Breaking News
Home / Animais / Grou

Grou

O gritador dos céus

PUBLICIDADE

Nome comum: Grou
Nome científico: grus grus
Nome em inglês: Crane
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Gruiformes
Família: Gruidae
Peso: cerca de 5 kg
Ovos: 2 ovos oblongos de cada vez
Período de incubação: 28 a 30 dias
Maturidade sexual: aos 5 ou 6 anos

Prefere viver em bandos. De repente, o silêncio do pântano é rompido por um grito. O som é semelhante ao de uma corneta. O grou-sentinela acabou de dar o toque de alarme. O seu bando, distante alguns quilômetros, recebe o sinal e fica em guarda. Agora, se algum perigo os ameaçar, eles estão preparados para enfrentá-lo.

O grou tem a plumagem cinzenta, o bico comprido e pontudo e as pernas compridas e pretas. A cauda é semelhante à de um galo.

O pescoço é longo, a cabeça tem uma mancha vermelha e é coberta de penas delicadas.

Esta elegante ave migradora é o grou europeu comum, que mede cerca de 1 m de altura. Em março e outubro, bandos de grous, em formação em V, cruzam o sul da Europa. Voam muito alto, mas seus gritos podem ser ouvidos do solo.

O grou vive em pântanos, rios e lagos. Alimenta-se de sementes, ervas, insetos, lagartos e anfíbios. Geralmente faz seus ninhos em ilhas. O grou-cinza da Mandchúria tem 1,50 m de altura. O grou-gritador da América é uma espécie quase extinta, embora estejam sendo realizados esforços para preservá-lo. O grou-coroado do Nilo, com cerca de 90 cm (e altura, é facilmente domesticável. O grou da Ásia central, Ásia Menor e Europa oriental é uma espécie não migradora.

Fonte: www.felipex.com.br

Grou

IDENTIFICAÇÃO E CARACTERÍSTICAS

O Grou-comum (Grus grus) é uma ave da ordem dos gruiformes. É grande, maior do que a Garça-real, tem pescoço comprido e pernas longas, o que contribui para o seu aspecto muito elegante. Junto á cauda, as penas rémiges terciárias alongadas caiem sobre aquela, os Grous parecendo peludos como as ovelhas quando vistos ao longe. É uma ave de cor cinzento prateado, mas mais escura no pescoço que, no entanto, é marcado por uma faixa branca, e apresentam uma mancha vermelha, acima dos olhos. Os juvenis apresentam ainda a cabeça e pescoço acastanhados. Tanto os machos como as fêmeas atingem cerca de 1,2 m de altura e 2,40 m de envergadura.

Em voo mantêm o pescoço esticado, e em bando formam frequentemente um V, deslizando e planando nos céus. São típicos os “krrau” constantes que emitem, tanto em voo como no solo.

Grou

DISTRIBUIÇÃO E ABUNDÂNCIA

Hoje em dia os Grous concentram-se entre a tundra ártica e as zonas estepárias do Paleártico Ocidental. Noutros tempos esta ave reproduzia-se em locais onde agora se encontra extinta como nidificante, como em Espanha, e distribuindo-se agora durante a Primavera e Verão somente no Norte da Europa.

No Inverno, no entanto, cerca de 45000 aves migram para a Peninsula Ibérica, e destas, um número que varia entre os 2000 e 3000 permanece em Portugal durante o Outono e Inverno.

ESTATUTO E CONSERVAÇÃO

Desde a Idade Média que se regista um marcado declínio desta espécie, devido sobretudo a drenagem de zonas de nidificação. Também nas áreas de invernada, a alteração de habitat é agora uma ameaça. A acelerada transformação da paisagem agrícola, com a evolução de uma agricultura extensiva de sequeiro para uma agricultura intensiva de regadio, ou a florestação com espécies de crescimento rápido com eliminação de montados de Azinho, são factores de degradação das condições de invernada desta espécie.

A vulnerabilidade desta espécie, e a redução de área dos habitat de que depende, conferiram ao Grou o estatuto de protecção especial, estando incluido no Anexo II da Convenção de Bona (sobre Conservação de Espécies Migradoras Selvagens), no Anexo II da Convenção de Berna (sobre Conservação da Vida Selvagem e dos Habitats Naturais da Europa) e no Anexo I da Directiva 79/409 do Conselho das Comunidades Europeias (referente à Conservação das Aves Selvagens).

