Breaking News
Home / Animais / Mono-Carvoeiro

Mono-Carvoeiro

PUBLICIDADE

O que é

O mono-carvoeiro (Brachyteles arachnoides) é um primata só encontrado na Mata Atlântica, cujas populações se encontram ameaçadas pela destruição e fragmentação do habitat e também pela atividade de caça.

Seu nome comum é apropriado, já que “muriqui” é a palavra tupi nativa para “macaco maior”.

Às vezes referido como macacos-aranha, devido às suas relações estreitas com macacos lanosos e macacos-aranha, existem duas espécies de muriquis: norte ( Brachyteles hypoxanthus) e sul (B. arachnoides).

É o maior primata do continente americano e o maior mamífero endêmico ao território brasileiro.

Os machos podem atingir até 15 kg.

A área de distribuição original do mono-carvoeiro se estendia do sul da Bahia até São Paulo, incluindo os Estados do Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, com possibilidades de ocorrência de algumas populações no norte do Paraná.

A espécie ocupa hoje matas ombrófilas densas da região costeira e também florestas semidecíduas do interior, principalmente nos Estados de Minas Gerais e São Paulo.

O isolamento das populações em fragmentos de tamanho reduzido poderá levar a problemas de depressão por consanguinidade no futuro próximo, além do risco de acidentes demográficos e catástrofes locais, principalmente nas populações do norte a partir do Estado de São Paulo.

Macaco Muriqui: Maior dos Macacos do Novo Mundo

Aparência Física Muriqui

O nome comum alternativo, macaco-aranha lanudo, deriva de seus casacos grossos e lanosos.

Os muriquis variam em cor, um intervalo de marrom, preto, cinza e amarelado.

Todos, exceto um remendo sob a cauda preênsil (que é usado para ajudar a segurar os galhos) e seu rosto está coberto de pelo.

Como era muriquis, o rosto negro fica mais manchado. Machos e fêmeas são semelhantes em tamanho, cerca de 38-58cm de comprimento do topo da cabeça até a base da cauda, e pesam entre 4,5-9kg.

Existem algumas diferenças entre as populações do norte e do sul.

Enquanto os dentes de muriquis do norte não mostram nenhum dimorfismo sexual de machos ou fêmeas, os caninos de muriquis do sul machos são muito mais longos que os das fêmeas.

Além disso, enquanto os muriquis do norte têm um polegar vestigial, os muriquis do sul estão perdendo completamente este apêndice.

Com o passar do tempo, esses macacos evoluíram para não precisar mais de um polegar devido ao seu comportamento de ramificação rápida e agarrada. Um polegar tornou-se desnecessário, provavelmente dificultando a locomoção eficiente.

Habitat

Florestas tropicais úmidas baixas a florestas montanhosas com 3.000 m. de altura.

O mono-carvoeiro é um dos primatas mais ágeis, por isso é capaz de conseguir 171 espécies de frutas, até mesmo no final das ramas. Eles podem balançar com rapidez pelas árvores, percorrendo até 12m com apenas um braço.

Os monos-carvoreiro têm evoluído numa sociedade muito flexível para acompanhar o amadurecimento imprevisível das frutas. Eles se movem ao redor das florestas, sozinhos ou em grupos de até 20 indivíduos, que se separam poucas horas depois.

Pensava-se que monos-carvoeiros estavam extintos depois de 1926, mas eles foram redescobertos em 1974 nos Andes.

Descrição

O nome dado ao sistema, Muriqui Linux, é uma homenagem ao trabalho desenvolvido pela Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Feliciano Miguel Abdala, localizada na Fazenda Montes Claros, em Caratinga, que abriga a maior população de Muriqui ou Mono-Carvoeiro ( Brachyteles hypoxanthus ), o maior macaco do continente americano e um dos mais raros e ameaçados primatas do planeta.

Com área total de 957 hectares e a 391 km de Belo Horizonte, a RPPN Feliciano Miguel Abdala surgiu do ideal de seu fundador, que desde 1976 vinha usando sua fazenda como laboratório natural para a preservação de espécies e hoje a região é um dos últimos refúgios do Muriqui. Devido a caça indiscriminada, a espécie estava reduzida a aproximadamente 10 indivíduos na floresta da fazenda, mas, graças a Abdala e às pesquisas realizadas em suas terras, a população de muriquis foi estabilizada o número de mortes já não ultrapassa o de nascimentos e conta com 150 animais, ou seja, 50% da população total da espécie. Segundo dados da CI-Brasil, da Fundação Margot Marsh e da Comissão de Sobrevivência de Espécies da União Mundial para a Natureza (UICN), o muriqui está entre as 25 espécies mais ameaçadas no mundo.

A Estação Biológica de Caratinga foi criada em meados da década de 80 para colocar aquele pedaço importante de Mata Atlântica à disposição da comunidade científica. Dentre muitos estudos importantes realizados no local, cabe destaque à pesquisa coordenada pela bióloga Karen Strier, da Universidade de Winsconsin, nos Estados Unidos. Karen pesquisou sobre o comportamento do Muriqui.

