Breaking News
Home / Animais / Baleias

Baleias

PUBLICIDADE

O que é uma baleia?

Uma baleia é um mamífero marinho da ordem dos cetáceos, que também inclui golfinhos e botos.

Tecnicamente, o termo poderia ser usado para se referir a qualquer animal nesta ordem biológica, mas por convenção, é reservado para representantes particularmente grandes da ordem.

Estes animais podem ser encontrados em todos os oceanos do mundo, migrando para diferentes regiões para reprodução e alimentação, e os animais mantêm uma mística popular com os humanos, devido ao seu tamanho impressionante e comportamentos marcantes.

Existem dois tipos básicos de baleia. Espécies dentadas têm enormes mandíbulas e dentes para comer uma dieta variada de animais marinhos. Baleias de barbatanas são alimentadores de filtro, comendo plâncton e outros pequenos organismos. Barbatana se assemelha a um pente, e é feito de queratina, a mesma fibra resistente que compõe o cabelo humano e unhas. Ambos os tipos têm linhas horizontais, ou caudas e flippers frontais. Além disso, o animal tem um orifício para respirar no topo de sua cabeça.

Ao contrário da maioria dos animais, uma baleia decide quando deve respirar. Algumas espécies são capazes de permanecer submersas por até uma hora antes de precisar ressurgir por ar fresco. Os animais expelem a água da superfície de seus buracos quando estão se preparando para respirar, levando a bicos distintos que são usados para detectar os mamíferos submersos. Cada espécie tem um bico distinto, permitindo que as pessoas determinem quais espécies estão vendo.

Existem numerosas espécies reconhecidas de baleias, incluindo baleias cinza, espermatozoide, direita e jubarte.

O maior animal da Terra, a baleia azul, é uma espécie de barbatana. Também acontece de ser o animal mais barulhento da Terra. Esses mamíferos podem ser muito barulhentos quando se comunicam, porque o ambiente subaquático pode abafar o som. Muitas gravações das “canções” melodiosas que os animais usam para se comunicar foram publicadas em todo o mundo por pesquisadores marinhos.

Alguns humanos gostam muito de fazer viagens de observação de baleias para ver os animais em primeira mão em seu ambiente natural. Durante uma viagem, as pessoas podem ver o comportamento dos animais, como surto, violação e o comportamento de superfície dos cetáceos. Quando o animal flui, ele levanta a cauda acima da água, às vezes derrubando-a com um ruído audível. Uma baleia levanta a cabeça acima da água, provavelmente para investigar o ambiente da superfície. A abertura é o comportamento mais impressionante de se ver, pois o animal realmente pula para fora da água, expondo a maior parte do corpo ao ar por um momento.

Preocupações têm sido levantadas sobre a sobrevivência das baleias, porque muitos países ainda as caçam, e o ambiente marinho está lentamente crescendo poluído devido à atividade humana. Muitos pesquisadores acham que a perda desses incríveis mamíferos seria bastante trágica, e estão fazendo esforços para salvar esses mamíferos marinhos para as futuras gerações desfrutarem.

Baleias – Animais

As baleias são animais que estimulam a imaginação de marujos e pescadores desde que o homem começou a navegar.

Os mistérios do seu habitat, – o oceano -, seu enorme tamanho e as curiosidades de seu comportamento, fascinam os cientistas, que, ainda hoje, conhecem pouco sobre esses gigantes do planeta.

De onde vieram

Acredita-se que as baleias, assim como os demais cetáceos, evoluíram a partir de um ancestral comum chamado mesoniquídeo.

Ele era um mamífero quadrúpede, muito parecido com um lobo, mas com pernas curtas. Numa época de escassez de alimentos, esse habitante terrestre precisou adentrar o mar para buscar alimento. Ao longo de muitas centenas de anos, a seleção natural atuou sobre esse animal, garantindo que as características que lhe possibilitavam a vida aquática permanecessem em seus descendentes.

Os mesoniquídeos deram origem aos cetáceos pré-históricos, chamados arqueocetos, há cerca de 50 milhões de anos.

Os arqueocetos, que já apresentavam características encontradas nos golfinhos atuais, evoluíram e originaram as baleias, botos e golfinhos que hoje habitam os oceanos e rios do planeta.

