Breaking News
Home / Animais / Perdiz

Perdiz

Alectoris rufa

PUBLICIDADE

Classe: Aves
Ordem: Galiformes
Família: Phasiaridae
Género: Alectoris
Espécie: Alectoris rufa

A Perdiz-comum ou Perdiz-vermelha é considerada a ave de caça ou peça de caça mais apreciada pelos caçadores e também aquela que desperta maior interesse económico.

Características gerais

Ave de tamanho médio (35 a 40 cm de comprimento); Silhueta roliça, asas curtas, arredondadas e cauda quase inexistente

Cor parda e ocre, com largo babete orlado de preto, peito malhado de preto, flancos com riscas pardas, brancas e pretas
Bico e patas vermelhos.

Dimorfismo sexual

A distinção entre machos e fêmeas não é fácil. As fêmeas e os machos são muito semelhantes

Normalmente o macho é maior e mais pesado que a fêmea

Os machos apresentam tarsos mais compridos e grossos, esporões com base larga e extremidade arredondada

As fêmeas têm os tarsos mais curtos e delgados e, quando apresentam esporões, estes têm a base estreita e são bicudos;
Os órgãos genitais da fêmea vêem-se melhor na época de reprodução.

A distinção entre adultos e juvenis – com menos de 1 ano – pode fazer-se pela observação das remiges primárias (as dez penas da extremidade da asa).

As perdizes têm várias mudas, o que permite identificar as várias idades.

Habitat e Alimentação

Prefere especialmente as zonas de culturas cerealíferas, mas também se pode encontrar na periferia das áreas incultas ou matos, por vezes também em vinhas.

A alimentação é essencialmente insectívora no primeiro mês de vida, após o qual se tornam praticamente herbívoros: grãos (trigo, cevada, aveia), bolota, folhas, rebentos, bagas, flores e raízes de uma grande variedade de plantas espontâneas

Comportamento e Reprodução

Espécie muito gregária, diferentes agregações ao longo do ciclo anual: Janeiro / Fevereiro: dissociam-se os grupos e juntam-se os casais

Primavera: grupos reprodutores (casais)

Verão: Grupos familiares (fêmea com as suas crias)

Fim do Verão / Outono: Grupos plurifamiliares (bandos).

Formação dos casais

Grande instabilidade social e espacial. O ninho é feito geralmente no chão, ajudada pelo macho na sua construção, com simples folhas secas, junto a tufos de ervas, debaixo de ramos secos ou mesmo junto a linhas de água ou caminhos.

Postura dos ovos

Março a Abril – Sul do país – Abril a Maio – Norte

São monogâmicas

Um macho e uma fêmea.

Número de ovos de cada ninho: variável – média de 12 ovos.

A Perdizpode fazer 2 posturas em 2 ninhos diferentes, uma incubada pelo macho e a outra pela fêmea.

Pode fazer uma 2ª postura quando a 1ª é perdida (após ter iniciado a incubação) devido a alterações climatéricas. A incubação começa após a postura do último ovo e dura cerca de 23 dias.

A Perdizé uma ave Nidifoga

Sai do ninho assim que nasce.

A luta dos machos pelas fêmeas é pelo canto, rodopiam à volta um do outro, quem cantar mais alto ganha.

Os principais predadores

A raposa (Vulpes vulpes); o ginete; o gato-bravo; alguns rapináceos; o javali (Sus scrofa); e os corvídeos, estes últimos predando principalmente os ninhos e perdigotos.

É de salientar ainda o efeito predador de alguns animais domésticos e assilvestrados, que muitas vezes são responsáveis pela destruição de ninhadas inteiras, especialmente os cães e gatos, causando prejuízos avultados.

Fonte: www.miga.pt

Perdiz

Excelente andarilha, a Perdizé uma ave de tamanho médio ( rondando os 35 a 40 cm de comprimento ), com os flancos caracteristicamente estriados de castanho e branco, uma linha preta contornando o branco das faces e descendo até ao peito ( onde forma um colar negro donde parte estrias da mesma cor que salpicam o cinzento do peito ) as costas e a parte superior da cabeça num quente tom de castanho, o bico e as patas vermelhas.

Apesar de não ser fácil a distinção do macho da fêmea, as perdizes possuem no entanto algumas características que, em observação simultânea, permitem a distinção dos sexos com relativa segurança : – normalmente o macho é maior e mais pesado do que a fêmea ( peso médio dos machos : 483g. – peso médio das fêmeas : 395g. )

Os machos apresentam tarsos mais compridos e grossos, esporões com base larga e extremidade arredondada, enquanto que as fêmeas têm os tarsos mais curtos e delgados, quando apresentam esporões, estes têm a base estreita e são bicudos;

Regra geral, a cabeça dos machos é mais volumosa do que a das fêmeas.

