Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Animais / Mangalarga

Mangalarga

PUBLICIDADE

Mangalarga

Origem

Raça formada no Brasil com o cruzamento de um cavalo de origem andaluza, da Coudelaria Real de Alter, trazido por D. João VI e presenteado ao Barão de Alfenas, Gabriel Francisco Junqueira, cruzado com éguas nacionais também de origem ibérica, trazidas pelos colonizadores. Desses cruzamentos surgiram produtos de andamentos comodos de marcha batida porém tendo grande resistência e rusticidade, que foram chamados de Mangalarga. Trazidos para São Paulo, sofreram infusões de sangue Árabe, Anglo-árabe, Puro Sangue Inglês e American Sadle Horse, que imprimiram aos novos produtos a “marcha trotada”, e, foi por essa característica que a raça Mangalarga dividiu-se em duas: Mangalarga em São Paulo e Mangalarga Marchador em Minas Gerais.

Características

Cavalo de altura média de 1.55m.; cabeça de perfil reto ou subconvexo; olhos grandes; orelhas médias; pescoço de comprimento médio, musculoso; cernelha näo muito destacada; dorso näo muito curto; garupa semi obliqua; membros fortes; canelas curtas e quartelas com mediana inclinaçäo que lhe permitem uma marcha trotada sem muita elevaçäo e portanto comoda.

A pelagem predominante é a alazã e castanha, sendo porém admitidas todas as outras.

Aptidões

Passeio; enduro; esportes e trabalhos com o gado.

Fonte: www.horseonline.com.br

Mangalarga

Com essa denominação, tornou-se famosa uma população equina, no sul de Minas Gerais, limítrofe com São Paulo, na primeira década do século passado.Posteriormente membros da família JUNQUEIRA, responsáveis por essa criação, mudaram-se para o Estado de São Paulo e com eles trouxeram sua montarias. A famosa raça de equinos logo contagiou os Paulistas, que adotaram e a disseminaram por todo o Estado de São Paulo e Estados vizinhos. Traçar um histórico da raça Mangalarga equivale narrar a história da família JUNQUEIRA. Foram eles os forjadores da Raça, seus primeiros criadores.

O início da seleção da Raça Mangalarga deu-se em 1812 na fazenda Campo Alegre, em Baependi, hoje município de Cruzília, onde o Barão de Alfenas instalou-se. Consta, ainda que nesta data, teria o Barão recebido de presente do Princípe Regente D.João VI um cavalo Álter, que passou a usar como garanhão em suas éguas. Os animais oriundos destes acasalamentos se constituíram nos formadores da Raça Mangalarga. Origem, denominação e formação da raça

A Raça nacional Mangalarga tem como formador principal o cavalo Álter de Portugal. Provavelmente foi Napoleão Bonaparte, ao invadir Portugal, obrigando Dom João VI a mudar-se com a corte para o Brasil, quem primeiro contribuiu para a formação desta raça. Com Dom João VI vieram também os melhores espécimes da raça Álter da Coudelaria Real de Álter do Chão. Se o principal formador do cavalo Mangalarga é o cavalo Álter de Portugal, entretanto no início deste século, muitos criadores introduziram, esporadicamente, no Mangalarga, as raças Árabe, Anglo Árabe, Puro Sangue Inglês e American Sadle Horse. Não somos nem a favor nem contra ao que foi feito.

O fato é que hoje já dispomos de um número elevado de cavalos de alto valor zootécnico, que nada perde para outras raças estrangeiras, portanto, não nos cabe mais analisar o caminho seguido para consegui-lo. Somos no entanto virtualmente contra cruzamentos com raças exóticas, no pé em que estamos. Muito pouco temos a ganhar com eles, uma vez que temos mais de cem anos de seleção de marcha trotada, resistência e rusticidade a arriscar.

ORIGEM

O cavalo Mangalarga teve sua origem no cavalo da Península Ibérica. Os cavalos trazidos pelos colonizadores do Brasil eram das raças Alter e Andaluz.

Com a vinda da Família Real Portuguesa ao Brasil, foram também trazidos os melhores espécimes da Coudelaria Real de Alter do Chão, fato que desempenhou papel decisivo na formação da raça, pois os reprodutores trazidos nesta viagem, assim como seus descendentes foram muito utilizados pelos criadores da época para o melhoramento de seus rebanhos.

