Breaking News
QUESTION 1 You have a hybrid Exchange Server 2016 organization. Some of the mailboxes in the research department are hosted on-premises. Other mailboxes in the research department are stored in Microsoft Office 365. You need to search the mailboxes in the research department for email messages that contain a specific keyword in the message body. What should you do? A. From the Exchange Online Exchange admin center, search the delivery reports. B. Form the on-premises Exchange center, search the delivery reports. C. From the Exchange Online Exchange admin SY0-401 exam center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. D. From the Office 365 Compliance Center, create a new Compliance Search. E. From the on-premises Exchange admin center, create a new In-Place eDiscovery & Hold. Correct Answer: E QUESTION 2 You have an Exchange Server 2016 organization. You plan to enable Federated Sharing. You need to create a DNS record to store the Application Identifier (AppID) of the domain for the federated trust. Which type of record should you create? A. A B. CNAME C. SRV D. TXT Correct Answer: D QUESTION 3 Your company has an Exchange Server 2016 200-310 exam Organization. The organization has a four- node database availability group (DAG) that spans two data centers. Each data center is configured as a separate Active Directory site. The data centers connect to each other by using a high-speed WAN link. Each data center connects directly to the Internet and has a scoped Send connector configured. The company's public DNS zone contains one MX record. You need to ensure that if an Internet link becomes unavailable in one data center, email messages destined to external recipients can 400-101 exam be routed through the other data center. What should you do? A. Create an MX record in the internal DNS zone B. B. Clear the Scoped Send Connector check box C. Create a Receive connector in each data center. D. Clear the Proxy through Client Access server check box Correct Answer: AQUESTION 4 Your network contains a single Active Directory forest. The forest contains two sites named Site1 and Site2. You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains two servers in each site. You have a database availability group (DAG) that spans both sites. The file share witness is in Site1. If a power failure occurs at Site1, you plan to mount the databases in Site2. When the power is restored in Site1, you Cisco CCNP Security 300-207 exam SITCS need to prevent the databases from mounting in Site1. What should you do? A. Disable AutoReseed for the DAG. B. Implement an alternate file share witness. C. Configure Datacenter Activation Coordination (DAC) mode. D. Force a rediscovery of the EX200 exam network when the power is restored. Correct Answer: C QUESTION 5 A new company has the following: Two offices that connect to each other by using a low-latency WAN link In each office, a data center that is configured as a separate subnet Five hundred users in each office You plan to deploy Exchange Server 2016 to the network. You need to recommend which Active Directory deployment to use to support the Exchange Server 2016 deployment What is the best recommendation to achieve the goal? A. Deploy two forests that each contains one site and one site link. Deploy two domain controllers to each forest. In each forest configure one domain controller as a global catalog server B. Deploy one forest that contains one site and one site link. Deploy four domain controllers. Configure all of the domain controllers as global catalog servers. C. Deploy one forest that contains two sites and two site links. Deploy two domain controllers to each site in each site, configure one domain controller as a global catalog server D. Deploy one forest that contains two sites and one site link. Deploy two domain controllers to each site. Configure both domain controllers as global catalog servers Correct Answer: C QUESTION 6 How is the IBM Content Template Catalog delivered for installation? A. as an EXE file B. as a ZIP file of XML files C. as a Web Appli cati on Archive file D. as a Portal Application Archive file Correct Answer: D QUESTION 7 Your company has a data center. The data center contains a server that has Exchange Server 2016 and the Mailbox server role installed. Outlook 300-101 exam anywhere clients connect to the Mailbox server by using thename outlook.contoso.com. The company plans to open a second data center and to provision a database availability group (DAG) that spans both data centers. You need to ensure that Outlook Anywhere clients can connect if one of the data centers becomes unavailable. What should you add to DNS? A. one A record B. two TXT records C. two SRV records D. one MX record Correct Answer: A QUESTION 8 You have an Exchange Server 2016 EX300 exam organization. The organization contains a database availability group (DAG). You need to identify the number of transaction logs that are in replay queue. Which cmdlet should you use? A. Test-ServiceHealth B. Test-ReplicationHealth C. Get-DatabaseAvailabilityGroup D. Get-MailboxDatabaseCopyStatus Correct Answer: D QUESTION 9 All users access their email by using Microsoft Outlook 2013 From Performance Monitor, you discover that the MSExchange Database\I/O Database Reads Average Latency counter displays values that are higher than normal You need to identify the impact of the high counter values on user connections in the Exchange Server organization. What are two client connections 400-051 exam that will meet performance? A. Outlook on the web B. IMAP4 clients C. mobile devices using Exchange ActiveSync D. Outlook in Cached Exchange ModeE. Outlook in Online Mode Correct Answer: CE QUESTION 10 You work for a company named Litware, Inc. that hosts all email in Exchange Online. A user named User1 sends an email message to an Pass CISCO 300-115 exam - test questions external user User 1 discovers that the email message is delayed for two hours before being delivered. The external user sends you the message header of the delayed message You need to identify which host in the message path is responsible for the delivery delay. What should you do? A. Review the contents of the protocol logs. B. Search the message tracking logs. C. Search the delivery reports 200-355 exam for the message D. Review the contents of the application log E. Input the message header to the Exchange Remote Connectivity Analyzer Correct Answer: E QUESTION 11 You have an Exchange Server 2016 organization. The organization contains three Mailbox servers. The servers are configured as shown in the following table You have distribution group named Group1. Group1 contains three members. The members are configured as shown in the following table. You discover that when User1 sends email messages to Group1, all of the messages are delivered to EX02 first. You need to identify why the email messages sent to Group1 are sent to EX02 instead. What should you identify? A. EX02 is configured as an expansion server. B. The arbitration mailbox is hosted 300-320 exam on EX02.C. Site2 has universal group membership caching enabled. D. Site2 is configured as a hub site. Correct Answer: A
Home / Animais / Samoieda