A distinção entre animais adultos e juvenis ( menos de um ano ) pode fazer-se pela observação das rémiges primárias – as 10 penas da extremidade das asas

o juvenil inicia a muda no primeiro mês de vida; Prolongando-se até outubro e novembro – mas não há substituição das rémiges. Estas duas penas são pontiagudas e podem apresentar uma pequena pinta branca na extremidade;

O adulto inicia a muda de todas as rémiges primárias duas ou três semanas antes do juvenil. as duas últimas penas , quer no caso de ainda não terem sido mudadas quer no caso de já serem novas, têm a extremidade arredondada.

HABITAT E ALIMENTAÇÃO

È uma ave que prefere as zonas de culturas cerealíferas, mas também se pode encontrar na periferia das áreas incultas ou matos, por vezes também em vinhas.

A alimentação, essencialmente insectívora no primeiro mês de vida, evolui radicalmente por forma a englobar produtos de origem quase só vegetal : Grãos, ( trigo, cevada, aveia ), bolota e também folhas, rebentos, bagas, flores e raízes de uma grande variedade de plantas espontâneas.

COMPORTAMENTO E REPRODUÇÃO

O acasalamento destas aves começa geralmente em janeiro e fevereiro no sul, fevereiro e março no norte, podendo haver alterações conforme as condições atmosféricas; Fazem o ninho geralmente no chão , com o fundo simplesmente coberto de plantas secas, junto a tufos de ervas, debaixo de ramos secos ou mesmo junto a linhas de água ou caminhos.

A postura dos ovos faz-se durante os meses de março a abril no sul e de abril a maio no norte; O numero de ovos de cada ninho é variável, desde os 8 aos 23, com um valor médio de 12 ovos; A incubação – que começa depois da postura do último ovo – dura cerca de 23 dias. È conhecida a construção de um segundo ninho – provavelmente quando acontece a destruição do primeiro – o qual pode por vezes ser incubado pelo macho.

As eclosões começam no fim de maio e junho, havendo um máximo na primeira quinzena de junho no sul e nos finais do mês no norte; Os perdigotos logo que nascem abandonam o ninho ( espécie nidifuga ) , mostrando uma notável vivacidade ao seguirem os adultos na procura de alimentos. Durante o verão e até á nova época de acasalamento as perdizes deslocam-se em bandos.

NOTA

Numa população bem gerida, por cada ninho de Perdiz, chegam em média á idade adulta 5 perdigotos; Para se atingir este número há que seguir certas regras, tais como:

Pôr á disposição das perdizes alimento, água e abrigo.

Cuidar da maneira como são feitas as ceifas.

Evitar o abuso de pesticidas.

Vigiar cuidadosamente os rebanhos e as varas tendo especial atenção aos cães dos pastores.

Evitar o excesso de predadores o que não significa a sua eliminação mas sim o seu controle.

Evitar a deambulação de cães e gatos vadios que constituem as maiores populações de predadores em Portugal .

Para o nível da população ser mantido, não pode abater-se anualmente mais de 50% dos efectivos.

Fonte: www.figueira.com

Perdiz

Perdizou Perdigão

A Perdizé uma ave de aparência galinácea pertencente a família dos inhambus, codornas e macucos. É o maior dos tinamídeos campestres do Brasil. Como os demais representantes de sua família, a Perdiztem a capacidade de vôo reduzida, limitando-se a vôos rasantes de curta distância.

Ocorre da Argentina e Bolívia ao sul da região amazônica. Há registros de sua ocorrência na Ilha do Marajó. O habitat da espécie são as regiões campestres, cerrados e veredas de buritizais (áreas úmidas). Ocorre também nos platôs descampados e nas áreas de campos e banhados do sul do Brasil. São animais ativos nas horas mais quentes do dia. Outrora abundante no Brasil, hoje sua área de ocorrência aparenta redução, sendo ainda abundante em áreas com relativa proteção como as áreas de proteção integral do Poder Público ou de particulares.

Fonte: www.zooassessoria.com.br

Perdiz

A Perdizé uma ave campestre de grande porte de coloração parda que anda pelo chão, onde faz os seus ninhos e coloca de doze a dezoito ovos. Habita em regiões campestres com pastagens de vegetação rasteira. Este animal chega a atingir os trinta e sete centímetros de comprimento e a pesar novecentas gramas, aproximadamente. Não possui grande capacidade de voo.
A Perdizé uma das espécies cinegéticas preferidas dos caçadores portugueses e bastante abundante no Baixo Alentejo.

