Breaking News
Home / Animais / Maitaca

Maitaca

PUBLICIDADE

Pionus maximiliani

Maitaca

Características

Mede 27 cm de comprimento. Representante relativamente grande, de cauda curta. Cabeça verde tendendo para o negro, quase sem azul, bico amarelo com a base negra. Os jovens possuem duas manchas vermelhas próximas ao bico.
Habitat – mata alta, pinheirais e matas ciliares.

Ocorrência

Do nordeste (sul do Piauí, Pernambuco, Alagoas) e leste até o sul do Brasil, Goiás e Mato Grosso, também na Bolívia, Paraguai e Argentina.

Hábitos

Tem um modo peculiar de manter-se no ar, bate as asas levantando-as mais abaixo do corpo que qualquer outro psitacídeo. Dentro da mata, a curta distância, voa sem fazer o menor ruído. Emite um sinal de satisfação e tranquilidade, no poleiro, através de um estalo produzido pela raspagem da mandíbula contra as ondulações da superfície do “palato”. O sinal de susto é um sacudir vigoroso de toda plumagem. Vivem aos pares ou em bandos.

Alimentação

Procura seu alimento tanto nas copas das árvores mais altas, como em certos arbustos frutíferos. Subindo na ramaria utiliza o bico como um terceiro pé. Usa as patas para segurar a comida, levando à boca. Gostam mais das sementes do que da polpa de frutas. São atraídos por árvores frutíferas como mangueiras, jaboticabeira, goiabeiras, laranjeiras e mamoeiros. Os cocos de muitas palmeiras constituem sua alimentação predileta, procuram também as frutas da embaúba. Comem brotos, flores e folhas tenras, inclusive as do eucalipto.

Reprodução

O par frequentemente permanece junto dentro do ninho, mesmo durante o dia. Quando ouvem um ruído estranho põem meio corpo para fora do buraco, inspecionando os arredores e, se assustados, saem um depois do outro, sem emitir o menor som, pode ficar horas a fio na entrada do seu ninho, expondo unicamente a cabeça e permanecendo absolutamente imóvel enquanto espiona os arredores. Nidificam em troncos ocos de palmeiras e outras árvores, aproveitando-se de fendas formadas pela decomposição.

Fonte: www.vivaterra.org.br

Maitaca

Nome científico

Pionus maximiliani

Quanto mede

Mede 27cm

Onde vive

Ocorre do nordeste (sul do Piauí, Pernambuco, Alagoas), Goiás, Mato Grosso e do leste até o sul do Brasil. Ocorre também na Bolívia, Paraguai e Argentina.

Relativamente grande e de cauda curta. Cabeça verde quase sem azul, bico amarelo.Tem um modo peculiar de manter-se no ar, bate as asas levantando-as mais abaixo do corpo que qualquer outro psitacídeo. Dentro da mata, a curta distância, voa sem fazer o menor ruído. Procura seu alimento tanto nas copas das árvores mais altas, como em certos arbustos frutíferos. Para subir nas ramarias das árvores, utiliza o bico como um terceiro pé, usa as patas para segurar a comida, levando à boca. Gosta mais das sementes do que da polpa das frutas. Os cocos de muitas palmeiras constituem sua alimentação predileta. Procura também as frutas da imbaúba.

Come brotos, flores e folhas tenras, inclusive as do eucalipto.

Fonte: www.curiosidadeanimal.com

Maitaca

A maritaca e característica da região onde predomina o cerrado. Pertence à família dos Psitacídeos, que abrange também araras e papagaios.

Maritaca é um termo genérico para designar uma ave que emite um ruído um

Pionus maximiliani (Maitaca bronzeada) espécie mais comum na região de cerrado e Pionus fuscus (Maitaca roxa).

O animal adulto mede 27cm. Pesa entre 230 e 250 gramas. Representante relativamente grande, de cauda curta. Cabeça verde uma tanto enegrecida, quase sem azul e bico amarelo de base denegrida.

A espécie Pionus maximiliani apresenta alguns nomes populares, tais como: maitaca de Maximiliano, baitaca, maitaca, suiá, maitaca verde, guia umaitá.