Samoieda

SAMOYED

PUBLICIDADE

Samoieda

O Samoieda é um lindo cão de trabalho, de tamanho médio, originário da região da Sibéria. Seus olhos são castanhos, de formato amendoado, que demonstram, ao mesmo tempo, inteligência e “um olhar sempre alerta”. Tem uma linda cabeça, com stop moderado e pelagem longa, branca ou creme.
“É muito inteligente e precisa do amor do seu dono. Não é um cão que aceite ficar sempre preso. Gosta estar com o seu dono, é companheiro, leal e muito afetuoso”.

O Samoieda é ágil e bastante ativo. Os machos devem medir, na altura da cernelha, de 51 à 56 cm., e as fêmeas de 46 à 51 cm.

Fonte: www.guiaderacas.com.br

Samoieda

ORIGEM DA RAÇA

O Samoieda é uma das raças mais antigas que existe, oriundo das regiões nórdicas da Sibéria, onde era conhecido como Bjelkier, que na língua da tribo dos “Samoyedos”, queria dizer “cão branco que dá cães brancos”. Os Samoyedos eram uma população “pré-mongólica” que viveu a cerca de 5.000 anos atrás, e utilizavam seus cães para inúmeras funções como: puxar trenós, caçar ursos, lobos e morsas e ainda proteger rebanhos de renas. Os cães participavam ativamente da vida desse povo, sendo criados dentro das suas tendas, desenvolvendo assim sua domesticidade, pois no interior das tendas, além da docilidade, valiam-se de seu pelo para aquecê-los e serviam de guardiões da família.

No Ocidente, veio a ficar conhecido, devido as expedições exploradoras inglesas ocorridas pelo Ártico, no fim do século passado. Ernest Kilburn-Scott foi o primeiro criador da raça, que recebeu de um explorador norueguês 12 exemplares, sobreviventes de uma viagem feita à Groenlândia. Foi Ernest quem passou a importar Samoiedas, fazendo-o até 1920.

A admiração pelo Samoieda é tanta que o fez sair de seu habitat gélido e “aportasse” em outros lugares de climas diversos, inclusive, climas tropicais. Nesta rota estava o Brasil, onde chegou oficialmente em 1975.

PADRÃO DA RAÇA

Aqui temos o padrão da raça segundo a CBKC (Confederação Brasileira de Cinofilia) e a FCI (Federação Cinológica Internacional). Pertencem ao 5º grupo (Cães Spitz e de tipo primitivo) e seu país de origem são os Países Nórdicos. Sua aparência geral é de um cão ártico, de figura quase quadrada. De aspecto elegante, revelando robustez, graça, agilidade, dignidade e segurança. Sua altura está entre 48 e 60 cm e seu peso é de, aproximadamente de 20 a 30 Kg. Tem cabeça possante em forma de cunha com a trufa bem desenvolvida e preta, ou castanho. A cana nasal deve ser reta. Os lábios se fecham do nível das bochechas ultrapassando-as ligeiramente, levemente levantados nas comissuras, criando o característico “Sorriso Samoieda”.Os maxilares devem ter mordedura em tesoura (em torquês é tolerada, mas evitada); olhos escuros, oblíquos e amendoados. A cauda deve ser comprida, peluda e portada sobre o dorso. As orelhas são eretas,espessas, triangulares e arredondadas. Têm pernas sólidas e musculosas, com patas ovais e flexíveis, guarnecidas de pelos. Sua pelagem é dupla, sendo a externa abundante, rústica,flexível e densa.

O subpêlo é curto, suave, denso e serrado; pêlos mais longos, retos e duros atravessa, o subpelo armam a pelagem externa. Nas fêmeas a pelagem é freqüentemente mais curta e de textura mais suave. A cor preferida é o branco puro, mas também são admitidos os branco-palha (biscoito), o branco e creme e o totalmente palha. Os machos devem ter dois testículos de aparência normal totalmente descidos e bem acomodados na bolsa escrotal. Faltas graves: olhos amarelos; orelhas caídas; estrutura fraca; ossatura leve; jarretes de vaca acentuados; pelo ondulado, longo fraco e escorrido; características sexuais indefiníveis; cauda em gancho duplo. Desqualificações: olhos multicor (um olho de cada cor) ou azuis; prognatismo superior ou inferior; qualquer cor de pelagem não descrita no padrão; natureza agressiva ou desconfiada.