A sua alimentação é essencialmente insectívora no primeiro ano de vida, e evolui depois radicalmente de forma a englobar produtos de origem quase só vegetal.

Fonte: www.voacaca.pt

Perdiz

Alectoris rufa

Classe – Aves
Ordem – Galliformes
Família – Phasianidae
Género -Alectoris
Espécie – Alectoris rufa

Descrição

O seu habitat preferido são os campos abertos, com vegetação dispersa, como montados, matos e campos de cereais. a sua necessidade de uma alimentação diversificada, leva-a a evitar as grandes extensões de monocultura.

O bico e as patas são vermelhos, com uma faixa marginada de negro na garganta e uma faixa branca comprida na cabeça, passando por cima dos olhos.

Os flancos são cinzentos claros com barras brancas, negras e vermelhas. No Inverno, reúnem-se em grandes bandos, que se voltam a separar para o acasalamento, na Primavera Seguinte.

Alimentação

A Perdiz é insectívora no seu 1º mês de vida, depois passa a seguir uma dieta essencialmente vegetariana, à base de grãos de cevada, trigo, aveia, folhas, flores e rebentos de varias plantas.

Fonte: sanfins.web.simplesnet.pt

Perdiz

Alectoris Rufa

Perdiz

A Perdiz é uma das espécies cinegéticas preferidas dos caçadores portugueses e bastante abundante no nordeste transmontano. Para além da Península Ibérica, apenas se encontra presente em França, Norte de Itália e parte da Grã-Bretanha, onde foi introduzida. Costuma andar em pequenos bandos, com um máximo de 15 indivíduos. Voa rente ao solo, depois de uma pequena corrida para tomar balanço. É uma excelente andarilha e tem um tamanho tamanho entre 35 e 40 cm. Apresenta os flancos caracteristicamente estriados de castanho e branco, com uma linha preta contornando o branco das faces e descendo até ao peito, onde forma um colar negro e de onde partem estrias da mesma cor que salpicam o cinzento do peito. As costas e a parte superior da cabeça são num quente tom de castanho, o bico e as patas vermelhas. O macho é maior e mais pesado do que a fêmea, apresentando uma cabeça mais volumosa.

É uma ave que prefere especialmente as zonas de culturas cerealíferas, mas também se pode encontrar na periferia das áreas incultas ou matos, por vezes também em vinhas. A sua alimentação é essencialmente insectívora no primeiro ano de vida, e evolui depois radicalmente por forma a englobar produtos de origem quase só vegetal.

O acasalamento destas aves ocorre geralmente entre Fevereiro e Março, podendo haver alterações conforme as condições atmosféricas; fazem o ninho geralmente no chão, junto a tufos de ervas, debaixo de ramos secos, junto a linhas de água. A postura é feita entre Abril e Maio, com um número de ovos (amarelados com manchas avermelhadas) entre 8 e 23 (em média 12); a incubação dura cerca de 23 dias, e por vezes em dois ninhos, um incubado pelo macho e outro pela fêmea.

Fonte: www.bragancanet.pt

Perdiz

Nome científico: Alectoris rufa

Distribuição

As perdizes desta espécie podem ser encontradas no sul da Europa, Portugal, Espanha, França e Itália para além destas zonas, também ocorre nas ilhas britânicas.

Em Portugal encontra-se distribuída por todo o território continental, podendo ser encontrada no meio da vegetação rasteira, em bandos de cerca de 10/15 indivíduos.

Os locais onde mais facilmente se encontra são o Alentejo e o Nordeste Transmontano.

Protecção

Dado ser uma das espécies cinergéticas mais procuradas pelos caçadores, necessita de períodos de recuperação bem definidos e de zonas protegidas, para não colocar em risco a sua sobrevivência.

Esta pequena ave não é, por natureza, muito boa a voar, necessitando de bastante espaço para correr, fazendo depois pequenos voos rasantes, a baixa altura, para chegar a locais onde a vegetação seja mais densa e se sinta mais protegida dos predadores.

A sua carne é muito procurada para efeitos culinários, sendo assim desde os tempos da monarquia, onde era muito apreciada e a sua confecção bastante cuidada.

Alimentação

Muito resistente, alimenta-se de sementes e minhocas que encontra enquanto raspa com as suas patas.

Reprodução

São aves muito territoralistas, tendo o macho do grupo de afastar outros machos, durante a época da reprodução.A Perdizpõe em média 12 ovos, que demoram cerca de 23 dias a eclodir, nascendo depois os perdigotos, que nessa fase são essencialmente insectívoros.

Tamanho

As perdizes podem atingir os 35.cm.