Como são hoje

As baleias são animais do grupo dos cetáceos, palavra que vem do latim cetus (= grande animal marinho), e do grego ketos (= monstro marinho).

Os cetáceos são todos os animais homeotermos (que regulam a temperatura do corpo e a mantém ao redor dos 37ºC, respiram através de pulmões (e não de brânquias, como os peixes) e são mamíferos, ou seja, seus filhotes se desenvolvem dentro do corpo da mãe, sendo alimentados, após o nascimento, pelo leite que ela produz, dependendo dela para aprender a sobreviver no ambiente marinho.

Os animais desse grupo passam a maior parte de suas vidas no meio aquático e possuem adaptações para viver nesse meio, sendo a forma do corpo a mais visível. O fato de passarem o maior tempo de sua vida submersos é uma das principais dificuldades encontradas para seu estudo.

Os cetáceos dividem-se em dois grupos: os cetáceos com dentes, ou odontocetos, e os cetáceos com barbatanas, ou misticetos.

Os Odontocetos

Os delfinídeos (família Delphinidae)

A maioria dos cetáceos que se parecem com um golfinho típico, como a ilustração acima, está agrupada em uma divisão dentro do grupo dos cetáceos chamada família Delphinidae. Essa família abriga os chamados golfinhos verdadeiros, tanto os de vida oceânica como os que vivem próximos à costa ou em rios.

A espécie de delfinídeo mais famosa é o golfinho “flipper” (Tursiops truncatus), assim chamado por protagonizar o seriado de televisão Flipper nos anos 70 e 80.

Eles são os golfinhos que melhor se adaptam ao cativeiro e por isso são encontrados em oceanários e parques aquáticos em todo o mundo. Seus outros nomes são “golfinho-nariz-de-garrafa” (do inglês “bottlenose dolphin”) ou “boto-da-tainha”. Outro delfinídeo famoso, que não parece um golfinho, mas é o maior deles, é a orca (Orcinus orca).

As orcas são também chamadas de “baleias-assassinas” por serem caçadoras ativas e se alimentarem de outros mamíferos aquáticos.

No Brasil, outros delfinídeos bem  conhecidos são o boto-cinza ou tucuxi (Sotalia fluviatis) e o golfinho-rotador (Stenella longirostris), muito comum em Fernando de Noronha.

Há outras divisões entre os Odontocetos, com animais de feições um pouco diferentes das de um golfinho “típico”:

Os monodontídeos (família Monodontidae) – Reúne o narval (que parece o “unicórnio” dos mares) e a beluga (também chamada baleia-branca). Vivem no Oceano Ártico.
Os foconídeos (família Phoconidae) 
– Também denominados “porpoises”, em inglês; são os golfinhos sem bico. Não são muito comuns no Brasil.
Os platanistóideos (família Platanistoidae) – 
São os golfinhos de água doce que vivem nos rios da Índia e China. Estão entre as espécies de mamíferos aquáticos mais ameaçadas de extinção em todo o planeta.
Os pontoporídeos (família Pontoporiidae)
 – Reúne apenas uma espécie, a franciscana ou toninha (Pontoporia blainvillei). Ela é muito comum no Brasil e é, possivelmente, a espécie de cetáceo mais ameaçada em nosso país.
Os kogídios (família Kogidae) 
– São os cachalotes anão e pigmeu. Duas espécies de águas profundas que de vez em quando aparecem encalhadas em praias no litoral brasileiro.
Os fiseterídeos (família Physeteridae) 
– São os cachalotes verdadeiros, os maiores odontocetos. Os machos chegam a medir 18m de comprimento e pesar 80 toneladas. O cachalote mais famoso do mundo é a baleia branca do livro Moby Dick de Herman Melville.
Os zifídeos (família Ziphiidae) – 
Representam as chamadas baleias-bicudas; são golfinhos maiores que os golfinhos verdadeiros e com bico longo. Normalmente vivem em águas profundas e afastadas da costa, sendo as espécies bem raras.

Os Misticetos

Os cetáceos com barbatanas são referidos popularmente como baleias. Na verdade, este é o grupo das chamadas “baleias verdadeiras”.As baleias de barbatanas se alimentam através do uso de lâminas córneas dispostas longitudinalmente na boca e que funcionam como verdadeiros filtros gigantes capazes de reter pequenos moluscos e crustáceos, a principal fonte de alimento desses animais.