Além do Muriqui, vivem na RPPN outros três importantes primatas: o sagüi-da-serra ou sagüi-taquara ( Callithrix flaviceps ), considerado um dos mais ameaçados dessa família; o barbado ou bugio ( Alouatta guariba ), que está em situação vulnerável; e em maior abundância, o macaco-prego ( Cebus nigritus ).

E diante deste brilhante trabalho realizado pela RPPN, a DoctumTec tem o prazer de prestar esta homenagem à dedicação de Feliciano Miguel Abdalla e Família na luta pela preservação do Muriqui, consolidando a iniciativa de unir tecnologia à preservação da vida.

Alimentação

São vegetarianos, alimentando-se de folhas, frutos e flores.

Sendo principalmente um macaco folíolo, ou comedor de folhas, os muriquis desenvolveram dentes especializados e sistemas digestivos que podem lidar com grandes quantidades de uma dieta de baixa caloria.

Eles também são frugívoros, o que significa que eles também se alimentam de frutas e bagas. Botões, flores e casca são outros itens no menu do muriqui. As quantidades de vegetação consumidas diferem entre espécies e estações, reguladas pela disponibilidade em seu habitat limitado.

Reprodução

Os filhotes de Mono-Carvoeiro nascem um de cada vez, de 3 em 3 anos, depois de uma gestação de 7 meses.

Os muriquis ou Mono-Carvoeiro são polígamos, com os machos passando muito tempo juntos em grupos sociais fortemente ligados que não mostram nenhuma agressão durante a reprodução.

Ao contrário de muitos outros primatas, as fêmeas convidam um macho para acasalar, ao invés de serem perseguidos e forçados a se submeter. Por volta dos 5 e 7 anos, as fêmeas se mudam para outros grupos antes de atingir a maturidade sexual aos 11 anos.

Os machos geralmente atingem a maturidade sexual em torno de 5 a 6 anos.

A gestação dura 216 dias antes que uma prole nasça durante a estação seca de maio a setembro.

Os jovens são desmamados entre 18 e 30 meses.

A vida de Mono-Carvoeiro ou muriquis ainda é desconhecida.

Habitat

Os muriquis habitam uma região muito isolada da floresta costeira atlântica brasileira em altitudes entre o nível do mar e 1800m. As espécies do norte abrangem os estados do Espírito Santo, Bahia e Minas Gerais.

As espécies do sul variam em São Paulo, sul de Minas Gerais e sul do Rio de Janeiro.

Seu habitat consiste em manchas severamente fragmentadas de floresta semi-decídua primária e secundária. Como a composição total da floresta foi alterada pela exploração humana, os muriquis aprenderam a se adaptar à sobrevivência de diversas espécies de árvores.

As temperaturas nestes habitats variam entre 12-26°C durante o ano, com uma média de 1,2m de precipitação anual.

Perfil Muriqui

Muriqui ou Mono Carvoeiro é o maior primata das Américas.

O muriqui macho adulto pode atingir até 15kg.

O muriqui está entre os animais em maior risco de extinção do mundo, devido a caça, destruição de seu habitat natural e baixa taxa de reprodução da espécie.

Segundo estudos realizados sobre seu comportamento, os Muriquis têm uma sociedade caracterizada pela harmonia, ou seja, não há disputa pelo poder e nem por parceiros.

A alimentação dos muriquis constitui-se de 40% de folhas, 40% frutos, 10% de flores e sementes e 10% de insetos.

A palavra muriqui significa gente tranquila, na língua tupi.

Mono-Carvoeiro – Muriqui

Características

Comprimento da cabeça e corpo de 46 a 63cm, cauda de 65 a 80 cm.

O adulto pesa até 9,5Kg. Vive em florestas tropicais úmidas de regiões montanhosas.

É arborícola e tem hábitos diurnos.

Alimenta-se de vegetais e insetos.

Vive em grupos de 6 a 12 indivíduos.

A espécie está seriamente ameaçada de extinção, classificada como em alto risco pela IUCN(1978), e USDI(1980) – apêndice 1 das CITES.

Classificação

Nome Científico: Brachyteles arachnoides (Geoffroy, 1806)
Nome comum:
Mono-Carvoeiro, Muriqui
Nome Inglês:
Woolly Spider Monkey
Reino:
Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Família: Atelidae
Subfamilia: Atelinae
Gênero: Brachyteles
Espécie: B. arachnoides
Tamanho máximo:
1.5 m. / 11 kg.
Tempo de vida:
De 20 a 25 anos.
Dieta:
Frutas e nozes (principalmente), sementes, folhas, aranhas e ovos de pássaros.
Localização:
Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Brasil e Bolívia.
Habitat:
Espécie endêmica da Mata Atlântica.
Distribuição Geográfica:
Região Sudeste do Brasil.

Mono-Carvoeiro – Fotos

 

Fonte: Portal São Francisco

 

 

 

Conteúdo Relacionado

Veja também

Aracnídeos

PUBLICIDADE Definição Os aracnídeos (classe Arachnida), qualquer membro do grupo de artrópodes que inclui aranhas, …

Anaconda

Anaconda

PUBLICIDADE O que é uma Anaconda? Uma anaconda é uma cobra grande e não venenosa. Vive principalmente …

Tigre de Sumatra

PUBLICIDADE O que é um Tigre de Sumatra? Um tigre de Sumatra é uma espécie …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.