Fonte: bicharada.net

Perdiz

Habitante de cerrados e campos de todas as regiões do Brasil, a Perdizé uma ave extremamente sagaz e pode permanecer escondida e imóvel durante longo tempo, para escapar aos caçadores.

Ave tinamiforme da família dos tinamídeos, gênero Rhynchotus, a Perdizbrasileira (R. rufescens) apresenta plumagem avermelhada de mistura com amarelo-ferrugíneo e penas dorsais listradas de preto. É muito semelhante à codorna, da qual difere pelo grande porte e pio diverso. Alimenta-se de insetos, frutas silvestres e sementes. Nidifica no solo, em moitas de capim, com posturas de seis a oito ovos, quase do tamanho do ovo da galinha, de coloração cinzento-escura ao chocolate. Sua caça é uma das preferidas do Brasil central.

A Perdizeuropéia (Perdix perdix), que ocorre em diferentes regiões do sul da Europa, não tem parentesco com a Perdizbrasileira: é uma ave galiforme, da família dos fasianídeos, que inclui também a codorniz e o faisão. A Perdizeuropéia mais comum é a castanha, que apresenta plumagem cinza nas asas, com reflexos castanhos no dorso. A cabeça é branca com listas escuras à altura dos olhos. Originária da Europa, assentou-se também na América do Norte no século XIX.

Destaca-se ainda a Perdizcomum ou vermelha (Alectoris rufa), assim chamada pela cor das patas e do bico; sua plumagem é semelhante à da Perdizcinza. Vive em zonas de montes baixos, regiões pedregosas e lugares arenosos. Nidifica no solo e põe ovos matizados de manchas avermelhadas, cujo período de incubação se prolonga por 23 dias. Raras vezes levanta vôo e, quando o faz, é para vôos baixos e de curta duração. Outras espécies são A. chukar, de plumagem cinza; A. barbara, que apresenta no pescoço uma franja, como um colar de cor castanho-avermelhada; e diferentes espécies afro-asiáticas do gênero Francolinus.

Fonte: www.biomania.com.br

Perdiz

Perdiz
Perdiz: ave de carne muito apreciada, encontrada no Brasil e em vários outros países.

Nome comum a diferentes aves de várias partes do mundo. A Perdizbrasileira vive nos cerrados e caatingas das regiões ao sul do rio Amazonas. Tem cor avermelhada com tons amarelos, penas dorsais com listras pretas e garganta esbranquiçada. No entanto, ela não é considerada uma verdadeira Perdiz.

Um grupo de aves do hemisfério Norte é considerado pelos cientistas como o de perdizes verdadeiras. A ave típica desse grupo é a chamada Perdiz-húngara. As maiores perdizes-húngaras alcançam cerca de 30 cm de comprimento. A parte superior do corpo é cinza, com manchas castanhas e negras. A Perdizalimenta-se de grãos, sementes, brotos macios e insetos. Nidifica no chão. A fêmea põe de oito a 20 ovos.

Fonte: www.klickeducacao.com.br

Perdiz

Rhynchotus rufescens

A Perdizé um dos maiores tinamídeos campestres, tem o bico forte e uma coloração parda com pintas pretas no dorso. Suas asas são ferrugíneas. Anda pelo chão, onde constrói os seus ninhos e põe seus ovos, geralmente de 6 a 9 com coloração chocolate-violáceo.

Após o termino da postura a fêmea pia insistentemente chamando o macho para a incubação.

Habita regiões de campos, pastagens e cerrados, pode ser surpreendida escondida em moitas de capim ou andando entre a vegetação rasteira, antiga mente era abundante em grande áreas, porém com a caça e o uso de inseticidas, está cada vez mais raro encontrar essa ave no habitat natural.

A sua importância para o homem está em sua criação, visando a alimentação humana, já que sua carne é bastante consumida.

Chega a atingir 37,5 cm, e pesando cerca de 900 g, como suas “irmãs” as galinhas, não possuem grande capacidade de vôo, isso em decorrência ao período evolutivo das espécies, que aos pouco perderam capacidade de vôo em grande escala.

Obs:. Também são conhecidas em outras regiões do país com o nome de perdigão.

Fonte: www.animalnet.com.br

Veja também

Rinoceronte

Rinoceronte, Reprodução, Características, Espécies, Mamíferos, Hábitos, Fotos, Classificação, Habitat, Tamanho, Animal, Anatomia, Comportamento, Rinoceronte

Rinoceronte Branco

Rinoceronte Branco, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Visão, Rinoceronte Branco

Rinoceronte de Java

Rinoceronte de Java, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Rinoceronte de Java

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.