Maitaca

Ocorre do nordeste (sul do Piauí, Pernambuco, Alagoas) e leste até o sul do Brasil, Goiás e Mato Grosso, também na Bolívia, Paraguai e Argentina.

Vive na mata alta, também em pinheirais e matas ciliares. A espécie normalmente voa em bandos, podendo chegar até a 100 indivíduos. Apresenta hábitos diurnos principalmente pela manhã.

O sexo da maritaca não é visível. Para identificá-lo é preciso um exame de sexagem, ou de DNA (por gotas de sangue ou com quatro ou cinco penas), ou ainda por laparoscopia onde se visualiza o órgão sexual que é interno.

O par freqüentemente permanece junto dentro do ninho, mesmo durante o dia.

Quando ouvem um ruído estranho põem meio corpo para fora do buraco, inspecionando os arredores e, se assustados, saem um depois do outro, sem emitir o menor som, pode ficar horas a fio na entrada do seu ninho, expondo unicamente a cabeça e permanecendo absolutamente imóvel enquanto espiona os arredores. Nidificam em troncos ocos de palmeiras e outras árvores; aproveitando-se de fendas formadas pela decomposição.

O ninho é forrado com as próprias penas da fêmea. O acasalamento costuma ser de agosto a janeiro, resultando cerca de três ovos (às vezes cinco) chocados por 23 a 25 dias, em média. Os pais alimentam os filhotes até saírem do ninho, com cerca de dois meses de idade.

Procuram seu alimento (geralmente frutos) tanto nas copas das árvores mais altas, como em certos arbustos. Para subir nos ramos das plantas, utilizam o bico como um terceiro pé; usam as patas para segurar a comida, levando ao bico. Gostam mais das sementes do que da polpa das frutas. São atraídos por árvores frutíferas como mangueiras, jabuticabeira, goiabeiras, laranjeiras e mamoeiros. Os cocos de muitas palmeiras constituem sua alimentação predileta, procuram também as frutas da imbaúba. Comem brotos, flores e folhas tenras, inclusive as do eucalipto.

Tem um modo peculiar de manter-se no ar, bate as asas levantando-as mais abaixo do corpo que qualquer outro psitacídeo. Dentro da mata, a curta distância, voa sem fazer o menor ruído. Emite um sinal de satisfação e tranqüilidade, no poleiro, através de um estalo produzido pela raspagem da mandíbula contra as ondulações da superfície do palato. O sinal de susto é um sacudir vigoroso de toda plumagem. Quando saem à longa distância são muito barulhentos.

HELMT, Sick. Ornitologia Brasileira. 1988.
STORE & USINGER. Zoologia Geral. 1991.

Fonte: www.4elementos.bio.br

Maitaca

Pionus maximiliani

Caracterização

Mede 27cm. Representante relativamente grande, de cauda curta. Cabeça verde um tanto anegrada , quase sem azul, bico amarelo de base denegrida.

Habitat

Vive na mata alta, também em pinheirais e matas ciliares.

Distribuição

Ocorre do nordeste (sul do Piauí, Pernambuco, Alagoas) e leste até o sul do Brasil, Goiás e Mato Grosso, também na Bolívia, Paraguai e Argentina.

Hábitos

Tem um modo peculiar de manter-se no ar, bate as asas levantando-as mais abaixo do corpo que qualquer outro psitacídeo. Dentro da mata, a curta distância , voa sem fazer o menor ruído.

Emite um sinal de satisfação e tranquilidade, no poleiro, através de um estalo produzido pela raspagem da mandíbula contra as ondulações da superfície do “palato”. O sinal de susto é um sacudir vigoroso de toda plumagem.

Alimentação

Procuram seu alimento tanto nas copas das árvores mais altas, como em certos arb ustos frutíferos. Subindo na ramaria utilizam o bico como um terceiro pé; usam as patas para segur ar a comida, levando à boca. Gostam mais das sementes do que da polpa da frutas. São atraídos por árvores fru tíferas como mangueiras, jaboticabeira, goiabeiras, laranjeiras e mamoeiros. Os côcos de muitas palmeiras constituem sua alimentação predileta, procuram também as frutas da imbaúba.

Comem brotos, flores e folhas tenras, inclusive as do eucalipto.

Reprodução

O par frequentemente permanece junto dentro do ninho, mesmo durante o dia.