PADRÃO OFICIAL

CBKC n° 212 de 26/4/94

FCI n°212f de 20/5/88

País de origem: Países Nórdicos

Nome no país de origem: Samoyedo

CABEÇA: de crânio robusto e cuneiforme; crista occipital levemente marcada. Stop bem marcado. Focinho forte e profundo; de comprimento quase igual ao do crânio, reduzindo o perímetro gradualmente até a trufa. Canal nasal reta. Os lábios se fecham no nível das bochechas ultrapassando-as ligeiramente. Trufa bem desenvolvida. A linha dos lábios é levemente recurvada nas comissuras, criando o característico sorriso de Samoieda.

MAXILARES: articulados em tesoura, sendo tolerada, mas evitada, a mordedura em torquês.

OLHOS: marrons escuros, de forma amendoada, inserção bem profunda, oblíqua e bem separados; de expressão inteligente e esperta.

ORELHAS: de inserção alta e bem afastadas, relativamente pequenas, triangulares, eretas, com boa mobilidade e ligeiramente arredondadas na ponta.

PESCOÇO: forte, de comprimento moderado e portado erguido e confiante.

TRONCO: de comprimento ligeiramente maior que sua altura na cernelha; o peito é bem profundo; o cão é compacto, mas ágil. O dorso é reto, de comprimento médio e bem musculado. Juba abundante. As fêmeas podem apresentar o dorso ligeiramente mais longo; o lombo bem firme e o ventre moderadamente esgalgado. Visto de frente, o antepeito é bem profundo e bem largo sem ser em barril. Os flancos são bem cintados. A garupa é bem cheia, forte, musculada e levemente inclinada.

MEMBROS: bem articulados e musculados; ossatura robusta e bem desenvolvida. As escápulas são bem inseridas, longas e oblíquas. Vistos de frente, os anteriores são aprumados e os cotovelos bem ajustados trabalhando rente ao tronco. Os metacarpos são fortes e flexíveis. Os posteriores, vistos por trás, também se apresentam aprumados, paralelos e fortemente musculados. Os joelhos e as jarretes são bem angulados e a articulação do jarrete é bem baixa. A amputação dos ergôs dos filhotes deve ser feita aos 3 a 4 dias de idade.

PATAS: ovais e flexíveis; os dedos são ligeiramente separados e arqueados.

MOVIMENTAÇÃO: o Samoieda é um trotador. A andadura é fluente e enérgica; os anteriores com bom alcance de passada e os posteriores têm boa propulsão.

CAUDA: em atenção ou em movimento, é portada curvada para a frente, sobre o dorso ou de lado, em repouso, de um modo geral, é portada pendente, chegando a alcançar o nível dos jarretes.

PELAGEM: dupla, sendo a externa abundante, rústica, flexível e densa. O subpêlo é curto, suave, denso, e serrado; pêlos mais longos, retos e duros atravessam o subpêlo para armar a pelagem externa. O pêlo forma uma juba em torno do pescoço e sobre os ombros, emoldurando a cabeça, principalmente, nos machos. Na face externa das orelhas, na cabeça e na face anterior dos membros, o pêlo é curto e liso. A base das orelhas é bem guarnecida de pêlos. Nos espaços interdigitais encontram-se os pêlos de proteção. A cauda é abundantemente revestida. Nas fêmeas a pelagem é freqüentemente mais curta e de textura mais suave.

COR: branco, creme ou branco e biscoito ( a cor de fundo deve ser branca com ligeiras marcas biscoito e jamais parecer bege). A trufa, lábios e orla das pálpebras devem ser pretos. A trufa pode apresentar, às vezes, uma ligeira despigmentação.

TALHE: altura ideal: machos é de 57cm mais ou menos 3cm, e nas fêmeas é de 53cm mais ou menos 3cm.

NOTA: os machos devem apresentar dois testículos de aparência normal totalmente descidos e bem acomodados na bolsa escrotal.

CUIDADOS

CONVIVÊNCIA, TRATO, SAÚDE E TEMPERAMENTO

Original de regiões frias, muito se questiona sobre a sua estabilidade nos trópicos. Porém, o Samoieda soube se adaptar às alterações sofridas que, muito sutis, resultaram apenas na troca de pelo nas mudanças de estação, que é a redução do subpelo durante o calor. Jamais ocorreram mudanças estruturais a ponto de afetar sua saúde. Sua pelagem não tem apenas função de aquecê-lo, pois reduz a influência das variações externas em seu organismo, ajudando-o a manter estável a sua temperatura física. O trato dessa bela pelagem é simples, embora nos sugira ser muitotrabalhosa, assim como a manutenção de sua cor. A raça exige poucos cuidados, pois é limpa por natureza e faz sua própria higiene lambendo-se por inteiro.

Necessita apenas de uma ou duas boas escovações semanais, para a remoção de pelos mortos, principalmente nas épocas de muda, gestação das fêmeas e na permanência de sua cor. Sua pelagem possui uma oleosidade impermeabilizante que impede a fixação da sujeira, não devendo dar banhos seguidamente, mesmo com o clima quente, pois, o pelo em constante contato com a água, perde essa oleosidade, ocasionando dermatites, fungos e problemas de pele generalizados, podendo vir até a apodrecer sua pelagem. Com relação à sua saúde, a raça é muito resistente, haja visto sua origem. Como exposto, não apresenta problemas de adaptação climática e não é propensa a nenhuma doença específica.