Mamíferos como nós

Todos os cetáceos são mamíferos, ou seja, seus filhotes crescem dentro do corpo da mãe e são alimentados com leite produzido por ela durante os primeiros meses de vida.

A gestação varia de espécie para espécie, mas para a maioria das baleias, dura cerca de 11 a 12 meses em média. No caso dos golfinhos, a gestação é um pouco mais curta, tendo em média 10 meses.

É muito raro baleias ou golfinhos terem filhotes gêmeos. Os filhotes demandam um grande gasto energético por parte de suas mães e é pouco provável que uma fêmea conseguisse amamentar dois ou mais filhotes. Nos raros casos em que o nascimento de gêmeos ocorre, um deles normalmente não sobrevive. Essa é uma das razões pelas quais os cetáceos merecem cuidados especiais. Como as fêmeas geram um filhote por gestação e demoram bastante tempo, entre 2 e 6 anos, para ter outro filhote, as populações desses animais não crescem tão rápido e por isso são mais vulneráveis a impactos.

Os cetáceos, em geral, são animais de topo de cadeia alimentar, ou seja, não possuem muitos predadores naturais. Por isso, o crescimento populacional de baleias nos oceanos pode ser usado como indicador da saúde do meio ambiente marinho e da biodiversidade disponível para o futuro.

Assim como ocorre com outros mamíferos, as mães têm função importante na aprendizagem de comportamentos para a sobrevivência dos filhotes, principalmente nos odontocetos. Na maioria dos golfinhos, um filhote permanece com sua mãe cerca de dois anos. No caso das orcas, os filhotes ficam junto de suas mães durante toda a vida, pois essa espécie é conhecida por apresentar uma sociedade matriarcal. Ao lado da mãe, os filhotes ficam protegidos e aprendem a se alimentar, brincar e se comunicar.

Apenas os filhotes das grandes baleias aprendem a migrar com a mãe na primeira vez em que vão para as áreas de alimentação. Uma vez aprendido o caminho, esses filhotes afastam-se das fêmeas e tornam-se independentes de suas mães durante o restante de seu desenvolvimento.

Alimentação das baleias

Todas as 75 espécies de baleias são carnívoras, mas os métodos de caça variam muito. Baleias com dentes como as cachalotes e as orcas, caçam da mesma maneira que os tubarões. Elas têm uma fileira de dentes fortes e rasgam a presa ou a engolem. Muitas baleias com dentes comem somente peixes pequenos e outras presas fáceis de caçar.

As orcas, por um outro lado, podem atacar leões marinhos, focas e outras baleias (por essa razão são chamadas de baleias assassinas, uma alteração da expressão assassinas de baleias).

Assim como os lobos, os ursos polares e outros predadores em terra, as baleias seguem e caçam as suas presas escolhendo um alvo mais fraco, como um filhote de baleia corcunda, por exemplo. As orcas e outras espécies geralmente caçam em bandos, algumas vezes cercando a presa.

Apesar dessas tendências, as orcas e a maioria das espécies com dentes são pouco ameaçadoras aos seres humanos. Na realidade muitas espécies parecem gostar da presença humana.

Muitas espécies desenvolveram habilidades de ecolocação para ajudá-las a achar a presa e localizar obstáculos.

A ecolocação é um conceito muito simples: a baleia emite uma série de sons e as ondas de som percorrem a água em volta. Quando as ondas de som atingem algum obstáculo ou um outro animal, elas ricocheteiam e retornam para a baleia. A água conduz o som muito bem e as baleias têm uma audição excelente, portanto, podem captar até mesmo os ecos mais fracos de um objeto a quilômetros de distância.

Em um volume de água com pressão consistente, o som sempre viaja com a mesma velocidade. Calculando o tempo de retorno do eco, a baleia pode saber a distância que a onda percorreu e determinar a distância em que o objeto está. Como a maioria dos animais, as baleias têm dois ouvidos, um em cada lado da cabeça. Isso permite que determinem de onde o som vem. Se o som alcançar primeiro o ouvido direito e for um pouco alto, então o objeto está do lado direito e vice-versa. No mundo escuro e submerso dos oceanos, as baleias precisam sentir o ambiente através do som. Uma grande porcentagem do cérebro delas é dedicado ao processamento da informação auditiva ao invés da informação visual. Nos seres humanos o processo é o inverso.