Quando ouvem um ruído estranho põem meio corpo para fora do buraco,inspecionandoos arredores e, se assustados, saem um depois do outro, sem emitir o menor som, pode ficar horas a fio na entrada do seu ninho, expondo unicamente a cabeça e permanecendo absolutamente imóvel enquanto espiona os arredores.

Nidificam em troncos troncos ocos de palmeiras e outras árvores; aproveitando-se de fendas formadas pela decomposição.

Manifestações sonoras

São muito barulhentos. Voz: “kräk…”, “maitac-maitac”.

Bibliografia

Helmt Sick, 1988. “Ornitologia Brasileira”.

Fonte: www.faunacps.cnpm.embrapa.br

Maitaca

Maitaca

Nome Vulgar: Maritaca, Maitaca
Nome Científico: Pionus maximiliani
Classe: Aves
Gênero: Pionus
Espécie: maximiliani

Representante relativamente grande, de cauda curta, cabeça verde um tanto enegrecida, quase sem azul e bico amarelo de base denegrida. É uma ave barulhenta durante o vôo, mantendo-se silenciosa quando pousada.

É observada aos pares ou em pequenos bandos, mas às vezes em bandos de até 50 – 100 indivíduos.

Alimenta-se de frutos e sementes coletados nas copas das árvores, tais como o pinhão do pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia) e frutos da figueira (Ficus spp), gosta mais das sementes do que da polpa das frutas, sendo atraído por árvores frutíferas como mangueiras, jabuticabeira, goiabeiras, laranjeiras e mamoeiros.

Os côcos de muitas palmeiras constituem sua alimentação predileta, procura também as frutas da imbaúba. Come brotos, flores e folhas tenras, inclusive as do eucalipto. O animal adulto mede em média 27cm. Pesa entre 230 e 250gr. Apresenta hábitos diurnos principalmente pela manhã.

O par freqüentemente permanece junto dentro do ninho, mesmo durante o dia. Quando ouvem um ruído estranho põem meio corpo para fora do buraco, inspecionando os arredores e, se assustados, saem um depois do outro, sem emitir o menor som, pode ficar horas a fio na entrada do seu ninho, expondo unicamente a cabeça e permanecendo absolutamente imóvel enquanto espiona os arredores.

Nidificam em troncos ocos de palmeiras e outras árvores aproveitando-se de fendas formadas pela decomposição. O ninho é forrado com as próprias penas da fêmea. O acasalamento costuma ser de agosto a janeiro, resultando cerca de três ovos (às vezes cinco) chocados por 23 a 25 dias, em média. Em geral é a fêmea quem se encarrega da incubação, cabendo ao macho a tarefa de alimentá-la durante este período.

Os pais alimentam os filhotes até saírem do ninho, com cerca de dois meses de idade. Procura seu alimento (geralmente frutos) tanto nas copas das árvores mais altas, como em certos arbustos.

Para subir nos ramos das plantas, utiliza o bico como um terceiro pé; usa as patas para segurar a comida, levando ao bico. Tem um modo peculiar de manter-se no ar, bate as asas levantando-as mais abaixo do corpo que qualquer outro psitacídeo.

Dentro da mata, a curta distância, voa sem fazer o menor ruído. Emite um sinal de satisfação e tranqüilidade, no poleiro, através de um estalo produzido pela raspagem da mandíbula contra as ondulações da superfície do palato. O sinal de susto é um sacudir vigoroso de toda plumagem.

Quando sai à longa distância é muito barulhento. Vive na mata alta, também em pinheirais e matas ciliares. Ocorre do nordeste (sul do Piauí, Pernambuco, Alagoas) e leste até o sul do Brasil, Goiás e Mato Grosso, também na Bolívia, Paraguai e Argentina.

Fonte: www.diagnostico.org.br

Maitaca

Maitaca

Pionus maximiliani

Ordem: Psittaciformes
Família: Psittacidae

Características

Representante relativamente grande, de cauda curta. Voa de maneira peculiar, levando as asas muito abaixo do corpo, o que evidencia a parte anterior do corpo. É barulhenta durante o vôo, mantendo-se silenciosa quando pousada. São geralmente observadas aos pares ou em pequenos bandos, mas às vezes em bandos de até 50 indivíduos.