Ao adquirir um filhote de Samoieda observe se são alegres e brincalhões. Seu olhos devem ser sempre brilhantes com lábios pretos e, nas extremidades, ligeiramente levantados, proporcionando o “sorriso Samoieda” que denota sua habitual simpatia. Suas orelhas ficam eretas a partir dos 3 a 4 meses. Sua cauda possui pelos longos e a partir dos 2 meses, portada sobre o dorso. Atenção à pigmentação de lábios e nariz, onde ambos devem ser bem preenchidos, ou de preto (cor habitual)ou castanho bem escuro. É importante que “naõ se mexa” em suas orelhas até que estejam eretas, pois quando novinhos a cartilagem é muito sensível e pode vir a quebrá-las pelo manuseio em excesso.

Fonte: samoiedabh.vilabol.uol.com.br

Samoieda

Você conhece o cão que ri?

Samoieda

O Samoieda é um cão guardião, de porte médio, extremamente alegre e compreensível. É gentil, forte e muito adaptável. Sem dúvida, a sua peculiaridade é o sorriso. Isto mesmo! O Saimoieda ri. Entre os cinófilos, é conhecido como “Sorriso do Samoieda”. Além de companheiro para as crianças, o Samoieda é obediente e fiel ao dono.

A sua pelagem é dupla, com subpêlo macio, curto, espesso, cerrado e lanoso, e o pêlo é maior e mais áspero, reto e eriçado. Sua cor é branco puro, branco e biscoito, creme e biscoito ou todo biscoito.

Necessita de uma ou duas boas escovações semanais, para a remoção de pêlos mortos, principalmente nas épocas de muda, gestação das fêmeas e na permanência de sua cor (branca).

É destaque nos Estados Unidos durante os treinamentos para servir de assistente a cegos, surdos, deficientes físicos e doentes neurológicos.

Samoieda

Origem e História

O Samoieda é uma das raças mais antigas. Nas regiões nórdicas da Sibéria, era conhecido como Bjelkier, que na língua da tribo dos samoiedos, povo que viveu há cerca de 5 mil anos até o início deste século, queria dizer “cão branco que dá cães brancos”.

Este povo utilizava seus cães para inúmeras funções, como puxar trenós, caçar ursos, lobos e morsas e ainda proteger rebanhos de renas. Os cães participavam ativamente da vida cotidiana dos samoiedos, sendo criados por eles dentro das suas tendas.

O Samoieda, hoje, não é mais um privilégio de países europeus e de temperaturas baixas. Esta raça é um sucesso de aceitação pelo mundo inteiro, onde numerosos exemplares são encontrados em exposições, feiras e canis idôneos, despertando o interesse e admiração de um público cada vez maior.

Samoieda

Esta admiração que o Samoieda desperta é tanta que ao ser “importado” do gélido clima siberiano veio “invadir” em cheio outros lugares e climas do mundo. O Samoieda chegou ao Brasil oficialmente em 1975, através do Sr. Werner Degenhardt, difusor e introdutor da raça no país.

Fonte: www.petfriends.com.br

Samoieda

Esse cão acostumado com o clima frio, não teve dificuldades em se adaptar. A única mudança ocorrida é a troca de pêlos nas épocas mais quentes.

Apenas com comandos de voz, é possível ser educado, porém isso deve ser feito desde cedo, pois precisa entender e se adquirir vícios, será mais difícil mudar essa atitude.

Aprecia demais a companhia humana, e muitas vezes segue seu dono por onde quer que ele vá. É dócil, mas gosta de latir, e seu latido é possante.

Não é uma raça indicada para apartamento, pois precisa de espaço e exercícios para seus músculos.

É bastante forte, visto que era utilizado para puxar trenós, sendo necessário acostumá-lo desde cedo a passear ao lado do dono, caso contrário pode levar o dono para passear e não ao contrário, devido à sua força.

Sua pelagem, ao contrário do que se imagina, não é trabalhosa para se cuidar, bastando apenas escová-lo duas vezes por semana e banhos a cada três meses, ou no caso de locais mais quentes, a cada 1 mês. São limpos por natureza, não emitem o odor característico dos cães e apenas com a escovação o pêlo se manterá limpo e macio.

Precisam de carinho e atenção do dono para serem felizes. Isso vem de seus antepassados, que viviam na tribo dos samoiedos, e essa tribo cuidava de seus cães como se fossem membros da família, tanto que moravam dentro de suas tendas.

Fonte: mypet.terra.com.br

Samoieda

AMIGO MAIS DO QUE BONITO

Além da bela aparência, a raça tem docilidade e aptidões bem variadas.

Glamurosa, romântica, aristocrática. Assim é que os admiradores mais apaixonados descrevem a aparência dessa raça de cães nórdicos, cujas origens remontam a milênios. A beleza da sua pelagem profusa e quase sempre branca (que pode ser também creme ou “biscoito”), em contraste com o nariz e os olhos muito escuros, as orelhas eretas de pontas arredondadas e a cauda charmosamente curvada sobre o dorso, chamam a atenção à primeira vista. Uma das características mais cativantes do Samoieda é o seu “sorriso”, delineado por lábios levemente curvados para cima, e reforçado por olhos amendoados, bem separados e com uma expressão viva e amistosa. O Samoieda destaca-se também pela elegância da movimentação. “Seu trote lembra o de um cavalo árabe”, diz Alfonso Rezende, criador da raça há 17 anos e proprietário do Klondike’s Kennel, em Belo Horizonte – MG.