A ecolocação é encontrada nos cetáceos com dentes, como os golfinhos e as baleias cachalote e não nas espécies sem dentes. O grupo de baleias sem dentes inclui as corcundas, azuis e muitas outras espécies.

Elas possuem uma adaptação específica para se alimentar: as barbas. As barbas consistem de uma placa larga na boca da baleia composta de centenas de lâminas finas e longas em forma de franja compostas de queratina, o mesmo material das unhas humanas. Essas lâminas formam um filtro que a baleia usa para capturar pequenos animais como o krill (crustáceos muito parecidos com o camarão), o plâncton e pequenos peixes. Devido a essa característica, as baleias sem dentes são geralmente chamadas de baleias filtradoras.

Existem dois grupos de baleias filtradoras que são distintas pela maneira que usam estes filtros. As Skimmers abrem a boca e nadam a frente pegando peixes, crustáceos e plâncton. Depois de terem filtrado bastante água, engolem o alimento inteiro que ficou preso nas lâminas. As Gulpers enchem a boca de água e então empurram a língua à frente para forçar a água através das barbas filtrando qualquer presa do lado de dentro da placa. Apesar do tamanho grande, as baleias filtradoras geralmente têm gargantas pequenas que medem apenas alguns centímetros de largura. Isso é tudo de que elas precisam para devorar o krill e outras criaturas pequenas que fazem parte da sua alimentação.

Como as baleias filtradoras não rasgam a presa do mesmo modo que as baleias com dentes, muitas pessoas têm a impressão de que são caçadoras passivas e que simplesmente cruzam os oceanos com a boca aberta engolindo o que encontram pela frente. Na realidade, a maioria delas procura por áreas que tenham uma alta concentração de comida e onde podem usar várias táticas para capturar as presas. As corcundas, por exemplo, capturam os peixes com um tipo de rede de bolhas. Quando elas localizam um cardume perto da superfície, nadam em círculo por baixo e liberam ar pelo buraco respiratório. Isso cria colunas de bolhas em volta do cardume retendo-o em uma pequena área. Depois disso, a baleia vem por baixo e captura os peixes. As corcundas podem também emitir um som alto que aparentemente serve para desorientar a presa.

As baleias corcunda e outras espécies de baleias podem produzir uma vasta gama de sons que são usados para se comunicarem entre si através de grandes distâncias.

A comunicação das baleias

Nos últimos cem anos, a atitude mundial em relação às baleias mudou bastante. Elas não são mais vistas como criaturas apavorantes como mostrado no filme “Moby Dick” e um esforço de proteção no mundo inteiro reduziu de forma considerável a caça às baleias. Através de extensa observação, os cientistas puderam concluir que as baleias são normalmente criaturas pacíficas, brincalhonas e que têm um alto nível de inteligência.

Mas, as baleias ainda continuam tendo um certo mistério para nós. Muitas informações obtidas por pesquisadores levantaram algumas questões principalmente sobre a comunicação das baleias. As corcundas macho são as que mais emitem sons, produzindo uma complexa seqüência de lamentos, gritos agudos e sons ocos. Esses barulhos são algumas vezes combinados em uma música que dura até 30 minutos. O que é surpreendente sobre essas canções é que as baleias repetem literalmente esses mesmos sons várias vezes e, em uma região específica, cada macho emitirá a mesma canção fazendo pequenas mudanças de vez em quando para que evolua de uma forma diferente com o passar do tempo.

Esse comportamento parece estar relacionado com a reprodução. Durante o temporada de acasalamento, o macho começa a longa seqüência de sons, parando somente para se juntar com alguma fêmea que passa, nadando junto com ela e com o filhote. Eventualmente, macho e fêmea mergulham em direção ao fundo para acasalar. Parece lógico que a canção do macho atraia a fêmea, mas o som se propaga por muitos quilômetros atraindo também outros machos para a área. É muito estranho que o macho queira chamar a competição, a não ser que ele tente testar a sua força com os outros. Alguns pesquisadores acreditam que as canções são, na realidade, competições de força.