HABITAT

Na sua área de nidificação, os Grous ocupam a região da taiga boreal e temperada e a floresta de caducifólias. Nidificam geralmente em terras baixas, mas chegam a reproduzir-se a 2200 m de altitude na Arménia. Encontram-se em turfeiras desarborizadas, pantanosas ou áreas dominadas por urzes, húmidas ou junto a lagos. Reproduzem-se nas clareiras alagadas de florestas de pinheiro densas e pantanosas da Suécia e nas zonas húmidas da Alemanha. As zonas estepárias ou semi-desérticas são também local de nidificação, desde que associadas a água, aliás estes habitat são similiares, aos da Extremadura espanhola, na altura em que ali nidificavam.

No Outono, migram para as áreas de alimentação, áreas agrícolas geralmente com searas, em zonas identicas a savanas como os montados de azinho da Península Ibérica. Nesta altura do ano utilizam dormitórios comunitários, para segurança do grupo, localizados nas margens de superfícies de água, como albufeiras, cursos de água e depressões alagadas, onde a existência de água e boa visibilidade são essenciais. Ao nascer do dia dispersam em bandos pelos campos de alimentação para regressarem ao dormitório ao crepúsculo.

Grou

ALIMENTAÇÃO

Os materias vegetais, como rebentos e folhas de cereais e de plantas herbáceas espontâneas, os grãos de cereal e as bolotas das Azinheiras, são os principais componentes da dieta dos Grous, mas estes podem alimentar-se também de invertebrados (insectos, caracóis, vermes, aranhas) e mesmo de alguns vertebrados (cobras, lagartos, rãs e pequenos ratos.

Durante a época de reprodução são fortemente territoriais, e os casais ocupam territórios grandes, mas tornam-se gregários no Outono e Inverno, agrupando-se em bandos de dimensão variável para explorarem em conjunto as áreas de alimentação.

REPRODUÇÃO

Na Primavera os Grous nidificam no chão, ou em massas de água pouco profundas. Os largos ninhos, construídos pelo macho e pela fêmea com a vegetação disponível, são reutilizados em anos sucessivos. O casal tem uma dança -“dança dos grous”- de acasalamento (vénias e saltos altos esvoaçantes) e o casal emite sons agudos em dueto. Ambos os elementos do casal revezam-se, em turnos de 2-4 horas, para a incubação de 2 ovos (raramente 1 ou 3 ovos) durante 30 dias, e no Verão o par reprodutor vive escondido com as crias. Os juvenis atingem a maturidade aos 2 anos de idade.

MOVIMENTOS

O Grou é uma espécie migradora, distinguindo-se uma população Oriental e outra Ocidental que seguem rotas migratórias distintas. A população Oriental reproduz-se na Suécia, Finlândia e Rússia, e migra durante o Outono para os Balcãs, Turquia e para a zona Oriental do Mediterrâneo. Os grous da população Ocidental têm como principal área de reprodução o Norte da Europa, a Escandinávia e a Rússia, e depois de percorrerem cerca de 3000 km, a sua maioria inverna na Península Ibérica, mas também são encontrados em Marrocos e em França. Em Portugal, ocorrem nalgumas zonas do Alentejo (ver abaixo), onde podem ser vistos desde o fim de Outubro até fins de Março.

CURIOSIDADES

O Grou é protagonista de mitos e lendas, sendo em certas regiões, um simbolo de longevidade e felicidade.

Os característicos movimentos de dança frequentes na Primavera, podem também ser observados no Inverno, podendo propagar-se de um indivíduo para todo o bando, e podem inclusivé ser induzidos pelo Homem, imitando estes movimentos.

LOCAIS FAVORÁVEIS DE OBSERVAÇÃO

Em Portugal, desde fins de Outubro até fins d Março encontram-se normalmente nos Montados de Azinho do Alentejo.

Mais concretamente, há 4 zonas favoráveis de observação:

Mourão-Moura

É a área mais importante em termos numéricos e estende-se ao longo da fronteira com Espanha onde se encontram vários locais de dormida e onde utilizam uma área de cerca de 36700 hectares para alimentação.

Évora

Nos montados de azinho e searas a sul da cidade, utilizam com regularidade dois locais de dormida, e uma área de alimentação com 14000 ha.

Campo Maior

Também junto à fronteira, utilizam um local de dormida e 19300 ha de montado de azinho.

Castro Verde

Com uma zona principal de dormida, espalham-se por 7700 ha de terreno aberto e montado de azinho disperso.