O Samoieda faz parte de um grupo de cães primitivos, muito antigos e pouco modificados pelo homem. “Os exemplares de hoje têm praticamente as mesmas características dos seus antepassados que viviam há mais de cinco mil anos com a tribo dos Samoiedos, na Sibéria”, comenta Werner Degenhardt, introdutor da raça no Brasil em 1975, e proprietário do Canil Bjelkiers, em São Paulo.

Extremamente dócil, é um excelente cão para companhia. O Samoieda já morava com seus donos nos tempos primitivos, muitas vezes até dormindo junto com eles, aquecendo-os nas noites de frio intenso.

CARÍCIAS

A docilidade é uma característica fundamental no Samoieda. Os cães que demonstram agressividade gratuita são desqualificados nas exposições, segundo o padrão da Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC), e severamente penalizados pela Associação Cinológica do Brasil (ACB).

O Samoieda é muito apegado ao dono. “Ele adora ser acariciado, não é raro um dos meus cães colocar a cabeça debaixo da mão de qualquer pessoa, oferecendo-se para ser agradado”, relata Alfonso. Em contrapartida, não suporta ficar sozinho. Precisa participar ativamente da vida familiar e obter muita atenção. Se puder escolher, vai preferir passar o dia na sala do que no quintal. Alguns exemplares tendem a repetir o comportamento herdado dos seus antepassados. Ou seja: dormir na cama com o dono. Quem não quiser que o seu Samoieda se acostume a isso, deve impedi-lo desde filhote.

A raça não é destruidora por natureza. Porém, se negligenciado, o Samoieda pode fazer “pirraça”, mastigando sapatos ou sujando a casa de propósito. “Quando faz as suas artes, sabe que está errado, só quer chamar a atenção”, afirma Alfonso. Ele conta que um de seus cães, uma vez, indignado porque não saiu para passear com os outros, subiu no fogão e destruiu uma panela artesanal de barro. Degenhardt relata um episódio parecido: certa vez, uma de suas fêmeas picou minúsculos pedaços de papel higiênico pela casa para mostrar que ficou brava por não ter saído junto com os donos. “Quando cheguei, ela veio ao meu encontro, sentou em cima do papel, baixou as orelhas e soltou um resmungo”, conta.

Falta de atenção e abandono por parte do dono também podem levar o Samoieda a latir demais. Ruídos, animais, pessoas estranhas ou outros acontecimentos podem excitá-lo e também fazê-lo latir. Antonio Carlos Casagrande, criador de Samoiedas há 12 anos, e proprietário do Canil Vimon, em São Bernardo do Campo – SP, conta que os seus costumam latir para pipas voando no céu. “O latido normalmente não tem um tom agressivo, mais sim alegre, de brincadeira”, diz Alcino Ferreira Câmara Neto, dono do Canil Wolve’s Land, em Petrópolis – RJ. Normalmente, porém, um Samoieda criado como um membro da família não é de latir à toa.

Os criadores são unânimes em afirmar que o Samoieda é bastante sociável e costuma ser muito carinhoso com pessoas estranhas apresentadas pelos donos. Os cães de Casagrande acompanham com curiosidade as visitas que chegam à sua casa. “Até parece que querem participar da conversa”, diz. “Quando são convidados a brincar, fazem a festa, e na rua são sempre amistosos”, completa.

O Samoieda pode exagerar na dose de entusiasmo. “Quando recebo visitas em casa, tenho de prender meus cães, pois eles abanam o rabo, lambem e pulam no colo das pessoas, e às vezes chegam a incomodar”, alerta o criador há 14 anos, Gervásio Lourenço Júnior, do Canil White Feet Kennel, em São Paulo. Essa impetuosidade pode levar o Samoieda a machucar crianças pequenas sem querer. “Normalmente, ele é extremamente tolerante até com as brincadeiras mais violentas; se você deixar, eles brincarão o dia inteiro”, conta Casagrande.

Em relação a pessoas estranhas fora da presença do dono, o Samoieda age com desconfiança. Por isso, os criadores acham que ele é um bom cão de alarme. Mas dificilmente ataca alguém para valer. Lourenço Júnior acha que eles podem morder apenas se sentirem o seu território ameaçado. “Mesmo assim será apenas uma mordida de advertência”, diz ele.

O Samoieda tem um instinto de caça que pode fazer com que persiga gatos e pássaros. “Meus gatos siameses são espertos e não ficam ao alcance dos Samoiedas, que ao avistarem um deles ficam excitadíssimos e latem bastante”, conta Alcino. Mas existem exceções. “Canso de ver pardais comendo junto no mesmo prato que eles”, afirma Casagrande. Quando acostumados desde filhotes, alguns Samoiedas aprendem a aceitar outros animais como parte da família. Mesmo assim, a convivência pode ser arriscada.