Como esses criadores procuravam animais para o trabalho nas fazendas (lida com o gado) e para o esporte (na época, a caçada do veado), desenvolveu-se uma raça dotada de qualidades imprescindíveis a tais finalidades, como:

  • bons andamentos
  • resistência
  • docilidade e nobreza de caráter

Além disso, foram feitos cruzamentos com as raças Puro Sangue Inglês, Árabe, Anglo-Árabe e American Saddle Horse.

Assim sendo, desde a sua origem , o cavalo Mangalarga foi selecionado como animal de trabalho (lida com o gado) e esporte (na época, a caçada de veado).

Com a fundação, em 1934, da Associação de Criadores de Cavalos da Raça Mangalarga, que posteriormente passou a chamar-se Associação Brasileira de Criadores de Cavalos da Raça Mangalarga, foi delegada à mesma, por ato do Ministério da Agricultura, a atribuição de efetuar o registro genealógico da raça, dentro de um padrão existente na época, baseado na elite dos animais existentes. Nas instruções para Registro Genealógico organizadas pelo Conselho Técnico daquela época, em seu artigo 7º dizia: ” O cavalo Mangalarga, à medida que for melhorado, adquirirá formas mais harmoniosas no seu conjunto, desenvolvendo-se seus atributos de resistência e agilidade, de maneira a torná-lo um animal de sela por excelência, onde as qualidades seja aproveitadas nos trabalhos de campo e nos esportes”.

Desde então, a ABCCRM vem imprimindo orientações para o melhoramento e seleção de Mangalarga, objetivando-se enquadrá-lo no conceito atual do moderno cavalo de trabalho e esporte, mantendo-se as características peculiares à Raça, principalmente no que se refere ao seu andamento característico, a marcha trotada.

Definimos o Mangalarga como um cavalo de sela por excelência, com finalidades definidas (trabalho e esporte). Vale ressaltar que, na apreciação de um cavalo de sela, independentemente da raça, é necessário que se procure umas tantas qualidades que são indispensáveis à finalidade. Assim, nos baseamos no chamado Modelo Universal do Cavalo de Sela.

É importante lembrar que a conformação considerada academicamente correta para o cavalo de sela representa a adaptação natural deste animal, durante milhares de anos, ao trabalho e desempenho que se exigiram dele.

Vale ressaltar que, embora sujeita a pequenas variações de acordo com a finalidade específica de cada raça, é com base nesta conformação ideal que hoje se promovem as seleções das diversas raças eqüinas, indistintamente, em todos os países.

Dentro deste conceito, podemos dizer que, em linhas gerais foram fixadas as seguintes qualidades no Cavalo Mangalarga:

I. – MORFOLOGIA

1º – Frente leve, com pescoço bem dirigido e descarnado – Proporciona facilidade de movimentos, jogando o centro da massa Cavalo mais Cavaleiro para trás, permitindo maior facilidade de engajamento dos posteriores.

2º -Paleta inclinada e comprida – A boa inclinação e comprimento da paleta trazem muitas vantagens ao cavalo de sela, entre elas maior capacidade torácica; boa passagem de cilha e cernelha mais atrasada, que proporciona uma posição ideal ao cavaleiro.

3º – Tronco forte, com linha dorso-lombar retilínea e paralela à linha do solo; costelas amplas, e bem arqueados; lombo curto e boa cobertura de rim; peito amplo e profundo – a linha dorso-lombar retilínea proporciona uma distribuição uniforme na aderência entre o lombo do animal e o suadouro do arreio; as costelas amplas, e bem arqueadas dão ao cavaleiro segurança ao montar; o lombo curto e boa cobertura de rim tem como vantagens o não ressentimento do animal quando exigido em trabalhos pesados e o peito amplo e profundo propicia boa musculatura e boa saída de braço.

4º – Garupa forte, ampla e comprida – Por ser essa região do cavalo que reune grande parte de sua capacidade motora. Não é sem razão que se diz que no cavalo de sela o motor é atrás. As arrancadas rápidas, qualidade muito procurada no cavalo de sela, dependem principalmente do trem posterior.

A garupa comprida, ampla e forte, com coxas bem musculadas e bem descidas, constitui-se no motor que arranca a massa no momento de partida.

