Breaking News
Home / Animais / Cavalo da Mongólia

Cavalo da Mongólia

PUBLICIDADE

O que é o Cavalo da Mongólia?

Cavalo da Mongólia (cavalo de Przewalski), também chamado de cavalo selvagem asiático ou mongol, é uma espécie de cavalo verdadeiramente selvagem que nunca foi domesticada regularmente.

É classificado como um parente do cavalo domesticado, diferindo em formas genéticas significativas. Existem aproximadamente 1500 cavalos de Przewalski no mundo hoje, com apenas 250 existentes na natureza.

Comparado a um cavalo típico, o Cavalo da Mongólia (cavalo de Przewalski) é curto e grosso, com um casaco pesado.

A maioria atinge uma altura não superior a 1,3 m.

São de cor castanha clara ou castanha clara e alguns apresentam padrões de riscas nas pernas.

A maioria tem um rosto ou focinho branco e a juba é excepcionalmente dura e ereta.

O peso médio de um cavalo adulto é de cerca de 200 a 340 kg.

O comportamento do Cavalo da Mongólia (cavalo de Przewalski) é típico da maioria das outras populações de cavalos selvagens ou selvagens. Um grupo familiar é composto por garanhões e éguas dominantes, várias outras éguas de baixa classificação e potros. Garanhões jovens vivem em grupos de solteiros, acasalando apenas quando conseguem passar pelo garanhão da cabeça.

A gestação das éguas é de cerca de 1 ano e os nascimentos de um potro são mais comuns.

Eles mantêm uma área de vida específica, embora as faixas de grupo familiar possam se sobrepor sem causar problemas.

O Cavalo da Mongólia (cavalo de Przewalski) foi oficialmente descrito no século XIX pelo general Nikolai Przhevalsky, um naturalista russo que partiu para a Ásia para seguir os rumores sobre a existência dos cavalos. Muitas espécimes foram capturados e exibidas em zoológicos, mas nunca domesticados.

No século XX, a expansão populacional, a caça e a destruição de habitats significavam o destino dos rebanhos selvagens.

No final da década de 1960, a espécie era considerada extinta na natureza pela maioria das autoridades.

Embora os zoológicos sejam legitimamente criticados de várias maneiras, o sucesso dos programas de criação de cavalos selvagens não pode ser ignorado.

Sem o cativeiro original, os cavalos de Przewalski provavelmente não só seriam extintos na natureza, mas extintos permanentemente.

Através de métodos de conservação corretamente aplicados e trabalhos científicos, táticas similares podem ser usadas no futuro para salvar outras espécies em perigo severo.

Os cavalos de Przewalski mostram sua relação com os cavalos modernos em sua aparência.

Superficialmente, eles se assemelham a uma mula muito colorida e clara.

Os cavalos têm pelagem amarelos com crinas e rabos escuros, acentuados com uma faixa dorsal escura que percorre todo o caminho até as costas e pernas listradas.

A juba desta raça de cavalo é ereta e não tem um topete.

Além disso, apesar das diferenças genéticas entre o cavalo de Przewalski e o cavalo domesticado moderno, os dois são capazes de cruzar e criar filhos. Por esta razão, é classificado como uma subespécie do cavalo moderno, em vez de sua própria espécie.

História

A raça eqüina nativa da Mongólia e uma das raças equinas indígenas da China, o cavalo mongol é considerado uma das mais antigas raças de cavalos, com linhagens que remontam a tempos antigos. Segundo os especialistas, os mongóis nômades documentam esses cavalos desde aproximadamente 2000 a.C.

Como resultado da sua longa história, esta raça tem sido capaz de influenciar o desenvolvimento de outras raças equinas em toda a Ásia e Europa. Por exemplo, várias raças do Japão, como o cavalo Noma, o Hokkaido, o Kiso, o Myako, o Taishu, o Misaki e o Tokara, podem ter sido influenciadas pelo cavalo mongol.

E cavalos mongóis também estão ligados a raças escandinavas, assim como cavalos da Islândia, Ilhas Britânicas e Europa Central, com o Cavalo islandês sendo bastante parecido com o mongol, como um exemplo.

Cavalo da Mongólia (cavalo de Przewalski)

O cavalo selvagem de Przewalski (Cavalo da Mongólia), uma subespécie do cavalo domesticado, é proporcionalmente pequeno e atarracado, com uma grande cabeça e uma longa cauda.