Já com outros cães, os Samoiedas podem viver bem. Afinal, são originalmente cães de matilha. Mas os de temperamento mais forte tendem a disputar a liderança. “Se você tiver um Samoieda, evite colocá-lo junto a outro do mesmo sexo com temperamento forte, pois podem brigar”, aconselha Degenhardt. Já se o outro for mais submisso, normalmente não haverá problemas. ” Meu Samoieda macho convive muito bem com meus machos Setter e Golden Retriever, mas disputa a liderança com o Kuvasz, um guardião de forte personalidade”, diz Alcino.

O dono de um Samoieda precisa tomar cuidado também com o instinto natural de explorador de território, que pode levá-lo a se distanciar de casa com facilidade. Portanto, recomendam-se passeios apenas com guia, ter muros altos em casa e portões sempre fechados.

O Samoieda é definido como um cão de média atividade, porém cheio de energia para gastar. Isto é, se exercita, mas pára rapidamente. “Depois de uma boa movimentada, ele se recolhe sob uma sombra”, conta Alcino. “O Samoieda pode puxar trenó por muitos quilômetros sem parar e não parece cansar”, conta Werner. “Esforços como esse devem ser evitados em temperaturas acima de 15 a 18°C. Quanto mais baixa a temperatura, melhor.” Desde que o Samoieda saia para caminhadas diárias, ou possa acompanhar o dono em corridas ou pedaladas, por exemplo, é até possível tê-lo num apartamento.

EXTREMOS

Todas essas qualidades fazem do Samoieda um bom companheiro, e, apesar de classificado como cão de trabalho, não há nada de errado em querer ter um apenas como amigo da família. Ou, então, para participar de exposições. Na verdade, ele pode ser tão feliz deitado no sofá da sala de casa quanto em plena ação no clima gelado do Norte do planeta.

Na Europa e nos Estados Unidos, alguns criadores apreciam dar ao Samoieda a oportunidade de desempenhar as suas diversas aptidões. “Nossa tarefa é mostrar que o Samoieda é muito mais do que uma cara bonita”, conta Donna Dannen, presidente da Organization for Working Samoyeds, ou OWS (Organização Pró Samoiedas de Trabalho), nos Estados Unidos. Donna também é membro do Comitê de Trabalho do Samoyed Club of America, que realiza anualmente um evento para testar os Samoiedas em corridas de trenó, tração de carga e pastoreio de ovelhas. No passado, além de puxar trenós, eles tinham outras atividades como guardar a casa, caçar ursos e lobos e pastorear renas na neve.

Para desempenhar bem as suas funções, um bom Samoieda precisa estar rigorosamente dentro do padrão estabelecido. Um dos principais pré-requisitos é ser um pouco mais comprido do que alto, com a distância entre a cernelha (ponto de encontro do pescoço com a linha superior do tronco) e a base da cauda um pouco maior que a altura da cernelha. “Pernas curtas demais atrapalham o trabalho de pastoreio e de puxar trenós na neve pois, proporcionalmente, uma parte maior afunda na neve, exigindo maior esforço e cansando mais”, diz Degenhardt. Para a cinóloga Hilda Drumond, consultora de Cães & Cia, um Samoieda com as pernas mais curtas do que deveriam, altera o seu centro de gravidade, ficando mais próximo do chão e mais estável ” o cão terá de fazer mais esforço para correr e vai se cansar mais facilmente”, explica. “A desproporção entre pernas e coluna vertebral vai sobrecarregar as suas costas”, completa Degenhardt. Além disso, sua movimentação fica diferente. O Samoieda deve trotar, com passadas de bom alcance nos anteriores e boa propulsão nos posteriores. “Com pernas curtas, o cão perde o bom alcance, mas mantém a propulsão dos posteriores; como resultado, vai andar de lado, como um caranguejo”, ilustra Degenhardt. “Outro motivo para caranguejar são as pernas dianteiras com angulação diferente das traseiras”, acrescenta. Donna conta: “quando vi Samoiedas com pernas curtas participando dos testes de trabalho, notei que perdiam em velocidade, não tinham flexibilidade e se cansavam mais facilmente do que os cães bem proporcionados”.

Pernas curtas são mais comuns em Samoiedas pequenos. Nestes, uma pequena diferença pode alterar mais facilmente o equilíbrio. Donna acha, porém, que não há nada de errado num Samoieda pequeno, mas bem proporcionado. Para ela, o Samoieda ideal deve estar dentro da altura média estabelecida pelo padrão da raça (57 cm para os machos e 53 cm para as fêmeas).

Outra característica fundamental para o trabalho dos Samoiedas é ter olhos oblíquos e pequenos. “Olhos redondos permitem a entrada de maior quantidade da luz solar refletida na neve, provocando a ‘cegueira de neve’, o que compromete o seu desempenho”, explica Werner. Além disso, os olhos têm de ser bem separados, pois aumentam o campo de visão e compensam o formato pequeno.

MOBILIZAÇÃO

Se os cães brasileiros fossem obrigados a competir em provas de trabalho, provavelmente a maioria não passaria no teste. Segundo os entrevistados, os problemas mais comuns encontrados no nosso plantel são exatamente pernas curtas, tamanho reduzido e olhos redondos.

“Acho que a metade do plantel brasileiro está abaixo da altura média”, diz Degenhardt. “Não há como provar, mas alguns criadores podem ter realizado cruzamentos entre cães menores, visando reduzir o tamanho dos Samoiedas para vendê-los como cães de luxo, mais fáceis de criar em apartamentos”, suspeita Alfonso.