5º – Membros fortes, bem estruturados e bem aprumados, com articulações grandes e tendões nítidos – Qualidades imprescindíveis a qualquer cavalo de sela, tanto no trabalho quanto no esporte. Para bem desempenhar suas funções o cavalo depende em primeiro lugar de seus locomoveres.

II. – DESEMPENHO

Intimamente ligado à conformação descrita no ítem I (Morfologia).

Espera-se de um cavalo de sela um bom desempenho na sua utilização tanto no trabalho como no esporte. Assim sendo, o Cavalo Mangalarga foi desenvolvido também por seu desempenho e possui as seguintes qualidades:

1º- Galope reunido

Qualidade muito procurada no cavalo de sela. No galope os posteriores devem ser bem engajados, projetando-se embaixo da massa. Os anteriores devem se projetar para a frente da massa.

2º – Facilidade de troca de bípedes

É uma decorrência do bom equilíbrio do animal. A troca de bípedes é necessária tanto no trabalho quanto no esporte, não podendo o animal desempenhar volteio nenhum sem estar com os membros anteriores e posteriores adequadamente colocados.

3º- Arrancadas rápidas

Depende principalmente do trem posterior, que, como já descrito anteriormente, deve ser grande e musculoso.

4º- Paradas bruscas

Depende mais do anterior; o posterior permanece estático e se arrasta pelo chão, ao passo que o anterior recebe o impacto da frenda. Para tanto é necessário que tenha constituição forte, com paletas bem inclinadas para absorver rapidamente a brusca parada.

III- MARCHA TROTADA

Como dissemos anteriormente, existe uma conformação considerada academicamente correta para o cavalo de sela.

Resulta desta conformação os andamentos considerados naturais ao cavalo de sela, que são o passo, o trote e o galope.

No passo o cavalo desloca um membro de cada vez. É o andamento a quatro tempos.

No trote o animal desloca simultaneamente um anterior e um posterior de lados opostos. É um andamento diagonal, bípedal de dois tempos e intercala, entre os apoios diagonais, um tempo de suspensão onde o animal fica totalmente desligado do solo.

No galope à velocidade moderada, o animal intercala um apoio diagonal simultâneo com outros dois apoios monopedais, de anterior e posterior, sendo, neste caso um andamento a três tempos. Caso o animal galope à maior velocidade, ocorre a dissociação do apoio diagonal simultâneo e passa a ser um andamento a quatro tempos.

O mecanismo dos andamentos naturais citados são os que conferem maior equilíbrio ao cavalo, proporcionando leveza e flexibilidade para seu bom desempenho no trabalho e no esporte.

A marcha trotada, característica da Raça Mangalarga, constitui-se num andamento diagonal, bipedal de dois tempos. Diferencia-se do trote porque tem um tempo ínfimo de suspensão entre os apoios, o mínimo necessário para que se processe a troca dos mesmos. Vem desta particularidade o pouco atrito.

Vale ressaltar aqui que a marcha trotada é obrigatória para que o animal seja registrado em definitivo no S.R.G., sendo que outros andamentos, tais como andadura e trote puro, são desclassificantes.

Naturalmente, quando avaliamos em julgamento os andamentos e especificamente a marcha trotada, procuramos várias qualidades inerentes à mesma, tais como:

1º – Boa progressão

O animal visto em lateralidade, os rastros dos posteriores devem cobrir ou muito se aproximar dos rastros dos anteriores, que por sua vez devem também ser amplos, com as pinças dos cascos distanciando-se do tronco. A flexão de joelhos que proporciona o leve alçado característico da marcha trotada é igualmente importante.

2º -Bons aprumos dinâmicos

O animal visto aproximando-se e afastando-se do observador, os membros ao se deslocarem devem aproximar-se o mais possível do plano vertical que passa pelas linhas de aprumos estáticos.

3º- Ausência de Movimentos Parasitas

Intimamente ligado à comodidade. Deve-se evitar os movimentos de corpo tanto na horizontal quanto na vertical.

4º- Boa sincronização

Naturalmente, o animal deve realizar as trocas dos apoios diagonais com facilidade a sincronização.

5º- Regularidade

Outro ítem importante, o animal deve manter-se regular na sua “toada” natural.

IV- COMODIDADE

Na seleção do Mangalarga, sempre se deu importância a comodidade de seus andamentos. Gostaríamos de salientar que o animal deve cômodo em suas três modalidades de andamento ( passo, marcha trotada e galope).