Habitat

Vive na mata alta, pinheirais e matas ciliares.

Distribuição Geográfica

Do nordeste (Maranhão, Piauí, Pernambuco, Alagoas) e leste até o sul do Brasil, Goiás e Mato Grosso; também na Bolívia, Paraguai e Argentina.

Alimentação

Frutos e sementes coletados na copa das árvores, tais como pinhão e figo.

Reprodução

2 a 5 ovos brancos. Em geral é a fêmea que se encarrega da incubação, cabendo ao macho a tarefa de alimentá-la durante este período.

Fonte: www.ucs.br

Maitaca

Maitaca

Vive em pinheirais e matas ciliares e são muito barulhentos. Mas dentro da mata, a curta distância , voa sem fazer o menor ruído.

O par freqüentemente permanece junto dentro do ninho, feitos em troncos ocos de palmeiras e outras árvores.

Quando ouvem ruídos estranhos põem meio corpo para fora do ninho inspecionando os arredores.

São atraídos por árvores frutíferas como mangueiras, jabuticabeira, goiabeiras, laranjeiras e mamoeiros.

Fonte: fazfragaial.br.tripod.com

Maitaca

Maitaca

Pionus maximiliani (Kuhl, 1820): maitaca; scaly-headed parrot.,

É característico o vôo desta espécie, que tem um batimento de asas abaixo do nível do corpo. É uma ave barulhenta durante o vôo, mantendo-se silenciosa quando pousada, como o fazem outros psitacídeos. São geralmente observadas aos pares ou em pequenos bandos, mas às vezes em bandos de até 50 indivíduos.

Alimentação

Frutos e sementes coletados nas copas das árvores, tais como o pinhão do pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia) e frutos da figueira (Ficus spp).

Nidificação

Constroem o ninho em cavidades de árvores, onde a fêmea põe de 2 a 5 ovos brancos, que medem cerca de 32 x 24 mm. Em geral é a fêmea quem se encarrega da incubação, cabendo ao macho a tarefa de alimentá-la durante este período.

Hábitat

Florestas

Tamanho

29,0 cm

Fonte: www.seed.pr.gov.br

Maitaca

Maitaca

Nome Popular: Maitaca-de-Maximiliano
Nome Científico: Pionus maximiliani
Peso: 233 a 293g
Tamanho: 29 cm
Expectativa Vida: Aproximadamente 30 anos

Alimentação

Na natureza alimentam-se frutos, sementes, bagas e provavelmente flores. No sudeste brasileiro consomem muito os frutos da Araucária. Em cativeiro fornece-se mistura de sementes, frutas, verduras, legumes e ração comercial específica.

Reprodução

Botam 4 a 5 ovos sendo que o 5 o geralmente não é fértil. Período de incubação é de aproximadamente 24 a 26 dias. Os filhotes saem do ninho com aproximadamente 9 semanas.

Distribuição Geográfica

Do norte da Argentina até o nordeste do Brasil.

Descrição

Predominantemente verdes, sendo que a parte ventral é mais pálida e mais amarronzada. Testa quase preta. Bochechas verdes e penas da cabeça também verdes margeadas de cinza escuro. As penas centrais da cauda são verdes e as laterais azuis com vermelho próximo à base. Bico cor de marfim com cinza escuro na base da mandíbula superior. Íris marrom escuro e patas cinza. Não há diferenças aparentes entre machos e fêmeas.

Fonte: www.casadopapagaio.com.br

Maitaca

Maitaca

É uma ave barulhenta durante o vôo, mantendo-se silenciosa quando pousada, como o fazem outros psitacídeos.

São geralmente observadas aos pares ou em pequenos bandos, mas às vezes em bandos de até 50 indivíduos.

Fonte: www.sindicatotrescoroas.com.br

Veja também

Rinoceronte

Rinoceronte, Reprodução, Características, Espécies, Mamíferos, Hábitos, Fotos, Classificação, Habitat, Tamanho, Animal, Anatomia, Comportamento, Rinoceronte

Rinoceronte Branco

Rinoceronte Branco, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Visão, Rinoceronte Branco

Rinoceronte de Java

Rinoceronte de Java, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Rinoceronte de Java

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.