por esta possuir 3 cristas longitudinais no rostro e de arquear o pedúnculo caudal quando mergulha. Atinge 13 m de comprimento e pesa 18000 Kg.

Observações

Habitualmente observadas entre Junho e Outubro.

Fonte: www.madeiranature.com

Baleia Sei

Baleia Sei
Baleia Sei, Boreal

NOME POPULAR

Baleia-boreal, Baleia-glacial, ou Baleia-sardinheira

NOME CIENTÍFICO

Balaenoptera borealis

TAMANHO

16 metros de comprimento

PESO

20 toneladas

Sua principal característica é uma excrescência córnea, em geral recoberta por pequenos crustáceos, sobre o maxilar superior. Apresenta partes brancas em sua pele, devida a ação de parasitas. Sua cabeça equivale a um quarto de seu comprimento total. Pode ser encontrada no oceano Atlântico e no oceano Pacífico norte (até Taiwan, no inverno); já no hemisfério sul vive entre 30 e 50 graus de latitude sul em águas temperadas, o que facilitava sua caça, pois é uma rota muito freqüentada pelas embarcações. A matança teve seu ápice durante os séculos XVIII e XIX. É protegida por lei desde 1935, e está atualmente em recuperação, tanto na parte ocidental do Atlântico norte quanto no hemisfério sul. Uma estimativa avalia que hoje existem alguns milhares desses animais. As fêmeas são maiores que os machos, podem chegar até 16m. Os filhotes medem 4,5 m e pesam cerca de 1 tonelada quando nascem. As baleias-boreal tem filhotes no período de 3 a 4 anos, com a gestação que leva cerca de 1 ano e a lactação até 7 meses. Tem uma longevidade próxima de 70 anos.

A face dorsal do adulto, assim como as peitorais, são cinzentas escuras e a face ventral é mais clara, com cicatrizes cinzentas ou brancas, provocadas por lampreias e tubarões. Possuem cerca de 32 a 60 pregas ventrais na garganta, que se prolongam até pouco depois das peitorais. Apresentam na maxila superior de 300 a 400 pares de barbas cinzento escuras. A sua alimentação é constituída, à base de pequenos crustáceos planctónicos, embora também se alimentem de pequenos peixes como os arenques e as sardinhas. Esta espécie emite sons metálicos, com freqüências em torno de 3 kHz.

São encontradas na maioria das vezes indivíduos sozinhos, no máximo em pares. Pode deslocar-se a 30 nós, com um rumo regular, sobem a superfície para respirar, o que ocorre em 30 segundos, para depois mergulharem e permanecerem de 2 a 3 minutos

Fonte: www.pick-upau.org.br

Baleia Sei

Balaenoptera borealis

Baleia Sei
Baleia Sei, Boreal

Nomes

AÇORES: “Finbeque”
PORTUGAL (POR): Sardinheira
ITÁLIA (ITA): Balenottera boreale
ESPANHA (SPAIN): Rorcual Negro
GRÃ-BRETANHA (GB): Sei whale
ALEMANHA (GER): Seiwal
HOLANDA (NEDER): Noordse vinvis
SUÉCIA (SWEEDS): Sejval
NOUREGA (NOORS): Seihval.
DINAMARCA (DEENS): Sejhval
JAPÃO (JAP): Iwashi kujira

Biologia

O tamanho médio dos adultos é de 14 m, embora atinja cerca de 17 m. As fêmeas são maiores, podendo alcançar dos 16 aos 20 m. O peso varia entre 20 e 30 toneladas. à nascença, as crias medem 4,5 m e pesam até 1 tonelada. As fêmeas dão à luz uma cria a cada 3 a 4 anos, com a gestação a durar cerca de 1 ano e a lactação 6 a 7 meses. A baleia-sardinheira tem uma longevidade próxima de 70 anos. A face dorsal do adulto, assim como as peitorais, são cinzento escuro e a face ventral é mais clara, com cicatrizes cinzentas ou brancas, provocadas por lampreias ou por pequenos tubarões. Possuem cerca de 32 a 60 pregas ventrais na garganta, que se prolongam até pouco depois das peitorais. Apresentam na maxila superior de 300 a 400 pares de barbas cinzento escuras. A sua alimentação é constituída, à base de pequenos crustáceos planctónicos (copépodes), embora também se alimentem de pequenos peixes como os arenques e as sardinhas (daí a origem do nome em português de ” Sardinheira “). Esta espécie emite sons metálicos, com frequências em torno dos 3 kHz.

Baleia Sei
Baleia Sei, Boreal

Observações

Os Açores são, sem dúvida, uma zona onde a baleia-sardinheira apenas está de passagem; embora seja observada ao longo de todo o ano, mas de modo irregular, como demonstram as nossas observações.

A maioria dos animais que encontrámos estavam sozinhos, ou então aos pares. De longe, é impossível diferenciar este rorqual dos restantes da sua família, verificando-se a confusão entre o rorqual-comum e, em menor grau, com a rorqual-anã. Contudo, o rorqual-comum tem uma coloração assimétrica na cabeça e a face ventral é bastante mais clara do que na sardinheira, enquanto que o sopro desta última mede apenas de 2 a 3 m de altura. É o rorqual mais rápido, deslocando-se a 30 nós, com um rumo regular (se não for perturbado).

Estando o mar calmo, é possível segui-lo, graças à esteira provocada pelos batimentos da caudal. A equipa do Espaço Talassa observou esta espécie, de passagem pelo sul do Pico, a ventilar a cada 30 segundos e realizando mergulhos com a duração de 2 a 3 minutos. Observámo-las também a alimentarem-se de chicharros.

Fonte: www.espacotalassa.com

Veja também

Rinoceronte

Rinoceronte, Reprodução, Características, Espécies, Mamíferos, Hábitos, Fotos, Classificação, Habitat, Tamanho, Animal, Anatomia, Comportamento, Rinoceronte

Rinoceronte Branco

Rinoceronte Branco, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Visão, Rinoceronte Branco

Rinoceronte de Java

Rinoceronte de Java, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Rinoceronte de Java

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.