Para nos a comodidade é o resultado de uma somatória de qualidades do animal e para ser cômodo o animal necessita:

1º -Boa conformação – que permite ao cavaleiro manter numa ideal; dá leveza flexibilidade do cavalo e possibilita bom desempenho tanto no trabalho quanto no esporte.

2º -Bons andamentos – Com as qualidades já descritas anteriormente, nos três andamentos (passo e marcha trotada e galope).

3º- Bom temperamento – A nosso ver, qualidade imprescindível ao cavalo de sela. É desejável que o animal possua um temperamento dócil, enérgico e vivo e que responda prontamente aos comandos do cavaleiro.

Fonte: www.cavalomangalarga.com.br

Mangalarga

Força, beleza, resistência, imponência, valentia. Tais atributos são encontrados nos cavalos da raça Mangalarga, um cavalo genuinamente brasileiro.

Vencer grandes distâncias com qualquer grau de dificuldade é o desafio que ele mais gosta de encontrar. Por isso, o cavalo Mangalarga conquistou a admiração dos brasileiros.

São mais de 3 mil criadores registrados na Associação Brasileira de Criadores de Cavalos mangalarga.

São mais de 3 mil criadores que se orgulham de ter estes cavalos para as mais variadas e difíceis tarefas.

Mangalarga foi se tornando, ao longo dos anos, o cavalo das grandes caminhadas.

Resistente, dócil, inteligente e acima de tudo, confortável, foi o cavalo escolhido pelos Bandeirantes, colonizadores do século passado, que atravessaram todo o Brasil montados em grandes cavalos e em grandes caravanas, suportando adversidade múltiplas e sempre desempenhando seu trabalho a contento.

Proezas, muitas proezas, provam definitivamente a grande utilidade dos cavalos da raça Mangalarga.

Não só para os brasileiros, mas, futuramente, para muitos criadores de todo o mundo.

Haja visto que o mangalarga está se destacando também, com valentia, nas difíceis provas de Enduro.

Não vai demorar muito para se tornar um dos melhores cavalos neste novo esporte que ganha, a cada dia, mais adeptos no Brasil e em outros importantes centros eqüestres do mundo.

Fonte: www.sevenbr.com.br

Mangalarga

Mangalarga

Com essa denominação, tornou-se famosa uma população equina, no sul de Minas Gerais, limítrofe com São Paulo, na primeira década do século passado.

Posteriormente membros da família JUNQUEIRA, responsáveis por essa criação, mudaram-se para o Estado de São Paulo e com eles trouxeram sua montarias. A famosa raça de equinos logo contagiou os Paulistas, que adotaram e a disseminaram por todo o Estado de São Paulo e Estados vizinhos. Traçar um histórico da raça Mangalarga equivale narrar a história da família JUNQUEIRA. Foram eles os forjadores da Raça, seus primeiros criadores.

O início da seleção da Raça Mangalarga deu-se em 1812 na fazenda Campo Alegre, em Baependi, hoje município de Cruzília, onde o Barão de Alfenas instalou-se. Consta, ainda que nesta data, teria o Barão recebido de presente do Princípe Regente D.João VI um cavalo Álter, que passou a usar como garanhão em suas éguas.

Os animais oriundos destes acasalamentos se constituíram nos formadores da Raça Mangalarga.

ORIGEM ,DENOMINAÇÃO E FORMAÇÃO DA RAÇA

A Raça nacional Mangalarga tem como formador principal o cavalo Álter de Portugal. Provavelmente foi Napoleão Bonaparte, ao invadir Portugal, obrigando Dom João VI a mudar-se com a corte para o Brasil, quem primeiro contribuiu para a formação desta raça.

Com Dom João VI vieram também os melhores espécimes da raça Álter da Coudelaria Real de Álter do Chão.

Se o principal formador do cavalo Mangalarga é o cavalo Álter de Portugal, entretanto no início deste século, muitos criadores introduziram, esporadicamente, no Mangalarga, as raças Árabe, Anglo Árabe, Puro Sangue Inglês e American Sadle Horse.

Não somos nem a favor nem contra ao que foi feito.

O fato é que hoje já dispomos de um número elevado de cavalos de alto valor zootécnico, que nada perde para outras raças estrangeiras, portanto, não nos cabe mais analisar o caminho seguido para consegui-lo.