“Na Europa e nos Estados Unidos, esses problemas são bem menores do que aqui. Lá também existem cães pequenos, mas os clubes fazem um trabalho de orientação de cruzamentos que ajuda a resolvê-los”, diz Degenhardt. Há uns dez anos, ele viu cães de olhos mais claros que o desejável, numa exposição na Suécia. Sete anos depois, voltou lá e observou que o problema havia desaparecido. “Isso foi conseqüência de uma mobilização e de um trabalho conjunto dos criadores, orientados pelo Clube do Samoieda da Suécia”, afirma.

Na Inglaterra, o British Samoyed Club, fundado em 1931, tem um código de ética que aconselha os seus duzentos associados a não fazer cruzamentos puramente comerciais, diz Val Freer, secretária do clube. Ela conta que os Samoiedas ingleses têm tamanhos variados, tendendo mais para o limite máximo de altura. “Mas também há pequenos, pois muitas pessoas gostam”, diz. Já pernas curtas e olhos redondos não são comuns por lá.

O Samoyed Club of America (fundado em 1920, com atualmente cerca de mil sócios) também dá assistência a proprietários e criadores, analisando as características dos cães e a sua linha de sangue, para indicar parceiros mais adequados. “O clube tem uma revista trimestral que sempre publica novidades em pesquisas genéticas sobre a raça”, conta Donna.

Para evitar os problemas mais comuns que aparecem nos exemplares brasileiros, é importante seguir alguns critérios na hora da compra do filhote. Além de alegre, amigável, curioso e esperto, ele deve ter olhos escuros e de formato amendoado e não deve ter as pernas curtas, ou cor diferente das aprovadas pelo padrão. Também não deve ter o quinto dedo nas patas traseiras, cuja unha pode causar ferimentos na parte atrás do joelho (jarrete), quando em movimentação. A mordedura deve ser em tesoura (dentes de cima fechando à frente dos de baixo). Já as orelhas são caídas até mais ou menos dois meses, e ficam completamente eretas entre os três e cinco meses. A pigmentação das mucosas deve ser preferencialmente escura.

Bem escolhido, um Samoieda, requer apenas alguns cuidados para manter a sua beleza e a sua saúde em perfeitas condições. Apesar de ter pelagem dupla (pêlo externo e subpêlo), está adaptado ao clima brasileiro. Werner recomenda não dar banhos freqüentes, nem mesmo para refrescar nos dias de calor. “Tiram a camada de ar protetora que fica entre os pêlos”, diz. “Os meus Samoiedas ficam, por iniciativa própria, deitados em pleno sol do meio-dia durante uns quinze minutos, até no verão, sem demonstrar incômodo.”

A pelagem do Samoieda concentra a oleosidade próxima à raiz dos pêlos. Por isso, a sujeira não adere. A raça também não tem cheiro forte e costuma lamber o próprio pêlo, como fazem os gatos. Quanto aos banhos, não devem ser dados semanalmente. Quando muito freqüentes, a pelagem pode cair. As escovações são mais importantes. Nas épocas de muda (a cada seis meses) e, no caso das fêmeas, após o desmame, é ideal escovar a cada dois ou três dias para eliminar os pêlos mortos. Usa-se uma escova de pinos, passada no sentido oposto ao crescimento dos pêlos. Nos demais meses, basta uma vez por semana, para evitar nós. Os que freqüentam exposições costumam ser escovados diariamente.

OLHE A BALANÇA

O organismo do Samoieda desenvolveu muita resistência a doenças. Tem um metabolismo peculiar. A severidade das condições de vida do seu habitat natural obrigou-o a aproveitar ao máximo a comida ingerida. Os que têm vida calma e sedentária podem facilmente engordar se comerem ração em quantidade adequada à sua idade e peso. Por isso, não descuide dos exercícios, e fique de olho na balança. Um dos poucos problemas de saúde apresentados pelo Samoieda é exatamente a tendência à obesidade, que pode comprometer funções vitais e abreviar a sua vida.

“Já tive notícias de duas fêmeas obesas que morreram jovens, com aproximadamente três anos de idade, de ataque cardíaco”, diz Alcino. Para ele, a morte prematura de alguns exemplares no Brasil pode estar associada à obesidade e não ao excesso de calor, como pensam alguns.

A displasia coxo-femural (encaixe incorreto entre o fêmur e a bacia, que provoca dor e dificuldade de andar) tem um incidência de 5% entre os Samoiedas ingleses. “A displasia está longe de ser um preocupação para os criadores da raça aqui na Inglaterra; ela apenas aparece um pouco mais do que as outras doenças”, diz Val Freer.

Mas, nos EUA, o problema é mais freqüente. Segundo Donna Dannen, chega a atingir 20% dos Samoiedas registrados na Fundação Ortopédica para Animais. Uma chapa de raio X tirada aos 18 meses, antes do primeiro acasalamento, identifica os exemplares displásicos e permite excluí-los da reprodução, evitando que transmitam o problema aos filhotes.

PADRÃO OFICIAL

CBKC n° 212 de 26/4/94

FCI n°212f de 20/5/88

País de origem: Países Nórdicos

Nome no país de origem: Samoyedo

APARÊNCIA GERAL: cão ártico, de figura quase quadrada. De aspecto elegante, revelando robustez, graça, agilidade, dignidade e segurança.