Em fins do século 19, a espécie se espalhava pelas estepes e desertos da Mongólia, Cazaquistão e algumas partes da China.

A perda subsequente do habitat natural e a caça perpetrada pelos humanos causaram um declínio tão drástico das populações desse animal, que o cavalo de Przewalski deixou de existir no ambiente selvagem. Restam apenas espécimes em cativeiro.

O cavalo selvagem de Przewalski, que se acredita ser o único cavalo verdadeiramente selvagem a ter chegado aos nossos dias, provavelmente tornou-se extinto em seu ambiente natural na década de 1960, na Mongólia. Cerca de 1.100 espécimes sobrevivem em parques nacionais e zoológicos.

Características

Originário das montanhas Tachin Schah, Mongólia.

É um cavalo primitivo, e leva o nome do coronel polonês que o descobriu N. M. Przewalshi ( 1839- 1888 ).

Sua altura varia entre 1,22 e 1,47 m.

Sua pelagem tem a cor areia (castanha), e tem a característica de um cavalo bravio, não domesticado, sua contagem de cromossomos chega a 66, quando o cavalo domestico é de 64.

Além de ter a crina espetada para cima, as pernas, pretas (às vezes, zebradas), e no dorso uma visível listra de mulo.

Alto risco de extinção

As diversas raças de Pôneis existentes hoje tem sua origem nos Cavalos de Przsewalski, no Tarpan e no cavalo diluviano oriundo das Florestas do Norte da Europa, que por sua vez apareceram depois na última Era glacial.

O selvagem cavalo Przsewalski habitava a Mongólia e foi o último descendente direto do Cavalo de Platô, que emergiu das Eras Glaciais. Já o Tarpan vivia no Leste da Europa e da Ucrânia.

No Brasil, onde existe uma associação de Pôneis desde 1970, são registradas quatro raças distintas: Shetland, Haflinger, Brasileira e Piquira.

O Shetland é considerado uma das raças mais antigas. Originário da Escandinávia antes da idade do Bronze, herdou o nome das ilhas Shetland para onde foi levado e selecionado. Em 1870, e Escócia criou o Stud book, para registro destes animais.

O Haflinger tem sua origem da idade Média. Estes cavalinhos de longas crinas claras viviam na região dos Alpes, no Tirol austríaco, onde eram usados na agricultura, no reflorestamento e no transporte de cargas e de pessoas. Posteriormente passaram a ser usados também como montarias em torneios e shows equestres. No Brasil foi introduzido em 1974, e a partir de 1979 passou a ser registrado na Associação Brasileira de Criadores de Pôneis.

As raças nacionais, apesar de serem selecionadas há muitos anos, só foram registradas oficialmente a partir da década de 70. Os maiores criatórios de Pôneis são os Estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Bahia. A raça Brasileira tem sua origem nos Pôneis oriundos da Argentina, e aqui cruzados com Pôneis Nativos. De temperamento dócil e ativo, são animais cômodos, próprios para montarias e equitação infantil. O registro de Pôneis da raça Brasileira acontece desde 1979.

O outro Pônei nacional é a raça Piquira (pequeno cavalo na língua tupi). Seu maior habitat é o Brasil Central e Sul, onde é chamado de petiço. Historiadores atribuem sua origem aos pôneis Europeus, especialmente o Shetland, que aqui foram cruzados com equinos de porte maior, como o Mangalarga Marchador, daí o Piquira possui porte de pequeno para médio, ou seja, entre 1,10 m e 1,35 m.

Classificação

Nome científico: Equus ferus przewalskii ( Poliakov, 1881)
Reino:
 Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Perissodactyla
Família: Equidae
Gênero: Equus
Espécie: Equus ferus
Subespécie: E. ferus przewalskii

Cavalo da Mongólia – Fotos

Fonte: vaquejadas.com/www.cesb.com.br/www.wisegeek.com/www.petguide.com

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Anaconda

Anaconda

PUBLICIDADE O que é uma Anaconda? Uma anaconda é uma cobra grande e não venenosa. Vive principalmente …

Tigre de Sumatra

PUBLICIDADE O que é um Tigre de Sumatra? Um tigre de Sumatra é uma espécie …

Buldogue Francês

Buldogue Francês

PUBLICIDADE O que é um Buldogue Francês? O Bulldog Francês é uma raça licenciada pelo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.