Somos no entanto virtualmente contra cruzamentos com raças exóticas, no pé em que estamos.

Muito pouco temos a ganhar com eles, uma vez que temos mais de cem anos de seleção de marcha trotada, resistência e rusticidade a arriscar.

Fonte: www.cavalgar.com

Mangalarga

Antes de adquirir um cavalo é importante ter certeza do que está comprando. É umatarefa simples, mas que requer alguns cuidados. Muito se tem ouvido falar emfuncionalidade. Claro, que o que todos querem ao adquirir um animal é que ele reúna o maior número de atrativos possível.

No caso do Mangalarga sua principal aptidão é o andamento. Sua movimentação exclusiva, de excelente comodidade, o credencia como o melhor eqüino para cavalgadase turismo rural. Por essa razão é que esse animal é tido como “O Cavalo de SelaBrasileiro”.

Com a comodidade proporcionada por essa característica é o mais apropriado para aqueles que buscam um animal para lazer . Assim o cavaleiro poderá admirar as belaspaisagens dos lugares a serem percorridos. Outra particularidade da raça é o bom temperamento, dócil o Mangalarga é um animal obediente e adequado a todo tipo deusuário, sejam crianças, mulheres ou pessoas que estão apenas começando na equitação.

Sua rusticidade é mais um ponto forte, e faz com que o Mangalarga sirva também comoum animal de trabalho. Essa raça se adapta a várias circunstâncias, mantendo-se firmeem terrenos acidentados de pastos naturais ou apresentando um andamento tranqüilo (passo, marcha trotada e galope) ideal para lazer.

No esporte a raça tem se destacado em algumas modalidades como, por exemplo, oteam penning (competição em que um trio tem como objetivo prender em um curral 3bezerros, no menor tempo possível). No ano passado o Mangalarga foi campeão emBarretos e em Jaguariúna (SP), os dois maiores rodeios do país, que tiveram provas abertas à modalidade. Apesar de não ter sido campeão no Rodeio de Barretos de 2004foi o trio que realizou o menor tempo da pista.

Todas essas características tornam o Mangalarga um cavalo ideal, seja por suamorfologia ou em sua qualidade nata. Conhecer sobre o animal é a atitude mais corretapara aqueles cavaleiros que buscam usufruir todas as potencialidades de um animal.

Fonte: www.fenagro.com

Mangalarga

Mangalarga

RESISTÊNCIA, DOCILIDADE E NOBREZA

História

É considerada a raça mais antiga formada na América Latina, sendo resultado do cruzamento de cavalo Andaluz com éguas nacionais, cujo resultado foi combinado depois com Puro Sangue Inglês, Árabe, Anglo-Árabe e American Saddle Horse para aperfeiçoar suas habilidades para a lida com o gado e para as práticas esportivas, na época, a caça ao veado.

Características

Cavalo de porte médio, bons andamentos, de marcha trotada, dócil, ágil e muito inteligente. Perfil reto, olhos grandes e com expressão inteligente.

Apatidão

Cavalo de sela por excelência perfeito para passeios, cavalgadas e trabalho com gado.

No Brasil

O plantel brasileiro conta com mais de 180 mil cavalos distribuídos em todo país.

Fonte: www.mercadodecavalos.com.br

Mangalarga

Mangalarga

O cavalo Mangalarga descende de um cavalo Alter, recebido de D. João VI pelo Barão de Alfenas, cruzado com éguas crioulas escolhidas. Esse trabalho foi iniciado em 1812. A seleção foi continuada pelo seu sobrinho, tenente-mor Francisco Antônio Junqueira, que se estabeleceu no Estado de São Paulo, no atual Município de Orlândia, com fazendas de criar, para onde trouxe dois dos quatro cavalos que constituíram os pilares da raça.

Após sua morte em 1855, seus filhos, João Francisco Diniz Junqueira e Francisco Marcolino (Capitão Chico), continuaram o trabalho, trazendo de Cristina “Telegrama” (1867) e de Cachoeira do Ratis “Jóia” (1873). O melhoramento foi continuado pelos descendentes desses pioneiros e por outros paulistas entusiastas, tendo havido esporadicamente infusões de sangue Árabe, Inglês, Morgan, Andaluz, etc., visando conferir certas qualidades apreciáveis.