As baleias não produzem sons da mesma maneira que nós. As nossas cordas vocais não funcionariam tão bem debaixo d´água. As baleias produzem sons inalando ar através da cavidade nasal que fica em frente dos buracos respiratórios. Em baleias com dentes, os sistema de produção de sons envolve um arranjo complexo de tecidos de gordura. Nas baleias cachalotes e nos golfinhos, estas estruturas de som são tão grandes que elas possuem um evidente formato arredondado na testa. Os cientistas não entendem exatamente como funciona a produção de som das baleias, mas sabem que isso não se parece com nada conhecido no reino animal.

As baleias corcundas e a maioria das outras espécies produzem uma vasta gama de sons diariamente. Muitas espécies parecem formar laços estreitos entre si e os sons talvez sirvam para que as outras saibam onde estão e o que estão fazendo. A água é excelente para conduzir o som e os sons das baleias podem ser muito altos, então, elas podem se comunicar através de centenas ou talvez milhares de quilômetros. Os especialistas estão preocupados que a poluição sonora causada por plataformas petrolíferas de perfuração em alto mar e outras atividades no oceano estejam abafando esses sons e obstruindo o sistema de comunicação de longa distância das baleias.

Muitos pesquisadores acreditam que as baleias possuam uma capacidade de linguagem sofisticada. Elas têm cérebros enormes com características complexas que os biólogos associam a uma alta inteligência, mas a extensão da capacidade não está clara. Muitas espécies exibem comportamentos inteligentes tanto em cativeiro como na natureza. Elas aprendem tarefas complexas e demonstram habilidades avançadas na solução de problemas.

As baleias também têm memória excelente e isso está evidenciado nos seus padrões migratórios.

Hábitos migratórios

Um dos mais intrigantes aspectos do comportamento das baleias é o hábito migratório. No Oceano Pacífico, as baleias corcunda migram ao longo da costa americana até o Havaí retornando para as mesmas áreas ano após ano.

Elas tendem a migrar com a troca das estações tirando proveito das águas mais quentes em direção ao Equador durante os meses mais frios e da grande quantidade de alimento no Ártico durante os meses mais quentes. A maioria das espécies não migra regularmente em direção ao Equador, então devem existir grupos separados de cada espécie no hemisfério sul e no hemisfério norte.

Os cientistas estudam a migração das baleias de várias maneiras. Em muitas espécies as baleias têm marcas distintas na cauda que possibilitam aos pesquisadores identificar tipos específicos e segui-los aos locais por que passam para se ter uma ideia de onde vão e de quando estão migrando. Os pesquisadores também usam etiquetas de satélite, que são rádio transmissores que se comunicam com os satélites, para rastrear a localização de uma baleia.

Os pesquisadores colocam o transmissor nas costas da baleia usando arco e flecha normais. Como a gordura da baleia é grossa e o transmissor é pequeno, ela não é ferida.

Os transmissores têm mostrado que algumas espécies migram distâncias muito maiores que os cientistas anteriormente estimavam. Os pesquisadores rastrearam baleias corcunda que viajam centenas de quilômetros em poucas semanas indo de latitudes extremas ao norte para latitudes equatoriais e retornando. As baleias cachalote macho parecem andarilhos indo de oceano para oceano sem um padrão específico.

Na maioria das outras espécies, a migração está relacionada à reprodução. Geralmente as baleias fêmeas acasalam no outono ou inverno, quando estão em águas mais quentes e dão à luz na mesma região cerca de um ano mais tarde. No verão, entre o acasalamento e o nascimento, a fêmea tira proveito dos ricos recursos de alimento das águas mais frias do norte. Isso fornece a energia de que ela precisa para alimentar o filhote.

Os filhotes podem nadar assim que nascem e sobem à superfície para respirar, mas precisam ser muito bem alimentados antes que possam se aventurar sozinhos.

Dependendo da espécie, os filhotes podem ficar junto com a mãe por um ano ou mais antes de se juntar às outras baleias mais jovens para brincar. Na maior parte deste período, o filhote subsiste somente do leite da mãe. As fêmeas têm duas tetas, normalmente escondidas dentro de fendas atrás do abdômen e perto da base da cauda.