LEITURAS RECOMENDADAS

Almeida, J. (1992). Censos de Grous Grus grus invernantes em Portugal. Airo 3 (2): 55-58.

Almeida, J. and Pinto, M. (1992). Selecção dos Biótipos de Alimentação pelo Grou-comum Grus grus: o caso de Moura (Alentejo). Airo 3 (1): 1-8.

Alonso, J. A. and Alonso, J. C. (1987). Demographic parameters of the common Crane (Grus g. grus) wintering in Iberia. Aquila 93-94: 137-143.

Alonso, J. A., Alonso, J. C. and Veiga, J. P. (1984). Winter feeding ecology of the Crane in cereal farmland at Gallocanta, Spain. Wildfowl 35: 119-131.

Alonso, J. C. and Alonso, J. A. (1996). Updated estimate of numbers and distribution of Common Cranes wintering in Spain. Die Vogelwelt 117(3): 149-152.

Alonso, J. C., Alonso, J. A. and Bautista, L. M. (1994). Carrying capacity of staging areas and facultative migration extension in common cranes. Journal of Applied Ecology 31: 212-222.

Bautista, L. M., Alonso, J. C. and Alonso, J. A.(1992). A 20-year study of wintering Common Crane fluctuations using time series analysis. J. Wildlife Management 56 (3): 563-572.

Cramp, S. (Ed) (1980). Handbook of the Birds of Europe, the Middle East and North Africa, vol. II – Hawks to Bustards. Oxford, London, New York.

Díaz, M., González, E., Muñoz-Pulido, R. and Navesco, M. A. (1995). Habitat selection patterns of common crane G. grus wintering in Holm oak Quercus ilex dehesas of central Spain: Effects of human management. Biol. Conserv. 75: 119-123.

Fernandez-Cruz, M. (1981). La migracion e invernada de la Grulla Comum (Grus grus) en España. Resultados del proyecto Grus (Crane Project). Ardeola 26-27: 3-164.

Fernandez-Cruz, M., Róman, J. A. & Boroviczeny, I. (1987). The wintering of Common Cranes in Spain. Aquila 93-94: 115-122.

González, J. L., Llandris, C., González, L. M., Palacios, F. and Garzón, J. (1981). Análisis de 8 contenidos estomacales de Grulla común. Ardeola 26-27: 154-156.

Riols, C. (1987). Wintering of Common Crane in France. Aquila 93-94: 123-136.

Salvi, A. (1987). Crane, Grus grus , migration in France from autumn 1981 to spring 1984. Aquila. 93-94: 107-114.

Soriguer, R. C. and Herrera, M. (1978). Analisis de dos contenidos estomacales de Grulla Comun, Grus grus. Ardeola 24: 217-219.

Thévenot, M. & Salvi, A. (1987). Wintering of Common Cranes (Grus grus) in Moroco from 1980 to 1985. Aquila 93-94: 233-235.

Vicente, R. (1974). Wintering Cranes (Grus grus) in Portugal. Cyanopica 1 (4): 99.

Nuno Leitão

Fonte: www.naturlink.pt

Grou

Identificação

Grande ave, do tamanho de uma cegonha branca

Caracteriza-se pela plumagem cinzenta, destacando-se o enorme tufo de penas sobre a cauda. O padrão da cabeça é preto, branco e com uma pequena mancha vermelha.

Em voo destaca-se o enorme pescoço, que é mantido esticado.

Abundância e calendário

O grou é uma espécie invernante, que pode ser observada principalmente entre Novembro e Fevereiro.

Com uma população invernante de cerca de 2000 indivíduos, não pode ser considerado raro, contudo a sua distribuição muito fragmentada e localizada faz com que a sua abundância varie fortemente:

Localmente pode ser comum e chegam a ser vistos bandos com muitas centenas de indivíduos, mas na maior parte do país é muito raro.

Fonte: www.avesdeportugal.info

Veja também

Rinoceronte

Rinoceronte, Reprodução, Características, Espécies, Mamíferos, Hábitos, Fotos, Classificação, Habitat, Tamanho, Animal, Anatomia, Comportamento, Rinoceronte

Rinoceronte Branco

Rinoceronte Branco, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Visão, Rinoceronte Branco

Rinoceronte de Java

Rinoceronte de Java, Características, Tamanho, Alimentação, Habitat, Extinção, Espécie, Hábitos Alimentares, Reprodução, Peso, Rinoceronte de Java

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.