O Mangalarga encontra-se no Estado de São Paulo e Estados limítrofes. O Mangalarga de Minas corresponde ainda ao nosso tipo primitivo e não ao atual “standard” do paulista.

CARACTERÍSTICAS DA RAÇA

Descrição

Peso de 450 Kg no garanhão e 400 na égua. Estatura: de 154 cm no garanhão (em média 150 cm) e 146 cm nas éguas (em média 144 cm).

Perímetro torácico

As pelagens predominantes são a castanha e a alazã. Ocorre o tordilho em menor proporção, e ainda menos o baio, o negro e o pampa.

Os pêlos são finos e macios e as crinas freqüentemente longas e onduladas. Cabeça: Média, de perfil direito, com tendência a convexo.

Os olhos são pouco salientes, afastados, expressivos, revelando mansidão e vivacidade.

As orelhas são médias, bem implantadas e móveis. A fronte é ampla, as ganachas delicadas, as narinas afastadas, amplas e firmes. Boca medianamente rasgada com lábios iguais.

Pescoço

Musculoso e levemente rodado (pretende-se piramidal), harmoniosamente ligado a cabeça e ao tronco, com crineira abundante e ondulada. Corpo: compacto, de aspecto reforçado, porém bem proporcionado. A cernelha é de tamanho médio e regularmente saliente.

As espáduas

São obliquas, longas e musculadas. O peito: é amplo, musculoso e o tórax profundo, com as costelas arcadas.

O dorso

E rins curtos e fortes.

Os flancos

São as vezes demasiado grandes, o que é um defeito a corrigir.

O ventre

É redondo, a garupa ampla, longa, musculosa, inclinada, melhor do que as do outros cavalos nacionais, com cauda implantada a baixo, de crinas abundantes.

Membros

Fortes, com articulações salientes e nítidas. As coxas são cheias e musculosas. O ângulo do jarrete é um pouco fechado, amortecendo o andar.

As canelas são secas e limpas, as quartelas bem inclinadas e de bom tamanho e os cascos circulares, largos e duros. Aptidões e outras qualidades: como tipo, o Mangalarga primitivo deveria ser enquadrado na classe do Hackney (“Roadster”), como cavalo de sela e carruagem, pois é um pouco reforçado para cavalo de sela. A tendência moderna, e que vem sendo seguida de 40 anos para cá, entretanto, é de torna-lo mais esguio, menos compacto, e por tanto conferir-lhe maior agilidade, que deve ser um dos característicos do cavalo de sela.

É um cavalo sóbrio, rústico, vigoroso, de muita resistência para as longas caminhadas, dócil, muito elegante, apresentando muito do garbo de seu antepassado, o andaluz. Seu andar característico era a marcha tripedal, porém ultimamente tem-se procurado a diagonal (marcha trotada) e recrimina-se marcha lateral, variação da andadura, tão característica dos cavalos mineiros.

Essa orientação tem reduzido a maciez do andar, que era um dos atributos mais estimados do Manga-larga, porque a marcha trotada é sempre mais áspera que as outras.

Em compensação cansa menos o cavalo e permite sua utilização para a remonta militar, o que é um dos objetivos de seus melhoradores.

Sua multiplicação é feita principalmente para fins esportivos (pólo, caça, etc.), e para cavalo de viagem e serviço de fazendas, mas é possível que venha a ser ainda um cavalo militar, adaptado ás condições do Brasil central, pois anda com muita segurança em terrenos sujos e cheio de obstáculos, devido ao seu andamento alçado, sendo ainda muito bom saltador.

Constituem defeito as largas braçadas laterais, devendo as mãos ser atiradas diretamente para frente, num melhor aproveitamento da potência do animal.

Fonte: www.revistadaterra.com.br

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Leão

Leão

Leão, Animal, Características, Habitat, Família, Espécie, Reprodução, Classificação, Rei da Selva, Simba, Reino, Filo, Classe, Gênero, Dieta, Leão

Víboras, Calangos e Tartarugas

Víboras, Calangos E Tartarugas, Cobra, Alimentação, Habitat, Reprodução, Víboras, Calangos E Tartarugas

Víbora

Víbora, Cobra, Alimentação, Habitat, Reprodução, Vipera Latastei, Áspide, Inimigos, Gigante, Predadores, Crânio, Dentes, Animal, Réptil, Víbora

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+