O leite das baleias é excepcionalmente rico e fornece aos filhotes os nutrientes de que eles precisam. Um filhote de baleia azul bebe 189 litros de leite todos os dias e engorda 4,5 kg a cada hora. Um filhote recém-nascido pode medir 7,60 metros da cabeça à cauda e pesa mais do que um elefante africano adulto.

Como o período de gestação é longo na maioria das espécies e o período de amamentação é muito exaustivo, as fêmeas têm filhotes somente em intervalos de dois a quatro anos. Essa baixa taxa de reprodução significa que qualquer caça em grande escala pode reduzir bastante a população das baleias.

Diferenças entre baleias e golfinhos

Em alguns casos os cientistas usam o termo baleia para descrever todos os animais na ordem dos Cetáceos. Isso inclui as grandes espécies, como as baleias corcunda e as baleias azuis e também as espécies menores como os golfinhos nariz de garrafa. Na maioria das vezes, as pessoas usam o termo “baleia” somente para descrever as espécies maiores e se referem às espécies menores (como golfinhos e botos) como cetáceos.

Os golfinhos que compõem a família Delphinidae são baleias com dentes caracterizados pelo tamanho relativamente pequeno, cabeça protuberante e focinho bicudo. As orcas e as baleias piloto estão também incluídas nessa família, embora sejam muito maiores e os bicos menos pronunciados. Os botos, membros da família Phocaenidae, são pequenas baleias com dentes que têm uma cabeça redonda em vez de um bico pontudo.

Baleias – Tamanho e Peso

Baleia-de-bico-baird

Tamanho: 12 metros de comprimento
Peso: 11 toneladas (Adulto)

Baleia-azul

Tamanho: 30 metros de comprimento
Peso: 90 a 190 toneladas (Adulto)

Golfinho-maior

Tamanho: 4 metros
Peso: 650 quilos

Golfinho-comum

Tamanho: 2.4 metros
Peso: 70 a 110 quilos

Baleia-bico-de-garrafa

Tamanho: 10 metros
Peso: 8 toneladas

Baleia-sei

Tamanho: 20 metros
Peso: 17 toneladas

Baleia-azul-de-bryde

Tamanho: 15 metros
Peso: 20 toneladas

Baleia-franca

Tamanho: 18 metros
Peso: 40 a 80 toneladas

Baleia-de-bico-de-pato

Tamanho: 7 metros
Peso: 4.000 quilos

Toninha-de-dall

Tamanho: 2 metros
Peso: 160 quilos

Falsa-orca

Tamanho: 6 metros
Peso: 2 toneladas

Baleia-fin

Tamanho: 26 metros
Peso: 69 toneladas

Baleia-cinzenta

Tamanho: 15 metros
Peso: 25 toneladas

Baleia Jubarte

Tamanho: 19 metros
Peso: 48 toneladas

Orca ou baleia assassina

Tamanho: 10 metros
Peso: 7 toneladas

Baleia Minke

Tamanho: 10 metros
Peso: 9 toneladas

Narval ou unicórnio-do-mar

Tamanho: 4 metros
Peso: 2 toneladas

Baleia-piloto ou baleote

Tamanho: 6 metros
Peso: 4 toneladas

Baleia-pigmeu-verdadeira

Tamanho: 6 metros
Peso: 4,5 toneladas

Cachalote-anão

Tamanho: 3,4 metros
Peso: 680 quilos

Cachalote

Tamanho: 21 metros
Peso: 54 toneladas

Baleia-branca ou beluga

Tamanho: 6 metros
Peso: 1.4 toneladas

Baleias – Fotos

Fonte: ciencia.hsw.com.br/www.wisegeek.com/kitchendecor.club/www.nationalgeographic.org

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Aracnídeos

PUBLICIDADE Definição Os aracnídeos (classe Arachnida), qualquer membro do grupo de artrópodes que inclui aranhas, …

Anaconda

Anaconda

PUBLICIDADE O que é uma Anaconda? Uma anaconda é uma cobra grande e não venenosa. Vive principalmente …

Tigre de Sumatra

PUBLICIDADE O que é um Tigre de Sumatra? Um tigre de Sumatra é uma espécie …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.