CABEÇA: de crânio robusto e cuneiforme; crista occipital levemente marcada. Stop bem marcado. Focinho forte e profundo; de comprimento quase igual ao do crânio, reduzindo o perímetro gradualmente até a trufa. Cana nasal reta. Os lábios se fecham no nível das bochechas ultrapassando-as ligeiramente. Trufa bem desenvolvida. A linha dos lábios é levemente recurvada nas comissuras, criando o característico sorriso de Samoieda.

Maxilares: articulados em tesoura, sendo tolerada, mas evitada, a mordedura em torquês.

Olhos: marrons escuros, de forma amendoada, inserção bem profunda, oblíqua e bem separados; de expressão inteligente e esperta.

Orelhas: de inserção alta e bem afastadas, relativamente pequenas, triangulares, eretas, com boa mobilidade e ligeiramente arredondadas na ponta.

PESCOÇO: forte, de comprimento moderado e portado erguido e confiante.

TRONCO: de comprimento ligeiramente maior que sua altura na cernelha; o peito é bem profundo; o cão é compacto, mas ágil. O dorso é reto, de comprimento médio e bem musculado. Juba abundante. As fêmeas podem apresentar o dorso ligeiramente mais longo; o lombo bem firme e o ventre moderadamente esgalgado. Visto de frente, o antepeito é bem profundo e bem largo sem ser em barril. Os flancos são bem cintados. A garupa é bem cheia, forte, musculada e levemente inclinada.

MEMBROS: bem articulados e musculados; ossatura robusta e bem desenvolvida. As escápulas são bem inseridas, longas e oblíquas. Vistos de frente, os anteriores são aprumados e os cotovelos bem ajustados trabalhando rente ao tronco. Os metacarpos são fortes e flexíveis. Os posteriores, vistos por trás, também se apresentam aprumados, paralelos e fortemente musculados. Os joelhos e as jarretes são bem angulados e a articulação do jarrete é bem baixa. A amputação dos ergôs dos filhotes deve ser feita aos 3 a 4 dias de idade.

PATAS: ovais e flexíveis; os dedos são ligeiramente separados e arqueados.

MOVIMENTAÇÃO: o Samoieda é um trotador. A andadura é fluente e enérgica; os anteriores com bom alcance de passada e os posteriores têm boa propulsão.

CAUDA: em atenção ou em movimento, é portada curvada para a frente, sobre o dorso ou de lado, em repouso, de um modo geral, é portada pendente, chegando a alcançar o nível dos jarretes.

PELAGEM: dupla, sendo a externa abundante, rústica, flexível e densa. O subpêlo é curto, suave, denso, e serrado; pêlos mais longos, retos e duros atravessam o subpêlo para armar a pelagem externa. O pêlo forma uma juba em torno do pescoço e sobre os ombros, emoldurando a cabeça, principalmente, nos machos. Na face externa das orelhas, na cabeça e na face anterior dos membros, o pêlo é curto e liso. A base das orelhas é bem guarnecida de pêlos. Nos espaços interdigitais encontram-se os pêlos de proteção. A cauda é abundantemente revestida. Nas fêmeas a pelagem é freqüentemente mais curta e de textura mais suave.

COR: branco, creme ou branco e biscoito ( a cor de fundo deve ser branca com ligeiras marcas biscoito e jamais parecer bege). A trufa, lábios e orla das pálpebras devem ser pretos. A trufa pode apresentar, às vezes, uma ligeira despigmentação.

TALHE: altura ideal: machos é de 57cm mais ou menos 3cm, e nas fêmeas é de 53cm mais ou menos 3cm.

FALTAS GRAVES: olhos amarelos; orelhas caídas; estrutura fraca; ossatura leve; jarretes de vaca acentuados; pêlo ondulado, longo, fraco e escorrido; características sexuais indefiníveis; cauda em gancho duplo; desconfiado.

DESQUALIFICAÇÕES

  • olhos azuis ou heterocromáticos (cada olho de uma cor diferente)
  • prognatismo superior ou inferior
  • qualquer cor de pelagem não descrita neste padrão
  • natureza desconfiada ou agressiva

NOTA: os machos devem apresentar dois testículos de aparência normal totalmente descidos e bem acomodados na bolsa escrotal.

Fonte: members.fortunecity.com

Conteúdo Relacionado

 

Veja também

Carotenoides

Carotenoides

PUBLICIDADE Definição Distinguidos por seus pigmentos laranja, amarelo e vermelho, os carotenoides são encontrados em muitas …

Leão

Leão, Animal, Características, Habitat, Família, Espécie, Reprodução, Classificação, Rei da Selva, Simba, Reino, Filo, Classe, Gênero, Dieta, Leão

Víboras, Calangos e Tartarugas

Víboras, Calangos E Tartarugas, Cobra, Alimentação, Habitat, Reprodução, Víboras, Calangos E Tartarugas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

300-209 exam 70-461 exam hp0-s41 dumps 640-916 exam 200-125 dumps 200-105 dumps 100-105 dumps 210-260 dumps 300-101 dumps 300-206 dumps 400-201 dumps Professor Messer's CompTIA N10-006 exam Network+